1. Spirit Fanfics >
  2. The GANG - O Começo ( TwoShot - BTS ) >
  3. Memories, Confusions and Decisions

História The GANG - O Começo ( TwoShot - BTS ) - Capítulo 2


Escrita por: e Srta_Baby


Notas do Autor


Volteii ^^

Demorei um pouco mas foi a preguiça mesmo, confesso ;-;

Seguindo para o capítulo esse é o último desse twoshot e está cheio de tretas porque sim ~.~

Tenham uma boa leitura.

Capítulo 2 - Memories, Confusions and Decisions


Fanfic / Fanfiction The GANG - O Começo ( TwoShot - BTS ) - Capítulo 2 - Memories, Confusions and Decisions

Capítulo 2: Memórias, Confusões e Decisões

 

Recordações e momentos do passado me tornaram quem eu sou hoje, e as mesmas me irão me tornar quem eu for no futuro.

 

“Quando fui levada até o orfanato tudo pareceu tão errado, pareceu que aquele mundo não era meu e as crianças que ali habitavam me deixavam receosa com o que ainda poderia acontecer. Disseram que um homem me encontrou no lixo e o mesmo me trouxe até esse lugar que fica bem no interior da cidade, um orfanato cercado por florestas mas ainda sim, tinha locais de fácil acesso como o comércio. 

 

A senhora Min me olhava nos olhos e sorria, dizendo a cada minuto que eu iria ficar bem e que iria cuidar de mim como se eu fosse sua filha. Então eu lembrei do que aconteceu e comecei a chorar sentindo uma dor no peito tão forte que ficava sem ar rapidamente. O engraçado é que depois de alguns dias eu já havia me adaptando ao lugar. Eu estava sempre ajudando a senhora que me acolheu e juntas criamos um laço forte e, por mais que ela dissesse que eu era uma criança incrível nunca acreditei. 

 

Como era um orfanato, o lugar estava sempre cheio de crianças sempre em todos os espaços, a maioria delas entre três e dez anos de idade. A senhora Min era a dona do lugar e com a ajuda de algumas pessoas conseguia manter tudo organizado. Não era um orfanato grande mas na época eu achava vinte crianças muito para uma casa e uma senhora cuidar de quase tudo.

 

Um mês depois que cheguei ao orfanato conheci Kim Namjoon, ele era dois anos mais velho que eu e já havia passado por outros dois lugares antes de ir parar lá. Me disseram que ele quase foi abortado por sua mãe e ele nunca chegou a conhecer seu pai. Namjoon e eu nos aproximamos aos poucos, um dia a senhora Min pediu para buscarmos cebolinha na horta e no caminho começamos a conversar sobre o que gostávamos de fazer e foi tão aleatório que rimos o dia todo.

 

— Então eu irei proteger você, _________. – ele disse sorrindo e mostrando suas covinhas. 

 

— E quem protege você? Bobo! – lhe mostrei minha língua e ri. — Eu sei me proteger, mas aceito sua proteção também. – estendi a mão para ele e o mesmo apertou com sua mão duas vezes maior que a minha. Sorri para Namjoon e ele sorriu de volta, logo o empurrei e comecei a correr sabendo que ele iria querer me pegar. 

 

A partir daquele dia Nam e eu nunca mais nos separamos, aprontamos muito até que Yoongi chegou ao orfanato e, logo que ele colocou os pés no lugar as outras crianças começaram a dizer coisas ruins sobre ele. Foi difícil entender porque elas estavam fazendo aquilo, mas depois de saber que ele era o neto da senhora Min tudo ficou mais claro. As outras crianças ficaram com inveja do Yoongi e bem, na maioria das vezes ele seria privilegiado mas isso não justificava o que faziam com ele.

 

No mesmo dia em que aquele menino de pele clara, tão clara que parecia pálida chegou no orfanato tudo mudou. De noite após o jantar eu fui até seu quarto e conversei com ele e diferente do que diziam dele, ele me tratou bem e sorriu mesmo confessando que estava com medo. Lembro que naquela noite combinamos que ele iria me contar caso alguém implicasse com ele e depois desse dia nós muito mais do que com Namjoon, nos damos bem. E também tínhamos a mesma idade e isso contribuiu mais ainda mais para a nossa amizade.

 

Um ano depois Jung Hoseok chegou e ele havia perdido seus pais em um acidente de avião, ninguém mais da sua família quis cuidar dele e ele veio parar aqui. Yoongi e ele se deram bem desde o início e assim formamos o nosso quarteto com Namjoon, Hoseok, o Min e eu.

 

Depois de alguns meses Kim SeokJin e Kim Taehyung foram trazidos para o orfanato. Jin havia perdido sua mãe para uma doença, não conhecia seu pai e seus parentes moravam em outro país do outro lado do mundo. Taehyung tinha sido abandonado por seus pais e seu tio o trouxe aqui porque não tinha condições de cuidar dele. 

 

A partir daquele momento éramos seis e nos aproximamos de uma maneira que mesmo se tivéssemos a opção de nos separar seria impossível na época. Jin sempre nos fazia rir ao fazer suas piadas, Taehyung vivia no nosso pé para brincarmos, Hoseok era quem deixava o clima sempre melhor quando brigávamos por algo bobo, Yoongi tinha seu jeito mais fechado mas adorava nos ver correr e sempre sorria quando fazia isso e por fim Namjoon, que colocava ordem nas coisas e sabia conversar de forma que todos colocassem para fora o que estavam sentindo.

 

Nós éramos um grupo desde o início e nos divertimos tanto, todos os nossos problemas desapareciam quando estávamos juntos e quando nos sentíamos triste nos abraçávamos e voltávamos a sorrir com a promessa de que nunca iriamos nos separar.

 

No entanto, com o passar dos anos o orfanato recebeu dois garotos e esses dois formaram uma grande dupla durante um tempo. Park Jimin que chegou de forma alegre pensando que estava indo para uma espécie de parquinho e que não sabia que sua mãe havia se suicidado e que ele só não morreu porque um vizinho o salvou e o trouxe aqui. Jimin soube depois de alguns anos a verdade e se afastou de nós por um tempo, porém depois voltou e se tornou alguém tão angelical que não vou deixar nada de ruim acontecer com ele, com eles.

 

Jungkook nunca lembrou do que aconteceu antes de vir para o orfanato e isso acontece porque ele caiu da escada e perdeu a memória adquirida antes desse acidente. A senhora Min me contou que a mãe do Jeon morreu assim que ele nasceu e seu pai o abusava semanualmente até que morreu com uma parada cardíaca por consumir drogas após ter tomado remédios antidepressivos. Jungkook não sabe dessa história e decidimos melhor manter assim, ele é bem sensível e temos medo de como ele iria reagir. “

 

De qualquer forma estar nesse lugar novamente é um tanto bom e ruim ao mesmo tempo, pois é o lugar onde chegamos depois do mundo ter nos ferido e é o espaço no qual crescemos juntos e fizemos de tudo para não sermos adotados. Isso nos prejudicou, no entanto não temos arrependimento. 

 

— _________, você está distante hoje. – ouço a voz da senhora Min e olho para a mesma abrindo um sorriso sem mostrar os dentes.

 

— Não é nada demais. – digo baixo e seguro o copo de suco na minha frente, bebendo o líquido enquanto observo os meninos conversando entre si na mesa.

 

Hoje é o aniversário da avó do Yoongi e bem, eu e ele não trocamos uma palavra ainda. Jin pediu paciência e tempo para que seu amigo se acalme mas no fundo eu sei o que está rolando e, tenho certeza que os outros também. É verdade que somos uma gangue, no entanto nunca nos envolvemos com drogas e o Min antes mesmo de irmos para o galpão já tinha alguns contatos com pessoas do tráfico. Hoseok me disse que ele não estava mais se encontrando com esses caras e eu acreditei até ver a exaltação de Yoongi ontem. 

 

Eu me preocupo com todos eles e sinto que mais cedo ou mais tarde JungKook vai descobrir sobre as drogas e provavelmente vai acontecer outra briga. No momento sinto um enorme peso nas minhas costas por ter envolvido eles nesse mundo, e mesmo aqui agora estando juntos meu peito aperta por saber que não somos os mesmos.

 

— _________, podemos conversar? – olho para cima e vejo Taehyung, então assinto e me levanto.

 

Rolo os meus olhos pelo jardim onde está acontecendo a festa e noto que ninguém está nos percebendo no momento e assim me viro de costas, logo seguindo o garoto de cabelo castanho escuro. Respiro fundo olhando para o céu e cesso meus passos ao chegarmos no fundo do casarão do orfanato.

 

Olho para o Kim e sorrio fraco, ele faz o mesmo e solta o ar pela boca, parecendo tenso.

 

— Olha...Eu preciso te contar uma coisa que vi ontem. – assinto para ele continuar. — Eu vi o Yoongi e o Hoseok conversando com uns caras bem barra pesada, acho que eram aqueles traficantes.

 

— Espera. – balanço a cabeça em negação estando confusa e olho nos olhos de Taehyung. — Como sabe dos traficantes? Pensei que você, Jimin e JungKook não sabiam.

 

— O hyung Namjoon me contou faz algum tempo, mas o Chim e o Jeonguk não sabem. – o mais novo na minha frente passa a mão no cabelo, aparentemente nervoso. — _________, eu já vi aqueles caras matando pessoas friamente e estou com medo do que possa acontecer.

 

Fecho os olhos com força e mordo meu lábio pensando. Agora Hoseok também está envolvido nessa. Abro os olhos e guardo minhas mãos no bolso da minha jaqueta preta. 

 

— Você viu algo mais? – pergunto séria e ele assente.

 

— Depois que os traficantes foram embora eles começaram a fumar alguma coisa e pelo cheiro parecia ser maconha. Jin também viu e pensou no mesmo que eu. – Taehyung cruza os braços, passando a olhar ao redor. — Será que você pode conversar com eles? Você é a mais próxima do Yoongi e o Hoseok te ouviria. 

 

— Yoongi nunca me escutaria, mas vou tentar. Tae, me diz a verdade. – peço e me aproximo dele. — Você nunca pensou em se juntar com esses traficantes, certo? – olho no fundo dos seus olhos e solto um risinho ao ver sua expressão insegura. O Taehyung de sempre.

 

— Claro que não _________! Não gosto de drogas e nem de caras maus! – ele diz se afastando e eu rio baixo concordando. — Obrigado por me ouvir e me compre o novo jogo que saiu.

 

— Eu compro. – sorrio para ele e ele sorri de volta. — Vou procurar o Hoseok e o Yoongi. E você vá se divertir, ok? – me aproximo dele e deixo um beijo na sua bochecha.

 

Dou meia volta e caminho até o jardim em passos lentos que me dão tempo para pensar. Se aqueles dois estão mesmo envolvidos com o tráfico isso piora tudo. Temos bastante dinheiro guardado e creio que Yoongi mais o Jung estão comprando droga e ajudando os seus fornecedores com o dinheiro para comprar armas e policiais. 

 

Cerro os olhos ao não achar os dois citados anteriormente ao redor e me aproximo de Jimin que está conversando com Jin na mesa enquanto come o bolo. Paro ao lado do garoto Park e ele me olha sorrindo e, sorrio também pois é impossível não sorrir ao ver eles felizes. 

 

— Vocês viram o Yoongi e o Hoseok? – levanto a sobrancelha e SeokJin me olha sério.

 

— Eles disseram que iriam no banheiro. – Jimin responde e passa um pouco de chantilly no meu nariz, rindo depois. — Você precisa sorrir mais _________, a nossa mãe foi pegar mais copos.

 

— Melhor você continuar comendo, Jimin. – limpo meu nariz com minha mão e passo ela no seu cabelo, rindo depois. — Vou atrás daqueles dois. – aviso e me viro de costas, porém ao dar meu primeiro passo escuto a voz de Jin.

 

— Toma cuidado, _________.

 

— Eu sei cuidar de mim, príncipe. – sorrio sabendo que ele vai rir do apelido e saio andando em direção a entrada do casarão antigo, mas que passou por muitas mudanças desde que saímos.

 

Adentro o lugar observando tudo com atenção e fazendo o maior silêncio possível para não chamar atenção das crianças que correm de lá para cá. Sigo o terceiro corredor e caminho até parar em frente a porta do banheiro que sai uma fumaça por debaixo da porta e o forte cheiro de droga não me engana. Eles tinham que usar essa merda bem aqui onde tem criança. Reviro os olhos e coloco a mão na maçaneta da porta, giro a mesma e a puxo, arregalando os olhos ao ver quem está ali. 

 

— Hoseok! – exclamo assustada ao ver ele de costas penetrando numa garota que está sentada na pia e ainda os dois estão fumando. 

 

Rapidamente me viro de costas e coloco a mão na cabeça sabendo que a senhora Min não vai gostar nada disso e nojo ele fazer isso aqui.

 

— Porra _________! Bate antes de entrar! – escuto sua voz embravecida e rio irônica.

 

— Você deveria ter trancado a porta. E se uma criança entra ou passa por aqui?! – pergunto e fecho meus punhos com força. — Quem é essa garota?

 

— É a prima do Yoongi. E… – escuto ele gemer baixo e me viro, dando um soco nas suas costas desnudas e logo volto a me virar. — Isso doeu, sabia?

 

— Olha Hoseok, isso é sério. Para de foder essa garota e de fumar aqui, isso não é local pra isso. – aviso seriamente e volto a me virar, notando a vergonha estampada no rosto da garota e é o mínimo que ela deveria sentir. 

 

Pego a calça do Jung no chão e alcanço no bolso dois pacotinhos de maconha, guardando no bolso da minha jaqueta. Ouço um a reclamação do homem na minha frente mas não dou importância e deixo a calça no lugar que estava.

 

— Onde está seu amigo? Anda Hoseok, fala onde está o Yoongi! – peço nervosa.

 

— Ele foi para o antigo quarto dele.

 

Sem dizer mais uma palavra saio do lugar em passos firmes e feliz por não ter que mais cheirar aquele cheiro horrível de maconha que se empregou no banheiro. E no que deu na cabeça dele para transar aqui e ainda com a prima do Yoongi? Prima que eu nem sabia que existia. 

 

Jogo minha cabeça para trás e viro o corredor, subo uma escada pequena e entro em outro corredor e enfim, paro em frente a porta do antigo quarto do Yoongi. Com a porta entreaberta me aproximo e espio pela brecha, vendo JungKook com o Min e os dois parecem estar discutindo.

 

Engulo em seco ao escutar o assunto de drogas e escutar que o de cabelo esverdeado contou tudo para seu amigo e, por um lado me sinto aliviada por agora todos saberem exceto Taehyung. Não tem nada pra esconder, não agora. 

 

“Hyung, você precisa parar com isso, só vai te fazer mal!”

 

Jungkook diz nervoso e suspira, tentando convencer Yoongi mas o mesmo continua mexendo em algo, no entanto como está de costas para mim não consigo ver o que seja.

 

“Yoongi! Pensa na _________, vocês são tão próximos.”

 

“Cala a porra da boca JungKook! Eu e aquela garota não somos mais nada.”

 

Mordo minha boca ao ouvir o que Yoongi disse e entro no quarto empurrando a porta com força e assim fazendo-a bater na parede. Jeon me olha assustado e seu amigo continua de costas, pelo visto sabendo que sou eu.

 

— JungKook nos deixe a sós. – peço e o mais novo assente, passando por mim com lágrimas nos olhos. 

 

Observo melhor o quarto e noto que absolutamente nada mudou, nada além de nós dois aqui. O homem na minha frente continua parado e movimentando as mãos, o que me indica que ele está mexendo com algum pó. Ele está se tornando viciado e isso me deixa triste.

 

— Yoongi, me dá isso. – falo em tom sério e rouco. — Você vai ficar doente desse jeito.

 

— Cala a boca! A vida é minha e eu faço o que eu quiser! Vai embora!

 

— Não vou até você me entregar essa merda de maconha! – exclamo nervosa.

 

Me dói tanto ver ele assim, está tão alterado com tão pouco e nem se lembra do que vivemos. É, talvez eu tenha culpa disso estar acontecendo, sempre ferrando com as vidas que passam por mim. 

 

Olho para Yoongi com os olhos marejados e depois de criar coragem abraço ele pelas costas, juntando minhas mãos em seu corpo quente. Solto o ar pela boca e tento tatear sua mão e assim que consigo, solto um grunhido de dor. Meu coração se machuca tanto e ele nem percebe isso. Os meninos tentam trazer ele de volta mas ele nega.

 

— Por favor Yoon, para com isso e me entrega esse pacote. – peço baixo e ouço ele xingar algo, seu corpo começa a mexer e eu fecho os olhos com força.

 

Em poucos segundos sinto meu corpo ser jogado para longe do seu e bater em algum objeto, escuto o som de vidro se quebrando e percebo algo escorrendo em meu rosto. Abro os olhos com calma e vejo Yoongi em pé me olhando com raiva e segurando o pacotinho com a droga.

 

— Eu não vou desistir de você. – sorrio triste e deixo as lágrimas caírem. Meu corpo todo dói por ter batido no armário de madeira e minha cabeça está sangrando por eu ter quebrado a lâmpada do abajur.

 

— Você já desistiu de mim há três anos atrás, _________. – o mais velho diz rindo e eu mordo meu lábio com força, me aproximando dele de novo. — NÃO ME ENCOSTA SUA VAGABUNDA!

 

Olho nos olhos de Min Yoongi e acerto um tapa forte na sua cara, não me importando se vão aparecer pessoas e me ver chorando pelo chilique desse homem.

 

— Você não me chamou assim quando me levou pra cama, cachorro! – cuspo com raiva e estando triste ao mesmo tempo.

 

Aperto os olhos com força e logo escuto passos no corredor, me viro de costas e seco meu rosto, passando a mão também no ferimento na minha cabeça.

 

— Yoongi! O que está acontecendo aqui? – ouço a voz da senhora Min e me viro, forçando um sorriso para ela. — Você bateu na _________? Anda, me fala! – a senhora diz balançando o neto que olha para o chão, desatento.

 

— Está tudo bem, eu...Eu vou ir embora agora. – me aproximo dela e deixo um beijo na sua bochecha. — Depois eu passo aqui, ok? 

 

— Mas _________..–

 

— Está tudo bem, de verdade. – a olho e me viro, saindo com pressa e me segurando para não chorar.

 

Saio do casarão e passo pelos meninos, eles perguntam o que aconteceu mas somente passo rápido não querendo falar. Chego até o meu carro e procuro pela chave no bolso da minha jaqueta, ao pegar deixo ela cair e ao me levantar já estou cercada por Namjoon, Taehyung, Jin e Jimin.

 

Me viro para eles e abaixo a cabeça sem saber o que falar. E inesperadamente eles me abraçam sem me encherem de perguntas como sempre fazem. Sorrio ao me sentir protegida e abraço eles de volta, somente aproveitando o silêncio e deixando meu peito encher de emoção. Não costumo ser fraca assim na frente deles.

 

Por um instante me esqueci dos sentimentos que mantive guardados e me exaltei. Por um momento pude abraçar aqueles que eu mais queria ver vivendo bem. Por um único dia, destruí o amor que hoje se tornou puro ódio.

 

Não o culpo, eu sou a própria desgraça que não deveria ter nascido.

 

[...]

 

Respiro fundo enquanto olho para a televisão que passa algum filme de ação qualquer. Faz algumas horas desde que briguei com o Yoongi e soube pelo Jin que o de cabelo esverdeado conversou com a avó no orfanato e prometeu parar de usar drogas. Mas conhecendo ele sei que vai voltar ao vício depois de alguns dias. 

 

Agora cá estou no apartamento do San. Conversamos sobre o plano e ele confirmou a mudança que sugeriu. Não gosto de mudar o plano, ainda mais assim em cima da hora, porém, o homem deitado comigo diz que será mais fácil e decidi confiar nele. Não posso mais contar com a ajuda dos meus amigos e pensando bem é melhor eles não entrarem nisso, caso se machucarem vou me sentir pior.

 

— _________? – ouço San e o olho, abrindo um sorriso. — Pela primeira vez você vai dormir aqui, não sei se sinto medo ou fico feliz.

 

— Bobo. – nego e seguro seu rosto, deixo um beijo na sua boca e rio ao deixar um tapa no seu peitoral desnudo. Choi solta um resmungo rouco e eu me ponho de joelhos, sentindo seu olhar quente em meu corpo nú. — Parece um cachorro no cio. 

 

— E sou. – ele ri me olhando.

 

— Ok senhor cachorrão, preciso passar no galpão e pegar algumas coisas minhas para o plano. – puxo o lençol branco e cubro meu corpo com ele, me levanto da cama e caminho até a poltrona que fica perto da janela. Junto minhas roupas do chão e vejo mensagens de um número desconhecido aparecer na tela do meu celular. — Volto mais tarde.

 

Aviso para San e rapidamente visto minhas roupas, alcanço minha bolsa, meu celular e as chaves do carro, solto o ar pela boca e observo o homem deitado na cama. Nunca pensei que transaria tanto na minha vida, acho que devo me sentir feliz por isso.

 

Saio do apartamento de Choi San e sigo até a garagem, entro no meu carro e não demora muito para eu estar a caminho do galpão.

 

Sendo sincera não estou nada confiante nesse plano, ainda mais sabendo que o prefeito tem muitos aliados do governo ao seu lado. De qualquer forma sei que as chances de eu morrer no meio de tudo isso que vai acontecer é grande, tanto que ficarei feliz se ao menos conseguir levá-los juntos comigo para o inferno.

 

Os meninos dizem que estou obcecada por essa vingança, porém eles não entendem meus sentimentos. Mesmo se for loucura, mesmo se isso me levar a beira do abismo, irei até o fim com ou sem eles.

 

Respiro fundo ao estacionar o carro em frente ao galpão, penso por alguns segundos e saio do carro. Caminho rapidamente pelo local escuro e abro a porta, logo adentro o galpão e vejo os meninos conversando mesmo após me verem.

 

— Yoongi não está? – indago ao não ver o citado e percebo que todos me olham atentos. — Só vim pegar algumas coisas e já estou indo. – caminho até a mesinha no canto da sala e abro a gaveta, pegando a pistola e os dois carregamentos de bala também. Guardo a arma dentro da minha calça na parte de trás e os carregamentos na minha bolsa, lembrando que o dia mais importante está próximo.

 

— _________, podemos conversar? – Namjoon aparece ao meu lado me olhando de forma séria. Assinto e o sigo até o sofá enorme onde estão os outros. 

 

Sento-me ao lado de Taehyung que sorri e segura minha mão, brincando com meus dedos. Observo todos os outros seriamente quietos e espero até que o Kim sente na cadeira a minha frente e, ao ver ele agir como disse respiro fundo sabendo qual é o assunto.

 

— Ok… – Nam suspira e junta as mãos, me olhando. — O Yoongi vai passar um tempo no orfanato e a mãe nos disse que vai fazer ele parar de usar drogas.

 

— Melhor assim. – concordo sorrindo fraco.

 

— _________, eu sei que você sofreu muito quando foi abandonada, todos nós sofremos também. Mas não acha que está indo longe demais? Para para pensar, o que você vai ganhar com isso?

 

— Nam… – desvio o olhar e mordo o lábio, não querendo começar uma briga. Volto a olhar para ele e entreabro a boca. — Eu odeio eles, eu não suporto ouvir o nome deles. Me inferniza o fato deles viverem felizes e ainda com uma filha que não sou eu. – digo e fecho os olhos por breves segundos.

 

— Tá mas você vai matar eles? Querendo ou não é a sua família.

 

— Vocês são minha família, Namjoon. – afirmo e ele se levanta, nervoso. — Já disse que não vou desistir e eu não deveria contar mas adiei o plano e vou acabar com tudo na quarta-feira. San vai me ajudar.

 

— Você só fala desse homem, parece até que tá apaixonada. – ouço Hoseok e o olho com a sobrancelha levantada. — Ah, não, você gosta do Yoongi, não é? Não mas espera, você largou ele por idiotice! – o Jung diz rindo e eu me levanto, quase indo pra cima dele se não fosse por Taehyung e Jin me segurar. 

 

Vejo Hoseok ri alto e me olhar de forma obscura, sinto um frio na espinha sabendo que eu tornei ele assim quando meti todos nessa vida.

 

— Aposto que já até engravidou desse merdinha do San, não é? Yoongi tem razão, é uma vagabunda!

 

— CHEGA HOSEOK! – Jimin grita e segura ele no sofá enquanto eu tento me soltar para dar na cara dele. 

 

— DEVE SER LEGAL TRANSAR COM OUTRO CARA ENQUANTO PENSA NO YOONGI, NÃO É?!

 

— JÁ CHEGA HOSEOK! – Namjoon puxa o amigo pela camisa e acerta um soco nele, que cai no chão rindo.

 

Sinto meus olhos arderem e engulo em seco, sentindo meu peito doer.

 

— Eu sei que errei com o Yoongi, com vocês também. É por isso que é melhor que não se metam mais nisso. – aviso com lágrimas nos olhos e vejo JungKook chorando ao ver toda a discussão. Taehyung está com uma expressão confusa já que não sabe da minha história com o Min. — Cuidem-se, ok? E tratem de ir embora do país antes que tudo aconteça, aproveitem os documentos falsos prontos e vão.

 

— Mas e você? – JungKook pergunta e eu sorrio triste.

 

— Vocês são mais importantes. – me aproximo de Namjoon e toco em seu ombro antes de sair do galpão segurando um grito de raiva.

 

Não nego que estou com medo do que vou fazer quando esse dia chegar, mas sei que não posso voltar atrás depois de tudo que passei para chegar aqui. Não é uma simples vingança assim como o nome da nossa gangue não é. Somos uma família e teríamos que cortar laços algum dia.

 

Esse dia chegou e não poderei olhar para trás novamente.

 

Não importa quantas vezes eu pense, o ódio e a dor que habita em mim não vai cessar até que o ponto final seja dado, até que a bala acerte o coração daquela que atirou no meu.

 


Notas Finais


Parece que temos um caso sério de namoro proibido aqui...
E coisas a serem reveladas também...

Vou deixar no ar para quem quiser pegar ehe ><

Antes de finalizar aqui quero pedir para vocês tomarem bastante cuidado com o novo vírus e que lavem as mãos e tomem todas as sugestões e pedidos de higiene e de quarentena porque isso é realmente sério, hm? Se cuidem e fiquem em casa, acredito que boa parte de vocês que estudam estão sem aula como eu então aproveitem para se divertirem lendo, vendo séries e etc.

Agora sobre The Gang como tenho aí duas semanas vou tentar voltar logo com a segundo twoshot da fanfic e talvez muito provavelmente com algo de Diamond Hearts. Até lá fiquem bem, ok? ^^

Até <333

🐼🌈💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...