1. Spirit Fanfics >
  2. The Life Of Malfoy >
  3. Quer virar meu saco de pancadas hoje?

História The Life Of Malfoy - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


🔥Hello Hello.
🔥Quem é vivo sempre aparece ne?
🔥 Não tenho muito o que falar, apenas desculpas pela demora da postagem.
🔥 Espero que gostem

Boa Leitura 💋

Capítulo 10 - Quer virar meu saco de pancadas hoje?


Fanfic / Fanfiction The Life Of Malfoy - Capítulo 10 - Quer virar meu saco de pancadas hoje?

A estadia no castelo estava cada vez pior depois do meu nome ter sido sorteado para esse torneio. Entretanto, para mim estava melhor do que para Harry, estava até com dó dele. Os gêmeos tinham falado que o irmão mais novo deles, Rony, estava brigado com o amigo, por achar que o mesmo havia se inscrito no torneio. 

Essa história de torneio estava subindo na cabeça das pessoas. Estavam tratando os campeões o melhor possível, querendo ser amigos próximos dos outros três, às garotas quase se atiravam em cima dos garotos, assim como os garotos pela francesa ridícula. 

Por causa da pequena reputação que criei aqui, não tinha essas pessoas atrás de mim, acho que o nome Malfoy também teve um pouco de efeito nisso, mas relevamos. Contudo, Draco estava me tirando do sério andando para cima e para baixo com o broche que dizia “Apoie Cedrico Diggory e Allysson Malfoy - Os Verdadeiros Campeões de Hogwarts”, fora que quando esse bendito apetrecho era apertado contra o peito, ficava em uma cor verde que continha as palavras “Potter Fede”. Aquilo era uma total desnecessidade com o mais novo. Dava para ver que ele não tinha culpa de nada. Apenas se metia em problemas demais.

- Se olhar demais vai acabar matando eles. - olhei para frente vendo Jaehyun parado me olhando. 

- Se eu pudesse matava todos. - falei me ajeitando e ele sentando ao meu lado. - Terminou a tarefa de Herbologia? - o olhei.

- Sim. Não vejo a hora de acabar esse ano e sumir daqui. - se encostou na árvore fechando os olhos. Concordei com ele voltando a ler o livro de história da magia, mas acabei desistindo por ser tão entediante, suspirando antes de olhar para minha bolsa e ver meu notebook. Por que não? Liguei o aparelho, pegando a internet do meu celular e começando a ver meus arquivos. - O que está vendo?  

- Estou com uma duvida e preciso saber se é verdade ou não, mesmo que talvez precise de um teste de DNA para saber. - falei sem tirar os olhos da tela. 

- Qual seria essa dúvida? - perguntou me fazendo olhá-lo.

- Que estamos estudando no mesmo local que a filha de Tony Stark.

Contei a ele meus pensamentos e mesmo que parecesse um pouco louca, e talvez estivesse errada, ele não podia negar que a garota lembrava um pouco a bilionário. Ficamos discutindo mais um pouco sobre isso, enquanto íamos até a aula, que era de Herbologia, juntamente com a Lufa Lufa, o que me fez respirar fundo antes de entrar e ter o pessoal da outra casa me olhando. Vontade de mandar todos para o inferno não faltava.

No meio da aula, um aluno interrompe a aula dizendo que queriam que eu e Diggory fossemos para uma sala, onde faríamos fotos para o jornal. Revirei os olhos só de pensar nisso, pedindo para o mais velho me passar às anotações da aula depois, seguindo outro campeão escadas acima.

- Você não queria isso, não é? 

- Acho que já está muito visível. - respondi. - Já tenho muitos problemas, para ter que me enfiar em mais um. 

- Mas é uma boa jogada para mostrar que é uma talentosa e inteligente bruxa, além do prêmio. - falou.

- Me acha inteligente e talentosa? - perguntei para ele, tendo o mesmo nervoso e um pouco vermelho. - Não quero mostrar isso para ninguém, além de não querer o dinheiro. Não tem o porque você ter que mostrar para os outros, por meio de um torneio, que você é um bruxo talentoso e dizer qual escola é a melhor. É uma perda de tempo, na minha opnião. - paramos em frente a sala, que estava com a porta aberta e já tinha a francesa e o bulgaro la. - Deve se mostrar apenas para você mesmo seus talentos, ter orgulho de si mesmo e não pelo dos outros.

Entrei na sala antes dele, vendo que tinha um cara com uma câmera, uma mulher com cabelos cacheados, mas um pouco estranhos, além do cara do ministério, Ludo Bagman, se não me engano, que informou para nós dois que faríamos uma passagem das varinhas. Sentei em uma cadeira no canto da sala, fechando os olhos tentando relaxar até tudo essa palhaçada começar.

Estava quase dormindo, quando senti alguém me cutucar, abrindo os olhos vendo Diggory indicando com a cabeça para a frente e vi o mesmo cara que havia me vendido a varinha, no Beco Diagonal. Ele chamou primeiro a francesa e em seguida me chamou, fazendo-me levantar e ir até ele, entregando a varinha.

- Ah, lembro perfeitamente dessa, faz apenas alguns meses que a vendi. Está incrivelmente nova, acredito que a senhorita não a usa muito? - assenti com a cabeça, tendo todos focados no senhor. - Vinte e sete centímetros, madeira de sabugueiro, o mesmo das terras do castelo, além do núcleo de pena e coração de fênix. Acredito que tenha um motivo para que essa varinha tenha a escolhido, por anos ela negou vários bruxos e apenas com você teve a aceitação, mas acredito que você já saiba o motivo.

- Sim, sei sim. Não tem como esquecer disso tão facilmente. - falei entrelaçando meus dedos nas costas. 

- Sinto muito. - falou e em seguida fez faíscas alaranjadas saírem da ponta da varinha, que se juntaram e fizeram o desenho de uma fênix. - Sr. Diggory.

Peguei minha varinha e voltei a sentei na mesma cadeira de antes, girando a varinha nos dedos, olhando os outros três irem até o mais velho, mas não me focando naquilo. Como Sr. Olivaras, que fui descobrir o nome dele agora pouco, havia dito há um motivo para que eu tenha essa varinha, já havia tido algumas lembranças aonde eu via uma fênix nos laboratórios daquele lugar horroroso. Mas era um pouco apagada essas lembranças, não me dando certeza se era verdade ou não, se era minha mente pregando peças ou não.

Quando pensei que tudo acabou e poderia ir para meu quarto, o cara com a câmera se levantou e lembraram das fotos, me tendo xingar aquela repórter baixinho de raiva, enquanto ele posicionava todos do jeito que queria e após a tortura das fotos em grupo, vem às individuais, que fiz o mais rapido possível, saindo daquela sala sem falar com ninguem.

No caminho mandei uma mensagem para Jaehyun, perguntando se podíamos treinar hoje, pois precisava de uma relaxamento, e o que seria melhor do que lutar? Entrei na cozinha e vi alguns elfos entusiasmados com a minha chegada, me servindo várias comidas, graças aos gêmeos descobri a cozinha e muitas vezes não ia para o salão principal, jantando na cozinha, assim como agora.


 

- Deve ter sido um horror para estourar mais um saco. - falou pegando o saco de pancadas, levando o mesmo até um canto, tendo um outro surgindo a minha frente.

- Você não faz ideia. - retomei a bater no saco. - Já estou até vendo minha mãe me mandar uma carta, sobre isso. Ou receber uma de Laura, já que Fury com certeza irá contar para o meu padrinho, que irá contar para a esposa, que irá me matar quando me ver.

- Ela não gosta que vocês dois corram perigo, imagino. - falou se referindo a minha e meu padrinho.

- Quem é que gostaria de ver o marido e a afilhada irem em missões? 

- Você tem razão. - parou atrás do saco o segurando. - Vai bater apenas no saco?

- Quer virar meu saco de pancadas hoje? - perguntei brincando com um sorriso nos lábios.

Ele andando para o meio da sala, fui atrás e ficamos frente a frente, não demorando muito para eu atacar e ele defender. Eu tinha um pequeno sorriso nos lábios, assim como ele, enquanto lutavamos, mas por um momento observando-o me distrai, tendo ele me derrubando e prendendo minhas pernas no meio das suas e meus braços presos em cima da minha cabeça.

- Ganhei. - murmurou.

- Uma única vez. - retruquei o encarando.

Ficamos nos encarando e, sem pensar, encurtei a nossa distância juntando nossos lábios, que iniciaram um ósculo feroz, tive minhas mãos soltas, que seguiram até suas costas, e às suas apertando minha cintura e minha perna. Não vi o momento em que uma cama apareceu ali e nem quando fui levantada do chão sendo carregada até a cama, ou quando tive minhas roupas sendo retiradas. A única coisa que queria ali, daquele momento, era o prazer e foi o que tive pelo resto da noite.

 


Notas Finais


🔥 Não deixem de comentar para fazer a Tia Ana mais feliz.
🔥 Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...