História The Mafia Queen - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Amanda Seyfried, Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Amor, Família, Final, hacker, Irmãos, Máfia, Morte, Romance, The Mafia Nanny, The Mafia Queen
Visualizações 246
Palavras 1.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláaa, tudo bom?
Ok, eu tinha falado que ia postar só na semana que vem. MAS eu acho que não tem problema em soltar esse capitulo antes da hora. Ele não é lá essas coisas, mas, essencial. Fiquei feliz com os favoritos, sério gente, obrigada mesmo. Ah, e sobre algumas dúvidas. Eu ainda vou atualizar minhas outras histórias, no entanto, TMQ vai ser minha última fanfic do Justin Bieber. Ou não. Mas no momento eu tomei essa decisão. The Mafia Queen não deve ser tão enrolada, apesar de que, ainda estou decidindo a quantidade de capitulos. Não devem ser poucos aliás.
No momento, de verdade, não tenho data para postar. Por isso estou correndo para fazer o máximo de capitulos que puder para ir soltando ao longo da semana. Acho que é só isso...

Capítulo 2 - Eu tenho muitos inimigos.


Fanfic / Fanfiction The Mafia Queen - Capítulo 2 - Eu tenho muitos inimigos.

 

- Tem certeza de que estamos fazendo isso certo? - Valentin perguntou franzindo a testa. Ele virou a tela do computador para mim e eu confirmei com a cabeça. - Eles vão ficar muito bravos.

Abri um pequeno sorriso e continuei digitando.

- Ah, essa é a intenção - o respondi checando meus códigos. - O que vamos jantar?

Eu realmente estava com fome. Talvez por ter ficado digitando e preparando armadilhas por um determinado tempo durante a tarde e à noite. São quase duas da manhã. Pelo menos meu trabalho já estava sendo quase concluído.

- É sério que está pensando nisso? - meu irmão questionou sorrindo. - Tem um restaurante japonês que fica aberto de madrugada aqui perto.

Concordei com a cabeça e continuei trabalhando. Meus olhos observavam os números atentamente e em seguida o sistema de infiltração. Meu vírus estava entrando na rede da M e catalogando todos os tipos de informações possíveis.

Os exploits ajudavam, é claro. Eram um subconjunto de malware que são programas maliciosos capazes de se aproveitarem da vulnerabilidade de certos computadores.

Eu estava achando desafiador invadir o sistema super protegido da M. No entanto, o que parecia difícil se tornou entediante assim que eu consegui hackear todos os dados sem nenhum tipo de dificuldade. Sério. Qual é o problema dos idiotas que protegem a rede deles? Qualquer um pode roubar dos mesmos.

- Falta 2% para que a proteção deles seja restabelecida - Valentin alertou digitando rapidamente. - Um...zero.

Fechei os olhos e coloquei as mãos na cabeça, esfregando ela várias vezes enquanto me levantava da cadeira estofada que eu deixava em frente ao meu local de trabalho. Valentin me observou andando de um lado para o outro enquanto segurava seus óculos e erguia as sobrancelhas.

Abri um enorme sorriso.

- Parece que acabamos de roubar dez milhões de dólares - ergui os braços e pulei em seu pescoço. - Eu não falei que ia dar certo?

Valentin rodeou meu corpo com seus braços e me apertou contra si, rindo da minha animação e suspirando. Ele estava realmente receoso de cumprir esse trabalho. Não é todo dia que mexemos com pessoas tão importantes igual a máfia.

- Falou - concordou comigo. - Mas precisamos sair do país agora.

Ele tinha razão. Nunca continuamos no mesmo lugar depois de roubar alguém. Não que façamos isso sempre. Mas é arriscado demais e de riscos minha vida já estava muito cheia.

- O que acha do Japão? - sugeri desligando os aparelhos. - Não vamos lá desde…

- A Yakuza está atrás da gente - me interrompeu. - O Yoshiro ainda não esqueceu do golpe que demos nele.

Parei pensativo e concordei com ele. - Ainda temos a China…- franzi a testa me lembrando de algo. - Eu fugi da Tríade. Eles ainda me odeiam muito.

Me sentei ao lado do meu irmão, jogando as pernas por cima das dele e colocando minha cabeça em seu braço. Fiz um biquinho pensativo.

- Estivemos em metade dos países do mundo - comentei suspirando. - E fizemos inimigos em todos esses lugares.

O que soava até engraçado.

- A Atena fez inimigos. - Valentin me corrigiu. - Nós no máximo somos um pouco odiados.

Sorri levemente e neguei com a cabeça. Me levantando e soltando meu cabelo enquanto ia até a cozinha pegar um copo de água. Eu precisava comer alguma coisa e depois arrumar minhas malas.

- Eu recebi um convite para ir no casamento daquele Sheik Kaled - estalei os dedos. - Não fomos em Dubai ainda. Então não há perigos no momento, ficamos lá por alguns meses e limpamos nossa barra aqui nos Estados Unidos. Depois voltamos como se nada tivesse acontecido.

Era uma ótima idéia levando em conta que eu era muito boa em limpar as lambanças que acabava fazendo sem querer. As pessoas tinham que entender que meu trabalho exige muito de mim, por mais que eu não queira roubar, se me pagam por isso, eu acabo fazendo.

- O líder da MG ligará em... - meu irmão avisou. Como se já soubesse, Valentin ergueu o celular que tocou. O mandei atender. - Transferimos o dinheiro para sua conta na Suíça. A contrato que temos acaba agora.

Procurei por um pacote de biscoitos no armário e continuei ouvindo a conversa de Valentin com o nosso cliente. Eu odiava falar com pessoas por telefone.

- Certo, foi um prazer fazer negócios com você - finalizou a ligação e me encarou. - Nosso pagamento foi efetuado sem problemas. Amanhã mesmo iremos para Dubai.

Apenas balancei a cabeça e fui até o armário perto da porta, pegando meu casaco e colocando meus sapatos. Valentin fez o mesmo e então nós saímos comer no restaurante que ele havia comentado.

Meu irmão e eu nunca nos separamos independente da situação. Amberly não existe sem Valentin e Valentin não existe sem Amberly. Nossa relação sempre foi livre de conflitos e depois de tudo o que passamos, parecíamos completar um ao outro. Acho que sobrevivi até hoje porque o tinha ao meu lado e não admito que ele sofra por algo.N

Nós cuidaremos um do outro para sempre.                                                         

 

                                                                                                        +

 

Encarei a sala a minha frente sentindo meu peito sufocado. Meus olhos passavam pelos móveis revirados e meus aparelhos completamente destruídos jogados para todos os lados. Engoli em seco, entrando no apartamento. Alguém havia estado ali.

E Valentin sumiu.

Minha boca estava seca enquanto segurava a mala jogada no meio da bagunça. Valentin estava pronto para ir embora junto comigo. Eu apenas tive que passar na faculdade para acertar o trancamento da minha matrícula. Íamos embora.

E quando eu cheguei aqui, estava tudo assim. Revirado e com meu irmão desaparecido. Meu sangue estava fervendo.

Depois de olhar o apartamento todo, saí novamente e apertei o botão do elevador. Quando as portas se abriram, dois homens enormes de preto me encararam de uma forma muito raivosa. Mas não venciam minha expressão cheia de ódio.

Entrei no elevador e respirei fundo, cruzando os braços. Vi que um dos brutamontes apertou o andar do térreo e continuamos em silêncio. Eu não usava mais do que uma calça preta rasgada nos joelhos e o moletom da faculdade. Meu celular estava muito bem escondido, assim como o GPS escondido dentro do meu sapato.

- Venha conosco - finalmente um deles disse. - Nosso chefe está te esperando.

Continuei encarando meu reflexo no espelho do elevador. Um pequeno sorriso brotou em meus lábios e eu apenas mantive minha pose de garotinha-nojenta-que-não-sabe-onde-se-meteu.

- Vocês não sabem com quem estão mexendo.

Ninguém sequestra o meu irmão e sai impune.


Notas Finais


Espero que tenham gostadoooo!

Alguém ai curte Kpop? Eu tenho algumas fanfics de Jikook aqui no Social e no Wattpad. São ótimassss, eu juro juradinho. Principalmente Flores Para Jimin, que retrata um relacionamento abusivo. Meu user no Wattpad é o mesmo que o daqui honeys!

Favoritem, comentem muitoo e tenham um ótimo dia!

Xoxo, Gabbie<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...