História The Fallen Angel - Vkook - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXO, Got7
Personagens Baekhyun, Jackson, Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), T.O.P
Tags Baekhyun, Bts Bangtan Boys, Got7, Jackson, Jimin, Jin, Jinmin, Jungkook, Suga, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 71
Palavras 3.021
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hehehe primeiramente não me matem
Segundo, aproveitem o capítulo :3 <3 eu sarango vocês

Capítulo 3 - Familia


Faziam-se quatro anos, quatro longos anos sem alguma presença materna na casa deixando seu aroma floral pela maioria dos cômodos como uma aura pacifica, cujo maior dom era manter a harmonia da casa, o que Jeon não esperava era que se acostumasse a ter apenas os serviçais ao seu redor o servindo enquanto lhe davam falsas opiniões à espera de um salário melhor ou quaisquer outros benefícios que podiam conquistar, mas que infelizmente não faziam direito, afinal as opiniões que não enganavam a Jungkook, ele via a mentira em seus olhos, já que depois do incidente com sua mãe ele se tornou mais fechado e passou a observar mais as pessoas, descobrindo seus lados falsos e suas manias rotineiras de mentir, trair e omitir para que lhes conviesse ganhar algo em troca. Era enjoativo! como não se cansavam de proferir os mesmos elogios todas as manhãs e durante todo o dia? Bajulando a cada segundo que podiam como prostitutas carentes, demonstrando cada vez mais a hipocrisia humana que deixava o castanho sempre cada vez mais desgastado consigo mesmo.

O jovem arrumava-se em frente ao espelho recebendo as palavras carinhosas das gêmeas Park, duas pequenas garotas de sorrisos gentis e olhinhos brilhantes, as quais o claro sempre admirou por serem fofinhas e tão amáveis com ele como também o irmão delas. Seu primeiro amigo, Park Jimin era parecido com elas, o mínimo afinal são irmão e em ao menos alguma coisa tinham de se parecer, este que foi o único no qual o castanho pode confiar durante esses anos, por se conhecerem desde antes daquele ocorrido horrendo, Chimchim – como era chamado pelo castanho e por seus outros amigos – foi o que mais se importou com a dor rotineira da falta da mãe que Jeon sentia por isso sempre tentou entende-lo e consolar ao máximo o melhor amigo.

As ruivas limpavam os ombros do garoto sorrindo abertamente observando de forma insistente à feição de tristeza de Jungkook, ambas as jovens sabiam a razão daquela melancolia, era o importante jantar formal de seu pai, que afirmou que reuniria os familiares e anunciaria uma boa nova, que nem mesmo fora contada ao mais jovem, era verídico, ele não queria ir, não queria se socializar com as pessoas que só via uma vez no ano e que lhes viraram as costas quando o luto por sua mãe se fez presente, odiava a todos daquela maldita família e seu pai era um deles, afinal, ele não só se afastou mais de sua casa como também zombou de suas fantasias com o anjo que julgava como seu protetor, aquele loiro pardo de pele iluminada pela luz lunar, que Jungkook se lembrava bem e passou todos esses anos tentando achar formas de encontra-lo, a ponto de até mesmo ter criado uma voz fictícia para que se sentisse melhor. O garoto não queria ir por isso sentia-se daquela forma, desanimado e tristonho, queria ficar ali como em todos os seus dias pacíficos, trancado em seu quarto fazendo outro de seus desenhos que, já enchiam o quarto pela grande quantidade, ou até mesmo apenas admirando o seu favorito. O desenho do loiro da noite do acidente, desenho pelo qual Jeon dava total atenção durante todos os dias, ainda com o mesmo desejo em seus pensamentos, o desejo de reencontrar ele, de lhe fazer as perguntas que sempre quis fazer e finalmente retirar aquele belo rosto de seu consciente, ou até mesmo prendê-lo de vez a ele, tomando o que seu corpo mais queria daquele garoto, um beijo.

 

 

Após o início da preparação e a noite ter caído Jeon e o mais velho desceram, porém, na primeira oportunidade o mais novo subiu às pressas para seu quarto como sempre fazia, se trancando novamente, orgulhava-se nestes momentos por ser quase invisível aos olhos de seu pai e de sua família, o que sempre lhe permitiu fugas como essa de lugares lotados, para que se isolasse e ouvisse suas músicas em meio a outro de seus intervalos para cantar o que seu pai julgava como perda de tempo. Deitou-se sobre a cama na qual ficou refletindo enquanto respirava lentamente dando um som baixo para aquele ambiente tão silencioso, seus olhos batiam na luz que entrava pela janela vindas da decoração espalhafatosa que o homem havia feito para dar uma boa impressão a festa e dava uma pequena iluminação ao quarto escuro, já que transpassavam pela cortina de um jeito mais leve, lembrou-se novamente do quão sua mãe adorava o brilho lunar e o brilho destas festas, o tom claro e nunca incomodo era maravilhoso pela visão dela, ela o amava por remeter a noite em que ela conheceu o pai do garoto, noite de brilho esplêndido que fez o amor florescer no casal. Sorriu ao lembrar quantas vezes ela sorria de forma boba enquanto contava essa história, se assemelhando a uma adolescente apaixonada, o que sempre fora já que o amor deles nunca se apagou, apenas com esse acidente.

Fechou seus olhos deixando que as lágrimas escorressem por si só, aproveitando a agradável brisa e o som maravilhoso das folhas da arvore a frente de sua janela se mexendo, não havia um único barulho incomodo, ainda, o que fez Jungkook sorrir abertamente, porém por infelicidade, ou não ao abrir os olhos deu de cara com a figura loira de seus sonhos, piscou fortemente tentando se convencer de que estava mais uma vez alucinando o dia em que encontraria o pardo, mas o mesmo não sumiu, pelo contrário teve sua feição modificada para uma expressão curiosa, os lábios umedecidos estavam entreabertos e a bela visão de seu tórax limpinho e sem marcas fez o castanho engolir o seco, o loiro se ajoelhou pondo-se de quatro em cima do outro aproximando o rosto do mais novo que não recusou a aproximação, pelo contrário a correspondeu também se aproximando, como poderia rejeitar alguém com aquela aparência e ah meu deus como seu corpo era belo, suas curvas e até mesmo a forma que seus fios estavam bagunçados pelo vento que entrava eram simplesmente fascinantes, tentador como daquela noite, ou melhor ainda mais do que naquele dia, ele parecia já formado, aparentava estar tão mais velho quanto Jungkook, afinal seria estranho que esse tipo de cena ocorresse com o castanho sendo muito mais velho que o pardo, o castanho logo teve os lábios quase se encontrando, porém o que ele não esperava era que fosse encontrado no chão com o sol claro batendo em seus olhos, agradeceu por um momento por não ter sido obrigado a aturar a aquela festa insuportável, mas sua felicidade não tardou muito a se esvair, afinal logo sentiu uma leve dor em seus cotovelos que de certo deviam ter batido quando o mesmo foi ao chão durante a noite.

Um sonho, um dos melhores que pode ter... ao longo de todos esses anos seu coração bateu unicamente pela imagem de uma criança, aquela criança misteriosa de costas a mostra e com uma expressão séria, ela agora tinha um rosto adulto de verdade, um rosto que reconhecera e que fez pior do que aquela imagem infantil, de certeza destroçou tudo o que viu pela frente em relação aos pensamentos de Jeon, que não segurou-se a sorrir com sua nova imagem . Aquele sonho fez a memória do castanho se reforçar, sabia agora como o loiro estaria depois daqueles anos sem nenhum contato ou sonho que lhe revelasse uma possível aparência de um adolescente para ao invés da criança das escadas.

Gastou toda a sua tarde desenhando o rosto agora reconhecido pelo castanho, ele via de forma clara como aquele impecável rosto ficaria no papel, as curvas perfeitas do maxilar desenhadas com cuidado, o mesmo com que trabalhou em fazer os lábios carnudos e o arco perfeito dos olhos em tom castanho escuro, os fios loiros bem desenhados e bagunçados como naquele sonho davam o ar despojado que Jeon sempre admirara, adorava os pensamentos de conhecer um garoto rebelde e que lhe trouxesse aventuras que não envolvesse comunicação, que eles fossem só como um casal de games, que socam os bandidos ou os bonzinhos e fazem sempre a pose misteriosa no final, além de um pequeno romance as escondidas de seus inimigos, que faria qualquer jogador se apaixonar pelo casal, se sonhava alto? Talvez sim, com certeza sequelas da convivência com sua mãe.

Sua obra final era esplêndida nem ele mesmo acreditava que foi capaz de reproduzir algo tão belo e de forma tão clara em apenas um único pedaço de papel. Agora ele podia o admirar, se assegurando de que as aulas de desenho lhe foram úteis neste momento, o colorido ressaltou perfeitamente o sombreado e a luminosidade da imagem, de fato Jeon sentia-se feliz e orgulhoso com o que havia feito...feliz o suficiente para pendurar o desenho sobre a cabeceira de sua cama de armação branca, um pouco ao lado do retrato de sua mãe e de um dos seus álbuns favoritos de Justin Bieber, cantor pelo qual o castanho sentia grande quantia de inspiração.

Ajoelhou-se sobre o colchão deixando que suas pernas repousassem acima do cobertor estrelado azul marinho num tom quase negro com as estrelas e alguns pontos espalhados pelo mesmo tingidos em branco, perdido mais uma vez em sua recente façanha, admirando cada traço feito, estava quase se apaixonando pelo próprio projeto, quando foi desperto de seu transe com o barulho na porta. Alguém batia de forma insistente enquanto alguns gritinhos histéricos, que de certo vinham das empregadas, soavam como uma “melodia” de fundo seguidas pelo barulho de passos apressados pelo piso amadeirado. O castanho se levantou e caminhou rumo à porta logo a destrancando de forma um tanto rude e furiosa, mas que logo desapareceu ao reparar quem estava a sua frente, Jimin, o pequeno se encontrava com as mãos juntas com seu sorriso e seu eye smile brilhando fortemente.

–Kookie!! Seu pai chegou agora com uma jovem, acho que você pode ter uma futura madrasta – ele disse soltando suas mãos enquanto segurava-se para não pular em Jungkook

Jimin e o castanho tinham uma relação escondida de seu pai, mesmo que essa relação fosse algo grandioso para o mais velho, Jeon não sentia nada por ele, era algo apenas carnal e que já chegava a cansar um pouco o mais novo que ainda se forçava a acreditar que podiam se manter como amigos se ele encerrasse de vez a encenação, o que não seria nada possível.

O rosado segurou a mão do maior sorrindo gentilmente para ele com seus olhinhos antes que Jeon separasse suas mãos dizendo de uma forma um pouco fria se encostando-se ao portal marrom escuro enquanto mantinha a porta aberta

–Que meu pai se divirta com ela, não me interessam as prostitutas que ele traz para casa – cruzou os braços encarando o teto sério

–Jungkook...parece que dessa vez é mais sério já que trouxeram até mesmo o filho dela, estiveram aqui na festa de ontem a noite e foram convidados para almoçar hoje com vocês... por isso a correria assustadora pela casa – Jimin soltou um riso baixo enquanto olhava surpreso para as empregadas que pareciam cada vez mais desesperadas com a chegada daquela jovem senhora e seu filho

Aquelas palavras foram suficientes para Jungkook, que correu rumo à escada se apoiando no corrimão para observar as silhuetas próximas a de seu pai, uma mulher de cabelos medianos caídos em cachos industrializados que batiam no ombro tocando o terno feminino cor vinho, a outra figura era loira com um visual um pouco mais descontraído, a camisa informal branca seguida por um colete jeans azul claro e a calça preta rasgada nos joelhos, ressaltando coxas grossas e fartas e um físico mediano, nada que chamava mais a atenção de Jungkook do que a curiosidade, ambas estavam de costas para Jeon, que não pode reconhecer os rostos, o que fez sua impulsividade gritar o forçando a descer. Ao ter os olhos de seu pai encontrarem o garoto ele sorriu fazendo as figuras ainda desconhecidas se virarem para olhar o motivo do sorriso do homem.

Jungkook deu um leve pulo ao perceber que o garoto a sua frente, era semelhante ao daquela noite fatídica, o mesmo garoto que lhe tirava o fôlego a cada novo sonho, ele era exatamente igual ao que vira na noite passada, mas a mistura de ódio e amor se fez, não queria ninguém assumindo o lugar de sua mãe e muito menos queria um irmão, já tinha muito a aturar em casa e nem que fosse a beldade de seus sonhos ele aceitaria isso.

–Jeon se apresse e se apresente a minha noiva e seu futuro irmão – o pai do garoto disse observando de forma agradável o mais novo – perdoe-me não lhe avisar antes, eu queria que você os conhecesse pessoalmente, mas tivemos alguns probleminhas com Taehyung

Ainda assustado o castanho observou o loiro se aproximar, vindo exatamente na sua direção completamente zangado como o mais claro, que ao escutar um coçar de garganta alto estendeu a mão para Jungkook, revirando os olhos demonstrando como se contorcia por dentro por ter que ser amigo de seu “irmão”.

–Sou Kim Taehyung, espero que nos demos bem a partir de hoje – palavras vazias saíram, era evidente, com certeza era algo que a mãe do loiro o forçou a ensaiar para que não fosse rude com o mais novo

Jeon esperou que acordasse, não queria tocar o garoto já que sempre que o fazia ele despertava de seu sonho, por isso tratou de se afastar o que gerou olhares confusos pela sala, enquanto o castanho subiu rapidamente as escadas mordendo seu lábio e antes que passasse pelo portal que lhe dava entrada para o corredor dos quartos ele pode ouvir ser pai gritar do andar de baixo gerando um eco nos dois andares, que não intimidou nada ao garoto de fios escuros que seguiu seu caminho para seu quarto

–JEON JUNGKOOK!!VOLTE!!

A voz amedrontou um pouco os outros dois na sala que logo olharam para o homem, o loiro não entendia o porquê de o jovem ter fugido dele, mas isso fez com que lhe despertasse um leve interesse pelo mais novo, não que a ideia de que ele fosse querer roubar a atenção de sua mãe por ser mais novo, mas ele foi a primeira pessoa que fugiu do pardo e isso causava a ele certas dúvidas. Ele era estranho parecia tímido e ao mesmo tempo solitário, amedrontado como um filhote e até mesmo um pouco rude como um adulto ignorante por ter sido sem educação de sair correndo da sala quando alguém lhe estende a mão, mesmo que com toda a falta de interesse. Kim crescera apenas com sua mãe que teve um grande papel durante toda a sua vida, ela agiu como um pai e como uma mãe durante os dezoito anos que esteve com o loiro, o que fez o mesmo criar uma personalidade materna e mais protetora, amando crianças e sempre buscando entregar-se totalmente ao amor, mas sempre dando o amor suficiente que todos a sua volta buscavam.

 

O silêncio atormentou a sala antes que o loiro movimentasse rumo à escada subindo a mesma, movido pela vontade de encher aquele rostinho gorducho de socos ou dar uma boa lição de moral naquele marmanjo de dezessete anos que não sabia cumprimentar direito alguém.

–Taetae...aonde vai?

A doce voz feminina lhe invadiu os ouvidos fazendo com que parasse e retomasse sua consciência, virando-se um pouco para que pudesse ter a visão da mulher

–Vou checar se meu irmãozinho precisa de mim

Tae subia sorridente, não da forma que imaginamos, não era de um jeito doce e amistoso, era como um assassino trilhando seu caminho para a vítima, que no caso estava deitada sobre a cama tentando se ensurdecer com mais um de seus álbuns de Gorillaz e que teve sua vida salva pela voz do homem que o fez parar e mais uma vez revirar os olhos e fazer corpo mole, virando-se devagar e fingindo um biquinho tristonho

–Não Taehyung, Jungkook ainda precisa se acostumar... a mãe dele o mimou demais – estendeu a mão para sua noiva que logo a pegou – vamos nós três conhecer a casa, que tal?

O loiro olhou hesitante para o portal do andar superior que estava a cinco degraus dele, porém teve a distancia aumentada ao ter o mesmo descendo rumo a eles no andar inferior, o pardo parecia ainda um pouco desconfortável, não gostava mesmo da ideia de se socializar com aquela família, mas por amor a sua mãe faria qualquer coisa. Se aproximou de sua mãe antes que ele e ela fossem guiados pela casa, refletiu bastante sobre como trataria seu novo intruso, ele temia que sua amada protetora acabasse por abandona-lo pelo filho de seu novo marido, mas ao mesmo tempo o loiro queria estar ao lado do seu irmão mais novo e tentar criar um laço afetivo, afinal ele gostava de crianças ou pessoas um pouco mais novas que ele e pelo que soube, Jungkook tinha dezessete anos e era um garoto bem tímido, totalmente o oposto de Taehyung, que era extrovertido, sempre sorridente e brincalhão, por isso a curiosidade quanto a Jeon, que pelas palavras de sua mãe era esforçado e apaixonado por seus desenhos, não se comunicava muito pela timidez e também por realmente não gostar muito do contato com as pessoas, era um amante da música graças as influências de sua falecida mãe e era cativado pelo esporte e pelos exercícios por gostar da ideia de ter um bom corpo, o que fazia bem já que estava definido como queria, dos pés ao tronco. Todas aquelas coisas, ou melhor, estes gostos eram semelhantes aos de Tae, porém alguns deles eram apenas gostos, o loiro não sabia desenhar tão bem, não tinha um corpo definido como queria, entretanto tinha uma voz de dar inveja em qualquer um, de arrepiar cada fio do corpo, o que mal sabia era que teria a oportunidade de ter o seu melhor dueto se cantasse ao lado de seu mais novo “inimigo” do campo de batalha pelo carinho de sua mãe, ou era o que Tae considerava


Notas Finais


eu volto outro dia :3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...