1. Spirit Fanfics >
  2. The last - Imagine Park Jimin >
  3. Rules

História The last - Imagine Park Jimin - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite pessoal!

Desculpem o horário novamente. Está chovendo muito na minha cidade e a força fica caindo toda hora! Por isso demorei para postar! ^^

Mas aqui estou e sem mais delongas...
Segue mais um capitulo!
Boa leitura a todos e espero que gostem ^^
Beijooos :****

Capítulo 12 - Rules


Fanfic / Fanfiction The last - Imagine Park Jimin - Capítulo 12 - Rules

 

Jimin On.

 

O céu estava nublado e o vento soprava com violência. Esse tempo fechado me fazia lembrar de Arimin, todas as vezes em que estivemos juntos foi em baixo de chuva ou mar. Pela primeira vez em toda a minha existência eu não sabia como lidar com os meus sentimentos e apartar a batalha que não parava em minha cabeça.

-Não precisa fazer se não quiser. - Yoongi falou.

Estávamos um pouco à frente de Kook e Namjoon que andavam atrás da gente. A cidade estava um caos, carros passavam em alta velocidade e as pessoas corriam do tempo que se formava a cima de nós.

-Lana não é como Haye. - Falei colocando as mãos nos bolsos. - Ela concordou com você.

Meu ritual seria essa noite.

-Jimin, não somos obrigados. - Ele falou. - Nós podemos fazer alguma coisa.

-Não há nada que possamos fazer Yoon. - Olhei para ele. - Isso vem de gerações, como vamos quebrar a lei de milhares de vampiros que vivem nesse mundo?

Realmente não tinha nada que podíamos fazer, o ritual existe justamente para que a nossa espécie exista para sempre.

-Jimin! - Kook me chamou e eu olhei para trás. - Acho que essa é a loja dele.

Eu disse para a Arimin que todos os bruxos foram queimados e de fato foram. Mas existe apenas um, ele é o último descendente de bruxos e seus poderes estão lacrados. Provavelmente um senhor bem velho que não faz ideia da magia que corre em suas veias. Precisávamos dele para dar o toque final na pedra de Arimin.

-Está fechada. - Yoongi falou ao meu lado.

Aproximei-me do vidro, era uma loja antiga que vendia pertences velhos dos anos oitenta. Levei a mão no vidro e consegue sentir a energia do velho, fechei os olhos e senti a mesma energia atravessar a cidade.

-Ele mora do outro lado da cidade. - Falei colocando as mãos novamente nos bolsos.

-Vamos. - Namjoon falou e passou ao nosso lado com Kook.

Quando fui segui-lo, senti Yoongi segurar em meu braço.

-Jimin, seus olhos ficaram roxo. - Ele falou. - Ficaram roxos para salva-la. Não pode fazer o ritual, você já está preso a ela... Assim como eu fiquei.

Olhei para ele.

-Isso não significa nada. - Falei. - Os olhos roxos...

-Significa sim. - Ele me cortou. - Não sei por que não contou ao nosso tio ainda. Isso é raro Jimin, apenas um em milhões de vampiros adquire esse poder e só é manifestado quando está com medo de perder algo. E você estava com medo de perdê-la aquela noite, não estava?

 Isso não pode estar acontecendo. Não é possível que eu tenha me apaixonado pela a nossa última linhagem humana. Aquela noite, quando um ‘da noite’ a pegou, eu não sei o que houve em mim, mas eu senti minhas veias pegarem fogo e algo forte se manifestou em mim.

Eu pensei que iria perdê-la.

-Seus olhos ficaram daquela cor de novo? - Ele perguntou me tirando dos meus devaneios.

-Não, foi só aquela vez. - Respondi.

Isso sempre foi uma lenda entre nós vampiros, e até então acreditávamos que não passava de uma história já que nunca vimos um vampiro com esse poder. Mas depois que eu senti aquilo e meus olhos ganharam a cor roxa, eu não sei mais em que acreditar. Eu fiquei mais rápido e tudo o que eu tinha um pouco de dificuldade para fazer, faço com a maior facilidade do mundo.

-Precisa contar ao tio. - Ele falou.

-Não, se eu contar ele vai descobrir que estou apaixonado pela Arimin. - Falei.

Yoongi arregalou seus olhos minimamente e eu fiz o mesmo.

-Droga Jimin. - Ele exclamou. - Eu não fui exemplo suficiente para você?

Passei minha mão nos cabelos.

-Isso foi da boca para fora, não quer dizer nada. - Falei e continuei andando. - Farei o ritual hoje a noite e tudo isso vai acabar.

Ouvi os passos dele me seguindo.

-Você não vai conseguir. - Falou. - Nacy morreu há muitos anos, e mesmo assim eu não consegui realizar o meu ritual com a Haye.

Suspirei, ele vai me deixar louco.

-Você não fez porque sabe que Hobi é apaixonado por ela. - Falei e ele me segurou bruscamente.

-Presta atenção! - Falou firme. - Quando eu digo que não vai conseguir, você não vai conseguir.

-Vamos mesmo ficar falando sobre isso? - Perguntei. - Namjoon e Kook já sumiram.

Ele soltou o meu braço e respirou fundo. Eu sei que ele só quer me ajudar, mas eu não posso deixar isso continuar. Eu e Arimin não podemos ficar juntos, não posso nutrir esses sentimentos por ela.

-Vamos. - Falei e sai correndo.

Parei bruscamente quando senti presenças diferentes e Yoongi parou logo ao meu lado. Kook e Nam estavam parados um pouco a frente e encaravam cinco homens.

-Caçadores. - Yoon falou.

A casa era próxima à pista que seguia para fora da cidade. Era pequena e no meio do mato, um lugar bem escondido. Acho que foi escolhido propositalmente, já que há caçadores aqui o protegendo.

-Nós não viemos machuca-lo. - Kook falou para os homens. - Só queremos fazer algumas perguntas para ele.

-Não! Não vão se aproximar do Senhor Ong. - Um dos homens disse ríspido.

Suspirei e coloquei minhas mãos nos bolsos. Um dos meus maiores defeitos é a falta de paciência.

-Vocês deviam ter sido queimados com os bruxos! - Outro falou. - São uma aberração para o mundo.

Ouvi Namjoon sorrir soprado e imitar o meu gesto colocando suas mãos nos bolsos.

-Pai. - Alguém saiu de dentro da casa.

Era o amigo de Arimin. Jin. Ele parou bruscamente quando nos viu e arregalou seus olhos, então esses eram os caçadores Kim.

-Entra na casa filho. - O homem que até então não havia dito nada falou. - Há vampiros aqui...

Caminhei devagar até chegar ao lado do Namjoon e Yoongi fez o mesmo parando ao lado de Kook. E sempre ouvi histórias sobre os caçadores Kim, eles são violentos e atacam para matar. E isso é uma coisa que eu não vou tolerar, ser atacado e não poder revidar.

-Deixe-nos passar. - Falei calmo.

Notei as mãos de Namjoon fechadas em punhos, ele olhava em direção ao Jin. Não sei o que há entre esses dois, mas devem ter se tornados próximos através de Armin.

-Não! Não vão passar daqui! - O pai de Jin exclamou e apontou seu arco e flecha em nossa direção.

Eu conheço caçadores de vampiros a décadas e eles sempre usavam a mesma coisa. Flechas com as pontas de rubis, usavam isso para nos acertar em cheio e aproveitar o tempo que demoramos em nos curar com isso e nos matar em seguida.

-Pai, eles... - Jin deu um passo para frente.

Murchei meus olhos e o encarei firme, ele não deve contar ao pai que nos conhece ou que já entrou em nossa casa. Ele pareceu entender, pois encolheu no lugar.

-O que querem com o senhor Ong? - Seu pai perguntou com a arma ainda apontada em nossa direção.

Jin tinha muita semelhança com ele. Mas diferente do filho, ele tinha um olhar rígido no rosto e uma postura firme.

-Eu já falei que são perguntas. - Kook respondeu se aproximando. - Perguntas que não interessam a vocês.

Quando Kook se movimentou, os outros homens levantaram seus arcos e flechas ao mesmo tempo e mirou nele. Kook era rápido o suficiente para desviar das flechas.

-Mas ele não quer falar com vocês. - Um deles falou.

Kook parou no lugar e suspirou. Nós precisávamos mesmo daquele senhor e não iriamos fazer mal a ele. Jungkook ameaçou a dar outro passo e um dos caçadores soltou sua flecha e essa voou com um borrão vermelho e passou de raspão no braço de Kook que desviou a tempo.

-Seu miserável! - Kook falou e seus olhos ganharam o tom vermelho.

Ele poderia parecer o mais calmo e tímido entre nós. Pelo contrário, era o mais estressado e qualquer coisa o irritava.

Os caçadores começaram a soltar as flechas e nós tivemos que desviar a tempo, comecei a correr em direção ao pai de Jin. Ele era claramente o líder deles, se eu o tivesse como refém parariam com aquilo. Quando me aproximei dele, Jin entrou na frente e abriu os braços, deve ter pensado que eu iria machucar seu pai. Derrapei na terra e parei antes de encostar um dedo sequer nele.

-Não! - Jin gritou. - Ele é o meu pai!

Endireitei meu corpo e o encarei, Arimin jamais me perdoaria se algo acontecesse a ele. Suspirei e olhei para o lado.

-Saia da frente filho! - O homem exclamou e empurrou Jin para o lado.

Aquilo tudo foi muito rápido, seu pai rodou seu filho e passou por ele se aproximando de mim, passou alguma coisa em minhas costas. Uma dor insuportável se fez presente e eu me afastei rapidamente, olhei em suas mãos, eram garras feitas de rubis.

Jin me olhou desesperado. Sorri de lado e endireitei o corpo, aquilo estava sendo complicado demais. Não podíamos mata-los, não fazemos mais isso. Mas eles estavam nos atacando para matar sem duvidas.

-Chega. - Falei e os três pararam.

Apareceram ao meu lado. Estavam ofegantes e irritados. Yoongi não parecia machucado, Namjoon estava cansado e apenas um corte em seu rosto chamava atenção.

-Não vamos sair assim. - Kook falou.

Olhamos para ele, seu braço sangrava um pouco com o corte que a flecha fez mais cedo. Ele desapareceu e logo voltou com Jin preso em seus braços.

-Filho! - Seu pai exclamou. - Parem de atirar, estão com meu filho. - Olhou para os outros que arrumavam mais flechas em seus arcos.

-O que está fazendo? - Namjoon perguntou se aproximando do Kook.

-Não verá seu filho até nós falar com o senhor Ong maldito. - Kook falou ríspido.

Fechei meus olhos e suspirei. Jin estava muito quieto e calmo para um refém, afinal ele nos conhece e sabe que não faremos mal algum a ele.

-Soltem o meu filho. - O homem falou visivelmente irritado.

Podíamos entrar na casa sem que eles nos façam alguma coisa, afinal, somos rápidos o suficiente para passar por eles sem que nos vejam, mas conhecemos os caçadores Kim há anos e sabemos que são bons no que fazem. Provavelmente há algo nos esperando lá dentro.

-Vamos. - Falei.

Kook começou a se afastar com seu braço em volta do pescoço do Jin e desapareceu.

-Esperem, devolvam meu filho. - Seu pai gritou correndo em nossa direção.

Namjoon olhou para ele e o encarou por alguns segundos antes de desaparecer também. Yoongi se aproximou de mim.

-Vamos. - Falou e logo sumiu também.

-MALDITOS! - Ouvi seu pai gritar antes de sumir também.

Minhas costas queimavam feito fogo, eles não me viram se ferir. Entramos na mansão e Kook jogou Jin no sofá. Jin caiu entre as almofadas e olhou para Kook indignado.

-Não precisa fazer isso! - Namjoon exclamou. - Ele não tem culpa.

-Não tem culpa? - Kook olhou para ele. - O pai dele estava nos atacando.

Respirei fundo e olhei em volta. Só tínhamos nós ali.

-O pai dele, não ele! - Namjoon falou entrando na frente do Jin.

Saí da sala e deixei-os discutindo. Fui em direção à escada, e me escorei no corrimão. Aquilo estava queimando muito.

-Jimin. - Yoongi apareceu ao meu lado. - Foi ferido?

-Eu fui descuidado. - Olhei para ele.

Eu fiquei muito preocupado em atingir o melhor amigo de Arimin e não percebi o movimento do seu pai.

-Avise o tio, diga que fracassamos. Mas logo iremos trazer o senhor Ong aqui. - Falei subindo a escada. - Não diga a ninguém que me feri, eu só preciso descansar.

Terminei de subir as escadas e fui direto ao meu quarto. Fechei a porta e tirei o meu casaco, joguei no chão e tirei minha camisa. Olhei no espelho, estava horrível. Por sorte era apenas um arranhão, se tivesse entrado estaria bem pior.

Sentei-me na cama e enterrei meus dedos nos cabelos, o ritual seria daqui algumas horas e eu não conseguia tirar Arimin dos meus pensamentos.

-Jimin... - Aquela voz que não me deixa dormir a noite chamou.

Levantei o rosto surpreso, o que ela fazia aqui? Estava parada na porta, usava um moletom verde que cobria seu short inteiro. Seus cabelos longos estavam soltos em volta do seu pescoço.

-O que faz aqui? - Perguntei.

-Você está ferido? - Ela não me respondeu.

-Quem te contou? - Perguntei ríspido.

Eu precisava mantê-la longe. Ela entrou e fechou a porta.

-Então está mesmo? - Se aproximou e eu precisei fechar os olhos para não levantar dali e fazer alguma loucura.

-Eu estou bem... - Falei e encarei uma parte aleatória do quarto. - Não foi nada.

Yoongi não deve ter contado a ela. Ele é o que mais me pede para ficar longe dela, não faria isso.

-Eu senti... - Ela falou e eu olhei em seus olhos. - Eu senti alguma coisa, alguma coisa muito forte me mandou vir aqui.

Isso faz parte da ligação? O outro sente quando o outro se fere?

-Eu estou...

-Me morda. - Ela me cortou.

Eu ainda estava sentado na cama, ela enlouqueceu não é possível. Senti minhas mãos tremerem despercebidamente, meu corpo implorava por um pouco do seu sangue.

-Para com isso Arimin. - Falei. - Não vou te morder.

-Meu sangue vai te curar Jimin... - Ela se aproximou mais um pouco. - E essa será a última vez, não é mesmo?

Fechei minhas mãos na cama. Esse estava sendo o nosso último momento juntos? Encarei o chão, porque isso estava me incomodando muito? A vontade de puxa-la em meus braços era imensa e eu lutava comigo mesmo para não fazer isso.

-Sai daqui... - Falei.

A cada passo seu minha respiração falhava.

-Não até se curar. - Ela falou. - Hobi me disse que ferimentos a rubi duram dias.

Eu conseguia sentir o cheiro dela, o perfume dos seus cabelos e o aroma do seu sangue. Tudo isso estava me deixando ofegante e ela precisava sair daquele quarto urgente.

-Arimin.

Ela se aproximou mais e colocou suas duas mãos em meus ombros. Endireitei o corpo e ela começou a sentar em meu colo.

-O que esta...

Ela me ignorou, colocou seus joelhos ao lado do meu quadril e encavalou em meu colo. Mantive minhas mãos no colchão. Eu poderia tira-la dali, mas aquilo estava sendo mais forte e tê-la tão perto assim me deixava louco. Ela puxou seus cabelos negros para um lado.

-Por favor. - Falou baixo.

Fechei os olhos, eu precisava me controlar. O que é isso que essa garota me causa desesperadamente? É isso o que sentimos quando...

Não! Não posso me apaixonar por ela. Apertei os lençóis com força.

-Jimin. - Ela falou colocando suas mãos em meu rosto.

Olhei em seus olhos e eles me prenderam ali. Seu nariz, a curva do seu queixo, até mesmo uma marquinha em baixo do seu olho esquerdo. Tudo nela era perfeito. Desci os olhos em seus lábios...

-Ari... - Levei minhas mãos em sua cintura e ela me puxou firme pelo o pescoço.

-Faça isso. - Ela falou e notei que estava chorando.

Afastei-a um pouco de mim, ver seus olhos encharcados pelas lágrimas me quebrou por dentro e nem mesmo a ferida em minhas costas era pior que isso.

-Porque está chorando? - Perguntei.

Ela levou a manga do seu moletom nos olhos e limpou as lágrimas.

-Não é nada. - Respondeu.

Eu não aguento mais. Envolvi sua cintura rapidamente e puxei-a contra mim. Afundei meu rosto em seus cabelos e a abracei, ela correspondeu o gesto e me abraçou pelo o pescoço. Não posso negar, não consigo mais negar o que estou sentindo por ela. Pensei que pudesse fugir disso, que um dia isso iria desaparecer, mas eu me enganei.

Yoongi ainda sente isso pela Nancy? Como ele consegue viver sem tê-la em seus braços?

-Você está machucado. - Ela falou baixo. - Anda logo...

Levei minha mão em sua nuca, sentada em meu colo ela ficava cinco palmos mais alta. Prendi os fios de seus cabelos entre os dedos e levantei o meu rosto, selei seu pescoço e senti-a relaxar o corpo em meus braços. Subi meus lábios até sua têmpora, beijei seus olhos fechados. Arimin estava com a respiração pesada e seu peito subia e descia rapidamente. Beijei sua bochecha e o canto dos seus lábios.

-Você me deixa louco... - Falei. - Teria medo se soubesse o que se passa em minha cabeça Arimin...

-Não, eu não teria. - Ela falou. - Deve ser a mesma coisa que se passa na minha.

Tomei seus lábios com urgência e a beijei. A ferida em minhas costas não estava sendo nada, eu só precisava dela. Arimin abriu sua boca e meu deu espaço para beija-la com mais afinco.  Desci minhas mãos alisando suas costas e a apertei pela cintura, o beijo dela era doce e viciante. Tudo nela era viciante. Senti suas mãos em meu rosto, ela me correspondia na mesma intensidade. Deixei seus lábios e fui em direção ao seu pescoço, ela curvou seu corpo para trás beijei o lugar e eu a mordi.

Ela apertou os fios dos meus cabelos. Aquela sensação incrível me dominou, senti o ferimento em minhas costas se fecharem e a dor se foi completamente. Arimin se mexeu em meu colo e aquilo me fez perder os sentidos. O desejo, prazer e seu sangue viciante se uniram em uma única sensação e acabou despertando algo dentro de mim, segurei firme em sua cintura e virei Arimin na cama. Seus cabelos se espalharam pelo colchão e eu desejei ficar ali para sempre.

Isso era loucura!

Ela abriu suas pernas e eu fui de encontro com ela. Ela segurou o meu rosto e me puxou em sua direção, apoiei as mãos na cama ao lado dela e me segurei.

 -Arimin, não... - Eu tinha acabado de mordê-la, o gosto do seu sangue ainda estava em minha boca e isso não deve ser agradável para ela.

-Eu não ligo. - Ela pareceu entender e mesmo assim me beijou.

A correspondi prontamente. Minha mão foi de encontro com o corpo dela e eu a puxei firme pela cintura, aquilo estava sendo incrível. Em toda a minha existência eu nunca havia sentindo aquilo e era enlouquecedor. Arimin me virou na cama e sentou em cima de mim, levou suas mãos na barra do moletom e quando ela foi tirar eu me sentei bruscamente e segurei suas mãos. Olhei para o lado, Lana estava se aproximando e se sentisse Arimin no meu quarto horas antes do ritual, iria fazer da vida dela um inferno.

-O que foi? - Ela perguntou preocupada.

-É a Lana...

Ela olhou para a porta. Seus cabelos estavam desarrumados e sua respiração pesada. Arimin estava sentada em meu colo, e eu estava prestes a fazê-la correr para que Lana não a sentisse.

Fechei os olhos e suspirei. Eu me odeio as vezes.

-Segure. - Falei e ela me olhou.

Abracei firme o seu corpo e fui até seu quarto. Quando ela abriu os olhos eu estava colocando-a na cama. Afastei-me e encarei seus olhos.

-Jimin... - Ela falou saindo da cama.

Afastei-me um pouco dela, se eu deixasse ela me tocar de novo eu não sairia daqui tão cedo.

-Eu preciso ir. - Falei e saí andando em direção à varanda dela.

-Jimin. - Ela correu atrás de mim.

 Isso estava sendo mais difícil do que lutar com centenas de caçadores com armas feitas de rubis. Aquilo estava acabando comigo, ela estava ali querendo que eu não fosse e eu não tinha escolha.

-Ari. - Falei e ela parou no lugar. - Nós não podemos ficar juntos. Uma humana e um vampiro não possuem relação nenhuma.

-Mas... - Ela começou. - Mas, eu... A gente...

Fechei minhas mãos em punhos.

-Eu me apaixonei por você. - Ela falou e eu arregalei os olhos.

Não. Não diga isso. Meu peito se apertou ao ouvir aquelas palavras.

-Não faça esse ritual. - Senti ela se aproximar. - Não fique com a Lana. Por favor...

Senti as mãos dela em minhas costas.

-Eu preciso ir. - Falei e desapareci do quarto dela.

Voltei para o meu, pensei que encontraria Lana lá, mas estava vazio. Levei minhas mãos no cabelo, me aproximei da porta da varanda e soquei o vidro com toda a força que eu tinha. Algo dentro de mim me sufocava. Andei de um lado para o outro, olhei para a cama onde há minutos ela estava se entregando totalmente a mim.

-Jimin. - Yoongi entrou no quarto.

Ele parou no meio do caminho quando me viu transtornado. Olhei para ele.

-Como você faz? - Perguntei.

-O que? - Ele perguntou.

-Como vive sem ela? - Perguntei.

Como ele consegue aguentar e segurar isso para ele? Como viveu assim até hoje?

-Eu só consigo porque ela não está mais aqui. - Respondeu. - Eu não tenho saída...

Sentei-me na cama e coloquei uma camiseta. Isso vai me fazer pirar.

-O que houve? - Yoongi sentou ao meu lado.

-Ela veio até aqui. - Respondi. - Pensei que você tivesse a mandado vir, mas ela falou que sentiu e veio. Eu tentei, mas quando essa garota se aproxima, parece que um imã me puxa perto dela.

-Vejo que está curado... -Falou. - Mordeu ela?

Apenas assenti com a cabeça. Não só mordi como a beijei e quase a fiz minha. Suspirei e me deitei para trás.

-E o Jin? - Perguntei.

Eu precisava mudar de assuntou ou voltaria para o quarto dela.

-Nosso refém? - Yoongi sorriu. - Ele contou tudo para nós. Falou que sua família cuida do senhor Ong há anos. Eles sabem que ele é descendente de bruxos e é por isso que não deixam vampiros se aproximarem.

Ouvi alguém bater na porta, me sentei. Não senti a presença de Arimin, mas era humana.

-Entra. - Falei.

Nabi entrou, seus cabelos estavam presos em cima da cabeça. A semelhança dela com a Nancy era tanta que Yoongi não conseguia olhar para ela. Ele virou o rosto quando ela se aproximou um pouco.

-Vocês sabem onde a Ari está? O Jin está aqui. - Sorriu.

Ela não faz ideia de que ele é o nosso refém por um tempo.

-Ela está no quarto. - Respondi.

-Não está, acabei de passar lá. - Ela falou.

Notei que ela olhava às vezes para Yoongi, deve ter notado que ele a evita desde quando passou a ficar nessa casa. Me concentrei na presença de Arimin, ela estava na estufa. Eu mesmo queria ir até lá, falar com ela, abraça-la, mas eu não podia.

-Ela está na estufa. - Falei.

-Obrigada. - Ela agradeceu e saiu fechando a porta logo atrás.

Yoongi soltou o ar e ficou em pé.

-Ela deve pensar que não gosta dela. - Falei apoiando minhas mãos para trás.

Elas são idênticas. O tamanho, o rosto, os olhos e o cabelo. Menos a personalidade, Nancy era fria e séria.

-Eu estou indo. - Falou. - Seu ritual é daqui a meia hora.

Caminhou em direção à porta, quando a abriu ele me olhou.

-Eu não fiz o ritual com a Haye justamente por não ama-la. - Falou. - E saber que o meu irmão a ama desde criança, me impediu também. Mas você só possuí um obstáculo e você é o único que manda em sua vida.

Saiu e fechou a porta. Me joguei para trás, eu estava perdido. Eu não sabia o que fazer, eu vivi sempre sabendo que seria noivo de Lana, que seu sangue seria a minha cura e terminaria a minha existência ao lado dela, mesmo não sentindo nada. Mas agora tudo estava diferente, Arimin apareceu e tudo mudou.

 

...

 

O ritual era simples, precisávamos dormir juntos e no processo um morder o outro.

-Eu pensei que não iria vir. - Lana falou sorrindo.

Eu estava encostado na parede do quarto dela. Eu me sentia em uma prisão sem saída, obrigado a cumprir algo que eu não queria. Pela primeira vez eu queria ir contra as regras, pela primeira vez eu queria ser o mais irresponsável. Fugir disso tudo e não me importar com mais nada.

Lana se levantou da cama e começou a caminhar em minha direção. A cada passo dela para perto de mim, mas longe eu queria estar daquele quarto.

-Isso pode ser rápido... - Ela sorriu. - Ou bem demorado.

Fechei os olhos e suspirei, senti-a pegar em minha mão. Aproximou seu corpo do meu, ela era diferente de Ari. Ela era mais alta e tinha uma presença horripilante.

Arimin se encaixava perfeitamente em meus braços. Sua boca, seu corpo, seu cheiro, seu sangue, tudo era a combinação do que eu queria no momento.

 

Arimin On.

 

Eu me sentia presa dentro de algo que não tinha passagem para ar nenhum. Eu queria gritar, soltar a raiva que sentia de dentro de mim. Jogar o que estava sentindo para longe e pedir para parar de me machucar. Olhar para aquelas flores coloridas parecia amenizar essa angustia, Jimin estava realizando o ritual nesse exato momento e eu só conseguia pensar nas palavras proferidas por mim.

“Eu me apaixonei por você”

Palavras que não significaram nada para ele já que saiu do quarto sem olhar em meus olhos. Nesse momento nossa ligação deve estar se desfazendo e ele está contribuindo para isso.

-Ari. - Olhei para trás e vi Nabi.

Jin estava ao seu lado. Os dois se aproximaram e sentaram ao meu lado. Eu estava no chão, de frente com as flores roxas que não sei o nome.

-Estava chorando? - Jin perguntou.

Levei a manga do moletom nos olhos e neguei com a cabeça. Eu precisava parar com isso, logo Jimin será de outra e eu não posso mais me sentir dessa forma. O que aconteceu no quarto me deixou tão eufórica que eu cogitei a ideia de que ele desistiria do ritual por mim. Mas eu estava enganada, não sentimos a mesma coisa.

-Ari, eu não quero que fique assim - Nabi falou ao meu lado.

Todos sabiam sobre o ritual.

-Eu disse a ele que estava apaixonada. - Falei e os dois me olharam surpresos. - Mas ele não fez nada e saiu do meu quarto.

Jin pegou em uma mão e Nabi em outra. Ela encostou sua cabeça em meu ombro. Suspirei, eu não sei o que seria de mim sem esses dois ao meu lado.

-Meninas. - Jin falou. - Eu sou refém aqui.

Nabi se desencostou de mim e nós duas olhamos para ele sem entender nada.

-Os meninos foram encontrar uma pessoa que o meu pai protege, e eles começaram a brigar. - Ele começou a explicar. - Então o Jungkook me pegou como refém, disse ao meu pai que ele só me veria quando os autorizassem a ver essa pessoa.

Isso explica o machucado nas costas do Jimin.

-Eles não conseguem simplesmente entrar na casa dessa pessoa? - Nabi perguntou.

-Jimin é esperto, ele com certeza percebeu que poderia haver armadilhas lá e não deixou ninguém entrar. - Respondeu.

Só de ouvir o nome dele meu coração chorava.

-Quer dizer que vai ficar um bom tempo com a gente? - Nabi perguntou. - Seu pai deve estar louco.

-Acho que sim. - Jin sorriu.

Suspirei e os dois me olharam.

-Me desculpem, eu estou...

-Arimin! - Aquela voz me fez perder as forças.

Nós três levantamos ao mesmo tempo e olhamos em direção a entrada da estufa, era ele. Jimin estava em pé na porta, usava um moletom azul escuro. Seus cabelos balançavam com o vento e como sempre as mãos escondidas no bolso.

-Vamos. - Nabi puxou Jin e os dois saíram dali por uma porta que tinha ao lado.

Quando os dois saíram da estufa, ele continuou ali em pé. Estava me olhando e sequer piscava.

-O que está fazendo aqui? - Perguntei e olhei para os lados. - Já terminou o ritual?

Ele caminhou em minha direção e não me respondeu, se aproximou de mim e algo dentro do meu peito implorou para que ele chegasse mais perto e me...

Mordesse...

Arregalei os olhos. Como posso sentir essa vontade se ele fez o ritual com a Lana? Ou ele...

-Você não fez? - Perguntei.

Meu peito subia e descia em uma respiração pesada.

-Não. - Ele respondeu e me puxou pela cintura.

O enlacei pelo o pescoço e quando abri os olhos, estávamos naquela mesma montanha. Meu coração batia desesperadamente em pura felicidade. O sorriso não abandonava os meus lábios e eu queria gritar dali de cima. Senti suas mãos firmes me prenderem contra ele e seu rosto escondido entre os meus cabelos.

-Eu não consegui... - Ele falou. - Eu não suportei a ideia de ficar preso com outra pessoa além de você.

-Mas você disse que não podíamos... - Falei com os olhos cheios de lágrimas.

-E não podemos. - Ele falou. - Mas eu não vou me importar com mais nada.

Aquilo era um sonho? A felicidade transbordava de mim, nunca pensei que pudesse sentir isso um dia. Nunca pensei que encontraria o amor verdadeiro. Semanas antes pensei que isso só existisse em filmes e esse sentimento fosse apenas contos de fadas, mas ali em seus braços eu me sentia a garota mais feliz do mundo.

-O que disse para a Lana? - Perguntei me separando minimamente.

-Eu não disse nada. - Respondeu. - Eu apenas saí de lá.

-Ela deve estar cuspindo fogo nesse exato momento. - Falei e ele sorriu.

Ele levou sua mão em meu rosto e tomou meus lábios gentilmente. Fechei meus olhos e me entreguei totalmente àquele toque. Minhas mãos estavam na cintura dele, apertei o tecido do seu moletom e levantei os pés. Jimin não era alto perto dos meninos, mas perto de mim era bem nítido a diferença de altura.

-Vamos voltar. - Ele falou em meus lábios.

-Já? - Perguntei.

Eu queria ficar mais um pouco ali. Eu ainda não estava acreditando que estava ali entre seus braços.

-Sim, logo será noite. - Respondeu. - É perigoso.

Apenas assenti com a cabeça e segundos depois estávamos na mansão. Fomos para a biblioteca, estavam todos sentados. Nós dois entramos, pensei que estranhariam nos encontrar juntos. Mas permaneceram fazendo o que faziam, vi Jin e Nam um pouco ao lado, eles conversavam e Jin sorria de alguma coisa que Nam falava para ele.

Nabi conversava com a Haye. Hee estava mais no canto, sentada no colo de Kook e os dois riam sobre algo. Quando fui me aproximar de Nabi, a porta da biblioteca foi aberta bruscamente e eu pulei no lugar. Todos pararam o que estavam fazendo.

-JIMIN! - Era o tio deles.

Jimin virou o corpo no lugar e colocou suas mãos no bolso, seu tio parecia muito irritado e aquilo me deixou preocupada.

-Porque não fez o ritual?! - Perguntou e todos arregalaram seus olhos ao mesmo tempo.

Levei minha mão no peito, no fundo eu sabia que seria sobre isso.

-Não, eu não fiz. - Jimin falou sério e calmo.

-ENLOUQUECEU?! - Seu tio gritou novamente. - O que pensa que está fazendo?!

-Eu não vou realizar o ritual tio. - Jimin falou. - Não acha que isso deveria acabar?

Seu tio colocou suas mãos na cintura e sorriu soprado. Todos naquela sala os encaravam em silêncio e perplexos ao mesmo tempo.

-Esta brincando comigo? - Perguntou. - Quer mudar a regra que cumprimos há anos?

-Tio. - Yoongi se levantou. - Não foi somente o Jimin que não...

Hoseok levantou bruscamente e entrou na frente do irmão o impedindo de continuar.

-O que estava falando Yoongi? - O tio perguntou.

-Nada Tio. - Hoseok falou. - Ele não falou nada.

Sinto que Yoongi também iria dizer que não realizou o ritual com a Haye, pois a mesma parecia totalmente assustada no canto da biblioteca.

-Volta agora mesmo e termine o ritual! - Ele olhou novamente para Jimin.

-Não. - Jimin revidou. - Eu não vou mais seguir essas regras idiotas!

Seu tio suspirou e passou sua mão nos cabelos, estava visivelmente irritadíssimo. Eu por outro lado me encontrava nervosa com aquela situação. Afinal, ele não o realizou por causa de mim, Jimin sempre soube que seria noivo de Lana e somente depois que me conheceu mudou de ideia.

-Jimin, o que está fazendo? - Kook se aproximou dele. - Sempre cumprimos os acordos dos clãs.

-Eu sei Kook. Mas eu cansei disso. - Jimin olhou para ele. - Não vou me prender a alguém que não me importo.

-Vai querer falar de sentimentos agora? - O tio dos meninos perguntou com desdém. - Vivemos há muito tempo para nos preocuparmos com isso garoto!

-É por isso que quando nos preocupamos se torna tão importante. - Yoongi falou.

Todos pararam e encararam Yoongi. Ouvimos o tio suspirar no lugar e olhamos novamente para ele, nossas cabeças iam de um para o outro que se pronunciasse ali.

-O que foi agora Yoongi? - O tio perguntou. - Vai querer falar da Nancy agora? O que está acontecendo aqui? Alguém mais quer falar sobre alguma coisa como se eu fosse o culpado de tudo? Eu não fui o vampiro que impôs essas regras tá legal!

Ele virou e saiu da biblioteca. Jimin olhou para todos ali que o encaravam de olhos arregalados, afinal, Jimin era o mais responsável e todos seguiam as ordens dele.

-Jimin, não estou te reconhecendo. - Tae falou da janela.

Aquilo parecia ser muito importante, todos olhavam para Jimin como se ele tivesse acabado de destruir um legado inteiro da geração deles.

-Não precisa me reconhecer Taehyung. - Jimin falou. - Eu não preciso de ritual nenhum, principalmente com alguém que me desagrada.

Ele virou e saiu andando como o seu tio. Todos estavam ali ainda.

-Ele tem razão. - Yoongi falou quando ele saiu. - Isso não é certo.

Todos olharam para o chão, seus olhos pareciam duvidar de muitas coisas e questionar se tudo o que seguiram durante todos os anos foi realmente certo. Eu precisava ir atrás dele. Saí da sala e corri em direção ao seu quarto, mas ele não estava lá. Desci a escada e fui em direção à estufa e o encontrei sentado no banco. Estava com a cabeça baixa e suas mãos escondidas entre os fios cinza de seus cabelos.

-Jimin.

Ele levantou o rosto e me observou aproximar dele. Quando cheguei perto, ele me puxou entre as suas pernas e me abraçou pela cintura, colocou seu rosto em meu estomago e eu passei minha mão em seus cabelos.

-Eu nunca quebrei uma regra em toda a minha existência. - Falou. - Meu tio me criou depois que meus pais morreram e essa foi a minha primeira vez o contrariando.

-Ei... - Falei. - Tem certeza do que está fazendo?

Ele levantou seu rosto e me encarou. Meu peito doía perguntar isso a ele, mas ele precisava saber que ainda tinha chance de voltar atrás, uma chance de realizar esse ritual e se desprender de mim para sempre.

-Eu nunca tive tanta certeza. - Respondeu.

 


Notas Finais


É isso!

Espero que tenham gostado!
Comentem o que acharam ^^

Beijos e até o próximo capitulo.
:*****


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...