História The Mysterious Killer - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Justin Bieber
Personagens Ariana Grande, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Ariana Grande, Jariana, Justin Bieber
Visualizações 631
Palavras 2.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoas lindas do meu coração.
Sim eu voltei com mais um capítulo para vocês.
Quero agradecer a TODO O CARINHO QUE RECEBI. Sério, todo mundo está guardado no meu coração. É tanto amor que as vezes me emociono de ler o comentário de vocês.
Vou deixar vocês lerem o capítulo.
OBS: desculpem-me se tiver algum erro ortográfico.
ÓTIMA LEITURA<3

Capítulo 13 - Consequências do Passado


Fanfic / Fanfiction The Mysterious Killer - Capítulo 13 - Consequências do Passado

Ariana P.O.V

 

Acordei com uma movimentação excessiva no lado da cama e abri os olhos lentamente. Ao olhar Justin, vi que o mesmo ainda dormia, mas não parecia muito bem. O relógio do quarto marcava 3h30min da manhã. Estava muito cedo ainda. Acomodei-me, sentando do meu lado da cama, vendo Bieber suado e com a respiração ofegante. Parecia ter um pesadelo. Vez ou outra virava na cama falando palavras desconexas e cerrava o punho, parecendo querer socar alguém. Comecei a me incomodar com a situação e decidi fazer alguma coisa.

- Ei, Justin - sussurrei deitando-me mais perto de seu corpo e o abraçando - está tudo bem, eu estou aqui - apertei sua mão para ver se eu conseguia exercer alguma influência sobre o seu sofrimento e vi quando seus olhos se abriram, mostrando o quão sofrido estavam.

Antes que dissesse alguma coisa eu apertei nossos dedos entrelaçados e fiz carinho em seu cabelo.

Observei seus olhos me analisando como que se eu fosse uma miragem e sorri feliz por tê-lo acalmado.

Foi em um piscar de olhos, que meu paciente voltou a dormir, comigo vigiando-o.

 

                                               (...)  

 

- Senhorita Ariana, um senhor que diz ser responsável por seu paciente, espera a sua presença na sala do silêncio.

Franzi o cenho.

Responsável pelo Justin? No exato momento não me vinha ninguém em mente.

- Ele disse o seu nome? - questionei à enfermeira a minha frente que havia interrompido meu café da manhã.

- Não senhorita, ele não me disse e eu também não perguntei.

Balancei a cabeça entendendo.

- Diga a ele que já estou a caminho. Irei somente terminar de tomar o meu café.

Com um aceno de cabeça, vi a mulher se afastar. Suspirei e tomei mais um gole da bebida quente em minha xícara. Depois que voltei a dormir, após acalmar Justin, consegui descansar somente mais três horas e meia, sem ter outra opção se não me levantar, trocar de roupas e passar um dos momentos mais vergonhosos da minha vida: tive de bater na porta do quarto, pedindo para sair, depois de confirmar que era eu e não Bieber. Mas o pior não foi isso. A pior parte foi quando percebi a cara de espanto e curiosidade que tanto os guardas e policias que estavam ali, quanto os enfermeiros, fizeram. Apenas levantei a cabeça e segui para a lanchonete que havia no manicômio. O bom foi que eu não precisei comer perto dos “presidiários” que moravam aqui. Havia um lugar separado para os especialistas que como eu, tratavam de seus pacientes.

Levantei-me e fui diretamente para a sala do silêncio ao qual eu tinha descoberto a existência há pouco tempo.

Ao andar pelo corredor, pude escutar uma voz conhecida por mim. Parecia falar no telefone.

Quando cheguei à porta da sala, pude confirmar minhas suspeitas. Jeremy Bieber estava me esperando. Sabia que era ele pela fotografia que tinha pegado “emprestado” na casa do rio.

O Sr.Bieber desliga a ligação e seus olhos vêm em minha direção. Ele se levanta e me cumprimenta em um aperto de mãos.

- Olá, sou Jeremy Bieber, pai de Justin - confirmo com a cabeça, fingindo que já não sabia disso.

- Olá Senhor Jeremy, eu sou Ariana Grande, psiquiatra de seu filho - o homem à minha frente sorriu de canto.

- Eu primeiramente queria agradecer a tudo o que fez e está fazendo por ele. O resultado não podia ser melhor. Justin está avançando muito.

Sorri feliz por ser reconhecida.

- Bieber realmente está progredindo.

- Fiquei sabendo que você foi a única que conseguiu fazê-lo se abrir.

- Bom, ele foi bem teimoso e muito arrogante no início, mas eu nunca desisti.

Vi quando Jeremy confirmou com a cabeça, compreendendo.

- Como está a relação entre vocês dois esses dias? Desculpe-me a pergunta, mas eu e minha mulher gostaríamos de saber se ele ainda tem chances de um retrocesso.

Assenti, entendendo sua preocupação.

- Percebo em Justin certo receio, como que se estivesse sofrendo e vi que como resultado disso, ele decidiu se fechar e entrar para o mundo da matança - parei, observando sua reação e vendo que nada dizia, continuei - desculpe a intromissão, mas o senhor sabe o que o fez decidir fazer isso?

- Você não sabe? - neguei - não se lembra mesmo? - neguei mais uma vez ficando confusa.

- Não senhor Bieber. Deveria me lembrar de alguma coisa? - questionei, tentando ver se ele falava algo sobre o passado onde, pelo que vi até agora, eu e Justin havíamos compartilhado.

- Não... Desculpe-me eu... Posso falar com ele? - desviou do assunto, perguntando-me, fazendo com que ficasse surpresa.

- O senhor quer vê-lo? - vi quando assentiu com a cabeça - tudo bem, mas não sei se ele quer - disse com um pouco de receio, diminuindo a voz, logo no final sussurrando.

- Você poderia convencê-lo - comentou - por favor, Ariana, Pattie e eu queremos resolver todos os problemas com Justin.

Suspirei, não achando uma boa ideia.

- Tudo bem, verei o que faço - levantei ao mesmo tempo em que o homem a minha frente. Segui em direção ao corredor que já conhecia muito bem, sendo seguida por Jeremy. Aproveitei e no meio do caminho, liguei para Joseph, vendo se realmente isso era apropriado e o mesmo confirmou, dizendo que seria bom para ambos, mas que eu devia ficar junto deles para analisá-los.

Chegamos em frente à porta do quarto de Justin e depois dos guardas revistar o senhor ao meu lado, entramos, para meu desespero. Eu realmente não sei no que isso vai dar.

Ao passarmos pela porta, reparei que Jeremy analisava tudo, parecendo um pouco surpreso.

Olhei em direção à cama e vi que meu paciente ainda estava deitado, com um dos braços cobrindo seus olhos. Parecia estar calmo. O que ele deve ter pensado quando viu que eu já tinha levantado da cama?

Pigarreei para chamar sua atenção e, como se estivesse em câmera lenta, ao levantar a cabeça, intercalou seus olhos de mim para seu pai, logo se levantando apressadamente com a mandíbula travada, indo a nossa direção, raivoso.

Antes que fizesse alguma besteira, me pus na frente de Justin, impedindo que machucasse Jeremy, o bloqueado.

- O QUE ELE ESTÁ FAZENDO AQUI? - gritou Justin ainda tentando passar por mim, mas eu continuava na sua frente.

- Filho se acalme - Sr. Bieber disse um pouco assustado.

- QUEM É VOCÊ PARA ME DIZER ALGUMA COISA? ARIANA SAI DA MINHA FRENTE - empurrou-me com força para o lado, mas eu o segurei e o puxei para mim.

- Ei Justin - segurei com força seus dois braços, tentando fazer com que sua total atenção fosse direta e exclusivamente para mim - calma, ele só veio conversar com você.

- Eu não quero ouvir nada que esse homem tenha a falar para mim - rosnou me empurrando brutalmente. Ele com certeza estava fora de si - ESCUTOU JEREMY. SEJA O QUE FOR QUE VOCÊ TENHA PARA ME DIZER É MELHOR NÃO FALAR E IR EMBORA ANTES QUE EU ESTOURE SEUS MIOLOS COM AS MINHAS MÃOS - foi em direção ao pai, mas antes de qualquer coisa eu entrei na frente de Jeremy novamente.

- É melhor você parar de ser tão egocêntrico e ouvi-lo. Se não você não vai gostar das consequências que virão - avisei com o meu olhar ameaçador e minha voz séria.

Bieber estava respirando com dificuldade e me olhava com seu olhar da morte. Toda a paz que antes eu havia conseguido passar para ele, tinha se esvaído com mais facilidade com que veio.

Algum tempo depois, ele já estava mais calmo, mas com uma expressão vazia.

- Tudo bem - disse por fim - andem logo com isso, porque eu não vou querer ver a cara dos dois por um bom tempo - acusou, apontando para nós dois.

Engoli seco e olhei para Jeremy que nos encarava.

Justin se sentou na cama, bufando.

- Desculpe-me senhor, mas ainda não temos mesa nem cadeiras.

O homem que ainda continuava calado me olhou sorrindo.

- Tudo bem Ariana eu fico em pé mesmo.

Assenti, afastando-me um pouco dos dois.

Encarei Justin e o mesmo já me olhava como que se reprovasse o que tinha feito.

- Justin, sei que tem muita raiva tanto de mim como de sua mãe, mas nós queremos que saiba que nunca quisemos que as coisas terminassem assim - Jeremy começou a dizer e escutei meu paciente rir sarcasticamente e negar com a cabeça.

- É claro que não queriam, até porque vocês fizeram de tudo para impedi-lo - disse sarcástico.

- Não fizemos - parou por alguns segundos antes de continuar - pois as consequências seriam piores e eu não digo piores para você - prestei atenção no que Jeremy dizia e Justin na mesma hora me encarou. Nossos olhos se cruzados até ele continuar - quero que saiba que não desistimos de fazer você acreditar no que realmente aconteceu.

- Não adianta mais vocês tentarem me convencer sendo que tudo já aconteceu, já acabou.

- Não meu filho, não acabou - se aproximou um pouco de Justin - Ariana pode vir aqui? - Jeremy se virou em minha direção e eu ainda olhando para Bieber, andei até eles - Vou te contar algo que talvez te surpreenda.

- Nem ouse - Justin rosnou se levantando da cama e eu olhei para o homem ao meu lado

- Me contar o que? - perguntei e ambos me encararam.

- Não quero fazer mal a ninguém meu filho - dirigiu-se à Justin - Mas ela tem que se lembrar antes que ele faça tudo de novo. E se não o fizer, ou você a faz se lembrar ou eu faço. Não vou deixar Robert fazer mais mal algum para ninguém. Ele merece apodrecer e nós precisamos correr - e com um aceno de cabeça, se foi, de repente, sorrindo satisfeito.

Ao fecharem a porta, olhei para Bieber, mas o mesmo não conseguia olhar para mim. Parecia desesperado.

- Ei! - tentei chamar sua atenção, mas ele não me olhou - Justin olha para mim - peguei-o pelo braço, tentando reajustar tudo - o que acabou de acontecer?

- Vai embora - neguei com a cabeça - VAI EMBORA EU NÃO TE QUERO AQUI, VOCÊ NÃO ENTENDEU ISSO AINDA? - gritou vindo em minha direção, mas eu já não tinha mais medo.

- NÃO JUSTIN EU NÃO ENTENDI AINDA PORQUE VOCÊ ME QUER TÃO LONGE SENDO QUE ME DEVE EXPLICAÇÕES - gritei, sem paciência - QUER QUE EU VÁ EMBORA? QUE EU SUMA DA SUA VIDA? TUDO BEM, MAS ANTES VOCÊ ME DEVE EXPLICAÇÕES.

- QUE TIPO DE EXPLICAÇÕES, ARIANA? - ainda continuávamos a gritar

- TIPO DO QUE ACONTECEU COMIGO QUE DE REPENTE ME VI COM UM PASSADO QUE EU NÃO ME LEMBRO.

- Eu não vou falar - ele insistiu.

- Então o que eu tenha haver com tudo isso? E nem tente dizer que eu não tenho nada, porque que ficou claro ficou com certeza e você... - fui interrompida ao ser puxada rapidamente por suas mãos fortes ao redor da minha cintura. Bieber colou nossos corpos, colocando o dedo indicador em meus lábios, calando-me.

- Você realmente sempre foi muito teimosa - sussurrou, chegando mais perto, tão perto que pude sentir e ouvir seu coração bater fortemente. Olhei seus olhos que continham a cor mais bonita de seu caramelo. Não conseguia ficar irritada com ele por muito tempo quando Bieber faz isso.  Vi quando seu olhar desceu para minha boca, encarando esfomeado o local - eu quero muito fazer uma coisa, mas não sei como você vai reagir.

Rendida e cansada de tanto gritar querendo explicações disse:

- Faça Justin, por favor - sussurrei contra sua boca, arrepiando sua nuca, por estarmos tão próximos.

Ele apertou com força minha cintura, aproximando mais ainda nossos corpos, quase encostando finalmente nossos lábios. Fechou os olhos com força, abrindo rapidamente parecendo decidido. Fez carinho no local que segurava por debaixo da roupa e quando achei que ele finalmente iria me beijar, a porta de ferro foi aberta abruptamente, fazendo nós nos afastarmos.

- Senhorita Ariana Grande, a senhorita pode ir agora, o senhor Joseph disse que só deverá voltar a noite - Deus, eu vou ter que voltar a noite. Após escutar o que o enfermeiro disse, voltei-me para Justin que parecia estar um pouco perdido. Constatei nisso ao olhar em seus olhos.

Suspirando, sem alguma alternativa, peguei minha bolsa, despedi-me de Bieber e saí ainda arrepiada com o toque dele.

Respirei fundo, dispersando alguns pensamentos. Eu não sei o que está acontecendo comigo, mas parece que estou mais ligada à Justin do que pensava.

 


Notas Finais


E aí? O que acharam?
Muito obrigada pelos comentários do capítulo anterior.
Vocês me incentivam muito e eu percebo o quanto valeu a pena postar essa fanfic <3
Vejo vocês nos comentários e no próximo capítulo<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...