1. Spirit Fanfics >
  2. The Loving Counselor >
  3. Go to hell

História The Loving Counselor - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leituraaaaaa <3

Capítulo 13 - Go to hell


Fanfic / Fanfiction The Loving Counselor - Capítulo 13 - Go to hell

         (Conheçam o Harry)



Stella Newman POV 


Manhattan, 30 de novembro de 2020


- Meu pai amado! Que tuuudooo. – ele quase gritou, segurei o braço dele o impedindo de fazer um escândalo. – Foi gostoso né? Ele tem cara de quem sabe fazer de um jeito que aiii.. meu pai. – sorri dele se abanando com o guardanapo.

- Foi ótimo, mas tu sabe né, se arrependimento matasse... – ele revirou os olhos.

- Para de besteira, eu tivesse pego um gatão daqueles ia agradecer pro resto da vida. – neguei comendo um pouco da minha sobremesa. Eu tinha pego Fred na casa do Bieber e o trouxe pro nosso café preferido pra podermos conversar longe da Scarlett. – Aqui é cheio de coroa rico, né.

- Coroa, Fred? – ele arqueou a sobrancelha.

- O que? Tô querendo baby.

- Vamos? Passei quase o dia todo naquele consultório, tô morta de cansada. – chamei a garçonete e pedi a comanda.

- Mermãzinha do céu, olha que gato. – revirei os olhos.

- Para de ficar caçando macho sua bicha velha. – ele sorriu e nos levantamos. Peguei a comanda, fui em direção ao caixa, paguei e saímos da cafeteria. Entrei no carro, aguardei Fred entrar, dei partida, mas quando ia pisar no acelerador pra sair escutei uma batida forte e meu carro impulsou pra frente. Olhei no retrovisor e sim, bateram no meu carro. – Que merda! – desci do carro e fui em direção ao carro que tinha batido na traseira do meu. O motorista já tinha descido. – Boa noite. – eu disse educada, não ia fazer um barraco, a não ser que ele não quisesse pagar meu carro que era NOVO! Ele levantou o olhar pra me encarar depois de checar o estrago, nem foi essas coisas, mas amassou meu carrinho.

- Oi, me desculpe senhorita. – ele disse com uma voz grave. Olhei em seu rosto, ele era um gato, olhando fisicamente ele já devia ter uns trinta anos. – Eu estava no celular, confesso, não vi seu carro na frente.

- Entendo, mas como vou ficar? – fui direta.

- Não se preocupe, eu vou pagar. Perdão, meu nome é Harry, muito prazer. – ele estendeu a mão sorrindo, apertei a mesma e retribui o sorriso.

- Stella. – Fred olhava tudo com um sorrisinho no rosto, ele encarava Harry na cara de pau.

- Você quer ir em alguma oficina agora? Posso levar você até um cara que conheço e já deixo seu carro lá.

- Vamos sim. – Fred respondeu. – Muito prazer, Fred.

- Oh, seu namorado? – ele apertou a mão de Fred e eu neguei.

- Sou gay, amor. – pus uma mão no rosto negando com a cabeça, que viado amostrado.

- Ah. – ele sorriu sem graça.

- Então, vamos? – ele assentiu. Entramos em nossos carros, Harry foi na frente e eu o seguindo.

- Esse era o gato que eu disse no café, minha bacurinha chega tremeu quando viu ele, ain. - eu gargalhei muito, muito alto dele. - Tu viu? O jeito que ele te olhou.

- Como?

- Sei lá, diferente.

- Que diferente Fred? Ele nem olhou pra mim.

- Eita que tu é uma lerda mesmo né, dou meia hora pra ele te chamar pra sair.

- Ele não vai me chamar pra sair.

- Cinquenta dólares. – eu o olhei sorrindo.

- Apostado. – escutei a buzina de Harry, ele entrou em um tipo de garagem aberta, estacionamos o carros e descemos.

- E ai, Harry, bateu o carro de novo irmão?

- É, e fiz dois prejuízos dessa vez. – eles fizeram um toque. – Marcus essa é a Stella. – acenei pra ele que sorriu. – Acabei de bater no carro dela, será que tem você dar um jeito?

- Vou dar uma olhada aqui. Fiquem a vontade. – ele se aproximou do meu carro, ai que tristeza, eu, Fred e Harry sentamos num sofá que tinha ali no pequeno escritório de Marcus.

- Então, você trabalha onde? – Fred perguntou, ah viado cretino.

- Sou corretor de imóveis.

- Olha, que bom, eu e Ste estávamos querendo mesmo mudar de casa.

- Sério? Acho que o destino quis que a gente se encontrasse. – ele disse olhando pra mim, sorri de lado.

- Então, você quer meu número, pra eu e a Stella ver alguns apartamentos com você depois?

- Ah claro, pode falar.

- É nove, vinte e quatro, oitenta e três... – olhei pra Fred com os olhos arregalados o cretino tava dando o meu número, não o dele.

- Certo, te ligo.

- Então... – Marcus voltou chamando nossa atenção. – Não foi nada demais, mas não tem como eu arrumar hoje porque eu já tô fechando a oficina. Mas amanhã a tarde já tá pronto e vocês podem vir buscar.

- Tudo bem pra você Stella?

- Sem problemas.

- Então tá certo, a gente passa aqui amanhã a tarde, valeu meu irmão. – eles fizeram o toque novamente, saímos da oficina em direção a rua pra pegarmos um taxi. – Você não vai me deixar nem te levar pra jantar depois disso? – ele perguntou e eu ri.

- Ela vai, né Ste? – eu vou matar esse menino.

- Deixa pra outro dia Harry, tô bem cansada. – vi Fred revirando os olhos.

- Tudo bem, mas eu vou cobrar. – acenei pra um taxi que passava ali e o mesmo parou.

- Tchau, até breve. – entrei no taxi acompanhado de Fred, o taxi andou, comecei a dar leves tapas nele.

- Para, louca! – ele gargalhava. – Só tava te dando uma mãozinha.

- Não faz mais isso, que vergonha.

- Desculpa amor. – ele fez biquinho e lhe dei outro tapa.

O caminho até em casa foi um pouquinho demorado, já era quase oito da noite, o taxi estacionou na porta do prédio, Fred pagou a corrida, entramos na portaria cumprimentando Wilson, o porteiro, entramos no elevador que logo subiu para o nosso andar, peguei minhas chaves e abri a porta. Scarlett não estava na sala como de costume, deixei minha bolsa na mesinha, tirei o salto e o blazer e fui até a cozinha procurar algo pra jantar, Fred saiu em direção ao seu quarto, minutos depois ele voltou correndo.

- O que foi menino?

- Scarlett tá transando. – ele sussurou.

- É o que?

- Tem alguém com ela, lá no quartinho.

- Quem?

- E eu lá vou saber Stella?

- Por que a gente tá sussurrando?

- Pra eles não ouvirem?

- Ela não pode trazer ninguém pra cá sem a minha permissão. – falei sem sussurrar. – Quando ela sair e essa pessoa ir embora eu vou dizer umas coisas pra ela.

- Tá, vou colocar um filme. – ele ligou a tv colocando na netflix escolhendo um filme. Preparei uns lanches pra nós dois e sentei ao seu lado no sofá. O filme tinha acabado de começar quando escutei algumas risadas se aproximando, levantei a cabeça quando Scarlett e a pessoa apareceram, a pessoa era ele. Ele estava só de cueca e ela apenas na camisa dele, repito, ela vestia a camisa dele. Ele me olhou assustado.

- Stella? – Scarlett olhou pra mim e pra ele.

- Oi Justin. – eu disse comendo da minha pipoca, mas o que eu queria era enfiar esse balde todinho na boca desses dois até eles morrem engasgados.

- C..como? – ele parecia perdido. – Vocês são irmãs? – ele olhou pra nós duas.

- A semelhança já diz tudo, né bonitão. – Fred disse também comendo da pipoca assistindo a cena.

- Espera, vocês se conhecem?

- Sim, é... é.. acho que já tá na minha hora. – ele voltou pro corredor indo pro quarto dela.

- Iih, ele tá fugindo.. – Fred falou sorrindo.

- Fugindo de quê? Justin espera... – os dois demoraram uns minutos lá dentro, depois Justin voltou à sala já arrumado.

- Mas é um babaca mesmo. – Fred resmungou baixinho.

- Foi mal Ste.. – ele disse com o olhar baixo.

- O nome dela é Stella. – Fred disse levantando e abrindo a porta pra ele, ele me olhou uma última vez e saiu, Fred bateu a porta com força.

- Você já deu pra ele não foi? – fiquei calada, a minha vontade era de chorar e dar só na cara dessa menina. – FALA STELLA!

- Vai pro inferno. – disse deixando ela sozinha na sala.




Notas Finais


Vai pro inferno irmãaaaan
Só uma dica: Justella em peso no próximo capítulo.
Gente, o Harry vai ser bem importante mais tarde, guardem ele na memória.
Já sabe né? Eu volto rapidinhooo.
Tamo indo pros cinquenta fav???? AMODEMAIS VOCÊS!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...