1. Spirit Fanfics >
  2. The Melody Of Tears - SaiDa >
  3. Capítulo 26.

História The Melody Of Tears - SaiDa - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


Yo

Capítulo 26 - Capítulo 26.



[...] 


ㅡ Dahyun! Me escuta! - Escutei a voz de Sana atrás de mim e me virei com raiva. 

ㅡ Me deixa em paz! 

ㅡ Então prefere acreditar nela?! Eu sou sua namorada, não ela! 

ㅡ Não interessa, porque ela mentiria sendo que tudo aponta para o fato de você ter machucado a Jeongyeon! - Falei e ela segurou meu pulso.

ㅡ Mas amor, por favor… me escuta - Ela pediu baixo e minha raiva diminuiu um pouco.

ㅡ Você tem dois minutos, Minatozaki - Cruzei os braços e esperei. 

ㅡ Eu realmente não fiz nada contra a Jeongyeon, deve haver um mal entendido, eu nunca faria algo assim.

ㅡ E as suas mãos? - Perguntei já me irritando de novo. 

ㅡ M-Minhas mãos… elas… - Sana se calou e abaixou o olhar. De repente, me vi preocupada. 

ㅡ Sana, não me diga que-

ㅡ Só saiba que não fiz nada com a Jeongyeon, acredita em quem quiser, tchau! - E ela saiu, quase correndo. Eu iria atrás, mas preferi ir até a sala de Yeeun. 


Eu precisava entender. 




ㅡ Obrigada por me tirar daquela aula chata, eu não aguentava mais - A Jang falava enquanto andávamos do lado da pista de skate. 

ㅡ É que, acho que cometi uma burrada com a Sana, ou não… 

ㅡ O que aconteceu, pequena Kim? - Sentamos nos degraus da escada e suspirei olhando os leves flocos de neve. 


Contei toda a história para Yeeun, e ela escutou atentamente cada palavra que falei. 


ㅡ Ah, cara… o assunto com a Sana é complicado, essa parte só ela pra dizer, porque é bem pessoal, mas quer minha opinião? A Sana nunca machucaria ninguém - Jang falou calma e eu assenti - Ela pode ser o que for, fria, aparentar ser mandona e controladora, mas a Sana é uma boa pessoa, tem um coração de ouro, e outra, mesmo que você ache que a tal Jeongyeon for de confiança, você conhece a Sana a mais tempo… peço para que repense sobre tudo isso. 


Eu guardei aquelas palavras enquanto me chamava de idiota em todos os idiomas que conheço. 




[...]




A casa de Sana era bem longe da minha, mas a casa do parque era um pouco mais perto e eu sabia que ela estaria lá. 


No caminho, eu pensava em várias formas de fazer Sana me perdoar por não acreditar nela. Talvez, eu pudesse respeitar o espaço dela e esperar alguns dias para vir conversar, mas não consigo. Não vou conseguir esperar, sabendo que a magoei. Quando cheguei, quase comemorei em voz alta quando vi a moto da minha namorada lá. A porta estava aberta, então entrei e a vi, deitada no chão, olhando pro teto. Ela ainda não me percebeu ou está me ignorando. 

ㅡ Ahn… Sana? - Ela me olhou levemente surpresa, mas logo desviou o olhar para o teto de novo.

ㅡ Hm, oi, Dahyun - Isso será mais difícil do que pensei. Tirei meu casaco e me sentei sobre a cintura dela. 

ㅡ Vai me escutar? - Seus olhos me encararam e ela suspirou, afirmando - Me perdoe. 

ㅡ Hm? 

ㅡ É isso, me perdoe, e-eu…


Certo, Dahyun, você consegue.


ㅡ Eu realmente devia te escutar, eu só olhei a Jeongyeon, o lado dela… - Falei e me segurei em seus ombros quando ela levantou, comigo em seu colo. Fomos para o quarto e sentamos na cama. 

ㅡ Escute, eu realmente fui até a Jeongyeon, mas apenas para conversar com ela, falei que a queria longe e ela se irritou, mas eu saí de lá, não fiquei discutindo - Sana falou e eu imediatamente olhei para suas mãos. Estavam machucadas, com leves arranhões também - Deve estar se perguntando sobre isso daqui, não é? 

ㅡ Sim… porque estão machucadas? 


Sana não respondeu nada mas olhou fixamente para a parede do quarto. Logo eu entendi. 

ㅡ Sana… - Eu a olhei preocupada. 

ㅡ Eu tive uma crise… apenas isso - Ela se virou totalmente para mim. 

ㅡ Porque não me chamou? Porque não ligou pra mim? - Perguntei baixinho, pegando no seu rosto. Sana sorriu triste e desviou o olhar.

ㅡ Você já tem seus problemas… Não quero te incomodar com os meus. 

ㅡ Não tem essa, Sana… - Deixei um selinho demorado sobre seus lábios - Eu sou sua amiga, sou sua namorada, eu estou aqui pra você, nem que seja pra ficar em silêncio contigo, eu estou… bem aqui, meu amor - Senti meus olhos lacrimejarem ao ver as lágrimas dela. Abracei ela com carinho, deixando ela apoiar a cabeça sobre meu peito. 

ㅡ É solitário… ficar sem ela - Sana começou a falar baixo - Minha mãe era a única pessoa que eu tinha, mas ela se foi...

ㅡ Sinto muito, Sana… não importa onde ela esteja, eu sei que sua mãe está zelando por você. 




[...]




Depois de muito choro e consolos, acabamos deitadas na cama. Ela estava com a cabeça apoiada em meu abdômen e eu acariciava seus cabelos lentamente. 

ㅡ Dahyun? - Escutei sua voz baixinha e frágil. 


E pensar que ela está assim a dias e não percebi.


ㅡ Fale, querida - Continuei a leve carícia nos seus cabelos. 

ㅡ Acha a Jeong melhor do que eu? 

ㅡ Como você pode, se atreve a perguntar algo assim? - Perguntei em um tom inconformado.

ㅡ É que… sei lá… ela parece ser mais legal - Engoli em seco. 


Sana está insegura.


ㅡ Sana, ninguém é melhor que você, ok? Esqueça a Jeong, porque eu também farei isso - Falei e ela ergueu o corpo, ficando totalmente em cima de mim. 

ㅡ Fará mesmo? Me desculpe, é que não quero ela perto de você com segundas intenções - Sana começou a deixar leves beijos pela minha clavícula exposta pela blusa. 

ㅡ F-Farei… - Seus beijos subiram para meu pescoço e suspirei. Eu sabia onde isso terminaria. E tive mais certeza ainda, quando ela tirou a blusa do meu corpo e meu sutiã - Sana? 

ㅡ Dahyun - Ela subiu seus beijos até chegar em meus lábios, onde me beijou com paixão. Sua língua encontrou a minha, quente, habilidosa. Eu já estava querendo ela e nem tínhamos começado direito. 


Ela sentou sobre minha cintura e tirou sua blusa, expondo aquele abdômen que tanto amo e seus seios totalmente descobertos. Me sentei com ela sobre meu colo e sorri com malícia, passando a língua de leve no mamilo rígido. Sana tremeu e eu continuei, agora chupando todo seu seio, antes de sugar o seu mamilo para dentro da minha boca. A garota sobre mim gemeu alto, pegando em minha nuca com sua mão fria, fazendo-me sentir arrepios pelo corpo. 


Quando me dei por satisfeita, caminhei com beijos até seu seio direito, mordendo o mamilo de leve, puxando para mim, voltando, chupando com vontade enquanto eu escutava a agradável melodia que eram seus gemidos. Sorri quando desci a mão pelo seu abdômen, chegando até sua calça. Mas ela me jogou contra a cama novamente, sorrindo daquele jeito único e sexy dela. 

ㅡ Oh, não, baby, ainda não - Ela apertou meu mamilo direito entre seus dedos, me fazendo perder o fôlego por um segundo. 

ㅡ Você gosta de me provocar, Minatozaki - Sussurrei, observando ela brincar com meu mamilo rígido. 

ㅡ Talvez… - Sana pegou no cós da minha calça e ergui o quadril, para ela tirar aquela peça junto com minha calcinha. Ela também tirou sua calça jeans e ergueu seu corpo até estar por cima de mim. 


Seus lábios encontraram os meus, quando ela tocou meus clitóris. Sana fez movimentos circulares com seus dedos, me fazendo separar nossos lábios e gemer seu nome. 

ㅡ Shh… quietinha - Ela sussurrou contra meus lábios e desceu o rosto para os meus seios. Gemi alto quando Sana prendeu meu mamilo em seus dentes e puxou levemente. Puxei seus cabelos e mordi meu lábio inferior, tentando reprimir meus gemidos altos. 

ㅡ S-Sana! - Fui pega de surpresa quando seus dedos médio e anelar entram profundamente em mim. Ela os retira e coloca novamente, repetindo esse movimento de novo e de novo, me deixando louca e totalmente perdida em prazer. Ergui seu rosto, desejando ter seus lábios sobre os meus de novo. A beijei com intensidade, gemendo e pedindo por mais e muito mais. 

ㅡ Dahyun… - Sua voz se tornou um gatilho para meu ápice que já estava perto. Rouca e arrastada, me chamando assim enquanto eu afundava minhas unhas em sua costa. 

ㅡ Sana, n-não para, estou perto-


Ela aumentou a velocidade de seus dedos, me fazendo quase gritar seu nome, sentindo meu corpo inteiro queimar. Meu orgasmo chegou avassalador, intenso. Sana continuou a estocar seus dedos, até parar e descansar sua testa contra a minha. Suspirei cansada e a abracei. 


Antes de eu pensar em qualquer outra coisa naquele momento, percebi meu coração acelerado, e minha mente, barulhenta. Eu, por um momento, imaginei minha vida sem Sana como minha namorada, sem Sana aqui comigo. E o sentimento ruim que esse pensamento me causou. 


Estou mesmo cansada. 




Notas Finais


Pagando pelo hot que cortei da última vez🤡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...