1. Spirit Fanfics >
  2. The Legend of Gashina >
  3. Fim e Início de uma Era

História The Legend of Gashina - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Olá Goiabinhas!
Se você leu a notificação e se assustou, tamo junto pq também estranhei essa repaginada, mas achei necessária depois de dois anos de fanfic.
Fiquem com o Penúltimo capítulo!😜

Capítulo 31 - Fim e Início de uma Era


Fanfic / Fanfiction The Legend of Gashina - Capítulo 31 - Fim e Início de uma Era

O silêncio que reinou pelo campo denunciava o menor movimento que Taehyung realizava para se aproximar dos três, ainda conscientes, que não se atreveram a se mover. Era acompanhado atentamente por Hoseok, esse que não ousava tirar os olhos das costas do alfa que carregava a espada de Gashina.

 

Jimin estava tentando enxergar seu amigo que se aproximava, mas tinha uma certa dificuldade para cumprir essa tarefa, pois além de estar totalmente cercado por seu alfa, sentia uma certa sonolência o atingir, fazia grande esforço para se manter acordado.

O rei o encarava bastante curioso, assim como Namjoon que parecia debilitado fisicamente. Toda atenção estava voltada para Taehyung, por isso todos puderam acompanhar o momento em que seu corpo fora coberto com uma fina camada de luz, desde a cabeça até os pés. Sua presença se tornou pesada, aumentando a tensão em cada passo que dava em direção ao trio. Não desviava o olhar de seu alvo, Namjoon.

Estando bem próximo dos três, esboçou um sincero sorriso ao passo que parecia respirar fundo. Cada segundo que o silêncio se fazia presente, a curiosidade e apreensão de quem acompanhava a cena aumentava. Lançou um olhar que parecia esbanjar orgulho por sua parte, causando um leve medo.

-Finalmente! Lutaram bem, devo lhes parabenizar e agradecer.-Se dirigia para Jimin e Jungkook, que se encararam trocando olhares confusos. Não só pelo que foi dito, mas por que a voz que escutavam não parecia ser de Taehyung.

-Quem é você?-Foi Jimin quem perguntou, pois estava preocupado com seu melhor amigo.

Taehyung se avaliou, olhando para seu corpo e roupas. Parecia confuso ao mesmo tempo que sorria, foi quando voltou seu olhar para a dupla que acabara de se levantar e se soltar do abraço, mas Jimin tentava se escorar em seu alfa, pois estava sentindo muito tontura e sonolência. Hoseok permanecia um pouco afastado de Taehyung e Namjoon ainda parecia lutar com seu próprio corpo.

-Fica difícil me reconhecer nessa forma, mas confesso que Kim foi um belo anfitrião.-Nada fazia sentido, e piorou quando o brilho no corpo de Taehyung aumentou ao passo que parecia se soltar do corpo do alfa.

A espada passou para a mão do corpo da mulher que começava a ganhar forma após se desgarrar do corpo do Kim, esse que após ter seu total controle retomado, caiu desacordado no chão, sendo amparado rapidamente por seu ômega que por nenhum segundo saiu de seu lado.

Todos os olhos que presenciaram tal cena se maravilharam, e não era pra menos, nem todos acreditariam se os quatro contassem que viram Gashina pessoalmente.

O deus que estava mais afastado dos outros dois, correu para acolher seu alfa o puxando até o seu colo e o envolvendo nos braços, estava preocupado demais e não conseguia pensar em outra coisa além de chamar pelo seu nome e chacoalhar o corpo. Ignorava qualquer coisa que estava acontecendo, ou que rumo seria tomado. Sentia que ele estava bem, mas seu lobo estava muito agitado e não deixava sua mente pensar com mais calma. Seu desespero aumentou quando viu algo escorrer do nariz de Taehyung, algo denso com a cor idêntica a da lâmina.

Namjoon ficou muito mais agitado com a verdadeira forma da deusa, ao mesmo tempo que parecia querer se afastar dela, lutava para se manter no lugar. Enquanto Jimin mantinha seu olhar cravado em Gashina, Jungkook percebeu algo nos olhos do outro rei. Seu olho esquerdo estava totalmente negro, assim como as veias que o cercavam.

A curiosidade se agitava pelo ar, isso até Gashina voltar para sua forma sem brilho. Jimin se soltou de seu alfa para tentar se aproximar de Tae, sua preocupação com seu melhor amigo que estava desacordado o deixava muito angustiado. Porém, não conseguiu se mover depois de perceber a presença de outro ômega correndo pelo campo para chegar até eles.

A deusa mantinha seu sorriso mesmo percebendo a aproximação de Jin, o que assustou Namjoon num primeiro momento, já que havia implorado para que o loiro não saísse do seu lugar de proteção.

Seu nariz parecia queimar enquanto tentava tragar oxigênio, suas batidas aumentavam em sincronia com seu medo e seus passos que aceleravam cada vez mais. Quando havia finalmente saído do castelo e alcançado o campo, seus olhos alertaram todo seu corpo para o que estava acontecendo. Mas não era o fato de Gashina estar se materializando diante de olhares atentos, e sim porque seu alfa parecia estar agonizando. Fora isso que o motivou a trabalhar cada vez mais rápido.

Quando finalmente chegou até Namjoon, praticamente se jogou no chão para, assim como Hoseok, acolher seu alfa. O maior parecia se acalmar ao lado de Jin, que ainda remexia em seu corpo a procura de qualquer machucado, além de seu olho esquerdo.

-O que aconteceu? Nam? O que é isso?-Perguntava tudo rapidamente e com sua voz trêmula por nervosismo, o que causava um contraste com as ações do deus, que mantinha seu olhar fixo no loiro e tentava sustentar um pequeno sorriso. Suas mãos cumpriam a difícil tarefa de acalmar a destra acelerada de Jin-O que vocês estão fazendo?!-Finalmente elevou seu olhar para Gashina, não evitou de se assustar quando reconheceu seu rosto, mas manteve seu olhar firme. Teria continuado assim se Namjoon não tivesse finalmente conseguido agarrar sua mão e levá-la até seu peito, onde o ômega conseguia sentir sua batida acelerada por baixo da couraça, o que o assustou no começo, mas ganhou sua atenção.

-Está tudo bem.-O rei sussurrou para seu ômega enquanto apertava sua mão e sorria, mas a única coisa que queria de verdade, além de acalmar o loiro, era olhar para seu rosto e focar em seus olhos, para que ficasse gravado em sua memória.

-Não! Não está nada bem!-Voltou a olhar para Gashina-O que você está fazendo aqui?!-Estava nervoso, e na visão dos outros deuses, tinha razão.

Hoseok ainda mantinha sua missão de acordar Taehyung, mas a conversa estava ganhando sua atenção. Jungkook não conseguia dizer nada, e aguardava o desenrolar de Gashina enquanto amparava seu próprio ômega. Jimin tentava manter sua sustentação no rei, pois suas pernas queriam fraquejar junto a sua mente que não aguentava mais estar acordada.

-É um pouco complicado de explicar.-A deusa parecia exitar em continuar a falar, e por tal receio acabou sendo acolhida por um olhar mortal por parte de Seokjin.

-Lhe garanto que consigo entender.-Disse cerrando os dentes, sem prestar atenção na agitação de Namjoon, e o quanto ele apertava sua mão.

Gashina suspirou, pois sabia o peso das palavras que diria. Olhou para os outros que compunham a cena, todos pareciam compartilhar da curiosidade e ideia de Jin. A deusa pura então voltou seu olhar para o ômega que estava prestes a explodir de nervosismo, e não para o pedido silencioso de Namjoon. Um pequeno aceno de cabeça implorando para que não continuasse. Fechou seus olhos e suspirou novamente, quando finalmente abriu os olhos, teve certeza de que quando começasse não poderia parar.

-Acontece... Que o coração que você está sentindo bater não é de Namjoon... É de Ilsan.

Os coadjuvantes expressaram reações confusas, pois aquela sentença não fazia sentido, mas ainda não se atreviam a perguntar algo, bem diferente de Jin. Não entendeu o que ela havia dito, se agitou por tal confusão que se formava em sua cabeça.

Voltou seu olhar para o mais velho em busca de alguma possível explicação, mas tudo que recebeu foi um olhar abatido. Quando olhou para Gashina novamente, sua fala sumiu de sua boca, pois não sabia o que dizer ou perguntar.

-O coração de Namjoon parou há cinco anos... Desde então a batida que você sente é o de Ilsan... Por isso...-Ela não conseguiria explicar coisa alguma para Jin naquele momento, foi por esta razão sua resposta não respondeu nada, mas ainda precisava dizer o que aconteceria-É por isso que preciso matá-lo.

A última frase, mesmo nos ouvidos de quem desejava sua morte, causou um grande desconforto.

Mas no ômega loiro, a sensação ultrapassou o que seria descrito como desconforto. Ouvir aquilo se comparava a pior dor já sentida, mas sua cabeça virava um coquetel de informações vazias. Aquela dor tão repentina e torturadora o fez derramar pequenas lágrimas de nervosismo e desespero.

-O quê?! Você só pode estar brincando!-Riu com sarcasmo, mas parou quando voltou seu olhar para Namjoon e ele parecia tranquilo com sua situação-Que merda que ela tá falando Nam? Você não pode permitir isso! O que tá acontecendo?!-Remexia o corpo de seu alfa na tentativa de uma resposta.

-Jin! Jin!-Tentou acalmá-lo, e conseguiu isso quando soltou a mão que segurava perto do peito e encostou no rosto do ômega. Me que o loiro estivesse chorando, parecia mais calmo sob o toque do mais velho-Está tudo bem, tem que ser assim.-Quando terminou de sussurrar, sorriu para tentar amenizar a situação, mas seu ato falhou.

Os protestos de Jin retornaram, e Namjoon se agitou ainda mais, foi foi quando virou seu rosto rapidamente para Jungkook e Jimin. Ao contrário do sorriso manso que apresentava para seu ômega, sua expressão poderia ser definida como um sorriso desafiador.

-Vocês nunca vão me vencer crianças!-Levou seus olhos até a deusa que encarava toda a situação com um pingo de preocupação, mesmo que pudesse intervir em um segundo-E você! Nem pense que vai se livrar de mim, sua va...-Parecia lutar contra o próprio corpo, voltando sua atenção para Jin que o olhava preocupado-Isso não tem como acabar bem, preciso que você seja forte.-O ômega se sentia cada vez mais machucado, pois não entendia e não conseguia aceitar a situação.

-Olha Jin, eu sei que vai ser difícil de enxergar tudo agora, e não te culpo, mas se você...-Quando recebeu o olhar triste e desesperado de Jin, foi quando sua preocupação aumentou. Novamente aquele líquido escorreu pelo nariz do loiro, esse que se apressou a limpar novamente sem quebrar o contato visual. Ele estava livre de qualquer resquício de Ilsan, e na cabeça da deusa não fazia sentido a ânsia de Jin em proteger Namjoon, mesmo que por um instante estivesse arriscando sua vida-Vai ser muito mais difícil do que eu imaginava.-Sussurrou para si mesma ao constar que os sentimentos do loiro eram os mais puros e verdadeiros, sem qualquer tipo de interferência pelo DNA de Ilsan.

Visto que não ganharia mais alguma explicação da deusa, voltou seu olhar para Namjoon em busca de algo que fizesse sentido.

-Nam...-Jin disse com a voz trêmula por falhar na missão de conter as lágrimas, e tudo que ansiava era por uma explicação coerente, mesmo que soubesse que não a receberia.

-Jin, você não vai conseguir entender nada agora, mas prometo que tudo vai se encaixar. Mas até lá, preciso que você seja forte e que cuide de Ilsan.-O loiro não conseguia se manter forte perante tal pedido. Queria que Namjoon dissesse que iria ficar tudo bem, e que era tudo apenas uma mal entendido, mas não era, por isso seu desespero aumentou.

-Não! Não Namjoon! Isso não pode estar acontecendo, eu preciso de você!-Agarrou uma das mãos do rei e a levou até sua barriga-Nós precisamos de você.-Sussurrou a última parte como se estivesse contando um segredo, mas todos entenderam o que o ômega queria dizer, e não sabiam se deveriam ficar surpresos ou sentirem pena pelo que estava prestes a acontecer.

-Isso não é verdade, você é forte. Sei que vai conseguir.-Com muito esforço, conseguiu se sentar e ficar na mesma altura que Jin, colocou sua mão livre em seu rosto banhado em lágrimas e sorriu novamente-Você é mais forte do que imagina, foi por isso que eu me apaixonei por você, e é por isso que também está sendo difícil para mim. Não me importaria de perder a coroa, eu só queria você ao meu lado e construir uma família. Eu apenas queria mais tempo com você, mas não pensei nas consequências que isso traria. Mas tem que ser desse jeito agora, e sei que vai ficar tudo bem.-Se aproximou de seu ômega e o beijou delicadamente, muito diferente do que era acostumado. Seu beijo tinha um gosto salgado, por ser banhado de lágrimas de dor do ômega e por ser o último momento que teria perto da pessoa que o rei mais amava. Quando se separou do loiro, segurou suas duas mãos e encarou seus olhos por uma última vez-Só prometa que nunca vai se esquecer do quanto eu te amo.

Jin queria prometer, mas ainda não conseguia aceitar o rumo das coisas.

Enquanto Namjoon tentava acalmar o ômega, Gashina sabia que precisava separar os dois, mas como era ela a pessoa quem iria matar Namjoon, sabia que não seria bem recebida por Seokjin. Por esta razão teve que recorrer aos outros componentes da cena.

Ao olhar Hoseok, viu que ele ainda tentava em vão acordar seu alfa, e com certeza não o largaria até conseguir. E sua alternativa foi para o casal que se comovia com a cena em questão, pois sabiam um pouco sobre a dor da separação, mas naquele caso, nunca haveria um retorno para eles.

Jimin e Jungkook estavam distraídos com a cena, mas logo perceberam o olhar da deusa implorando por ajuda sobre os dois. Trocaram olhares, concordando em silêncio sobre o que deveriam fazer. Por isso se soltaram e foram na direção do ômega, mesmo que Jimin demonstrasse um grande desgaste, algo que a deusa compreendia bem o motivo.

-Não Namjoon! Não faz isso comigo! Você me prometeu que seria pra sempre!-Gritava numa forma desesperada para que desistissem da ideia, mas isso nunca aconteceria. Quando sentiu Park e Jeon tentando puxá-lo, foi quando começou a se debater para chegar mais perto de seu alfa, ainda gritando coisas indecifráveis.

Mesmo que fosse mais alto, Jimin e Jungkook conseguiram tirar o ômega desolado do lugar. O que mais havia dificultado essa tarefa, fora o fato de Namjoon, mesmo entendendo o que deveria acontecer, não conseguir deixar Jin ir, por tal motivo tentou segurar sua mão até o último segundo que conseguiu. Mesmo que estivesse se debatendo muito, depois de muito esforço do rei e do outro ômega, foi levado para longe de seu alfa.

Seus protestos foram ignorados, até que finalmente eles pararam numa distância considerável, suas forças estavam esgotadas, por isso desistiu de lutar e apenas permaneceu ajoelhado na grama, enquanto era rodeado pelos dois que se abaixaram para tentar acalmar o marido de seu inimigo há pouco conhecido. Eles mantinham seus olhares fixos no loiro que ao mesmo tempo que parecia se desesperar, tentava se acalmar.

Jungkook não sabia como reagir, estava preocupado com o desenrolar da cena e a bagunça que aquilo tudo estava se tornando o impedia de pensar direito. Já Jimin, mesmo que estivesse quase se entregando ao cansaço, tentou dizer algumas palavras consoladoras, que soou idiota nos ouvidos de Jin.

Depois de ouvir consolos fúteis por parte do ruivo, lhe lançou um olhar que deveria demonstrar seu desprezo por tal ato, mas depois de analisar seu rosto por um breve segundo, mesmo que estivesse com a visão embaçada por causa das lágrimas, teve a impressão de conhecer aquele homem. Limpou os olhos para enxergar nitidamente o ômega a sua frente, e quando fez isso, sua mente revirou rapidamente suas memórias em busca daquele rosto.

-Minie?-Sussurrou, mas fora o suficiente para que Jimin pudesse ouvir, o que o assustou.

Park tinha uma certa fama, mas nunca haviam se encontrado antes. Porém, o que mais o tinha deixado confuso era o uso daquele apelido, pois apenas poucas pessoas o usavam. Ele não conseguia reconhecer o loiro, pois se lembrava de poucas coisas de sua infância, e por consequência, acabou se esquecendo da pessoa para quem deu seu mais fiel companheiro, Aquiles.

Eles teriam mais tempo para aquele momento estranho, mas a cena que acontecia lá trás acabou impedindo qualquer tipo de sentimento de reencontro. Pois enquanto os dois ômegas apenas ouviram a espada cortando o ar até se enterrar no corpo de Namjoon, Jungkook acompanhou tudo.

Viu o exato momento em que Gashina acertou Namjoon, foi quando uma areia negra pareceu ter se desprendido do corpo do Deus. Também viu quando caiu já sem vida, e o fato de não agonizar fez sentido, pois Namjoon já deveria estar morto.

Ao contrário de JK que acompanhou a cena visualmente, Jin apenas sentiu o que estava acontecendo. Depois de ouvir a espada, sua marca começou a queimar como brasa e um sentimento de vazio começou invadir seu corpo. Respirar havia se tornado uma tarefa difícil, seu coração começou a acelerar enquanto sentiu seu corpo tremer. Aquela sensação era assustadora e devastadora, mas o motivou a encarar a cena por cima do ombro. Ao ver o corpo, já sem vida, de seu marido caído aos pés da deusa. Depois de finalmente terminar de processar tudo que havia acontecido, se levantou, sendo acompanhado por Jimin e Jungkook, mas depois começou a correr como nunca havia feito, até finalmente se jogar sobre o corpo de Namjoon.

Suas lamentações eram altas e escandalosas, chorava e gritava enquanto chacoalhava o corpo do rei. Não percebeu quando Jungkook e Jimin começaram a ser aproximar, muito menos viu o momento que a deusa se abaixou ao seu lado. A dor que o consumia, tanto física quanto emocional, o impedia de perceber qualquer coisa ao seu redor.

A deusa não disse nada, e nem tentou dizer algo para confortá-lo, apenas se aproximou devagar para tocar nos fios loiros, e assim que concluiu seu objetivo, Jin pareceu ter pego no sono e caiu desacordado ao lado de seu alfa.

-O que você fez?-Jimin perguntou quando já estava próximo a Gashina.

-Ele está apenas dormindo, ficará bem quando acordar.-Afirmou sem ao menos olhar para quem havia questionado. Ajeitou sua postura e se direcionou a Hoseok e Taehyung, que ainda permanecia desacordado. Pisou firme até eles, enquanto percebia que o deus apertava seu alfa desacordado por medo da aproximação da deusa-Quanto a Taehyung, apenas terei que...

-Antes de fazer algo...-JK a interrompeu dando alguns passos na mesma direção, mas parou quando sentiu Park agarrar o seu pulso-Pode tentar explicar tudo que está acontecendo? Por obséquio.-Sua primeira resposta foi uma respirada funda de Gashina, mas após receber um olhar cansado da mesma, teve certeza de que finalmente poderiam entender o que estava acontecendo.

-Tudo bem, vamos por partes...

Cinco anos antes Namjoon havia adoecido, todos de seu reino haviam perdido a esperança, e com razão, pois enquanto todos dormiam e Jin havia finalmente se entregado ao cansaço, o coração do rei havia parado. Deveria ser encontrado morto na manhã seguinte por seu marido, mas isso não aconteceu. O que houve na verdade, foi que quando Namjoon estava chegando em Yuhwa, Ilsan impediu sua jornada. Ele queria poder possuir o corpo de Namjoon e só poderia fazer isso com sua permissão, mas é claro que ele não permitiria isso, e Ilsan sabia que ele não iria se render tão facilmente. Por isso ameaçou Jin.

Jurou que tinha força o suficiente para controlar o corpo de Namjoon por poucos minutos apenas para queimar seu esposo, impedindo sua passagem para Yuhwa, o que seria impossível, mas o alfa não queria arriscar, e por um breve momento de medo e egoísmo, aceitou a proposta de ser a ponte de Ilsan para Gashina.

Porém, o acordo era o seguinte: Ilsan estaria no controle quando estivesse em reuniões e decisões da guerra que previa, mas Namjoon tomaria o controle quando estivesse com Jin e JV. O que acontecia, no entanto, é que Ilsan parecia querer quebrar algumas cláusulas do acordo, e querendo aumentar seu tempo de domínio, por isso Nam se esforçava para controlar o deus puro, para que ele não o dominasse por completo, o que acabava lhe causando uma enorme fadiga após cada reunião.

Ilsan planejava dominar os quatro reinos desde que havia perdido seu direito de herdar a espada de sua mãe, seu ódio crescia e a única coisa que ele realmente queria era destruir o reino de quem lhe roubou o direito de primogênito, Busan. Mesmo depois da morte de sua mãe, planejava uma forma de destruir o reino de seu irmão sem que fosse associado diretamente. Por esta razão, esperou anos e anos para que se esquecessem de sua fúria contra seus irmãos, para que a espada virasse apenas uma lenda e para que pudesse retornar sem ser notado por quem quer que fosse seu inimigo.

Mas claro, Kim Namjoon era um Deus Alfa, assim como Ilsan, então o DNA lupino dos dois iriam criar um atrito, então Ilsan precisou se separar e fragmentar seu lobo.

Sendo assim, sua parte narcisista acabou afetando JV, por isso sentimentos voltados ao Deus foram despertos, era o lobo de Ilsan apaixonado por seu mestre. Outros fragmentos acabaram passando para um trio de garotas que não sofreram nenhum efeito, mas aprenderam a controlar o fragmento recebido. Alisa ficou com o domínio das lembranças, que fora usado em Park. Dani ficou com a parte sádica, na qual foi usada em Yoongi. Sua parte persuasiva, por responsabilidade de Annie, acabou indo parar num objeto, num espelho mais especificamente, mesmo espelho dado para Mariana. Jin não recebeu nenhum fragmento, mas seu efeito colateral foi a força e agressividade, adquiridos pela mistura do Versticol de Ilsan e Namjoon misturados.

Ele poderia simplesmente vencer a guerra, pois nada pode matar um Deus Puro, com excessão de outro Deus Puro, o que já não existia há muito tempo em Gashina. Sua espada ainda era guardada em Daegu, e mesmo que Yoongi estivesse sobre o controle do lobo de Ilsan, apenas Min sabia do paradeiro da espada, já Ilsan não. Que nem se deu ao trabalho de procurar pela mesma.

Gashina precisava voltar, mas precisava jogar da mesma forma que seu filho. Não precisaria da permissão para possuir um corpo, apenas precisava procurar pelo escolhido com a marca que ligava a pessoa a espada, que no caso era um descendente de Yuhwa, sua amante. Yuhwa, casada com um alfa da alta classe com quem já tinha filhos, foi queimada após ser pega em adultério, e foi morta por ser ômega e namorar com Gashina que também era uma. A Deusa não queria revelar sua verdadeira forma, assim como seu marido que a acompanhou enquanto fugiam, ele sempre soube da preferência da deusa, por isso sabia da relação dela com Yuhwa. Ele já havia orientado ela dizendo o quanto era arriscado, mas nunca proibiu o relacionamento. Entretanto, os dois precisavam de descendentes, de deuses puros, mas quando nem sabia ainda que estava grávida de Busan, seu marido veio a falecer.

Foi quando Yuhwa se arriscou a passar mais tempo com Gashina, e também foi quando foi pega. Gashina, após ver sua amada ser queimada, não conseguiu controlar sua verdadeira natureza, assim se revelando inteiramente. Depois desse acontecimento, as pessoas esqueceram do que haviam feito e começaram a adorar Gashina. A puseram na realeza e renomearam seu mundo. Após o nascimento de Busan, quatro reinos foram dividos em homenagem aos quatro últimos deuses puros, tendo o trono reservado para cada um. Mas Gashina nunca a esqueceu, por isso criou o mundo dos mortos e deu o nome dela para o mesmo, mas as pessoas que morrem queimadas não conseguem chegar até esse mundo, sendo assim, suas almas vagam por um infinito vazio em busca de uma saída inexistente.

Sua descendência foi marcada, com o intuito de quando Gashina precisasse retornar, pudesse possuir quem tivesse o sangue de Yuhwa nas veias, assim como Taehyung.

Ela não controlava seu receptor, apenas traçava seu destino com a espada, para que mesmo que o escolhido nunca tivesse contato com a lenda, fosse atraído até a espada.

-Sendo assim, Taehyung era meu receptor. Namjoon era Ilsan. Mariana, JV e Yoongi eram o lobo.-Finalizou sua explicação calmamente, como se estivesse explicando a coisa mais básica do mundo.

Todos que ouviram a história não conseguiam dizer nada, pois ainda tentavam digerir tudo que acabaram de ouvir. Na cabeça do rei de Busan, as coisas até que começaram a fazer sentido mais rapidamente do que Jimin e Hoseok. Os ômegas não se importaram com toda o resto de história que não envolvia Tae, estavam preocupados com o alfa.

-E o Tae? Por que ele não acorda?-Jung perguntou realmente preocupado.

-Ele não acorda porque seu corpo precisa se recuperar da possessão, mas eu poderia lhe ajudar e fazer com que acorde rapidamente.-Os dois ômegas pareciam estar satisfeito com o que parecia uma proposta-Mas o problema é,-Olhou fixamente para Hoseok-a memória dele foi afetada, pois quando o possuí, comecei a absorver todas as memórias dele, o que significa...

-Que ele não vai se lembrar de mim.-Hoseok concluiu baixo.

-Infelizmente sim.

-E eu?-Chamou Park-Ele vai se lembrar de mim?-Perguntou realmente preocupado.

-Quando conheceu ele, ainda não agia como um ômega, não é?

-Como assim?

-Tae pode ter apresentado umas ações diferentes do que é considerado normal para um alfa. Diferente de Ilsan, eu não controlava suas ações, como dito, eu apenas precisava garantir sua ligação com a espada, mas meu lobo não tinha controle. Ele acabava afetando o lobo de Taehyung, que mesmo sendo alfa, não poderia competir com o lobo de uma deusa pura. Sendo assim, você conheceu ele antes que ficasse mais carente, carinhoso...manhoso?

-Pensando bem agora...-O que era uma tarefa difícil naquele momento, devido a fadiga-Acho que conheci ele antes disso... Já éramos melhores amigos antes disso.

-Então nesse caso, acredito que ele se lembrará perfeitamente de você.-Anunciou satisfeita, já quando olhou para Hoseok, ficou preocupada-E você?-O deus estava triste, por isso apenas baixou sua cabeça e fez um sinal negativo-Eu sinto muito. Mas se serve de consolo, a memória lupina dele não vai se esquecer de você, então, de alguma forma ele vai saber quem você é.-O ômega assentiu ainda sem encará-la.

Gashina então se abaixou até ficar em sua altura, se aproximando alfa, limpando o líquido luminoso que saía de seu nariz.

-O que é isso?-Sussurrou e não a olhou quando perguntou.

-Isso acontece quando um corpo possuído é liberto. Assim como aconteceu com Yoongi antes de falar com vocês, pois o fragmento recebido por ele era fraco, porque tinha ficado muito tempo inutilizado, fazendo com que sua parte do lobo fosse morrendo aos poucos, até desaparecer completamente. Aconteceu quando ele matou Mariana e quando Jin matou a JV. Namjoon foi o mais afetado, pois com todas as partes do lobo de Ilsan sendo destruídas, ele tinha finalmente retomado o controle total de seu corpo, apenas tinha que se esforçar para controlar até o último segundo. Já Seokjin, mesmo que não tenha sido possuído diretamente, possuía um pouco de Ilsan. E Taehyung, isso é apenas a minha marca nele.-O deus acenou positivamente para demonstrar que havia entendido sua explicação.

-Eu acho melhor...-Começou a falar um pouco sem jeito-O Tae acordar do lado de alguém que ele vai reconhecer.-Terminou sua sugestão sentindo uma pontada em seu coração.

-Você está certo. Jimin, poderia ajudar?-O ômega nem pensou muito, e rapidamente já estava trocando de lugar com Hoseok. Não fora acompanhado por JK, pois ele ainda não estava a fim de chegar perto do traidor de Busan.

Jung apenas ficou acompanhando tudo de uma certa distância dos dois, e ainda criava coragem para encarar Jungkook diretamente. Gashina parecia estar exitando em seu trabalho, gerando uma certa impaciência no ômega.

-Você não disse que era bem simples? Ande logo.

-Eu sei, é só que às vezes a memória volta aos poucos. Então se ele começar a lembrar de algo, não force, as memórias poderão vir devagar.-Depois de dadas as devidas advertências, passou sua destra com uma camada luminosa sobre a testa do alfa. A feição dele pareceu corar, ao passo que uma respiração mais pesada começava a ser ouvida, e Hoseok pôde ficar mais tranquilo-Ele irá acordar daqui a pouco... Assim como todos aqui, e é melhor eu não estar aqui quando isso acontecer.

 

Os três que ainda estavam conscientes não viram o momento que Gashina desapareceu, até porque, era como se ela nunca de fato estivesse ali. Tinham a breve lembrança de vê-la, tinham o conhecimento de tudo que aconteceu, sabiam explicar cada caso naquele lugar, mas nunca saberiam dizer quem havia lhes explicado sobre a guerra. A única coisa que poderia provar sua presença, fora um diamante com uma pequena luz ao lado da pedra azul do castão da espada que retornou até seu abrigo com uma nova pedra, esperando para chamar pelo próximo escolhido.

Quando Taehyung começou a se remexer, foi o momento que todos os guerreiros começaram a se levantar sem entender exatamente o que havia acontecido. Hoseok olhou o momento em que Tae despertou, mas decidiu ir embora quando isso aconteceu, precisava reunir seu exército e seguir para seu reino. Jin despertou de um sonho para embarcar num pesadelo, pois quando viu o corpo de seu amado ao seu lado, seu mundo desabou novamente. Ninguém viu quem o matou, e não se lembravam do momento que Jin entrou no combate, mas tiveram que ajudar o loiro a voltar para o seu reino. Yoongi também não teve seu assassino decretado, pois não acreditavam em um possível suicídio. Seu corpo seria carregado até o castelo, onde seria velado e posteriormente enterrado ao lado de sua esposa.

Tae despertou por poucos segundos, demonstrou estar confuso com tudo e depois apagou novamente. Jimin pegou o diamante, já que fora quem o encontrou e mostrou para Jungkook, que guardou como uma oficialização do fim da guerra.

 

Todos cavalgavam silenciosamente, o que deveria ser um brado de vitória era tomado pelo vazio. E estavam saindo no mesmo ritmo que haviam chegado, algo que não fazia sentido, mas o clima estava mais leve.

Taehyung ainda não havia acordado, mas já estava fora de perigo. Park ainda estava cansado, por isso estava sendo levado por Jungkook. Da mesma forma que o rei carregou o ruivo quando sofreu da overdose, o carregava.

Jimin ainda lutava contra o cansaço, mas essa tarefa estava sendo difícil enquanto descansava sua cabeça bem perto do pescoço de seu alfa, e a cada fungada, sentia o cheiro inebriante dele. Porém, a única coisa que o mantia desperto era a notícia que precisava dar para Jungkook.

-Então... Você cumpriu sua promessa.-Sussurrou enquanto mantinha seus olhos fechados, prestes a dormir.

-Como?

-Sua promessa, disse que ficaríamos bem.-JK sorriu ao ouvir a voz rouca de seu ômega ao lembrá-lo do que havia dito.

-E agora... Vamos ser só nós dois.

-Por pouco tempo.-Jungkook se assustou ao ouvir tal afirmação, por isso encarou seu ômega, mesmo que estivesse quase dormindo, e esperou por alguma explicação.

-O que... Você quer dizer com isso?-Perguntou realmente preocupado.

-Vamos ser só nós dois... Por mais oito ou nove meses.

O rosto do deus passou de uma expressão preocupada, para uma expressão suavizada... Mas de pura confusão.

-Jimin... Jimin, o que você está dizendo?-Tentou até chacoalhar o corpo do ruivo, mas ele já tinha finalmente pegado no sono.

Depois de um tempo pensando no assunto, finalmente entendeu a deixa de Park. Segundos passaram quando ele processou toda a informação, e um sorriso largo brotou em seu rosto. Começou a rir baixo, ao passo que apertava o ruivo em seus braços e distribuía beijos em seu rosto. O rei queria fazer festa, gritar para todos que seria pai ao lado da pessoa mais incrível de toda Gashina, mas ainda não haviam anunciado nem o noivado, e não faria isso sem Jimin estar ao lado dele.

-Eu te amo.-Sussurrou no seu ouvido, mesmo que estivesse desacordado.

 

 

Três Meses Depois...

 

Em Daegu...

 

Não há muito o que se contar sobre esse reino, nada além de que o sistema político teve de ser alterado.

Com a morte de Yoongi, o trono não tinha nenhum herdeiro verdadeiro, pois o Deus Rei morreu sem deixar filhos, logo o reino de Daegu foi o primeiro dos três a quebrar a tradição de apenas Deuses poderem governar.

Como Yoongi não tinha descendentes, tiveram que mudar a linhagem para a família de Lisa. Uma irmã mais velha foi achada e levada ao trono, seu nome era Kriss, era uma ômega e casada com Rousso.

Juntos esperavam pelo primeiro filho.

 

Em Busan...

 

Mesmo que os preparativos para o casamento real estivessem a todo vapor, outros personagens nos interessam.

Três meses haviam se passado, e Hoseok ainda lutava para ser aceito e perdoado. Aos poucos sua presença foi normalizada pelo reino, já que sempre ficava por perto para ficar ao lado de seu alfa, mesmo que esse ainda tivesse um pouco de dificuldade em assimilar as coisas em relação ao Deus Rei de Gwangju.

Ele já tinha recuperado muitas lembranças, mas o que ele não entendia era o comportamento de seu lobo ao lado de Hoseok. Estava trabalhando devagar com suas memórias, e mesmo que Jung tivesse voltado a sua cabeça e sentimentos tivessem sido despertos, sentia o receio por causa do que Hoseok havia feito.

 

-Você tem que entender que eu me lembro de você.-Os dois conversavam no mesmo jardim que costumavam se encontrar, era uma forma de ajudar a reativar suas lembranças-Só que eu ainda tenho problema em organizar minha cabeça.-O ômega escutava bem desanimado, era seu último dia de viagem. Depois só retornaria brevemente para o casamento de Jungkook e Jimin.

-Eu entendo isso, mas não está sendo muito fácil pra mim.

-Então se coloque no meu lugar, e imagine que você perde a memória e depois descobre que a única pessoa que você amou, te usava pra passar informações pra outro reino.

-Isso não é verdade.

-E como eu vou saber?-Estava cansado daquela insegurança, assim como Hoseok estava cansado de tentar provar algo que sabia que nunca conseguiria explicar.

-Tudo bem, você está certo. Acho melhor apenas seguirmos em frente, pois sinto que só estou te fazendo perder tempo.-Confessou desanimado enquanto passava ao lado do alfa, sua intenção era voltar até o seu quarto, arrumar suas coisas e voltar para seu reino.

Quando o ômega sumiu do campo de visão de Taehyung, foi a vez dele sair do jardim e seguir para seu quarto. Ignorou cada pessoa que cruzou seu caminho, e assim como havia feito várias vezes, começou a apertar os pingentes das correntes em seu pescoço.

Ao chegar em seu quarto, fechou a porta e sentou em frente a escrivaninha que tinha. Retirou os colares que usava, jogou a sua na mesa e segurou a que seria de Hoseok. Encarava o pingente com o símbolo de ômega, enquanto respirava fundo e apoiava sua cabeça com a mão livre sobre a mesa.

-Toc toc?-Jimin anunciou quando entrou.

-Oi Jimin.-Disse desanimado depois de recolher os colares.

-Como as coisas estão?-Perguntou preocupado enquanto se aproximava do melhor amigo e sentava na mesa.

-Confusas.-Confessou abatido-Eu sei o que tô sentindo, eu lembro de tudo que ele fez.-Seu tom parecia triste-E é esse o problema, eu lembro de tudo que ele fez.-Encarou seu amigo na busca de algum apoio, mas tudo que encontrou foi um olhar de pena.

-Eu não sei muito bem o que dizer, era você que me aconselhava.-Riram baixinho-Conversou com ele?

-Por três meses. Mas parece que ele está indo embora definitivamente.

-E você vai deixar?

-O que eu deveria fazer? Conversamos por meses, mas eu não consigo não sentir receio em ficar com ele.

-Se estivesse conversando comigo há três meses, diria que era apenas para enxotar ele da sua vida. Mas agora, eu diria para conversar e entender o lado de Hoseok.

-Que lado? E conversar sobre o quê?

-Eu não sei, mas se eu não tivesse conversado com Jungkook, não estaria planejando meu casamento e nem esperando por um filho.

-Mas a mentira de JK não custou milhares de vida.-Jimin concordou em silêncio com seu amigo.

-Bem, seja como for, sei que irá fazer o que acha certo. Preciso ir agora, senão meu casamento só vai ter cookies e chocolate quente.-Pulou da mesa e saiu rapidamente.

Tae ainda pensou por alguns minutos antes de sair, rumo ao quarto de Hoseok. Quando chegou, entrou sem bater e o encontrou finalizando sua última mala. Não demorou muito para que o ômega percebesse sua presença, foi quando o olhou e expressou uma certa tristeza.

-O que veio fazer aqui?-Perguntou quando guardou sua última peça.

-Conversar.-Fechou a porta e andou para o meio do quarto.

-Se não me engano, acabamos de fazer isso.-O encarou.

-Você tem razão, mas passamos três meses conversando sobre mim, mas agora...-Sentou na beira da cama-Acho que precisamos conversar sobre você.-Sorriu amigável enquanto esperava Hoseok se aproximar e sentar ao seu lado.

-O que você quer saber?-Ele não gostava de falar do seu passada, mas naquela altura, aquilo não parecia fazer qualquer tipo de diferença.

-Bem... A verdade. Por que você veio para cá?

-Sobre isso?-Mesmo que fosse uma pergunta, Taehyung acenou positivamente para que continuasse com a história-Bem, como você bem sabe, normalmente apenas alfas podem governar, já que deuses ômegas costumam ser um pouco... raros. Como eu era o único herdeiro, meu pai quis me treinar para agir como um alfa. Ele fez isso pensando em me ajudar, já que ômegas não são bem vistos no quesito liderança. Mas ao invés disso, ele acabou me criando de uma forma que eu não conseguisse me enxergar numa posição de poder. Porque mesmo que eu agisse com um alfa, eu ainda seria um ômega, e isso acabou me gerando inseguranças e me fez sentir muito medo. Quando tive que assumir o trono, quis simplesmente sumir e renunciar o título, mas como não tinha outro herdeiro eu precisava ficar. Um dia antes da minha coroação, Namjoon veio até mim e me fez a proposta de juntarmos nossos reinos. Como eu estava desesperado por uma saída, concordei com ele. Nunca entendi o verdadeiro motivo da guerra, e meu pai tentava me proteger fazendo com que eu não soubesse de nada sobre a mesma. Então achei que seria certo eu lutar ao lado da primeira pessoa que demonstrasse algum tipo de suporte, e como eu não estava raciocinando direito fiquei ao lado dele... Até vir para cá.-Um silêncio se esbeleceu por um tempo, e visto que Taehyung não iria comentar nada, decidiu continuar-No começo até que era bem fácil o serviço, não tinha muito o que dizer e parecia que a guerra nem havia começado de fato. Mas depois que nós começamos a namorar e o Jungkook foi coroado e nós começamos, tudo começou a ficar mais difícil, e foi quando a guerra pareceu começar de fato e começaram a ficar mais sérios. Eu até tentava mudar algumas informações, ou desviar Namjoon do verdadeiro rumo das coisas, mas já havia feito muitos estragos.-Ficaram em silêncio por alguns minutos sem se encararem.

-Você... Você se arrepende disso?

-É óbvio! Me arrependo toda vez que lembro o que Yoongi fez com o Jimin, o que aconteceu com JK. E principalmente quando eu lembro que quase perdi você.-Foi a primeira vez que se encararam depois de toda a conversa-Mas é claro que nada disso justifica o que eu fiz, e nunca vai apagar as consequências.-Não quis esperar nenhuma resposta da parte do alfa, por isso se levantou decidido a ir embora de uma vez-Bem, eu preciso ir agora. Até o casamento.

-Hoseok, espera!-Pediu quando se levantou rapidamente.

O ômega não disse nada, apenas se virou para encará-lo. Viu quando Tae começou a remexer em seu bolso e pareceu ter encontrado o que procurava, e após fazer isso, esticou uma corrente dourada que prendia um símbolo ômega. Quando entendeu que deveria pegar o calor, assim o fez com relutância. Encarou por um breve momento o pingente e voltou a olhar para Tae.

-Foi meu pai quem me deu, uma pequena tradição de família.-Puxou seu colar exibindo o símbolo Alfa-Me deu de aniversário como uma forma de mostrar que não importa o que aconteça, eu nunca deixaria de ser seu filho. E essa corrente seria para a pessoa que estaria ao lado de seu filho.-Foi Hoseok que planejou aquele encontro entre pai e filho, mas ficou surpreso com os resultados, já que Kim havia escondido aquilo dele.

-Tae, eu não posso aceitar.

-Eu não lembro perfeitamente de tudo, mas sei que confiei minha vida e de meus amigos a você, e você honrou esse voto.-Se aproximou do ômega que se demonstrava um pouco abalado-Todo mundo merece uma segunda chance. Não vai ser do tipo que vamos voltar a ser o que éramos antes, mas vamos apenas tentar devagarinho.-Hoseok parecia estar a beira de chorar com o que ouvia, afinal, esperava ter uma rejeição de seu alfa-Pode ser?

-Sim! Sim! Sim!-Se esqueceu de todo clima pesado que ali estava instaurado há poucos minutos, e apenas trouxe seu alfa para perto com um abraço apertado. Não evitou de deixar pequenas lágrimas rolarem pelo seu rosto, principalmente quando sentiu seu abraço ser retribuído na mesma intensidade.

-Mas eu só tenho uma condição.-Sussurrou para seu ômega, que se desvencilhou do abraço para encará-lo.

-Qualquer uma!-A primeira resposta que teve foi um sorriso sapeca do alfa, resultado da ideia que rodeava sua cabeça.

 

Depois de conversaram e se acertarem, Taehyung arrumou uma pequena mala com objetos pessoais para se mudar definitivamente para Gwangju com Hoseok. Se encontravam na porta principal do castelo para que o alfa pudesse se despedir de seu melhor amigo.

-Só quero deixar bem claro que essa reviravolta não vai vencer a minha.-Jimin disse depois de se abraçarem.

-Como?

-Uma vez você me pediu para tentar não matar Jungkook, e no outro dia apareci noivo e algumas semanas depois engravidei. Ir morar com o cara que eu só pedi para conversar, não vai superar a minha reviravolta.-Tae não se lembrava com exatidão do que ele havia dito, mas riu ao pensar em toda a história.

-Não me lembro muito bem disso, mas vou rir muito mais quando lembrar.-Jimin riu com a fala do alfa, e depois de cessar o riso olhou para Hoseok forçando uma expressão de ameaça.

-E você, se fizer algo para ele novamente... Eu arranco teu pau e te faço engolir ele.-O deus ômega forçou uma risada, pois ao contrário de Tae, não conseguiu identificar o humor por trás da ameaça.

Depois de rirem mais um pouco e conversarem sobre outras coisas, o ruivo olhou para dentro do castelo como se estivesse esperando por alguém. Mas depois de alguns segundos de inspeção, a decepção ficou estampada em seu rosto.

-Bem, Jungkook não pôde vir, ficou preso com alguns detalhes do casamento. Ele anda muito ocupado ultimamente, então não se preocupem.-Mesmo que estivesse sorrindo, Tae e Hoseok conseguiam ver uma certa tristeza na fala de Jimin. Não julgavam a escolha de Jungkook, e não quiseram forçar Park a dizer a verdade, apenas seguiram para o transporte que iria levá-los para o castelo de Gwangju, mas não antes de cumprir a exigência de Taehyung.

 

O dia passava como qualquer outro. Hux se empenhava em deixar a casa limpa e a comida pronta, Kirin se ocupava com brincadeiras e desenhos, enquanto Karen se preocupava em fazer nada. Nada parecia diferente, isso até alguém bater na porta.

-Atenda logo essa porta! E se for algum vendedor, não estou interessada.-A alfa disse impaciente.

O ômega não podia questionar aquela ordem, e para evitar mais uma briga, apenas seguiu calmamente para porta. Quando a abriu, quase caiu para de tamanho susto ao constar que seu filho estava parado na sua frente.

-O que você está fazendo aqui?-Mesmo que estivesse muito feliz em revê-lo, tinha medo de Karen fazer alguma coisa com ele.

-Quem está na porta?-Taehyung podia ouvir a voz de sua mãe, o que não era algo difícil, já que ela gritava.

Ele não disse nada, apenas entrou na velha casa, e a primeira coisa que viu foi sua mãe largada na mesa de jantar enquanto segurava um copo de bebida. Hux se aproximou de seu filho com a intenção de pedir para que fosse embora, mas não teve tempo para fazer com que o alfa partisse sem ser percebido.

-Tá surdo? Quem estava na...-As palavras sumiram de sua boca quando ergueu seu olhar e encontrou seu filho no meio de sua casa, e assim como o alfa fazia, também sorriu desafiadora antes de esvaziar mais um copo de vinho.

Se ergueu e quis manter uma bela pose, mesmo que estivesse começando a ficar zonza. O clima parecia estar ficando mais pesado, e o silêncio sufocava o único ômega presente.

-Olha só quem resolveu aparecer. Não sabia que iria demorar, mas sabia que alguma hora iria ver seu rosto outra vez.-Seu tom saía enjoado, como se a qualquer hora fosse vomitar.

-Acredite, também não é nada agradável ter que revê-la.-O sorriso que Taehyung carregava irritava profundamente o ego de Karen, mas ela se esforçava para que sua fúria não fosse percebida.

-Então, finalmente decidiu voltar rastejando para casa e confessar que toda aquela história era apenas uma fase?-Ouvir aquilo irritava mais a Hux do que para quem a fala foi dita, pois ele compreendia seu filho, e não entendia como sua mulher podia agir daquele jeito.

-Na verdade...-Começou a andar um pouco pelo cômodo enquanto analisava detalhes que não haviam saído de sua memória-Eu vim aqui apenas para lhe dar uma notícia, e fazer um convite para meu pai.-Quando a encarou, ela carregava uma expressão confusa.

-O que você quer dizer com isso?

-Bem, venho anunciar que estou me mudando para Gwangju, mais especificamente para o castelo, e vim aqui para buscar meu pai e minha irmã.-Parou novamente apenas para se deslumbrar com a expressão revoltada de sua mãe.

-Você só pode estar brincando comigo.-Forçou uma risada.

-Não estou, tem uma carruagem real me esperando do lado de fora.

Mesmo cambaleando, Karen foi até a janela e viu uma grande carruagem parada em frente a sua casa. Não acreditava no que seus olhos haviam visto, mas mesmo que aquilo fosse verdade, não permitiria que levasse seu ômega e sua filha.

-Estou ficando sem tempo. Pai, você poderia chamar minha irmã?-Pediu gentilmente ao seu pai, esse que mesmo estivesse a favor da ideia, temia pela presença de Karen.

-Ele não vai chamar ninguém, e nem vai a lugar algum. Quem você pensa que é?-Se aproximou dele.

-Futuro esposo do rei de Gwangju.-Disse isso com orgulho, ao passo que seu pai se maravilhava com a notícia, e sua mãe ficava mais furiosa. Visto que ela havia ficado sem resposta, decidiu se direcionar a Hux-Vá chamar Kirin, e não precisam levar nada, terão tudo que precisarem no castelo.-Hux olhou por um breve momento para Karen, como se estivesse pedindo sua permissão silenciosamente, mas decidiu que já era hora de se livrar dela e seguir em frente com sua verdadeira família.

Deu as costas para a alfa e foi confiante chamar sua filha, que ainda brincava em seu quarto. Já Karen, pensava em qualquer desculpa para não deixar que Taehyung levasse eles.

-Você não pode levar Hux, ele tem minha marca.-Mentiu na esperança de que seu filho não soubesse nada.

-Ele não tem porra nenhuma! Você nunca quis marcá-lo para poder continuar com seus casinhos, você nunca aprendeu a ser fiel ou amar qualquer um a sua volta.-Depois de acusá-la, percebeu a presença de seu pai e se virou.

Quando o olhou, viu que estava de mãos dadas com uma pequena menina. Tinha olhos escuros iguais ao cabelo dividido em duas tranças, parecia um pouco assustada enquanto tentava se esconder atrás de seu pai, mas com a presença de Karen, já que não parecia ficar preocupada quando percebeu o olhar de Taehyung. Ela usava um vestido azul simples e um sapato na cor bege, e carregava uma bonequinha na mão livre.

O alfa sorriu quando percebeu que a pequena começava a esboçar um pequeno sorriso de vergonha, e suas bochechas começaram a ganhar cor.

-Podem ir, Hoseok está esperando.-Anunciou alegre.

-Vocês não vão a lugar algum!-Andou na direção deles quando tinham acabado de passar pela porta, mas eles a ignoraram e ela foi impedida por Taehyung que se pôs em sua frente para impedir sua passagem.

-Você não vai encostar um dedo neles! E se eu fosse você tomaria cuidado,-Parou na porta enquanto segurava a maçaneta-pois acredite, eu tenho influência aqui também, pois sou melhor amigo de quem irá se casar o Deus Rei Alfa Jeon Jungkook.-Sorriu mais uma vez e antes de fechar a porta, disse em voz alta-Até nunca mais, Karen.-Deixou a alfa desnorteada, e foi direto para a carruagem.

Assim que a viagem começou, Hux parecia o mais animado dos três. O deus permanecia nervoso, Taehyung tentava encontrar algum assunto para atrair a atenção de sua irmã, que parecia inspecionar o interior da carruagem até seus olhos pousarem em uma caixa meio aberta recheada de doces. Quando o alfa percebeu seu olhar fixo sobre o presente que ganhara de Jimin, sorriu ao perceber a desculpa perfeita para começar a se aproximar dela. Pediu para que Hoseok pegasse a caixa e lhe entregasse.

-Tenho muitos doces aqui, mas acho que não vou conseguir comer tudo.-Disse depois de abrir a caixa em seu colo, foi quando viu os olhos da garota brilharem-Acho que vou precisar de reforços para comer isso antes das formigas chegarem. Você pode me ajudar?

Kirin quase correu de encontro a caixa de doces, mas antes de fazer qualquer coisa, olhou para seu pai na busca de permissão. Hux não disse nada, apenas sorriu e assentiu. A menina sorriu grandemente e em poucos passos já estava na frente de seu irmão escolhendo alguma guloseima. Visto que ela já estava bem mais a vontade, Hoseok tomou a liberdade de puxá-la para seu colo, enquanto Tae continuava a fazer brincadeiras e mostrar vários doces que ela não conhecia.

Hux visualizou a cena e sentia seu coração se encher de alegria, tanto que seus olhos começaram a lacrimejar, ganhando a atenção do rei. Jung percebendo o estado de Hux, passou Kirin para o colo de Taehyung, e decidiu sentar ao lado do pai das formigas que atacavam a caixa de doces.

-Tudo bem com o senhor?-Perguntou quando se ajeitou ao lado do mais velho.

-Sim, eu só acho que muita coisa precisa ser explicada.-Riu com sua fala enquanto esfregava os olhos para impedir as lágrimas.

-Eu sei que deve estar tudo confuso, mas prometemos explicar tudo no momento certo.

Os dois ficaram em silêncio por um momento observando a adorável cena de Tae e Kirin, que pareciam se esquecer da existência de outras pessoas. Eles riam enquanto um tentava sujar o outro com chocolate, não pareciam ser completos estranhos há poucos minutos.

-Eu nem acredito que isso está acontecendo.-Hux sussurrou para o ômega ao seu lado.

-O quê?

-Por muito tempo eu não acreditei que iria ver minha família junta, a verdadeira. Fui casado por muito tempo, e tentei até amar Karen, mas nunca consegui. Quando Taehyung nasceu, vi nele a oportunidade de amar alguém de verdade. Mas a Karen tirou ele de mim e eu passei muito tempo chorando, não comia e nem tinha força pra nada.-Sua voz começava a falhar ao lembrar daqueles anos que passou longe de Taehyung-Quando Kirin nasceu, ela foi como uma nova luz na minha vida. Me deu forças pra continuar e cuidar dela, e tudo só parecia melhorar quando você veio até minha casa e me ofereceu a oportunidade para reencontrar meu filho.-Ele era muito grato a Hoseok, e nada que ele fizesse iria compensar o que o rei havia feito-Uma família sem amor não é nada, e agora que todos que eu amo estão juntos, posso finalmente dizer que tenho uma família de verdade. Obrigado Hoseok,-O deus tentava não se emocionar-Por ficar com Taehyung durante esse tempo e ajudar a reunir essa família.

-Não me agradeça, porque se Taehyung não fosse tão forte como ele é, nada disso seria possível.

Depois disso, a viagem seguiu tranquila e cheia de conversas e risadas. Nada seria capaz de destruir aquela áurea perfeita de calma e felicidade... Nada mesmo.

 

Em Ilsan...

 

-E essas são algumas questões que você precisa saber como rei temporário.

Depois do período de luto em Ilsan acabar, Jin deveria assumir o trono. Entretanto, sofria uma grande pressão para ter um herdeiro, foi por esse motivo que começou a tomar um remédio para acelerar o tempo de gestação. O que deveria durar nove meses, agora duraria apenas três meses.

Reuniões se tornaram constantes, resultando em grande estresse e fadiga. As dores causadas pela gravidez passavam desperdiçadas por Jin, já que toda aquela situação não era fácil de enfrentar. Estava em mais uma delas, mesmo que não estivesse prestando atenção em nenhuma palavra que o o homem a sua frente dizia.

-Não poderá usar a coroa que antes pertencia a Kim Namjoon, ou ocupar o trono dele.-Jin escutava tudo, e mesmo que sua postura demonstrasse total desinteresse, o homem não parava de falar. Depois de ouvir essa exigência, olhou pelo canto dos olhos o trono vazio que pertencia ao seu marido, e quase chorou ao sentir uma intensa saudade-Haverá uma coroação para seu reinado provisório, que durará até o herdeiro ter idade suficiente para reinar.-Seu olhar se perdeu novamente, dessa vez ganhando a atenção de Maria, que sempre o acompanhava nas reuniões para dar algum tipo de suporte para Jin-Você não poderá se casar novamente, pois não podemos assumir o risco de mudar a linhagem de Ilsan.-Parecia piada falar isso para alguém que ainda tentava imaginar que seu marido estava vivo. Ao contrário de Jin que ainda parecia calmo, Maria se irritou profundamente com essa exigência desnecessária.-Agora preciso compartilhar alguns números de Ilsan.

-Não é necessário, podemos encerrar a reunião por aqui, continuamos outra hora.-Maria disse se aproximando de Jin.

-Acredito que podemos continuar, assim, terminaremos toda essa burocracia mais rapidamente.

-Ele já está sobrecarregado com muita coisa, e a gravidez já está nos estágios finais. Precisa descansar.-Depois disso, o homem não exigiu mais nada e apenas se retirou do local.

Quando voltou seu olhar para Jin, ele ainda parecia perdido no nada enquanto apoiava sua cabeça sobre a mão que tinha o cotovelo apoiado no braço direito de seu trono. Se aproximou mais e apoiou sua mão no ombro do loiro.

-Ele fazia parecer mais fácil.-O ômega confessou depois de ajustar sua postura e pousar sua mão esquerda na barriga, sentiu alguns chutes, mas aquilo não parecia animá-lo.

-Espera tudo se acalmar e você logo pega o jeito. Além disso, você precisa se concentrar nesse pequeno milagre que está a caminho.-Maria forçou um sorriso enquanto tomava a liberdade de tocar na barriga coberta do loiro.

-Milagre?-Perguntou quase rindo-Você realmente acha que eu estar quase terminando uma gestação é um milagre?-Ergueu seu olhar até sua amiga.

-Sim, pelo que eu saiba você não podia ter filhos.-Jin riu ao ouvir tal afirmação.

-Eu sempre pude ter filhos, mas sabe o que aconteceu dessa vez?-Maria negou-Eu pedi para que Namjoon não contasse para ninguém. Sempre que Nam contava para alguém, pouco tempo depois eu perdia o bebê. Não importava o mês de gestação, eu sempre perdia, e era sempre depois que JV ficava sabendo, ou suspeitava de algo.

-Você acha que...

-JV matou todos os meus filhos antes mesmo deles nascerem? Sim, eu tenho certeza, não pode ser apenas uma coincidência.-Disse firme.

A ômega não sabia o que dizer ou fazer, apenas ficou ao seu lado esperando por alguma palavra do amigo.

-Eu preciso de um banho.-Anunciou antes de pedir ajuda de Maria para se levantar e guiá-lo até o seu quarto.

Ficou sentado na cama vestindo apenas um roupão, enquanto esperava as servas terminarem de preparar seu banho, se olhava para o espelho que existia na frente da cama. Conseguia ver a imagem perfeita de Namjoon sentado ao seu lado e fazendo carícias. Era uma espécie de terapia que vinha fazendo desde a morte de seu esposo, sempre se olhava e imaginava a imagem de Nam ao seu lado em vários momentos.

-Meu senhor.-Uma alfa lhe acordou de seus pensamentos-Seu banho já está pronto.

-Obrigado.

A serva se retirou do quarto depois de reverenciar, e Jin permaneceu preso mais algum momento àquela imagem que rezava para se tornar real.

Depois se levantou com um pouco de dificuldade e prosseguiu para o banheiro, e sem perder tempo, se livrou do roupão e entrou na banheira.

A água que o recebeu já estava morna, mas isso não incomodou o ômega que se ajeitou, fechou os olhos e permaneceu imóvel por um breve momento. As memórias que aquele cômodo guardavam causavam uma espécie de tortura mental, já que faziam sua saudade aumentar. Ele também costumava acariciar a área onde sua marca ficava, daria tudo para tê-la de volta. Algumas lágrimas rolavam pelo seu rosto sem que percebesse, sentia seu nariz e garganta queimarem enquanto impedia que seu choro se tornasse escandaloso.

-Eu sinto tanto sua falta.-Seus lábios tremiam e sua fala era trêmula. Falar sozinho também fazia parte de sua terapia, mesmo que aquilo só estivesse o prejudicando.

Quando seu choro já estava mais controlado, sentiu uma pontada em sua barriga, algo que o assustou num primeiro momento. Depois que a dor repentina passou, tentou "relaxar" novamente, mas isso não foi possível, já que a dor retornou com mais intensidade e por mais tempo.

Se esforçou para sair da banheira e se cobrir, queria correr e pedir por ajuda, mas a dor só aumentava e quase o impedia de caminhar até o quarto. Quando chegou lá, Maria aguardava por ele enquanto arrumava as roupas novas que havia feito para o loiro, mas ao ver seu estado, largou todas as roupas e correu para ampará-lo.

-Maria, tem alguma coisa errada.-Tentava se apoiar na amiga enquanto continha gemidos de dor-Tá doendo muito, eu não posso estar perdendo mais um filho, eu não posso!-Já desesperava com a ideia de estar sofrendo mais um aborta.

-Jin, calma! Você não perdendo seu bebê, você tá parindo ele!

-O quê?

-Seu filho tá nascendo!-Anunciou alegre enquanto guiava Jin até a cama-Deita aí que eu vou chamar as parteiras.-Saiu aos gritos de Jin pedindo para que ela ficasse.

Ele respirava fundo tentando conter a dor, mas estava se tornando insuportável. Não demorou muito para que Maria voltasse com uma equipe para fazer o nascimento do herdeiro de Ilsan, assustando ainda mais o ômega.

A mulher se aproximou do loiro e segurou sua mão, já que era a primeira vez que Jin passava por aquilo, e ele parecia apavorado.

-Não Maria! Isso não pode tá acontecendo. Ainda não é a hora, eu não estou pronto.-Ele tentava afastar tanto sua amiga quanto as parteiras, e não percebeu quando uma alfa entregou um frasco para Maria, para que ela fizesse o ômega beber.

No início ele se recusou, mas cedeu e bebeu todo líquido. Aquilo fez com que ele ficasse um pouco zonzo, e não sentisse tanta dor, depois passaram um anestésico no lugar que seria feito o corte. Jin não conseguia prestar atenção em nada, mas sentia algo sendo remexido em sua barriga. Foi assim por alguns minutos até ouvir um choro de bebê invadir seus ouvidos e Maria rir, viu também quando ela pegou o bebê nos braços e aproximou do ômega, mas o loiro se recusou a tocar ou sequer olhar seu filho.

A mulher estranhou esse ato, assim como todos presentes, mas tiveram que ignorar para seguir com o trabalho de limpar e fechar o corte de Jin. Enquanto fazia isso, Maria limpava e vestia o novo herdeiro de Ilsan. Quando terminou de fazer seu serviço com o bebê, Seokjin já estava sozinho no quarto e parecia se recuperar da anestesia.

-É um menino, e é um alfa.-Anunciou alegre enquanto se aproximava na tentativa de fazer com que Jin pegasse a criança, mas fora rejeitada novamente. Ela ficou preocupada, mas acreditou que o ômega estava agindo daquela maneira por estar muito cansado-Eu vou colocar ele no berço, e volto amanhã para ver como vocês estão.-Assim como havia dito, depois de fazer menino dormir, colocou ele no berço que tinha no quarto e foi embora.

Jin não teve vontade de conhecer seu filho naquele primeiro momento, pois era para Namjoon estar ali com ele, não apenas Maria. Por causa desse pensamento, acabou chorando até adormecer.

Seu sono não durou muito, pois durante a madrugada, começou a ouvir seu filho chorar. Tentou até ignorar no começo, mas depois de um tempo percebendo que ele não iria parar, se levantou e caminhou devagar até o berço. Foi a primeira vez que se viram.

O bebê, que chorava escandalosamente, parou assim que olhou para Jin. Ficaram alguns segundos parados se encarando, até que o bebê finalmente riu, e ao fazer isso, duas covinhas apareceram em sua bochecha. Isso fez o loiro rir instantâneamente, pois havia acabado de se apaixonar por seu filho. Percebeu que ele havia herdado muitos traços de Namjoon, e apesar de ser um recém nascido, já era muito bem desenvolvido por causa dos remédios que Jin tomava.

Depois de lágrimas de felicidade banharem seu rosto, finalmente tomou seu filho nos braços. Quando o trouxe para mais perto de si, sentiu seu coraçãozinho bater, e isso foi o ápice de sua euforia. Nada poderia se comparar a sensação que tinha ao ter seu filho em seus braços.

Por instinto, acabou caminhando pelo quarto até na frente do espelho. Ele usava um pijama desgastado e estava uma bagunça, mas não era isso que importava. Pois quando se olhou ali, viu a imagem de Namjoon, mas dessa vez ela desaparecia da mesma forma que o vento levava uma montanha de areia, e ele pôde se sentir bem pela primeira vez em muito tempo. Agora ele não vivia para sentir saudades ou tristeza, vivia para cuidar e amar seu filho.

Queria escolher um nome e depois de pensar um pouco sussurrou "Hyrino", e a agitação que teve como resposta do bebê confirmava sua identidade.

Futuro Deus Rei Alfa Kim Hyrino.

Pela manhã, Maria ficou com medo de que o ômega tivesse feito alguma coisa com o bebê, mas a cena que encontrou foi a mais adorável possível.

Jin estava enrolado numa coberta ao lado berço com uma mão entre as grades, e Hyrino dormia tranquilamente agarrado ao dedo de seu pai.

 

 

 

 

Em todos os reinos as coisas pareciam se encaixar, e uma nova era chegava para abençoar a todos os personagens de nossa história, inclusive para o Deus Rei Alfa Jeon Jungkook e o General Park Jimin... Mas isso é história para outro dia.


Notas Finais


Ficou um pouco grande pq o próximo é focado em Jikook....
Até o último capítulo...
Gosto de Maçã só vai voltar quando essa acabar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...