1. Spirit Fanfics >
  2. The mission.( Zhang Yixing) >
  3. Capítulo três.

História The mission.( Zhang Yixing) - Capítulo 4


Escrita por: Gabi-Nunes

Notas do Autor


안녕! 😀
Que comeback foi esse em Exols? SURTEI😎
Pra comemorar ,está aqui outro capítulo explosivo. 😗😂
Boa leitura. 💚

Capítulo 4 - Capítulo três.


Fanfic / Fanfiction The mission.( Zhang Yixing) - Capítulo 4 - Capítulo três.

Los Angeles. EUA.

Março de 2020, sábado. 


"II coraggio ti porterà in cima al tuo sogno".

A frase que meu professor de italiano, no tempo do fundamental, sempre dizia durante as aulas para encorajar seus alunos, de certa forma deu-me mais força pra encarar o que estava por vir. Por mais que tivesse uma ideia do que poderia encontrar, eu nunca tinha ido em uma boate na minha vida e isso deixou-me com uma puta pulga atrás da orelha. 

O que poderia encontrar?

De fora da boate as pessoas já pareciam bem fora de si, embora ainda fosse oito da noite, o que deixou-me curioso pra saber que horas essas pessoas vão pra lugares assim. Uns homens com aparência horripilante fumavam, perto de uma Hilux vermelha onde, na traseira do automóvel, três mulheres dançavam. Mais à frente algumas garotas de programa andavam pela calçada tentando chamar a atenção de quem transitava ali, enquanto algumas pessoas entravam na boate depois de passarem pelo detector de metais.

Respirei fundo, torcendo um pouco o nariz por inalar uma certa quantia de maconha que dois homens fumavam atrás de mim. Tampei meu nariz pra aniquilar aquele cheiro que incomodava e atravessei a rua com um pouco de dificuldade por causa dos carros que passavam ali.

Assim que cheguei em frente a boate olhei para cima ,onde a placa do local chamava a atenção. "Night sky" era iluminada por uma luz azul e as letras tinham um desing moderno que pareciam chamar as pessoas. Esperei que a fila diminuísse e assim que parei diante dos seguranças, um homem foi literalmente jogado na calçada do estabelecimento, chamando a atenção de todos.

O tal homem tinha uma forte roxura no olho esquerdo e seu nariz sangrava um pouco, tentou levantar-se mas foi impedido por outra pessoa que pisou no peito do homem prendendo-o no chão. Olhei pra quem fazia-o e prendi a respiração reconhecendo, o Chinês usava uma blusa regata preta que deixava a mostra sua tatuagem no braço que continha seu próprio nome. Sua calça jeans desbotada tinha um certo volume no bolso da frente que aparentava ser um celular, e sua bota preta parecia ameaçadora sob o corpo do rapaz. 

Zitao Huang

-- É melhor você nunca mais voltar aqui.-- Zitao disse possesso enquanto pressionava mais ainda o pé sob o peito do rapaz. 

-- Ela é só uma puta que merece um trato.-- No segundo seguinte Zitao levantou com força o corpo trémulo do rapaz e jogou-o mais à frente fazendo com que se batesse em algumas pessoas que passavam no local.

-- Funcionária nossa não é humilhada por um bosta igual a você. Levem ele pra longe daqui. -- O chinês levantou a mão chamando alguns seguranças que moveram-se rapidamente.-- Sorte sua que ela nem sabe do que aconteceu, tome isso como um presente nosso.

Somente ver aquela cena fez-me entender que eu precisava agir da maneira certa hoje, sem rodeios, sem medo. Minha vontade de entrar logo na boate e começar a missão aumentou em 100%, graças ao Zitao Huang. Claramente eu também não queria ter o possível fim que esse cara terá um dia.

Virei-me para os seguranças que revistavam as pessoas, assim que o chinês entrou na boate. Relaxei meus braços e pus-me erecto para que eles passassem o detector de metais em mim, assim que mostrei meu celular fui liberado e entrei no local.

Mas antes que pudesse passar pela recepção uma moça parou-me com um tablet na mão, que continha uma foto minha a qual lembro-me de tirar na base de Nova Jersey. 

-- Senhor Nicollas Wang?.

Olhei a moça dos pés a cabeça entendendo que possivelmente ela estaria aqui pra reconhecer os novos trabalhadores da boate. Ajeitei minha postura e sorri gentil perante o olhar curioso da mulher, em tentar reconhecer-me.

-- Sim, sou eu.

-- Venha comigo, vou lhe levar até o camarim pra encontrar seu superior e conhecer seu local de trabalho. 

Entramos em um corredor lateral onde dava pra escutar o barulho abafado da música alta, e sem demorar muito já estávamos de frente pra uma porta branca com uma mini placa escrito "Camarim". A mulher entrou no local e pediu-me pra esperar,  virei de costa entendo a situação e concluindo que estaria prestes à conhecer o filtro da gangue.

Olhei de soslaio um espelho ao meu lado, que tomava conta da parede toda, e resolvi averiguar meu estado atual, afinal precisava estar pelo menos apresentável. Eu vestia uma camisa branca meia manga que estava um pouco colada em meu corpo, minha calça jeans rasgada dava-me um certo visual, e meu all star azul deixava meu estilo com mais um pouco de cor. 

Resolvi tirar o boné e prender na presilha da minha calça jeans, tanto deixando mais estiloso quanto liberando para qualquer um ver meu rosto facilmente. Passei minha mão algumas vezes em meu cabelo pra deixar algo mais agressivo sei lá, tomara que seja perceptível meu esforço pra tornar- me um garoto de programa.

Nunca achei que falaria isso um dia.

-- Você pode entrar.-- Virei-me rapidamente para a mulher que segurava a porta pra mim.-- Estão esperando você. 

Sorri gentil e sem pensar duas vezes entrei no local, alguns caras estavam sentados e terminavam de se arrumar, e outros conversavam entre si enquanto olhavam-me de soslaio. Engoli à seco e comecei a andar sendo observado pelos outros, até que um rapaz parou na minha frente analisando-me sem vergonha alguma.

-- Deve ser um dos novatos.-- Assenti meio a contra gosto e enfiei as mãos em meus bolsos da calça jeans. -- Boa sorte no nivelamento Cinderela.

-- Você sabe onde eu..- Quando tentei encontrar um norte pra onde deveria ir ,fui interrompido por uma voz grave que vinha detrás do rapaz.

-- Deve ser o último inscrito de ontem.

Logo que o rapaz afastou-se de mim, pude ver o dono da voz e senti que estava indo no caminho certo, embora não tivesse acontecido quase nada ainda. O coreano usava uma camisa branca um pouco social com algumas estampas de desenhos aleatórios, deixando somente os últimos botões fechados fazendo com que fosse visível sua tatuagem no meio do peito próximo ao abdômem, que parecia ser uma flor. Sua calça cumprida preta tinha algumas rasgaduras laterais e sua bota preta chamava a atenção. Seus dreads o deixavam com um ar desleixado enquanto o óculos fechava com chave de ouro seu visual. Isso porque eu nem citei o cordão de outro fino que ele usava.

Jongin Kim parecia analisar-me também. 

-- Sou Nicollas Wang. 

-- Eu sei quem você é. 

Se soubesse mesmo não estaria prestes a contratar-me.-- Pensei e fingi coçar meu nariz mas na verdade estava afastando minha vontade de rir.

-- Vocês podem sair para o trabalho.-- Jongin avisou a rapaziada que logo já estavam saindo do camarim. No entanto dois outros caras permaneceram sentados próximo ao filtro.-- Sente-se perto deles por favor, eles são novatos também. 

-- Claro. 

Assim que sentei-me de uma forma meio formal para tal ocasião, Jongin pegou um tablet de cima da mesa e começou a falar.

-- Recebi os questionários de vocês e me senti mais aliviado. Porque alguns dos homens e mulheres que eu recrutei tinham alguma doença sexualmente transmissível. Que bom que os três não tem, já facilitam nosso trabalho.

-- Vamos começar hoje?.-- Um dos dois perguntou e torci pela resposta.

-- Não. Hoje vou só apresenta-los aos administradores pra acertarem seus cadastros na rede da boate e deixa-los conhecerem melhor o local de trabalho de vocês. 

-- Não vamos passar por um nivelamento?.

Jongin olhou-me assim que perguntei fazendo com que eu confirmasse o que já estava pensando. Seus lábios contraíram-se em um riso pequeno e ai eu olhei pra uma das câmeras que estava no canto do local.  

Eles já tinham feito o tal nivelamento

-- Não se preocupem com isso, já sabemos o que precisamos saber. Tanto que dos vinte vocês três ficaram com as vagas.-- Jongin aproximou-se da porta e nos olhou confuso.-- Vão vir ou não?.

Nos levantamos rapidamente seguindo o Kim que pareceu terminar de desabotoar os restos dos botões da camisa. Revirei os olhos claramente confirmando que ele era muito borsal, afinal o que eu esperava de gangsters psicopatas?. 

Assim que ele abriu uma porta enorme uma forte luz nos bombardeou junto com o alto barulho de música eletrônica da boate. Pisquei algumas vezes tentando adaptar-me ao local e tentei focar mais no chão pra não ficar cego, literalmente.  A porta que saímos dava ao lado do bar do local que estava parcialmente cheio, haviam barmans distribuindo bebidas, notei que havíamos parado de andar e voltei minha atenção para os três em minha frente. Enquanto Jongin conversava com o segurança os outros dois olhavam ao redor, aproveitei pra aproximar-me do Coreano pra tentar escutar a conversa.

-- Esse filha da puta não era convidado VIP?.-- Sua voz saiu com um forte ton de raiva que o segurança encolheu-se um pouco.

-- Sim, ele fez o ato no quarto da ala VIP.

-- Aish, cadê o desgraçado?.

-- Zitao já cuidou dele

Quando notei que o segurança ia olhar pra mim, dei um ângulo de 90° e puxei assunto com os outros dois novatos.

-- Por que querem trabalhar nessa boate?.-- Puxei a respiração nervoso e eles se olharam antes de começarem a responder.

-- Dinheiro fácil, não arranjei trabalho vim parar aqui.-- O loiro respondeu dando de ombros.-- A propósito me chamo Lucca.

Olhei de soslaio pro lado tentando escutar o resto da conversa do segurança com o Kim, mas não consegui então tratei de focar na conversa que tinha puxado com os dois.

-- Sou Nicollas Wang.-- Ele assentiu e olhou pro outro que tinha um jeito mais engraçado. 

-- Me chamo Ryan. E sendo sincero aceitei trabalhar nessa boate por causa da irmã do dono daqui.

Franzi o cenho tentando entender o que ele havia falado, na verdade poderia ter confundido-se na fala. Então relaxei os braços e balancei a cabeça mostrando-me um pouco confuso diante da fala dele.

-- Dono?.

-- Sim dono, não conhece o chefe pra quem vai trabalhar?.-- Pisquei algumas vezes ainda confuso.-- BaekHyun, ele é asiático ,acho que não vai estranhar o nome afinal você também é. -- Sua risada sem noção deu-me ânsia.-- Ele veio fazer império pra cá, afinal é dono das melhores boates do Estados Unidos.

Tentei acreditar no que estava ouvindo, até porque tinha recebido outras informações do FBI, a gangue estava deixando os outros acreditarem que quem comanda tudo é o BaekHyun. Mas porquê exatamente fariam isso? Estão limitando informações que podem ser vazadas para outras gangues?.

Estratégia?.

-- E quanto a irmã?.

-- Angel é uma tremenda de uma gostosa, quando vinha aqui era sempre pra tentar ver ela.-- Ele sorriu malicioso.-- Sinceramente? Vagaba Show!.

Quando pensei em reagir ao comentário sem noção dele ,somente pra fingir que sou desse tipo de gente também,  só vi algo rápido passar por mim e quando dei-me conta Jongin Kim segurava fortemente o braço do rapaz, como eu estava mais próximo do coreano, pude notar bem nitidamente a tatuagem que ele tinha no pescoço, era um anjo desenhado e com escrita em inglês "Angel". 

Isso é algum tipo de adoração?.

Ryan fez uma cara de dor e pelas veias saltando pra fora do braço do coreano, ele claramente fazia força. Um sorriso maldoso brotou nos lábios dele e com um olhar de puro aviso ameaçador ele alternou sua atenção entre nós três. 

-- Vou avisar somente uma vez. Se eu escutar mais um comentário desnecessário vocês estão fora. Entenderam?.-- Um grunhido de dor que Ryan soltou fez com que concordássemos rapidamente.-- E dependendo do meu humor ,eu descido se é só da boate que vocês estão fora.

Ameaça clara, curta, e fácil de entender

Parei de encarar o chão voltando minha atenção para Jongin que já encarava-me com uma certa indiferença e superioridade. Ele estreitou os olhos e logo em seguida soltou Ryan que cambaleou para o lado.

-- Vamos subir, vou levar vocês ao administrador da boate.

Jongin começou a andar no meio da multidão e sem pensar muito seguimos ele, tinha até uma certa dificuldade de passar no meio daquele mar de pessoas dançando e cantando. Havia um forte cheiro de cigarro no local que foi difícil não inalar, algumas mulheres tentaram puxar-me mas desviei-me delas. Assim que chegamos na escada e subimos alguns degraus pude ter noção de como o local estava cheio, e quando chegamos em uma sala que tinha uma enorme janela de vidro, que tinha visão panorâmica da boate, notei que havia bastante gente também na área VIP da boate que ficava no mesmo andar da sala só que do outro lado. 

-- Esperem aqui.

Assim que Jongin chamou nossa atenção pra si, notei que o administrador não estava na sala e que provavelmente ele tinha ido buscar o tal homem que organiza essa bagaça. Sentei-me no sofá que tinha ali e continuei olhando para as pessoas lá de baixo, até que uma certa quantia de plateia masculina se aproximou do palco que continha uma barra de aço no centro. Estreitei meus olhos procurando alguém de importante mas não reconheci ninguém e espantei-me com a aproximação repentina de Ryan que jogou-se no sofá ansioso.

-- Ai meu Deus, o showzinho vai começar daqui a pouco, estão prontos?.

-- Cara você realmente quer morrer. Não escutou o que aquele cara disse? Quer morrer, morre sozinho.-- Lucca disse claramente nervoso e sentou-se do lado de Ryan.

-- Do que vocês estão falando?.-- Olhei confuso pros dois e antes que Ryan respondesse a porta foi aberta.Ajeitei minha postura quando reconheci os dois que haviam entrado junto com Jongin.

MinSeok Kim.

 O mais baixo vestia um moletom preto, uma calça jeans, e um tênis preto, e alguns cordões de prata finalizavam seu visual. Seu cabelo estava devidamente penteado pra trás lhe dando um ar elegante, por mais que tentasse o moletom não conseguiu esconder as tatuagens nos dois pulsos que ficaram a mostra quando ele enrolou as mangas até o ante braço. Assim que se sentou tratou de organizar os papeis que estavam sob a mesa de vidro.

BaekHyun Byun.

O homem vestia uma camisa preta social com alguns desenhos vermelhos e por cima tinha uma jaqueta jeans, calça comprida preta e um tênis branco. Seu cabelo castanho escuro estava um pouco bagunçado e quando ele se virou pude ver a sua tatuagem de algum tipo de folha na lateral esquerda de seu pescoço. Ele segurava um cigarro e passou a fuma-lo quando nos percebeu ali na sala.

-- Já avisou o ChanYeol pra não autorizar a entrada dele em Seattle?.-- O Byun perguntou e deu uma tragada, logo batendo o cigarro dentro de uma xícara que estava sob a mesa de vidro.

-- Já avisei sim.-- MinSeok olhou indignado para o acastanhado que continuava a jogar as cinzas do cigarro dentro da xícara. -- Dá pra parar de fazer isso? Sabe quantos germes está jogando na minha xícara?.

-- É só lavar depois, para de ser chato.-- Antes que ele pudesse responder BaekHyun, Jongin apontou pra nós três e depois cruzou os braços.

-- São os novos contratados.

-- Certo já preparei os contratos estão ai na sua mesa, Hyung.-- BaekHyun apontou pros papeis e sentou-se na cadeira em frente ao administrador. 

-- Por isso que tava tudo desorganizado.-- MinSeok puxou três folhas dali e as organizou sob a mesa logo em seguida nos chamou para assinar.-- Esses são os contratos de vocês com a boate. BaekHyun por favor.

O Byun pegou os contratos e nos entregou para que pudéssemos ler antes de assinar. Pelo que vi tudo estava perfeitamente escrito e explicado ,agora entendi como BaekHyun trabalha bem com a parte jurídica e suas burocracias dentro da gangue e nunca erra.

Ele sabe escolher bem as palavras.

-- Bom, hipoteticamente falando esse contrato tem validade de um ano, e só pode ser anulado caso se demitam ou sejam demitidos. A diferença é que caso se demitirem vão ter que reembolsar a boate e se demitirmos vocês vamos reembolsa-los. 

-- E sobre a segurança?.-- Lucca perguntou meio receoso e cruzou os braços passando confiança.-- Porque vocês sabem que existem clientes malucos.

-- Sabemos sim, e é por isso que temos nosso modo de proteger nossos homens e mulheres da boate.-- MinSeok abriu a gaveta e tirou três pulseiras de lá e as estendeu para que pegássemos.-- Essas são nossas pulseiras digitais de monitoramento de segurança. Desenvolvida por nós mesmos. 

-- Parece uma pulseira normal.-- Ryan comentou assim que colocou o adereço no pulso.

-- Essa é a intenção. Um desing único foi criado para parecer inofensiva, estão vendo esse botão pequeno na tela? Esse botão nos aciona para ajudarmos vocês enquanto estão trabalhando.-- MinSeok pegou o celular e nos mostrou.-- Aperte o botão ,por favor.

Sem esperar um segundo sequer Lucca pressionou o botão e automaticamente um aviso apareceu no celular.

-- Vai aparecer tanto quem está precisando de ajuda quanto o lugar que a pessoa está. 

-- Lembrando que esse dispositivo só pode ser ativado se vocês estiverem trabalhando.-- BaekHyun avisou e logo em seguida cruzou os braços. -- Mas se quiserem proteção vinte e quatro horas por dia, falem com a gente e vamos acertar o valor.

A gangue mais empreendedora que eu já vi.

Assim que terminamos de assinar os contratos as luzes da boate apagaram e a música alta cessou, Ryan iria falar alguma coisa mais sua boca foi tampada pela mão de Lucca que sussurrou um "Fique quieto". Assim que as luzes voltaram um pouco mais fracas que antes, uma outra luz vermelha fortíssima tomou conta do palco e focou no centro onde uma mulher apareceu ainda de costas e vários gritos e aplausos começaram.

-- Não me digam que é..

-- É Baek ,é ela.-- Jongin respondeu risonho enquanto o acastanhado passava a mão no rosto claramente não surpreso com a pessoa que estava no palco.

"I see red" começou a tocar e a mulher não tardou em mover lentamente o quadril, seus braços moviam-se conforme a música e logo ela virou-se para o público ,uma máscara preta escondia seu rosto deixando somente sua boca pintada com batom vermelho a mostra , sorriu descendo devagar até o chão enquanto rebolava. Quando se levantou jogou os seus fios caramelados levemente enrolados para trás, passou a mão sensualmente pelo corpo e começou a andar até a barra de aço um pouco mais próxima da plateia. A maioria dos homens gritavam e assobiavam durante a performance, o que de fato não deixou a mulher nem um pouco nervosa, assim que chegou na barra deixou que o sobre tudo dourado escorregasse pelo seu perfeito corpo. 

E que corpo.

Ela usava uma lingerie vermelha bruscamente hesitante ,que parecia combinar demais com a pele branca e aparentemente macia. Um segundo depois o sobretudo havia sido jogado para a plateia e logo sua atenção foi voltada para a barra, a mulher passou a língua maliciosamente pelo objeto e sorriu como se fosse a coisa mais divertida do mundo pra ela.

E estava sendo. Talvez não só pra ela.

Surpreendentemente ela começou a subir na barra com uma facilidade incrível, e ao chegar no topo cruzou as pernas e se jogou para trás mostrando sua magnifica elasticidade, que só não foi mais percebida que seus seios fartos quase saltando pra fora do miserável sutiã. Achando que não seria mais surpreendido por ela relaxei meu corpo, mas voltei a ficar tenso assim que ela segurou com força a barra e soltou as pernas, dando uma estrela lateral naquele objeto que parecia que iria quebrar. 

A mulher voltou a se prender na barra e passou a língua mais uma vez na mesma, e quando o refrão da música voltou de novo ela se soltou e se aproximou rapidamente do público que jogava várias notas de dinheiro no palco. Não contente ela pegou alguns daqueles papeis que movem o mundo e os prendeu no sutiã, voltando a subir na barra com a maior sensualidade do mundo.

Que mulher.

Depois de fazer a última acrobacia na barra, desceu e continuou fazendo movimentos sensuais, enquanto se abaixava empinando a sua linda bunda ,como se estivesse deitando em uma cama. Levantou o tronco pressionando um seio no outro e moveu a cintura insinuando sentadas durante um ato sexual. Prendi a respiração com aquela cena sentindo certos locais em mim acordarem , e passei a mão na testa limpando o suor dali.

O problema era que eu não conseguia parar de olhar para aquele corpo chamativo e hipnotizante que convidava-me para o mal. E não consegui parar de olhar ainda mais quando a mulher se levantou e finalizou a coreografia abraçando sensualmente a barra, e logo em seguida se aproximou do público tirando a máscara preta.

Travei.

Arregalei os olhos e senti minha respiração acelerar, quando reconheci a tal mulher, na verdade seria impossível não a reconhecer. E senti uma espécie de satisfação assim que nossos olhares se cruzaram e permaneciamos ali, encarando um ao outro. Ela com um sorriso esplêndido que escondia quem ela era de verdade, e eu sem alguma reação específica rezando pra que ninguém desconfie de nada e muito menos ela. Porque aqueles olhos castanhos eram tão avassaladores que poderiam arrancar a verdade da minha boca, e isso seria terrível pra mim. Kris e Luhan estavam certos ela era uma tremenda de uma mulher dos sonhos esteticamente falando porque em questão de personalidade eu a conhecia muito bem. 

Angel Byun Hungles não era qualquer mulher.






Notas Finais


Até 💚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...