História The Forgiviness (l.s) - Mpreg - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Zayn Malik
Tags Depressão, Drama, Drogas, Família, Harry, Larrystylinson, Liampayne, Louis, Mpreg, Niall, Traição, Ziam
Visualizações 163
Palavras 1.496
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - 10. I Hate That I Love You


Sinto-me usada

Mas eu ainda sinto sua falta

E eu não consigo

Ver o final disto

Só quero sentir seu beijo

Nos meus lábios...

              - Gnash



Couple Ziam

Vida perfeita? Vida perfeita não existe. Como também, casamento perfeito, amor perfeito, cara perfeito. Os príncipes encantados das estórias não são verdadeiros, eles na vida real são os vilões que estragam o coração apaixonado da mocinha. Na vida real, as pessoas te traem, arrancam lágrimas de seus olhos, acabam com suas esperanças, te fazem sentir um nada. E se divertem com isso. Já foi tempo em que a vida era boa comigo. Se você acha que a vida real é injusta a tendência é piorar.

O baque da vida real, os problemas e a dor pesaram em meus ombros quando eu vi meu marido o homem que amava mais do que eu mesmo, me traindo.

Pelo que eu conheço de Liam eu sei que ele me culpa.

Culpa-me por tudo de errado que se deu em nosso casamento. Eu sei de todos os casos que meu marido tem.

Como?

Eu descobri.

De viver eu passei a sobreviver quando a realidade foi lançada; veio com um soco no estômago aquele que te arranca o ar, você pensa como irá voltar a respirar e se será possível fazer tal proeza.

Nesses últimos anos eu estava trabalhando muito para dar um presente para Liam. Era projeto atrás de projeto para pessoas de grande influência, como Louis estava trabalhando em casa eu tinha que resolver os problemas pessoalmente e sozinho, por causa disso eu estava muito distante, ia para casa só para dormir, estava longe de meu marido e estava sentindo nosso relacionamento se desgastando, mas no final nós nos aceitaríamos, sempre foi assim.

Pelo menos era o que eu pensava.

Teve um dia que eu marquei um jantar com um cliente que queria mudar seu escritório, tudo estava ocorrendo muito bem, ele era simpático e fechamos o trabalho, quando terminamos o mesmo se ofereceu para pagar o jantar e acabamos dividindo a conta. Antes de ir embora disse que iria ao toalete. Esperei ele voltar para me despedir e agradecer pela comida.

Como o restaurante tinha um estacionamento fui em direção ao meu carro, quando eu abri a porta olhei para frente e vi o veículo de meu marido, o qual tinha seu nome na traseira, apertando os olhos consegui vê-lo saindo do carro, abri um sorriso e quando eu fiz a menção de fechar a porta para ir cumprimentá-lo vi uma menina indo a sua direção com um sorriso tão grande quanto o que eu tinha no rosto.

Eu vi.

Eu vi quando ele a puxou pelo braço a fazendo tropeçar juntando seus lábios seguidamente em um beijo a qual costumávamos dar quando estávamos se amando. Ele a beijou na minha frente. Minha boca estava aberta em descrença, meus olhos se encheram d'água.

Quando a menina abriu os olhos ela olhou diretamente para mim, fungando entrei no meu carro e bruscamente dei a ré e saindo daquele estacionamento sem acreditar que era o homem que eu amava, quando eu cheguei em casa não vi seu carro e nem sua presença em nossa cama, eu soube que era ele, era ele que estava beijando outra boca sem ser a minha, talvez até dormindo com ela em outra cama. Sinceramente, eu esperava que fosse só uma ilusão de ótica, que meus olhos estivessem me enganando.

Depois daquela noite as minhas noites eram resumidas em choro olhando para o símbolo de nosso casamento, a aliança, estava gravado "You're my Way". Eu ficava rodando a circunferência de ouro em meu anelar lembrando-se do nosso casamento das juras de amor.

Todas em vão.

Aumentei minha carga horária é minha vida pessoal não existia mais. Clonei o chip de Liam, todas as mensagens, ligações, fotos e vídeos apareciam para mim. Eu sabia de todos seus casos, todos. Mas existia uma pessoa que era fixa, eles trocavam mensagens diariamente, Trevor. Acho que era um sobrenome, contudo, não me importei. Estava machucado demais para me importar.

Quando eu estava em casa eram só discussões, uma atrás da outra. Eu me acostumei a não existir mais para Liam; nos fazíamos de casal na frente dos outros, mas quem era íntimo sabia o que passávamos.

Eu passei a tomar remédios para dormir, fumar muito para esquecer os problemas, a cada mensagem enviada: "Liam, docinho. Amei nossa noite!" Ou "Quando iremos repetir a rapidinha em cima da sua mesa?". Enojavam-me. Essas mensagens ao passar do tempo começaram a aumentar, tinha vezes que eram mais de dez por dia de pessoas diferente, a única coisa que eu não entendia era que não tinha nenhum homem, sempre mulheres. Levando-me a acreditar que meu marido o homem que eu amava não tinha um caso específico, mas vários.

Liam vivia como nos tempos de faculdade antes de namorarmos.

Eu e meu marido passamos a ser desconhecidos que morava no mesmo teto e dividia a mesma cama, um dormindo de costas para o outro, isso quando ele dormia em casa.

O presente que eu tinha para ele? Eu consegui todo o dinheiro, são tantos zeros. São milhões que já foram investidos, agora, só falta largar tudo e viver em meu paraíso pessoal, entretanto, quem disse que eu tenho coragem de deixar o homem que me trai.

A famosa zona de conforto me destruía.

O meu domingo passou rápido para uma pessoa que ficou trancada em um quarto de hotel resolvendo uns problemas do trabalho já que minha companhia havia viajado na sexta. Eu estava tão cansado de ficar naquele quarto que resolvi adiantar minha ida para casa, porém chegando lá como sempre não havia ninguém. Era uma casa vazia como meu coração.

Já não dormia direito há uns tempos, sempre rolava pela cama tentando procurar conforto, mas ele sempre estaria nos braços de meu marido. Se amar Liam não é ter amor próprio, então não me amo, eu o amo. Depois de não conseguir dormir me levantei para tomar uma água, passando pelo corredor olhei para o relógio digital de números vermelhos em cima da mesa de centro, mostrava ser de madrugada. Em direção a cozinha peguei um copo de água, a lua iluminava boa parte da casa já que ela era composta por janelas de vidro deixando o espaço amplo e iluminado.

Perdido em pensamento olhando para a piscina que estava com as luzes acesas, escuto o barulho de tranca vindo da porta da frente. Largo o copo vazio em cima da pia e vou em direção a sala aponto de ver meu marido fechando a porta. Cheiro de bebida e perfume barato me atingiu. Típico. Já estava acostumado com essas chegadas de as altas horas da manhã e sempre com as mesmas desculpas, mesmo que eu soubesse das respostas sempre perguntava olhando dentro dos seus.

─ Onde estava? ─ Percebi que havia o assustado, pois ele chegou a saltar surpreendido.

Eu estava escorado na divisória da cozinha com os braços cruzados em cima de meu peito nu.

─ Que susto, Zayn! ─ Sua mão foi até seu peito.

Ainda com as chaves na mão ele veio em minha direção deixando ela em cima do armário com nossas fotos atrás do sofá.

─ Desculpe!

Olhei para seus olhos e desci meu olhar para sua boca, meu coração acelerou. Eu nunca iria acostumar a ver resquícios de batom em sua pele à prova viva de que ele esteve com alguém.

Descruzei os braços e ajeitei minha postura, suspirei triste.

─ Onde você estava? ─ Questionei novamente.

Ele estava perto de mim agora e eu olhava dentro de seus olhos agora.

─ No trabalho. ─ Arqueei minha sobrancelha. Olhei novamente para o relógio digital e já se passavam das três, ele seguiu meu olhar e coçou a nuca. ─ É... Eu... Eu pensei que você voltaria amanhã. ─ Ri anasalado.

Liam era mais alto que eu, portanto, eu tinha que levantar minha cabeça para olhá-lo nos olhos. Passei a mão no canto dos seus lábios espalhando o pouco de batom que havia ali, ele arregalou os globos oculares parecendo saber do que se tratava, transitei por seu corpo indo para meu quarto, mas não antes de velo levar sua mão aonde eu toquei e seguidamente fitar o dedo vendo a cor sair em sua pele.

─ Merda! ─ Praguejou.

Já estava entrando no quarto e fechando a porta quando uma lágrima rolou em minha bochecha a limpei rapidamente. Eu nunca me acostumaria a ver os resquícios das noites de meu marido, portanto, tive que tomar um calmante para conseguir dormir, mas antes respondi uma mensagem que havia chego em meu celular.

James: Desculpe-me pelo final de semana. Prometo recompensar. Amo-te!

Eu: Sinto sua falta!

Deitei confortavelmente em minha cama, abracei o travesseiro e relaxei meu corpo. Mas antes de cair totalmente no sono ainda ouviu a porta sendo aberta e o cheiro de sabonete e a cama ao meu lado afundar.

Liam deve ter tomado banho no quarto de hóspede.

─ Me Perdoa amor. ─ Senti um beijo sendo depositado em minha testa e o sono veio rapidamente.

Como que eu iria perdoá-lo por algo que supostamente eu não sabia o que era.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...