História The First Time - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Demi Lovato, Joe Jonas, Kéfera Buchmann
Personagens Demi Lovato, Kéfera Buchmann
Tags Keferlovato, Kemi, Lesbicas, Romance
Visualizações 39
Palavras 3.182
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Orange, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Rai gais!
Tudo bem?
Bom a fic não chegou a 10 comentários, mas em respeito a quem comentou e a minha amiga e namorada q n me dão folga, eu vou postar hoje.
Desculpem qualquer erro.

Capítulo 13 - Apenas se for menino!


Fanfic / Fanfiction The First Time - Capítulo 13 - Apenas se for menino!

                                                4 meses depois...


Kéfera’s Pov

Levantei da cama com meu despertador apitando, dei um tapa no mesmo antes que ele acordasse Dean, com cuidado me levantei da cama, sorri ao ver meu filho ocupando um grande espaço, o cobri com o edredom já que estava ventando, o tempo estava bem gelado. Vesti meus chinelos e fechei a janela, assim as cortinas pararam de se mover, dei uma leve olhada lá fora, o céu estava nublado, as nuvens bem pretas, e estava bem escuro. Maravilha.

Fui ao closet e peguei uma calça jeans, fechada claro, um par de meias, uma calcinha e um sutiã, ambos de cor diferente, peguei uma camiseta branca e um sobretudo, peguei minhas botas de cano alto e coloquei tudo no mesmo lugar, seria difícil sair do banho hoje.

Arrumei meu cabelo, mais ou menos, e lavei meu rosto, obrigada arquiteta por ter água quente na pia do meu banheiro. Sequei o mesmo e me olhei no espelho, apresentável eu diria.

Desci as escadas indo para o andar debaixo, a sala estava arrumada, segui para a copa, a mesa ainda não estava posta, soltei um suspiro, eu mesma teria que fazer o café, Bety deve se atrasar um pouco hoje.

- Bom dia!_ ela me olhou assustada, mas sorriu. – O que faz acordada a essa hora?_ ela apontou algumas coisas na bandeja, havia café, suco, açúcar, xícara, copos. – Iria levar para a mesa?

- Bety disse que não vai poder vir hoje, está muito frio, e ela disse que está doente. Então tive a ideia de fazer o café. Mas eu me queimei com a água quente, e atrasou um pouco._ cheguei mais perto de Demi e olhei sua mão, a mesma estava bem vermelha, e havia uma bolha.

- Deveria ter usado a luva, é para essas coisas que ela serve!_ seu sorriso sumiu e ela olhou para baixo assentindo. – Mas deve estar maravilhoso.

- Pode levar para a mesa?_ assenti e peguei a bandeja para levar tudo para a copa, e estava pesado, queria saber como ela levaria isso tudo para lá, de uma vez.

Havia se passado algumas semanas desde que Demi veio para casa comigo, foi uma decisão, minha e da mãe dela ela vir morar comigo, a casa era grande, protegida, e eu estava morando sozinha mesmo, mas ela não gostou nada, até tentou ver com alguma das amigas, mas eu combinei com elas de elas dizerem não, é feio dizer que fiz elas mentirem? Só por querer Demi aqui? Bom, ela aos poucos foi se acostumando com a ideia, ela ficou aquele final de semana todo conversando comigo enquanto estávamos deitadas, em nenhum momento me encarou, ou olhou para mim, era mais um desabafo. Eu notei que ela deu uma alegrada, seus olhos já têm um brilho, ela esta se sentindo mais a vontade na casa, mesmo as vezes não fazendo coisas por eu estar perto.

Ok! Talvez eu seja um pouco carrancuda de mais, e mãe de mais, mas eu só não quero que ela se machuque eu disse a Dianna que tomaria conta dela e é isso que eu tenho que fazer, mesmo ela ficando emburrada a maioria das vezes.

- Gostei da roupa!_ ela estava com uma calça de moletom na cor cinza, a mesma era grande, mas de alguma forma não caia, usava uma pantufa do bob espoja e uma camiseta branca de algodão, ela me olhou e sorriu. – Vai fazer algo hoje?_ ela negou, hoje não haveria aula, era aniversário de morte do meu avô e meu pai sentia de mais esse dia, então a Universidade dava uma pausa.

- Eu vou ficar aqui mesmo, o dia esta maravilhoso para um filme, pipoca, chocolate quente..._ ri de suas expressões, ela estava achando aquilo maravilhoso. Seria uma pena se alguém estragasse.

- Quer ir comigo a empresa? Estarei quase sem trabalho hoje!_ bebi um pouco do café e senti meus olhos enxerem de lágrimas. – Seu café está maravilhoso Demi.

- Obrigada, eu fazia quando estava na clínica._ eu sempre quis saber sobre coisas da clínica, mas ela parecia sempre com medo de lá, pois todo vez que lembrava de algo ela ficava séria e mudava de assunto rápido. – Eu adoraria Keh, mas sua mãe não liga?

- Não, minha mãe manda sim em tudo lá, e eu tenho que obedecer todas as regras igualmente aos outros funcionários, mas o estúdio é meu, então não tem problema._ ela assentiu e continuamos a tomar nosso café no meio Dean se sentou conosco, quieto, só abriu a boca para me pedir copo, suco e duas torradas com geleia, não respondeu Demi em nenhuma de suas tentativas de puxar assunto.

- Eu acho que ele não gosta de mim._ ela disse e sorriu triste.

- Ele está com ciúmes, por isso dormiu comigo, eu vou conversar com ele. Você é minha digamos amiga, por enquanto, e ele vai ter que se acostumar com a ideia de ter você aqui comigo, dormindo no mesmo quarto ou não.

- Keh ele ainda é criança, deixa ele, ele esta na casa dele._ levantei e sentei ao lado dela.

- Demi, ele é uma criança sim, mas ele tem que aprender que as pessoas tem sentimentos, e que ele não pode tratar mal as pessoas por causa de ciúmes, eu sou a mãe dele, entendeu? Ele tem que entender que ele precisa amar as pessoas que me fazem feliz, e eu estou bem mais paciente, amável e feliz com você aqui em casa._ suas bochechas ficaram vermelhas e ela assentiu. – Termina ai e pode deixar as coisas em cima da mesa mesmo, tome um banho e se troque para podermos ir._ beijei sua testa e sai subindo as escadas.

Passei pela porta do meu quarto e fui para o quarto de Dean, bati na porta e ele disse “Não estou”, típico de crianças, bate outra vez e ouvi um barulho de pés no chão, abri a porta e somente seus pés brancos com o colado vermelho estavam aparecendo, ele estava debaixo da cama.

- Aonde será que o Dean se meteu? Eu não o vejo em nenhum lugar, será que ele fugiu? Mas olha só dois pés, quem será que deixou eles aqui? DEMI? Perderam dois pés aqui do quarto do Dean._ eles se mexeram me aproximei dos mesmos e fiz cosquinhas, ele riu e pediu para que eu parasse e saiu debaixo da cama.

- Quando ela vai embora?_ se sentou na cama, e eu me ajoelhei para ficar em sua frente.

- Ela não vai Dean, escute a mamãe, Demi está dodói, fizeram um dodói muito grande nela.

- Eu não vi dodói nela, mamãe.

- A gente não pode ver meu anjo, está aqui dentro._ apontei seu coração e ele abriu a boquinha.

- No coração mamãe? Demi está dodói no coração?

- É filho, machucaram ele, e nós dois podemos fazer o coração dela sarar, mas para isso você não pode ficar tratando ela mal, a mamãe sabe que você esta com ciúmes dela, mas ninguém vai ocupar um lugar tão grande na vida da mamãe quanto você, a mamãe ama muito você, a Demi é uma pessoa que a mamãe também ama, mas ainda está bagunçado o coração da mamãe e também a cabeça, esta uma bagunça bem grande, mas assim que a mamãe arrumar essa bagunça a mamãe vai dizer para a Demi que a ama._ ele me olhava bem atento, acariciou meu rosto e depois sorriu, o único sorriso que me fazia ter força.

- Tudo bem mamãe._ ele me abraçou e eu deixei algumas lágrimas rolaram, mas eu as sequei.

Sai com ele de seu quarto e fui ao banheiro dele que ficava no corredor, tirei sua roupa e o coloquei dentro da banheira, e a enchi, ainda era bem cedo e ele poderia aproveitar um pouco da água, já que ele amava.

- Eu volto daqui quinze minutos para te dar banho, aproveita._ ele sorriu e jogou água para cima. – Dean vai ensopar o banheiro, calma.

Sai e deixei ele se divertindo, andei até meu quarto, mas parei, Demi estava falando ao celular, suspirei, eu não queria ouvir, isso era privacidade dela, mas o meu instinto falou mais alto e me aproximei da escada para poder ouvir.

- Oi, eu estou na casa de Kéfera, Dallas já disse que isso é um assunto meu, não me importa que ela tem idade para ser minha irmã mais velha, Dallas! Eu não tenho nada com ela, e mesmo se tivesse isso não seria problema seu._ ela ficou em silêncio, sua mão estava na nuca, ela parecia irritada e triste ao mesmo tempo. – Para a casa eu não volto, já disse._ meu sangue estava fervendo. – Dallas entenda, eu não vou falar com Wilmer, não vou marcar nada, e nem vou ai quando não tiver ninguém, eu não confio nele, porque eu não confio Dallas, entenda por favor, só não quero contato com ele._ desci degrau por degrau até estar bem próxima. – Eu quero ficar aqui com ela Dallas não entende isso? Ela me faz bem. Estou Dallas com certeza estou dando para ela, até porque essa é a única coisa que posso dar a uma pessoa não é mesmo? Não foi isso que você disse, mas foi o que insinuou.

- Demi? Me da aqui!_ peguei o celular e escutei uma respiração desregulada.

- Wilmer disse que foi tentar te explicar que vamos morar aqui e que seríamos uma família de novo, e você deu seu ataque de estrelinha, só queria que se desse bem com meu marido e pai do meu filho, seu sobrinho, e se não voltar a morar aqui, eu vou fazer esse bebê odiar você Demetria. _ respirei fundo e Demi me olhou um pouco apreensiva.

- Não tem vergonha de colocar um bebê no meio disso tudo Dallas? Acha mesmo que trouxe sua irmã para cá para ela me satisfazer sexualmente, você sabe muito bem o quanto me senti doente por sentir algo por ela, e você queria que isso acontecesse naquela época lembra? Ou já se esqueceu que me dizia fantasias com ela? Sinto nojo de ter feito tudo aquilo, eu nem se quer queria ter lembrado, sua irmã esta se recuperando de uma ferida grande, e você falar dessa parte da vida dela na clínica de ataque de estrelinha nota-se o quão bem você a quer, não ligue mais para ela com esse assunto, pois ela não vai sair daqui, poderia ter esperado o sol sair pelo menos.

- Keh...eu.

- Você nada Dallas, deixe a sua irmã em paz, ela não esta prejudicando ninguém, fique quieta na sua, com seu marido e seu filho._ desliguei o celular e o devolvi para Demi, ela estava sentada no sofá, apenas observando as coisas.

- Obrigada!_ sorri e subi as escadas entrando em meu quarto, levei minha toalha e roupa para o banheiro e sai para dar banho em Dean, que tinha seus dedos enrugados por estar tanto tempo na água. Depois de deixá-lo pronto foi minha vez de me arrumar, o que demorou um pouco, já que por causa do frio eu não queria sair do banho.

- Tudo pronto? Nossa._ olhei para Demi e quase babei, ela estava com seu cabelo solto, um vestido de lã, não muito grosso na cor branca e uma casaco fico por cima, o mesmo era cinza, e nos pés ela estava com uma bota de cano médio.

- Está muito ruim?_ neguei, mas não foi eu quem a elogiou.

- Você está linda como a mamãe! _ ela ficou vermelha e sorriu, disse um obrigada e bateu um soquinho na mão dele. Peguei minha bolsa e coloquei nos ombros e a maleta segurei com a mão esquerda, Dean pegou sua mochila de rodinha e a arrastou pelo caminho. Demi estava com uma bolsa também, de lado, caminhamos até o lado de fora e um segurança veio para perto.

- Senhora Buchmann? Aquele homem deseja ver a senhorita Lovato, se apresentou como namorado dela, Guilherme Bomba, disse também que é professor._ o olhei bem, o que ele estaria fazendo aqui? E como assim namorado de Demetria?

- Sabe sobre isso Demi?_ ela assentiu um pouco triste. – Pode ir falar com ele se quiser, ainda temos uns trinta minutos.

- Não, eu não quero, ele...ele me beijou no dia do sorteio, vai ter um show de talentos na Universidade, só que muitos querem cantar, e eu queria uma música feita por mim, e ele conseguiu que eu a registrasse, pediu um beijo em forma de agradecimento, achei que não fosse nada de mais, mas agora ele fica me seguindo, Miley já está até cansada dele.

- Entrem no carro._ coloquei minhas coisas no porta malas e o fechei, ajeitei Dean em sua cadeirinha e fechei o carro, peguei Demi pela mão e fui até o professor que estava parado esperando.

- Como vai professor, o meu segurança disse que queria falar com Demi._ ele olhou serio para nossas mãos, achei que Demi iria soltar, mas ela fazia uma leve pressão a segurando.

- Sim, bom eu queria saber se ela queria sair hoje, tomar alguma coisa ou comer alguma coisa, não sei se ela contou, mas ficamos algumas vezes, e eu estou curtindo ela, achei bem atraente, bonita, e sabe conversar.

- Ficamos uma vez apenas Professor, eu já disse que não quero nada serio por agora, e que minha opção sexual é a mesma que a sua, meninas. Queria pedir que o senhor não ficasse me seguindo mais, eu realmente não quero nada com o senhor.

- Lisa sabe sobre isso Guilherme? Sua esposa não merece esse tipo de coisa, deveria sair com ela hoje, levá-la para um jantar, comprar flores e não vir até a minha casa e chamar uma aluna para sair, e se o senhor não sabe é crime namorar alunos._ ele continuou com sua expressão sarcástica. Movimentei minha mão fazendo com que Demi se virasse para mim e dei um selinho em seus lábios, não continuei apenas pedi que ela fosse para o carro.

- Você é rápida Kéfera, tem todas aos seus pés a hora que bem entende!

- Sinto muito Bomba, mas não sou do mesmo tipo que você, que usa os carros e o dinheiro para chamar a atenção das adolescentes, e fique longe de Demetria, não vai querer perder o emprego.

- Está me ameaçando Buchmann?_ ri e coloquei o ray-ban.

- Eu não ameaço Guilherme, eu aviso._ sai em direção ao carro e entrei no mesmo, Dean estava brincando com dois super-heróis enquanto Demi olhava pela janela. – Tudo bem?

- Não, eu não achei legal o que fez Kéfera, não quero que as pessoas me respeitem por eu estar com você, ou com medo de você, quero que me respeitem pelo que sou.

- Desculpa, eu não sabia que entenderia dessa forma, eu não vou fazer mais, ta bom?

- Tudo bem, não tem problema, agora já foi mesmo, pode me beijar, eu realmente gosto, mas não para esse tipo de coisa, como se fosse para ele não chegar perto porque eu sou sua, isso é muito chato.

- Sim senhora.

Patrick’s Pov

Desci as escadas arrumando minha gravata, assim que consegui colocar a mesma fui para a sala de jantar para poder tomar meu café, era bem cedo ainda, talvez ninguém estivesse acordado.

- Amor? Já está de pé?_ fui até minha noiva e beijei sua testa, acariciei sua barriga e me sentei a cabeceira. Os empregados em silêncio serviram o café.

- Patrick precisamos conversar, eu já adiei de mais essa conversa não estou mais aguentando._ não entendi muito bem o que ela estava querendo, mas pedi aos empregados que nos deixassem sozinhos. – Patrick quando eu te conheci eu estava em busca de uma aventura, já estava cansada da vida certa de sempre, e me encontrar com você escondida sem sua mulher desconfiar era a chama para a minha paixão por você, e agora Patrick eu vivo aqui dentro dessa casa, você e Dianna já se divorciaram, e vamos nos casar, eu não quero mais, eu sinto muito. E eu não quero esse filho, eu já falei com uma amiga minha do interior, ela quer muito um filho, mas ela não pode engravidar, eu vou doar a ela essa criança.

- Amor? Está ficando maluca? Eu te dou tudo o que quer, olha a casa que temos, eu sou um empresário poderoso, você é a minha futura esposa, tem um império, e esse bebê também é meu, não vou permitir que dê um filho meu, cuidei de quatro meninas, por que não cuidaria de mais um?.

- Patrick se quiser fique com esse bebê, mas assim que ele nascer eu vou embora, eu não quero nada de dinheiro não entende? Quero viver livre e não amarrada, eu já vi um apartamento e um emprego também, espero que consiga entender._ ela puxou a mão e saiu da mesa, fiquei em silêncio apenas tentando processar aquilo. Eu amava aquela mulher...ela não podia me deixar, como eu vou viver sem ela?

Peguei meu paletó e coloquei o mesmo, abotoei todos os botões e subi a escada, fui ao meu quarto e peguei minha maleta, passei a mão por minha barba a arrumando e ajeitei meu óculos. Desci as escadas novamente e a vi subindo as mesmas, segurei em seu braço e olhei em seus olhos.

- Carla por favor, vamos conversar melhor, se quiser te arrumo um emprego, você pode trabalhar na minha loja aqui na cidade, ou na empresa junto a mim, não faça isso, somos tão felizes, larguei minha família para estar aqui com você e o nosso bebê._ acariciei sua barriga e ela suspirou pesado.

- Patrick, entenda, a gente nunca daria certo, essa não é a vida que eu quero, eu gosto de ser livre, sair sem ter hora para voltar, não depender de ninguém, não gosto de ser observada, notada, eu gosto de sair pela rua, acampar, fazer trilhas, viver em adrenalina, e agora que vivo saudavelmente aqui, com pessoas me servindo, vários empregados, seguranças, viver me escondendo de paparazzos, não é para mim, quero viver feliz, já disse tudo que você precisava saber, assim que esse bebê nascer e puder ser amamentado por mamadeira, eu vou embora.

- Tudo bem Carla, só fique até o bebê ficar forte e saudável, creio que me dará um filho homem, o herdeiro dos meus negócios. _ sorri bem aberto, eu sonhava em ter um filho homem, era o meu sonho, e eu estava muito confiante com esse novo bebê.

- Pensei que Dallas assumiria, ou Sunny Já que ela está fazendo faculdade de administração de grandes empresas. Madison também me parece bem capaz.

- Não, eu quero um menino, caso esse bebê seja uma menina, vou entregar na roleta do hospital, não terá meu sobrenome._ ela se espantou, eu estava perdendo a mulher que amava, e só suportaria criar a criança e viver com a lembrança dela se esse bebê fosse um menino, forte e saudável.

- Esta certo.


Notas Finais


😅❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...