História The Liberty (Imagine Oh Sehun) - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink, EXO, Got7, Red Velvet
Personagens Jackson, Lisa, Oh Se-hun (Sehun), Personagens Originais, Wendy
Tags Blackpink, Exo, Monstax, Red Velvet
Visualizações 90
Palavras 1.315
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Mistério, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


olaaaaaaaaaa consagrados



quanto tempo néKKKKKKKKKKK

Capítulo 47 - Missão 2 (Pt1)


Fanfic / Fanfiction The Liberty (Imagine Oh Sehun) - Capítulo 47 - Missão 2 (Pt1)



LAS VEGAS



19:54




S/n: Já achou? — Pergunto a Lisa que passeava tranquilamente pelas mesas.



— Calma, você acha que é fácil achar um desconhecido assim?



S/n: Aish...só tente ir mais rápido, essas luzes estão me deixando enjoada. — Suspiro girando mais uma vez naquele palito gigante. Deus, por que concordei em ser uma prostituta?



— Achei!



S/n: Aonde?!




— Esquerda. — Me viro para a esquerda. — A minha esquerda. Bufo olhando para a direita. — É o cara de chapéu de caubói, com uma camiseta branca e amarela super brega.




S/n: Chave?




— Bolso da calça, lado...esquerdo.




S/n: Tem certeza que é o esquerdo né?!



— Tenho!



S/n: Beleza. — Desço daquela espécie de palco, encorporando minha personagem. Vou em direção ao homem dito por Lisa, já procurando a chave no bolso.


— Olá gracinha...— Ele fala antes de mim.

S/n: Olá...quer curtir um pouco? — Ele sorri ladino, me causando certo nojo.

— Opa, demorou. — Sem demora, sento em seu colo, tomando um gole de sua bebida aparentemente cara.

S/n: Hum...é bom! — Sorrio falsa.

— É uma das mais caras daqui.

S/n: Suspeitei...eu também tenho algo muito bom. — Abro a boca mostrando a bala que Hue me entregou hoje mais cedo.

— Parece ser gostosa...igual a você.

S/n: Pode ter certeza. — Seguro em seus ombros, ficando mais alto que o mesmo. Ele abre a boca e em um movimento rápido, dou um jeito de passar a bala para ele, sem encostar em nada ali.

— Tem gosto de...nada.

S/n: É por que você precisa morder, bobinho! — Ele ri mordendo a bala.

— Agora sim posso sentir.

S/n: É? Tem gosto de quê?

— Não sei, parece chocolate, misturado com...

S/n: Morte? — Falo assim que ele tomba a cabeça para trás. — Não pensei que fosse tão rápido.



— Anda! 



S/n: Tá! — Procuro a chave em seu bolso, mas tudo o que encontro é pedaços de papéis rasgados. Resolvo checar no outro, e a primeira coisa que sinto é a maldita chave. — Esquerda né?



— Aish, para de me culpar por tudo!



S/n: Eu não tô te culpando! — Guardo a chave em meus seios, dando uma olhada em volta, para ver se alguém viu, mas estava tudo limpo.


Levanto dali, caminhando tranquilamente até a saída com Lisa atrás de mim.


Ls: No mesmo lugar?

S/n: Sim. Sehun disse que estariam esperando por nós lá.

???: Ei. — Um homem com um capuz nos chama em um canto do grande salão. Meio receosas, nós vamos até ele. — Peguem.

S/n: O que é isso? — Ele me entrega um pedaço de papel com algo escrito.

???: É um recado do seu irmão. Daqui trinta minutos, ele vai desligar as luzes de todo o edifício. Vocês vão ter menos de uma hora pra conseguir encontrar quem querem, antes da polícia ou alguém não desejado chegar. Tomem cuidado. — Ele se vira pronto para sair, mas seguro o seu braço antes.

S/n: Por que deveríamos acreditar em você?

???: Você é burra?! — Ele pergunta sem paciência, tirando o capuz dos olhos.

S/n: Tio Baekhyun?!

Bk: Pensou que fosse quem?!

Ls: Qualquer um??

Bk: Uau...obrigada pela consideração! — Ele puxa seu braço de minhas mãos e sai andando normalmente.

Ls: Será que ele tá doente?

S/n: Que?

Ls: Eu não o reconheci por causa da voz.

S/n: Deus...— Nego guardando o papel em meu bolso.






[...]






Ls: Eles já deveriam estar aqui!

S/n: Eu sei...— Suspiro abotoando o casaco. — Aí, não achou outra coisa pra vestir não?

Ls: Qual é o problema com uniforme colegial japonês?

S/n: Nada...nada demais se não tivesse as máscaras de gás.

Ls: Ou era máscara de gás ou de coelho.

S/n: Deus...por que tão macabro? — Suspiro colocando aquela máscara extremamente sufocante e apertada.

Ls: Esse é o "sinal"? — Pergunta ela ao as luzes do corredor se apagarem e começar uma gritaria logo em seguida.

S/n: Provavelmente...— Abro a pequena porta, olhando em volta. Não tinha ninguém, então resolvo sair e puxar Lisa junto.

Ls: Pra onde vamos agora? — Ela cochicha próximo ao meu ouvido, nervosa.

S/n: Pro porão. — Mostro a chave.

Ls: Ah, é mesmo. — Andamos pelo imenso corredor, procurando por uma porta que levasse ao tão falado porão. — Aqui tem uma placa de saída de emergência.

S/n: Deve ser aqui. Jackson disse que tem saídas de emergência que passam por lá. 

Ls: Então vamos! — Descemos as escadas rapidamente, tentando não cair, já que estava totalmente escuro. — Tem muitas portas aqui, como vamos achá-la assim?

S/n: Vamos nas que estão trancadas. — Começamos a checar porta por porta. Muitas delas estavam abertas, e nas outras, a chave não entrava em nenhuma fechadura, o que estava me deixando sem paciência.

Ls: Eu tô ouvindo passos. — Sem me deixar falar, Lisa me pega pelo pulso e me arrasta para trás de um objeto não identificado.

S/n: Ótimo...— Reclamo pegando a arma de minha cintura. — Você conseguiu ver quem é?

La: Não, estava escuro...mas tenho certeza que é mais de um.

S/n: Ok, estamos ferradas de vez! — Respiro fundo, ouvindo os passos se aproximarem mais ainda de nós. — Se algo acontecer...corre. — Entrego a chave para ela que me olha confusa.

Ls: Eu não vou te deixar assim!

S/n: Lisa, não começa! — Ela abaixa a cabeça, em silêncio. Espero mais alguns segundos, até a pessoa estar perto o suficiente. Conto até três mentalmente, e saco a arma para a pessoa a minha frente....que estava vestida de um jeito extremamente bizarro. Era dois homens de terno, com máscaras de Coelho, apontando suas armas para mim. Depois de cinco segundos nos encarando sem fazer absolutamente nada, um estalo vem em minha cabeça. — Sehun?! — Ele tira a máscara, esclarecendo as minhas suspeitas.

Sh: O que vocês estão fazendo aqui?!

S/n: O mesmo que vocês!

Sh: Puta merda S/n, eu quase atirei na sua cabeça!

S/n: Digo o mesmo! Que máscara é essa, tá achando que aqui é o circo? — Rio da situação em que nos encontrávamos. 

Sh: É sério? Você quer falar das nossas máscaras?! Já se olhou no espelho garotinha?

Js: Vocês vão discutir qual é a pior máscara? Tipo, agora?!

S/n: Tem razão...

Ls: Pelo menos nos encontramos...

S/n: É...conseguiram achar a porta?

Jc: Sim...— Jackson tira sua máscara, respirando aliviado. — Nós estávamos prestes a explodi-lá quando vocês chegaram.

S/n: Que meninos malvados. — Rio enquanto Lisa entrega a chave para Jackson.

Sh: Bora. — Ele sai na frente, nos guiando. Depois de andarmos por uns dez minutos, chegamos até a tal porta.

S/n: Pera lá, como vocês sabem que é essa porta mesmo sem estar com a chave?

Sh: Nós encontramos um cara que sabia onde ficava.

S/n: E?

Jc: E se ele não dissesse onde ficava, eu o mataria.

Ls: E?

Sh: E que...— Ele pega a chave e abre a porta. — Depois de dizer onde ficava, Jackson atirou. — Diz simples entrando ali.

S/n: Por que não me sinto surpresa? — Lisa e eu nos olhamos, com uma certa reprovação nos olhos.

Sh: Droga...— O lugar estava totalmente escuro, então começamos a procurar um interruptor, ou algo que ligasse aquelas luzes.

Jc: Eu devo ter uma lanterna...— Ouço barulhos de plásticos e metais batendo uns nos outros. Provavelmente, Jackson procura a tal lanterna em sua bolsa super útil. — Aqui. — Diz me entregando o objeto.

S/n: Ok...— Acendo a lanterna e começo a procurar o interruptor nas paredes em volta. — Olha ele aqui! — Sorrio levantando aquela espécie de alavanca, fazendo as luzes se acenderem, uma por uma.

Ls: Mas que merda de lugar é esse...?— Meu sorriso se desfaz assim que dou uma olhada em volta.

S/n: Agora, posso dizer com toda a certeza do mundo...que já estive no inferno. 







(Continua...)


Notas Finais


Então...eu pensei em vários jeitos de me explicar aqui procês, mas quem liga???



vou continuar a fic (mesmo não gostando do rumo que ela segue) e é isto. Boa noite❤️🤫✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...