1. Spirit Fanfics >
  2. The Fruit of Passion is Pineapple - Minjoong (ABO) >
  3. Capítulo XXI

História The Fruit of Passion is Pineapple - Minjoong (ABO) - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


opa! bão? quem é vivo sempre aparece ksks

Capítulo 21 - Capítulo XXI


Fanfic / Fanfiction The Fruit of Passion is Pineapple - Minjoong (ABO) - Capítulo 21 - Capítulo XXI

O príncipe degustava uma boa taça de vinho tinto, girava o líquido bem lentamente, aproveitando a visão hipnotizante da bebida alcoólica se movimentando em círculos. Bebericou mais um gole e pôs a taça de cristal sobre a mesa. 

— Senhor, aqui estão alguns dos papéis que seu pai me pediu que lhe entregasse - Uma ômega surgiu na sala do príncipe, deixou os documentos sobre a mesa de vidro do chinês e se virou para a porta, mas antes de sair o alfa lhe chamou:

— 'Pra que a presa? Sente aqui, ou ainda tem medo de mim, Hui Ying? 

A mais nova olhou para o chinês, comprimiu os lábios antes de responder a pergunta do alfa. 

— Eu não tenho medo, senhor, só estou muito ocupada no momento - A ômega saiu o mais rápido que pode daquela sala, ficar no mesmo ambiente que Wen Junhui não era seguro, sabia disso por experiência própria. 

O chinês fez uma cara de deboche e voltou a beber seu vinho, deixou a papelada para depois, algo mais interessante logo chegaria. 




(...) 

As estrelas brilhavam sobre o céu anil, Junhui muito bem agasalhado esperava o novo ômega para seu harém. Ele já tinha tantos outros, porém, aquele era especial, um ômega que Junhui procura á muitos anos. Wen gosta de se exibir, e uma coisa que vai inflar ainda mais seu ego é dizer que eu harém possui cem ômegas. 

— Já não era para eles estaram aqui? - Perguntou impaciente. Um servo se aproximou do príncipe, lhe falando no ouvido que o barco de Dino já tinha sido avistado no horizonte, um sorriso se abriu no rosto de Junhui - Ótima notícia! Uma excelente notícia! 

O barco de Dino atracou no Porto de Feng Xiao, e de dentro dele saiu, além dos peixes e caranguejos que o beta pescava, um ômega assustado de cabelos vermelhos. A água gelada do mar tocou os pés do ruivo, lhe provocando uma careta de desgosto. 

Quanto mais se aproximavam da mansão de praia de Junhui mais o chinês abria um sorriso, as paredes de vidro lhe davam uma visão periférica de tudo que estava acontecendo lá fora. Hongjoong passou pela porta, e o alfa se levantou para recebê-lo. 

— Você deve ser, Kim Hongjoong - Passou sua mão gélida sobre o rosto do ômega. Hongjoong recuou na mesmo hora, apertou a mochila entre seus braços e deu alguns passos para trás. 

— Saía de perto de mim! - Tentou gritar, mas sua garganta continuava seca como os desertos do Oeste da China. 

— Ele não fala chinês? - Olhou para algum de seus empregados, mas nenhum sabia a resposta, olhou agora para Dino, que deu de ombros, mal sabia o nome do ômega direito. 

– Então vocês pegaram o ômega errado seus inúteis! Leve esse coreano junto ao outro. Não é possível que vocês não façam nada direito! E eu perdi dinheiro ainda por cima - Esbravejava Junhui andando de um lado para o outro. Hongjoong não entendia uma palavra do que o alfa dizia, talvez não entendesse nem se ele falasse coreano de tão depressa que as palavras saiam de sua boca. 

— Senhor, mas dessa vez nós tínhamos certeza que era o certo! Ele é coreano,  e as características físicas batem com a do retrato que o senhor nos mandou, e também tem cheiro doce - Dino tentava acalmar o alfa. 

— Pode até ser, mas ele fala chinês perfeitamente, Lee Chan! E o cheiro é diferente. Só tire-o daqui antes que eu lhe faça devolver este ômega. 




(...) 

Hongjoong foi deixado em um quartinho alguns andares abaixo do solo, ainda estava perdido sobre onde estava na verdade. Só sabia que não dava para ouvir os gritos daquele alfa mais, só o silêncio dominava dentro daquele lugar. 

A luz piscava, a lâmpada estava quase sem apagando, logo queimaria. O Kim se sentou na cama de baixo da beliche que tinha no quartinho, finalmente ele pode respirar e raciocinar tudo que lhe aconteceu nesse curto período de tempo; foi sequestrado por Yunho; foi levado de barco para um lugar estranho e agora estava possívelmente preso em um quarto. 

Um lágrima silenciosa escorreu por seu rosto, tantas coisas lhe aconteceram e o ômega nem pode ter tempo de pensar em outra coisa a não ser que morreria, mas uma coisa pior que a morte corroía seu peito agora, a saudade. Saudade das brigas bobas com sua mãe, saudade das implicâncias de Mingyu, saudade de ir caminhar com Seonghwa, mesmo que tivesse que ficar de vela, e também saudade de Mingi; de seus abraços aconchegantes e quentinhos; dos poucos beijos que tiveram; e de todos os momentos que o alfa sempre estava ao seu lado, mesmo o Kim lhe tratando com indiferença. 

— Eu fui um idiota... - Pensou alto. 

— Por que? - Uma voz surgiu acima de Hongjoong, assustando ao ômega. O garoto em cima da beliche desceu a pequena escada que conecta as camas e ficou a frente de Hongjoong – Assustei você, não é? Me desculpe. 

O ômega negou com a cabeça - Não, tudo bem, não foi nada - Sorriu amarelo para o mais alto. 

— Tá bom então, eu me chamo Yeosang - Estendeu a mão para o ruivo. Hongjoong meio desconfiado apertou a mão do outro ômega, este que sorriu ainda mais para o baixinho. Os dois se apresentaram e ficaram conversando um pouco, quer dizer, Yeosang fazia um milhão de perguntas para Hongjoong que respondia algumas delas. 

— Wow, então quer dizer que você tem um alfa? - Perguntou surpreso o Kang. 

— Ele não é bem meu alfa, não temos nada, só... - E assim a frase morreu. O Kim não sabia descrever a relação que tinha com Song Mingi. 

— Mas você gosta dele, não gosta? 

— Sim, eu gosto - Sorriu ao pensar no alfa. Mesmo que não fazendo tanto tempo que o viu da última vez, nem cinco dias ainda, a saudade lhe rasgava o coração e a alma. 

— É uma pena que estejam longe um do outro agora, mas pensa pelo lado positivo. 

— E tem algum lado positivo, Yeosang? 

— Claro que tem, se o Junhui te deixou aqui quer dizer que ele não quer nada com você. Você não vai ter que passar nas mãos dele o que eu e os outros ômegas que ele escolhe aleatóriamente passaram - A alegria do Kang foi sumindo a cada palavra da frase, Hongjoong não iria ser indelicado de perguntar o que o ômega passou, por mais que ele já imaginasse o que era. 

— Sinto muito por você, e pelos outros também - Abraçou o maior, que retribuiu o ato de imediato. 




(...) 

Mingi dirigia feito louco até a tenda de Madame Kwong, ele irá tirar essa história a limpo hoje mesmo.

Chegando no local, o alfa saiu do veículo depressa, adentrou a tenda vendo a senhora simpática limpando alguns amuletos esverdeados distraidamente. Se aproximou dela, mas quando ia chamar pela mesma, uma outra voz foi ouvida adentrando a tenda. Era ele ali, com uma certa quantia de dinheiro e uma mala em mãos, era Jeong Yunho ali, outro alfa não demorou para sentir o cheiro de Mingi no ar. 

— O que faz aqui, alfa? 



Notas Finais


como vocês estão? fiquei com saudades de vocês.

eu queria ter atualizado no dia 28 que é o dia do orgulho lgbtq+, porém o bloqueio criativo ainda estava me abraçando k

porém, mesmo assim vou fazer um textinho porque eu posso.

*+:。.。🌈。.。:+*
se você é uma pessoa lgbtq+, saiba que você é válide e sua vida importa, você é linde e muito especial, eu amo você, okay? okay! sei como é difícil, mas você não está sozinhe.
eu, daichizinho representante das letrinhas T e P, sempre vou ter orgulho de você, tá bom?



um abraço colorido e cheio de amor para vocês, desculpem os erros e até a próxima ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...