História The kid of Ártemis. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, BamBam, Charles "Charlie" Beckendorf, Clarisse La Rue, Collin Littlesea, Connor Stoll, Cronos, Dionísio, Frank Zhang, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Íris, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Luke Castellan, Mark, Nico di Angelo, Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Poseidon, Quíron, Rap Monster, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Silena Beauregard, Suga, Thalia Grace, Travis Stoll, Tyson, V, Youngjae, Yugyeom, Zeus
Tags Bangtan Boys (bts), Got7, Percy Jackson
Visualizações 20
Palavras 1.425
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong meus poderosos semedeuses!
Lá vai outro cap.

Capítulo 2 - Por que comigo ?


Fanfic / Fanfiction The kid of Ártemis. - Capítulo 2 - Por que comigo ?

Olhe, eu não queria ser um meio-sangue.

Se você está aqui porque acha que pode ser um, meu conselho é o seguinte: ignore tudo o que eu vou dizer. Acredite em qualquer mentira que sua omma ou seu appa lhe contou sobre seu nascimento e tente levar uma vida normal.

Ser um meio-sangue é perigoso. É assustador. Na maioria das vezes, acaba com a gente de um jeito penoso e detestável.

Se você é uma criança normal, que se interessou por minha história mas que acha que é pura invensão minha, ótimo. Continue aqui. Eu o invejo por ser capaz de acreditar que nada disso aconteceu.

Mas se você se reconhecer em minhas palavras -se sentir algo emocionante em meu conto-, pare imediatamente. Você pode ser um de nós. E, uma vez que fica sabendo disso, é apenas uma questão de tempo antes que eles também sintam disso, e venham atrás de você.

Não diga que não avisei.

Meu nome é Seokjin.

Tenho dezessete anos de idade. Até alguns meses atrás morava em Seoul, Coréia do Sul. As coisas aconteceram de forma rápida e inesperda como sempre. Fui muito tolo em acreditar que comigo seria diferente, eu esperava receber um prévio aviso como: Olá! Meu nome é destino! Será um prazer virar sua vida de cabeça para baixo!

Talvez seja muita burrisse minha acreditar em algo assim, mas eu precisava ter esperanças...

Abri os olhos encarando o teto pela quinta vez, nesse momento a luz do sol transpassava as cortinhas de seda vermelha do meu quarto.

-Pelo amor dos deuses, Seokjin, poderia levantar ? Você está aí a horas- reclamou Taehyung. Olhei para ele na esperança de que ele se irritasse e decidisse me deixar aqui quieto. Taehyung foi mais insistente do que eu poderia ter imaginado. Ficou um bom tempo sentado em minha cama cutucando minhas costelas.

-AH! ESTÁ BEM, KIM TAEHYUNG, VOCÊ VENCEU, SATISFEITO!- exaltei-me. Taehyung tomou um susto ao me ouvir falar tão alto, não era meu custume fazer esse tipo de coisa. Normalmente eu apenas me calo e fico longe, principalmente quando não estou bem. Mas hoje não, hoje foi diferente. Eu não estou em boas condições, na verdade a três ou quatro semanas não faço idéia do que são boas condições.

-O que está acontecendo Jin ? Você não é assim- perguntou verdadeiramente preocupado e até um pouco triste -Eu esperava isso do Yoongi, mas não de você.

-Eu não me sinto bem V, eu preciso ficar sozinho- murmurei olhando a janela novamente -Me desculpe por gritar com você- acrescentei com um leve sorriso. Foi o sorriso mais forçado de toda a minha vida. Taehyung assentiu e saiu do quarto deixando-me sozinho. Voltei para minha estranha visão.

~FlashBack on~

Eu estava em uma densa floresta, cercado por grandes árvores. O lugar sera assustador se eu fosse tão medroso a esse ponto. Enquanto caminhava tive a impressão de que a mata me levavam a algum lugar. Árvores e arbustos se movian de forma que uma pequena trilha se formava entre eles. 

Ouvi um leve chorinho ao passar entre duas árvores que possuíam o formato de arcos.

Quanto mais me aproximava podia ouvir os soluços ganharem mais intensidade.

Entre um amontoado de folhas, palha e madeira encontrava-se um pequeno/grande cesto. Era dele que vinha o som do insessante chorinho. Aproximei-me do cesto. Dentro dele encontrei um bebê. Ele era lindo, ou melhor, linda. Tinha pele branquinha e olhos amarelos quase prateados; usava uma camisa de linho branco três números maior que o seu e estava enrolada em uma mantinha azul-marinho com detalhes em dourado. Peguei-a no colo na intensão dd acalma-la.

Shi murmurei Oh pequena, o que faz aqui sozinha, hum ?

Instantaneamente o bebê parou de chorar. Sorri. Os pequenos olhinhos da menina abriram-se um pouquinho mais ao me ver sorrir.

-Socorro!- ouvi alguém gritar. Estava pronto para correr mas lembrei que segurava uma criança em meus braços. Olhei para a mesma e quase infartei. A criança havia sumido deixando apenas a mantinha azul em meus braços. Não tive muito tempo para pensar nisso.

-Socorro!- gritou novamente a mesma voz. Desta vez estava mais perto. Alguns minutos depois uma garota saí de entre as árvores correndo em minha direção.

Saquei minha espada sem pensar duas vezes. Minha lâmina ficou apontada para o seu pescoço quando ela parou.

Pude observa-la mais atentamente: pele clara, olhos amarelados. Parecia muito a criança no cesto se não fosse por um detalhe: o bebê no cesto não tinha corpo de modelo de capa de revista e nem cabelos castanhos-avermelhados.

Nem tudo é o que parece Jin tentei convernser-me.

-Quem é você ?- perguntei. A espada ainda mirava seu pescoço.

-M-Me chamo Hyunnett- respondeu totalmente assustada -Por favor, não me machuque- implorou. Baixei a espada. 

Ela moveu-se rapidamente ficando atrás de mim encolhendo-se na tentativa de desaparecer.

-Ei! O que está acontecendo ?- perguntei um pouco envergonhado com suas mãos em minha cintura.

-Elas estão me caçando a dias- murmurou olhando para a escuridão -Se ao menos eu tivesse como me defender...

-Espere- murmurei. Peguei em meu bolso um pequeno arco de prata. Esfreguei o polegar no mesmo e ele se transformou em um grande arco com uma aljava entrelaçada ao seu cabo. Entreguei-lhe o arco na esperança de que ela soubesse atirar porque, honestamente, sou péssimo.

-Obrigada- sorriu. Ouvimos um barulho entre os arbustos.

-Peguem ela!- disse uma voz feminina. Uma dezena de meninas surgiram dentre as árvores.

-Suas amigas não parecem muito contentes- murmurei olhando-a por sobre o ombro. Ela negou com a cabeça.

-Eu pego as da direita e você da esquerda ?- perguntei.

-Não, Seokjin, você precisa acordar- disse ela deixando-me confuso.

-O que ?- perguntei atônito.

-Acorda, Jin, está tarde- disse Hyunnett. A minha volta tudo e todas as coisas passou a ganhar uma tonalidade negra e se apagou aos meus olhos.

~FlashBack off~

Foi o sonho mais estranho de toda a minha vida é claro mas não parou por aí, nas semanas seguintes passei a ter sempre o mesmo sonho com todos os mesmos detalhes.

-Venham comer- chamou Sally. Sim, estamos hospedados na casa de Percy Jackson. Paramos aqui porque a viajem da Coréia para os Estados Unidos é um pouquinho longa demais quando estamos caminhando a pelo menos uma semana. Era para Annabeth encontrar apenas dois meios-sangues nessa busca mas nem sempre as coisas saem como previsto. As coisas que fizemos no caminho foram impressionantes, se você olhasse para mim não diria que eu sei manusear uma espada e na verdade eu não sei, mas você aprende quando está sendo atacado por uma raça inteira de demônios bebedores de ícor*.

Desci as escadas devagar, meu ânimo se esvai toda a vez que sonho com Hyunnet. Parece que eu preciso encontrá-la de alguma forma, ela parece estar em perigo mas eu nada posso fazer, sou apenas um garoto idiota que acabou de descobrir que o appa é um deus e que nem mesmo sabe que deus ele é.

-O que ouve querido ? Que cara é essa ?- perguntou Sally.

-Ele não se sente muito bem Sra. Jackson- disse Jungkook. Ah Taehyung, eu vou matar você!

-O que ouve querido ?- insistiu Sally. Ela em parte parecia minha omma com os cabelos negros, os olhos afetuoso e o sorriso gentil e, honestamente, doía muito pensar nela. Minha omma me fez pensar por dezesseis anos que meu appa era um homem rídiculo, inescrupuloso, que só pensava nele e que havia nos esquecido. Eu imaginei vez ou outra um encontro com ele, onde eu lhe dizia uma boas verdades.

Suspirei.

-Não é nada demais Sra. Jackson, estou apenas cansado e sentindo falta de casa- menti. Talvez se eu estivesse com saldade da Coréia ou até mesmo da minha omma eu ficaria triste, mas não a esse ponto. Eu precisava fazer alguma coisa em relação a esses sonhos malucos e já.

[...]

-Percy- chamou Sally.

-Sim- sua voz saiu um pouco estranha, como se ele esperace algo estremamente constrangedor.

-Estão elevando suprimentos suficientes ?- perguntou.

-Sim, mamãe- respondeu coçando a nuca nervoso. Conti o riso.

-Tem néctar e ambrosía suficiente ?- Sally continuou com o interrogatório.

-Sim, mãe, já temos tudo, não se preocupe- disse ele. Jungkook ria baixinho da cena ao meu lado, dei-lhe um tapa atrás da cabeça.

-Ei!- resmungou.

-É uma despedida, ela pode nunca mais ve-lo, tenha mais respeito- falei.

-Vamos garotos- disse Annabeth -Até mais Sra. Jackson.

-Até- disse Sally dando um abraço em cada um. Eu fui o último a passar por ela -Jin- chamou-me.

-Sim- virei-me. Sally abriu os braços para me acolher. Foi o melhor abraço até hoje. Fez com que me sentisse bem.

-Não fique triste, você vai encontra-la- murmurou baixinho para que apenas eu ouvisse.

-Como... ?- perguntei.

-Eu posso ver um pouquinho mais que os outros mortais- respondeu. Assenti -Até logo querido.

-Até- dispedi-me e segui os outros.

-Ok, próxima parada Acampamento meio-sangue- disse Grover.


Notas Finais


Annyeong bravos guerreiros!
Espero vcs no próximo ?

*Ícor: sangue dourado dos deuses.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...