1. Spirit Fanfics >
  2. The Lost Princess (Vol.1) >
  3. Cherry

História The Lost Princess (Vol.1) - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


Eu posso estar passando o que for, eu posso estar sem a mínima vontade e cagando para a minha história, pode acontecer qualquer coisa nesse meio tempo, também demoro bastante para continuar a escrever, podem passar semanas e até um mês, mas quando eu volto, eu volto com TUDO CARALHO! Aqui está o capítulo 26 finalizado e agora postado. Estava pensando se iria postar depois de terminar o 29 mas aqui pra fechar o mês comigo postando.

Agora vai ter putaria nesse caralho! Tavam achando a história monótona? Toma putaria. Vocês acham que eu não iria por é!? Pensavam que eu não sei escrever? Eu sei sim! Já tenho experiência nesse ramo já! Esse capítulo tá com tudo e nos próximos só vai vir TOMBO Hahahah! Agora a Evelyn vai beber um pouco do poço da Azurah XD vocês vão amar. Como comemoração a 40 favoritos, tomem putaria e espero que voltem a ler e a comentar para me da engajamento e feedback também.

Capítulo 26 - Cherry



Ainda não sabia o que queria, mas não podia me deixar levar pelo mais fácil ou por aquilo que os outros achavam certo. Só precisava de tempo até decidir o que era melhor para mim.


Kiera Cass





Acordei tranquila, o que é algo raro e ao mesmo tempo estranho, não sei se eu fico feliz ou inquieta. Faz bastante tempo em que eu durmo tão bem sem estar tendo alguma visão sobre o passado dos lunares ou tendo algum surto psicológico, me sinto até que bem renovada, depois de tudo que eu passei eu precisava de uma boa noite de sono mas nada em minha vida pode ser tão duradouro como hoje, então decidi aproveitar um pouco esse tempo de paz que eu tenho para reorganizar as coisas em minha cabeça. Ainda está tão confuso quanto antes, apesar de eu já saber o que eu quero fazer, que é me livrar de uma vez por todas dos sanguessugas e resolver a questão do extermínio do reino lunar. 


Depois disso? Eu realmente não sei o que vai acontecer comigo e espero estar viva e sã até lá, olhando para o teto do meu quarto e o único barulho que se tinha era da minha respiração e os cantos dos passarinhos lá fora, eu poderia ter vivido assim desde sempre, ser uma garota ignorante sobre o mundo e fingir que criaturas não passam de lendas folclóricas passadas entre pais e filhos não se passa só mais de um conto de terror para os assustar…. Mas não é. É real, eu ainda quero entender o porquê, porque eu joguei tantas esperanças em algo que era impossível de acontecer? Será que foi só por egoísmo? Ou da minha bondade pois sempre estou ajudando os outros, mas na verdade estou sendo hipócrita, me fazendo de benfeitora quando na verdade só estou a procura de algo para tampar/esquecer que estou sozinha nesse mundo.


Eu fecho meus olhos e imagino. Uma vida calma e simples, um imenso céu azul e uma grama verde em amplo campo — e logo todo mundo estava ali. Mia, Akemi, Yuna, Chloe…. E a minha mãe ambas estavam entre uma mesa enorme que estava servida com o melhor banquete do mundo, vê-las assim felizes sem nenhuma preocupação ou algo para interromper a nossa felicidade e então tudo se despeça como poeira voando para o céu, e bem a minha frente estava a princesa das sombras de mesma estatura que a minha caminhando abertamente em minha direção com um sorriso no rosto, inconscientemente sem nenhuma ordem dada, as minhas pernas começaram a se mover indo em sua direção.


Quando paramos em meio ao campo florido nós duas estendemos as mãos tocando-as logo assim criando um laço ela estava feliz e eu não conseguia compreender muito com o que a faz feliz, não é por conta dela estar me ajudando, seria por algo que ela esconde? Eu não sei muito sobre ela e gostaria de saber o que aconteceu antes do massacre do casamento acontecer, espero muito me livrar dela e de todos de uma vez por todas. 







☆><☆><☆




No coração da floresta dentro de uma gruta, estava Stormy sentada em uma pedra enquanto lixava as unhas, as chamas de Amanda ainda permaneciam acesas e a mesma se encontrava em um estado dormente enquanto que o seu mais precioso servo lhe atendia a diversos pedidos. Imediatamente, um dos cães demoníacos detecta uma presença desconhecida do que seria um infrator — uma pessoa desalmada perdida que acabou infelizmente encontrando esse lugar inocentemente. Stormy logo estava lixando as unhas sem se preocupar com a vinda do inimigo enquanto que o cão estava de pé em modo de ataque.


Os passos pesados logo ecoavam pelos corredores da caverna mais e mais no mesmo momento em que a quarta irmã aumentava o ritmo do linchamento das unhas, e quando o ser logo chegou ao seu destino o cão havia parado de rosnar assim voltando a dormir. 


— Finalmente você veio! Eu quase ia perdendo as minhas unhas por culpa sua. — dizia a garota rispidamente descendo da enorme pedra. O garoto em si respirou fundo olhando para ela com um certo desprezo pois seria a sua parceira provisória até ele chegar. 


— Oh, você finalmente chegou. — Sid logo apareceu do lado de Stormy pegando-a de surpresa. — Stormy-san será a sua parceira provisória, até lá espero que os dois se deem bem. — Sem mais nem menos ele volta até a sua gruta para vigiar a chama da alma de sua rainha.


— Vai ficar aí com essa cara de mesma ou vai me acompanhar!? — a garota já estava caminhando bem longe dele para fora da caverna e o jovem rapaz a seguiu sem falar absolutamente nada.


O jovem estava abalado, não havia nenhuma cor naqueles olhos castanhos pois haviam roubado a sua felicidade deixando só uma casca vazia bem ali. Já do lado de fora, Stormy logo começou a invocar mais cães demoníacos para começar a sua caça e analisar o terreno inimigo ao qual irão atacar, após as bestas emergirem do grande círculo mágico enorme, a quarta irmã feliz logo os abraçava fazendo carinho nas criaturas deixando o garoto um pouco imutável com a cena que via, após as ordens dadas por Stormy, os cães demoníacos se separaram pela floresta e os dois seguiram caminho para um outro lugar a fim de procurar as protegidas da princesa da lua. 






☆><☆><☆




Vamos lá, se eu quiser que esse plano dê certo eu preciso ter todos em minha mão…. O problema é que não vai ser nada fácil! Eu não conheço a maioria e o que eu conheço nem consigo lidar direito, preciso saber o que eles fazem em seus cotidianos a fim de descobrir alguma brecha em suas fraquezas. Havia feito algumas compras, pelo que eu pesquisei, vampiros podem ser mortos com estacas de madeira e prata, se perfurar o coração e arrancar a cabeça, algo medieval mas que é sutil, eles ficam fracos quando não há lua de sangue assim fazendo-os perderem parte dos poderes e além disso a verbena capaz de afastar vampiros.


Tendo só isso em mãos e ainda com os meus poderes eu posso os aniquilar de uma vez, bem, eu pensaria assim mas eu ainda vou precisar deles. Preciso saber o motivo que levou a morte dos lunares e a única pessoa que sabe é aquela que precisarei manipular e fazer o seu jogo. Na verdade, fazer o jogo de todos para depois passar a perna, a sorte que eles ainda pensam que eu ainda estou machucada por conta da revelação que felizmente graças aos trigêmeos me livraram de um certo peso e de quebrar a cara mais tarde, com a seringa em mãos apliquei a verbena em meu braço não sentindo nenhum efeito incomum em meu corpo se eu levar uma para a escola não corro o risco de levar uma mordida. 


Peguei os trinta frascos restantes e os guardei em uma caixa de sapatos assim o selando e escondi debaixo da cama, e o frasco que deixei sobrando guardei na cintura de minha saia e coloquei a minha bota predileta preta de cano longo, deixei o meu cabelo em um rabo de cavalo e joguei o meu suéter que fazia parte do uniforme de inverno do colégio fora. Me olhei no espelho e passei meio quilo de maquiagem para esconder as olheiras que ainda eram profundas, depois disso me analisei de cima a baixo me sentindo um belo de um bom partido, decidi desabotoar um pouco a minha blusa deixando o pescoço a mostra se eu fosse como antes seria tentada por um deles assim levando a mordida. Depois de arrumada peguei as minhas coisas e saí de casa pronta para começar a batalha.


Chegar na escola já era considerado como algo normal, mas no meu caso quando você se torna o centro das atenções é algo que eu não consigo explicar. É bom? É. É estranho? Também é. Todo mundo fica me rondando como se eu fosse alguma atração em uma vitrine de um museu, estão todos me elogiando e me seguindo aonde eu vou, e isso é algo que está amaciando o meu ego até que é fácil de se acostumar com os olhares admirados só para mim, pois eu sou a única coisa importante para eles. As aulas continuaram a mesma coisa e sempre que podia, eu virava o assunto do momento, é tão bom você ser bajulada e ser chamada de bonita e perfeita, quando você mostra uma outra face sua que ninguém tinha visto ou estado acostumada com aquilo. Então eu decidi entrar na onda, com o meu sorriso de modelo esbaldando-me a total beleza faz com que meu ego se preencha ainda mais, mas eu sei que tudo isso não passa de inveja pois eu realmente não ligo pelo menos algo bom na escola eu tive. 


O meu único problema era que o meu alvo não estava presente nesse momento, eu queria muito bem ver a reação dele, não importa eu tenho uma vida em frente e momentos perfeitos para o tirar do sério, no intervalo já era outra coisa todo mundo queria juntar as mesas para sentar perto de mim eu já havia recebido diversos convites de garotos para ir em festas e até em encontros, eu só aceitei o convite e nem resposta eu vou dar o que já me ajuda a como vou por o meu plano em ação.


Olhando em volta, eu os vejo em uma outra mesa ali sentados, rolava uma extrema troca de olhares entre eu e Laito, além das provocações que eu fazia agarrando-me nos braços de um dos meninos que ficava entre meus peitos além de jogar um beijo no ar assim o atiçando ainda mais, dentre todos, ele é o único que tornará para mim as coisas bem fácil de manipulá-lo pelo meu bem entender, além disso, eu posso o usar para obter informações sobre seus outros irmãos. Então para melhorar mais as coisas levantei a minha saia mostrando a curvatura de minhas pernas o vampiro de chapéu ficou atentado com aquilo e nem demorou muito para ele aparecer em frente à nossa mesa. 


"Aí, aí Laito, você torna as coisas tão fáceis para mim, por que você é tão influenciável…."


— Fufu, Bitch-chan! Eu posso sentar aqui~? — disse ele sem ao menos eu dar uma resposta logo sentando ao meu lado atravessando o seu braço por volta do meu ombro. Assim tá sendo fácil de mais.


— Oi benzinho, como está? — Entrei no jogo logo passando a minha mão em suas coxas o que o pegou de surpresa


— Bitch-chan, está mais safada hoje. Não era você antes que dizia que não era uma garotinha que cairia fácil as minhas tentações? — Disse ele logo passando as mãos em minha coxa chegando bem na parte da minha saia


— E ainda sou amorzinho~ — Digo tocando em seu nariz e tirando a sua mão ali. — Mas você está bem em último lugar na minha lista de espera. — Ele logo notou que os garotos a sua volta não estavam felizes com isso


— Ah, mas comigo seria mais divertido, não acha? — Esse garoto é mesmo um tremendo tapado. Não medi esforços puxando o primeiro garoto a minha frente sabe o um selinho bem a sua frente surpreendendo a todos.


— Laito, Laito. Não achas que você seria o único cara na jogada que eu iria me divertir, como pode ver há muitos aqui que me querem e que me tratariam com respeito já  você... — Dedilho meus dedos em seu abdômen me aproximando dele. — É algo que vai ser tão chato e broxante, mas não tema você tem várias outras mulheres na palma de sua mão que eu sou só mais uma no caminho! — Dito aquilo eu saí de cena desfilando com um sorriso no rosto e não contive a minha gargalhada


Que sensação de adrenalina é essa? Então é assim que eles se sentem? Pois bem, eu ainda tenho muito mais terreno para preparar as minhas armadilhas. Laito já foi, agora eu tenho que fazer com Shuu, o que será bem complicado mas eu sei que ele não resiste a mim ficou bem claro no dia em que nos conhecemos na sala de música, só tenho que encontrar alguma sala em que ele esteja, comecei a procurá-lo de cima a baixo e quando eu me sentia em um completo tédio. Além de recusar vários pedidos de namoro sem antes me esfregar neles igual que fiz com Laito, até que é divertido mas o meu foco principal são os sanguessugas.



Felizmente, também acabei me encontrando com o Subaru pelos corredores, sorte a minha que ele não tinha me visto, depois de ficar vadiando pelos corredores sem ter nada para fazer, acabei indo de novo para a sala de música. Foi aqui que nos conhecemos, entrei naquela sala e a primeira coisa que fiz foi ir até um case onde guardavam os instrumentos estava lá, peguei o violino logo vendo o seu nome nele "Sakamaki Shu".


Eu nunca toquei um violino na minha vida, mas deve ser fácil eu sei lá. Coloquei o instrumento próximo de mim como eu me lembro de ter visto na televisão, com o arco em mãos tentei tocar mas foi um som tão horroroso que fiz que tomei um susto ao escutar um barulho de alguém resmungando atrás de mim.


— Pelo menos avisa quando vai entrar. — Soou autoritária vendo o vampiro preguiçoso deitado de qualquer jeito no divã. 


O mais velho deles parecia bem preguiçoso quando o vi pela primeira vez, no entanto ele parecia ainda mais quando observado bem de perto; ele estava de olhos fechados, seus fios estavam desarrumados e estava de fones ignorando tudo a sua volta — não vou negar que, às vezes, tenho uma certa inveja dele. Queria eu lidar com as coisas da minha vida no modo "foda-se". Suspirei fundo e tentei novamente tocar aquele instrumento.


— Tá fazendo errado. — Eu nem tinha começado a tocar direito quando o vejo abrir aqueles olhos frios dirigindo-se aos meus azuis roxos


— Ah é, então como é que se toca sabichão!? — Digo provocativa esperando que o mesmo fizesse algo e logo escuto um suspiro cansado vindo dele logo se levantando e caminhando em minha direção.


O vampiro era bem mais alto do que eu, eu julgo que ele tenha quase 1,80. Então ele pega o instrumento e começa a mexer em um pino que conecta as cordas e tomou o arco de minhas mãos começando a tocar uma linda melodia, confesso que fiquei surpresa, não esperava algo tão bonito vindo de alguém como Shu que é considerado o mais preguiçoso, acabei me lembrando de quando eu tocava em teatros e também em uma orquestra acompanhada de minha mãe. Assim como eu, ele também vive mergulhado no mundo da música clássica, vê-lo tão imerso e tocando com o coração era tão bonito e então vi um piano de cauda bem ali na ponta da sala e rapidamente me sentei começando a tocá-lo acompanhando o mesmo ritmo de sua música.


Era uma completa sintonia que tínhamos, nunca imaginava tocar com um vampiro e este ser muito bom nos instrumentos de corda. Vejo que o mesmo não tirava os olhos de mim de um jeito tão enigmático e surpreso por eu saber tocar um piano e também estar em sincronia com ele, uma conexão única eu diria. Depois de finalizar a música sinto um enorme peso sair de meu peito, fazia bastante tempo que não tocava com ninguém.


— Você é realmente bom, eu admito. — Digo, por vencida vendo-o olhar-me indiferente. — Já pensou em tocar em um concerto? — O vampiro logo colocou o violino em cima do piano logo sentando do meu lado encarando-me fixamente, não sei se era de curiosidade mas eu realmente não sei o que aquele olhar dizia muito pouco o que ele pensava, ele não era muito de expressar o que sente.


— Não…. Nunca penso em tocar para ninguém…. — Disse passível, sentando-se ao meu lado com um olhar tão perdido e ainda mantendo aquele tom profundo e enigmático


— Ah, mas você deveria. Você é bom no que faz e as pessoas ficam maravilhadas quando tocam algo que as tocam em seu coração, você sempre vai receber muito a elogios além de presentes. Mas tocar em meio a um monte de gente pode causar nervosismo, mas quando você está preso em sua música, você se esquece para quem está tocando…. Experiência própria…. 


Droga, você tem que parar de falar excessivamente quando você começa a puxar assunto quando se trata de música Evelyn! Um silêncio eterno pairou naquela sala, além do imenso desconforto que eu tinha, Shu ainda mantinha o seu olhar pregado em mim, nas linhas das minhas curvas, no meu busto e principalmente no meu pescoço com uma certa gula. Ele me desejava, e estava louco para pregar suas presas em meu pescoço, então o que o impedia? Eu realmente não sei o que se passa nessa cabeça desse preguiçoso, quando eu abri a boca para falar algo, o vampiro de repente segura em meu queixo fazendo-me olhar naqueles olhos profundos e enigmáticos.


É tão bonito e ao mesmo tempo tão profundo e mórbido, era o que sentia ao olhá-lo tão de perto e também sinto que vai ser completamente difícil de decifrá-lo, como eu vou tê-lo em minhas mãos sendo que eu não sei o que ele pensa? Não Evelyn, você não tem que se render tão fácil. Não vai ser nada fácil como nunca foi desde o começo, só que, perto dele eu sinto algo estranho. Esse algo que eu quero tanto ignorar mas não consigo, essa ligação estranha que tenho tanto com ele e com Subaru…. Essa sensação de nostalgia como se em vidas passadas nós tenhamos nos visto ou sei lá tido um momento assim. 


— Eu não sinto o seu cheiro…. — Disse ele bem perto do meu pescoço, me deixando completamente paralisada. "Desde quando ele sabe sobre a verbena!?", calma Evelyn, não precisa se precipitar, deve ser por conta do meu sangue e além do mais a verbena que estou utilizando não tem cheiro e só afasta vampiros.


Como medida evasiva, tento me afastar mas logo ele agarra a minha cintura com força aproximando-me para perto de seu peito, não sentindo nenhum batimento cardíaco ali. Merda! Que situação de merda eu tô me metendo!? 


— Shu, por favor me solta…. — Digo séria, levantando o meu tronco deixando um pequeno espaço entre nossos lábios, tão perto, tão bonito… Ah, como eu quero avançar nesses lábios…. Mas eu tenho que controlar o meu desejo e a minha chama crescente, sei que não vai acatar o meu pedido, mas seus olhos estavam tão cravados em mim que eu não conseguia me desviar deles me obrigando a encará-lo na mesma intensidade com as nossas respirações batendo uma contra a outra


— …. Isso não é normal. — Ele ainda permanecia com os olhos fixos ao meu pescoço, ouvi ele engolir a sua saliva, ah como esse homem queria me devorar de qualquer jeito, e eu também estou quase cogitando deixá-lo fazer. — Mas quem se importa? — Disse ele com um sorriso lascivo.


Como pode um homem como ele ser tão apetitosamente perfeito? "Ah, Shu… Você mal sabe o que eu tanto quero…", logo minhas mãos bobas começaram a passar por toda aquela extensão de suas costas e fios loiros, fazendo-o se arrepiar um pouco com o meu toque, é tão fácil assim fazê-los tão submissos a mim!? Vi que ele também adorava brincar e suas mãos apressadas foram para os meus botões e um por um, desabotoando-os mostrando perfeitamente os meus bustos, vejo que ele sorri ao vê que são como ele gosta, não ficando de fora, eu logo desabotoei a sua blusa tendo uma bela visão de seu peitoral antes de me mexer ele agarra meus seios, logo esboça um sorriso malicioso.


— Você é bem suja, para alguém há  uma semana atrás que não estava gostando como era tocada. 


— Bem vejamos, eu mudo de ideia fácil e também o arrependimento bate…. "Porque eu não me aproveitei quando tinha oportunidade!?" — fingi estar magoada e triste comigo mesma, mas só era fachada minha e com aquela minha ceninha, desesperadamente ele deita o meu corpo no banco do piano, levantando as minhas mãos para cima da minha cabeça tendo uma bela visão dele por debaixo


— Você é daquelas que finge marra mas no primeiro momento está gemendo implorando por mais. De inocente você não tem nada. — Disse ele tentando gozar da minha cara mas é aí que eu jogo minha carta de reversão 


— É eu posso muito bem "fingir" que eu tenho marra e que sou dura no que eu digo, mas meu amor, eu quero é mesmo ser fodida. — Digo levantando a minha cabeça para perto da dele esboçando um sorriso malicioso, deixando bem surpreso com o que eu disse e imediatamente sou tomada por seus lábios.


O beijo de Shu era possessivo e cheio de desespero, ele não tomou limites quando enfiou contudo a sua língua em minha boca começando a explorá-la, eu logo puxei a sua nunca tomando-o para mim, enquanto que puxava delicadamente os seus fios loiros, era algo que ele sentia saudades? Parecia que esse desejo que ele tinha estava bem contido e só precisou de um pequeno gatilho para avançar e deixar o seu lado selvagem falar mais alto, nós separamos um pouco para recuperar o ar, estamos bem ofegantes, eu estava com a pele pelando, pedindo por aquilo ainda sorrindo.


— Tsh, você está me tentando demais garota explosiva, vou te fazer pagar por aquele chute. — Sorrindo para mim, ele havia tirado o fecho do meu sutiã, e quando me senti bem leve por não ter algo que prendia em mim o vampiro então logo se abaixou e abocanhou o bico me causando diversos arrepios, ele começou a chupar excessivamente enquanto que fazia de tudo para não gemer tão alto.


— Tsh, porque está contendo os seus gemidos? — Sua voz estava tão embriagada e tão sexy que estava, então novamente fui tomada pelos seus lábios e com a outra mão ele brincava com meu peito.


Foda-se que isso é uma escola, essa merda tá tão boa e deliciosa que quero ver até aonde eu ou ele podemos ir com isso. Shu começou a deixar diversos chupões em meu pescoço e também variou quando deixou uns três no colo do meu peito para deixar a sua marca, denominando-me como sua, foi quando as coisas iriam para um outro extremo quando ele abriu a sua boca e vi seus caninos aumentarem de tamanho o que me fez lembrar do meu real objetivo. 


— Desculpa gatinho, mas hoje não vai dá. — Digo no corta clima me levantando e o empurrando o seu peito com força me levantando, ajeitando o meu sutiã e colocando os botões novamente para ir embora.


— Como é que é? Você vai me negar!? — Falou incrédulo se levantando agarrando o meu pulso 


— Não me leve a mal Shu…. Mas no momento eu não estou com tanta vontade. — Finjo estar bem chateada, como uma bela atriz deve ser — Outro dia a gente continua, digo tentando me soltar mas logo sou puxada, com o meu corpo colado no seu, dessa vez ele estava bem diferente de antes, algo que nunca tinha visto antes. Ele parecia bem confuso, dava para ver em seu olhar, mas tinha algo a mais, foi quando senti ele agarrar a minha cintura firmemente, eu não conseguia dizer com clareza o que ele sentia, tão pouco que o conhecia


— Você está diferente…. — Disse ele me olhando sério, vendo o meu reflexo em seus olhos azuis de tom oceânico


— Como assim diferente? — digo não estando assustada e surpresa com aquela revelação, apesar de ser bem questionador do que ele estaria se referindo. — Eu sou a mesma pessoa de antes, não tem nada de diferente. 


— Aconteceu algo entre vocês? — perguntou ele bem desconfiado apertando meu pulso


— Não aconteceu nada. O que te faz pensar que aconteceu algo? — Indago mantendo a minha postura firme sem me abalar por nada.


— Tsh, esquece.... — ele me soltou e voltou para o divã logo fechando os olhos, me ignorando completamente. Pisquei várias vezes tentando digerir tudo o que tinha acontecido ainda encarando aquele vampiro que estava deitado ali dormindo ou escutando música.


Mesmo dando qualquer resposta, Shu ainda parecia não acreditar no que eu digo, em tão pouco tempo que ficamos juntos e conversamos ele ficou a ponto de descobrir a verdade e eu não quero dar esse gostinho para ele, não quero que meu plano seja estragado por qualquer sanguessuga que me aparecer pela frente, e bem Shu, você conseguiu estar na minha lista, sinta-se honrado.



Notas Finais


Tá aí a putaria que queria. Eu realmente só faria na segunda temporada, mas visto contratempos por aqui e ali e as tomadas de decisões que eu escolhi e seguirei a "risca" vai ter sim putarias pra todo lado! Espero eu poder continuar com o capítulo 29, só sei que depois daí vcs vão tombar para caralho XD. A cena do Shu eu tive que modificar, as coisas tinham começado e "terminado rápido" ficou bem corrido eu diria, mas eu acabei mudando e trouxe um ar do que ele realmente é malicioso e safado. A mesma coisa com uma cena do laito que só alterei uma frase só isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...