1. Spirit Fanfics >
  2. The last - Imagine Park Jimin >
  3. Island

História The last - Imagine Park Jimin - Capítulo 45


Escrita por:


Notas do Autor


Boa madrugada pessoal!

Peço desculpas pelo o sumiço de ontem! ^^
Venho com mais um capitulo... Estamos chegando ao final dessa história! XD

Boa leitura a todos e espero que gostem.
Beijos :****

Capítulo 45 - Island


Fanfic / Fanfiction The last - Imagine Park Jimin - Capítulo 45 - Island

 

Arimin On.

 

Medo. Essa deveria ser a definição perfeita para descrever o que estava sentindo naquele momento, porém medo era a última coisa que sentia. Talvez assustada, não muito, estaria se não soubesse que ele ainda continuava vivo. Hojoon estava parado na varanda do quarto de Jimin, suas roupas estavam sujas e complemente despenteado.

-O que faz aqui? - Perguntei.

Ele ficou surpreso com a naturalidade da minha pergunta, talvez não soubesse que todos nós já sabíamos que não estava de fato morto.

-Estou vivo graças a Ni Mira. - Respondeu. - Eu ainda não acredito que o meu próprio sobrinho tentou me matar.

Aquilo me fez sorrir soprado. Sério que ele estava indignado? Depois de tudo que causou aos meninos ainda se achava no direito de ser respeitado?

-Como tem coragem de dizer isso depois do que fez a Nancy? - Perguntei perplexa. - Não seria tão errado assim ele ter te matado mesmo!

Notei seus olhos se arregalarem minimamente.

-Você não sabe do que está falando garota! - Ele falou irritado. - Você nem faz parte da família e acha que pode dizer o que quiser? Não é só porque carrega essa aberração que acha...

-Cala a boca. - Falei irritada.

Eu não o deixaria insultar o meu filho, até porque Andy é a prova de que ele nascerá lindo e saudável. Andy estava longe de ser uma aberração.

-Venha comigo. - Falou dando um passo para frente.

Isso me fez caminhar para trás, ir com ele? Só pode ter enlouquecido.

-Eu não vou a lugar algum com você. - Falei.

Eu precisava arrumar um jeito de sair dali, Hojoon não parecia querer desistir tão facilmente.

-Virá por bem ou por mal. - Ele falou e correu em minha direção.

Aquilo me deixou bem nervosa, virei para o lado e para a minha surpresa dominei minha habilidade perfeitamente quando desviei do seu toque e apareci ao lado da mesa. Ele me olhou irritado, porque não estava correndo também?

-Estou vendo que já domina a habilidade de correr. - Falou endireitando o corpo.

Na verdade eu ainda era péssima, mas se ele pensasse desse jeito seria melhor para mim.

-Eu não vou a lugar algum com você Hojoon. - Falei.

Quando fui correr em direção à porta, o senti ao meu lado e ele me empurrou contra a parede. Caí desajeitadamente derrubando com o impacto algumas coisas da mesa ao lado, engatinhei para o lado, peguei uma cadeira e quando ele se aproximou novamente, a quebrei em seus braços, pois esses ele levou em frente ao rosto na tentativa de se proteger.

Ele cambaleou para trás e eu o empurrei com muita força. Eu ainda não estava entendo, mas Hojoon parecia bem fraco, principalmente contra mim que não dominava as habilidades cem por cento. Ele voou em direção à parede e caiu na cama, apareci em cima dele e nessa mesma hora minhas garras saíram.

Eu não fazia ideia do que fazer com elas, mas a enfiei em seu peito e ele gritou. Seus olhos ficaram pretos por completo e aquilo me assustou. Ele me virou na cama e segurou em meu pescoço.

-Desgraçada! - Falou me estrangulando.

Tentei empurra-lo, mas estava completamente imóvel em baixo dele. Ele apertava o meu pescoço com tanta força que aos poucos o ar foi faltando em meus pulmões e minha visão embaçando.

-Ji... - Fechei os olhos lentamente. -... min...

Logo ouvi a porta ser aberta bruscamente e a presença de Jimin dominou aquele cômodo inteiro.

-Maldito! - Jimin gritou e o ar voltou rapidamente em meus pulmões quando ele o tirou de cima de mim.

Me sentei rapidamente e vi Jimin pular para fora da varanda quando seguiu Hojoon.

-Mãe! - Andy entrou correndo.

Ele praticamente se jogou na cama.

-Andy...

Estava um pouco ofegante, seus cabelos desalinhados sobre os olhos e com uma expressão completamente preocupada.

-Está ferida? - Ele perguntou rapidamente.

Ajoelhou-se na cama e segurou em meus braços, me olhava sem parar e em todos os lugares possíveis.

-Eu estou bem. - Respondi.

Depois que teve a certeza de eu não estava ferida, ele jogou seus braços em volta de mim e me abraçou, aquilo me pegou de surpresa. Andy só abraçava Jimin e eu adorei senti-lo em meus braços. Sorri e contornei seu pequeno corpo.

-Eu estava errado mãe... - Ele falou ainda ali. - Você se machucaria hoje e morreria daqui a dois dias.

Arregalei os olhos e o empurrei devagar para olha-lo nos olhos.

-Como assim Andy? - Perguntei confusa. - Do que está falando?

Ele sentou em seus tornozelos e segurou minhas mãos.

-No futuro, sua lápide marca dia vinte e dois. - Ele começou a falar. - Como o papai nunca me falou nada sobre você, eu deduzi sozinho que a sua morte seria nesse dia. Mas Ong tentou recuperar um pouco da sua memória do futuro e então falou que você seria ferida no dia de hoje e morreria daqui a dois dias.

Isso tudo estava confuso demais. Logo Jimin pulando na varanda chamou a atenção de nós dois, ele veio rapidamente ao meu encontro e segurou meu rosto com as duas mãos.

-Está ferida? - Perguntou a mesma coisa que Andy.

-Pai, seria isso? - Andy o tocou. - Essa teria sido a causa da morte dela?

-Eu ainda não sei, talvez tenhamos adiado o ferimento. - Respondeu soltando meu rosto. - Precisamos ficar atentos, Ni Mira ainda a quer.

Imediatamente levei minha mão até a barriga.

-Ela quer pegar o poder que o Andy absorveu. - Falei.

Na noite em que nos atacou, seu único objetivo era tocar em minha barriga. Seria tão fácil assim? Isso seria possível com apenas um toque?

-Provavelmente, já que ainda tenta isso no futuro. - Jimin falou se arrumando na cama ao meu lado. - Por isso não podemos deixa-la saber que esse Andy está aqui... - Levou a mão no garoto ainda sentado em seus tornozelos. - Porque ai seria mais fácil para ela.

Logo a porta foi aberta e Ong entrou com a respiração pesada, nos olhou na cama e soltou o ar aliviado.

-Meus Deus, pensei que o pior tivesse acontecido. - Falou.

-Por hoje não houve nada Ong. - Jimin falou. - Tudo pode acontecer ainda.

-Saibam que o que fizeram hoje, mudou muita coisa no futuro. - Ong falou e nós três o encaramos confusos. - Pode ser que isso tenha feito Arimin existir no futuro, ou ainda não.

-É por isso que só teremos a certeza quando matarmos Ni Mira. - Jimin ficou em pé. - Hojoon conseguiu fugir de mim quando o segui, mas temos que encontra-los.

Eu ainda estava surpresa por ter conseguido ficar em vantagem por pouco tempo contra Hojoon, mas era estranho o fato dele estar tão fraco.

-Eu vou voltar para a minha sala, vou tentar me lembrar de mais alguma coisa que possa ser útil. - Ong falou saindo do quarto.

Quando ele saiu, um silêncio se instalou no quarto. Andy ainda estava ali e encarava suas mãos sem piscar, ele entrou desesperado e aquilo aqueceu um pouco o meu coração, não que preocupa-lo me deixava feliz, mas vê-lo assim por mim me trazia uma sensação boa.

Eu me sentia um pouco como era ser mãe de alguém.

-Eu vou voltar... - Ele falou de repente.

Quando ele foi sair da cama, segurei sua mão.

-Não quer dormir aqui com a gente? - Perguntei e ele me olhou surpreso.

Olhou para o Jimin em pé e depois para mim, parecia um pouco envergonhado.

-Eu...

-Não precisa ter vergonha. Somos os seus pais. - Falei.

Ele sorriu e assentiu com a cabeça, não seria ruim dormir com ele. Pelo contrário, logo ele iria embora se tudo desse certo e eu queria passar mais tempo com o Andy. Por mais que ele ainda nasceria e eu teria todo o tempo, eu queria ficar com ele.

-Eu irei olhar de novo em volta. - Jimin falou para nós dois. - Para me certificar de que ele não se escondeu por perto.

Assenti com a cabeça, ele se inclinou sobre mim e beijou minha testa.

-Fique com a sua mãe. - Ele falou passando a mão nos cabelos do Andy e saiu andando.

Andy olhou para mim e sorriu, seus olhos eram lindos quando sorria. Iguais aos de Jimin.

-Me desculpe, se o papai não tivesse perguntado ao vô Ong sobre o dia em que morreu... - Ele falou olhando para baixo.

-Ei. - Me arrastei na cama e peguei em seu rosto. - Não fique assim, eu estou bem.

Ele olhou dentro dos meus olhos e o notei respirar fundo. A causa da minha morte aconteceria hoje, e eles conseguiriam evitar isso. Andy tem chances de me ter junto com ele e Jimin no futuro e eu farei de tudo para que isso aconteça.

 

Jimin On.

 

Eu não queria demonstrar isso na frente dela, mas minhas mãos não paravam de tremer. Encostei-me à parede do lado de fora e soltei o ar, eu pensei que não conseguiria chegar a tempo, pensei que fosse mesmo perdê-la e que o destino nunca poderia ser mudado.

-Jimin... - Ouvi a voz do Kook.

Olhei para o lado e o vi em pé perto do portão.

-Oi Kook. - Falei.

-Tudo bem? - Perguntou.

Coloquei minhas mãos no bolso e assenti com a cabeça. Ele me olhou um pouco confuso e logo saiu andando, olhei para o céu. Estava começando a chover, Hojoon não iria se esconder tão perto com esse tempo. Mas era melhor verificar, saí correndo para fora da casa e comecei a procurar por todo o bosque. Ele parecia muito cansado quando o empurrei de cima da Arimin, Hojoon não estava cem por cento recuperado.

Ele seria o culpado pela morte dela? Fechei minhas mãos em punhos e parei de correr, eu devo estar me movendo à base do ódio no futuro. Hojoon e Ni Mira ainda estão vivos por lá e ainda estão tentando pegar o meu filho. Eu não permitirei que esse futuro se concretize novamente, nem que eu precise morrer para que isso aconteça.

Corri por ali mais um pouco e nada, Hojoon simplesmente sumiu. Voltei para casa e subi pela varanda, não queria me encontrar com ninguém. Eles iriam fazer muitas perguntas e eu estava um pouco sem paciência no momento.

Minha roupa estava pesada pela a água da chuva que caia violentamente do lado de fora. Entrei no quarto e me aproximei da cama, Arimin estava dormindo e abraçava Andy ao seu lado que dormia profundamente também.

Me abaixei ao lado da cama, levei minha mão no rosto dela e tirei os fios que cobriam seus olhos. Olhei para o menino ao lado e levei minha mão em seu rosto também, ele se mexeu um pouco e se encolheu com meu toque.

-Jimin... - Ouvi ela me chamar baixinho.

Virei o rosto e olhei para ela, estava com seus olhos abertos e me encarava.

-Oi... - Levei minha mão em seu rosto novamente.

-Está molhado? - Perguntou descendo seu olhar em minhas roupas.

Joguei meus cabelos molhados para trás.

-Está chovendo. - Falei baixo para não acordar o Andy.

Ela virou o rosto e olhou para ele ao lado, passou sua mão no rosto dele e sorriu.

-Vai tomar um banho e vem deitar aqui com a gente. - Falou olhando para mim.

Concordei com a cabeça e fui para o banheiro. Ela não me perguntou nada sobre Hojoon, viu como aquilo estava me deixando nervoso. Estou começando a achar que preferiria que estivesse morto. Tirei toda aquela roupa molhada e entrei em baixo da água quente, fiquei um pouco ali e saí.

Ela estava olhando para o Andy e mexia nos cabelos dele enquanto isso. Passei a toalha nos cabelos e dei a volta na cama me deitando atrás dela.

-Acha que agora eu estou com ele? - Ela perguntou.

Apoiei meu cotovelo na cama e escorei minha cabeça na mão e olhei para ele por cima do corpo dela.

-Como assim? - Perguntei.

-Se hoje eu...

-Não. - A cortei.

-Eu sei. - Ela falou. - Acha que já estou com vocês por terem impedido minha morte hoje? - Perguntou.

Deitei na cama e suspirei, Ong disse que o que fizemos hoje pode ter adiado a morte dela. Por que não sabemos como o destino funciona.

-Eu espero... - Falei fechando os olhos.

Ouvi ela sorrir e logo sua mão em meu peito.

-Ei. - Falou. - Eu estou aqui, alguma coisa deve ter mudado sim.

Virei minha cabeça e olhei para ela. Ela olhava para mim e ainda sorria, como ela consegue sorrir com tudo isso acontecendo? Eu estava desesperado. Arrastei-me na cama e selei seus lábios em um beijo casto. Sentimos a cama se mexer um pouco, Arimin se separou de mim rapidamente e olhamos para o Andy, ele tinha virado de costas para ela e ainda dormia.

-Eu tinha me esquecido dele. - Ela falou baixo.

Sorri e passei meu dedo polegar em seu rosto.

-Vamos dormir. - Falei e ela concordou.

Ela virou de costas para mim e abraçou ele. Coloquei minhas mãos em sua cintura e me arrumei atrás dela e adormecemos juntos.

 

Nabi On.

 

Abri os olhos lentamente e olhei para o lado, a cama estava vazia. Sentei ali e olhei em volta, Yoongi não estava em parte alguma do quarto. Puxei o lençol da cama e me enrolei nele, ainda estava sem roupa, saí da cama e caminhei até o banheiro. Abri a porta e vi-o ali dentro se trocando, estava com uma calça jeans e vestia uma camiseta preta.

-Bom dia. - Falei e ele olhou para mim.

Estava com seus cabelos molhados, extremamente lindo. Ele sorriu em minha direção e se aproximou.

-Dorme mais um pouco, está muito cedo. - Falou me abraçando.

Encolhi-me em seu peito e senti o cheiro do seu sabonete o do shampoo que vinha do seu cabelo.

-Vai sair? - Perguntei.

-Uhum, eu e Jimin vamos atrás do Hojoon. - Ele respondeu e senti uma tensão passar pelo o meu corpo.

Será que ele ainda queria vingança? Me afastei dele e olhei em seus olhos.

-Eu sei o que está pensando e é não. - Ele falou colocando suas duas mãos em seu rosto.

-Não? - Perguntei baixo.

-Isso. - Ele me puxou de novo e me abraçou pelo o pescoço. - Ele atacou Arimin ontem à noite e Jimin está enlouquecendo.

Me afastei dele rapidamente e arregalei os olhos. Atacou a Arimin?

-Ela está bem? - Perguntei.

-Está sim, não se preocupe. - Ele respondeu. - Volte a dormir.

Sai do banheiro junto com ele, Yoongi caminhou até sua mesa. Me sentei na cama e fiquei olhando para ele. Eu espero mesmo que não esteja atrás de mais vingança, ontem a noite foi maravilhoso. Eu decidi perdoa-lo para que possamos seguir em frente juntos.

-Yoongi... - Falei.

Ele colocou seu casaco e olhou para mim.

-Oi.

-Nada. - Olhei para o lado.

Eu não sabia como falar sobre isso, a briga de ontem foi o suficiente. Não queria mais incomoda-lo com isso. Ele apareceu em minha frente e isso me fez pular no lugar.

-Pare de pensar nisso. - Ele falou colocando suas duas mãos em meu rosto. - Eu não quero saber de mais nada que tenha a ver com Hojoon, eu vou esquecer isso.

Assenti com a cabeça e ele selou os meus lábios. Eu preciso confiar ele, e para que de certo precisamos acreditar um no outro.

-Não saia daqui de dentro, Ni Mira está cada vez mais furiosa. E pode atacar a qualquer momento. - Falou.

-E eu sendo uma humana não tenho chances nenhuma. - Falei sorrindo e ele continuou sério. - Me desculpe. - Pressionei os lábios.

Ele se inclinou de novo e selou meus lábios.

-Eu acho que enlouqueceria se algo te acontecesse...

-Eu vou ficar aqui dentro. Prometo. - Falei levando as mãos em seu peito e o lençol caiu em meu colo.

Ele desceu seu olhar e isso me fez murchar os olhos.

-Ei...

Ele sorriu e me beijou de novo.

-Vamos tentar voltar antes de escurecer. - Falou e se afastou.

-Tudo bem. - Sorri e logo ele saiu do quarto.

Como eu quero que tudo isso acabe logo para que as pessoas que eu amo fiquem livres dessa mulher, e possam viver em paz sem ter que se preocupar com nada.

 

Jimin On.

 

-Acho que ele não precisa vir junto Ong. - Falei pela décima vez aquela manhã.

Ong queria levar Andy com a gente e aquilo estava me incomodando. Eu sei que fui eu quem decidiu deixa-lo ajudar, mas eu ainda estava um pouco contra isso.

-Mas Jimin, pode não acreditar, esse menino é melhor do que eu. - Ong exclamou.

Andy estava em pé ao lado dele e nos ouvia em silêncio,  eu podia ver em seus olhos o quanto estava animado em vir com a gente.

-Por isso mesmo, ele pode nos ajudar ficando aqui. - Falei. - Ele pode ficar com a Arimin.

Ong fechou seus olhos e suspirou.

-Pai. - Andy deu um passo à frente. - Me deixe ir, eu vou ser útil. - Falou.

Olhei para o lado e respirei fundo, ele era muito teimoso e credito que tenha puxado isso de mim.

-Jimin eu devo ter ensinado muita coisa a ele. - Ong falou. - Ele me mostrou coisas que eu ainda não sabia como usar, e ele disse que fui eu quem o ensinou no futuro.

Coloquei minhas mãos no bolso e encarei os dois.

-Andy, precisa me ouvir e quando eu disser para fugir, você vai correr sem olhar para trás. - Falei olhando para ele.

-Eu prometo. - Ele falou.

-Estão prontos? - Yoongi apareceu no topo da escada.

Suspirei no lugar e saí andando em direção da porta. Eu precisava acabar com isso o quanto antes. Precisávamos encontrar o esconderijo da Ni Mira.

-Você e seu pai descobriram alguma coisa sobre o esconderijo da Ni Mira no seu tempo? - Yoongi perguntou ao Andy quando entramos no bosque.

-Não. - Ele respondeu olhando em volta. - Ela apenas aparece quando quer, ela tem muitos que fazem o serviço para ela.

Olhei para ele e levantei minha sobrancelha.

-Como assim? - Perguntei.

-Ela criou um exercito e isso cresceu muito. - Ele respondeu me encarando.

Ni Mira com certeza matou muito mais da nossa espécie e os reviveu como um dos dela.

-O exercito são vampiros dos clãs? - Yoon perguntou ao garoto logo em seguida.

Andy olhou para cima e balançou sua cabeça em confirmação.

-E mortos, como se fossem zumbis. - Respondeu ao mais velho.

-Ela deve ter feito de todos os vampiros um membro do seu exercito nojento. - Falei.

Ainda andávamos pelo bosque, Ong permanecia com as suas mãos juntas em frente ao corpo e uma pequena luz verde emanava do seu corpo.

-O que esta fazendo Ong? - Yoongi perguntou.

-Ele está tentando rastrear a energia da Ni Mira através da sua. - Andy o respondeu.

O garoto também olhava para todos os lados atentamente. Eu estava um pouco curioso sobre seus poderes bruxos, não sei como lido com isso no futuro, mas no momento isso me deixava um pouco nervoso. Ao mesmo tempo em que isso possa lhe dar vantagem, também não pode.

-Esperem. - Ong falou depois de algum tempo em silêncio e pura concentração.

-O que foi? - Perguntei.

A única coisa que complicava nessa situação, era o fato do exercito zumbi não possuírem mais presenças. Foi o principal motivo de trazermos Ong, já que ele sente a presença das almas que já não pertenciam mais a essa dimensão.

-Eu senti alguma coisa... - Respondeu e logo o brilho que o acompanhava sumiu.

-Eu também. - Andy falou em seguida.

Yoon se posicionou atrás de Ong e focou seu olhar por onde viemos, eu fiquei em frente ao Andy e me concentrei no caminho a nossa frente, deixando os dois no nosso meio.

-Estou ouvindo passos. - Yoongi falou na mesma hora que ouvi também.

Sorri de lado e fechei minhas mãos em punhos.

-Se não sentimos presenças, são aqueles mortos asquerosos. - Falei.

E não deu outra, entre as árvores surgiram centenas dos vampiros do norte, agora mortos, e gritavam juntos. Não eram sons humanos, pareciam uivos de animais.

-Pai...

-Fique atrás de mim. - Falei levando minha mão para trás.

Senti quando sua mão pegou a minha.

-Pai, eles não morrem. - Continuou falando.

Virei o rosto e o encarei.

-O que?

-Eles não morrem. - Repetiu. - Somente quando Ni Mira morrer, eles irão morrer. Então temos que sair daqui, vai ser perda de tempo tentar matar algo que não morre.

Encarei aqueles zumbis correrem em nossa direção, eu havia me esquecido disso. O ritual os ligou com Ni Mira. Mas que droga.

-Yoon! - Falei alto. - Os derrubem para dar caminho somente e vamos sair daqui!

E quando estavam perto o suficiente, partimos para cima deles. Como Andy mesmo falou, usar habilidades neles seria mesmo perda de tempo. Os derrubavam apenas nos socos, olhei para o lado e Yoongi fazia o mesmo. Ong usava sua magia e os empurravam para longe e Andy tinha força o suficiente para derruba-los também.

-Jimin! Olha ali. - Ouvi a voz de Yoongi entre os gritos dos vampiros mortos.

Olhei para o lado e mais deles vinham em nossa direção. Respirei fundo e revirei os olhos, só o que faltava. Deixei meus olhos ficarem roxos e como sempre minhas habilidades dobraram, corri entre eles e os derrubei rapidamente. Por sorte demoravam um pouco para se recuperarem e ficarem em pé novamente.

-Pai! - Ouvi Andy gritar e eu o olhei. - Eu me esqueci de te avisar... - Ele falava com um pouco de dificuldade já que também socava os vampiros mortos.

-O que? - Perguntei rodando o corpo para acertar um deles em cheio.

Estava sendo um pouco difícil conversar no meio daquela confusão.

-Aah. - Ouvi uma reclamação de Yoongi.

Olhei para o mesmo ele apertava seu pulso com força.

-O que foi Yoongi? - Perguntei.

-Rubi. - Respondeu já partindo para cima deles.

Andy veio batendo em todos os que nos separava e se aproximou derrapando na terra. Parou na minha frente e respirou fundo.

-Agora que estão mortos conseguem usar rubis, e os usam como armas. - Andy falou. - Eu me esqueci de avisar... Apesar de no futuro as armas serem bem mais elaboradas, elas ainda podem nos ferir.

Suspirei passando minha mão nos cabelos, Ni Mira estava indo longe demais. Além de fazer deles seus escravos mortos, os faziam usar rubis.

-Yoongi, vamos nos separar! - Falei.

-O que? - Perguntou segurando um pelo o pescoço.

-Pegue Ong e vai para o outro lado, vamos separa-los. - Respondi. - Venha comigo Andy.

Ele assentiu com a cabeça e me seguiu quando sai correndo. Corríamos entre as árvores, estranhamente eles eram rápidos também. Como se ainda tivessem a habilidade de correr.

-São rápidos assim no futuro também? - Perguntei entrando no meio de algumas árvores mais perto uma das outras.

-Sim... - Ele respondeu olhando para trás. - No futuro nem parecem mortos.

Continuamos correndo, era difícil a claridade do sol entrar ali. As árvores eram bem perto uma da outra e isso deixava o lugar escuro. Andy foi um pouco mais para o outro lado e uma coisa me chamou a atenção. Uma pedra no meio do caminho que ele seguia estava enfiada na terra de uma maneira estranha, a terra ainda estava ao lado dela, com se aquele lugar tivesse sido cavado recentemente.

Uma pequena linha brilhou em cima dela, e em câmera lenta vi Andy saltar para pula-la.

Era uma armadilha.

-Andy! - Gritei e corri com todas as minhas forças.

Ele olhou para mim quando já estava no ar, cheguei a tempo e o empurrei para o lado. Por sorte parecia ser bem treinado e caiu em pé. Já eu fui de costas sobre a linha e alguma coisa enorme se desprendeu das árvores e caiu sobre mim.

Cai deitado no chão e por cima uma corrente enorme, elas eram pesadas demais e quando senti minha pele queimar gritei. Eram correntes de rubis.

-Pai! - Andy veio correndo.

-Não... - Falei entre dentes. - Fique longe Andy, é rubi!

Tentei pegar nas correntes para levanta-las de mim, além de serem pesadas demais, queimavam minhas mãos por completo. Se não fossem de rubis, eu as teria jogado para longe rapidamente, mas o rubi me queimava de uma maneira enlouquecedora.

-Para pai! Não toque nelas. - Ouvi-o dizer desesperado.

Logo o som das árvores caindo ecoou pelo o lugar, eles estavam vindo.

-Filho... - O chamei pela primeira vez daquela maneira. - Tem que sair daqui! Rápido.

-Não! - Ele tocou nas correntes e gritou quando suas mãos queimaram. - Eu vou te tirar daí.

Vi quando luzes azuis saíram de suas mãos e ele tentou puxar a corrente. Ele conseguiu mexa-las um pouco e aquilo me deixou impressionado, já que eu não as movi nem um centímetro.

-Me escuta. - Falei e pressionei as pálpebras quando as correntes queimaram minhas costas. - Tem que ir, eles são em muitos. Embora não possuem poder algum, serão muitos contra você.

-Não pai. - Ele falou e notei lágrimas em seus olhos. - Por minha culpa está ai, eu faço tudo errado! Você me ensinou a ver armadilhas e mesmo assim falhei.

Provavelmente ele se referia ao meu eu do futuro, já que eu nunca o havia visto lutar antes. Os meus sentidos foram sumindo aos poucos, aquela corrente tocava em toda parte do meu corpo e era doloroso demais.

Andy virou bruscamente quando os vampiros mortos nos alcançaram, vi quando seus olhos ficaram roxos como os meus e saiu correndo. Eu tentava controlar minha respiração, eu precisava sair dali para ajuda-lo.

-Morram seus idiotas! - Ele gritava.

Andy rodopiava no ar e os atacava sem parar. Faíscas azuis saiam das suas mãos e quando isso acontecia, os mortos eram arremessados para longe enquanto derrubavam centenas de árvores com os seus corpos.

Ajoelhei-me com muito esforço, como a corrente era pesada demais, eu a forcei contra as minhas costas e essas me queimaram de novo.

-Arr... - Fechei meus olhos com força.

E aos poucos fui me levantando, toquei nas correntes e elas continuavam me queimando. Meus olhos ficaram roxos e joguei as correntes para longe. Caí de joelhos e me apoiei em uma árvore ao lado.

-Pai. - Andy se aproximou novamente.

Olhei para trás do garoto e todos estavam caídos, se mexiam um pouco e logo se levantariam, mas ele havia derrubado todos eles.

-Temos que ir até a mamãe. - Ele falou desesperado.

Eu havia sido queimado demais, meu corpo todo ardia em chamas e eu não sabia como conseguia ficar acordado.

-Jimin, Andy! - Logo Yoongi surgiu entre as árvores caídas com Ong em suas costas.

Quando me viu, arregalou seus olhos e se aproximou rapidamente depois de ter posto Ong no chão.

-O que houve? - Perguntou.

-Ele me salvou de uma armadilha de rubis... - Andy o respondeu. - Mas foi pego por ela por causa disso, temos que ir até a mamãe.

-Ele vai ficar bem, pare de chorar. - Yoon colocou a mão no ombro do garoto.

Ele levou sua mão no rosto e somente ai notou que chorava ao falar com ele. Fechei os olhos e tentei controlar minha respiração.

-Consegue levar Ong? - Yoon perguntou para Andy.

-Uhum. - Respondeu. - Eu sempre o carrego no futuro.

-Então vamos logo. - Yoongi falou passando meu braço sobre o seu pescoço.

Senti um pouco do meu sangue escorreu sobre os meus olhos e isso me fez mantê-los fechados. A corrente tocou o meu corpo todo e isso estava sendo desesperador, nunca havia me ferido nesse nível com rubis.

Logo o vento bateu sobre o meu rosto e estávamos voltando, não chegamos nem perto do esconderijo da Ni Mira e isso era decepcionante. Ou talvez não, seu exercito nos atacou com muita raiva e determinação, talvez tenhamos chegado um pouco perto da onde ela se esconde.

-Chegamos. - Ouvi Yoongi dizer e logo o meu corpo ser deitado sobre o sofá.

-O que houve? - Ouvi Kook perguntar assustado.

-Foi minha culpa tio Kook. - Andy respondeu choroso.

Todos ainda não estavam acostumados com o afeto do garoto por eles, mas aos poucos iam se acostumando.

-Andy... - Abri os olhos. - Está tudo bem.

-Não está pai, eu deveria ter sido mais cuidadoso. - Falou.

Logo senti a presença de Arimin no recinto.

-Ah meu Deus! - Ela exclamou. - O que aconteceu?

-Foi uma armadilha. - Yoongi respondeu.

Ela se abaixou ao meu lado e levou rapidamente o seu pulso em meus lábios.

-Pelo amor de Deus Jimin, beba logo. - Falou desesperada.

Segurei seu braço e mordi seu pulso. Meus dentes entraram em sua pele e quando senti seu sangue escorrer pela minha garganta um alivio percorreu o meu corpo todo. As dores foram passando e senti as queimaduras se curarem em um piscar de olhos. Quando bebi o suficiente soltei o seu braço e me sentei no sofá.

-Acho que chegamos perto do lugar onde ela se esconde. - Falei e encarei Yoongi.

Arimin sentou ao meu lado.

-Está pensando nisso? Você quase foi derretido por rubis. - Falou ainda desesperada.

-Foi minha culpa mãe, ele me salvou da armadilha... - Andy falou baixinho.

-Ele está bem. - Kook falou. - Seu sangue o cura de qualquer coisa Ari.

-Eu sei, mas mesmo assim não deixo de me preocupar. - Ela falou.

Estiquei o braço e peguei na mão de Andy que mantinha sua cabeça baixa. O puxei perto de mim e ele me encarou.

-Você lutou muito bem hoje. - Falei. - Conseguiu derrubar todos eles sozinho.

-Do que adianta se falhei em notar aquela armadilha? - Resmungou.

-Você só tem treze anos Andy. - Arimin falou ao meu lado. - Tem muito o que aprender, esses garotos aqui vivem há séculos.

Aquilo fez todos sorrirem, inclusive ele. Nisso a porta foi aberta e por ela passou Hee, Haye e Hobi.

-Ainda bem que estão todos aqui. - Hobi falou.

-O que foi Hobi? - Perguntei ficando em pé.

Notei a confusão em seus rostos ao me verem lavado de sangue, mas ignoraram já que eu estava bem.

-O conselho comunicou a todos. - Começou a falar. - Ni Mira transformou todos do Norte em seu exercito.

-E o Tae?! - Kook perguntou desesperado.

-Está bem, quando o lugar foi invadido ele estava patrulhando com a Tata e logo estarão aqui. - Hobi respondeu e todos respiraram aliviados. - Mas Ni Mira acabou de atacar o sul e estamos sendo obrigados a irmos à ilha.

Todos ali ficaram em silêncio e com os olhos levemente arregalados.

-O que é a Ilha? - Arimin perguntou.

-Chamamos de Ilha o lugar que foi construído há séculos e séculos. Um lugar que somente vampiros entram e se unem para combater o que quer esteja nos fazendo ir para lá. - Namjoon respondeu do canto.

Nunca havíamos precisado ir para a Ilha, foi somente uma vez, mas ainda não existíamos.

-Só vampiros entram? - Arimin perguntou e isso me fez olhar para ela.

-Sim, por quê? - Hobi respondeu.

Yoongi fechou suas mãos em punhos.

Droga, o que faríamos com a Nabi? Ela já enxerga o nosso mundo e corre perigo sozinha.

 


Notas Finais


É isso!

Espero que tenham gostado e comentem o que acharam XD
Vão cansar de ler isso, mas fiquem em casa ^^ Não adoeçam e tomem cuidado com o Covid-19!

Beijos e até o próximo capitulo!
:*****


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...