História The killer (Jeon Jungkook) - BTS - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin)
Tags Ação, Misterios, Novela, Romance
Visualizações 15
Palavras 1.822
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura ❤️

Capítulo 6 - 06 - Angry?


Fanfic / Fanfiction The killer (Jeon Jungkook) - BTS - Capítulo 6 - 06 - Angry?


— Você está presa! – Falou, enquanto eu estava com a cabeça baixa, meu Deus essa voz, não pode ser.— Srta Irene, encontre o outro! – Ordenou a sua companheira, Srta Irene? esse nome é familiar, a voz, aff merda.

— Entendido! – Correu na direção oposta, enquanto o policial que é tem uma voz muito familiar pra mim, chega mais perto. Fico quieta, com as mãos levantadas, estou ficando muito acostumada com isso, isso não deveria ser normal, deveria? 

— Ótimo trabalho, amo um prisoneiro obediente. – Fala me algemando.

— Hum, desculpe, mas, pelo quê eu estou sendo presa desta vez? – Receosa, levanto a cabeça e arregalo os olhos quando eu vejo o rosto do policial, não, não, não era possível.

— Por favor, fique quieta. Eu vou fazer as perguntas. – Falou sem me olhar.

— ...T-Taehyung? 

— Hã? – Os olhos dele se arregalam quando ele reconhece o meu rosto. — Amy?! mas oque--?! – Falou assustado, sorri da sua reação, Taehyung é um amigo de uma longa data, mas várias vezes, eu e ele ficávamos. Sabe como é, dois amigos solteiros e carentes e, bom, Taehyung é ótimo de cama. Nós perdemos contato uns meses atrás depois que eu fui promovida, da última vez que fiquei sabendo dele, ele já estava treinando pra ser detetive. Mas eu não esperava encontrá-lo novamente nessas circunstâncias!

— Hmm, eu posso explicar... – Fiz sinal para ele me soltar das algemas, desnorteado, ele destrancou-las. 

— O que porra você está fazendo aqui? – Pós as mãos na cintura. — Eu fui mandado aqui pra perseguir um criminoso procurado. – Franziu o cenho.– Eles me mandaram atrás de você mas eu devo ter pegado o alvo errado...– Coçou a nuca. 

— Não, você pegou o certo...– infelizmente. — A polícia tem estado atrás de mim o dia todo por um crime que eu não cometi.– Mordi os lábios. — Sinceramente, isso tem se tornado uma ocorrência normal pra mim. – Passei a mão pelo meu rosto.

— O quê? o que você quer dizer? – Franzi o cenho, o quê? ele não entendeu. Era só oque me faltava! Expliquei toda situação a ele. – Então você é inoce-- – Foi interrompido pela Srta Irene que estava puxando o...JIN PELA GRAVATA, E AINDA MAIS ALGEMADO.

— Não, ela não é inocente! eu achei o cúmplice dela! – Falou me olhando com descaso.

— Bom trabalho, Irene. Mas parece que nós temos um problema. 

— É, o único problema é esse aqui tentando fugir! – Forçou mais a gravata e Jin olhou pra mim confuso.

— Amy! socorro! o que você fez?! – Falou desesperado tentando se soltar.

— Ah--!! – Tentei falar algo, mas Irene me interrompeu. Fechei a cara!

— Você! você conhece este homem? – Perguntou rude, rolei os olhos, já não suporto essa mulher. — ELE É O SEU CÚMPLICE?! – Falou gritando e tampei meus ouvidos, escutei o Taehyung ri baixo.

— Ele é o meu amigo, solta ele! – Tiro a sua mão da gravata com brutalidade. — Ele é inocente. 

— Hã! inocente? inocentes não fogem! – Sorriu cínica.

— Espera, irene. Eu acho que nós pegamos as pessoas erradas. – Taehyung interferiu.

— Até parece que são as pessoas erradas! – Falou brava. — Eu não conheço esse cara, mas me eu lembro com certeza da garota na delegacia ontem. – Me olhou dos pés á cabeça.

— Certo, parece que isso aconteceu, mas...parece que houve um mal- entendido. – Passou as mãos pelos fios cabeludos. Sedosos. – Ela não é assassina. – Apontou na minha direção. – Ela é minha amiga. – Piscou e eu fiz o mesmo, vi que a Irene percebeu e lançou um olhar mortal pra mim.

— Tá, tá. Agora me explica.– Cruzou os braços, batendo os pés no chão. Fiz uma uma expressão "azeda" essa mina é insuportável. Taehyung começou a explicar, enquanto Jin me olhava como um pedido de explicação, dei de ombros. A conversa dos dois 'Pombinhos" foram interrompida pelo barulho do meu estômago, sabe como é né? Fome.

— Ah... desculpa! eu não comi nada hoje...– Falei constrangida.

— O quê? por que não? isso não é bom pra você, você sabe. – Jin e Taehyung me olharam preocupados. — Talvez você devesse comer alguma coisa antes de continuarmos. – Ele abre uma bolsa, que até agora não tinha reparado. Anta eu, ele pega um uma panelinha minúscula de plástico com comida. — Aqui, você pode comer, é marmita. – Me ofereceu.

— Ah... obrigada! – Sorri fraco, do nada a brux- quer a dizer a Irene dá um chilique.

— Ei! essa não é a comida que eu fiz pra você?! – Cruzou os braços. — Eu coloquei todo o meu amor nisso pra você, como você pôde?! – Fez bico. Patética.

— Sim, obrigado. Mas ela precisa disso mais do que eu agora. – Falou simplista, Irene me olhou brava e sorri de ladinho. TOMOU NA JABIRACA. — Na verdade, Irene? você pode me fazer um favor? – Assentiu. — Leva esse tal de Jin ali atrás do carro e tira as algemas dele, ele é inocente também, nós vamos resolver isso! 

— Mas nós não sabemos disso! – Fez uma careta ao olhar para mim e Jin. 

— Eu sei, por favor, faça o que eu digo! Obrigado. – Falou rindo e ela rolou olhos, puxou o Jin e ele deu um sorriso vitorioso.

— Agora me solta! – Falou o Jin mexendo as mãos, Irene olha pra nós e suspira derrotada! Ela se afasta com Jin até o carro da viatura. Finalmente eu abro a marmita, é um lindo arranjo de variedade de sushi e vegetais.

— Deve tá uma delícia! – Falo passando a língua entre os lábios e, vejo o Taehyung sorrir malicioso e fitar meus lábios. — Aí seu pervertido, eu vi. – Falo dando um leve tapinha no seu ombro vendo-o sorri quadrado.

— É, a Irene é uma excelente cozinheira, embora ela seja bem difícil às vezes! – Sorriu, pondo as mãos no bolso da calça. — Ah, eu tenho um par de hashi, então nós vamos dividir. – Falou pegando os hashi da bolsa.

— ...tudo bem! – Sorri, eu fico vermelha quando ele pega um rolinho de sushi e leva em direção á minha boca, Ah...gente falar sério, o Taehyung é um homem da porra e não tem como ficar nervosa e envergonhada com ele por perto.

— Aqui, você primeiro, abre. – Ele abre a boca incentivando eu fazer o mesmo, assim fiz. Depois ele come um sushi fazendo aquele biquinho, AH QUE TORTURA. — Hahaha, você tá vermelha! – Falou rindo com a boca cheia e dou língua a ele. — Eu adoraria ter essa linguinha na minha novamente! – Falou malicioso e dei um murrinho tanto quanto "forte" no seu ombro, fazendo-o gargalha.

— Idiota. – Falou sorrindo, eu sentia saudades desses momentos tanto quanto divertidos. 

— Eu sei que você gosta. – Falou se aproximando e virei meu rosto "tentando" esconder minhas bochechas ruborizadas. Ele coloca a mão no meu queixo e traz minha cabeça de volta pra direção dele, me roubou um selinho me fazendo ficar sem reação. — Ei, você tem que comer mais, tá? – Falou sorrindo e rolei os olhos. INSUPORTÁVEL DESDE DE SEMPRE. — Você precisa de energia, e uma refeição balanceada faz bem pro seu cérebro. – Falou comendo e assintir timidamente pelo ocorrido anterior, e vejo-o ri arteiro. — Fofa. – Falou apertando minhas bochechas e ri sobrado. 

— Você tá muito me-- — Fui interrompida por uma viatura da polícia que parou do nosso lado, revelando a Irene. Ao sair do carro bateu a porta com força e veio ao nosso encontro.

— Ah, oi Irene. – Taehyung sorriu fraco.

— Oi, oi. Eu fiz o que você pediu, ele está no carro. – Falou séria. — Acabamos aqui? podemos ir agora? eu acho que termos trabalho mais importante pra fazer do que só ficar aqui. – Falou sem paciência. 

— Você tá certa. – Taehyung concordou e olhou pra mim. — No entanto, eu acho que eu gostaria de interrogar vocês dois antes de liberá-los. – Falou se referindo á mim e o Jin. — Você se importaria de vir até o meu esconderijo secreto? é mais seguro do que a delegacia. – Concordei e ouvir Irene bufar.— É Na verdade o esconderijo que o meu superior usa pra conduzir as próprias investigações.

— Seu superior? – Assentiu.

— É, ele é um ótimo detetive, eu vou entrar em contato com ele quando chegarmos, tenho certeza que ele vai gostar de conhecer você.

— Tá. – Assenti, nós entramos no carro e seguimos pro esconderijo.

(...)

No caminho pro esconderijo foi tranquilo, eu,Taehyung e Jin conversamos sobre algumas coisas aleatórias, enquanto a Irene bufava, resmungava toda santa hora.

— Tae, eu fico agradecida pela sua ajuda, e por acreditar em mim. – Sorri. — Mas como você sabia que eu era inocente? – Arqueei a sobrancelha.

— Bom, porque eu conheço você, AMY. Você não é assassina.– Falou mantendo a atenção no volante, escuto Irene resmungar e acabo por soltar um riso, vejo Taehyung me repreender sorridente. — Mas também, eu tenho um outro suspeito em mente. – Ficou sério e me estremecir todinha. — Eu vou te contar mais lá no esconderijo. – Concordei apreensiva. 

— Falando em esconderijo, Amy? – Jin falou chamando minha atenção. — Você não tem que retornar pro esconderijo do qual vc fugiu? – Arregalei os olhos. 

— O quê? quer dizer que você estava em outro esconderijo? – Taehyung falou me olhando confuso.

— Ah, na verdade, sim. Sobre isso...– Cocei a nuca. Nervosa — Eu estava sendo ajudada por outro detetive antes de você chegar. – Falei sorridente ao lembrar do Jungkook. — Mas ele não sabe que eu sai. – Desmancho meu sorriso na hora, vou levar uma bronca daquelas. — Ele deve estar puto. – Mordi meus lábios com força. 

— Outro detetive? Hum...bom, de qualquer forma, assim que acabarmos, eu vou deixar você ir. – Assenti. — Assim você pode voltar pra onde quer que você precise estar, eu só quero que você me ajude com algumas provas pra investigação. – Estacionou o carro, olho em volta e arregalo os olhos. — Certo, chegamos. – Saiu do carro e eu fiz o mesmo, era o esconderijo do Jungkook.

— Mas o que...– Sentir minhas pernas bambas. TO FERRADA.

— ALTO LÁ! O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI?! – Dou um gritinho de susto ao ver Jungkook sair igual uma fera do esconderijo com uma arma na mão apontada na nossa direção.

— Opa, opa, sou eu, senhor! – Taehyung falou fazendo gestos para ele abaixar a arma que estava bem firme nas suas mãos. — Eu só estou trazendo uma testemunha pra investigação! – Apontou pra mim, quando ele pairou sua atenção á mim, ele arregalou os olhos e eu sentir meu coração errar uma, duas,três batidas. Engolir em seco. — Eu não sabia que você já estava aqui. – Taehyung deu de ombros.

— Testemunha? eu achei que vocês eram intrusos! – Falou ainda me encarando com o rosto cheio de fúria seu olhar me fez encolher, ele tem um olhar matador sob mim. 


Eu tô muito ferrada...




Notas Finais


Espero que tenham gostado, fui ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...