1. Spirit Fanfics >
  2. The feelings are fatal - Drarry >
  3. Capitulo 18

História The feelings are fatal - Drarry - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Pois é amados, eu estou viva kkkkkk
Gente eu tava muito ocupada com a faculdade e com o fato de que agora não tem ninguém pra cuidar de mim já que estou morando 10000% sozinha agora, socorroo kkkkkk
Bom, mas agora a facul parou e eu estou de quarentena, então vou conseguir postar mais uns dois capitulo nessa semana e mais alguns na próxima.
Bom, não quero me demorar muito aqui, então nos vemos lá nas notas

Capítulo 19 - Capitulo 18


Harry


Bufei audivelmente mostrando toda a minha insatisfação naquele momento. Eu havia avisado, não uma, mas diversas vezes para Pansy que aquela seria uma péssima ideia, mas não é surpresa nenhuma que ela não tenha me ouvido ou ao menos dado atenção para o que eu disse
-É melhor você ir colando as flores no painel Harry- Mione sugeriu ao olhar para minhas mãos e ver o embolado de papel que eu havia criado na falha tentativa de fazer uma flor
-Ou talvez nós devêssemos ter ficado na aula de educação física e feito as atividades propostas pela Hooch, já estaríamos em casa a uns quarenta minutos- eu falei com tom de ironia enquanto olhava diretamente para Pansy, que estava entretida em recortar cartões em formato de coração
-Você é o único reclamando Harry, veja só eu e a Mione, estamos muito bem fazendo nossos trabalhos- Pansy falou com grande deboche, me fazendo revirar os olhos e encarar Mione, em um pedido mudo de apoio
-Eu não me importo de ficar até mais tarde na escola- Mione falou dando de ombros, o que me fez franzir o cenho em pura indignação. 
O problema é que Pansy, para fugir das aulas de educação física, prometeu ao comitê de organização do baile que se eles nos deixassem ficar no ginásio interno da escola durante as aulas da Hooch, Pansy iria terminar o painel de fotos ainda hoje, o pior disso tudo é que ela falou que Mione e eu também ajudaríamos, sendo que eu claramente prefiro fingir sentir uma dor de cabeça e ficar sentado nas arquibancadas vendo o Draco jogar sem camisa. 
Então agora aqui estamos os três, basicamente sozinhos na escola quase uma hora depois do fim das aulas, terminando a porcaria de um painel de flores ridículas e impossíveis de fazer
-Vamos lá Harry, desfaz esse bico- Pansy falou com uma voz manhosa e isso apenas me fez ficar mais irritado enquanto eu colava (com um pouco de agressividade de mais) uma das flores que ela fez no painel
-Já sei, vamos falar de algo que ele gosta… E você e o Draco, como estão?- Mione perguntou em forma de ironia, mas eu não consegui fingir não me animar com o assunto
-Não conversamos muito depois do desastre de ontem a noite- comentei, sem conseguir conter um sorriso ao me lembrar da noite terminando (mesmo depois de todos os problemas durante o jantar) com Draco me deixando em casa com um beijo de boa noite e logo depois ter que sair correndo de Sirius que realmente resolveu implicar com ele.
-Bom você teve o azar de conhecer Lucius Malfoy, Draco não apresenta ninguém ao pai dele, ele vai precisar de um tempo para digerir isso- Pans falou, é claro que eu sabia que isso era algo muito diferente para o Draco, a família é um assunto delicado para ele e apesar das complicações eu fico feliz de saber que ele se dispôs a compartilhar essa parte da vida dele comigo, mas de alguma forma eu não consigo mais ter nenhuma segurança no “relacionamento” que temos e me sinto ainda mais inseguro com a reação do pai dele sobre homossexuais 
-Você não deveria se importar com o que o pai dele falou- Mione disse, quase como se pudesse ler meus pensamentos, é claro que eu não me surpreendi com isso, ela é minha melhor amiga e a pessoa mais inteligente que eu conheço
-Eu não me importo- admiti mordendo o lábio inferior com certo receio de continuar, é claro que elas não veriam motivos para a minha insegurança -Mas tenho medo que o Draco se importe- falei soltando um longo suspiro.
Draco parecia não ligar ou concordar com o que o pai havia dito durante o jantar, mas eu sentia certa insegurança de qualquer forma, ele é uma pessoa imprevisível e eu tenho tanto medo de perdê-lo agora que estamos realmente nos aproximando
-Sei que Draco pode ser um idiota em diversos níveis… Mas ele pareceu diferente sobre você hoje durante as aulas, sabe? Ele te olhava muito e sempre dava um sorrisinho quando você puxava algum assunto- Mione explicou gesticulando ferozmente como se tentasse explicar algo para uma criança e isso me fez sorrir. 
É claro que eu havia percebido que Draco estava agindo diferente naquela manhã, ele estava claramente mais atencioso comigo e eu havia gostado de ficar tentando puxar assunto com ele, apenas para poder vê-lo sorrindo daquele jeito charmoso toda vez que eu me atropelava nas palavras, mas ouvir Mione confirmar isso me deixava animado por saber que não era tudo apenas uma ilusão da minha cabeça completamente apaixonada.
-Então, mudando de assunto e indo para coisas realmente importantes… Como está o seu cu?- Pansy perguntou aleatoriamente me fazendo arregalar os olhos em uma espécie de susto misturado com pânico 
-O-o que?- perguntei, torcendo para que tenha ouvido errado. Sei que Mione é a minha melhor amiga e que Pansy vem se tornando alguém cada vez mais importante para mim, mas ainda era constrangedor demais falar sobre isso com elas, por isso eu apenas disse que havia dormido na casa dele e pulei algumas informações insignificantes como o fato de termos transado, mas aparentemente ter pulado essas informações não foi muito funcional
-Não se faça de desentendido para mim- Pansy disse, revirando os olhos, como se soubesse da cada detalhe daquela noite -Eu conheço meu melhor amigo, ele não ia deixar você passar a noite lá sem ao menos tirar uma lasquinha disso… Bom sobre o seu cu, sabendo a forma que o Draco não é muito delicado e que essa foi sua primeira vez, só posso deduzir que deva estar minimamente dolorido- Pansy esclareceu e essa foi a minha vez de revirar os olhos. Como ela conseguia ligar os pontos com tanta precisão e sempre arrancar a verdade de mim como se essa fosse a coisa mais simples do mundo?
-Por isso você está sentado assim?- Mione perguntou com um tom espantado enquanto levava as mãos até a boca, o que me fez corar levemente, elas não precisam saber o que se passa nas minhas partes.
É claro que não está dolorido como ontem, mas eu ainda conseguia sentir uma leve ardência da região e me sentia corar sempre que me ajeitava na cadeira com uma expressão dolorida e alguém me perguntava se eu estava bem
-Tem como você não me lembrar que já transou com o cara que eu sou apaixonado?- perguntei para Pansy com uma pequena carranca se formando no meu rosto. É claro que eu sabia que eles são apenas amigos, mas isso não me impede de ter ciúmes 
-Ah, mas já fazem uns quatro anos- Pans falou como se essa fosse a coisa mais comum do mundo, apenas pude revirar os olhos e voltar minha concentração para as flores que eu colava no painel
-Você perdeu sua virgindade com treze anos?!- Mione exclamou novamente, ela parecia não conseguir tirar sua expressão surpresa do rosto
-Sim… Com quantos anos você perdeu a sua?- Pansy perguntou e Mione rapidamente desviou o olhar ficando vermelha de uma forma que eu nunca havia visto e como sempre apenas isso bastou para que Pansy ligasse os pontos -Você ainda é virgem?!- Pansy praticamente gritou e Mione rapidamente usou as próprias mãos para tapar a boca da amiga, com um olhar assustado ela olhou freneticamente para os lados, eu pude apenas rir diante daquela situação, a expressão de choque de Pansy apenas não era melhor do que os olhos arregalados e o jeito envergonhado de Mione
-Quando eu contei para o Theo sobre isso, ele disse que poderíamos ir devagar- Mione falou e soltou uma espécie de suspiro cansado ao fim, mas é claro que eu conhecia Mione como ninguém e essa foi a minha vez de ligar os pontinhos
-Mas você não quer ir devagar, quer?- perguntei divertido e Pansy caiu na gargalhada quando Mione levou as mãos até o rosto, provavelmente tentando esconder sua vermelhidão
-E-eu, eu só não sei como falar isso pra ele- Mione falou com a voz soando baixinha 
-Falar o que para quem?- a voz de Theo nos chamou atenção e nós três nos viramos na direção das portas, por onde os meninos haviam acabado de entrar. 
Draco vinha atrás de Rony e de Theo, junto com Blaise e para a minha sorte (ou azar), ele estava sem camisa. Quando ele se aproximou um pouco mais eu pude ver uma camada fina de suor escorria pelo seu abdomem, me deixando completamente hipnotizado com a visão daquele corpo branco como o mármore. Pude perceber que sua respiração estava descompassada e automaticamente a minha mente me fez viajar a duas noites atrás, quando sua respiração estava dessa forma enquanto eu chupava toda sua extensão, senti meu corpo esquentar e um forte rubor atingir a minha bochecha
-Ai!- exclamei ao sentir algo queimando as costas da minha mão e fechei a expressão ao notar que Pansy havia encostado a ponta da pistola de cola quente em mim de propósito
-Seja ao menos discreto- ela murmurou rindo de mim enquanto eu esfregava o local queimado.
Senti meu rosto esquentar ainda mais ao pensar que Pansy pode não ter sido a única ao notar a direção e motivo do meu olhar, olhei ao redor e fiquei aliviado ao perceber que todos pareciam entretidos ajudando na decoração, exceto Draco, ele me olhava e tinha um sorriso como se dissesse “eu sei o que você estava olhando”, mas ele também não parecia se importar em estar sendo observado por mim com desejo, era quase um acordo silencioso, Draco gostava de ser observado sem camisa e eu adorava observá-lo sem camisa, tudo se encaixava.
Os meninos, que haviam acabado de sair do treino, cederam as nossas manhas e se se juntaram a nós para ajudar a terminar o painel, em poucos minutos já estávamos os sete conversando e rindo de assuntos aleatórios, e para a minha infelicidade Draco havia vestido a camisa. Eu adorava isso, essa forma que nossos grupos se juntaram de maneira tão natural e como parecíamos nos dar bem sem muitos esforços, tudo simplesmente aconteceu, talvez um pouco rápido demais, mas isso apenas deixava tudo melhor.
-Você deveria ao menos tomar um remédio- Blaise insistia pela terceira vez nos últimos dez minutos, fazendo todo o grupo, exceto ele e Rony, cair na risada. Não haviam nem quinze minutos que os garotos se juntaram a nós e esse meio tempo, Rony reclamou que estava com uma leve dor de cabeça e agora Blaise está o perseguindo por todo o ginásio com um copo de água e um remédio que ele foi buscar sabe-se-lá-onde
-Zabine eu já disse que não preciso!- Rony praticamente rosnou, completamente irritado, fazendo Blaise encolher os ombros com um olhar chateado e eu apenas pude rir acompanhando os outros.
Pansy havia comentado que Blaise é um garoto intenso e que é difícil para se apegar, mas que quando isso acontece ele age como um louco obcecado pela pessoa, eu só não sabia que ele agiria como se Rony e ele namorassem a meses, sendo que o primeiro beijo deles havia sido dado a menos de uma semana
-Olha Blaise eu já falei, nós somos amigos e estamos só nos conhecendo, você não precisa agir assim- Rony tentou explicar pacientemente, o que era realmente uma novidade, já que ele não costumava ter paciência nem consigo mesmo
-Está bem… Mas você já tem carona para ir para casa?- Blaise perguntou, como se não tivesse ouvido nada do que lhe foi falado e novamente explodimos em uma bomba de risadas
-Eu vou pegar isso e vou colar na parede mais longe de você- Rony falou, completamente estressado pegando um monte de flores e atravessando o ginásio, mas assim que ele chegou ao outro lado, Blaise começou a segui-lo com um sorriso esperançoso no rosto
-Faz tempo que não o vejo assim- Draco comentou enquanto atravessava com cuidado a bagunça de materiais que havíamos feito
-Parece que agora falta só você arrumar alguém para perseguir igual um cachorrinho abandonado, Draco- Theo disse rindo e eu e Pansy trocamos um rápido olhar entre nós
-Não muito obrigado, não quero acabar igual a ele- Draco falou olhando para Rony que gritava algo com Blaise do outro lado do ginásio, a resposta do loiro me fez soltar um muxoxo completamente desanimado e tenho certeza que não passou despercebido por Draco e pelas meninas
-Então, quando vamos para o paraíso?- Pansy perguntou descontraidamente, me fazendo olhar de forma questionadora para ela
-Paraíso?- Mione perguntou com as sobrancelhas erguidas
-É um chalé de luxo que os Malfoy’s tem no interior da cidade, sempre vamos para lá no fim de semana antes do baile- Theo explicou dando de ombros
-Sim, lá é incrível, por isso chamamos de paraíso… Mas temos algumas regras: sem família, sem outros amigos e principalmente… Sem peguetes. Draco criou as regras- Pansy falou como se essa fosse a coisa mais sigilosa do mundo
-Estão falando do paraíso?- Blaise perguntou ao se aproximar com o copo de água vazio e um semblante animado, Rony por sua vez estava ainda mais emburrado, o que só podia significar que Blaise havia o convencido a tomar o remédio
-É um lugar só nosso, mas ia ser legal se vocês fossem- Theo comentou e embora ele falasse com todos, seu olhar estava apenas em Mione
-E passar um fim de semana com o Blaise no meu pé? Estou fora- Rony falou com irritação e Blaise soltou um muxoxo
-Não sei se eu vou, a próxima semana é de provas e são as provas finais, vou precisar estudar esse fim de semana- Mione falou 
-Bom, eu não quero atrapalhar a reunião de vocês, talvez seja melhor ficar em casa- falei dando de ombros, é claro que eu estava empolgado com a ideia de poder passar um fim de semana com Draco Malfoy, mas ele não parecia fazer questão que eu fosse
-Vocês são muito chatos- Pansy murmurou colocando os fones no ouvido e revirando os olhos, em um segundo todos também já estavam voltando a fazer suas tarefas.
-Os tubos de cola acabaram- Mione avisou olhando ao redor, como se pedisse para que alguém fosse buscar, ninguém se manifestou de imediato então eu apenas pude revirar os olhos e me levantar
-Eu vou buscar, onde estão?- perguntei sacudindo a sujeira na minha calça  e aproveitando para esticar as pernas, que já estavam dormentes por conta da forma que eu estava sentado
-Estão na sala de materiais perto da diretoria- Mione falou estendendo a chave para mim 
-Obrigada Harry, você é nosso herói- ouvi Pansy gritar enquanto eu me afastava em direção a porta.

 

 

Draco


Acompanhei com o olhar Harry saindo do ginásio, mas não me prendi muito nisso, por algum motivo Harry me parecia extremamente excitante hoje e vê-lo andando de costas com aquela calça que delineava perfeitamente sua bunda definitivamente não seria a melhor ideia para o momento.
Suspirei entediado voltando a minha tarefa de recortar os papéis
-Nossa eu me esqueci completamente, as folhas rosas acabaram também- Pansy falou audivelmente e eu escutei Hermione soltar um risinho abafado ao meu lado
-Eu posso ir buscar- Ron disse já se levantando e Blaise fez menção de imitá-lo, mas parou quando recebeu um olhar feio do ruivo
-Não, o Draco vai- Pansy se apressou em dizer com um sorrisinho malicioso direcionado para mim, eu estava pronto para dizer que Rony poderia ir e que eu estava muito bem aqui sentado, mas Hermione foi mais rápida
-O Draco realmente não se importaria de ir, não é?- ela perguntou, lançando um olhar cheio de significado para mim e me fazendo finalmente entender o que aquelas garotas estavam armando
-Realmente, não tenho problema nenhum, pode ficar ai com o seu namorado Weasley- falei, sem conseguir conter uma provocação ao final da frase fazendo Rony me olhar completamente indignado antes de voltar a se sentar.
Caminhei em direção a saída do ginásio com um pequeno sorriso vitorioso estampado no rosto, anotei mentalmente que precisaria me lembrar de agradecer as meninas mais tarde.
Fui andando um pouco mais rápido que o necessário em direção ao armário de materiais, nas esperança de que Harry ainda não tenha saído de lá. E as minhas preces foram atendidas quando eu cheguei perto do armário e vi a porta do local aberto.
Me aproximei o mais silenciosamente possível, vendo Harry de costas para mim enquanto parecia procurar algo nas caixas dispostas sobre as prateleiras do pequeno quartinho. Me apoiei no batente da porta observando Harry atenção, ele era mais baixo e consideravelmente mais magro que eu, mas ainda sim algo no seu corpo me atraia fortemente, seus cabelos pretos e bagunçados dava um ar desleixado para o garoto e isso também me atraia, também tinha seu sorriso tímido e a forma extremamente sexy que ele passava a língua por entre os lábios sempre que estava distraído era tão involuntário que eu muitas vezes pedi a ele para me explicar algo apenas para poder observar esse ato mais de perto, mas apesar de tudo isso também tinham seus olhos, céus eu nunca vi nada parecido com aquelas esmeraldas que parecem simplesmente me obrigar a ser gentil e me abrir com ele como se essa fosse a coisa mais simples do mundo e mesmo apesar de poder ficar horas enumerando as coisas que me atraiam no garoto, eu simplesmente não conseguia achar uma justificativa para o apego que eu venho sentindo por ele e muito menos uma forma de me livrar desse sentimento que vem se tornando quase uma dependência.
Fui tirado dos meus pensamentos quando uma caixa cheia de pincéis caiu na cabeça de Harry, a caixa estava em uma prateleira alta que ele teve que ficar na ponta dos pés para tentar alcançar. O garoto exclamou um palavrão e logo em seguida tapou a boca com as próprias mãos, quase como se tivesse dito algo realmente terrível e essa atitude me fez rir, assustando o garoto que olhou na minha direção apavorado, me fazendo rir mais ainda
-Não ria, idiota- ele reclamou com manha e revirou os olhos para mim -Faz tempo que você está ai?- ele perguntou se abaixando para pegar a caixa que havia caído
-Não, cheguei a tempo de ver essa cena cômica- menti, Harry não precisava de saber que eu estava a uns cinco minutos o observando e listando tudo que eu gosto nele. 
Caminhei até perto dele e peguei a caixa das suas mãos, o olhando nos olhos enquanto me esticava para colocar a caixa em seu devido lugar, não consegui não me aproveitar da situação para prender o corpo de Harry entre o meu e as prateleiras, eu adorava provocá-lo e ver a expressão de expectativa enquanto eu colava nossos corpos e aproximava nossos rostos era impagável, é claro que isso também exigia muito autocontrole da minha parte já que se tornou difícil estar tão próximo de Harry sem querer beijá-lo e fode-lo em qualquer lugar
-Você vai me beijar?- ele perguntou com a voz um pouco baixa e isso me fez recuar um pouco após colocar a caixa em seu devido lugar
-Isso seria um problema?- me apressei em perguntar, me um pouco confuso
-Definitivamente não- ele disse com um pequeno sorriso e eu o correspondi da mesma forma, esticando um pouco a mão para poder fechar a porta atrás de mim e não me demorando em capturar os lábios de Harry com os meus.
Beijar Harry era completamente diferente de beijar qualquer outra pessoa, mas era um diferente tão bom que eu prefiro não pensar muito sobre o assunto. Não sei dizer exatamente a razão de ser diferente, talvez o cheiro que ele parece exalar do próprio corpo e me deixa inebriado a cada vez que sinto, talvez seja a forma que os dedos dele passeiam pelos meus cabelos de um jeito tão carinhoso que me faz arrepiar a cada toque ou como a minha mão parece se encaixar de uma forma perfeita na cintura dele, talvez seja a forma que as nossas línguas parecem dançar em uma sincronia que eu nunca senti antes ou talvez não seja por nenhum desses detalhes que eu fui anotando mentalmente a cada vez que eu o beijava, mas ainda sim eu sinto que poderia beijar Harry pelo resto da minha vida.
Suspirei quando senti Harry sugar minha língua de leve e o senti sorrir no meio do beijo, sem sentir a menor vontade de me conter eu desci minhas mãos que estavam em sua cintura direto para sua bunda e apertei com força a carne do local, ouvi ele soltar um suspiro o que apenas me motivou a repetir o ato e dar uma leve mordida no lábio inferior do moreno que tinha uma das mãos na minha nuca e a outra pousada de leve no meu maxilar.
Nos afastamos quando o ar fez falta e ficamos um tempo apenas tentando normalizar nossas respirações descompassadas e eu não conseguia deixar de notar como Harry tinha um pequeno sorriso brotando entre os lábios inchados pelo beijo. Adicionei a minha lista de coisas que gosto no Harry o tópico de “como ele fica após meus beijos” e decidi que o sorriso que ele dava ao fim de todo beijo deveria ser a primeira coisa do novo tópico.
Suspirei me sentindo estranho de alguma forma, eu sentia que não havia aproveitado o suficiente de Harry e logo nós vamos nos formar então não teremos muitas desculpas para nos encontrar e isso me trouxe um estranho incômodo, eu queria passar mais um tempo com Harry antes de dizer adeus e com esse incômodo veio uma ideia
-Você deveria ir no chalé da minha família esse final de semana- eu falei depois de algum tempo e o vi me olhar com estranheza
-Achei que era proibido peguetes- ele falou em um tom de brincadeira
-Mas você não é só um peguete- eu falei sem conseguir pensar direito, torci para que Harry não tivesse me ouvido, mas ao ver sua expressão de surpresa eu tive certeza de que ele havia me ouvido perfeitamente. Acho que eu disse aquilo na esperança de achar algo que fizesse Harry ir, não é como se o fim de semana dependesse dele para ser bom, mas as coisas pareceram ter melhorado na minha vida desde que o moreno chegou e sei que não seria diferente com esse fim de semana
-Sou o que então?- ele perguntou, a voz exalando um pouco de esperança e eu me repreendi mentalmente por dar essa falsa esperança ao garoto
-Um amigo- falei como se fosse óbvio e senti, quase no mesmo instante, o braço dele de afrouxar no meu pescoço e só então percebi que ainda estávamos abraçados 
-Amigos que ficam se pegando pela escola?- ele perguntou em um tom de desafio na voz e eu imediatamente falei a primeira coisa que me surgiu na mente
-Uma amizade colorida, ou você acha que é a primeira pessoa com quem eu fico me agarrando pela escola?- perguntei em tom de deboche e só percebi o que eu havia dito quando Harry soltou os braços do meu pescoço e me empurrou de leve para que eu pudesse tirar minhas mãos da sua cintura
-Bom, então vá atrás dessas outras pessoas quando quiser se pegar com alguém por aí- ele disse com uma confiança que eu nunca havia visto nele antes, mas que definitivamente foi para minha lista de coisas que eu gosto nele
-Ainda precisamos pegar a cola quente, onde você vai?- perguntei ao ver que ele estava passando por mim e indo em direção a porta
-Bom, você pode procurá-las sozinho- ele falou sem dar muita atenção antes de simplesmente sair pela porta do armário.
 


Notas Finais


Draco: não tô apaixonado não, que é isso
Draco tbm: já viu aquele cabelo, aqueles olhinhos e aquele sorriso, meu deus ele é lindo demais!

Ai eu amo esse casal como senti falta de escrever sobre eles.
Bom vocês lembram que a uns três ou quatro capítulos eu avisei que a fic estava acabando? Pois é eu acrescentei mais uns três capítulos. Por que? Porque eu não quero dizer adeus (falando em dizer adeus, se você não quiser dizer tchau pra essa fanfic você já pode ir lá favoritar Toxic né? Vai sair mais capitulo amanhã mo https://www.spiritfanfiction.com/historia/toxic--drarry-17469468).
Estão vendo o Draco começando a se dar conta que gosta da presença do Harry? E o que vocês acham, o Harry vai ou não para o paraíso? E sobre a nova obsessão do Blaise: Ronald Weasley, errado tava quem achou qe eu não colocaria esse casal na fic!
Gente eu fico tão feliz de ver vocês comentando, sei que demoro para responder, mas eu sempre respondo tá? Pode comentar, deixar ai a sua critica, seu apoio, sua opnião em geral ou se só quer conversar sobre o clima, eu adoro ler os comentários, não tenham medo de se expressar!
E como eu já disse eu postei o prólogo de uma nova fanfic e tá maravilhosa, algumas pessoas já favoritaram e já tão comentando. É uma fanfic bem gostosinha igual essa e se você ainda não leu vai lá favoritar porque essa semana vai sair muito capítulo daquela belezinha então aproveitem a quarentena para maratonar!
Ta aqui o link oh: https://www.spiritfanfiction.com/historia/toxic--drarry-17469468

É só isso mores, lembrem-se:
Lavem as mãos e usem álcool em gel, evitem aglomerações, esperem um pouco para ir visitar os vovós durante um tempo, nada de colocar a mão quando espirrar, fiquem em casa e não precisa de pânico, nada de sair comprando igual maluco, não é o fim do mundo! Bebam água, amem o próximo e HOMOFOBIA É CRIME, se presenciar denuncie

Beijos até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...