1. Spirit Fanfics >
  2. The Loud House - O Pobre Infortunado >
  3. Luxúria Sombria

História The Loud House - O Pobre Infortunado - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Era pra eu ter demorado mais,mas estava querendo tanto continuar isso,meu deus,essa história ta me dando muito hype

E como pedido,nossa protagonista terá sua barba raspadas,e aproveitei pra dar um cortadinha no cabelo.
Fiquem com o capítulo ✌

Capítulo 4 - Luxúria Sombria


Lily chorava enquanto seus braços estavam envolto de seu irmão,senti-lo daquele jeito foi seu sonho por muito tempo,enquanto isso Lincoln tambem não podia acreditar que aquela mulher era a pequena bebezinha de antes,mas o tempo passou e ela cresceu,sem ele,ter saído de Royal Woods pre ele teve apenas um lado ruim,não ter visto como ela se tornou como ela é hoje. Ele se afasta do abraço dela para poder olha-la melhor.

Lincoln: ...uau... essa é a pequena Lily ou uma impostora? - disse sorrindo,um sorriso verdadeiro,algo que não era mais comum na vida do albino. Lily cora de vergonha e desvia o olhar.

Lily:  eu sei,feia que dói né haha - disse coçando o braço,então Lincoln se aproxima de novo e se abaixa um pouco para encarar a loira nos olhos.

Lincoln: feia? você é linda! uma mulher já! isso é incrível! - falou entusiasmado,apertou as bochechas de sua irmã e lhe deu mais um abraço,se alguém que conhecesse o Lincoln como ele realmente é,acharia que estava vendo uma alucinação,ele agindo assim,alegre,descontraído,elogios excessivos,com certeza aquele não é o Lincoln dos últimos 11 anos.

Lily: haha... e como foi sua viagem? - pergunta ela ainda com suas bochechas ainda nas mãos do maior.

Lincoln: adoraria te falar Lily,mas primeiro acho melhor eu ir botar uma roupa - disse se afastando e indo até o banheiro.

Lily: ah sim,tem razão,eu espero - ela vê ele saindo de perto,em direção ao banheiro e trancar a porta,ela vai até o sofa e se senta com as mãos entre as coxa,aquilo estava sendo tão estranho,mas de um jeito bom.

Enquanto Lincoln se apoia na pia e se encara no espelho grande do banheiro chique.

Lincoln: o que foi aquilo? você está exagerando,muito forçado,é pra agir normal,não o seu normal ou o normal tipo como se eu tivesse maluco,apenas fique calmo... é melhor eu botar logo a rou... - ele para de falar ao ver que não havia trazido consigo sua mala e sua mochila,ele às deixou na estação de trem no armário,logo sentiu a frustração,normalmente xingaria bem alto agora,mas não,pelo menos não agora,então ele fecha os olhos e respira fundo,tentando pensar no que fazer agora. Após um tempo assim,uma batida na porta o tira de seus pensamentos.

Lily: está tudo bem aí? - pergunta ela do outro lado da porta,aproximando a orelha na madeira branca.

Lincoln: a-ah,Lily... sim,está tudo bem,é só que... parece que esqueci as minhas coisas na estação,junto com as minhas roupas,então... - o albino se xingava sem parar em seus pensamentos,aquela confusão na frente do bar o fez esquecer completamente de suas coisas.

Lily: ah... a estação não é tão longe daqui,eu posso ir lá em um pulo e trazer suas coisas - disse sorrindo e apoiando suas costas na porta.

Lincoln: eu posso botar a roupa que eu estava antes Lily,não quero te dar trabalho - mal chegou na cidade e já estava dependendo de sua irmã,já odiava depender de alguém,agora sua irmã? que péssimo irmão ele é.

Lily: ha para,vai ser rapidinho,não vai dar trabalho nenhum e prometo que vai ser rápido.

Lincoln: ...certo... você pode ir pegar minhas coisas por favor? - disse esfregando a mão na cara.

Lily: sim querido irmão hihi - ela já saía do quarto quando seu irmão a chama.

Lincoln: espera,você vai precisar da chave - disse abrindo a porta e entrega a chave pela fresta.

Lily: brigadinha - ela pega a chave e sai do quarto,e em instantes já estava fora do hotel correndo na rua,o que ela queria era agradar seu irmão o máximo possível,estava ciente o quão difícil era pra ele estar de volta,então queria que sua experiência enquanto estivesse ali,fosse a mais agradável possível,e ainda por cima,estava querendo pedir uma coisa pra ele,que com certeza não seria fácil fazer ele aceitar.

##########################

Lily chegou na estação tão rápida quanto chegou no hotel,com a chave ela destranca o armário e pega a mochila e a mala de Lincoln,ficou surpreso como era pesado.

Lily: o que será que ele trouxe? - disse botando a mochila nas costas e pegando a mala com pouca dificuldade,mas estava tudo bem - pronto,agora é só voltar pro...

Lucy: oi Lily - disse a gótica da família Loud bem atrás de Lily,dando um susto na loira,fazendo a mesma dar um pulo junto de um gritinho.

Lily: Lucy?! - falou se virando pra irmã em um tom surpreso - o que você está fazendo aqui? - Lucy,agora com 24 anos,era uma mulher extremamente linda assim como seu corpo,cabelos pretos como a noite,com a franja sobre seus olhos assim como era criança,sua pele é pálida e com algumas sardas,seu estilo e gosto não mudaram em nada,continuava sombrio,ela usava um choke preto no pescoço,uma camisa preta,nos braços ela usa umas mangas listradas preta e branca,uma saia xadrez cinza,meias cano alto listradas assim como as mangas e botas pretas nos pés,seu estilo realmente não havia mudado.

Lucy: eu gosto de andar de trem as vezes... me ajuda a me inspirar,melhora minha escrita dando profundidade quando eu sento no banco em um vagão sozinha pensando sobre minha vida vazia... - falou em um tom monótono,uma expressão sem emoção estava estampado em sua cara,não que desse pra ver completamente por causa de sua franja,mas era o seu normal - e o que você está fazendo aqui? - disse no mesmo tom.

Lily: eu?... aanhh... eu... - não sabia se podia falar sobre o Lincoln,provavelmente ele não iria gostar que a família soubesse de sua volta tão cedo - eu vim pegar umas coisas pra um amigo meu haha - sua risada era forçada e ela parecia nervosa,a loira não era boa com segredos,e Lucy era boa em arrancar segredos das pessoas.

Lucy: ...hum... - ficou um silêncio entre as duas,se encaravam estáticas no lugar,Lily as vezes olhava pro lado ou fingia tossir,e Lucy,parada - ...certo... até mais Lily... - falou se virando pra ir embora,e Lily já soltava um suspiro de alívio,sentia seu coração voltar a bater,quase gritou o que realmente estava acontecendo,mas pela sua sorte,Lucy foi embora.

Lily então pode sair da estação com as coisas de Lincoln e felizmente não encontrou mais nenhuma irmã no caminho. Ao chegar,ela sobe pro andar e chega no quarto.

Lincoln: Lily?! é você?! - pergunta do banheiro após ouvir o som da porta do quarto se abrir.

Lily: sim! trouxe suas coisas - falou indo até a porta do banheiro.

Lincoln: boa,me dê a mala,por favor - disse abrindo a porta e estendendo a mão,e Lily entrega a mala pro seu irmão mais velho - valeu Lily - ele fecha a porta e a tranca novamente - agora é só me esperar,não vou demorar.

Lily: ok,sem problema - então ela volta pro sofa e deixa a mochila do lado,ela vê o controle e decide ligar a tv pra ver alguma coisa enquanto espera.

Após alguns minutos,Lily pode ouvir o som da porta do banheiro sendo destrancado,ao vira o rosto ela vê seu irmão em pé a encarando,usando uma camiseta com a estampa de um cachorro quente usando óculos escuros,o albino tambem usava uma calça verde musgo,munhequeiras pretas nos pulsos e tênis all star preto cano alto nos pés.

Lily: uau,gostei do estilo irmão - falou impressionada,achava que o Lincoln adulto era um pouco careta demais pra uma camisa de hot dog descolada,muito descolado.

Lincoln: ei,por acaso você saberia de um lugar pra eu cortar o cabelo e dar uma raspada na barba por aqui? - Lily se surpreende mais ainda,seria uma boa dar uma cortada,ele ficaria mais jovem pelo menos.

Lily: hmmm deixa eu ver...

##########################

Agora na rua,os dois irmãos andavam lado a lado.

Lily: você ficou perfeito Link - disse ela alegre,sem parar de tirar os olhos de Lincoln,sua barba e bigode haviam sumido completamente,e seu cabelo agora estava mais curto mas nem tanto,com um corte parecido com o que usava quando era menor,mas só que maior do que costumava usar,com certeza lhe deu um novo visual,sentia-se tambem como se fosse olhado por algumas pessoas da rua.

Lincoln: por que sinto que quase todos que passam por mim me encaram? - e ele diz isso sem mencionar que a maioria eram mulheres. Lily abre um sorriso travesso entre os lábios.

Lily: ah para,você sabe muito bem o porque garanhão - falou cutucando ele com o cotovelo.

Lincoln: ah para,só cortei o cabelo,que diferença faz? contínuo eu.

Lily: primeiro,você deveria ser mais confiante com sua aparência,e segundo,faz muita diferença,com àquela barba branca,parecia que tinha 60 anos - Lincoln se calou,não era mentira,ao passar por uma vitrine,se viu no reflexo,estava mesmo diferente,se perguntou por um momento do que Jane acharia de seu novo visual.

Lincoln: hm,acho q tem razão.

Lily: eu sei que tenho,o que achou da suíte de hotel?

Lincoln: ah eu achei bastante chique,até demais... você fica lá?

Lily: eu não,eu moro com uma amiga aqui perto - Lincoln então fica surpreso.

Lincoln: peraí,Você pagou um quarto daqueles pra mim?

Lily: ué,claro.

Lincoln: Lily,é muito,eu não poderei te pagar por... - a loira então interrompe o albino.

Lily: e eu lá quero que você me pague,somos irmãos o cabeção.

Lincoln: mas não precisava ser em um hotel de 5 estrelas Lily,não é pra tanto

Lily: é sim! por mim eu te deixava em um lugar melhor ainda,mas o dinheiro não importa,o que importa mesmo é que você tá aqui... mas então,o que acha de tomarmos um café? - pergunta ela botando as mãos no bolso e mudando de assunto,sua aura cheirava a puro otimismo,parecia alegre demais,ter seu irmão por perto,falar com ele cara a cara,era tão bom.

Lincoln: ...pode ser - responde o maior,ainda queria voltar esse assunto do hotel mais tarde,mas por agora os dois param e uma cafeteria que estava bem no caminho,eles entram e escolhem a mesa que fica na vitrine,o dia estava lindo e ainda tinha a rua com muitas árvores altas,que cobriam um pouco a rua,mas algumas frestas de luz passava pelas folhas,pessoas passavam assim como os carros,tudo era tão tranquilo,melhor momento para se estar na vitrine e se desfrutar de um bom cafezinho.

Lincoln olhava pra rua apoiando a cabeça na mão,olhando cada centímetro da imagem linda que àquela vitrine podia oferecer,Royal Woods sempre foi tão bonita? parecia um lugar ótimo pra morar,parando pra pensar,onde ele mora atualmente dificilmente tem clima bom,sempre com um cheirinho de fumaça e lixo nas ruas,ele não morava na parte nobre tambem,mas sabia como a cidade era por completo,não muito bom.

Lincoln: Royal Woods é um lugar legal... - se xingou mentalmente novamente,prometeu que nunca mais iria pisar nessa cidade,e lá estava ele em uma cafeteria elogiando a cidade.

Lily: é sim... mas sem você... não é a mesma coisa... - falou tambem olhando lá fora - vou pedir nossos cafés,quer mais alguma coisa? - a loira se levanta da cadeira.

Lincoln: um café já ta ótimo.

Lily: como quiser - falou saindo de perto da mesa e indo até o atendente.

Lincoln volta a olhar a rua,pensava como estava sendo atraído por tudo aquilo,imaginou por um momento como teria sido a sua vida se nada tivesse acontecido à 11 anos atrás,ele teria um apartamento lá? estaria com alguém? teria outro emprego? 

Mas ele para de pensa em tudo quando nota uma coisa bem na esquina da rua da frente,ele começa a encarar e forçar a visão.

Lincoln: ... é a...? 

Lily: voltei - disse sentando na cadeira e botando uma bandeja na mesa,com dois cafés e dois cookies,Lincoln logo desvia a atenção da rua por um momento e volta a encarar quem olhava antes,mas agora nada,havia sumido - ta olhando o que?

Lincoln: ...nada... achei ter visto alguém - falou voltando sua atenção pra mesa,talvez apenas esteja imaginando coisas.

Lily: então como foi a su-oh meu deus,o que aconteceu com a sua mão? - falou após notar o roxo que estava em seus dedos. Lincoln paralisou,não podia contar que ao chegar na cidade havia brigado com dois homens junto de um maluco,não sabia como ela iria reagir,o que ela ia pensar dele.

Lincoln: aanhh... eu faço boxe às vezes,gosto de treinar um pouco as vezes,acho que peguei pesado no meu último treino - falou tomando da sua xícara de café,tentando agir de forma mais natural possível.

Lily: ah entendi,e não dói não? - por sorte,a loira acreditou no irmão.

Lincoln: não,está tudo bem... - um silêncio fica entre eles,dando espaço para poderem terminar de tomar seus cafés. Quando o albino dá seu último gole,e chama a atenção de sua irmã - Lily...

Lily: sim? - ela vê Lincoln encarando a xícara vazia,em um transe.

Lincoln: como... aconteceu? - pergunta sem tirar os olhos da xícara,seu tom era monótono,parecia deprimido. Lily por um momento não havia entendido,mas logo percebe do que se tratava.

Lily: ...ligaram da casa de repouso... parece que ele estava cada vez mais teimoso em tomar os remédios... tambem ele não estava se sentindo tão bem ultimamente... - dizia a menor olhando pra rua,enquanto Lincoln ficava em silêncio - ...então... à três dias ele passou mal no quarto e... infelizmente não resistiu...

Lincoln: ...eu... eu tinha falado com ele... uma semana atrás... ele parecia tão bem... estava alegre como sempre foi,bem humorado e... porra... - disse dessa vez sem segurar as palavras,ele deixa a xícara de lado e apoia o rosto nas mãos,esfregou um pouco e logo cruza os braços - ...não fazia idéia que ele estava passando por isso... estive tão longe por tanto tempo...

Lily: Lincoln... não tinha nada que podíamos fazer... ele já estava velho... e... - o albino interrompe sua irmã menor.

Lincoln: eu podia ter vindo visitar ele... de vez em quando... não seria tão ruim... - Lincoln agora notou como sua raiva pelas pessoas que ele odiava o distanciou das pessoas que ele amava.

Lily: ...Lincoln... eu tava querendo te pedir uma coisa... - diz ela botando a xícara na bandeja,abaixando a cabeça,se sentindo nervosa,não tinha certeza se deveria dizer o que estava prestes a falar - e se... você... voltasse pra cá... - Lincoln se vira pra ela,a olhando com uma expressão difícil de detalhar - sa-sabe,i-isso já durou muito tempo... talvez... se a gente juntar todos nós pra conversarmos... a gente pode resolver o proble... - Lincoln interrompe ela mais uma vez.

Lincoln: Lily,para.

Lily: ma-mas Lincoln,11 anos,11 longos anos você esteve longe,você não sabe quase nada de mim e eu sei sobre você o tanto que você sabe sobre mim! eu senti tanto a sua falta,ter você aqui comigo é muito especial pra mim,e só de pensar que você vai ir embora outra vez... eu não quero isso...

Lincoln: Lily,eu não consigo ficar aqui,na mesma cidade que eles,o que eu tive que passar,o que eu sofri,Você não entenderia - falou tentando explicar pra irmã,que não conseguia segurar as lágrimas.

Lily: eu tambem sofri Lincoln! - disse em um tom mais alto,chamando a atenção de todos daquela cafeteria - você não faz idéia do vazio que você deixou pra mim ou na nossa família,eles erraram em fazer o que fizeram com você,mas talvez esteja na hora de deixar no passado,eles se arrependem do que fizeram!

Lincoln: NÃO SEI SE CONSIGO PERDOAR ELES LILY! - gritou se levantando e batendo na mesa,assustando sua irmã e aqueles que estavam em volta,a raiva estava estampada em seus olhos,mas logo vê o que estava fazendo e respira fundo,sentando de novo - ...eu... não sei se consigo perdoa-los,não é fácil assim,tive que passar por muitas coisas Lily,meu dinheiro acabou em um momento,gastando em comida e hotéis,então acabei na rua,passei frio,passei fome... Lily,eu briguei com um sem teto por um pão mofado no lixo,ele me esfaqueou com um pedaço de vidro,então naquela noite acabei roendo as unhas enquanto tinha um corte na minha barriga... fala se um garoto de 14 anos tem que passar por isso... - Lily escutava aquilo espantada,sem querer acreditar que aquilo era real,mas ela lembra no quarto do hotel,ele tinha algumas cicatrizes sim,e não era só uma - e acredite,aquela não foi a primeira vez que fui esfaqueado,ha tem muito mais,eu já fui espancado,humilhado,enforcado,pisoteado e baleado! ...acredite em mim Lily,eu sinto que nunca vou ver nosso pai,mãe ou irmãs com os mesmos olhos... fico feliz que eles se arrependem,e que eles fiquem com esse sentimento de culpa pra sempre... - o clima estava horrível,Lily apenas conseguia olhar pro seu irmão espantada por tudo que ouviu.

Ele tinha razão,por causa do egoísmo da família,ele sofreu,passou por coisas horríveis ainda criança,e mesmo depois de tudo que ele já fez por eles,sempre que precisavam ele estava lá por todas suas irmãs.

Lily: ...desculpa... - falou com vergonha,de cabeça baixa sem coragem de olhar seu irmão nos olhos. Lincoln suspira e coça os olhos,se sentiu mal por ter exagerado,falar aquilo pra irmã menor,se sentiu horrível.

Lincoln: ...Lily,quando é o funeral do vovô? - pergunta ele em um tom cansado.

Lily: amanhã... quarta-feira...

Lincoln: ok... - após pensar um pouco,ele decide - eu vou ficar aqui por um tempo tudo bem? - Lily levanta a cabeça pra olhar seu irmão,ela parecia surpresa - mas não por muito tempo... uma semana ou duas... mas não mais que isso... tudo bem? - Lily ficou em silêncio,não era o que ela queria,mas era melhor do que nada.

Lily: ...tudo bem... - aliás,quem sabe ela pudesse convence-lo mais tarde,pra ela,a confiança é a última que morre.

Assim passou o tempo com eles lá tomando café e comendo algumas besteiras,estava ficando tarde e o funeral iria ocorrer cedo,então ambos se despediram e Lily foi para seu apartamento enquanto Lincoln voltou pro hotel.

O que não sabiam era que foram seguidos durante o dia,por uma mulher de preto,Lucy

##########*Lucy on*##########

Meu dia havia sido como qualquer outro,acordar sozinha em meu apartamento frio e escuro,não que isso fosse ruim,prefiro desse jeito,mas as vezes admito que eu sinto falta daquela casa com outras 9 irmãs e um... irmão... sinto sua falta todos os dias Lincoln,Você era o único que me entendia,que não me esquecia nas sombras,um cavalheiro emoldurado que com teve sua humilde existência deixada de canto por àqueles que você entregou suor e sangue,e claro,fiz nada para impedir,então não sou diferente deles.

Os únicos bondosos dessa família foram embora,um expulso por nós,e outro levado pela tragédia da vida,eu gostava muito do vovô,ele era como o Lincoln mais velho,se eu fosse mais jovem,iria tentar falar com seu espírito,mas deixei de fazer essas coisas... chegava ao um ponto que fazia bem pra minha cabeça.

Não estava muito bem para escrever,poderia ficar em minha cama até o sol explodir,saudade do meu velho caixão,talvez fosse bom passear de trem,poderia me ajudar a me concentrar,apenas eu e meus pensamentos.

Eu levanto da cama lentamente e vejo meus gatos pretos se aproximando da cama.

Lucy: oi Vlad... oi Dogma... - eles se aproximam e se esfregam na minha perna,sua companhia era insubstituível.

Sem pressa eu escovo meus dentes e visto uma roupa,deixo um pouco de comida para meus gatos e deixo meu apartamento,saindo do meu prédio antigo,século 18,do jeito que eu gosto.

Hoje o dia estava mesmo lindo,não gosto de admitir essas coisas,mas até um vampiro iria concordar comigo. Ao chegar,eu me surpreendo ao ver Lily de frente dos armários,decido me aproximar e falar com ela.

Assusto ela como costumo fazer as vezes com as pessoas,não sei como eu ainda consigo fazer isso mas pelo visto ainda não perdi o jeito,ela parece bastante nervosa,está escondendo algo de mim,me deixou curiosa,o que ela estaria escondendo de mim que poderia me interessar? agora talvez eu tenha algo pra me distrair pelo menos um pouco.

Fingi não mostrar interesse e deixei ela ir embora com as coisas que segurava,a segui pela cidade,tive que correr um pouco,ela estava com bastante pressa,devendo ser por causa do que estava escondendo,tive sorte que ela nem imaginou que eu estava seguindo seus passos.

Até chegarmos em um hotel bastante chique,onde ela entra e decido esperar um pouco do lado de fora,não é muito do meu agrado esse tipo de lugar,muito branco e muito brilhante pro meu gosto.

Se passou um tempo e eu já estava desistindo,aquilo era tão bobo,deveria estar pensando na minha próxima história e não seguindo minha irmã para descobrir um segredinho sem importância.

E era isso que pensava até quando a vi saindo do hotel com um homem alto,magro de cabelos brancos,meu coração parou na hora,não podia ser,não podia ser ele,não tinha como como ser ele,mas meu coração dizia que era.

Lucy: ...Li... Lincoln... - meu deus... como? quando? ele estava na cidade? Lily não falou nada? ai me veio à mente,Lincoln voltou por causa do vovô,apenas por causa dele,ele não... ele não estava de volta pra gente... isso me deixou triste por um momento,mas logo lembro que preciso me manter fora de vista.

Os sigo agora com mais cuidado,ao contrário de Lily,Lincoln é bem mais atento,olhava pra tudo. Eles andam até uma barbearia e entram lá,saindo pouco tempo depois,agora sim eu podia ver melhor seu rosto,e pude ter certeza absoluta,era mesmo ele,como ele tava diferente,meu coração parecia que iria sair do peito,queria abraça ele,me afundar em seu colo,sentir seu calor,ooh irmão,olhe como você resistiu ao mal que lhe causamos quando criança,voltando agora como um homem independente e... tão... perfeito...

#########Narrador on########

A mulher de cabelos pretos não conseguia controlar a respiração,seu coração batia cada vez mais rápido,não estava prestando atenção em mais nada ao seu redor,apenas seu irmão dominava sua cabeça,e provavelmente todo o resto do corpo tambem.

Lincoln e Lily entram em uma cafeteria e Lucy para na esquina,o olhando pela vitrine com olhos de desejo,o que Lucy sentia pelo seu irmão com certeza não era normal,e ela sabia muito bem disso,mas não tinha como evitar,Lincoln sempre foi um exemplo de homem pra ela,sempre foi educado,carinhoso,atencioso e cuidadoso com o sentimento de todos,lembrou de quando ele assumiu a culpa de entupir o vaso sanitário da casa com o livro da princesa Pônei,claro que esse não foi a única coisa que fez por ela,se falasse de tudo,iria fazer uma lista enorme,então por causa disso tudo,acabou cultivando um sentimento maior do que simples amor familiar.

Derrepente Lucy volta a realidade quando seu irmão a encarava ao longe,e em um pulo ela corre de lá o maid rápido possível,indo até a sua casa.

Ao chegar,ela fecha a porta com tudo,vai até seu quarto e pula na cama afundando seu rosto no travesseiro,sua cabeça girava e sentia sua barriga esquentar,ela virou o corpo até ficar de lado,vendo do lado da cama uma foto dela com seu irmão,pequenos,em um evento onde Lucy ganhou o prêmio de melhor poema,lembrou como estava nervosa,mas Lincoln esteve lá por ela o tempo todo.

Lucy: ...Lincoln... - ela desce sua mão pelo seu corpo,até chegar em sua intimidade,notou o quanto sua calcinha estava úmida,por causa do seu irmão - ...olha o que você me causa amado irmão... i-isso é sua culpa... - aos poucos ela começa a mexer os dedos,soltando um abafado gemido,estava sensível ao toque,seu corpo estava em chamas.

Lucy tira sua saia e a joga pra longe,desliza sua mão pra dentro de sua calcinha preta e consegue sentir sua intimidade implorando pelo irmão mais velho,sua mente estava inundada de pensamentos pervertidos,queria ele,queria ser sua por uma noite inteira,de formas e jeitos diferentes,vendada,amarrada,completamente a mercê de Lincoln.

Lucy: aah Lincoln... - ela aumenta a velocidade de seus dedos,seu corpo se contorcia a cada sentimento,se desculpava mentalmente por fazer tal ato com seu irmão na cabeça,mas não podia evitar,era muito bom,seus gemidos cada vez ficavam mais altos e longos,não tinha nem como tentar segurar,estava chegando ao clímax depois de alguns minutos ali se dando prazer,seu corpo tremia sem parar - Lincoln e-eu to... eu to... - o corpo da pálida se contorce ao máximo,arqueado pra cima ela grita em luxúria.

Ela fica estática por alguns segundos sem ar,até que seu corpo cai sobre o lençol,ela buscava ar desesperadamente,uma parte da cama estava encharcada assim como sua intimidade,queria que tivesse sido ele a fazer isso com ela,sentiu-se triste por um momento,mas após conseguir se recompor,ela pega a foto do lado da cama e aproxima de seu rosto.

Lucy: ...só de te ver irmão... me causou sentimentos que podia jurar estarem extintos em meu coração... mas agora você voltou... - ela então beija a foto devagar,uma lágrima desce do seu olho,ela estava pela primeira vez em muito tempo feliz de verdade.

#########################

O dia começava em uma quarta-feira,ao contrário do dia anterior,o dia estava mais fechado e mais frio,e em um quarto de hotel sofisticado,o albino acordava em um clima não muito alegre,era hoje o funeral de seu avô,Lincoln se sentia péssimo,algumas memórias de seu avô voltaram a cabeça,queria ter passado mais momentos com ele,mas agora era claramente tarde demais.

Ele levanta da cama e vai até sua mala,a única roupa mais formal que ele tinha era a que usou ontem,mas por sorte conseguiu lavar a tempo e poderia suar de novo,ele bota a calça preta,a camisa branca com as mangas dobradas até o cotovelo,uma gravata vermelha e botas nos pés.

Ele desce até a recepção e encontra Lily o esperando,ela parecia muito mal,seus olhos estavam vermelhos de tanto chorar.

Lincoln: ...tudo bem? - pergunta ele se aproximando.

Lily: ...sim... apenas ainda está difícil de aceitar isso... - falou desviando o olhar,se surpreende quando seu irmão a abraça.

Lincoln: está tudo bem... va-vai passar... - eles ficam assim por um tempo,até separarem do abraço e saírem do hotel.

Pegaram um taxi e foram até o cemitério de Royal Woods,nenhuma palavra foi dita dentro daquele carro,Lincoln não parava de pensar que iria ver sua família outra vez,estava nervoso,não sabia ao certo como iria reagir,provavelmente sentiria raiva,muita raiva,mas teria que aguentar,não estava lá pra brigar,estava lá em memória de seu respeitável avô.

O carro para na frente da entrada,Lincoln e Lily descem do carro e entram no cemitério,o clima conseguia ficar pior,o cemitério passava um sentimento de solidão e fragilidade.

Lily: vai ser perto do portão B... temos que andar um pouco até lá... - eles passam por algumas lápides,cada uma com um nome de uma pessoa,com uma data e uma mensagem.

Viram ao longe uma casinha,algumas pessoas estavam do lado de fora,fumando,chorando ou simplesmente em pé olhando as árvores. Ambos entram passando por algumas salas,onde estava outras famílias e seus entes queridos mortos,e logo na última porta,que estava fechada,havia mais barulho,uma discussão,era a família Loud.

Lola: você nunca passou de uma menina coberta de lama! - Lincoln reconhece a voz da loira,era Lola com seu ego inflado.

Lana: e você sempre foi uma mimadinha! - e essa era a voz de Lana,a garota muleka. Lincoln não podia acreditar,mesmo em um enterro do próprio avô,as duas conseguiam brigar.

Lily: essas duas são impossíveis... - disse a menor - então... ta preparado? - diz ela pro irmão,que encarava aquela porta sem parar,e em resposta ele acena com a cabeça.

Lincoln: sim...





Notas Finais


olha a treta vindo ai kkk

(já sabem,qualquer crítica,sugestão ou pergunta é só escrever,obrigado pela atenção)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...