História The Forgiviness (l.s) - Mpreg - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Zayn Malik
Tags Depressão, Drama, Drogas, Família, Harry, Larrystylinson, Liampayne, Louis, Mpreg, Niall, Traição, Ziam
Visualizações 56
Palavras 2.330
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - 15. Not Really Sure How To Feel About It


Não é uma vida e tanto a que você está vivendo

Isso não é apenas algo que você pega, isso é dado...

         - Rihanna



Eron havia me acordado muito cedo, os gêmeos não haviam acordado mais o que me levou a acreditar que Harry os pôs para dormirem novamente. Troquei novamente a fralda do recém nascido, dei de mamar e seguidamente de volta ao berço com a babá eletrônica ao seu lado. Tentei voltar a dormir, porém faltavam meia hora para o despertador começar a toca, então decidi desligá-lo e adiantar as coisas de Anne para ir a escolinha.

A noite foi um pouco conturbada. Esses poucos dias eu comecei a fazer as coisas no automático que nem reparo a hora passar. Só percebi que todos estavam acordados quando Isaac deu um gritinho chamando minha atenção, fitei meu marido descendo a escada com as crianças no colo.

─ Isaa, era para ser uma surpresa! ─ Ralhou Anne repreendendo seu irmão. Sorriu pela tentativa falhada de susto. ─ Papa, papai me deu banho e nos gêmeos também.

─ É mesmo? ─ Perguntei retoricamente. Desliguei a boca do fogão tirando a última panqueca já pronta e a pegando no colo para cheirar seu pescoço. ─ Que cheirosa! ─ Ela solta risadinhas.

─ Mama, isso faz cócegas. ─ A posto sentado na mesa e Harry faz o mesmo com os gêmeos. ─ Quero panqueca, fruta e suco de laranja. ─ Styles serviu Anne.

A babá eletrônica que estava na ilha começou a transmitir o choro do bebê Styles.

─ Deixa que eu vou. ─ Harry se prontificou.

─ Não, termina de servir as crianças. ─ Peço, seco as mãos e as passo seguidamente na minha calça de pijama para esquentá-la. ─ Anne, Isaac e Cloe papa tem uma surpresa para vocês. ─ Belle bate palmas alegre e mesmo que os gêmeos não tenham entendido imitam a irmã soltando gritinhos animados.

Quando chego a meu quarto o bebê resmungão está com a mão direita ainda enluvada na boca encarando os bonequinhos pendurados a cima de si no berço, seus olinhos vieram até mim quando me aproximei, peguei-o em meu colo cheirando sua pele delicada, o embrulhei em uma mantinha que eu havia separado de quando Isaac era mais novo e desci o degrau cuidadosamente o aconchegado ainda mais em meu peito enquanto ele ainda me fitava sorrindo babando a luva.

─ Então crianças... Quero apresentar o seu irmãozinho. ─ Todos olham para mim entrando na cozinha, Anne desce da cadeira com ajuda de Harry e veio em minha direção, me abaixei para ficar em sua altura e dar uma boa visão de seu irmão.

─ Ele é lindo! ─ Acaricia a cabeça do pequeno que abriu a boquinha dando uma visão de sua gengiva soltando um barulhinho fazendo eu e Harry olharmos apaixonados para o bebê.

Eu e meu marido trocamos um olhar, mas logo desviei fitando Belle que acariciava os cabelos do bebê, os gêmeos comiam suas frutas olhando para mim.

─ Você estava grávido, papa?

─ É... Vamos para a escola garotinha! - Harry interveio pegando a menina no colo que soltou um gritinho de susto. ─ Uhm... Eu vou ficar em casa hoje. ─ Meu marido avisou pondo Belle no chão a qual saiu correndo da sala indo buscar seu material. Encarei-o surpreso, pois desde o nascimento dos gêmeos que ele não parava em casa. ─ Eu sei que eu fiquei ausente, mas eu não quero deixar todas as responsabilidades com você novamente. ─ Disse encabulado.

─ As suas responsabilidades com as crianças são as minhas também, não se preocupe, pois você não tem mais um casamento para te chatear. ─ Disse armagurado.

- Louis...

─ Não se incomode, continuarei a fazer as coisas que sempre faço.

─ Entenda, cuidar da minha família não é um incômodo... Louis, olha só, eu não quero dificultar nossa convivência vamos fazer direito pelas crianças. ─ Examinei seu rosto.

─ Fique com os gêmeos, irei a um compromisso e depois levar Eron ao medico.

─ Você... Você vai sair com o bebê? Quer dizer...

─ Eu já disse que ele é meu filho e não tenho nada de que me envergonhar você tem, eu não. Fique tranquilo que o que se passa em minha vida particular não é da conta de ninguém.

─ Vamos! ─ Minha filha chegou animada dispersando o ar desconfortável que havia sido criado. ─ Quero ver Bryan! ─ Sua animação era invejável para aquela manhã.

─ Quem é Bryan? ─ Eu e Harry perguntamos em uníssono a fazendo se encolher.

─ Uhm... Meu namorado. ─ Troquei um olhar com o homem mais alto ao meu lado.

─ Você é muito nova para namorar você é minha menina. ─ Meu marido disse bravo e eu ri pela situação. ─ Um dia desses vou aparecer na sua escola para ter uma conversinha com esse tal de Bryan e os pais dele. ─ Falou o nome do menino imitando a voz da filha, não consegui segurar e gargalhou acordando Eron. ─ Você está rindo! Daqui a pouco esse menino leva nosso bebê de casa aí só quero ver você ficar rindo. ─ Meu sorriso murchou.

─ Ninguém nessa casa vai namorar, ouça seu pai Belle. ─ Sai da cozinha Harry riu e Anne resmungou.

Quando cheguei ao quarto meu sorriso desapareceu ao lembrar que não éramos mais uma família convencional, havia sido traído por meu marido e nunca que as coisas seriam como antes. Segurei-me para não chorar tomando cuidado com o bebê.

Para não pensar mais nas coisas pus Eron no berço para esquentar sua água, tirei carinhosamente suas vestes e a fralda cheia de xixi sempre conversando com carinho, ele mexia as perninhas chutando o ar, o recém nascido tinha a mesma mania de que Isaac que a todo tempo chupava as mãos.

─ Vamos tomar um banho. ─ Passei meu nariz por sua testa.

Levei-o para a banheirinha que fica em cima de um suporte no banheiro. Comecei a lavar sua barriguinha, braços, pernas, e o resto de seu pequeno corpo, olhava para seu rosto com um sorriso em meus lábios. Eu já o amava tanto. Lavei cuidadosamente sua cabeça.

─ Está tão cheiroso. ─ Enrolei-o na toalha levando seu pescoço perto de meu nariz.

Eu criei uma mania de cheirar o pescoço de meus filhos, mas antes eu fazia com Harry todas as vezes que terminávamos de fazer amos, ele dizia que era um modo carinhoso e que amava.

─ Como... Ele está? ─ Tomei um leve susto ao ver o corpo alto em meu quarto. ─ Me desculpe, não queria te assustar!

─ Ele está bem. ─ Dei de ombros carregando o bebê até a minha cama onde já havia separado as roupas. ─ Irei levá-lo ao médico, quero ver se ele precisa de algo, Doutora Elena cuidou de Anne e dos gêmeos e mesmo que ele tenha saído a pouco do hospital quero que alguém de confiança o examine. ─ Depositei o pequeno corpo no colchão ainda enrolado na toalha.

─ Sua mãe está aí em baixo. ─ Avisou chegando perto de mim e tirando o talco de bebê de minhas mãos. ─ Deixe que eu faço isso.

─ Você não precisa... O que você está fazendo aqui? ─ Me afastei de seu corpo que estava próximo demasiadamente. ─ Você pode ir trabalhar Harry. ─ Nosso olhar estava interligado um no outro.

─ Eu... Eu não quero que você cuide das crianças, sozinho.

─ Eu faço isso há três anos, e não seria agora que isso me causaria algum problema. ─ Levei minha mão até minha cintura o encarando rude.

─ Eu... Eu me sinto mal por ver você cuidando... Cuidando de um bebê que não é... ─ Desferi um tapa em seu rosto já sabendo o fim de sua frase.

Ele levou a mão em sua bochecha a qual estava ficando avermelhada. Fiquei paralisado e assustado com o que eu tinha acabado de fazer. Nunca em dezesseis anos de casado havíamos levantado a mão um para o outro.

Olhei assustado para ele, lágrimas escorriam de meus olhos arregalados, Harry olhou para mim com a mesma expressão, me senti horrível.

─ Me... Desculpe-me! - Baixei o olhar para meus pés. ─ Mas nunca, nunca diga o que você iria dizer. Já não basta o que você fez comigo e com meus filhos. Nunca mais diga e nem insinue que Eron não seja meu. ─ Limpei rapidamente a lágrima, mas Harry não fez questão de esconder as dele.

Fugi rapidamente do quarto, me encostei-me à porta chorando silenciosamente.

─ Papa... ─ Olhei para Belle e minha mãe que estavam no início do corredor perto da escada.

Anne estava com o rostinho assustado e minha mãe me olhava complacente. Limpei meu rosto, estiquei meus lábios em um sorriso solicito e andei até minha filha me ajoelhando para ficar de seu tamanho, a puxei para um abraço.

─ Não aconteceu nada, ok? ─ Fixei meu olhar em seu rosto angelical recebendo um aceno positivo. ─ Só estou um pouco cansado, seu pai está cansado... ─ Ela ainda estava assustada, todavia, sorriu para mim e me abraçou novamente.

─ Vai tudo ficar bem, mama. ─ Segurei-me para não chorar, pois eu necessitava dessas palavras de esperança.

─ Eu sei... ─ Concordei. ─ Agora está na hora de ir a escola. ─ Encarei minha mãe me levantando do chão.

─ Sim, vim pegar essa princesa e os gêmeos para passarem o dia comigo, que tal?

─ Sim, sim! ─ Comemorou.

─ Os gêmeos! ─ Exclamei alto e assustado.

─ Estão no cercadinho vendo televisão. ─ Suspirei. ─ Anne está atrasada. ─ Praguejei, ouvi a porta atrás de nós se abrir e revelar Harry com Eron arrumado com as roupas que eu separei.

─ Eu faço a mochila dos gêmeos. ─ Desviei o olhar de Harry ainda envergonhado, Anne correu até o pai pedindo para segurar o irmão.

Eu estava apreensivo com minha mãe, entretanto, ela sorriu quando calorosamente quando Harry se achegou com o pequenino em seus braços.

─ Meu neto. ─ Me surpreendi pelas palavras da mulher em minha frente, meu marido passou seu filho para os braços dela que o recebeu amorosamente. ─ Ele é igual a você Harry. ─ Olhei rapidamente para ele, sua bochecha estava vermelha e meu coração doeu. ─ Vamos conversar? ─ Assenti.

Mamãe disse que ouviu um pouco da discussão e que Belle correu lá para cima assustada pelas vozes altas, não deu tempo de segura-la.

─ Ele ia dizer mamãe... Ia dizer que Eron não era meu e sim de outra. ─ Minha mãe olhava para o pequenino que estava em seu colo como se ele fosse verdadeiramente seu neto. ─ Eu já o amo. A Senhora sabe que não posso ter mais filhos e que sempre tive um sonho de ter duas meninas e dois meninos. ─ Sorri amplamente acariciando Eron.

─ Eu percebo que você o olha com se estivesse olhando para os gêmeos e Belle. ─ Mirou-me ternamente. ─ Entretanto, não carregue mais do que você consegue suportar. ─ Aconselhou.

─ Papa! ─ Gritou chegando à cozinha de mãos dadas com o pai. ─ Estamos atrasados! ─ Me levantei pegando Eron no colo de minha mãe e saindo com todos em direção a sala.

Harry ajudou a sogra à pôr às crianças no carro, nos despedimos e mamãe veio me abraçar tomando cuidado com o bebê em meus braços.

─ Converse com ele para que isso não machuque as crianças, você viu o rostinho de Belle quando te viu chorando. ─ Nos distanciamos, ela deposito um beijo na cabeça de Eron depois na minha e em Harry, sussurrando algo em seu ouvido que não pude escutar mas o vi assentir.

Cheguei perto da janela traseira para falar com Belle.

─ Desculpe o papa, sim? ─ A mesma assentiu. ─ Não queríamos te assustar meu amor. Amo-te!

─ Também te amo! ─ Depositei um beijo estalado em sua testa e me despedi dos gêmeos que começavam a cair no sono.

Harry entrou em casa e o segui, ele ainda estava com um moletom e sua bochecha um pouco avermelhada, pus Eron no carrinho de bebê já que ele voltou a dormir e fui atrás de meu marido que estava na cozinha, pelo que pude ouvir estava lavando a louça. Meu celular começou a tocar, estava no bolso de minha calça, peguei-o e o nome de Zayn apareceu no identificador de chamadas.

Alô?

─ Ainda está de pé o nosso encontro?

─ Sim, podemos almoçar juntos ao invés de nos vermos agora? Tenho que resolver um assunto, então poderia almoçar eu você e Niall. ─ Cheguei à cozinha e Harry me encarou curioso para saber com quem eu estava falando, seu semblante pareceu relaxar depois que disse o nome de Niall.

─ Ok, eu não consegui dormir direito hoje, mas só faltam algumas horas mesmo. Amo-te!

─ Também te amo! ─ Encerramos a chamada.

Dei a volta na ilha indo em direção a geladeira pegando uma ervilha congelada, meu marido me seguia com os olhos verdes, cheguei perto do mesmo que se virou para mim fitando os meus olhos, passei a mão por sua bochecha onde eu havia estapeado, ele se inclinou buscando mais o meu carinho, depois que percebi o que estava fazendo tirei a mão bruscamente trocando pelo pacote congelado o fazendo gemer pela temperatura baixa.

─ Me desculpe, eu não queria te magoar mais. ─ Disse segurando o pacote de ervilha e minha mão junto. ─ Eu só sinto vergonha por ver você cuidando dele. Eu não lembro Louis, se eu lembrasse. ─ Explicou com pesar.

─ O que está feito, está feito, não temos como mudar agora é só arcar com as consequências. ─ Retirei minha mão lentamente. ─ Eu ainda te amo, se é isso que você quer ouvir, mas não te perdoou. ─ Dei as costas para ele e me virei só para proferir as últimas palavras que machucaram a ele e a mim. ─ Só falaremos um com o outro o necessário para os nossos filhos. Trate-me como estranho porque é assim que eu vou te tratar. ─ Sai da cozinha para me arrumar levando Eron comigo.

Eu ainda amo Harry, mas manter meu marido longe é a melhor opção já que a ultima coisa que eu quero é discutir na frente das crianças.


Notas Finais


1 Sorvete ou açaí?

2 Se você fosse um ser sobrenatural, qual seria?
Me: Híbrida de vampiro e lobisomem.

3 Uma coisa que todos gostam menos você?
Me: Aqui em casa é jiló.

4 Qual o shipper's de vocês?
Me: Ziam e Larry... Tem uns coreanos aí também.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...