História The True Origins - Capítulo 10


Escrita por: e dudu-

Postado
Categorias Jeff The Killer, Lendas Urbanas, Slender (Slender Man)
Personagens Jeff, Personagens Originais
Visualizações 28
Palavras 1.532
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Misticismo, Orange, Policial, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello sweets o3o #6
Que puta cansaço. Viajar por tanto tempo não é pra qualquer um não!
Fiquem com esse cap.
E nem venham me dizer que eu não avisei, esse cap tá de multiplicar a curiosidade e fazer um monte de especulações sobre o futuro.

Capítulo 10 - I'm sorry


Mirror acordou zonza. Onde estava? Ao olhar para baixo, constatou estar nua. Tentou se levantar, mas uma dor aguda nas costas a fez parar.

- Não tente se mexer. - um voz soou.

Mirror se virou para a voz. Flower estava sentada no colo de Eyeless Jack. Sinceramente não sabia qual dos dois era pior. Flower a criticaria por demorar a reagir e Eyeless...

Bem, era Eyeless.

A mulher corou ao ligar um ponto ao outro.

- Quem tirou minhas roupas?

Ninguém disse nada. A inexpressividade por conta da máscara de Eyeless Jack a fez desejar arrancar o objeto e jogá-lo longe. Antes que percebesse, já estava de pé fazendo isso.

Ela estava nua. Na frente dele. E como se não bastasse, em cima dele. O seu rosto ficou vermelho de maneira violenta, mas ela não desviou o olhar. Os olhos espelhados encaravam a alma do menino. Sua ferida não estava totalmente curada, fazendo-a tremer pela dor. O sangue voltou a escorrer.

- Quem tirou minhas roupas Eyeless Jack? - perguntou firmemente.

Eyeless Jack corou. Mas não apenas isso. O cheiro do sangue, o cheiro dela, ela ali tão perto, tão quente. Ele estava se descontrolando. Seu corpo dizia para mordê-la, seus instintos diziam para marcar essa fêmea como sua. Ela era a mulher mais forte que conhecia. Não forte de força, já que ela mal aguentava carregar um saco de batatas, mas forte porque ela usava todos os atributos que tinha para ser a melhor. E como ela era.

Suas garras estavam a mostra, o cheiro dela e fazia ficar entorpecido, como se fosse uma droga.

Mirror se sentiu ficando meio indefesa por cima do garoto naquele estado, ela sentia o cheiro dele mudar. Não era algo imediato. Mirror saiu de cima dele, se envergonhando. Seus longos cabelos tapavam seus seios, mas mesmo assim ela os tapou com um braço e cobriu sua intimidade. A vermelhidão era visível. Ela simplesmente se escondeu de novo no líquido prata.

- Pensei que estava no cio de novo. - Flower falou olhando a mulher. Ambos se tornaram pimentas.

- O-o que? - Mirror perguntou.

- Vai Jack - ela imitava a voz da outra - Com força!

Naquele instante, Mirror simplesmente queria sumir. Desejou do fundo de sua alma desaparecer naquele líquido prata. Então ela simplesmente afundou nele.

Jack já não teve tanta sorte. Sem um lugar para esconder, ele simplesmente teve que esconder o rosto vermelho e a excitação.

Ele queria ter mordido um pedaço daquele pescoço ou arranhar aquelas coxas grossas e lisas. Não que fosse mudar muita coisa, claro. Ela se regeneraria antes mesmo de dar tempo do sangue dela escorrer. Ou talvez desse. Ele não sabia ao certo.

A mulher ficou no líquido um tempo, mas logo saiu. Ela olhou para Eyeless Jack maks vermelha do que antes.

- Me dá minhas roupas.

Ele as pegou e as estregou.

- Agora, vire de costas.

Ele obedeceu sem muitas cerimônias. Ela colocava a roupa, até perceber algo.

- Cadê meu top?

- Foi para o inferno. - a gata respondeu impaciente -

Vamos embora logo, eu estou com fome. Vocês já se viram assim antes, não tem problema agora.

A mulher ficou vermelha como uma pimenta. Jack estava tão impaciente quanto a gata, então apenas removeu o moletom e deu para a garota.

- Toma - ele se virou e por sorte, ela estava se costas - veste isso e vamos embora.

Mirror ia protestar, mas sua mente voltou a raciocinar e a memória do top estraçalhado veio a sua mente. Ela vestiu o moletom.

- Vamos? - a gata parecia nervosa já.

Foram os dois juntos seguindo o caminho, até chegar na sala onde tinha a comida da gata. Mirror serviu a comida da gata e se virou para Eyeless Jack. Seu rosto pegou um leve rubor. Por que ele tinha que ficar tão sensual sem a camisa? Ele também a encarou e teve um rubor, mais leve que o dela. Ela era muito pequena para a camisa, ficando assim um tanto fofa.

- Precisamos conversar. - ela sussurrou.

- Concordo.

Ambos sairam da sala, deixando a gata comendo a vontade. Mirror seguiu o caminho, voltando para a sala com a poça de mercúrio, mas não parou nela, seguiu até chegar em um outro ambiente. Um quarto. Eyeless arrepiou ao perceber o que podia fazer lá, mas tentou não deixar claro para que a mulher não detectasse.

Ambos se sentaram na cama. Mirror sentia calor, como caralhos ele sempre ficava de moletom? Ela encarou os "olhos" do garoto.

- Você perdeu suas memórias.

- Eu sei. Do que você se lembra?

- De poucas coisas - ela afirmou fechando os olhos, com pesar - lembro um pouco de quando você cuidou de mim. Segundo Vibe, a perda das memórias foi um dos efeitos do coma.

- Coma?

- Eu me feri uma vez. Um ferimento por bronze também. Mas da outra vez foi muito mais sério. Sem conseguirem entrar no espelho para que eu me regenerasse mais rápido, eu tive que ser colocada em coma enquanto me regenerava muito lentamente.

Eyeless Jack também estava com expressão de pesar.

- Eu me lembrei de você - ele se virou para a morena - de você já assim.

- E? - a voz saiu estranhamente suave.

- Você tentou me matar.

Mirror deu uma leve risada, uma risada seca.

-E como vamos fazer para lembrar? - Eyeless Jack retomou o assunto antes que pensasse demais.

- Bem, pelos meus cálculos... vamos ter que fazer coisas que fazíamos.

Eyeless virou uma pimenta na hora.

- O-o que?

- Quando eu te chamei de Jack... - ela encarou o nada - Você se lembrou de algo. Né?

- É...

- Vamos fazer coisas que na teoria fazíamos.

- Tá... - ele virou para o nada meio... decepcionado - eu me lembrei de algo. Um jeito que te chamava.

- Vamos tentar.

- Layla.

Os olhos da menina se arregalam.

- Não me chame assim. Por favor.

- Ue, pensei que fosse para tentar...

- É uma situação diferente - a menina se recompõe - vamos tentar outra coisa!

Eyeless estava com aquilo na ponta da língua.

- E se eu te morder?

- Morder?

Ele derrubou ela na cama, ficando por cima.

- Assim. - ele sussurrou.

Ele desceu para o pescoço da menina se embriagando no cheiro e o mordeu.
 

Vibe estava atirando. Ela fazia isso para testar armas ou descontar a raiva.

- Vibe, já tem três horas que está aí... - Kuroro falu suavemente a vendo atirar violentamente num... cacto?

- E o foda-se? - Vibe falou com uma voz de emputecida.

Kuroro teve que esperar um pouco para acreditar que Vibe realmente estava falando sério.

- Mas que...

- PORRA KURORO! - ela meteu um tiro de bazuca no cacto que soltou um "Yup!" e continuou inteiro - VOCÊ NÃO PERCEBE QUE MIRROR NÃO DEVIA ESTAR PASSANDO POR ISSO? NÓS NÃO DEVÍAMOS!

Vibe tinha quase um amor fanático pela mulher espelhada. Mas todos sabiam que ela estava certa.

- TUDO É CULPA DOS TRÊS FILHOS DE ÓRION! - ela atirou outro tiro de bazuca, e o cacto fez outro "Yup!", deu um mortal e balançou a sujeira preta - VOCÊ DEVIA FALAR A SUA MULHER QUE FIZESSE O CERTO!

- Pera lá! - Kuroro tentava engolir as informações - Como sabe que eu e ela...

- Tá tão óbvio - ela trocou de arma, pegando agora uma shotgun - que até eu percebi. Mas foda-se isso.

- E você acha que eu não falei? - Kuroro se sentou frustrada numa cadeira - Ela não quer escutar.

Ambas sentiram uma sensação estranha pela marca.

- O que está acontecendo?

- Me diga... - Vibe encarou vagamente a mulher dos olhos de ouro - ... o que acontece se eles provarem o sangue um do outro?

Kuroro arregalou os olhos.

- Não me diga que...

Vibe sorriu. Atirou quatro vezes com a arma, destroçando o vaso, mas o cacto continuou inteiro. Ele saiu andando e bateu continência para Vibe. Kuroro estava tão confusa quanto assustada. Por que caralhos um cacto?

- Iniciar código 13.

Ele assentiu com a cabeça e saiu correndo.

- O que é o código 13?

Vibe riu. Ela olhou para Kuroro rindo como uma psicopata.

- Vamos fazer as coisas do jeito certo. - Vibe disse animada - Começando com as memórias dos dois e libertando a Lily, o Alexander e... o Henry.

- E acha que eu vou concordar? - ela gritou indignada.

- Eu não esperava que aceitasse... - Vibe enfiou uma seringa no pescoço da outra, a fezendo ficar paralisada e liberando um sinal de socorro forte - Espero que entenda. Tudo vai ficar melhor para nós depois disso. Eles tem que tomar uma decisão que não envolva o sofrimento de outros.

Kuroro estava nervosa e ao mesmo tempo assustada. Vibe abriu o painel nos óculos e um monte de andróides vieram e pegaram Kuroro, a vendendo. Ela estava no escuro, assustada e ansiosa, temendo o futuro agora. Vibe sempre fez merda, mas dessa vez, definitivamente, se der errado, vai ser a pior de todas.


Notas Finais


Tá lindo meus amores. O próximo cap já está escrito, posto ele amanhã :3
Good night sweets o3o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...