História The kim's - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Seungri, Suga, T.O.P, Taeyang, V
Tags Jin, Kim, Namjoon, Taehyung
Visualizações 17
Palavras 1.108
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aqui estou eu com mais um história (mesmo q nenhuma das minhas fics estejam terminadas hehe) espero que vcs gostem...eu ja tinha planejado essa fic a muito tempo e espero que gostem
POR FAVOR COMENTEM isto é muito importante NÃO SÓ para mim e para QUALQUER escritor/a
vlw nos encontramos nas notas finais

Capítulo 1 - Choi Sun Lee


Fanfic / Fanfiction The kim's - Capítulo 1 - Choi Sun Lee

Os jogos de bola entre os meninos é muito popular, conquistando até o coração de muitas meninas que largaram suas bonecas para encarar de frente uma trave. E este era o caso da pequena Choi Sun-lee. Lee, como seus amigos a chamam, adorava jogar uma partidinha com seus colegas de turma na hora mais desejada de um estudante; a hora do lanche.

Alguns de seus colegas preferiam se esbaldar em sacos e sacos de salgadinhos, mas para Lee era diferente. Lee ia em todos os treinamentos do time da escola naquela hora, não só de futebol, mas também de vários outros esportes como, por exemplo, basquete. Em meio de tantos outros, basquete era seu favorito. Lee se via como uma grande jogadora até que seus sonhos foram por água a baixo por uma contusão no joelho à impossibilitando de treinar para ser uma futura jogadora, mas para Lee estava tudo bem. Agora com seu primeiro sonho destruído, Lee decidiu seguir seu outro objetivo: Cantar.

Para Lee isso não era muito difícil, desde pequena Sun-Lee cantarolava junto de seu pai, sendo invejada por suas colegas de classe por receber elogios de professores e a atenção dos garotos por seu corpo avantajado – comum de uma brasileira.

Seu pai; Choi seung-hyun, era muito conhecido por ser um idol de uma grande empresa: YG ent. Mesmo morando no Brasil era comum ver alguém se aproximar de Lee por conta de seu pai. Quando se foi revelado em uma entrevista que o grandioso T.O.P teria uma filha e que sua mãe tinha nacionalidade brasileira com uma foto da menina anexada, as fãs de k-pop brasileiras enlouqueceram e buscavam a todo custo saber mais sobre a linhagem brasileira da pequena.

Ela morava com a mãe – já que a gravidez foi por acidente e nenhum de seus pais se amavam - pois todos concordaram que ela ficaria melhor com a mãe no Brasil. Mas isso não impedia a pequena Lee de visitar seu querido pai de vez em quando. Quando a pequena chegava na Coreia era uma grande festa. As V.I.P’s - em sua maioria - mandavam presentes para casa de T.O.P dando-lhe boas vindas; seus avós também lhe enchiam de carinho e mimo, sem contar seu Appa coruja e seus queridos titios: Jiyong que a pequena chamava de titio Ji, Daesung ou titio sung, SeungRi ou titio VI e o mais amado pela pequena; Taeyang o titio sol.

Na maioria das vezes as amizades de Lee eram interesseiras, buscam ganhar alguma forma uma oportunidade de ser trainner na empresa. Lee, no começo, os ajudava apresentando-os a seu pai, mas quando viu que seus “amigos” assim que conseguiam o que queriam se afastavam completamente da mesma, Lee fazia questão de ‘queimar o filme’ daqueles que se aproximavam por ganância.

Sua mãe, recém falecida, tinha lhe deixado um boa quantia de dinheiro para continuar morando no Brasil, mas como seu pai a via pouquíssimas vezes por conta de seu romance com a mãe de Lee tivera sido apenas uma aventura que gerou uma consequência com hoje 19 anos ou 20 anos na idade coreana, se muda para a grande Seul.

***

Sun-Lee

A viagem de escala de Recife para São Paulo até chegar ao Aeroporto Internacional de Incheon tinha durado quantas horas mesmo? Céus, como estou morta, morta de cansada. Tomara que meu pai pelo menos tenha me mandado um dos motoristas dele, Tomara. E minha preces foram ouvidas assim que vi um cara alto com roupas um pouco mais casuais segurando uma plaquinha - escrita em hangul. Acho que não estou tão enferrujada no meu coreano, consegui ler sem dificuldade.

Me aproximo do homem que me olha esperançoso

-Choi Sun Lee? – pergunta o homem alto e bonito com aparência de 20 e poucos anos. Sorri, logo confirmando sua resposta – Olá, eu sou Chung-ho, bon díía – fala desajeitado por conta da dificuldade

_Wow – não deixo de achar surpresa, não é muito comum os coreanos serem bem receptivos, principalmente com estrangeiros – Bom dia, chung-ho-ssi – respondo em português o que o faz abrir a boca pensando se prolongaria ou não aquela conversa, pois não é qualquer coreano que sabe pelo menos uma palavra em português – eu também sei coreano, não precisa se preocupar - respondo com meu coreano mediante (falta de prática) e ele pega as minhas malas.

Suspira.

_Pensei que ia ter que ler um dicionário inteiro de português para manter uma conversa com você – sorri sem graça coçando a nuca.

_Tudo bem...vamos? – pergunto querendo apressa-lo.

_OH, sim. Você deve estar cansada – Sorri mais uma vez, caminhamos por todo o aeroporto até encontrarmos o carro.

Ah...por que este carro estava tão longe? Estou morta, só quero chegar logo na minha nova casa, cair na cama e só acordar no outro dia.

O caminho para casa foi tranquilo, tirei alguns cochilos, pois não consigo dormir em um carro por ser altamente desconfortável. Neste meio tempo conversei com Chung-ho e descobri que na verdade ele não é um motorista do meu pai e sim um trainee que fez um pequeno favor para meu pai em vir buscar a querida filhinha.

 

Mansão Choi

 

_Obrigada, chung-ssi – me aproximo e o abraço me esquecendo completamente dos costumes do país o que faz ele corar e eu logo perceber o que estava fazendo – Oh, m-me desculpe – faço uma reverência.

_Não tem problema – sorri mostrando suas covinhas que só reparei agora ter – é normal se confundir às vezes.

_Você também é de outro país, chung-ssi? – pergunto

_Sim, eu sou da Tailândia – sorri gentilmente – não é tão longe quanto seu país, mas também tem sua própria cultura.

Sorrio.

_Eu nunca fui além do Brasil para a Coréia – sua feição muda para surpreso.

_Sério? – confirmo – eu sempre sonhei em viajar por todo o mundo cantando a minha música.

_Nunca sonhei tão alto – respondo sem graça – mas amo cantar.

_Você vai seguir os passos do seu pai? – pergunta curioso.

_Talvez um pouco diferente – lhe lanço uma piscadela – só quero trilhar meu próprio caminho e com meu trabalho duro conquistar meus fãs com meu vocal.

_Waw – bagunça meu cabelo – que menina determinada.

Ficamos conversando por um tempo e acabamos perdendo a hora e vejo que estou parada em frente à minha casa a mais de 20 minutos apenas jogando conversa a fora com chung - agora meu mais novo amigo.

Trocamos o número de kakao e sou acompanhava até a porta da minha nova casa. Aperto a campanha uma, duas, três vezes e ninguém atende. Observo Chung por alguns instantes. Tento abrir a porta para ver se estava destrancada e logo na primeira tentativa obtenho sucesso. Quando abro a porta quase caiu para trás por conta do susto.


Notas Finais


eai oq acharam? não sei muito oq falar kekeke mas espero que continue me acompanhando
conheça minha outras histórias
vlw flw
Twitter: kamilly_cosmo
Millybr~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...