História The True Origins - Capítulo 8


Escrita por: e dudu-

Postado
Categorias Jeff The Killer, Lendas Urbanas, Slender (Slender Man)
Personagens Jeff, Personagens Originais
Visualizações 24
Palavras 1.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Misticismo, Orange, Policial, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello sweets o3o #4
Vamos dar continuidade a essa história linda e sofrida.
Esse cap tá de matar.
Literalmente.
Digam não caso não queiram ver um monte de personagens mortos.

Capítulo 8 - Go behind her!


Beast estava segurando o guaxinim de pelúcia. Mirror encarou o animal. Beast estava entre ela e Ben, então teria que passar por ele. Bem, num bom sentido, é claro.

- Não quero que ela vá. - ele afirmou, convencido de que ela poderia proporcionar perigo para o outro.

Ela estava a frente de um grande espelho. A espelhada podia simplesmente sair, podia empurrar o menino e passar, podia pedir para Ben vir... mas sentiu algo em suas pernas e ao olhar para baixo, percebeu que uma gatinha estava lá, se esfregando contra ela.

- Flower? O que faz aqui? - a gata miou - E isso é justificativa?

A gata se sentou, depois esticou as patas para a mulher, que a pegou no colo.

- Você tem uma gata? - Beast perguntou um pouco maravilhado.

- Quando ela quer... - a gata da uma lambida no rosto da mulher - sim.

- Posso fazer carinho nela?

A gata miou. Mirror a colocou no chão e ela andou e ficou cara a cara com o menino. Ele a olhou maravilhado.

- Posso? - ele pediu.

Não esperou resposta da mulher, ele começou a fazer carinho na gata.

- Você é muito linda né?

- Só toma cuidado - Mirror disse - ela pode explodir as vezes.

- Explodir? - ele ergueu uma sobrancelha.

- As vezes ela costuma explodir fogo ou gelo - a mulher deu ombros.

Beast estava totalmente entretido pela gata. Ben a chamou com o ombro. A espelhada foi.

- Então, o que precisa?

- Que hackeie um sistema.

- E o que eu... - o garoto foi interrompido por uma risada de Beast.

O garoto estava sendo lambido pela gata, rindo e se esfregando nele. Ben não percebeu que corava sorrindo e olhando para o menino.

- O que..?

- Ahn? - ele despertou de seus pensamentos, vendo a menina com um sorriso pequeno em seus lábios - O que eu vou ganhar com isso?

- Que tal se ela ficar aqui um tempo?

Ele estava disperso de novo, mas concordou com a cabeça.

Mirror pegou o dispositivo no bolso da sua jaqueta.

- Olhe só que interessante - os olhos dele analisaram o objeto - e o que quer que eu faça com isso?

- Quero que acesse desse dispositivo o computador principal.

- E?

- Destrua-o.

Ele olhou curioso o objeto, depois a menina.

- Você sabe que esse computador é ligado a um ser vivo, não é? - ele observava a mulher com olhos semicerrados - E que esse ser vivo pode morrer com o desligamento desse computador ?

Mirror deu uma gargalhada.

- Você vai ser desviado antes de chegar até ela. É o outro computador para ser destruído.

- O outro? Ele não é exatamente um computador...

- Exato.

Ben levantou uma sobrancelha, um tanto confuso.

- Está certo, eu acho.

Ele se concentrou por alguns momentos, focando sua energia toda nele.
 

As quatro mulheres discutiam o plano quando Vibe simplesmente fica alerta.

- Tem alguém invadindo meu sistema... - ela caiu no chão - eu não consigo mexer!

Ela usa a mão esquerda pra se desconectar das próteses.

- Elas pifaram! - Vibe fez um bico - Alguém me carrega até o laboratório?

- Você não tem reservas? - Eliza perguntou surpresa.

- Lógico não! Para que vou ter pernas reservas?

- Para situações assim? - Akami retrucou.

- Faz sentido né? - ela sorriu como retardada.

Akami negou com a cabeça e a pegou no colo.
 

Fake estava sentado no sala. Bem, não qualquer sala.
Ele morava lá desde o começo da mansão, então amava as partes antigas da mansão, em especial, aquela sala do século XVIII. Estava olhando a lareira queimar suavemente. Suas mãos se esticavam e praticamente tocavam o fogo. Seus olhos estavam vazios.

Offender chegou lá, cercando o garoto com sua áurea. Ele sorriu.

- O que faz aí... - ele cheirou o pescoço do outro - ...sozinho nessa sala?

- Alguma coisa. - ele disse arrepiado.

Uma energia estranha tomou o local. Antes que eles percebessem criaturas tomaram o lugar, atacando tudo e a todos.
 

Eyeless Jack lutava no meio de um turbilhão de coisas acontecendo. Ele tinha acordado na enfermaria, com uma única coisa na cabeça: a mulher de olhos espelhados. Outra memória, outro fragmento de, agora, uma mente parecendo quebrada.
 

Ele seguia um homem para um beco. A carne parecia macia. Na verdade, não importava muito. Ele estava sozinho, e isso era o único fator que importava. Ele seguia de longe, até que ele entrou num beco sem saída. Murmurando nervoso ele dava meia volta. Perfeito.

- Merda...

O garoto já ia dar o bote quando uma mulher o prendeu na parede, mirando uma adaga no seu pescoço.

- Você parece um bom jantar.

- Ei! - Eyeless Jack protestou - Esse aí é meu!

A mulher o olhou, ainda forçando a adaga no pescoço do outro. Um filete de sangue descia, fazendo tanto ele quanto ela ficarem mais impacientes.

- Quem é você? - os olhos de espelhos estavam frios.

- Layla? - ele estava surpreso.

- Mirror - ela respondeu nervosa.

- Você não me reconhece?

- Deveria? - respondeu sarcástica.

- Detesto atrapalhar o casal, mas... - o homem falou se intrometendo - dá só para eu passar o dinheiro e ir embora?

- Vamos matar ele e depois discutir isso?

- Vai fundo.

Um corte limpo na garganta, o sangue jorrou. Nenhum dos dois conteve a fome. Atacaram violentamente o corpo. Então na calada da noite, os dois fugiram para a floresta a dentro. Ao chegarem num certo ponto, a mulher o prendeu numa árvore.

- É bom explicar como sabe meu nome.

A adaga estava na garganta dele.

- Layla, sou eu! - ele estava ansioso - Jack! Não se lembra?

Ela o olhou, confusa. Jack? Jack! Ela tinha certeza que era familiar! Sua adaga se levantou, raspando na sua garganta, o fazendo levantar até o queixo.

- Tire. - a adaga passou pela máscara.

Eyeless Jack não se lembrava de Layla, quer dizer, Mirror, ser tão... provocante. Claro que a idade tinha feito bem a ela, mas era tão diferente... Eyeless Jack pôs a mão na máscara e a tirou. A mulher caiu no chão convulsionando.
 

Ele lutava sem hesitar, desejando encontrar a mulher dos olhos de espelho o mais rápido o possível. Logo, ele saiu da sala e foi para o corredor, correndo para o corredor dos quartos. Ele sabia que ela estaria lá. 


Notas Finais


É isso, beijos de luz pra vocês
Good night sweets o3o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...