História The Most Beautiful Moments in Life - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 2.278
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amoresss❤❤
Mais um capitulo aee e esse é do Taehyung, espero muitoo que gostem bjsss.

Capítulo 3 - The Most Beautiful Moments in Life - 3


Fanfic / Fanfiction The Most Beautiful Moments in Life - Capítulo 3 - The Most Beautiful Moments in Life - 3

Kim Taehyung



"Mesmo tentando me esquecer do meu doloroso passado, ele me persegue de forma rígida, fazendo com que, nem por um segundo, eu me esqueça dele."



Monto em minha moto e vou em direção do piu, onde ela sempre ficava quando algo ruim acontecia. Demorou um tempo para eu descobrir que esse era seu "esconderijo", a mesma nunca havia me dito onde ia quando estava mal, mas um dia eu descobri, e sempre quando a mesma desaparece, vou lá.

Ao chegar a vejo sentada no fim da pequena ponte, sorrio por vê-la. Estaciono a moto e vou correndo até ela, a mesma olha para trás e sorri, quanto mais me aproximo mais devagar vou, até começar a andar e parar em sua frente.

A mesma me olha ainda sentada, ela enxuga as lágrimas e suspira.

- O que aconteceu? - pergunto com um tom de voz acolhedor.

- Nada. - responde seca.

- Se não fosse nada você não teria fugido de casa. - digo me sentando ao seu lado. - Por que fez isso?

- Como soube?

- Eu sonhei com isso uns dias atrás. - a mesma desvia o olhar e observa o horizonte.

- Entendi...

- É bonito, né?

- É, muito bonito... Por que não me contou? - perguntou ainda fitando o horizonte.

- Quando se muda o futuro de forma drástica, ele volta dez vezes pior. Não quero que algo assim aconteça com você.

Ela para de olhar ao horizonte e me fita com seus castanhos olhos, eram os mais lindos mares de mel que já havia visto. Sorrio para a mesma e passei a mão em seu rosto, onde estavam as marcas.

- Poderia ser pior que isso? - pergunta colocando a mão nas minhas.

- Talvez, as vezes você poderia ter feito alguma besteira ou sei lá o que.

- Acho que entendi. - ela tira minha mão de seu rosto e repousa a cabeça em meu ombro, sorrio de leve e a abraço fraco.

O silêncio atormentador predominou por um longo tempo, ela parecia estar muito abatida com tudo que aconteceu. Sempre foi uma ótima filha, acho que ela não esperava algo assim de seu pai, mas no fundo, talvez, ela sabia o que aconteceria.

Não posso culpar Namjoon, a culpa não foi dele, nós apenas nos esbarramos e o seguimos, a culpa talvez seja nossa por tê-lo seguido, ou a culpa deve ser minha, por querer tomar um caminho diferente do tradicional, ou, também, a culpa pode ser dela, por querer ser uma boa amiga e trazer o café para mim. Mas provavelmente a culpa é do destino que fez com que nós dois nos cruzassemos, se não fosse por culpa dele, nós nunca nos conheceríamos.

Bem o destino sempre apronta algo com nós, como hoje mais cedo, ele fez com que me encontrasse com os garotos do meu sonho, era estranho ver alguém com quem você sonha aparecer na vida real. Os sonhos não deveriam ser apenas imagens capturadas pelo nosso subcontinente? Acho que para a maior parte das pessoas sim, mas para nós dois algo não estava certo. Será que tem mais pessoas como nós?

- Tae?

- Ah... Sim?

- Será que eu posso ficar na sua casa? Não precisa ser por muito tempo, só por hoje. Para ver se os ânimos, lá em casa, melhorem.

- Nem deveria ter perguntado, óbvio que pode ficar. - Digo sorridente.

A mesma me olha e sorri de volta, ela suspira e se levanta.

- Que tal irmos para a cerejeira?

- Por que não? - digo e também me levanto, à acompanhando até a árvore.

Aquela árvore era uma das mais antigas de Gangnam, ou, a mais antiga, segundo os velhos moradores das redondezas. Também dizem que foi nessa árvore que uma princesa morreu pelo amor de sua vida, as lágrimas do amado foram tão verdadeiras que a árvore se recusa morrer pois sua essência tem trauma da morte. Mas isso é apenas uma lenda.

Fomos andando até a mesma e ao chegar em seu tronco, nos sentamos e ficam o olhando a vista.

- Ei Hanni.

- Sim...

- Você acha que existem mais pessoas que tem sonhos como nos? - pergunto me inclinando para frente e olhando.

- Deve ter algum azarado igual nós... - diz fechando os olhos e encostando na árvore. - Talvez a gente conheça ele qualquer dia desses.

Rio me encostando na árvore e adormecendo em pouco segundos por causa das noite de insônia.


Sonho on~


Era por volta das 6:30 da noite, não havia absolutamente ninguém no velho cais, apenas um garoto de cabelos avermelhados, ele andava vagarosamente até a metade da ponte, mas ao chegar em certo ponto ele sai correndo e se joga da mesma.


Sonho off~


Acordo em um pulo e vejo Hanni se levantando e correndo até o piu, faço o mesmo, me levanto e corro atrás dela.

- GAROTO! NÃO FAÇA ISSO!!! - ela grita e agarra um garoto de cabelos avermelhados.

- O que você está fazendo? - ele pergunta confuso. - Onde você estava?

- Por favor não faça isso. - ele a empurra e olha para ela.

- Você sabe o que eu estou passando? Você sabe quantas noites eu já chorei?

- Não, eu não sei. Mas sei que se você pular, você vai desistir de se matar, porém como não sabe nadar, irá morrer. - ela diz tendo certeza de suas palavras.

- Como sabe de tudo isso?? Você nem mesmo me conhece!

- Mas eu tenho certeza!

- Certeza do que? - o mesmo pergunta irritado.

- Certeza que quem falava que te amava nunca te amou, certeza de que se você fazer isso você vai se arrepender profundamente...

Ele a olhou, parou e suspirou.

Em segundos ele estava ajoelhado no chão chorando como um bebê. A mesma se ajoelhou e o abraçou.

Eu não estava entendendo nada, meu cérebro por um tempo havia travado, era muita informação. Apenas fiquei em pé tentado entender.

- Obrigado... Obrigado por ter salvado a minha vida... Obrigado menina...

Alguma minutos depois, nos sentamos no carvalho do piu e ficamos conversando.

- Então, qual é o nome de vocês?

- Park Hanniel. - disse sorridente.

- Me chamo Kim Taehyung.

- Prazer, me chamo Jung Hoseok, mas pode me chamar de J-Hope.

- O prazer é to... - o celular do ruivo toca, o mesmo rapidamente o pega, se desculpa e se afasta.

- Hanni, você sonhou com ele se matando também?

- Sim, ele pulava da ponte e quando estava começando a perder o ar, se arrepende e por não saber nadar não consegue voltar. - diz colocando a mão na lateral da boca.

- Eu tive o mesmo sonho, mas tirando essa parte que ele se arrepende. De resto foi igual.

- HOSEOK!!! - ouço alguém gritar o nome do garoto.

Olho para trás e vejo o rapaz de hoje cedo vir correndo na direção do mesmo, ele passa por nós correndo e o abraça com tanta violência que o faz cair no chão de carvalho.

- Kook? Como sabia que eu estava aqui?

- N-não importa. - disse gaguejando. - Que bom que você está bem Hobi.

- Ei... Kook, me solta. Tem mais pessoas aqui além de nós... - Hoseok diz, fazendo com que o garoto rapidamente o soltasse.

- Me per... Park Hanniel? - o mesmo pergunta virando a cabeça para o lado.

- Oi. - a mesma disse tímida. - Jeon Jungkook, certo?

- S-sim. - gaguejou tímido.

- Vocês se conhecem? - pergunto curioso.

- Sim, nós conhecemos hoje.

- É, você não é o garoto de hoje mais cedo também? - o mesmo pergunta.

- Pois é.

- Que engraçado isso até parece um sonho hahaha. - Hoseok diz rindo.

Eu e Hanni nos olhamos e rimos, o garoto moreno ri desconfortável, como nós.

- Me desculpe por ser intrometido, mas você está bem? - o mesmo pergunta se levantando e indo até nós.

- Ah... Sim. - ela diz sorrindo.

Ele se senta em nossa frente e sorri. Hoseok faz o mesmo e se junta a nós.

- Bem... Eu estou meio perdido, você já os conhecia Kook? - pergunta o ruivo.

- Bem nos conhecemos hoje.

- Entendi, então eu vou ser o excluído da rodinha. - disse sorrindo.

Ele nem mesmo parecia o mesmo garoto que queria se matar a pouco tempo atrás, ele estava sorrindo de orelha a orelha. Talvez esteja feliz por ter tido outra chance de viver, ele realmente era outro homem depois de hoje.

(...)

Nos despedimos e fomos para minha casa, ao chegar ela foi para o banheiro e fui a cozinha preparar algo para comer. Peguei dois pacotes de miojo e os fiz, mesmo não sabendo cozinhar muito bem, meu miojo era divino.

- Eu estou parecendo um garoto com essa roupa. - ouço ela dizer e olho para trás.

E realmente ela estava parecendo um garoto, rio da mesma e volto meu foco ao miojo.

- O que o chefe Taehyung está preparando para dama macho??

- Hahahaha, dama macho? É sério isso?

- Vai responder ou não?

- Vou fazer o prato mais difícil que toda a humanidade já viu, a senhorita ira comer uma comida ilustre, nunca provada por ninguém no mundo. - digo com o nariz erguido.

- O que irei degustar chefe?

- Miojo! - digo e caímos na risada.

- Você só vive de miojo, né? - pergunta se sentando na bancada.

- Vivo de miojo e da comida da sua mãe. - digo e rimos. - Mas é sério.

- Desse jeito você vai morrer de tanto comer miojo. - disse e riu. - Você sabe que não faz bem ficar comendo tanto miojo...

- Se eu soubesse cozinhar... - estendo o braço e lhe dou o prato com o miojo. - Bom apetite.

Digo sorrindo e ela faz o mesmo.

Fomos para a sala com os pratos de miojo na mão, nos sentamos no sofá e ficamos assistindo TV, passávamos os canais, procurando algo de interessante para assistir.

Depois de terminar de comer, fomos ao meu quarto.

- Ei Tae, onde eu posso dormir?

- Onde você quiser, se quiser dormir na cama, eu vou para o sofá. - digo indo escovar os dentes.

- Tá louco? Não quero atrapalhar...

- Você não atrapalha. - digo tirando a escova e falando com a boca cheia de espuma.

- Claro que sim, eu vim para tua casa sem falar nada antes...

- Você falou hoje de manhã, tinha uma tarde de antecedência.

- Tae, se eu estiver atrapalhando eu vou para a casa... - diz coçando a nuca.

- Eu vou te bater. - lavo a boca e a enxugo, indo até ela. - Já disse que você não atrapalha, e se atrapalhasse não teria deixado dormir em casa.

- Valeu Tae. - diz me abraçando.

Alguns segundo depois ouvimos se celular tocar, ela me solta e vai atender. Suspiro e sorriu, hoje havia sido um dia longo, mesmo tendo dormido boa parte dele, parecia que algo não estava certo. Talvez algo ainda não esteja certo, talvez algo não foi esclarecido, era como se tivesse um buraco no espaço tempo, era como se Hoseok tivesse que se matar ali, era o seu destino, porém com isso ele tenha virado um bug da matrix. Talvez seja nós brincando com o futuro como se brinca com brinquedos, em pouco tempo o próprio tempo se tornou o brinquedo mais perigoso e milagroso para se mexer.

Com ele poderíamos deixar acidentes sem acontecer, podemos ajudar as pessoas, mas para isso tem um preço, se adiantarmos muito acontecimentos, eles dão um jeito de voltar, eles voltam dez vezes pior.

Me jogo na cama, atordoado com as lembranças do passado e olho para o teto, o garoto de hoje cedo estava me incomodando, ele parecia muito surreal, mesmo estando na minha frente, ele não se parecia real, diferente de Namjoon, Hoseok e o garoto de cabelos esverdeados. Algo nele me chamou atenção quando Hoseok falou dos sonhos, ele pareceu tão incomodando quanto eu ou a Hanniel, ele parecia com medo das palavras do amigo.

"Será que ele te os mesmos sonhos que nós?"

Me perguntei várias e várias vezes, a mesma pergunta, mesmo sendo curta e sem ser tão bem feita, ela me atormentou, ecoando muitas vezes em minha mente, já atormentado de tantos pensamentos que me deixavam cada vez mais confusos.

Coloquei as mãos no rosto e suspirei, eram tantos sentimentos dentro de uma só pessoa, tantos medos, inseguranças, tristezas e ódio. Esses sentimentos nasceram depois da minha grande queda livre, quando tudo despencou de uma só vez e quando eu fiz a pior e maior besteira de minha tão curta vida.

- Voltei. - ouço ela falar e olho para a mesma, sorriu por ela me tirar de meus pensamentos atormentadores.

- Oi, quem era?

- Minha mãe querendo saber se eu estava bem, ela disse que uma amiga dela nos viu hoje mais cedo no piu, mas disse a ela só agora a noite. Ela achou que eu ainda estava lá.

- Entendi...

- Ei Tae posso dormir com você?

- Ah claro. - digo e me deito na cama de casal.

Hanni faz o mesmo e fica olhando para o teto.

- Hanni onde você conheceu aquele garoto?

- Jungkook? - pergunta colocando as duas mãos debaixo da cabeça.

- Sim.

- Bem... Ele me salvou hoje mais cedo. - ela diz sorrindo.

- Te salvou?

- Talvez amanhã eu te conte, eu estou cansada, preciso dormir.

- Certo, boa noite. - digo e suspiro.

Sonho on~

Está escuro, muito escuro, não consigo nem mesmo sentir minha própria presença. Sinto uma grande frio e medo, no mesmo instante o frio se torna em calor e o medo em ódio.

Uma mistura de sentimentos, uma sensação horrível.

Sinto que estou caindo e logo após, caio em algum lugar repleto de água. Tento subir para a superfície, mas quanto mais me debato mais eu afundo. Olho para frente e vejo o garoto de hoje. Nos encaramos por alguns segundos e percebo que algo tampa seus olhos, tento ir até ele porém algo tapa meus olhos também.

Consigo ver a silhueta do mesmo e reparo que em sua faixa está escrito: begin.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...