História The Lovers - Capítulo 61


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Visualizações 173
Palavras 2.572
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Fala quebrada como vocês estão?? Tardei mas não falhei, como prometido cap hoje é POV da Camila

Capítulo 61 - The choice


Suspirei olhando através da janela do apartamento de Lauren a movimentação frenética de carros abaixo de mim. Eu não deveria continuar vindo aqui, mas é quase incontrolável a vontade que tenho de estar em sua casa. Olhei a nova foto que Lauren havia postado, nela estava uma garota sorridente com um cachorro junto com ela... Eu já havia visto a garota em outras fotos dela, com ela, era a mesma da foto do casamento de Mark. 

Já havia um ano que Lauren tinha ido embora, ela continuou sua vida e encontrou alguém e mesmo sem querer eu ainda sinto ciúme dela, de vê-la com a mulher desconhecida. Bufei caminhando e me jogando sobre seu sofá. Quando terminei com Tyler, pensei em ir atras dela, ir até Londres e tentar explicar tudo, assumir que eu tinha errado, mas que ainda a amava, me abrir para ela e pedir desculpas pelo que havia feito, mas Dinah não me deixou fazê-lo. Ela me deu uma bronca, disse que eu deveria deixar Lauren onde estava da maneira que estava, que ela merecia um descanso e seu devido tempo para pensar, que as escolhas eram dela e que eu havia pisado na bola e merecia esse gelo. Então eu descartei a ideia de ir até lá...

E Tyler... Bom ele disse que iria me deixar livre, e me deixou, não me procurou nem insistiu em nada... Mas também não pensou duas vezes em dar algumas entrevistas dizendo que eu era uma falsa, egoísta, aproveitadora e tantos outros adjetivos carinhosos e bem leves. Disse que estava bem após nosso rompimento, já estava até namorando uma modelo gostosona bem melhor do que eu. Ainda me impressionava com suas palavras e me deixava remoer o que ele havia dito. O afastamento dele teve seu preço, esse que eu decidi pagar assim que o dispensei e prefiro assim. 

Me virei no sofá encarando o teto, ele estava como deveria estar, normal, como sempre. Minha vida tem sido assim, normal e estranhamente vazia, como aquele teto acima de mim. Era como se fosse inevitável eu me sentir assim, apesar de estar feliz e levando minha vida, eu sentia que faltava um pedaço, e ele tinha nome e sobrenome. Eu nem acreditava que tinha conseguido sobreviver um ano sem ela, ele passou relativamente rápido, mas deixou suas cicatrizes e um rastro de tristeza. O que mais me deixava chateada além de não vê-la, não tê-la, era o fato de também não ter visto mais Adam, nem ter tido nenhum tipo de contato com ele, nem com Mark e nem mesmo com Claire... 

Levantei-me do sofá caminhando pelo apartamento, eu fazia essas caminhadas apenas para me relembrar do que vivemos naquele lugar. Para nos ver em uma época melhor, escutar nossas vozes, gemidos e juras ecoando das paredes. Não era nada saudável ficar revivendo aquilo, mas era o que eu precisava, o que me ajudava a acreditar de que algum dia a gente ainda viveria tudo aquilo novamente. Toquei a pérola do meu colar, a rodeando em meus dedos, divagando com a mente em pequenas lembranças, marcadas não apenas na pele, mas também no meu coração. Me arrastei pelo lugar até seu quarto. Ele estava como eu havia deixado, ha algumas semanas eu não vinha aqui, mas eu precisava dessa visita, não para me apegar ao passado, mas para tentar não me esquecer de tudo. Como se isso fosse possível... Encarei sua cama bagunçada, a culpa era minha e também de uma noite desgastante, eu já tinha aprendido a dormir sem ela, mas não era fácil, nem prazeiroso. Agora, olhando algo seu, senti aquela pequena chama reacender, aquela vontadezinha de ir atras dela que crescia sem que eu quisesse. Eu cogitava esquecer tudo que Dinah disse e simplesmente pegar o primeiro voo, na calada da noite e reencontra-la, mas eu esperaria. Eu e as garotas faríamos vários shows em breve e quem sabe um dos lugares escolhidos seja Londres... Resmunguei baixo me deitando na cama, e antes que eu percebesse comecei a chorar, como não fazia há meses. Deixei as lágrimas irem e virem e nem notei quando peguei no sono. 

Acordei com a sensação de estar em um lugar completamente estranho e diferente para mim. Antes que meus sentidos estivessem completamente acordados, senti uma dor estranha no peito... O mesmo coração dolorido, que não dava sinal a meses, aquele desespero que também não sentia já há algum tempo. Peguei uma folha aleatória de um caderno que ficava na gaveta do criado mudo ao lado da sua cama, e deixei que meus sentimentos narrassem minha carta. 

"Eu não sei bem porque estou fazendo isso, só tive vontade de te escrever. Sei que não deveria. Eu ainda estou magoada, sozinha e inconformada com tudo isso, já se passou um ano, mas esse sentimento de vazio não mudou... Agora, depois de um tempo, depois de todos esses dias, comecei a perceber como é viver sem você. Você não quis me ouvir, mas, aqui escrevendo essa carta que provavelmente irá para a primeira lixeira que estiver próximo a você, tenho que dizer que eu nunca quis esconder nada. Eu apenas estava com medo da sua reação a tudo isso... Mas a verdade é que eu sempre fui sua, meu coração sempre foi seu, por inteiro. E o pior, é que acho que ainda sou... Você me deixou mal acostumada. Era muito bom sentir aquele amor, mas agora no lugar dele só restou esse vazio que me incomoda tanto. Os dias se tornaram semanas, e as semanas se tornaram esse um ano, e durante cada um desses dias, cada uma dessas horas que passei sozinha, tive tempo suficiente para perceber que eu ainda sou completamente apaixonada por você. Mas também tive tempo mais do que necessário para entender que já é tarde demais... Me pego pensando, sem querer, se você encontrou alguém, se está feliz com a sua vida, se descobriu e viveu muitas coisas novas... Eu não sei como você está, e prefiro nem imaginar por muito tempo. Gosto de pensar que continua linda e amável. Com aquele sorriso lindo, com aquele toque só teu, com aquele jeito só seu. Com o melhor beijo do mundo... As vezes me distraio na gente... Em nossos momentos, nas nossas risadas, nos nossos dias e noites, em nossos beijos, nos nossos corpos na mais perfeita sincronia. Eu tentei me esquecer de você, tentei com todas as minhas forças, mas em menos de dois dias eu falhei. Tirei o colar e pouco mais de uma hora depois, senti que eu aprecia vazia sem ele, como se faltasse algo, e o anel... Ele eu nem consegui tirar, não consegui desfazer minha promessa, eu ainda o amo e é como se ele fizesse parte do meu corpo, como se sempre tivesse existido. Depois de tanto tempo tentando, mantendo esses sentimentos presos em meu corpo percebei que estava me torturando, que eu estava ficando doente e... Bom aqui estou eu. Escrevendo algo que provavelmente vai parar no lixo antes mesmo de ser aberto. Agora eu me apego mesmo sem intenção, nas nossas memórias e lembranças, sejam elas grandiosas ou simples. Desde que você se foi revivo, cada beijo, cada detalhe. Seu sorriso que eu nunca vou esquecer... Agora te escrevendo, não sinto mais tristeza, mas algo pior... Saudade..."

Deixei a folha avulsa sobre a cama, tentando me distrair um pouco do que eu havia escrito. De alguma maneira colocar tudo no papel havia me ajudado a desabafar de alguma maneira, mas tinha sido desgastante. Sai pelo seu apartamento, buscando me distrair por alguns segundos... Me surpreendi por ver Adam parado a porta, me encarando completamente surpreso e confuso. 

- O que faz aqui? - Sua voz soou normal, como se eu não o visse a apenas um dia e não um ano. 

- Gostaria que me respondesse o mesmo. - Dei de ombros sorrindo de forma amigável. Ele retribuiu com um sorriso como o meu. - Senti saudade. - Me aproximei com cuidado, ficando a uma distância menor, mas sem o abraçar. 

- Eu poderia dizer o mesmo... Mas então como está? - Gesticulei com a mão mostrando minha aparência de prováveis olhos inchados. - Sem querer parecer rude, mas o que faz aqui Camila?

- Nada. Eu venho aqui de vez em quando... Você também não me respondeu o que faz aqui...

- Vim olhar a letra da música que eu e Lauren estávamos trabalhando antes dela... - Ele pareceu pensar e então se conteve deixando as palavras ecoarem no ar. 

- Você pode me dar um abraço? - Perguntei simples. Eu realmente queria e precisava daquilo.

- Sem problemas. 

Adam me abraçou como costumava fazer quando nos juntávamos, mas a sensação era diferente. Apesar de levemente reconfortante, o abraço não era como... Não era como o de Lauren. Me toquei de que estava buscando no abraço dele, o conforto que o dela me passava... E isso eu não acharia naquele aperto, nem antes dela ter ido, nem agora, nem nunca. Me apertei um pouco mais a ele, percebendo que o abraço dele se mantinha o mesmo, sem nenhum julgamento pelos meus atos, ou afastamento. Ele apenas estava ali, como eu precisava. 

- Me desculpa. - Minha voz era com um fio baixo. 

- Sabe que não é para mim que tem que pedir desculpas...

- Eu sei... - Me afastei e o encarei. 

Ele acenou com a cabeça caminhando até o quarto onde estavam as composições de Lauren. Eu não tive coragem suficiente para entrar naquele lugar... Adam fechou a porta atras de si, enquanto eu imaginava maneiras de conversar com ele e perguntar algo sobre ela. As meninas não me contavam nada, evitavam o assunto, mas eu sabia que elas ainda tinham contato com Lauren. 

- Aqui está. - Ele saiu com uma folha em mãos, a sacudiu e então dobrou com cuidado colocando-na no bolso da calça. 

- Vocês vão lança-la?! - Imaginei a possibilidade dela vindo aqui, lançar a música com ele. 

- Não. Quer dizer, imagino que não por agora... - Suspirei com minhas esperanças se esvaindo. 

- Adam nós podemos conversar?! Conversar sobre ela. 

- Não sei se é uma boa ideia...

- Por favor, eu preciso. - Ele concordou com a cabeça, caminhando e se sentando ao meu lado no sofá. 

Adam parecia extremamente desconfortável, e eu estava da mesma forma. Mas precisava tocar no assunto, eu sentia que iria enlouquecer e que também não conseguiria a deixar no passado se não tivesse esse diálogo. 

- Lauren ainda está em Londres?

- Sim, esta vivendo lá já faz um ano e imagino que ela pretende ficar lá... Apenas lá. - Entendi o que ele quis dizer. Se referia a ela não voltar, mas também não se mudar para outro lugar. 

Todas as perguntas que eu tinha, tudo que eu precisava saber, pareciam ter sumido da minha cabeça. Me sentia nervosa e sem esperanças, sem querer continuar aquela conversa. 

- Ela tem escrito algo? Novas musicas? A mídia parece ter esquecido dela.

- Acho que ela não tem escrito nada, até por isso ela deixou de ser um alvo da mídia. - Ele pareceu pensar por alguns segundos. - Acho que ela prefere assim. Prefere a mídia longe...

Adam se remexeu inquieto e eu resolvi não prolongar a conversa. Apenas perguntar o que eu queria e então deixá-lo ir, e provavelmente nunca mais vê-lo, assim como ela. Sabia que Adam não tinha se afastado de mim por ordem dela, ou pelo que eu fiz... Mas porque como agora, nós ficaríamos desconfortáveis com toda a situação. Mas eu tinha a noção e certeza de que ele ainda era meu amigo, e estava feliz por isso. 

- Adam, seja sincero e verdadeiro. Como Lauren está?

- Ela está bem. - Ele me encarou por um tempo sabendo que aquela não era a resposta que eu esperava. 

Adam bufou parecendo sem palavras, ele até resmungou algo mas não consegui entender. Suas mãos correram por seus cabelos os bagunçando levemente. Me mantive apenas esperando, ele então se endireitou, suspirou e me encarou com seriedade. 

- Lauren está tentando levar, viver dia após dia, tentando aceitar o que aconteceu. Eu torço para que vocês fiquem juntas... Mas... - Ele suspirou e pareceu desistir do que ia dizer. 

- Mas... 

- Mas acho que você deveria deixá-la viver, aproveitar os dias que tem. Não entenda mal Camila, mas eu nunca havia visto Lauren feliz desde que vocês conheceram o Tyler, e um mês em Londres, com Mark e Claire vi ela sorrir e estar plenamente feliz. 

- Entendo. - Foi como levar um tapa na cara.

- Ei vem cá. - Adam me abraçou pelos ombros e eu descansei em seu aperto. - Mila, o que acho é que você deveria fazer o mesmo que ela... Digo, para um pouco de pensar nisso, de a ela e a você os dias que precisam. - Ele parou e suspirou de forma pesada. - Imagino que você tem se perguntado quem é a garota que está sempre com ela...

- Você está completamente certo. 

- Você quer saber? - Parei e pensei se realmente eu gostaria de saber quem ela era e o que significava para Lauren. 

- Não. Agora não. - Ele concordou com a cabeça. 

- Preciso ir... Me liga, manda uma mensagem sei lá, só não some de novo. Você não precisa encarar sozinha tudo isso Camila. - Ele arrastou seu rosto sobre meus cabelos. - Eu quero te ver bem. Entenda... - Ele segurou meu rosto em mãos me fazendo encara-lo. - Tudo ainda está completamente confuso. Por mais que já tenha se passado um ano, percebo que nem você, nem Lauren se esqueceram completamente, e precisam desse tempo sozinhas. O namoro de vocês havia alcançado um nível... - A palavra parecia faltar a ele. - O que quero dizer é que, no ponto em que chegou, vocês só se faziam mal, mesmo com todo amor e carinho, sempre tinha um pequeno detalhe que atrapalhava tudo, e isso era desgastante. O amor começou a machucar... Valia a pena continuar se machucando até que não sobrasse mais nada?! Sei que você errou muito com Lauren, você falhou com ela muitas vezes. - As palavras de Adam tinham um peso que me esmagava, por serem a mais pura e simples verdade. - Mas sei que ainda a amava... ou melhor ama. 

- Amo... - Não doía afirmar isso. 

- Então de tempo a vocês duas, Lauren está feliz, mas precisa de mais tempo assim para se recuperar. E você... Viva! - Aquela simples palavra tinha milhares de significados e pontos que acertavam diretamente no que eu vinha passando. - Agora eu realmente preciso ir. 

Adam se levantou e beijou minha testa, acenei com a mão e vi ele sumir pela porta. O silencio de todo apartamento ecoou em minha cabeça e por alguns segundos. Pensei em Lauren e o quanto ela afirmava que ia me proteger e que não gostava de me ver triste, se ela me visse nesse estado... 

Suspirei voltando ao quarto dela. Eu organizaria minha vida e assim que estivéssemos prontas, eu e ela, tentaria algo, não desistiria fácil assim do amor da minha vida. Chega de me arrastar e achar que nada vai dar certo. Peguei a folha com a carta que havia escrito, olhei minha letra nela, e então rasguei em vários pedaços jogando cada um deles fora.


Notas Finais


Yo, yo é isso aí, o tão aguardado ponto de vista. Digam o que acharam e... Até qualquer dia. 🖤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...