1. Spirit Fanfics >
  2. The Guilda's Another World! (Interativa) >
  3. 01 - O dia em que tudo mudou!

História The Guilda's Another World! (Interativa) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


O primeiro capítulo, desculpe se está bem simples e parado, eu queria iniciar apresentando um pouquinho os personagens.

Queria também já trazer as três situação que faram início realmente a história, espero que vocês gostem.

E quanto a capa, fiz de maneira simples inicialmente, talvez eu faça uma mais organizada depois, mas vou manter essa por enquanto.

Aproveitem a leitura!

Críticas construtivas!

Capítulo 2 - 01 - O dia em que tudo mudou!


Fanfic / Fanfiction The Guilda's Another World! (Interativa) - Capítulo 2 - 01 - O dia em que tudo mudou!

— Falando —

- Pensando -

[ Mensagem ]

Habilidades/Magias —


Time Break - Start


Pânico e confusão, duas palavras quase perfeitas para descrever uma estranha, mas curiosa situação. O local era o que parecia ser uma grande taverna, várias mesas com cadeiras de madeira, todas iluminando as paredes, e muitas pessoas olhando para si mesmos e envolta bastante confusos. Seus rostos mostravam descrença, como se o que estivessem vendo não fizesse qualquer sentido.


— Mas que droga é essa!!? — um jovem na multidão falou, ele era alto, possuindo cabelos brancos curtos com franja, olhos cinzas e pele branca. O corpo é definido com uma armadura meio escura e dourada por cima, e o que mais o chamava a atenção eram as seis grandes asas em suas costas. Brancas quase prateadas, com tons rosados.


O jovem alado estava justamente olhando e até pegando em suas asas, como se os membros não devessem estar lá, foi quando uma voz doce com tons de confusão lhe chamaram a atenção.


Uma garota muito parecida com o jovem alado se aproximou. — Irmão… — ela não parecia conseguir dizer mais nada, embora quisesse muito.


O jovem olhou para a garota por um segundo antes de um nome escapasse de sua boca inconscientemente. — Lapom… — A garota ao ouvir teve lágrimas em seus olhos antes de correr e abraçar seu aparente irmão.


— Ales, Lapom! — os dois irmãos ouviram seus nomes sendo chamados e se viraram para olhar a quem pertencia a voz. Lá estavam um novo trio de indivíduos incomuns.


A primeira sendo uma garota de pele bem pálida, longos e lisos cabelos loiros, usando um vestido verde com algum tipo de short ou calça por baixo, lhe permitindo melhor movimentação. Dizer que essa garota que atualmente possuía uma expressão séria era linda, só poderia ser dito como um eufemismo gigante.


— Ayla! — Lapom murmurou olhando para a garota elfa se aproximando.


Por sua vez a loira de vestido verde falou. — Vocês sabem o que está acontecendo? — perguntou a garota, sua voz a levava parecer já ter feito essa pergunta para muitas outras pessoas e seu rosto já esperava se não conseguir qualquer resultado satisfatório.


— Como diabos eu vou saber, estávamos em casa esperando encerramento e do nada nós encontramos aqui!! — respondeu Ales com um pouco de hostilidade, não voltado para a elfa na sua frente mas sim a situação confusa que se encontrava.


— Hey, ela te fez uma pergunta não precisa agir assim!! — uma voz de trás de Ayla chamou a atenção, levando Ales a olhar as duas pessoas com a elfa.


O primeiro estava em silêncio com uma expressão bastante cansada e estranhamente despreocupada em seu rosto, seus olhos verdes pareciam quase ceder ao sono e seus cabelos negros brandiam em sua cabeça. O outro homem do seu lado, que por sinal foi o que havia falado, estava bastante diferente. Com uma expressão mais séria em seu rosto, mesmo que um sorriso ainda pudesse ser visto lá, cabelos negros mais farpados, olhos escuros e roupas completamente negras, de botas, calça, camisa e casaco.


— Hisoka e Noctis! — Ales disse olhando para os dois recém chegados, seu rosto perdia um pouco da emoção mostrando que o mesmo lentamente estava se acalmando.


Noctis parou ao lado de Ayla. — Não precisa perder o controle assim, todo mundo aqui está tão confuso quanto você, não precisa perder a cabeça… passarinho! — o moreno disse com seriedade em sua voz só para no final ganhar um sorriso e rir ao pronunciar a última palavra, o que parecia irritar Ales.


O alado na frente de Noctis deu um passo ficando frente a frente com o moreno, pronto para começar uma briga. — Seu, você tem muita coragem! — porém Ales foi parado por uma mão agarrando seu braço e o puxando para trás, foi Lapom.


— Irmão! — a garota nem precisou falar mais nada antes de seu irmão parar embora tenha feito um "Tsk" com a boca ao virar o rosto. Lapom suspirou aliviada por conseguir impedir a briga.


— Mas sério o que tá acontecendo? — todos naquele pequeno grupo olharam para Hisoka quem havia falado com sua voz monótona. — Eu estava no meu quarto pronto pra dormir, será que é um sonho? — perguntou de maneira direta, não sabendo se era especificamente para uma pessoa ou pra si mesmo, mas mesmo assim alguém decidiu responder.


Noctis riu com a pergunta. — Se for um sonho, então todos aqui estão sonhando com a mesma coisa! — o moreno disse com um certo grau de ironia em sua voz, era quase imperceptível mas parecia que o mesmo estava tentando abafar a sua própria confusão com essa atitude desbotada.


O grupo ficou em silêncio por um tempo depois, ao mesmo tempo em que várias outras pessoas continuavam a divagar sobre sua confusão.


— Eu estava no meu quarto!!! — um indivíduo gritou no meio do grande grupo de pessoas.


— O que aconteceu, não consigo desligar mais, o sistema sumiu!!! — outro foi ouvido gritar quase histericamente.


— Eu quero minha mãe!!! — uma outra pessoa foi ouvida, essa parecia chorar como uma criança.


Perto de uma coluna de madeira um jovem via toda a cena. — O que está acontecendo aqui!? — ele murmurou olhando para as pessoas em pânico e confusão espalhados por todo o local. Ele possuía uma estatura mais baixa, com cabelos castanhos bem bagunçados, pele clara e olhos azuis igual ao céu, usando um conjunto de roupas mais soltas com detalhes em preto e branco.


— Henry, você está aqui também! — o jovem parou e virou seu rosto para a esquerda, onda lá ele viu o que mais parecia com um tipo de gato humanoide,um pouco mais baixo que o próprio Henry, com um corpo bem magro e todo coberto de pelo branco, por baixo de uma calça preta e camisa verde bem solta, tendo o olho esquerdo castanho e o direito azul, seu cabelo em um tom de cinza claro, suas orelhas grandes e felpudas, os dentes brancos e afiados, suas mãos lembrando á uma pata, e suas patas traseiras parecendo muito ao de um gato, como se ele andasse na ponta do pé, tem um rabo grande e felpudo. Uma coleira preta no pescoço, além de um tipo de bolsa onde podia se ver guardados um arco e um grupo de flechas entre outras coisas, fica nas costas.


A pessoa atrás do Neko era ainda mais chamativa, tendo um pouco mais de 2 metros de altura, cabelos brancos compridos sobre um corpo embora feminino, ainda possuindo músculos, uma armadura de prata recobrindo toda a parte superior de seu corpo, enquanto que sua parte inferior só poderia ser dita como pernas de um "cavalo", de fato essa pessoa era um centauro de pelo branco, olhos castanhos claro com uma feição carinhosa.


Henry parecia se animar com as duas pessoas na sua frente. — Shidro, Eli vocês estão aqui também! — o garoto disse antes de correr até seus dois amigos com um sorriso no rosto.


— Yes! — Shidro respondeu com um sinal de paz em suas mãos, ou patas, e um sorriso divertido em seu rosto.


Eli se aproximou andando lentamente. — Oi pra você também, Henry! — a centauro respondeu com um sorriso calmo em seu rosto.


Henry devolveu o sorriso antes de diminuir o mesmo em seu rosto, quando a dúvida voltava a pairar. — Então, vocês sabem o que aconteceu!? — perguntou o adolescente esperando receber uma resposta, embora tendo se decepcionado quando ela veio negativa dos seus dois amigos que balançaram a cabeça.


— Estou tão confuso quanto você! — Shidro respondeu coçando sua bochecha um pouco.


Eli também pareceu desapontada. — Desculpe, também não sei nada sobre nossa situação atual! — ela respondeu de maneira educada, um tom meio melancólico em sua voz.


— Entendo… — murmurou Henry antes de olhar novamente seus dois amigos e depois olhar em volta como se estivesse procurando algo. — Algum de vocês viu o King, tenho certeza que ela estava logado com a gente!? — ele perguntou em dúvida causando confusão nós outros dois.


— Agora que você falou, eu realmente lembro de vê lo mais cedo! — Eli murmurou em voz alta, embora não pudesse verdadeiramente ter certeza de onde estaria és pessoa King.


Shidro por sua vez tinha um pouco de Pânico em seu rosto. — Ai droga, não tem como aqueles caras! — o gato murmurou para si mesmo em voz alta o que fez Henry e Eli o olharem em dúvida.


Os dois amigos do gato se aproximaram dele. — Shidro, você sabe de algo!? — Eli perguntou tendo a mesma curiosidade de Henry estampada no rosto.


Shidro olhou para Eli e Henry. — Mais cedo, King junto com a Luna e o Kaito me convidaram para ir juntos a um uma Dungeon, eles queriam terminar o jogo lutando! — Henry e Eli logo perceberam o problema em questão.


Eli teve seus olhos arregalados. — Se nós estamos aqui agora com todo esse pânico e confusão, imagina como aqueles três devem estar no meio de monstros reais! — a centauro murmurou em voz alta, expressando sua preocupação.


— Vamos nos acalmar primeiro! — Dessa vez foi Henry que tomou a palavra. — Não sabemos se existem monstros ou coisa desse tipo lá fora! — o adolescente tentou tranquilizar os outros, embora essas palavras pareciam ser mais voltadas para ele mesmo.


— Ainda assim! — Eli murmurou para si mesma não contente com a situação.


Uma confusão no meio da sala então foi ouvida fazendo todos pararem e olharem na direção, onde viram algumas pessoas discutindo.


— O que disse!! — um homem respondeu bastante irritado, ele era um homem alto e musculoso, sua pele é clara tendo cabelos prateados na altura do queixo, com alguns fios caídos em seu rosto. Seus olhos são azul claro e suas roupas são bem chamativas. Usando uma blusa preta de mangas longas com um colete vermelho por cima, calças vermelhas justas ao corpo e um longo sobretudo que vai quase até os pés na mesma cor, luvas pretas e sapatos escuros.


Ele parecia bastante irritado enquanto encarava a pessoa com quem estava discutindo, que por sinal era uma mulher pálida de cabelos platinados levemente aloirados. Seu porte físico é atletico, sua silhueta é esbelta e comedida. Vestindo uma camisa de coloração branca, com babado e bordados, acompanhado de um colete social de cor vermelho sangue, com bordados e ornamentos tão sofisticados quanto os de sua camisa. Para completar ela ainda utiliza um casaco preto adornado e requintado igual seus predecessores. Por cima do casaco entretanto ela veste um pesado sobretudo, um par de calças, um chapéu de couro triangular, que possui uma pluma branca presa ao lado esquerdo do chapéu e lenço de pescoço feito seda, preso ao pescoço por uma esmeralda.


— Aceite a verdade, ou esteja pronto para taxar a si mesmo de idiota! — a mulher respondeu sem nem ao menos olhar para o homem de cabelo branco.


Por sua voz o albino vestido de vermelho parecia se irritar mais. — Ora sua!! — mas ele foi impedido quando uma terceira pessoa entrou entre os dois.


Ela era uma mulher deslumbrante e que exala sensualidade e solenidade. Dona de longos e escarlates cabelos e olhos laranjas quase avermelhados como os de uma fera indomável olhos carmesim flamejantes e uma aura de bastante confiança ao seu redor. Seu condicionamento físico é notável, tendo um corpo esguio e treinado, ressaltando seus dotes femininos.


— Dante, Diana, não é hora para ficar procurando brigas irrelevantes! — a ruiva disse séria olhando entre os dois.


Diana sorriu e olhou para a garota. — quem diria Mara Ruadh a lâmina carmesim! — a mulher então riu um pouco antes de mudar um pouco sua postura se declinando em uma coluna de madeira perto de si. — Eu apenas disse para ele aceitar o óbvio! — a mulher falou em um falso tom de inocência enquanto mantida um sorriso misterioso em seu rosto.


Mara ficava mais séria enquanto Dante apontou para Diana com raiva. — Aceitar o óbvio, isso é loucura!!! — o albino disse liberando o estresse acumulado.


O sorriso no rosto de Diana lentamente desaparecia enquanto a mesma se tornava extremamente fria. — Loucura você disse, loucos são aqueles que não perceberam nossa atual situação, de alguma maneira estamos presos dentro de um jogo online que deveria ter encerrado seu serviço, nossos corpos atuais são basicamente o que criamos dentro desse jogo por anos, sim isso é loucura, mas também é a nossa realidade atual e somente um verdadeiro louco irá discordar da realidade! — sua voz saiu fria, mas pra todos na sala foi como ter sido perfurados por uma longa e gelada lâmina, todo o pânico e confusão foi absorvido por um extenso e desconfortável silêncio.


Alguns segundos se passaram dessa forma, cada uma das pessoas na sala parecia parar e pensar em silêncio sobre sua própria situação.


Foi nesse momento em que algo ocorreu, a grande porta de entrada da taverna fora aberta fazendo todos olharem para lá, onde viram um novo quarteto de pessoas.


A primeira pessoa era uma mulher que possui uma feição muito meiga em seu rosto, além de uma pele bem branca e orelhas pontiagudas, já que faz parte da raça Élfica. Fisicamente tendo curvas muito bem definidas, como uma cintura fina, o que é totalmente o oposto de suas coxas, que são grossas, porém a parte mais atraente da mulher são seus fartos seios que acabam sendo um pouco chamativos. Seus cabelos são longos e levemente esverdeados, enquanto seus olhos são em uma coloração azul.


Ao lado da garota estava um homem bem alto, com cabelos negros e olhos são verdes escuros, além de que o homem tem um porte físico notável. Usando roupas negras bem robustas e de um material aparentemente bem resistente.


Na esquerda segurando a grande porta com uma das mãos, provando que essa pessoa foi quem abriu a porta, estava uma mulher de pele clara e cabelos lisos grandes, que se despencam como uma cascata até a altura da cintura. A jovem possui lábios carnudos de um tom avermelhado e orbes castanho claro de um olhar felino. Uma veste maciça de metal de coloração negra avermelhado e ornamentação em tons de dourado alaranjado, além de uma espécie de “saia” de um vermelho escuro com detalhes em preto que ornamenta sua veste e propõe um ar feminino ao equipamento. Conta também com uma tiara, acompanhada de uma viseira e que compartilham da mesma disposição de cores do resto do traje.


Por último na frente dos outros três estava uma visão quase divina, uma jovem de cabelos prateados curtos e lisos, pele bem clara e olhos prateados. Ela estava usando o que parecia ser botas de combate prateadas, um vestido branco cobrindo boa parte do seu corpo, sendo cortado em suas pernas permitindo melhor movimento, devendo completo pelas costas, uma armadura de metal mágico com detalhes em dourado cobrindo a cintura, peitos, ombros e braços, um pingente de pedra roxa amarrado no pescoço, um elmo dourado com duas protuberâncias semelhantes a asas presas sobre seu cabelo e quatro grandes asas angelicais completamente brancas saindo de suas costas. Ela estava segurando um cetro longo dourado com detalhes em azul semelhantes a asas e uma ponta cortada lembrando duas espadas.


— Lyrule… — o homem do grupo disse fazendo a pequena elfa o olhar e assentir.


A garota parou e olhou para o homem de preto. — Ah sim! — a garota fez uma reverência para o trio na porta e se afastou em direção ao grupo de pessoas, especificamente perto de Ayla que sorriu ao ver a amiga.


— Lindow, Yhor! — a garota de quatro asas murmurou calma fazendo os outros dois assentiram, fecharem as grandes portas e se colocarem ao seu lado encarando o grande grupo que os olhava.


- Bom parece que a grande maioria está reunida aqui! - Lindow murmurou para si mesmo olhando o grupo de pessoas.


Yhor também falava algo para si, só que em voz alta o que fazia todos ouvirem facilmente. — E pensar que tantos ficariam nessa mesma situação como nos! — a mulher alta disse olhando para o grupo.


A garota alada no centro respirou fundo e fechou seus olhos por um instante, antes de olhar com determinação para todos na sala. — Boa noite eu sou Merlina a mestra da Guilda, muitos de vocês estão confusos com a atual situação que nos encontramos, de fato nós também não sabemos direito o que aconteceu! — a grande maioria do grupo parecia se desanimar um pouco com as palavras. — Mas não precisam entrar em pânico, eu não posso prometer levá-los para casa, de fato não sei se realmente a uma maneira de voltar ao normal, porém não vamos desistir, precisamos estar unidos durante essa situação se quisermos conseguir nos adaptar adequadamente! — as pessoas se animaram um pouco com a resolução da conversa.


— Primeiro nós precisamos entender o que está acontecendo, pesquisar sobre nossa situação e pesquisar os arredores em busca de vida inteligente, eu não posso prometer levá-los para casa ainda, talvez até mesmo nunca, mas no mínimo posso prometer que vamos descobrir o que está acontecendo e digo que se nós unirmos agora poderemos criar um lar aqui! — Merlina quase gritou a última parte seguida por quase todos na guilda levantando os braços e gritando em confirmação.


A garota de cabelos prateados olhou para os membros de sua guilda antes de dar um suspiro aliviada enquanto pensava no que ocorrerá mais cedo.


Flashback on


Abrindo rapidamente seus olhos em surpresa Merlina viu diretamente um lindo céu noturno, pintado com estrelas brilhantes e uma grande e redonda lua cheia, o vento tocava sua pele e fazia seus cabelos brancos dançarem ao ar, seus olhos prateados que refletiam a luz vinda da lua, corriam por toda a área, a grande fortaleza na árvore, as folhas que estavam presas sobre o prédio e seu próprio ser e corpo.


— Mas o quê!!!? — sua voz saiu mais delicada e séria do que deveria, completamente diferente de antes e surpreendendo ainda mais a jovem que por surpresa colocou sua mão sobre a boca.


Ela estava confusa, o que estava acontecendo simplesmente não fazia sentido algo, talvez tivesse pegado no sono enquanto o jogo encerrava e esse fosse só mais um sonho… um sonho muito real.


— Mestre!? — uma voz a chamou fazendo a jovem virar para olhar a elfa empregada loira que tinha um olhar confuso em direção a albina. — Você está bem, parece meio pálida!? — a preocupação podia ser sentida em sua voz, enquanto seus olhos percorriam o corpo da mulher alada procurando qualquer problema visível e demonstrando uma preocupação e curiosidade.


— O.. o que? — foi tudo que a Merlina pode responder inicialmente, essa situação não fazia sentido nenhum, esse sonho não parecia funcionar com seu raciocínio básico, essa realidade era real demais para ser somente uma breve invenção de sua mente…


— A senhorita se sente mal, talvez cansada de tanto trabalhar?! — a empregada elfa perguntou novamente, sua preocupação visível sobre suas feições.


Por um segundo Merlina não reagiu, mas vendo sua situação tudo que a mesma pode fazer foi seguir com o ritmo e tentar descobrir o que estava acontecendo.


— Ah, não se preocupe, só estava me perdendo em pensamentos fúteis! — Merlina disse calma com um sorriso em seu rosto deixando a empregada elfa menos preocupada. — Não se preocupe Fey! — terminou Merlina com um tom mais doce.


Deu por sua vez assentiu. — Sim mestra, mas por favor não exagere! — comentou a empregada ainda preocupada.


— Sim entendido! — Merlina respondeu com o mesmo tom calmo e sereno de antes, mas isso era somente uma fachada, Merlina verdadeiramente estava confusa, nada estava fazendo sentido naquele momento, o prédio, o local onde ela estava era sem dúvida a Guilda Avalon o local que a mesma construiu junto a seus amigos com esforço e dedicação, ela nunca se enganaria com a visão da grande fortaleza de castelos e árvores. Não só isso mas seu corpo não era mais seu, ela não sabia como mas estava no corpo de sua personagem Merlina criada no MMO ActionRPG World Fantasy e essa pessoa com ela, essa empregada.


Fey, uma das dezenas de NPCs que trabalhavam na Guilda, ela havia sido contratada pela própria Merlina como sua secretária, um NPC de alto nível… mas mesmo assim, todos os personagens do WF que não eram jogadores, eram obviamente criados dentro do próprio jogo para dar mais realismo a seu mundo, algo que foi muito explorado no WF já que todos os NPCs sem exceções tinha inteligência artificial limitada, o que permitia se comunicar via Chat com qualquer um deles, obviamente essa tecnologia era limitada, fazendo com que somente respondessem perguntas, não podendo realmente fazer longas e complexas conversas.


Esse sistema se baseava na análise do que foi perguntado pelo jogador, com sua forma de agir jogando e falando com demais jogadores, esses dados eram estudados, processados e em seguida analisados para que o NPC pudesse responder da maneira mais agradável possível.


Merlina conhecia bem esse sistema, era uma das coisas que a mesma mais gostou inicialmente no jogo, dava certa vida ao ambiente, mas ainda assim, aquelas expressões eram reais demais, humanas demais.


Ela poderia estar bastante confusa sobre toda a situação, mas uma coisa ele podia ter certeza, Fey, essa Fey não era um simples NPC, era de alguma maneira um ser vivo assim como ela, com sentimentos.


Nesse momento a porta abriu brutalmente o que levou Merlina a sair de seus pensamentos e olhar só para ver uma visão familiar. — Yhor!? — outra pessoa jogando assim como ela, e provavelmente presa assim como ela.


Yhor olhou para Merlina como se quisesse confirmar algo, a mulher imponente notou logo como a alada fez um gesto com seus olhos, um olhar simples e sério, mas que transmitiu uma mensagem clara "Siga o ritmo".


— Então Mestre, vim perguntar se não vai festejar com o resto da guilda na taverna central!? — Yhor deu um sorriso elegante enquanto mudou sua postura para alguém muito mais orgulhosa de si mesma, obviamente já tendo entendido a situação quando notou Fey na sala, nenhuma delas sabia o que estava acontecendo e perder a cabeça poderia ser um problema, principalmente mostrar fraquezas frente a alguém que deveria ser somente um NPC com funções primárias, mas que agora não tinha muita confiança a disposição.


Merlina parecia entender onde a outra queria chegar. — Claro não será problema, Fey por favor arrume meu escritório enquanto estiver fora! — a mestra da guilda disse de maneira bastante cortez antes de sair com Yhor do local, Fey simplesmente assentiu e fez o que lhe foi mandado.


Quando já estavam a uma boa distância os sorrisos nos rostos das duas mulheres foi substituído por um olhar sério. — Onde está Lindow!!? — Merlina perguntou diretamente.


— Ele provavelmente está no jardim Norte, é próximo daqui! — Yhor respondeu da mesma maneira direta e fria, as duas então seguiram por um caminho específico.


Elas precisam chegar a taverna, muito provável que vários dos membros estejam em pânico naquele momento, mas antes Merlina precisaria ir atrás de seu segundo conselheiro.


Flashback off


Depois daquilo as duas foram em direção ao Jardim norte, mas no caminho acabaram por encontrar outra jogadora perdida, Lyure que estava confusa e sozinha em um dos corredores da guilda, a elfa acabou indo com Merlina e Yhor até o jardim Norte onde encontraram Lindow…. Dormindo…


Ele foi abordado de maneira "Educada e Carinhosa" por Yhor o que provavelmente lhe renderia uma dor na cabeça por um longo tempo. Obviamente o homem mais velho ficará confuso com toda a situação, recebendo um pequeno resumo antes do quarteto ir em direção a taverna da Guilda. O que levou a atual situação.


Merlina também sabia que poderiam ter alguns membros da guilda em outros lugares talvez até sozinhos, a mesma só podia esperar que todos estivessem bem.


Olhando para Merlina, Yhor e Lindow, um homem recostado na parede riu. — Isso vai ser divertido! — ele murmurou em voz alta. Ela era um homem de cabelos levemente longos, olhos de cor tanto violeta quanto verde escuro, pele clara e com uma pequena cicatriz no canto de sua boca. Seu sorriso ladino combina com seu olhar divertido de apreciar cada detalhe da vida, o que o deixa transparecer um ar descontraído e sinistro.


— Somente você para rir de tal situação! — Uma voz veio de sua esquerda ao olhar o mesmo viu um alado de longos cabelos brancos,olhos azuis,pele clara,asas negras, utilizando um grande sobretudo escuro aberto na área do peito exibindo um corpo forte e bem definido.


Não muito distante daqueles dois Mara Ruadh se encontrava sozinha em um canto. 


— Mara!! — a ruiva parou e se virou só para encontrar mais dois outros jogadores, a primeira tendo longos cabelos pretos, com as pontas laranjas, pele pouco bronzeada, sua íris é um tom claro de rosa e orelhas de gato sobre sua cabeça. Utiliza um quimono rosa, um casaco preto e o mais interessante, uma mordaça de bambu na boca.


Ao lado da garota vinha outro jovem de cabelos castanhos e equipamentos prateados, por algum motivo o mesmo tinha um anel dourado preso em uma corrente em seu pescoço.


— Heiwa, Kimen, até vocês estão aqui!? — Mara disse antes de dar um leve sorriso e se aproximar da dupla.


Merlina por sua vez observava toda a interação dos aventureiros na taverna antes de soltar um suspiro, como se estivesse procurando por algo ou alguém mas não achará no grande grupo de aventureiros.


O que o futuro podia esperar de Merlina e sua Guilda, ela mesma não saberia o que dizer, mas só depois perceberia o quão grave realmente era essa situação e se perguntava se a mesma e sua guilda eram os únicos nessa situação ou se havia mais alguém lá fora. 


Time Break


Uma grande caverna, cheia de várias pedras gigantes com correntes negras amarradas entre si, nesse local um trio de indivíduos podia ser visto parados perto de uma porta gigantesca com detalhes em dourado e um grande desenho de cabeça de boi bem no centro, com dois machados se cruzando bem em baixo.


— Ai minha cabeça… — um dos três disse, ele estava um pouco mais na frente dos demais e era um jovem rapaz alto de cabelos castanhos claros bem espetados e brilhantes olhos azuis, sua pele é bem bronzeada, possuindo um porte físico bem definido com músculos razoavelmente grandes. Visto usando uma armadura dourada de corpo inteiro com uma capa branca ligada a sua armadura, por cima de uma camisa de couro preta e calças jeans azul.


O jovem estava levando do chão enquanto segurava sua cabeça com dor, os outros dois também estavam em situação parecida.


— Luna, Kaito, vocês estão bem!? — o rapaz de armadura dourada perguntou ao olhar para trás em direção aos seus aliados que lentamente se recuperaram.


Olhando para os dois ele pode notar suas aparências, sendo a primeira uma jovem garota possuindo longos cabelos loiros que vão até o final de suas costas, olhos verdes, um rosto que demonstra traços de elegância e ingenuidade o que acaba por dar um charme único a mesma, possui pele clara e um belo corpo, embora fosse meio baixa. Ela usava vestimentas completamente brancas, desde luvas de ferro até sua saia, todas são de mesma coloração. De seu torço para baixo, encontramos uma camiseta e armadura pálidas que cobrem até seus ombros, deixando suas axilas expostas, em seguida, pode-se ver uma grande luva metálica branca que vai até os cotovelos. Em relação as parte inferiores à cintura, encontramos uma longa saia de coloração esbranquiçada e levemente "transparente", já que a luz atravessa facilmente a vestimenta. Seus últimos detalhes notáveis seriam as "meia-calças" metálicas que utiliza em suas pernas e a grande espada dourada que a mesma usava para se apoiar.


O segundo por outro lado era um jovem possuindo o cabelo preto assim como seus olhos, usando calça preto junto com um cinto preto, também usa uma camiseta preta com alguns detalhes cinzas de baixo de uma longa jaqueta que também é preta e botas pretas.


A garota loira foi a primeira a se recuperar e se levantar logo olhando em direção do primeiro jovem. — King!? — a garota perguntou confusa antes de notar o seu redor. — Onde estamos!? — a loira perguntou para si mesma enquanto olhava em volta sem entender direito sua situação.


— Pessoal, não me lembro de ter a versão VR do jogo, nem de gráficos ultra realistas!! — o terceiro indivíduo murmurou, Kaito o jovem de cabelos negros.


King olhou para Luna e Kaito antes de olhar para suas mãos cobertas de armadura. — Acho que estou sonhando!! — ele murmurou em voz alta para si mesmo.


Luna com uma expressão mais séria balançou seu rosto. — Eu duvido muito disso, se não estaríamos tendo o mesmo sonho! — a loira murmurou tentando se acalmar.


Kaito deu um suspiro surpreso enquanto seus olhos se arregalaram quando seus olhos negros se fincaram atrás de King e Luna. — Eu não acho que seja um sonho! — seus dois amigos ficaram confusos por um segundo, se entreolharam sem entender muito bem antes de sentirem um ar quente como se fosse uma respiração extremamente pesada.


Olhando lentamente para trás os dois tiveram a mesma surpresa em seus rostos ao verem o que parecia ser uma criatura gigantesca humanoide com um corpo extremamente musculoso e peludo, segurando um grande machado negro com o dobro de seu tamanho. Mas a coisa mais chamativa era sua cabeça de boi e olhos vermelhos brilhantes encarando o trio.


— Acho que está mais para um pesadelo! — Kaito terminou enquanto o trio encarou o gigantesco minotauro que rugiu para o trio com a maior intenção de atacar.


Time Break


Em uma grande floresta, especificamente um bosque quase deserto se encontrava um centauro, ele era relativamente maior que o comum. A parte de inferior era lusitano de cor castanha, enquanto sua pele humana tem um tom moreno, quase do mesmo tom que a parte equina. Seus olhos são escuros de um verde acastanhado, e seu cabelo também castanho é liso como uma crina. Usando uma armadura de ferro brilhante e grossa.


O grande centauro olhou em volta antes de se focar no céu noturno, o vento correu por seus cabelos enquanto a lua iluminava as árvores ao seu redor. O homem não humano por sua vez tinha uma expressão confusa antes de notar diversos corpos de seres humanóides pequenos e verdes estirados pelo chão.


A visão poderia ser perturbadora para qualquer um, porém o centauro parecia ignorar enquanto voltava a olhar para o céu, porém o único indivíduo vivo naquele campo só tinha um único pensamento rolando em sua mente.


— Quem sou eu!!? — ele murmurou em voz alta para si mesmo.


A Guilda Avalon


Uma grande estrutura semelhante a um tipo de fortaleza ou castelo feito de vários pequenos prédios e casas com um grande número de pequenas árvores crescendo por dentro e por fora da estrutura, com quatro grandes árvores principais no centro várias grandes roxas crescendo como um tipo de defesa contra ataques a longa distância, uma muralha alta e um lago ao redor tendo como único acesso a ponte frontal ligada a um grande portal bem guardado.


A guilda por dentro possui uma grande variação de salas, como as três cozinhas, a grande biblioteca, as salas de treinamento que se variam tanto entre treino de combate físico quanto de magia, o salão de reuniões, a sala da mesa redonda, o gabinete do mestre da guilda, o cofre do tesouro da guilda, o banco da guilda e os quartos dos aventureiros onde em cada um já possui coisas como banheiros, cozinhas pequenas, dentre outras coisas.


O salão principal de entrada da guilda já abrange uma grande parte da mesma, possuindo várias cadeiras e mesas, refeitórios, bares e claro uma recepção onde podem ser pedidas missões e entregue seus resultados para receber os prêmios.


A grande biblioteca possui uma variedade gigantesca de livros, dentre eles alguns com registros dos eventos e missões cujos membros da Guilda realizaram ou participaram, também possuía registros e histórias sobre o próprio mundo do jogo como uma tentativa de enriquecer a experiência obtida só jogar, livros também poderiam ser comprados pelos jogadores e depositados na biblioteca como uma forma de guardá-los e até possuía uma opção que permitia que os jogadores escreverem seus próprios livros e publicações na biblioteca para poder ser lido e apreciado pelos demais.


A sala de reuniões e a sala da mesa redonda eram praticamente a mesma coisa, sendo uma permitindo todos os membros da guilda incluindo os NPCs de assistir e opinar durante cada reunião. A mesa redonda por outro lado era como seu nome dizia, uma sala com uma grande mesa redonda onde somente o mestre da guilda e os dois jogadores de mais alto nível pudessem participar, lá eram tratadas reuniões mais sérias com assuntos normalmente muito complicados onde os presentes precisam fazer votações, sendo o número de membros três justamente para que nunca houvesse um empate em nenhuma votação, sempre dando resultados.


A guilda também era frequentada por outro tipo de membro que não fosse os aventureiros/jogadores, esses eram os NPCs, personagens disponibilizados pelo próprio jogo que poderiam ser contratados para tarefas mais banais, desde trabalhar na limpeza, cozinha, lavando roupas, recepção, empregados e até comerciantes, o jogo trazia uma tecnologia de inteligência artificial onde sempre que uma pergunta qualquer fosse feita de um jogador para um NPC a IA faria uma rápida pesquisa online para poder responder da melhor maneira possível o que permitia que jogadores pudessem manter conversas com NPCs mesmo que sempre se limitando a perguntar e responder, ainda assim dava um charme a mais.









Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...