1. Spirit Fanfics >
  2. The Last God Killer >
  3. Cap 19

História The Last God Killer - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


pode ficar tranquilo, tem nada aqui não

Capítulo 19 - Cap 19



Natsu- Mira..... eu agradeço e  tal mais...... eu já posso andar- sendo acompanhado pela albina que abraça seu braço com força, porém com gentileza e cuidado- e você também tem coisas para fazer......


Mira- nada disso! o senhor mal se aguentar em pé- esbosando uma face um tanto quanto irritada, mas visivelmente preocupada ela diz- e eu também posso fazer isso depois........


Em meio as ruas de terra os dois Magos iam de voltar a casa de Erza, onde o rosado passava suas noites- chegarmos......- isso era oque ele achava, mas sequer avia chegado perto. No momento estavam os dois em frente a casa de Levy e Mira


Um silêncio nasceu, em frente a casa os dois não falavam nada e nem se moviam, sendo apenas ela realmente- Mira.....- nada, nem uma palavra ou reação po parte da Strauss-( ela ainda está assim......)- e desde que aviam saído da casa onde estavam a albina não avia olhando nem uma vez para seus olhos


Mira- Natsu........ podermos conversar?.....- a cada palavra, a cada letra Mira hesitou em muito, como se estivesse com medo da sua resposta- por favor......- ela o apertou, sem muita força mas mesmo assim dava para sentir o desespero


Natsu-...... sim.... sem problema...- e ele já sábia o por que, e mesmo já sabendo a anos que isso poderia acontecer, que esse dia iria chegar, Natsu não estava nem um pouquinho pronto. E foi em silêncio, sem pressa que  ambos entraram na casa- Levy está do outro lado..... vamos pro meu quarto.....


E passando pela porta do outro lado que Natsu logo de  cara já dá de cara com o quarto da albina, nada demais, uma grande cama de casal a direita, tendo apenas uma armário ali e alguns detalhes rosas espalhados pelo quarto. Sendo que a sua esquerda tinha outra porta e devia ser o banheiro ali- obrigado......


O ajudando a sentar, mesmo que não precisasse o rosado a agradecer. E ambos, sentados um ao lado do outro- aquilo....... era parte da sua Magia não era?......- esperança, tudo que aquelas palavras expressavam ou poderia está era isso, esperança, do que tivesse visto fosse alguma evolução da Magia do rosado ou qualquer coisa- me diz......


Ela viu, por mais que antes  não estivesse tão afetada por aquilo, agora estava. Sim, ela queria acreditar que tivesse sido isso, mas seus olhos viram bem, e mesmo que pouco e não estivesse completo, Natsu era um Demônio, mesmo que tentasse ignora e não acreditam naquilo com todas as suas forças, ela já sábia 


Natsu- não........- pó mais que aquilo o machucasse em muito.... Natsu avia feito uma promessa, Mira já avia visto seu outro lado com seus olhos e não iria demorar para que ela visse de novo......


Mira- como?......


.............................


Desde os mínimos detalhes, Natsu começou a falar tudo que sabia sobre isso e oque pensava que poderia ser.... como também todas as vezes que se tornou um- mas eu não sei como eu fiquei assim.....- e no final de tudo, tudo que ele recebeu dela foi o silêncio, um silêncio agonizante que durou bons minutos


O rosado não sábia oque dizer e nem oque fazer, sendo a única opção que tinha agora era saí daquele quarto e a deixar sozinha pó um tempo. No entanto foi apenas levantar da cama que Mira fez algo, o impediu de contínuar segurando com força em seu pulso 


Mira- por que....... por que não me disse nada?....... se você sabia disso...... se você......- tristeza, raiva, medo, desespero, arrependimentos, todos esses sentimentos estavam mais do que presentes em suas  palavra, e cada um deles Natsu conhecia bem, ele a conhecia bem- se você vem passando po isso..... por que não me  disse nada!


Sua voz disparou, junto a força que colocava em sua mão. Era.... doloroso ver isso, ver como ela estava- por que......- era como ter seu coração se apunhalado de novo e de novo ou até pior. Mesmo que seus olhos não pudessem ver seu rosto


Narsu- eu não queria te machucar Mira..... não queria ver você sofrer....- Mira viu sua família, seus irmãos morrerem na sua frente por causa dessas coisas, então como ela iria fica depois de saber que o homem que amava era um deles também? Natsu não queria nem pensar 


Mira- me ver sofrer? como?....... como eu iria sofrer?! eu!.......- nada, sua mente não consegue pensar em algo para contradizer aquilo, afinal, ela estava- não tem razão...... isso....... e por causar deles?.......


Até que sua mente lhe trouxe, aquela memória a qual vem tentando esquece a mais de sete anos- por que você achar que eu teria medo de você?......... que eu iria te odiar?- inocentemente ela o soltou, passando a aperta suas mãos com forças, mas ainda mantendo um olhar baixo, sequer conseguindo encara os pés do rapaz


Natsu- sim........- quantas noites ela teve pesadelos? quantas vezes ela ficou sem dormi? não comseguindo saí de casa? não sabia mais, apenas tinha certezas que não foram poucos, e que durou pó um bom tempo. De todas as pessoas, de todos os seus amigos, Mira, era a que ele queria a todo custo evitar ver esse seu lado


Mira-......... besteira.......- e quando ela enfim conseguir ergue seu rosto, que o rosado pôde enfim ver, apenas uma, fina linha criada a partir de suas lágrimas, caindo em seu vestido- como eu poderia odia você....... como eu poderia odia a pessoa que me salvou..... que não desistiu de mim...... como eu poderia odia o homem que eu amor?.......


Natsu- Mira....... fique em casa hoje......- agachado-se, frente a frente com a albina- eu vou fala com a Erza e fala que você não está bem- pegando em sua mão, limpando seu rosto e o acariciando que ele diz


Mira- por que?....... eu estou bem Natsu- 


Natsu- mintar para si mesma o quanto quiser, mas não para mim........... você..... precisa descansar......- tempo, ela poderia não o odia mesmo...... mas isso, esse tipo de coisa não era fácil, pra nenhum dos dois-........ por favor?...... amanhã eu venho aqui te ver......


Mira-............- aquele sorriso ao qual ela forçava em seu rosto desaparece, e mais uma vez seus olhos vão de encontro ao chão. Em silêncio Natsu saí, dando uma leve olhada de relação em sua amiga..... mas nada, Mira não avia movido um músculo, até o bater porta


Mira-( ele é o amor da sua vida...... ele arriscou a vida por você...... nunca desistiu de você.....)- então por que....... por que isso me dói tanto.......


.........................


A caminho da Muralha onde poderia ainda está Erza, as dores voltaram- ah!- dobrado, seu corpo caíu de joelhos mais uma vez assim como tinha sido desde que avia acordado- já é a terceira vez.....- se aquilo fosse o preço por usar seu outro lado ou os resquícios de sua luta contra aquelas coisas, ele não sábia


E mesmo que a rua estivesse com algumas pessoas, nenhuma delas foi a sua ajudar, possivelmente pois eles já sabia sobre como ele foi bonzinho com aquelas pessoas que invadiram a casa de Levy. Estava cansado, tanto fisicamente como psicologicamente, seu corpo implorava a todo instante para que ele fosse se deitar e descansa o mais rápido possível, como também estava morto de fome


Ao menos a casa da ruiva era perto dos portões da Muralha, e graças a esse pensamento que seu corpo concorda em se levantar e continua andando.E passando dez minutos que ele ver alguém que ele não esperava ver ali e agora- Juni.....- a pequena estava mais uma vez sozinha, com uma face triste e desanimadora em seu rosto


Já devia ter passado um bom tempo, e ainda assim ela ficou lá, esperando o seu amigo vim e brincar consigo. Mas ele não podia esquecer, como seu corpo também o lembrava que estava péssimo e que tinha que ir ver a ruiva- desculpa.......


Juni- TIO!- apenas ver aqueles cabelos rosa já fez a pequena correr em disparada  para cima do Dragneel- eu sábia que o senhor iria vim!!- e aquele face triste ao qual tinha a tempos sumiu rapidamente. Pulando para abraça o rapaz, que para a sua surpresa caíu de no chão ao menor contato- oque foi tio?


Natsu- na-nada Juni.... eu só tô meio cansado......- forçando um sorriso ele diz, claro que estava cansado e em péssimo estado, entretanto, ele não conseguiu simplesmente vira as costas para ela, a deixar sozinha- desculpa te fazer esperar...... mas eu tenho que ver uma..... amiga, ela dever está saindo agora então.......


Levantando-se e ficando em pé, Natsu faz um cafuné na pequena, antes de se despedir da mesma- amiga?...... é uma mulher alta e de cabelos vermelhos?- claro que isso antes dela fala aquilo para ele- eu a vi saindo faz poucos minutos- pesando seriamente a baixinha diz


Natsu- ( então ela já foi...... ah.......)....... então...... do que você quer brinca?- já que ela tinha indo embora para fazer a ronda do dia, seria melhor não ir atrás dela. Como também poderia brincar um pouco com a criança-( eu ainda posso andar e não é como se ela fosse mandar eu fazer algo louco.....)


.........................


Juni- VAI! cavalinho!- em cima das costas do rosado, Juni pulava empolgada e feliz. Oque não poderia se dito do rosado, que sentiu e escutava suas costas estralando sem para, e até rangendo, se é que isso fosse possível 


Natsu- certo Juni...... já chegar né?- normalmente  isso não seria nada para ele, entretanto, a dor que sentia em suas mãos e joelhos era algo de outro mundo, e por que não avia parado?- vamos, não chorer.......


A meia hora, quando ele apenas dizia para, ela o lançava um olhar de pura tristeza e ameaçando chora a qualquer momento- ok..... mais vamos brincar só de mais uma vez...... e depois paramos


Juni- obrigado tio!- saindo de cima das costas do rosado, ela  para, colocando a mão sobre o queixo pensando seriamente sobre oque brincar pó último. Emquanto que Natsu se matava para ficar com as costas retas e levantar- cavalinho!


Natsu- mas nós acabamos de brincar disso....- dessa vez, quem ameaçava chorar era ele, já prevendo o sofrimento que iria passa com aquilo, mesmo ela sendo muito leve- está ficando tarde...... eu vou levar você para a sua casa


Não está, estava quase escuro, eles aviam brincando tanto que sequer deviam te reparado- ah..... mais o senhor disse que......- o desapontamento e tristeza não estavam apenas presentes em sua voz


Juvia- Juni....... Natsu-sama está cansado, agradeça po ele brincar com você- vindo pó trás de Natsu, suprendendo os dois com sua chegada- eu sinto muito Natsu-sama.......


Natsu- oque?


Juvia- vamos Juni, agradeça ao Natsu-sama e peça desculpa- agachado ao lado de sua filha ela diz, fazendo uma carinha..... triste? e fazendo isso que ela parece convencer sua filha, demonstrando um certo hesito mas que ainda iria fazer oque lhe foi mandado 


Natsu- calma Juvia, não a razão para isso


Juvia- mas!...... o senhor deveria está de repouso, e ainda assim brincou com ela..... e eu seu como ela pôde se bem animada.....- levantando ela diz, sendo que ela tinha a total razão quando dizer que a pequena era bem animada 


Natsu- sim.... mas foi eu que quis, e também não tem problema, ela ainda é uma criança certo?- Juni, que estava no meio dos dois balança muito rápido a cabeça em concordância, uma cena até que engraçado aos olhos do rosado que não reprime suas risadas- bem.... já que ela está com você eu vou indo embora


Sem jeito, Natsu começa a se distância delas quando o alto som de sua barriga o recorda da fome de antes, e que agora estava pior - mamãe, por que a senhora não chama o tio pra comer lá em casa?- comida, uma palavra que tinha forte controle sobre Natsu, que quando a escuta vira sua cabeça- a mamãe fez um grande banquete ontem! 


Juvia- bem....... se não tiver nenhum problema para o Natsu-sama...... Juvia não vê nenhum problema- não é que tinha um problema, isso é claro iria depende da hora que ele saísse de lá- nós vamos jantar agora......


Dava tempo de chegar antes da ruiva, a situação entre os dois estava complica e chega depois dela só poderia piorar as coisas- se não for incômodo.....- claro que ele poderia descarta isso e ir logo embora para casa, mas estava com fome, sendo que aquilo poderia não demora sequer uma hora 


Juvia- não! nenhum incômodo, Natsu-sama e mais do que bem vindo na casa de Juvia quando ele quiser- com um lindo sorriso no rosto, a azulada o convence de vez. E juntos, com Juni pulando e cantando na frente que eles vão até a casa da Maga da Água- Natsu-sama está bem mesmo?...... não precisa ir se não quiser realmente...... sei que dever está cansado ou cheio de coisas para fazer......


Natsu- bem..... não para lutar, mas estou muito bem para ir na casa de uma amiga- ambos um ao lado do outro já iniciavam uma boa conversar- mas e você? 


Juvia- o se-senhor quer saber sobre o dia da Juvia?- espanto, estranhamente ela demonstrou espantada com aquilo- nada demais..... Juvia não faz muita coisa..... ela apenas usar sua Magia nas plantações e cuidar de algumas coisas.....


Juni- e a mamãe também fica correndo atrás daquele homem estranho- na maior inocência ela diz, causando um ataque de vermelhidão em Juvia- ela fez o banquete pra ele sábia?


Juvia- Juni!- em resposta ao previsto avanço que sua mão iria fazer sobre si, Juni correu até fica mais a frente dos dois, soltando altas risadas no processo- essa menina......


Natsu-...... eu não quero se intrometido nem nada mais..... o nome dela não era Sani?- algumas coisas não faziam muito sentido, e essa era uma delas para Natsu


Juvia- sim.... era o nome que os seus pais biológicos a deram....- então Juni seria o nome que ela deu a pequena, um pensamento rápido lhe entregar a resposta. Mas...... ela ficou triste, com olhar baixo e uma expressão nada agradável


Uma expressão que rapidamente mudou quando Juni gritou- chegamos!- sem dizer nada, apenas indo abrir a porta e oque a azulada faz. Deixando Natsu desconfiado com aquilo, ambas as duas entraram dentro de casa, sendo que a mais velha deixou a porta aberta para que ele seguisse em frente


Era pequena, passando pela porta essa é a primeira coisa que o rosado pensar, pequena, mas com um ar muito agradável, possívelmente por causar das cores do local - sinta-se em casa Natsu-sama!- diz bem alta, sendo que possívelmente deveria está na cozinha


Juni- vem!- vindo do final do corredor, Juni que estava sem seus sapatos, pegar na mão do rosado, o puxando para o final do correndo, onde ao passa pela porta Natsu dá de cara com a cozinha e a sala, tudo junto


Sendo que tinha uma TV lá, um tapete um sofá para três pessoas e uma pequena mesa, onde tinha alguns brinquedos. Já na cozinha, uma geladeira e fogão simples, mesa para quatro pessoas e uma armário de três portas. Na sala tinha alguns brinquedos espalhados- Juni...... junte seus brinquedos- a mais velha fala, e a mais nova obedecer na hora, soltando o rosado que foi em direção a mesa, sente-se em uma das cadeiras


Juvia- então Natsu-sama, do que você gostaria de come?- entre o armário e o fogão a azulada perguntar- Juvia pôde fazer qualquer coisa


Quando ela termina de fala, Juvia tem uma.... agradável surpresa, Natsu ao seu lado- eu gosto de tudo..... mas amor um frango- com um sorriso simpático no rosto ele diz- do que você precisar?


Juvia- na-não precisar se preocupar! você é meu convidado e Juvia pôde facilmente arrumar a mesa- não adiantou, Natsu ainda continuou ali


Natsu- sim, mas eu estou me oferecendo, não precisar se preocupa, pôde disse.....


.....................


No final, ela aceitou, e em menos de dez minutos os dois arrumaram toda a mesa para o jantar- mamãe, o tio pôde dormir aqui?- uma perguntar simples e infantil, mas que ainda consegui fazer Natsu engasgar po um breve momento com a comida


Juvia- eh..... vamos comer e depois conversamos, ok?- acenando em concordância, os três tem uma refeição muito traquila e agradável- Juvi vá devagar.....- com a pequena brincando e fazendo piadas. Sempre comseguindo arranca uma ou mais risadas dos dois. Era agradável ver isso, Juni, uma criança inocente e fofa, alguém que vive sem medo...... era bom ver isso


Os fazia pensar um pouco..... que ainda, mesmo que po um pouco...... que aquilo, a vida e a situação deles não era tão ruir- certo Juni, vá se arrumar para dormir- já praticamente terminando o jantar, Juni bocejava, indicando que o sono avia chegado


Juni- boa noite mamãe......- dando um forte abraço em sua mãe, ela ao ver as escadas, esquecendo do rosado, e antes que Juvia a pudesee lembrar da visita Natsu a interromper


Natsu- tá tudo bem.... ele dever ter acordado cedo.... e brincando daquele jeito- levantando, pegando os pratos e os corpos, os levando para piá ele diz. Colocando todos e arrumando a mesa antes de ir até Juvia para a ajudar com os pratos


Juvia- Natsu-sama o senhor não precisar fazer isso..... você já fez muito e Juvia não quer abusar- visivelmente emvegonhanda ela diz ao rosado, que entre todas as reações que ele pudesse ter, a seriedade e talvez a raiva foram as que tomaram contar 


Ela avia feito algo errado? Juvia começou a  pensar desesperada do por que daquilo, ele a todo o momento tinha se oferecido para a ajudar, então não era por causar do que ele tinha feito, e nem era pó causa do comportamento de Juni, sendo que toda vez ele sequer pareceu demonstra um pingo de incômodo- eu vou embora...... obrigado por tudo


Saindo da cozinha sem olhar para trás, Natsu só tem um obstáculo entre ele e a porta daquela casa- você não deveria está na cama Juni?- apenas de pijama, abraçando um ursinho que era uma rosa, Juni tinha  uma apenas uma expressão em sua face, medo


Juni- eu não consigo dormir...... o senhor pôde contra uma história para mim?....- ele tinha medo do escuro? Natsu pensou, e devia se isso mesmo, e ela estava ali agora para ir fala com a sua mãe 


Natsu- desculpa.... eu tenho que ir embora.....- um suspiro pesado escapou de seus lábios, enquanto que seus olhos tentavam não fazer contato com os da pequena. Mas foi impossível não ver aqueles olhos pequenos, olhos que carregavam o medo 


Juni- por favor.........- seus bracinhos pequenos aprtevam com muita força o seu ursinho, a mãe dela estava a apenas alguns passos de distância deles, apenas bastava chama a Juvia e ir embora 


Natsu- ah...... tudo bem......- mas ele não fez isso, pegando a criança em seus braços- e lá em cima o seu quarto?- e seguindo suas instruções que eles chegam no quarto da criança. Um quarto que era iluminando pela luz de um abajur que ficava ao lado da cama- deitar aqui e.......- a colocando em sua cama, passando logo em seguida a pensar numa história da aula ele não precisou terminar 


Pois tirando um livro de debaixo do travesseiro que Natsu parou de pensar ao lê o título- mil e uma histórias....... legal, então Juni, qual você quer que eu lei.....- abrindo o livro, que não tinha mil e nem perto disso de história, Natsu a questionar. Deitando ao lado da criança, que se apoia em uma de seus braços segurando o seu ursinho 


Juni- qual que uma...... eu gosto de todas- claramente com sono, mas ainda esbosando um sorriso doce no rosto, Juni fechar seus olhos, mesmo que ainda não estivesse dormindo 


Natsu- ok..... então.....- ele começou a conta a primeira e a melhor que ele achou para a criança, no entanto, bastou chegar na metade da história que Natsu notou, ela não queria uma história, mas sim companhia


Ela já estava dormindo, no entanto Natsu não moveu um músculo, resolveu ficar lá um pouco, apenas para ter certeza que ela estivesse dormindo mesmo, como também estava com medo de acordar ela. Juni estava o abraçando, com muito carinho e gentileza, esboçando a todo instante aquele sorriso doce 


Mas...... tinha algo mais, Natsu sentia isso, aquela linda demonstração de afetor guardava algo mais. Algo que ele ainda guardava em sua memória e que nunca saíu. Algo que ele já compartilho e sentiu uma vez, era algo bom..... proteção, amor, carinho e felicidade, e apenas uma pessoa já avia o feito sentir aquilo


Juni- papai......


O amor de um filho po seu pai


E agora, talvez Juni estivesse o vendo como seu Pai- droga.......- já devia te passado um bom tempo, e retirando o braço da pequena de cima do seu, a ajeitando em sua cama e a cobrindo, Natsu pôde enfim ir embora- Natsu-sama......- contudo, assim que abrir, ou melhor empurra a porta que estava apenas encostada que Natsu dá de cara com a azulada, sendo que a mesma estava com suas bochechas rosadas.... bem rodadas


Juvia- eh...... o senhor quer......... quer passa a noite aqui?.......- e sem jeito, ela propõe, no entanto, quando ela levantar seus olhos que ela ver, nada, Natsu não estava mais ali, estava descendo as escadas para ir embora- Natsu-sama?


E sem saber o por que daquilo que ela vai atrás dele- oque ouver?! se Juvia tive dito ou feito algo Juvia sentir muito!


Natsu- chegar disso Juvia.......- antes que ele sumisse completamente em meio a escuridão, as palavras que estavam presas em sua garganta começam a escapa - se você tá me tratando tão bem assim por causa que eu salvei a sua filha deveria para...... eu não a salvei por que queria ou sabia quem era ela..... eu a salvei por que era uma das crianças mais perto de mim naquele momento........


Juvia-............


Natsu- eu vou fala com ela a respeito daquilo...... não precisar se preocupar, eu sei que quem você quer que ela chame de pai é o Gray..... boa noite- então ele sumiu, em meio a escuridão da noite


Na casa de Erza. O som da porta batendo, ou quase quebrando e muito alto, talvez tivesse acordado alguém- caramba......- e como já esperava, sua irmã ainda não avia chegado. E indo em direção a cozinha, Natsu se sentar, massageando seus olhos


Natsu-( ela só te trata tão bem.... po causar que você salvou a sua filha...... se não fosse po isso......)- cada  vez mais seus problemas parecia só está crescendo..... Sua relação com Erza..... a recém descoberta de seu segredo po Mira..... e agora isso, Juni- se você soubesse do que eu fiz..... da escolha que eu fiz.... você ainda iria sorrir para mim? 


Ele  não sabia mas nada, sua mente avia se tornando uma completar confusão. As coisas que fez e que dizer, eram o certo? avia feito a melhor coisa?.......


Natsu- não.... não pense nisso..... você prometeu...... não importa oque elas digam ou oque aconteça..... mesmo que elas te odeiem..... você ter que as proteger..... lembre-se......


Daquele dia. O dia em que tudo isso começou, e de quando, ele abandonou seus amigos e família. De quando ele se escondeu naquele buraco po dois dias, com medo das coisas, com medo que ele não pudesse luta mais...... 


Quando os gritos começaram...... mesmo quando sua família estava precisando dele- tudo que eu fiz foi me esconde......


.......................


Passado um tempo, agora com as luzes ligadas, com um sorriso no rosto, Natsu preparava algo leve oara quando sua irmã voltasse para casa- acho que...... caramba aqui só tem arroz.....


Mas isso teria que esperar- monstros.......- ele podia sentir até mesmo o cheiro, daquelas coisas grotescas e horrendas. Seu corpo já reagia aquelas presenças, que eram três......


Jellal- nossa....... então você existe mesmo- menos a presença que surgiu em sua mente- se bem que...... você é muito fraco


Ele procurar desesperado pelo dono daquela voz, no entanto nada e encontrado por seus olhos negros- bem..... depois nós falamos.... eu tenho que ir atrás de uma certa pessoa........- foi aí então que começou 


???- SOCORRO!!!!!!


O inferno avia voltado a bater em sua porta, coisas que ele nunca avia visto estava lá fora. A questão agora era, seria o memso que a sete anos? ou ele iria enfim abandona a sua humanidade?










Notas Finais


hum.... café com leite😤☕

Cometem✌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...