1. Spirit Fanfics >
  2. The Library (Seongsang) >
  3. Capítulo 37 - Eu estou apaixonado?

História The Library (Seongsang) - Capítulo 39


Escrita por:


Notas do Autor


Vocês podem ler este capítulo ouvindo Decode da banda Paramore! Eu me inspirei nessa música para escrevê-lo.

Espero que gostem, boa leitura!💕

Capítulo 39 - Capítulo 37 - Eu estou apaixonado?


"Como eu posso decidir o que é certo?
         Quando você está confundindo minha                                     mente..."

                 ~ Decode - Paramore ~

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

                    POV Kang Yeosang

Eram 05h00 da manhã quando o celular já havia despertado. E lá vai eu novamente começar minha rotina de sempre, o trabalho. 

Eu me sentei na cama e cocei meus olhos que estavam pesados pela falta de uma noite bem dormida. Meu celular apitava ou vibrava a cada vez que Seong me mandava mensagem, era pelo menos de uma em uma hora que eu as recebia, todas continham um pedido de desculpa, um eu te amo ou um vamos conversar, mas eu ainda não queria olhá-lo ou pelo menos conversar agora, então tudo o que fiz foi ignorá-lo.

Me levanto da cama e vou indo em direção ao banheiro. Lá eu tomo um banho rápido, me troco, escovo meus dentes e me ajeito. Assim, vou pra cozinha, e enquanto a cafeteira preparava o café, eu calcei meus sapatos, ajeitei minha cama, e por fim quando o café ficou pronto, coloquei o mesmo em meu copo térmico com leite morno e sem açúcar.

Peguei minhas chaves, coloquei a mochila nas costas, saí do apartamento, tranquei a porta e lá fui eu novamente para meu primeiro dia de trabalho e em uma situação nada muito agradável. Eu só queria poder ficar na minha cama, socado lá, enquanto eu pensava o que faria da minha vida nas próximas semanas para resolver as situações que eu estava enfiado no momento.

Após caminhar uns 20 minutos, já estava em frente a biblioteca, nunca agradeci tanto por morar ali perto. Abri a porta da mesma e inalei aquele cheiro de livros velhos misturado com livros novos, e okay, era muito melhor eu ter vindo pra cá mesmo. Ficar em casa não ia adiantar, e trabalhar para ocupar a cabeça era e é a melhor opção. 

Fechei a porta, tirei meu casaco deixando em um cabide que tinha perto do balcão, este que larguei minha mochila atrás. Assim tomo um gole grande de café, ligo o sistema de empréstimo e depois vou lá nos fundos ligar os computadores que os visitantes usam. Depois de estarem todos ligados, me dirigi ao meu balcão e me sentei na cadeira logo me esparramando nela, terminando de tomar meus últimos goles de café.

— Okay.... estou de volta! — falei alto comigo mesmo e olhei em volta. Não havia percebido o quão trabalhar me fazia falta, acho que não senti tanta falta porque, bem, eu não estava sozinho. 

Acho que só me aventurei a tirar as férias por conta de Seong, se ele não tivesse planejado a viagem, eu nem teria saído desse lugar. Ele me levou pra tantos outros lugares diferentes, enquanto tudo que eu conhecia estava aqui. Ele meio que mudou minha rotina inteira, bagunçou meus planos, mas eu nunca iria pensar que amaria tanto uma bagunça assim. 

Suspiro e tento afastar meus pensamentos assim que eles me levam para outro rumo. Lá estava eu lembrando daquela tarde, onde Seong gritou comigo, e okay, nada estava bem. Eu estava magoado, me sentindo culpado, irritado, machucado. Eu estava sentindo tanta coisa, que não é possível colocar em palavras. Eu estava uma extrema bagunça, e precisaria de tempo pra me organizar.

Assim que concluo meus pensamentos, ouço a porta se abrir e a garota de cabelos coloridos finalmente aparece, me tirando daquele mundo de pensamentos que me torturavam a cada minuto. A mesma me olha e anda até mim, larga suas coisas atrás do balcão e diz:

— Bom dia, Sang! Como você está? — ela diz e me dá um abraço tão apertado. Eu não sei o que aconteceu, mas em segundos eu me vi me encolhendo nos braços dela e me desmancho em lágrimas.

— E-eu não sei, Rora. Eu realmente não sei. — falo chorando e assim ela me aperta, logo afagando minhas costas. — Ainda dói, e eu nem sei o que fazer. Eu tô tão perdido! — falo a ela e assim seco meu rosto tentando cessar minhas lágrimas. 

— Eii, tá tudo bem! — ela diz e assim me ajuda a secar meu rosto. — Respira fundo! Vou pegar água, calma aí. — ela sai de perto de mim, vai até o filtro o enchendo com água gelada e volta até mim, me alcançando o copo. Pego o mesmo e dou grandes goles no líquido, até que o mesmo acaba. Assim respiro fundo algumas vezes e fungo, depois seco meu rosto. — Mais calmo? — Aurora pergunta. 

— Um pouco... — digo com a voz meio embargada e deixo o copo plástico no balcão. — Sei lá, eu ao mesmo tempo que quero perdoá-lo, a voz que quer socar a cara dele fala mais alto sabe? — falo olhando ela.

— Você pensou nas coisas que te falei ontem? — ela puxa uma cadeira e se senta de frente pra mim.

— Até demais, Rora. E todos meus pensamentos não me levaram a nada. Eu ainda não sei de nada, só sei que quero bater em mim mesmo por esconder aquilo e socar o Seong, e o foda é que ele não parou de me ligar a madrugada toda, sério! Tem mais de mil mensagens e mais de 40 ligações perdidas, só essa noite, Rora!!! Ele não para! Como vou pensar, sabe? Eu tô com a cara horrível, eu chorei um monte e nem dormi nada! — falo pra minha melhor amiga, que me encarava enquanto acariciava minha mão, me passando conforto.

— Ah, Sang! Poxa, o pior é que fico de mãos atadas sabe? Tudo o que posso fazer é falar pra você ir no seu tempo, tenta se resolver aí dentro… — ela aponta pro meu peito, do lado do meu coração. — ... e depois você se ajeita sabe? O que seu coração tá dizendo? — ela me pergunta e eu me vejo largando meu corpo novamente na minha cadeira.

— Minha cabeça diz que um tempo entre mim e ele vai ser bom, mas meu coração diz ao contrário! Eu amo aquele idiota, e eu o odeio tanto por isso! Eu nem consigo pensar direito por causa disso, porra, que inferno, Rora! — falo e passo as mãos no rosto. — O pior é que eu ainda não me sinto pronto pra ficar cara a cara com ele, sabe? Porque eu acho que se eu vê-lo, eu soco ele e ao mesmo tempo me bato! — digo bravo e a Aurora me encara rindo baixo.

— Putz, você tá muito apaixonado, Sang! — ela fala e aperta minha mão. A encaro com uma cara séria. — O que? É sério! Olha... você ama ele, independente de tudo, e você só está de cabeça quente ainda, e eu entendo que você queira um tempo, mas... — ela suspira. — Você tá sofrendo, amigo... — ela diz sincera e me olha. — Pense racionalmente, como você ficaria sem ele? Isso te faria mais feliz? Ia ser bom pros dois? Vocês só estão nos primeiros meses de relacionamento, é normal brigarem assim. Vocês não pararam pra conversar sobre tudo ainda, precisam de conhecer muito mais! Mas pense que vocês se amam de fato, e é isso que importa, sabe? Vocês só precisam sentar e conversar, só assim vão conseguir resolver as coisas. Tem que ser pessoalmente, cara a cara, vai ser bom pra vocês! E assim, ou vocês caem no soco e fazem as pases, ou caem no soco e sei lá oque o destino pode fazer! Mas se vocês conversarem, cara a cara, vai ser muito melhor, pode apostar... — ela termina.

Assim que Aurora termina de falar, mil pensamentos vem em conjunto na minha cabeça. Todos eles estavam embaralhados e sem nexo algum, eu precisaria colocá-los em ordem para que chegasse a alguma conclusão, e eu espero que dessa vez a resposta não seja a mesma desde as trilhares de vezes que pensei: "nada". 

[...]

O dia na biblioteca passou voando, graças aos Deuses, pois aquilo ficou tão cheio! Eu por diversas vezes, tive que ir para os fundos pra respirar e me acalmar, minha cabeça estava a milhão, temia que poderia explodir para cima de algum visitante, por isso saía às vezes, motivos que eram entendidos muito bem por Aurora, que sabia o que eu estava passando. O dia todo fiquei intercalando situações onde eu e Seong poderíamos conversar amigavelmente, mas todos os pensamentos se voltavam em: "eu só preciso socar ele e a mim mesmo". Algo que não era muito aconselhável, mas eu só queria fazer isso quando o visse, e gritar com ele, perguntar o por que dele ter sido um idiota e tudo mais. Mas foi ali no final da noite, ao chegar em casa após o trabalho, quando me sentei no sofá e encarei a pequena aliança prata em meu dedo, era algo tão cheio de significado, e eu lembro que Seong falava que assumiu uma missão ao me dar aquela aliança, e eu assumi uma missão ao aceitá-la, mas a questão era: estava pronto? 

 Eu precisava dar fim em toda aquela confusão, de uma vez por todas.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Ah, só mais um aviso! A votação do Soribada também está acontecendo agora pelo app do Starplay! Vamos acumular muiiitos pontos pra ajudar o ateez! Fighting! 💕

Até a próxima!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...