História The Inspector - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Britt Robertson, Cameron Dallas, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Liam Payne, Lucy Hale, Peter Facinelli, Robert Pattinson, Ryan Butler, Shawn Mendes
Personagens Justin Bieber, Lucy Hale
Visualizações 718
Palavras 2.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha só eu aqui de novo!

Voltei rapidinho, primeiramente porque eu tinha prometido postar mais um na semana, e provavelmente vou ficar sem Internet depois, então estou postando agora. Segundo, eu estou muito feliz com os comentários de vocês. Obrigado mesmo.

Eu li os comentários de vocês(que aliás, já vou responder) e vi que muitas pessoas falaram algo que faz realmente parte desse capítulo. Não, os comentários não influenciaram em nada, pois esse capítulo já estava pronto, assim como o próximo também está. Vocês vão entender sobre o que estou falando.

**LEIAM AS NOTAS FINAIS, QUERO EXPLICAR ALGO IMPORTANTE LÁ**

Espero que gostem e boa leitura.❤

Capítulo 18 - Do I Have a Chance With You Then?


Fanfic / Fanfiction The Inspector - Capítulo 18 - Do I Have a Chance With You Then?

A possessão de qualquer coisa começa na mente.

-Bruce Lee


Lucy Hale Point Of View

Uma semana e alguns dias tinham se passado desde o dia em que eu infelizmente flagrei o Bieber com a insuportável Kristen.

Eu não tenho mais falado com o Justin, faço o que posso para evitar olhar pra maldita cara dele. E pensar que eu realmente tive um momento íntimo com ele grr.

Se antes eu não suportava a Kristen, agora muito menos. Ela me olha com um certo sarcasmo, como se tivesse conseguido algo muito grande, que é ter transado com o inspetor gost...Bieber. Coitada, mal sabe ela que eu já tive a oportunidade bem antes.

Meu celular vibrou no meu bolso. Me surpreendi ao ver que era uma ligação de Ryan, desde o dia da festa eu só tinha falado com ele uma vez.

— E aí, gostosa?— Ryan meio que se acostumou a me chamar de gostosa, ele até salvou meu contato desse jeito.— Parece que esqueceu dos mais feios.— Era incrível como eu me sentia bem ao falar com ele, Chris ou Caitlin. Eu realmente gostava muito deles.

— Hey.— Disse.— Por isso não te esqueci, porque nossa, Ryan, você é muito lindo. Senti até um calor aqui só de pensar em você.— Então ouvi ele gargalhar, me fazendo acompanhá-lo.

Tenho chances contigo, então?— Ele perguntou ainda divertido.

— Ryan, pra você ter chances comigo nem precisaria ser bonito, só você ser legal assim toda vez, que aí suas chances serão enormes.— E não menti. Ryan era uma das pessoas mais legais do meio deles, eu gostava do Chris também, muito, mas tem vezes que o Chris está tão focado em fazer as coisas certas que nem parece o traficante divertido que conheci. Já, Ryan, bom, todas as vezes que eu falo com ele, ele me faz rir.— Mas, e como você está?

— Me sentindo lisonjeado agora.— Ele tentou parecer formal, o que deixou sua forma de falar engraçada.— Mas também tem alguns problemas com uns traficantes aqui, outros ali, várias ameaças de morte sobre mim. Nada de anormal.— Agora quem riu foi eu. Eu mesma já teria me matado se recebesse ameaça dessas pessoas.— E como é que tu tá?

—Oh, claro. Nada de anormal pra você.— Zombei.— E bom, tenho alguns trabalhos de escola aqui, uns professores chatos ali, pessoas insuportáveis pegando no meu pé...é, fora isso eu vou sobreviver.

— Nossa, eu espero que sim, essas coisas são horríveis de lidar. Não é querendo te botar medo não, mas meu primo se suicidou por isso.— Então eu ri alto, vendo as pessoas me olhando estranho. Ryan realmente é incrível.

— Agora eu tô com medo.— Suspirei fundo, recompondo minha voz.— Mas fala logo, o que você quer comigo? Seja rápido que eu tenho mais o que fazer

— Nossa, que chata. Também não falo mais.— Ele fez um som negativo com a boca.

— É brincadeira, é brincadeira.— Falei rápido.— Vai, desembucha.

— Bom, na verdade eu liguei pra perguntar se tu tá afim de ir em um lugar comigo.— Eu poderia jurar que ele estava coçando a cabeça, desconfortável, nesse exato momento.

— Que tipo de lugar? Espero que não seja uma boate.

— Vai ter a inauguração do primeiro hotel-cassino de um amigo, como sobrou um ingresso, achei que quisesse ir comigo.

— Vocês vão jogar o quê nesse cassino? Roleta Russa?

— Ah, não...— Ele falou de uma forma engraçada, estalando a língua no céu da boca.— Talvez apostem a vida nos jogos com cartas ou joguem dados que explodem, nada demais.— Murmurei um: "Credo, então não vou". e ele começou a rir.— Mas é sério, vai ser divertido.

— Eu não sei, ultimamente eu só tenho quebrado a cara nessas festas...

— Tu vai me deixar ir sozinho?— E ele estava usando um tom de voz diferente, tentando me persuadir. Eu ri por um momento.

— Tá, que dia vai ser essa festa?— Me dei por vencida. Olhei para o lado e vi Cameron vindo em minha direção.

— Sábado.

— Certo, eu vou com você.— Ele então fez um som com a boca, comemorando.

Tem como não se animar com isso?

— Obrigado. Te pago um lanche depois.

— Eu vou cobrar.

Desliguei a ligação e olhei novamente para Cameron, que já estava sentado no meu lado, logo ele segurou meu rosto com ambas as mãos e colou nossos lábios, fazendo-me tremer. Era sempre assim, seus beijos me causavam essas sensações.

Fazia uma semana que eu tinha aceitado a proposta de tentarmos algo, bom, não estamos namorando, mas estamos em um compromisso, é difícil explicar, mas é algo bom, algo que nos deixa à vontade. Sem aquilo de estarmos presos ou sufocando uma ao outro.

Sinceramente eu me arrependi de não ter aceitado isso muito antes, Cameron é uma ótima pessoa, divertido, carinhoso, atencioso, sabe me deixar feliz nos momentos mais improváveis e me conhece até melhor que eu mesma.

Eu espero começar a sentir o mesmo que ele sente por mim, da mesma forma. Do jeito que as coisas estão indo, eu tenho certeza que isso não vai demorar para isso acontecer.

Quem não gostou nada disso foi o Sean, que sempre quando pode, nos perturba. Quase brigou com o Cameron nos corredores da escola, a sorte é que conseguiram separar os dois.

Ele não entende que não tem o direito de querer aceitar nada.

— Como foi o treino?— Perguntei quando finalmente desgrudamos nossos lábios e recuperamos nosso fôlego.

— Foi bom. Tirando a parte em que o Sean me perturbou na maioria do tempo.— Ele rolou os olhos. Respirei fundo e me ajeitei no banco, para assim conseguir meio que me deitar no peito dele, enquanto ele começou a acariciar minha cabeça.

Fazia tempo que eu não me sentia assim, confortável.

— Você sabe que ele não vai sossegar por algum tempo, não é?— Perguntei suspirando. Peguei em sua mão livre e entrelacei nossos dedos.

— Eu sei.— Seu peito subiu e desceu de uma forma intensa, ele estava suspirando.— Mas ele vai ter que aturar isso. Ele não deu valor antes, agora não pode querer aceitar nada. Ele não tem o direito de ficar bravo.

— Não mesmo. Mas você sabe que ele é um cabeça dura. Eu não sei onde estava com a cabeça para namorar com ele.— Bufei.

— Sabe, se eu tivesse confessado antes o que eu sentia por você, e você tivesse me aceitado, eu ia fazer de tudo para te deixar feliz e não te decepcionar.— Meu coração de aqueceu com isso. Cameron é uma pessoa incrível mesmo.

Me inclinei para ver seu rosto. Levantei do banco e sentei com uma perna de cada lado, da mesma forma que ele, ficamos frente a frente, então eu me aproximei e meio que passei as pernas por seu quadril, Cameron logo segurou minhas pernas, as mantendo daquela forma. Rodeei meus braços por seu pescoço, nos aproximando mais ainda.

— Eu sei. Acredite, eu ia amar que fosse você no lugar dele.— Ele sorriu e aproximou nossos lábios novamente.

Iniciamos um beijo lento, sem a língua mas ainda assim intenso, apenas nossos lábios que se movimentavam em uma sincronia perfeita, fazendo eu desejar que aquele momento nunca acabasse.

— Huh, eu vou a uma festa no sábado com um amigo.— Disse quando retomei o ar novamente. Eu lembrei que tinha combinado de ir para a casa dele no sábado.— Espero que não tenha problema, podemos marcar para o domingo...

— Claro. Assim eu vou poder ir com o Shawn e os garotos no jogo dos Lakers.— Ele disse calmamente, e eu assenti com a cabeça.— Quem é esse amigo?— Perguntou com um falso tom de ciúmes, se segurando para seus lábios não se curvarem mais para cima, prendendo o riso.

— Ryan. Você não o conhece.— Sorri para ele.

— Eu devo me preocupar com esse Ryan?— Ele me olhou fixamente. Neguei.

— Não, ele é só um amigo mesmo.— Disse beijando seu maxilar, logo mordendo de leve seu queixo.— Eu devo me preocupar com as líderes de torcida?

— Não.— Agora quem riu foi ele.— Acredite, estarei mais focado nos jogadores.— Ele piscou. Não pude conter a risada.

Por isso eu amava passar meu tempo com Cameron, ele sempre me fazia sentir bem, o tempo sempre passava rápido com ele, pois as conversas eram sempre boas e divertidas. Eu sempre me feliz por estar com ele.

— Certo.— Disse e eu mesmo tomei a iniciativa de encostar nossos lábios novamente.

Sua mão segurou na minha cintura, apertando de leve o local enquanto sua língua pediu passagem, no mesmo momento eu cedi, sentindo a língua dele deslizando para dentro da minha boca.

Segurei em sua nuca, o trazendo mais para mim, meu estômago estava agitado, fazendo eu tremer levemente com a sensação prazerosa dos seus lábios colados nos meus em um beijo calmo, mas ainda assim, intenso ao ponto de me deixar com as borboletas no estômago.

Estávamos ficando sem ar, mas eu não me renderia tão facilmente, nos continuaríamos por muito tempo, mas uma falsa tosse fez com que a gente se afastasse.

Droga.

— Na escola não é permitido esse tipo de troca de afeto.— Bieber falou com sua postura impecável, como se de fato, fosse uma pessoa completamente séria e não uma pessoa que até com as alunas dessa escola já transou.

Bom, isso não vem ao caso.

— O quê?— Foi a única coisa que eu consegui perguntar, eu estava usando meu tom de deboche.

— Nunca vi a diretora brigar por alunos estarem se beijando, isso é normal.— Cameron argumentou, mas o idiota o ignorou e nem disfarçou seus olhares furiosos para mim.

— Hale, vem comigo.— Ele falou ríspido, me fazendo bufar.

— Não! Ela não tem que ir à lugar nenhum, ninguém estava fazendo nada de errado.— Cameron me segurou mais firme.

— É melhor não tentar me confrontar, Mendes. Você também receberá seu castigo. Vem, Hale.— Então ele se virou, querendo que eu o seguisse. Cameron tentou falar novamente, mas eu o interrompi.

— Eu já venho.— Disse e colei nossos lábios rapidamente antes de seguir o inspetor.

Limpei minhas mãos que estavam suando, na calça. O nervosismo começou a se fazer presente. Mas quando entrei na sala dele, fiquei irritada, muito mesmo.

— Você tá maluco? Que drogas você usou?— Cruzei os braços quando ele trancou a porta.— Será se da pra me deixar em paz? Eu estava tão feliz nessa semana sem nem ver a sua cara.

— Eu que te perguto!— Ele ainda possuía um tom ríspido.— Onde tu tá com a cabeça de beijar ele?

— Eu não estou te entendendo.

— Não se faça de idiota.— Ele passou a mão no rosto, parecia frustrado, então ele pegou um cigarro e o acendeu.— Tu tava beijando ele!

— E?— Desafiei.

— Não é pra isso acontecer, caralho!

Ele estava da mesma forma no dia da festa na casa dele, no mesmo dia que eu...bom, não interessa. Ele está louco da mesma forma.

— Você não é ninguém pra decidir se isso deve ou não acontecer!— Quase gritei.— Então se era só isso, eu já vou indo.

— Se tu continuar com a porra da tua birra, ele vai acabar pagando.— Ele tragou fundo, logo liberando a fumaça pelo ar, me deixando furiosa só com isso.

— O que você quer dizer com isso?

— Que eu não quero ter ver perto dele de novo.— Eu ri, só poderia ser brincadeira. Me dei conta de que era verdade, pois sua expressão era séria.

— E por que não?— Perguntei levantando as sobrancelhas, eu não poderia deixar o deboche e sarcasmo de fora.

— Primeiro que ele é irmão do Shawn, e segundo porque eu não quero te ver perto dele.— Passei um longo tempo olhando pra cara dele, procurando alguma falha que fosse entregar que era só uma brincadeira de mal gosto.

— Poderia ser o próprio Shawn! Eu não tô nem aí para o que você quer ou não. Você não manda em mim, Justin.

— Eu já avisei, brinca comigo que teu amiguinho vai pagar caro. Aliás, eu não te quero perto de ninguém.

— Pera aí, então quer dizer que só porque eu fui idiota o suficiente para ir pra cama com você, você acha que tem alguma porra de autoridade sobre mim?— Ele permaneceu calado, mostrando através do silêncio que ele concordava com o que eu tinha dito.— Eu não posso ficar com ninguém, sequer beijar aqui nessa droga de escola, enquanto você pode até foder com as garotas? Porque eu vi muito bem quando você transou com a Kristen naquela droga de sala!

Ele então riu, jogando o cigarro no chão e pisando em cima, mas continuou rindo enquanto olhava para mim. Ele só podia estar de zoação com minha cara, não é possível.

— Então esse é o problema? Eu ter comido a Kristen?— E lá vem ele achar coisa onde não tem. Ele entendeu completamente errado.— É isso que está te incomodando?— Ele passou a língua pelos lábios, umedecendo os mesmos.— Lucy, se te consola, tu é melhor que ela.

Meu ódio ainda aumentou. Que cretino. Ele acha que vai simplesmente falar essa baboseira que eu vou aceitar todas as coisas que ele "propôs"? Só pode estar drogado mesmo.

— Ah é?— Ele concordou com um sorriso cafajeste na cara irritante dele.— Então se te consola, Bieber, o pênis dele é maior que o seu!

Não perdi tempo e destranquei a porta, saindo dali o mais rápido possível. Eu não podia correr o risco de ele me prender dentro daquela sala de novo, eu não queria olhar para a cara dele.

Me acalmei quando vi Cameron no mesmo lugar, então logo me juntei a ele.

— E então?— Cameron me perguntou, preocupado.

— Bom, ele só falou algumas bobagens, não se preocupe.— Tentei sorrir para ele.

— Por que ele só chamou você?— Ele franziu o cenho e eu dei de ombros.

— Por favor, eu não quero falar sobre isso.— Suspirei pesadamente.

— Certo, não vamos falar sobre isso.— Beijou minha testa, me fazendo sorrir para ele.— Sabe, eu estava pensando no que vamos fazer no domingo...

— Comer, assistir algum filme...— Deixei no ar, então ele concordou.

— Tudo bem.— Ele beijou a minha testa.— Tem alguns filmes novos no Netflix que talvez você possa gostar.— Era incrível como ele sempre queria fazer eu me sentir bem. Ele poderia ter assistido um filme várias vezes, ou poderia ser algum que ele odeia, mas ele iria assistir novamente apenas para me fazer feliz.

— Eu vou gostar, desde que eu esteja com você.— Então ele sorriu alegremente para mim, concordando com a cabeça.

Olhei para ele e grudei nossos lábios novamente, Cameron se surpreendeu com esse meu ato repentino, mas apenas continuou.

Eu não ia me importar com os absurdos que o Bieber tinha dito, ele que vá com as idéias malucas dele pro inferno. Ele não pode querer controlar minha vida dessa forma, como se tivesse o direito de escolher com quem eu vou ou não ficar. Isso é ridículo.

(...)

— Esse vai ficar perfeito.— Caitlin mostrou o vigésimo vestido da loja, dizendo que ia ficar perfeito.

Caitlin, Britt e eu estávamos algumas horas no Shopping. Perguntei para Caitlin qual seria a roupa perfeita para usar nessa festa, pois lá é algo mais chique, eu não quero ir de qualquer jeito, foi aí que Caitlin avisou para Britt e elas praticamente me arrastaram até o Shopping para fazermos compras.

Eu já estava cansada e com fome, mas ainda não tinha achado um vestido realmente bonito e que me agradasse, e essa já era a décima loja que a gente tinha entrado.

— Você falou isso dos últimos 15, Caitlin.— Bufei.

— Mas todos iam ficar perfeitos.— Britt deu de ombros.

Elas também iam à festa, isso era bom. Ia ser ótimo ter garotas que eu conheço por lá.

Já desistindo de procurar um vestido decente e pensando em usar uma calça jeans, achei um que era sim, o perfeito.

Era um vestido preto, que com certeza não ia ficar muito justo e nem muito folgado no meu corpo. Ele tinha um decote em V com alguns detalhes dourados, continha uma leve abertura que iria deixar parte da minha coxa exposta. Eu já imaginava a perfeição que ele ia ficar junto com um salto alto que eu tinha em casa.

— Eu já encontrei.— Sorri ao olhar para o vestido. Finalmente.

Fui até o provador e o vesti, me sentindo realmente muito bonita. Ficou perfeito no meu corpo, parecia que eu tinha encomendado.

— Lucy, hoje eu te pego de jeito.— Caitlin falou segurando na minha mão e me fazendo dar uma voltinha.

— Se o Cameron te ver assim, tenho certeza que ele cancela jogo, porque vai querer arrancar ele do teu corpo e te foder a noite toda.— E claro, quem disse isso foi a Britt, me deixando envergonhada, pois a atendente ficou prestando atenção na nossa conversa.

— Pode levar.— Caitlin praticamente ordenou.

Depois deixando comprarmos nossos vestidos, decidimos comer algo, pois estávamos realmente famintas.

É, o dia de hoje tinha sido ruim pela parte do idiota Bieber, mas acabou sendo um dia agradável com as garotas.

Tenho certeza que vamos nos divertir muito na festa de amanhã.


Notas Finais


Vocês já devem ter entendido que eu falava do "romance" da Lucy com o Cameron nas notas do autor, né? Hahaha

Então, vocês viram que o Justin está meio maluco, huh? Vou explicar umas coisas aqui antes de virem dizer:

"Amas por que ele tá assim?", "Ele já tá apaixonado por ela?", "Isso não faz sentido".

Bom, gente, o Justin NÃO está apaixonado por ela, ele SIM tem noção de que não tem direito alguma pra querer controlar a vida dela assim. Mas ele está sentindo "ciúmes" sim! Ele só está assim porque sabe que foi o primeiro dela, e fica "mordido" ao ver ela com outro. Sabe aquele sentimento de ciúmes por uma pessoa que você sabe que não tem o direito de sentir? Pois é, ele está se sentindo assim.

Tá que ele já pode ter tirado a virgindade de outras garotas mas vocês não entendem o porquê de ele só se sentir assim em relação à ela. Bom, ele pode ter tirado a virgindade de outras, mas a diferença é que as outras não "convivem" diariamente com ele, pois ele trabalha na escola que a Lucy estuda, e a ver beijando outro cara faz ele de alguma forma, ficar maluco assim. Então mesmo sabendo que é errado, sabe que é um traficante e usa isso a favor dele.

Bom, falei demais aqui. Rsrs espero que tenham entendido.

Trailer:https://youtu.be/63huWB1vKJo
Playlist:https://open.spotify.com/user/cryerotic/playlist/1FMAjR9uMDzLIgk610t8LY?si=LebHvlE2RKeePMrGeKEuHw&fo=1
The Baby Sitter:https://www.spiritfanfiction.com/historia/the-baby-sitter-12635555
GRUPO NO WHATSAPP:https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSc1fn29iVVbeM3zP-ww0ZbVniut4h5hWz8cNRGZYb3b8Kt_7Q/viewform


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...