História The fate of magic - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Drama, Fairy Tail, Família, Nalu, Zerefxnatsu
Visualizações 192
Palavras 2.971
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oláaaaaaa, olha quem voltou!!!!
Sim, reescrevi outra fic que já tinha e sim , mudei algumas coisa pra ficar coerente e tbm mais legal.
Espero que gostem!
Boa leitura!!

Capítulo 1 - Início


 

 

 

Inicio

 

“...Quando um espírito de Devas

Consumar seu amor ao rei dragão

Os frutos desse pecado poder imenso terão

Porém um erro tudo mudará

E a vida dos irmãos nunca irá harmonizar

Um irá resguardar e o outro danar

E na guerra entre o sangue apenas um irá se erguer

E aquele que triunfar o mundo irá reger...”

 

Sei que nesse momento estou sonhando. Olho para o meu corpo e não o reconheço, me sinto mais forte,porém o controle me foge, as criaturas à minha volta me encaram assustadas, eu não me interesso por eles, quero que seu sangue seja derramado, seus olhares amedrontados me divertem e eu sorrio ao atacar, com meus dentes pontudos cortando meus lábios o cheiro de sangue me excita. Sinto então meu corpo agindo por conta própria.

Olho para a terra estranha à minha volta, seres de pele colorida, asas e armados,ainda pareciam ser pessoas, criaturas mágicas e apesar de eu achar que elas podem me matar, elas estão com medo e eu ataco novamente,minhas garras enormes e vermelhas cortam a carne de todos que estão em minha volta, ou que ousam se opor á mim.

E então um anjo para em minha frente, descendo do céu num feixe de luz e brilho. Os longos cabelos louros emolduram o rosto mais lindo do que eu já imaginei que alguém pudesse ser. Seu olhar sério me fita com severidade e ela me parece familiar, mas eu certamente nunca vi aquele rosto. Então seus olhos começam a ficar molhados quando ela olha em volta,para a carnificina que eu fiz. Ela chega mais perto e toca meu rosto,sei que nossos lábios vão se tocar a qualquer momento...

Eu acordo suado, com o barulho do meu despertador.

Mais um dia, não sei se quero acordar hoje. Não quero enfrentar o mundo hoje. Quero apenas dormir, passar toda a minha patética existência enfiado em meu quarto, reclamando sobre como fui deixado sozinho. Mas talvez depois do trabalho eu possa me embebedar novamente. Senti a cabeça latejar, ao menos quando estou com essa dor, não sinto a falta dela.

Desligo o meu alarme e encaro o teto do meu quarto com desenhos que eu mesmo fiz, não entendo o que são, símbolos que nunca fizeram sentido. Me levanto devagar e por reflexo olho para a janela,sentido como se estivesse sendo observado, não há nada ali, talvez eu deva acrescentar esquizofrenia na minha lista de doenças mentais.

Vou até a janela para me certificar e realmente não há nada, deve ser a falta de sono me afetando. Metade da noite passei fazendo meu projeto para a aula de física e a outra metade passei com as garrafas de cerveja jogadas por todo o meu quarto. Fecho as cortinas na janela e vou para o banheiro. Vejo meus cabelos rosados no espelho, estão uma bagunça, as bolsas em meus olhos já podem ser confundidas com hematomas. A cada dia eu fico mais patético, constatei.

Depois de me arrumar para o dia horroroso que com certeza teria hoje de novo,peguei minha mochila e dei uma última olhada na foto da minha mãe que tinha colocado na parede e sorri.

_Eu te amo mãe, até mais tarde._ eu disse saindo de casa.

Talvez seja meio idiota dizer algo para uma foto, mas eu não havia ainda me acostumado com a notícia. Faz 73 dias que aconteceu o acidente, que ela me deixou. Estou sozinho no mundo agora. Um órfão que virou órfão novamente.

Andando na rua ainda me sinto sendo observado, ou talvez eu só me sinta imensamente sozinho afinal desde que caiu a ficha de que eu não tinha mais família eu estou andando estranho. Olhei para trás e de novo não havia ninguém. Continuei andando meu caminho para a faculdade de tecnologia em Nova York ,onde moro.

Mais três quarteirões.

_Natsu! _ A voz familiar me chama.

_ Tá me seguindo? _ Questionei Gray e acenei para Lis ao seu lado

_ Talvez esteja, e aí tá beleza? _ ele perguntou andando ao meu lado.

_ Mesma bosta de sempre..._ Dei de ombros

_ Você parece não ter dormido nada _ Lis comentou.

_ É porque não dormi, acho que estou ficando esquizofrênico.

_ Porque acha isso?

_ Desde que acordei estou com a impressão de estar sendo seguido._ eles trocaram um olhar rápido e depois forçaram um riso.

_ Cara,quem ia seguir você? Na boa..._ eu revirei os olhos, ele tem razão, quem iria querer me seguir? Não sou rico nem nada, só um nerd de física, que atualmente está ficando paranóico.

_ Cala a boca _ resmunguei os ignorando.

_ Não vai me ignorar sempre _ ele disse rindo com Lissana.

Chegamos na faculdade e eu fui para a classe, sendo acompanhado apenas por Gray que estava no mesmo curso que eu. Ele entrou na sala e eu parei para amarrar meu cadarço, ao me levantar olhei para o fim do corredor e por um segundo apenas havia uma sombra como de uma borboleta gigante próximo da porta, mas tinha um corpo de gente, como uma fada ou um anjo, mas quando olhei novamente não havia nada.

Às vezes imagino que tem algo errado comigo,talvez eu seja louco e não tenha percebido. Tudo piorou depois que minha mãe morreu,eu fiquei perdido. E os sonhos começaram, sonhos estranhos ,coloridos, com criaturas desconhecidas. E no fim quando estou prestes a acordar aparece um anjo, com asas e cabelos loiros, mas não reconheço seu rosto, e depois que acordo suado não consigo mais me lembrar de como é. Ao que parece os sonhos estão saindo do meu controle. Balancei a cabeça antes de entrar na aula.

~º~

       A cada hora de aulas intermináveis e conversas chatas ,eu só fico tentando entender porque estou vendo coisas novamente.

Por fim fiz a apresentação do meu projeto e ganhei a nota máxima como sempre.

_ Você é excessivamente nerd,sabia? _ Gray disse enquanto eu arrumava minhas coisas para ir embora.

_ Isso é inveja! _ eu respondi colocando a mochila no ombro. Nós saímos da faculdade e o tempo estava escuro,apesar de ainda ser 13h da tarde. Eu ainda tenho que ir para a lanchonete onde trabalho meio período._ Uau que tempo feio._ eu comentei olhando para o céu e Gray seguiu meu olhar.

_Sim… vai trabalhar hoje? _ ele perguntou sério enquanto andávamos pelo nosso caminho costumeiro.

_ Vou cara, tenho contas pra pagar. _ respondi rindo, ele ainda estava sério e apenas assentiu. Nós chegamos até a esquina onde costumamos nos separar para ir cada um para sua casa._ até amanhã. _ eu disse pra ele e ele me olhou por um instante como se fosse a última vez que iria me ver.

_ Tome cuidado Natsu. _ ele disse se virando para ir embora, e porra isso além de parecer muito estranho,foi assustador.

Eu ainda fiquei olhando as costas dele se afastando pensando no que havia acabado de acontecer. Logo continuei meu caminho balançando a cabeça. O que estou fazendo parado aqui? Decidi ignorar toda a esquisitice de hoje. Cheguei em casa e ainda faltava uma hora pra eu começar meu trabalho, quando fui abrir a porta de casa percebi que já estava aberta, imediatamente fiquei em alerta, podia ter alguém aqui ainda, o que alguém iria querer roubar de mim? Não tenho nada nesse apartamento e trabalho de garçom.

Depois de dar uma volta pela casa com um taco de baseball na mão ,não encontrei ninguém, nem percebi a falta de nada, estava tudo no lugar. Mas eu não estava me sentindo sozinho ,com certeza me sentia observado e essa sensação me seguiu o dia todo.

Ainda assim, devo somente estar pregando uma peça em mim mesmo, talvez esteja tão solitário que queira uma companhia ,mesmo que imaginária, talvez eu mesmo tenha deixado a porta aberta. Tomei meu banho e me arrumei como o de costume, camiseta e calças jeans pretas. Ao sair do prédio alguém esbarra em mim.

_ Oi! Estava te esperando. _ Lis comenta sorrindo.

_ Oi… Estava?

_ Sim, Gray disse que talvez você não estivesse se sentindo bem e pediu pra eu te fazer companhia. _ Seu sorriso inocente sempre me desarma, mas esses dois estão muito estranhos.

_ Tudo bem… Vamos? _ Ela balança a cabeça e como de costume encaixa seu braço no meu contando como foi sua aula de hoje.

Próximos do nosso destino a sensação de que alguém está nos seguindo volta, mas quando olho para trás vejo uma garota, talvez uma das mais bonitas que já vi, parada em um ponto de táxi, os longos cabelos loiros dela me deixaram quase em transe.

_ Está tudo bem?_ Lis perguntou olhando para trás.

_ Sim..._ Balancei a cabeça e sorri sem graça para ela. Que olhou para a garota atrás de mim.

_ É bonita.._ Comentou.

_ O que?

_ A garota, oras. _ Eu corei e dei alguma resposta evasiva.

Voltei a andar e nos despedimos na porta da lanchonete,quando entrei havia poucos clientes.

_ Olá Natsu _  Minha gerente, Liza me cumprimentou.

_ Olá _ eu disse educadamente e fui guardar as minhas coisas

A tarde estava o mais completo tédio possível, ainda mais com a chuva que caía abundantemente do lado de fora, isso fazia com que parecesse que estava perto do anoitecer, embora ainda fossem quatro da tarde. Entrou então no restaurante um homem, grande, alto e de cara eu não sabia dizer bem como era sua aparência, usava um sobretudo e um chapéu completamente encharcados. Mas quando cheguei perto notei que tinha a pele de uma cor estranha tão branca que parecia cinza, era um tanto corcunda.

_ Boa noite, o senhor já fez sua escolha? _ perguntei ao meu aproximar, senti então um cheiro fétido de carne podre.

_O sangue do segundo mestiço._ ele disse com uma voz grossa e rouca,quase como um rosnado e seus olhos encontraram os meus.

Eu paralisei ao ver suas orbes, tinham o formato de olhos de cobra, eram amarelos e assustadores e então ele sorriu. Dentes amarelos,tortos,enormes e pontudos lhe deram o sorriso mais nojento e feio que já vi.

_ Quero você segundo mestiço, precisa ser sacrificado _ Ele ficou de pé e parecia ter mais de dois metros de altura.

Eu dei passos para trás e ele continuava vindo em minha direção, a lanchonete estava totalmente vazia àquela altura, olhei para os lados procurando por ajuda enquanto aquilo vinha em minha direção e então começaram a crescer garras em suas mãos e ele tirou o sobretudo revelando uma cauda enorme, num corpo que certamente não era humano,ele parecia um lagarto branco e gigante, meu coração deu um salto. A criatura avançou em minha direção e eu corri. Parecia que não havia mais ninguém no restaurante, embora certamente os funcionários devessem estar aqui.

_ Não corra pequeno dragão, não pode fugir de mim. _ sua voz parecia com o que seria a de uma cobra, se alguma delas falasse,como se houvesse mais “S” que o normal. Eu fui para os fundos e consegui chegar até a porta e sair em um beco, ainda ouvindo os ruídos animalescos atrás de mim, o monstro saiu logo atrás, eu já sentia o suor escorrendo quando o fim do beco chegou, uma parede se erguia dando fim a minha corrida ,eu já não tinha pra onde ir.

_O-o que quer de mim? _ perguntei gaguejando enquanto a criatura vinha em minha direção pronta para dar o bote, já podia sentir meu coração acelerado através roupa, podia sentir ele batendo até em meus ouvidos. Eu estava apavorado,um monstro estava na minha frente tirando de mim toda a razão, eu que sempre acreditei apenas na lógica ,nunca acreditei em nada disso, monstros e mitos, e agora um monstro vai me matar. Ou eu estou completamente louco.

_ Tenho que te levar para o mestre, ele precisa de você. _ ele respondeu na estranha voz que tinha e eu já não sabia mais o que fazer, não conseguia mais abrir minha boca, ele já estava perto de mim dando passos lentos com sua boca aberta soltando ruídos bestiais, as mãos levantadas para me pegar. Eu tentei fechar os olhos mas não consegui, não podia me mexer. Me paralisei de medo.

Quando ele estava quase me tocando, suas garras quase roçando em minha pele morena, algo colidiu com suas costas, em um baque surdo. Ele arregalou os olhos por um segundo e rosnou algo - talvez uma maldição - antes de fechar os olhos e cair no chão,eu fiquei parado olhando para aquilo, a criatura que me perseguia tinha uma faca dourada enfiada em suas costas, tão brilhante quanto ouro. E então o mais surpreendente aconteceu me provando que estava realmente delirando. Parada atrás do monstro a garota loira do ponto de táxi, seu olhar assassino para com o monstro fez os cabelos de minha nuca se arrepiarem, seus longos cabelos estavam balançando e caindo no rosto e quando seus olhos cruzaram com os meus eu não consegui dizer uma só palavra. Eu a reconheci,o rosto de quem tento me lembrar toda manhã, o anjo que me beija no sonho. Naquele momento ela não parecia nada angelical. Talvez um anjo vingador.

O monstro começou a se desfazer em cinzas como se estivesse sendo queimado e começou a se fragmentar em pó, logo só havia a faca dela caída no chão no meio de cinzas. Ela ainda me olhava de forma feroz,com as sobrancelhas franzidas como se decidisse o que fazer comigo e eu estava apavorado, e sem a mínima ideia do que tinha acontecido ali. Mas como tudo sempre pode piorar, Gray apareceu atrás dela.

_Lucy! Você o encontrou? _ ele parou ao lado dela colocando as mãos no joelho para recuperar o fôlego. Ela apenas apontou com a cabeça._ Droga! _ ele resmungou olhando para mim e para o resto de cinzas e facas na minha frente. E foi quando eu tomei coragem para surtar diante de situação.

_Que porra está acontecendo aqui?!

_Natsu eu … vou te explicar mas tenha calm..._ a garota loira o interrompeu.

_ Não temos tempo pra isso agora Gray, temos que levar ele para o abrigo o mais rápido possível, o lagarto foi só o primeiro, todos estão atrás dele, precisamos abrir um portal o mais rápido possível. Ele já viu,não temos outra opção e já está na hora de ele saber.

_ Não podemos tirar ele daqui sem que ele saiba de nada..

_ Acharam que poderiam escondê-lo e apagar sua memória até quando? Agora você vai me obedecer, vamos levá-lo agora, depois vocês fazem a sessão de esclarecimento de vocês.

_ Não temos como abrir um portal aqui,não temos como procurar uma bruxa nessa região e nessas condições!

Eu não estava entendendo porra nenhuma da discussão, e estava com certeza louco, isso não está acontecendo. Fiz a primeira coisa sensata para a situação: Corri o mais rápido possível para casa. Passei pelos dois na saída do beco e quando olhei para trás eles não fizeram menção de me seguir,ainda assim corri pelas ruas de Nova York como se ainda estivesse fugindo do monstro do restaurante, eu obviamente estava delirando, aquele café da cantina não estava mesmo confiável. Quando cheguei na esquina de casa, parei de correr e me abaixei com as mãos no joelho para recuperar o ar. Olhei para trás e não havia ninguém me seguindo, nem garotas com facas nem monstros lagartixa,nem meu melhor amigo. Suspirei aliviado e me virei para continuar meu caminho, mas levei um susto quando o fiz.

_Mas o que…._ gritei colocando a mão no meu coração. _ Porque está me seguindo garota!? _ gritei para ela, ela estava ali parada na minha frente, sem nenhuma expressão no rosto e com os braços cruzados parecendo despreocupada com tudo. Nesse momento cogitei que talvez tivesse alguma droga na cerveja de ontem.

_ Estou te vigiando faz semanas, garantindo que fique bem.

_E porque merda está fazendo isso? Você é uma stalker por acaso? Quer me matar e vender meus órgãos? Porque se for saiba que eu fumo e bebo.

_ Acho que não se considera fumante alguém que só colocou um cigarro na boca uma vez._ ela disse me surpreendendo, ela realmente me assusta. _ esqueça isso, e não tente fugir de novo, tenho a missão de te levar em segurança para o refúgio e farei isso aceite você ou não.

_ Refúgio? Do que está falando?

_ Uau! quando Gray me contou que você foi criado totalmente como humano eu não acreditei, afinal sua espécie costuma se desenvolver tão cedo. _ Ela me olhava como se eu fosse um animal interessante que ela nunca havia visto.

_ Minha espécie? Como assim?

_Ai esquece, Gray está com a Strauss guardando o portal, alguém vai te explicar tudo, mas não quero que seja eu, não gosto de falar da profecia.

_Que profecia..? _ aquela garota estava me irritando,ela não respondeu nenhuma das minhas perguntas e ainda me deixava com mais a cada segundo. Ela se virou e saiu andando na minha frente._ Onde está indo?

Quando é possível dizer que nossa mente perdeu a noção do real e do irreal? Do que é existente e possível ,para o que não existe,o que não é possível? Quando foi que cheguei a esse estado de insanidade?

_ Onde estamos indo? _ eu perguntei para ela, o caminho indicava que estávamos indo em direção ao Central Park, mas eu queria ter certeza.

_ Eu preciso te levar ao refúgio. Para a Fairy Tail. _ Ela me olhou entediada e começou a andar. Sem pensar em outra opção melhor, me pus a segui-la. Seja lá pra onde ela esteja indo agora.

 

 

 

...Estava me sentindo preso, queria me libertar
Sonhava com grandes coisas
E queria deixar tudo pra trás...
 _ Imagine Dragons


Notas Finais


E aÍ???? O que acharam??
Preciso que comentem pra eu continuar, hein.
Qualquer erro podem me falar tbm, por favor.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...