1. Spirit Fanfics >
  2. The Forest Hope - Jikook >
  3. Capítulo Sete

História The Forest Hope - Jikook - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Eu sinceramente gostei desse capítulo. Espero que vocês gostem❤

Capítulo 7 - Capítulo Sete


- Desculpe mãe, eu estava na casa de um amigo e acabei não prestando atenção na hora. - Falei uma meia verdade. Eu não iria lhe contar tudo o que aconteceu, porque aí que ela não ia deixar eu sentir nem o cheirinho da rua.

Eu a olhava com uma cara de cachorro sem dono, tentando amolecer o coração dela e não apanhar. Aprontei muito na escola e sei o quanto a mão da senhora Hane é pesada. Ela estreitou os olhos para mim, e no próximo segundo senti uma dor em minha orelha.

- Ai ai ai - Falei resmungando de dor, enquanto minha mãe puxava minha orelha me arrastando até o sofá e me sentando lá.

- Não é possível que nessa casa não tenha um relógio, Jimin. - Ela estava em minha frente, com os braços cruzados e batendo o pé no chão. - Você sabe que eu nunca te impedi de sair, você e o Yoongi viviam pra lá e pra cá na nossa antiga cidade. Mas aqui é diferente, tem alguém matando as pessoas lá fora, e a última coisa que eu quero é que a próxima pessoa seja você. Minha vida acaba se alguma coisa acontecer contigo, Jimin. - Seu olhar estava sério, mas quando ela falou a última parte percebi ele vacilar. Comecei a me sentir culpado, ela não merecia ficar tão preocupada por minha causa. Me levantei e dei um abraço nela, fazendo um pequeno carinho em suas madeixas escuras.

- Me desculpe mesmo mãe, eu não queria lhe preocupar. - Falei me soltando de si.

- Só me avise da próxima vez, ok? Avisando que vai dormir fora ou para eu te buscar. - Disse suspirando. Concordei e lhe dei um sorriso vendo ela me retribuir o gesto. - Agora que já está aqui, eu vou subir pra dormir, estou exausta. Você também, vá logo dormir.

- Certo, Boa noite. - Beijei sua testa e a acompanhei até seu quarto, enquanto eu segui para o meu.

Quando eu entrei no quarto, percebi que Yoongi estava deitado na minha cama mexendo em um dos meus livros. Caminhei até ele e me sentei perto de si. Era até estranho ver ele ali, na verdade tudo o que tava acontecendo ultimamente era estranho.

- "Quem é você, Alasca?". - Yoongi leu o nome do livro em sua mão. - Você sempre tá lendo esse. - Olhou em minha direção.

- É um dos meus preferidos. - Falei, o Min apenas concordou sorrindo, deixando o livro na bancada ao lado da cama.

- Eu sei. Você me arrastou para comprar ele há três anos atrás. Me lembro que eu só aceitei ir porque eu sou um ótimo amigo. - Yoongi disse, empinando o nariz. Neguei rindo e lhe dei um tapa na perna.

- Nem vem, você só foi comigo porque queria pegar o cara que tava vendendo o livro. - Ri da cara de pau de Yoongi.

- E eu ainda consegui pegar ele, beijos. - Falou, jogando seu cabelo no ar com uma mão. Revirei os olhos e dei um empurrãozinho em seu ombro. Depois disso o cômodo ficou em um silêncio total. Eu tinha tantas perguntas pra fazer para ele, que não sabia por qual começar. Esse Yoongi que tá na minha frente ainda é o que eu conheço, mas ele é um pouco mais que isso. Agora eu sei que ele esteve comigo a muitos mais tempo, e não apenas 6 anos; eu só preciso entender como tudo começou e o que aconteceu.

- Você não tem 22 anos, né? - Felei, tentando calcular sua idade em minha mente. - Ou você reencarnou também? - Yoongi deu uma risadinha e negou com a cabeça.

- Não reencarnei, e também não tenho 22 anos. Tenho por volta de 150 anos, mais precisamente 147 anos. - Quando terminou de falar, eu só conseguia ficar com a boca aberta, eu estava chocado e incrédulo. Em outros tempos eu jamais acreditaria nisso, mas depois das coisas que eu vi, com certeza eu não vou duvidar.

- Caraca, você é um idoso. - Falei, começando a rir da cara de bunda que Yoongi fez, mas logo ele começou a rir também.

- Produtos Ivone. - Entrou na brincadeira, fazendo nós dois rir mais ainda.

Depois que a crise de riso passou, comecei a pensar em outra pergunta pra fazer para Yoongi.

- Ah... Como era minha vida no passado? - Perguntei receoso. Aquela era uma das perguntas que eu mais queria fazer, eu acho que é por ela que eu tenho que começar. Yoongi respirou fundo e se ajeitou na cama, me olhando sério logo em seguida.

- Bem, o começo da sua primeira vida não foi exatamente fácil. Não posso dizer detralhadamente como foi, porque eu não estava com você desde o começo. Mas a Dahyun me disse que seus pais estavam mortos, e que você teve que passar por muita coisa até ela te achar. - Eu ouvia tudo atentamente, e tentava imaginar como foi minha vida, quando eu sonhei com Dahyun eu parecia tão feliz, imagino como era minha vida antes dela.

- Como Dahyun me achou?

- Depois que seus pais morreram, você começou a morar na rua. Teve que se virar para ter o que comer, até roubar para não morrer de fome. - Me olhou triste. - Você tinha roubado um pedaço de pão de um vendedor, e os guardas estavam atrás de você, quando te pegassem provavelmente iriam te dar uma surra. - Engoli em seco. - Você correu pra floresta, e quando Dahyun viu que um garotinho precisava de ajuda, ela ajudou, confundindo os sentidos dos guardas e levando eles pra longe dali. Ela sempre foi coração mole, e se aproximou de você mesmo não podendo. - Quando terminou de falar o olhei confuso.

- Porque ela não podia se aproximar de mim?- Franzi a sobrancelha.

- Tem um regra, uma que a própria Dahyun criou, e ela mesma quebrou. - Deu uma pequena risada. - A regra dizia que era terminantemente proibido que seres místicos e seres normais se conhecessem e convivessem juntos. Se os dois mundos não se misturassem, eles estariam seguros. Mas Dahyun não conseguiu cumprir essa regra quando te conheceu, porque o instinto protetor dela ativou quando te viu; ela queria cuidar de você. - Yoongi terminou de falar.

Dahyun tinha me ajudado, mesmo não podendo ela se preocupou comigo e me salvou. Eu não me lembro bem dela, mas só de saber dessa história um sentimento de gratidão cresceu em meu peito.

- Eu só queria poder me lembrar dela... - Disse abaixando meu rosto e olhando para a minha mão.

- Tenho certeza que um dia você vai lembrar. - Yoongi disse segurando minha mão e fazendo um carinho. Apenas o olhei e lhe lancei um pequeno sorriso.

- Ah! Agora que eu me lembrei. - Falei, logo quando senti uma pequena dor na costela, me lembrando do que tinha causado aquela dor. - Quem era o maluco que queria me matar? Ele ainda me deu uma surra. - Disse fazendo uma careta e tocando na parte que doía. Yoongi passou a mão em seus cabelos e suspirou.

- Era o Kris. Ele é um demônio igual o Jeon e o Tae, na verdade os três se conhecem muito bem. - Falou revirando os olhos. - Ele é um dos seguidores mais fiéis do Lee Jong Suk.

- Lee Jong Suk? Quem é esse? - Perguntei confuso. Percebi que Yoongi estava em uma guerra interna entre me contar ou não, e isso me deixou ainda mais curioso.

- Bem... Jong Suk é atualmente o rei do submundo, e também é a pessoa que mais te quer morto. - Arregalei meus olhos em surpresa depois de ouvir isso. Caraca, o que eu tinha feito de errado pra um rei do submundo me querer morto? A pouco tempo eu só tinha que me preocupar em não atrasar a matéria da faculdade, agora eu tinha que me preocupar em não morrer para demônios que apareceram do nada.

- Mas porque esse maluco quer me matar? - Perguntei exasperado.

- Porque ele sabe que você é o único que pode acabar com ele. - Yoongi disse calmamente.

- Claro, até porque eu sou mais forte que o senhor todo poderoso do submundo. Acabo com ele em um só golpe, certeza. - Falei ironicamente. Yoongi só podia estar viajando.

- Você não vai entender agora, mas no futuro sim. - Yoongi falou, bagunçando meu cabelo em seguida. - Mas mudando de assunto, como foi sua corversa com o Jeon? - Perguntou bastante interessado no assunto. Suspirei cansado e me joguei na cama, resmungando o quanto tudo aquilo me deixava confuso, e Jungkook deixava tudo ainda mais complicado me fazendo sentir esses malditos sentimentos que eu não quero ter.

- Ah! É tão estranho. Eu amo tanto ele mas ao mesmo tempo eu não sinto nada, é como se esse sentimento fosse só do Jimin do passado e não meu! Eu nem conheço o Jeon direito Yoon, como posso ama-lo assim? - Falei cansado.

- Sabe, eu não suporto o Jeon. - Yoongi falou olhando para cima. Olhei para ele com uma cara de tédio. Quando eu ia ser irônico e falar que nem dava pra perceber o seu ódio mortal pelo Jeon, ele continuou. - Mas tem uma coisa que eu o admiro, e essa coisa é o amor dele por você. - Acabei corando com o que ele disse.

- Eu tenho a mesma aparência que o Jimin do passado, ele me ama por isso. - Falei emburrado, levando um pequeno chute na costela,me fazendo resmungar ainda mais.

- Jungkook não é o tipo de cara que se apaixona pela aparência da pessoa, por mais que com certeza ele tenha ficado mexido por ver que você não mudou nada. - Falou se deitando do meu lado. - Você não é completamente parecido com o antigo Jimin, mas tem certas coisas que não mudaram, como a sua teimosia, sua gentileza, ser travesso e várias outras coisas. Eu sei que você é muito mais que isso, e que tá com medo que ele não goste de alguma coisa em você. - O olhei com olhos arregalados, supreso por ele ter me lido tão bem. - Mas não se preocupe Jimin, o amor do Jeon não é frágil. - Completou de maneira serena. Olhei para o teto e fiquei pensando no que Yoongi disse, eu sei que isso tudo que eu estava pensando era tudo paranóia da minha cabeça, e que nem fazia sentido; e eu também sabia que por mais que eu desse voltas e mais voltas, eu não iria me livrar de Jungkook e muito menos desses sentimentos, eu estava preso e completamente entrelaçado na vida do Jeon, eu só não esperava que o meu coração ficasse tão feliz em saber que o amor de Jungkook não era frágil e que ele não me deixaria tão cedo. Ah malditos sentimentos!

- Bem, eu já vou indo. - Yoongi falou se levantando da cama.

- O que? Porque? - Me sentei, o olhando sem entender nada.

- Eu tenho algumas coisas para resolver, mas não se preocupe, o Jeon e o Tae vão cuidar de você. - Fez um pequeno carinho em meu cabelo.

- Mas eu queria que você ficasse, eu tô com tanta saudade de conversar com você o dia todo. - Falei de maneira triste, tentanto o comover para ele ficar.

- Eu realmente tenho que ir Jiminie. Mas de vez em quando estarei aparecendo por aqui, tudo bem? - Falou se agachando na minha frente, concordei de mal gosto ainda com a cara emburrada, vendo ele sorrir. Ele se levantou e se afastou um pouco da cama, logo acenando e fazendo um rodopio com a mão, então sumindo com apenas umas fagulhas brilhantes. Aquele vadio me deixou de novo, que filho da mãe. Olhei para o chão e vi que ele estava com um círculo preto e medonho. Mas que maravilha, agora como eu ia tirar aquilo dali?

Cansado de ficar vegetanto na cama, fui em direção ao banheiro tomar banho, porque sabe como é né, eu tava precisando.

Depois de passar pelo menos uns 45 minutos no banho, decidi finalmente sair antes que a mãe natureza venha e me bata por estar gastando tanta água do planeta. Fui caminhando em direção ao quarto só com uma toalha na cintura, e quando abri a porta do mesmo o susto foi tão grande que deixei a bendita toalha cair no chão, e me amaldiçoei por não ter predido aquele maldito pedasso de pano direito na cintura. Na minha cama estava ninguém menos que Jeon Jungkook, sentadinho me olhando com um sorrisinho de lado e um olhar intenso; enquanto eu, pobre ser azarado, estava parado na porta daquele quanto peladão, exatamente como vim ao mundo.

- Você ainda continua tão gostoso quanto eu me lembro. - Falou mordendo os lábios, enquanto me olhava de cima a baixo. Eu não sabia aonde enfiar a minha cara, então reuni o último restinho da minha dignidade e juntei a toalha do chão e me cobri novamente. Eu sentia o meu rosto pegando fogo, e não conseguia olhar diretamente para Jungkook.

- Está com vergonha porque? - E em um piscar de olhos ele estava em minha frente, com o susto acabei indo para trás embaralhando as minhas pesnas, e eu tinha certeza que aquilo ia ser queda na certa. Mas antes de me quebrar todo no chão,senti mãos fortes me segurando pela cintura e me trazendo para perto de seu corpo. Meu peitoral nu estava completamente colado no seu, minha respiração estava ofegante e pouco a pouco fui levantando meu olhar até seu rosto.

- Cuidado baby, você podia ter se machucado. - Jungkook falou baixo; seu olhar estava completamente cravado no meu, e percebi que pouco a pouco ele ia se aproximando de meu rosto; Por Deus! Ele ia me beijar? E porque eu parecia querer examente isso? Ah cara... a boquinha dele parece tão gostosa, tão convidativa, tão macia... Não! Foco, Jimin! Que é isso rapaz?!

- Não! - Falei o empurrando e desgrudando de seu corpo, sentindo falta do calor que ele proporcionava. Jungkook me olhou confuso e com um pequeno sorriso.

- Tudo bem, não precisa se assustar, me desculpe. - Falou se sentando na cama. Eu não estava bravo com ele e nem assustado por ele ter tentado me beijar, e sim porque eu quis tanto isso, eu queria que ele me segurasse forte pela cintura e me beijasse até as minhas pernas ficarem bambas, mas eu não podia! Não queria ter que ceder tão simples a esses sentimentos.

- O que você tá fazendo aqui? - Perguntei mudando de assunto, tentando fugir daquela situação constrangedora. Caminhei até o guarda roupa e comecei a procurar uma roupa para vestir.

- Vim garantir a sua segurança, já que seu amigo baixinho foi embora. - Falou simples.

- Eu vou ficar bem. - Falei pegando uma calça moletom cinza e uma camiza branca de mangas cumpridas, junto com uma cueca preta. Me virei então e vi que o Jeon olhava diretamente para a minha bunda, parecendo sem graça quando viu que eu percebi. Esse tarado.

- Eles podem tentar te atacar enquanto você dorme . Por isso que agora em diante irei vim toda noite aqui cuidar da sua segurança. - Sorriu de maneira doce em minha direção. Eu sabia que não adiantava negar porque ele viria mesmo assim, e de certa forma eu me sentia seguro perto de Jungkook, é, acho que vai ser bom ter ele por perto já que tem um monte de demônios querendo me matar.

- Tá, ok então. Só acho que você vai ficar com tédio de me olhar a noite toda, já que eu só vou tá dormindo. - Falei sorrindo.

- Eu poderia ficar olhando para você pelo resto da minha vida e eu não cansaria, e olha que eu sou imortal. - Falou me lançando um pequeno sorriso. Acabei irritantemente corando com a sua fala. A qualé? Eu pareço uma menininha de anime, que absurdo.

- É claro que você cansaria de ficar me olhando por tanto tempo. - Falei revirando os olhos e sorrindo, tentando não demostrar o quanto as suas palavras mexiam comigo.

- Sabe por quantos anos eu não lhe via desde que você tinha morrido Jimin? - Perguntou me olhando profundamente nos olhos. Neguei com a cabeça engolindo em seco. - 100 anos. Eu tive que passar 100 anos da minha vida sem poder ver o seu rosto toda manhã quando eu acordava, eu passei 100 anos sem ouvir a sua voz, eu passei 100 anos sem sentir o calor do seu corpo em meus braços. E cada dia que eu passava sem você, eu me tornava ainda mais como eu era antes de te conhecer. Eu estava me perdendo, sucumbindo a loucura; porque você era a única coisa boa em minha vida e naquele momento você não estava mais ali. - Falou serenamente, então se levantou e seguiu em passos devagar em minha direção. Quando já estava na minha frente, segurou em minha mão e ficou fazendo um pequeno carinho, olhando para a mesma. - Então, agora que você está aqui, eu vou olhar para cada traço de você e relebrar todos eles, fazendo a minha mente entender que você voltou. Vou fazer você aceitar o meu amor, e então nunca mais irei deixar você ir para longe de mim. - Me olhou de maneira amorosa, e então levou minha em direção aos seus lábios e a beijou, me deixando completamente bobo. Na real, quem não ia ficar bobo depois de tudo isso? Eu não sou coração de pedra.

Depois de ficar um tempo o olhando feito um bocó, finalmente despertei coçando a garganta e passando a mão pelo cabelo.

- Você poderia virar pra eu poder trocar de roupa? - Falei baixo desviando de seu olhar, envergonhado demais para lhe olhar nos olhos.

- Claro. - Falou se afastando com uma carinha meio triste e virando costas.

Fiquei olhando para a sua costa por um tempo, e inconscientemente minha mão foi indo em direção a ela, como se algo dentro dentro de mim quisesse o abraçar e nunca mais o deixar. E quando a minha mão estava a poucos centímetros de lhe tocar, eu a recolhi. Eu não sei exatamente o porque, nem eu entendia mais o que estava acontecendo comigo.

Comecei então a trocar de roupa, e quando terminei de colocar a camisa, eu o chamei.

- Acho que já vou dormir. - Sorri para si, vendo ele retribuir o gesto. Caminhei em direção a cama e me deitei, puxando o lançou para o meu peito. Vi Jungkook caminhar em direção a janela e olhar para o lado de fora. Ele ficava tão lindo à luz da lua, o brilho dela tocava de maneira deslumbrante em seu rosto, me fazendo ter dúvida se existia alguém mais belo que ele no mundo. Me virei na cama de todos os lados possíveis mas o sono não vinha, então olhei novamente para a janela e vi que o Jeon ainda estava ali. Eu queria o tocar, senti meus dedos tocando a sua pele; e isso estava acabando comigo, porque dentro de mim tinha uma luta entre ceder e resistir.

- Jungkook... - Seu nome saiu de meus lábios sem eu perceber, vendo o mesmo se virar para mim confuso. - Pode deitar ao meu lado? Não consigo dormir. - Pedi, sentindo em seguida as minhas bochechas pegando fogo. Porque eu tinha pedido aquilo para ele? O que eu tinha na cabeça mano?

Esqueço completamente o que eu tava pensando quando o vejo sorrir, e caramba, ele consegue ser ainda mais lindo sorrindo à luz da lua.

- Claro. - Falou se aproximando da cama. Quando chegou na mesma, puxou a coberta e se deitou ao meu lado. Nós dois estávamos um na frente do outro, nos olhando, cada um pensando milhares de coisas em sua cabeça. Minha mão foi de novo inconscientemente em direção a si, ela seguiu em direção ao seu peitoral e só parou quando os meus dedos sentiram o seu calor, mesmo que por cima das roupas. Eu continuei o tocando, finalmente sentindo paz dentro de mim, como se aquilo fosse a coisa mais certa a se fazer. Estar com Jungkook me acalmava, essa era a única coisa que eu tinha certeza.

De maneira rápida, Jungkook se aproximou de mim e grudou seu rosto em meu peito, me abraçando como se eu fosse fugir de si. Eu fiquei estático na hora, sem saber o que fazer. Levei então as minhas mão ao seu ombro para o afastar, mas antes de fazer o ato decidi não fazê-lo. Porque eu queria estar no seu abraço, queria sentir o seu calor pelo menos aquela noite, eu não queria ter que resistir a esses sentimentos só hoje; amanhã eu volto a ser o Jimin teimoso e cabeça dura que não quer amar o Jeon; mas nessa noite, eu não me importo de ser o Jimin que era completamente apaixonado pelo Jungkook no passado. Eu só queria passar a noite sentindo o seu calor em mim.

Levei minha mão, que antes estava em seu ombro para lhe empurrar, em direção ao seu cabelo fazendo uma pequena carícia ali. Suspirando quando senti um carinho em minhas costas feito pelo Jeon. O sono começou a aparecer e foi ficando ainda mais difícil manter os olhos abertos, então me dei por vencido e me entreguei ao sono, dormindo nos braços fortes e calorosos de Jeon Jungkook.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...