História The Love is a Surprise : Begin - Imagine Jungkook - Capítulo 8


Escrita por: e Jeon_HoMizuS2

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys, Bts, Cute, Fluffy, Imagine Jungkook, Jeon Jungkook, Jungkook, Romance, Saga, Shoujo
Visualizações 35
Palavras 3.643
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieeee amores, Chegueeei.

Não vou enrolava muito hoje por aqui, avisinho para vocês nas notas finais, kissus aproveitem o capítulo 😘🌸

Capítulo 8 - Bônus (SN) Pov's I : Atrasada


Fanfic / Fanfiction The Love is a Surprise : Begin - Imagine Jungkook - Capítulo 8 - Bônus (SN) Pov's I : Atrasada

(S/N) Pov's 

 

 

Acordei de manhã, com uma indisposição enorme. Entretanto ao ver o relógio mostrando nitidamente meu atraso. Pulei da cama, correndo para me arrumar e comer algo antes de sair. 

Corri as escada do pequeno apartamento apressada, em direção à rua. Enquanto tentava colocar o trabalho de minha primeira aula em ordem. Mantendo a pasta que colocaria-o de baixo do braço direito, tentando colocar o restante dos meus materiais na mochila , tudo ao mesmo tempo. 

Corri pela calçada com algumas coisas ainda em mãos. Com o desespero gritando alto, ao ver que meu ônibus estava para passar do outro lado da pista. Tentei me apressar mais ao ver que ele se aproximava. Percebendo em seguida que deveria me apressar mais, ao ver o sinal do semáforo, que ligava as ruas, estar no vermelho para os carros, fazendo os mesmos ficarem parados em fileiras no asfalto. Eu precisava correr antes que ele fechasse para os pedestres, e eu acabasse por perder o ônibus, resultando em esperar o próximo e perdendo a aula. Porém, quando estava perto de chegar perto do semáforo, uma folha de meu trabalho caiu, e o homem que estava andando distraindo em minha frente, parou de uma vez. Me fazendo esbarrar nas costas do mesmo. 

— Arr! que idiota! – Falei em PT-BR mesmo. Me abaixando em seguida, para pegar a folha. Todavia, o meu desespero misturado com o medo de perder o ônibus, era tão grande, que fez com que eu me atrapalhasse toda, resultando em tudo que eu tinha em mãos, se expalhasse pelo chão. (Aah... Não universo, agora não, por favor. Vamos resolver nossos ranços depois!). Percebi que o homem, no qual eu havia esbarrado, se abaixou para me ajudar a pegar minhas coisas, quando eu mal conseguia pegar tudo com as mãos. 

 — Deixe me te ajudar. – Disse ele um pouco abafado pela máscara que usava. 

Assim q ele se abaixo pude olhar por dentro de sua máscara e... MDS! É O JUNGKOOK?!! COMO ASSIM?!!
Não! A pancada deve ter sido muito forte. Jungkook! Por aqui? O que ele estaria fazendo aqui?! Aqui nem é frequentado por famosas ou pessoas de importância. Deve ser alguém bem parecido. Ou um... COSPLAY! É deve ser isso mesmo, soube que muitas pessoas ficam famosas por se vestirem como idols, principalmente os que se parecem muito com eles. Talvez esse moço, apenas tenha aproveitado a oportunidade que Deus deu-lhe de nascer bonito assim, usando isso ao seu favor. 
Sai de meus pensamentos  rapidamente lembrando de meu ônibus. Olhei por cima dos ombro do rapaz abaixado à minha frente. Percebendo que logo o ônibus estaria estacionando na parada.

— Obridada. – Disse pegando tudo que faltava de uma vez, enfiando na mochila. — Com licença, preciso correr, pois estou atrasada para aula. – Dito isso me levantei de pressa, correndo chega rapidamente a parada aonde o ônibus estava, deixando o cosplay de Jungkook para trás. Entrei no veículo, me acomodando no primeiro acento que vi, tentando regular a respiração, após o esforço feito. 

— Jungkook? Será? Não... Acho que não, ouvi dizer que ele nunca vem para essa parte de Seul... Fiquei sabendo que recentemente o BTS estará promovendo  no Japão. Ele deve estar bem ocupado essa hora, se preparando com os outros membros para ir. É! Acho que é coisa da minha cabeça mesmo... É apenas um bom sósia. Melhor parar de ler fanfic (#risos internos). – Disse para mim mesma, enquanto deitava sobre o encosto do bando relaxando as costas, olhando pela janela e colocando meus fones, vendo o ônibus dar partida, na direção aonde se encontrava minha universidade. 

 

                         ..........

 

 

Demorou pouco tempo e o ônibus já estava de frente a universidade na qual eu estudava. Desci do mesmo, logo procurando em minha mochila por meu cartão para entrada. Entretanto, ao abrir a mesma, notei sua ausência. 

— Minha bolsa de documentos?!! Meu Deus!! – Falei assustada parando no meio da calçada, enquanto fuçava desesperadamente pela pequena bolsa, na qual continha meus documentos. Entre eles, estando meu cartão para entrada na universidade, aonde eu não poderia adentrar os departamentos sem ele.

— E agora?.. O que eu faço! Ah! Se não fosse aquele cosplay de Jungkook roubando minha atenção... Que raiva! – Disse brava, me escorando cansada, no muro próximo a entrada. Aonde via alguns alunos entrarem.

Pouco tempo depois, a o local estava deserto, pois todos que estavam ali antes em aula. 

 

— Merda! – Esbracejei chutando uma pedrinha, sustentando o olhar na direção da mesma, sem saber ao certo o que fazer. Afinal, eu era bolsista, teria que poupar o máximo de faltas possíveis. Sem falar no trabalho importante que eu teria que entregar hoje. No qual seria decisivo para passar no teste de capacitação. 

 Notei uma sobram se formar em minha frente, ganhado a forma de uma homem, em seguida vendo minha bolsinha de documentos ser entregue a mim. 

— Moça, você deixou essa bolsa cair, quando saiu correndo. – Disse o dono da sombra, com sua voz grossa, que não me era estranha. 

Olhei para a mesma surpresa,  sendo tomada  por uma felicidade imensa, sem pensar muito no dono da mão grande e pálida. 

— Obrigada, Obrigada, Obrigada. – Disse alegremente dando pulinho de alegria, abraçando minha preciosa bolsinha (Aah! Ainda bem que você está de volta meu bebê!! Se não fosse por você eu não iria conseguir entregar meu trabalho). 

Ouvi uma garlhada cheia de vontade vindo do homem a minha frente. Voltei aos meus sentidos, percebendo como estava agindo de forma boba diante de um estranho, que provavelmente no momento eu era a estranha, visto pela sua reação. 

— Desculpe. – Me desculpei envergonhada, encolhendo os ombros sentindo minhas bochechas queimarem. Já não basta ser atrapalhada... Tem que ser esquisita também (S/N)!
— Muito obrigada mesmo moço, fico te devendo uma. – Conclui meio sem saber o que fazer, entrando em seguida pela entrada da universidade, morrendo de vergonha – digasse de passagem. Indo sem da oportunidade do garoto dizer mais alguma coisa, entraneo no local deixando um cosplay de Jungkook confuso para trás. 

Hoje era dia da prova de capacitação. Na qual, iria descidir quem iria conseguir as melhores empresas para estagiar, em prol do nosso TCC, que se aproximava. Sem falar do quão bom seria para meu currículo. 

Ao passar pela porta de vidro, aonde daria acesso ao departamento ao qual eu precisaria ir. Parei no meio do grande salão, girando meus calcanhares, para voltar a olhar o homem de antes. No qual o mesmo ia em direção a parada, um pouco a frente da Universidade, caminho tranquilamente. Sua silhueta de costas era tão linda, dava para notar o quão seu corpo era bem modelado. Coisa na qual fazia ele se semelhar a um modelo enquanto andava. 

— Será que aquele era realmente o Jungkook... Aí, Céus! Eu estou atrasada, não dá tempo de ocupar a cabeça com esses questionamentos, eu preciso correr. – Conclui por fim minha sentença, subindo as primeiras escadas que vi. 

 


                                     ....... 

 

 

O dia foi super cansativo. Chegar atrasada realmente não era a melhor das opções, já que havia passado por grandes dores de cabeça, pelo simples fato do meu atraso. Porém, eu pude dar o meu melhor, me mantendo confiante com minha nota na prova. 

Aproveitei para chamar as meninas para sairmos na hora do almoço. Estava um caco e precisava sair para recarregar as energias boas e me livrar da tensão pós-prova e punções. 

Fomos até uma lanchonete perto de onde nos encontravamos. A avenida era preenchida por vários jovens, estudantes das universidades próximas aquela área. Mas como eu estava disposta a relaxar, naquele momento, liguei mais cedo reservando uma mesa mais ao fundo, no qual eu imaginava ter mais tranquilidade para conversar e brincar a vontade com minha amigas, enquanto comíamos nosso almoço. 

 

— Vocês são ótimas amigas, né?! – Disse acusadora, apontando para as mesmas enquanto apontava para as garotas próximas a mim, enquanto caminhávamos em direção a lanchenrte desejada . — Viram que eu iria me atrasar e nem me acordaram, suas traíras!
  

— Opa, opa! Quem ameaçou geralmente de morte? – Disse Beka devolvendo a acusação. — Eu fui no seu quarto e te chamei várias vezes, tendo em troca apenas ameaças que me fizeram desistir do ato. Tadinha da minha mãe se soubesse do que ele estava sendo ameaçada. 

— Eu até tentei, mas você parecia que está era morta! Te acordar é uma tarefa quase impossível.  – Tetty disse balançando a cabeça de forma negativa. — A última alternativa era jogar água gelada... E da última vez... Eu senti que ia perder a vida. – Concluiu por fim olhando para um ponto imaginário, como se lembrasse algo, com seus olhos verdes arregalados. 

— O mínimo que consegui fazer foi colocar o despertador, porque ao menos se você quebrasse, era seu mesmo. – Milly disse nos arrancando algumas garlhadas. Sendo a minha de sem graça, pela exposição. 

— Okay, okay... Tenho que ser sincera. Realmente odeio ser acordada... Mas precisava depositar minhas frustração em algo. – Disse soltando o ar me dando por vencida. 

— Não aqui querida. De posite duas frustrações na comida como você sempre faz que é melhor. – Tetty disse fazendo sinal de Stop, nos arrancando risadas. 

— É você está certa! Nada melhor do que jogar as frutações na comida. – Disse ao ainda rindo. 


Contávamos casos engraçados de nossas infâncias enquanto adentravamos o lanchonete. Rindo igual um bando de hienas, não nos importamos com as pessoas a nossa volta. Afinal, eram todos universitários em momentos de lazer, não iam se importar com nossa presença.

 

 Entramos, logo achando nossa mesa com a plaquinha RESERVADO, em cima da mesma. Tetty perguntou a garçonete proxima a nós, nos confirmando que aquela era realmente nossa mesa. Então, nós acomodamos em nossas cadeiras de preferência, aproveitando a presença da garçonete ali para já fazermos nosso pedido. Enquanto a mesma anotou tudo e saiu. 

— Eu acho que me saí bem. – Tetty dizia jogando seus cachos para trás de forma divertida, fingindo superioridade. 

— Olha! Que parece parece até leonina, esbanjando essa confiança toda. – Eu disse brincando, rindo de sua expressão confiante estampando o sarcasmo.

— Eu espero te alcançado uma boa nota. Mesmo que eu tenha me embolando com o conteúdo na hora dos estudos. Eu me esforcei bastante. – Dizia Milly apreensiva.

— Desde que você não tente matar ninguém com uma agulha, acho q está tudo bem. – Disse Beka zuando a amiga, tentando amenizar sua feição. Conseguindo arrancar uma de suas típicas gargalhadas. 

Continuamos conversando de forma descontraída enquanto aguardávamos nossos pedidos. 

Quando eles chegaram, comemos, conversando e rindo de forma descontraida. As vezes eu sentia olhares sobre mim. Mas, quando procurava pelo motivo de meu desconforto. Apenas via vários jovens, alguns sentados conversando e outros andando pela lanchonete, sem darem indícios de serem os culpados.

 Terminamos nossa comida e seguimos de volta para universidade para o fim de nosso dia de aulas e pilhas de lições. Eu já ia rezando para que nada mais ocorresse. Porque a manhã que tive, já havia zerado minha cota de paciência.

 


                                       .....

 

 

Quando cheguei em Seul, recebi ajuda de uma amiga que conheci em Busan – do tempo em que morei lá –, que tinha parentes em Seul, ela me indicou ao seu tio que tinha aberto recentemente um comércio – Bem exótico na minha opinião –. O bom Senhor era alguém muito agradável, e com toda sua gentileza me deu um emprego. Eu dava o meu melhor e me esforçava para equilibrar as dívidas, afinal não era fácil ter que se virar totalmente para quita-las, mesmo que eramos nos quatro, ainda sim, havia dias difíceis. Porém, eu não desanimava, pois era sempre guiada pelos meus sonhos e tinha confiança de que iria realizar todos eles. Já cheguei até aqui, não posso morrer na praia. Mas, eu sempre encontrava apoio em minhas amigas, nós eramos realmente como uma família. Sempre nos ajudavamos em tudo, até para chorar nos feriados comendo Ranmyon (Miojo) enquanto assistiamos doramas, nós fazíamos juntas. Ou simplesmente quando o peito apertava por saudades de nossa família no Brasil. 

 

Eu ia para universidade de manhã, saia no meio da tarde, de lá eu ficava até quase dez da noite no restaurante e então segui em direção de casa. Um apartamento simples, pequeno e confortável, que moravam várias garotas universitárias, entre elas minhas amigas, já que era mais barato que o dormitório convencional da universidade. Confesso que era uma rotina bem cansativa, pelo fato de haver dias, no quais eu ia dormir muito tarde estudando ou fazendo trabalhos, mas de certa forma, me sentia feliz e realizada. 

Havia acabado de sair do banho, no vestiário feminino da universidade aonde o clube de dança me deixava usar, me preparando em seguida para mais um dia de trabalho.

Peguei o ônibus e fui em direção a empresa, que eu chamava de paraíso, mesmo que fosse meu trabalho, e um nome meio contraditório. Sempre tinha aquele cheirinho de comida, e tinha de tudo para vários gostos, sustentava qualquer paladar. E, eu como a boa taurina que sou (risos), amava o fato de no fim do espedente, poder levar algumas comidas que sobravam para casa.

Entrei no estabelecimento comprimento todos e fui em direção a área de funcionarios me arrumar. De repente, enquanto vestia meu uniforme, comecei a pensar que ultimamente haviam acontecendo coisas entranhas... Desde o dia do semáforo, dia no qual esbarrei com o cosplay de Jungkook. Eu tenho a estranha sensação de esta sendo observada... E o pior de tudo. Eu não consigo tirar aquele dia da minha cabeça, tenho tido sonhos e tudo. 

Balencei a cabeça rapidamente tentando por os pensamentos no lugar, afinal eu precisava me concentrar para não cometer nenhuma de minhas atrapalhadas no serviço. Preciso ser sincera em relação a isso. Eu costumava ser um desastre! Não podia deixar de ficar atenta, afinal o universo já deixou claro, seu amor indireto, por mim. Por que "Meo dels" era cada situação que eu me metia... É universo! eu sei que você me ama, já deu para perceber amigo!

 

Estava tendo um dia comum de trabalho, quando vejo o senhor Hwang subir pelas escadas do andar que estava. Eu estava um pouco nervosa... Mas, precisava conversar com ele. Não era sempre que ele visitava o local, e como o assunto era um pouco sério, sentia que deveria me dirigir diretamente a ele.

— Com licença, senhor Hwang? – Disse ao me aproximar do senhor baixinho de cabelos brancos, tentando chamar sua atenção. Fazendo o mesmo se virar para mim, sorrindo logo em seguida ao me ver.

— Oh! (S/N), como é bom vê-la. Tenho recebido vários elogios pelo seu trabalho, vejo que está se saindo bem, meus parabéns. Afinal no começo foi meio difícil... – O mais velho disse alegremente, logo fazendo uma expressão desconfortável ao dizer as últimas palavras.

— Me desculpe pelo passado, eu era um desastre, e sei que trousse muitas dores de cabeça ao senhor. Entretanto, muito obrigada por ser sempre compreensivo e ter tido muita paciência com meu jeito meio... Desastrado. – Disse sem graça me curvando em respeito. Lembrando-me do tempo que iniciei aqui. Digamos apenas... Que foram tempos difíceis.

—  Meio? Você é bem modesta minha jovem, você me custou muitos pratos. Haviam constantes reclamações de clientes sobre você derrubar a comida deles, ou neles. – Dizia senhor Hwang rindo animado me fazendo ficar mais sem graça ainda, coçando a nuca dando um sorriso pegueno, não querendo me lembrar desse tempo.— É, eu me lembro, ainda bem que hoje em dia você se tornou uma boa profissional. Sempre gostei do seu jeito gentil e determinado, embora desastrado. Digamos que dava para cobrir suas atrapalhadas com seu bom serviço.

— Eu realmente fico gradecida, obrigada. – Disse me curvando novamente. — Sabe senhor hwang, eu realmente estive muito grata por tudo que o senhor fez por mim desde que cheguei a Seul. Mas... Eu terei que deixar seu estabelecimento. – Disse de forma desanimada porém gentil, conseguindo desmanchar o famoso sorriso alegre do Senhor hwang de seus lábios, o fazendo me olhar de forma triste, entretanto, esperando que eu terminasse meu comunicado. — Eu passei muitos meses me preparando para provas que houveram, em minha universidade, que iria escalar os jovens mais habilidosos. Aonde esses selecionados poderiam estagiar nas empresas de Kpop mais conhecidas da atualidade. E, isso para mim, seria uma grande oportunidade e realização do meu sonho, de me tornar uma maquiadora profissional. Eu realmente sou muito grata por tudo que fez por mim, e sempre guardarei esse lugar com muito carinho em meu coração. Prometo sempre vir visitar a todos quando tiver oportunidade, espero encontrar o senhor por aqui também assim que eu for. O senhor foi como o pai que nunca tive, no tempo que estive aqui, e eu tenho um enorme carinho pele senhor. – Conclui por fim, abaixando a cabaça apreensiva. Eu realmente amava aquele lugar, seria bem difícil para mim ir embora dali. Entretanto eu não poderia esquecer do meu sonho principal e de todo o esforço que fiz para ser merecedora de tal.

— Tudo bem minha jovem, embora ele tenha apostas em você, eu sabia que você não era para esse lugar. Você merece muito mais e fico feliz por saber que está conseguindo alcançar tudo que deseja. Continue assim, aproveite sua juventude e viva de forma que você não se arrependa das suas escolhas. Eu quando era jo... – o Senhor que dizia tudo de forma tão paterna foi interrompido por um grito que preencheu o local.

MEU DEUS! É O BTS!! AAAAAAAAAH! – Disse uma garota escandalosa enquanto apontava para uma mesa cheia de rapazes, com idades que aparentavam ser próxima da minha.

Olhamos assustados para a dona do grito, logo me fazendo perceber que era a Beth. Uma das funcionárias do turno da noite que acabará por entrar no local.

Vários homens altos e fortes se levantaram, imediatamente, aonde se encontravam nas mesas próximas ao grupo de garotos. Os cercando, formando uma espécie de corrente em volta deles, impedindo que qualquer um se aproximasse deles. 

—BTS?  Será que são eles mesmo, sempre tive curiosidade de saber como eles são pessoalmente. – Disse para mim mesma como pesamentos alto. 

Tentei olhar por cima da multidão que havia se formado de forma instantânea, aonde eu não saberia explicar de onde apareceu tantas pessoas, naquele local que era conhecido por sua tranquilidade. 
Olhei curiosa para o centro daquela multidão ponde do ver... Meu Deus! Aquele seria o Jungkook?

Nossa! Aquele cosplay que vi dele aquele dia realmente era semelhante a ele. Todavia, não acho que poderia ser ele, afinal oquele ele faria em um lugar simples como o que eu pegava o ônibus, justo em meio a um dia de semana. Definitivamente, não poderia ser ele. 

Espera? Ele está olhando para mim? Não! Você só pode estar doida (S/N). Afinal, por qual motivo ele olharia para mim, ainda mais em meio aquela multidão?! Com certeza era para algo em minha direção.

 

— (S/N)! Você poderia me fazer um favor? – Senhor Hwang veio em minha direção eufórico após tentar acalmar a multidão que estava presente no local. — Eu tentei me desculpar com os rapazes, porém a multidão não me deixou. Por favor, faça isso para mim. A única coisa que consegui fazer, foi dizer ao seu responsável, que eles ao menos esperassem na porta de saída da empresa. Pois eu irei fechar o estabelecimento e ter uma conversa séria com Beth, Anne e Bo Min. Elas realmente passaram dos limites. – Concluiu ele por fim me empurrando em direção ao local descrito por ele.

 Me aproximei meio exitante, percebendo logo ao sair pela porta, um homem alto com um semblante sério.

— Boa noite senhor. – Disse me aproximando enquanto me curvava  brevemente, em sinal de respeito. — O senhor é o responsável pelos rapazes que foram retirados de nossa empresa? – Perguntei ao mais alto, apenas recebendo um simples aceno de cabeça em sinal positivo, não mudando sua expressão . — Eu sou uma funcionária do local, e a pedido do dono, venho representá-lo, pois ele está tomando as medidas necessárias para resolver a situação, iniciada por uma de nossas funcionárias. Peço pela sua compreensão. E que possam esperar pacientes, pois irei trazer-lhes seus pedidos feito posteriormente. Não havendo de ser cobrado pelo serviço. – Disse me curvando e entrando de volta ao local, para fazer o sugerido.

 

                             ...... 
    

 

Voltei minutos depois, percebendo que seis dos rapazes de antes, estavam fora do veículo, dispersos pelos local próximo do mesmo. Tentei o que pude para manter minha postura. Mesmo que eu fosse uma fã também. Não poderia causar mais dores de cabeça ao senhor Hwang e  deveria cumprir devidamente minha última tarefa no local, ainda mais em uma situação tão delicada.

O garoto que estava sobre o capo do carro percebeu minha aproximação – este que percebi de imediato ser o Jimin, alguém por quem eu tinha uma grande admiração. Mas, continuei por manter minha postura. 

— Olá, Boa noite. – Disse ao garoto de cabelos claros, ao se aproximar, do local aonde eu me encontrava.

— Oh! Boa noite. Esses são nossos pedidos? Nós estávamos realmente ansiosos por experimentar a comida daqui. – Jimin disse a mim de forma gentil. Mostrando o seus  Smile eyes. — Olha só para cara deles, os coitados estão morrendo de fome. Principalmente aquele ali escorado no carro, olha! – Sugeriu para que eu olhassem na direção da pessoa a quem ele se referia. 

Eu logo tirei meus olhos dele, olhando para aonde ele propunha. Podendo ver ao longe... Ele, Jungkook. (Ah não! Meu Utt sacanagem, porque você me coloca em situações assim universo?!!).

Quando percebi que seu olhar havia se encontrado com o meu, eu rapidamente olhei de volta para o rapaz a minha frente, eu não sabia como reagir, em meio a toda aquela situação. Então, apenas me desculpei novamente, me curvei e voltei para dentro com o coração a mil. 

Tentei colocar meus pensamentos em seu lugar. Porém, tudo que fiz dali em  diante foi no automático. Eu realmente estava surpresa com a situação, na qual havia acontecido aquela noite. Que mal pude grudar os olhos a noite.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Será... Que aquele cara do semáforo era realmente o Jungkook?...


Notas Finais


E aí?! Escolhereu algumas coisas?! Kkkk Ele pensando que ela não sabia dele, mas no fundo ele só estava bugada na life mesmo kkk


Então amorekos... Venho pedir humildade desculpas por ter passado esse tempo sem atualizar.
Infelizmente o meu trabalho e da unnie acabam exigindo muito de nós. Mas, prometo que tentarei o possível para atualizar mais de uma vez na semana.

Então é issooo! kissus bye bye fui😘🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...