História The new Age - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Asa Noturna, Batman, Capuz Vermelho e os Fora-da-lei, Justiça Jovem, Liga da Justiça, Novos Titãs (Teen Titans)
Personagens Alfred Pennyworth, Barbara Gordon (Batgirl), Barry Allen (Flash), Bart Allen, Billy Batson (Capitão Marvel / Shazam), Bruce Wayne (Batman), Cassie Sandsmark (Moça-Maravilha), Ciborgue, Coringa (Jack Napier), Damian Wayne, Dinah Lance (Canário Negro), Edward Nashton/Nygma (O Charada), Estelar, Garth (Aqualad / Tempest), Harleen Frances Quinzel (Harley Quinn / Arlequina), Helena Bertinelli, Jason Todd, John Smith (Tornado Vermelho), J'onn J'onzz "John Jones" (Caçador de Marte), Kara Zor-El (Supergirl), Kon-El (Superboy), Mutano, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Ravena, Richard John "Dick" Grayson, Roy Harper (Arsenal), Selina Kyle (Mulher Gato), Timothy "Tim" Drake, Wally West (Kid Flash), Zatanna Zatara
Tags Bbrae, Damary, Damian Wayne, Dickori, Drama, Futuro, Mar'i Grayson, Mistério, Nightstar, Robstar, Romance, Super-heroi
Visualizações 320
Palavras 3.051
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha que voltou! Desculpa pela demora para postar, quase duas semanas *OMG* Bem, mas como todos que moram nesse Brasil sabem, Enem tira o sono de qualquer um.
Prometo não demorar tanto, já que minhas provas acabam semana que vem *ALELUIA* E irei postar com mais frequência. Esse é o fim da primeira fase, a segunda começa no próximo capítulo. Mudanças? Algumas e bem reveladores, tipo o das memórias de Mar'i #NOspoiler

Sem mais delongas, BORA LER!
Beta Reader: @Al0nce Na capa #Damary

Capítulo 21 - The fall


Fanfic / Fanfiction The new Age - Capítulo 21 - The fall

P.o.v Damian Wayne

Eu sabia que daria merda, não precisava nem dizer. Mar’i havia me desrespeitado, mudou o destino da missão, e deixou que ela fosse por água abaixo, sabia que não deveria confiar nela para algo tão importante quanto uma coleta de informações privilegiadas, porém Mar'i estava se saindo bem, evoluiu muito no treinamento, só que algo se alterou, ela tomou aquela decisão na hora – e não sei o que a fez mudar, mas quase nos colocou em perigo, quase se feriu gravemente.

Estava em todos os jornais – ataque ao prédio principal da LexCorp – o qual todos estão associando a um ataque terrorista. Não só isso, esse ataque acabou levando o presidente da empresa, Alex Luthor, ao hospital – não que me importe com ele, não dou à mínima - porém agora podemos ser alvos de uma investigação do FBI. Isso era tudo o que não podíamos fazer... Chamar atenção.

O pior que ela não tinha falhado só comigo ou com a missão, colocou também sua vida em risco em uma explosão que não sei explicar o que era, e agora estava ali, deitada numa maca na Batcaverna, respirando por um tudo de oxigênio. Eu, com certeza, estava inquieto com aquilo.

—Ela ficará bem. —Assegura Sam sentando na cadeira do Batcomputador, enquanto me observava ir de um lado.

—Eu sei disso, seu estado é estável. —Respondo encarando aqueles olhos acinzentados. —O que eu não consigo aceitar é que ela tenha falhado comigo. E por que? —Por que Mar'i havia feito o que fez? Me desrespeitado e saindo do plano? Tinha que ter um porquê.

—Você precisa ficar calmo. —Diz Sam de pê e segurando meus ombros, olhando fixamente para mim. —Ter paciência, esperar ela acordar e dizer o porquê. Damian, você promete que vai manter a calma na sua conversa com Mar'i? 

Eu o distancio, queria dizer que “sim”, contudo eu não era assim, sentia uma fúria percorrer minhas veias, e meu subconsciente me dizendo - eu te avisei, está se envolvendo demais com essa garota - não podia negar que ele estava certo. “O que está acontecendo com você, Damian? Essa garota está mexendo com você, e isso não é boa coisa. Sua missão é deter Ashley Quinn, com a menor ajuda e atenção possível, entretanto estava falando miseravelmente.”

—Damian, promete que não vai surtar? —Insiste o vira-lata. Reviro os olhos, voltando a encará-lo. —Não posso deixá-lo aqui até ter certeza que vai ter calma com Mar'i.

—Não precisa se preocupar, Sam. —Respondo tentando confortá-lo. —Eu vou me controlar, não vou “atacá-la” nesse estado. —Digo entre aspas olhando para seu corpo deitado, descansando com a máscara de oxigênio.

Sam dá um sorriso singelo, uma ação difícil de ser vista do loiro, porém era plausível observar que ele também se importava com ela, não entendia bem, mas parecia que eles haviam criado alguma espécie de relação, e mesmo que nós tenhamos um… Bem, algo… Sam não pareceu contra, ele é até mesmo a favor - o que me surpreendeu.

Ele se despede e sobe pelo elevador, me deixando a sós com Mar'i ainda desacordada. Bufo impaciente. Será que ela demoraria muito ainda para acordar? Não sou muito de esperar, e aquela tensão me deixava ansioso, precisava me controlar, prometi a Sam que manteria a calma - e era isso que faria.

 

P.o.v Mar'i Grayson

 

Eu estava em uma parque, o dia estava ensolarado e era possível ver crianças correndo, brincando e passeando, cachorros correndo e adultos conversando. Eu balançava em um balanço preso em uma árvore, eu estava sozinha e parecia triste - deveria ter volta dos quatro anos.

—Dick, você deveria pedir desculpas. —Diz minha mãe com uma voz autoritária, sua feição era de poucos amigos.

—Eu já disse que foi sem querer. —Insiste meu pai cruzando os braços e virando a cara. Mamãe não gostou nada daquilo.

—Você sabe como a Mar fica chateada quando vocês brigam. —Comenta mãe voltando ao seu tom doce e gentil habitual.

—Você sabe como ele é, com a morte de Damian parece que ele piorou. —Confessa.

—Dick, tente ser mais paciente. —Confessa mamãe puxando-o para sentar-se ao seu lado num banco não longe de onde eu estava.

—Não queria que Mar'i visse, Bruce perde o controle às vezes, e eu já sofri muito com isso. —Meu pai parecia triste e abatido em falar sobre isso.

—Mas ele ainda é seu pai, acima de tudo.

—Eu sei que está tentando concertar as coisa, Kori. —Diz meu pai segurando as mãos dela, com delicadeza e encarando seus olhos. —Só que acho que eu e Bruce jamais voltaremos a ser a antiga dupla dinâmica.

Minha mãe o abraça, confortando-o em seus braços. Posso ver eu descendo do balanço e correndo até eles e os abraçando, uma lágrima escorre dos olhos azuis de papai enquanto retribui meu abraço.

 

A cena muda completamente. Era de noite, e uma forte chuva caía, com os raios iluminado o céu escuro e os trovões anunciavam a presença da chuva - eu tinha medo de trovões quando criança. Pude ver eu, ali com seis anos encolhida debaixo da coberta, tremendo de medo.

Vozes são ouvidas no quarto ao lado - o quarto dos meus pais; tento levantar da cama para ir lá ver o que estava acontecendo, contudo um forte trovão é ouvido e me faz recuar. Queria que mamãe e papai estivessem ali comigo, cuidando de mim, porém eu me sentia sozinha e desprotegida, por isso começo a chorar. No entanto, a porta do meu quarto é aberta, permitindo que a luz do corredor invadisse a escuridão do meu quarto, vejo alguém caminhar até mim e me envolver em seus braços, me confortando enquanto chorava apavorada.

 

 

Abro meus olhos lentamente, tentando me recordar do que acontecera - lembrava da explosão, do incêndio e de Damian me salvando, também de um pen drive, e aquele mascarado o qual tinha me feito vacilar em minha missão. Passo meus olhos verdes para reparar aonde estava, e felizmente eu estava na Batcaverna e com uma máscara de oxigênio.

Retiro-a com delicadeza, me sentando na maca. Posso ver Damian se levantar e caminhar até minha direção, não sabia se ele estava preocupado ou furioso.

—Como você está? —Pergunta. Pisco algumas vezes, tentando verificar se aquilo era mesmo real.

—Bem, não sinto nada de errado. —Respondo olhando para mim de cima a baixo, tudo parecia em seu lugar.

 

—Por que fez isso Mar'i? Por que me desrespeitou? —Questiona frustrado. “Sabia que não deveria ter feito aquele favor para o encapuzado” - digo para mim mesma. Eu não estava pronta para falar sobre minhas “visitas noturnas”, pelo menos não agora. —Sabia que poderia ter morrido naquela explosão? Quantas vidas colocou em perigo? Ainda bem que o prédio estava quase vazio, mas mesmo assim isso muito irresponsável.

 

—Eu sei. —Digo cabisbaixa. Ele tinha toda a razão, eu havia errado e ele tinha todo o direito de brigar, me xingar e me dar sermão.

—É tudo isso que tem a dizer? —Indaga cruzando os braços e me encarando com uma expressão de “continue”.

Respiro fundo fica do de pé. —Me desculpe, eu errei. Não sei porque fiz aquilo, foi inconsequente e irresponsável.

—Por isso, acabaram suas missões por enquanto.

—O que!? —Indago abismada. Ele não podia fazer aquilo comigo. —Você está brincando, não está?

—Não Mar'i, não estou. —Nega balançando a cabeça. —Não posso mais colocá-la em uma missão que coloque você em risco ou outras pessoas. 

Serro meus pulsos. —Eu sei que errei, tá legal? Mas daí me jogar para escanteio? Eu sou boa. Vocês conseguiram as informações, não conseguiram? —Damian assente em concordância. —Então! Eu errei, mas quem não era em sua primeira missão sozinha?

—Mesmo assim, Mar'i. —Insiste Damian. —É muito arriscado, o melhor a se fazer é deixar você apenas com o treinamento. —Diz por fim, me dando as costas.

Eu não estava acreditando no que estava ouvindo. Damian iria mesmo me deixar fora das investigações, depois de tudo o que fiz. Eu errei, só que ele poderia ser mais piedoso e relevar, eu sabia que podia fazer melhor, que não falharia de novo.

—Por favor, Damian! Me dê mais uma chance. —Suplico segurando sua mão e fazendo-o me encarar novamente.

—Mar'i, já deixei me levar demais pelos meus sentimentos, não irei cometer esse erro de novo. —Peraí! Ele estava falando de mim? De nós?

—Por que você tem que ser tão complicado, hein Damian? —Ele parece não me entender. —As coisas seriam mais fáceis se você se abrisse para mim.

—Sinto muito, Mar'i. —Lamenta soltando-se de mim, procurando distância. —Porém isso é de família, nunca cresci em um lar cheio de amor e pessoas atenciosas.

—Eu também não. —Digo aproximando novamente. —Pelo menos não que eu me lembre.

Damian dá uma risada curta e abafada, mas foi o suficiente para eu tomar coragem.

—Preciso que confie em mim, Damian. —Digo bem próxima dele. —Não posso continuar assim, nesse relacionamento ioiô, que uma hora você é bom e gentil, e outra é frio e rude.

—Eu sou assim, Mar'i. Não é algo que eu posso controlar. —Nenhum de nós estava mais ouvindo as vozes da nossa cabeça, apenas seguindo o fluxo de energia que se formou entre nós.

—Acho que nenhum de nós consegue controlar o que sente um pelo outro. —Digo encarando seus olhos verde folha.

—Mar'i… Você sabe que não podemos continuar com isso?

—Eu não ligo. —Dou de ombros, não ligava mais para nada, não pude negar que estar assim, tão perto dele era bom, estava com saudades de tê-lo assim.

Sem pensar, ataco seus lábios, em um beijo quente e voraz, o qual ele rapidamente correspondeu. Me seguro em seu pescoço e envolvo minhas pernas em seu tronco, enquanto ele pressionava minha cintura, colando nossos corpos.

—Você vai me deixar louco uma hora dessas. —Diz ofegante.

—Eu acho que é esse o objetivo. —Comento de um jeito sexy, fazendo-o voltar a me beijar - mesmo que eu odiasse periodicamente esse nosso lance, não podia negar o quão bom era.

 

P.o.v Autora - Jump City

—Vocês têm certeza que isso vai dar certo? —Questiona Garfield desconfiado.

Os três ex-Titãs não acreditaram no que viram quando a porta se abriu. Cyborg, amigo e ex-companheiro, estava ali, deitado em uma maca desligado, o olho humano fechado como se dormisse por um longo tempo. Eles sempre procuraram o velho amigo, o qual após a morte de sua amada, desapareceu - o que eles não poderiam imaginar era que ele estava o tempo todo ali, na antiga casa deles.

Tim e Dick bolaram um plano para “acordar” o moreno, conectaram toda a rede elétrica que ainda existia na torre em uma bateria, levando até o homem robô, recarregando suas forças que estavam a anos desabilitadas. Richard acreditava que eles podiam fazer às pazes, e juntar-se para achar Mar'i.

—Prontos? —Indaga Tim com a mão na maçaneta de força. Dick assente, fazendo o mais novo puxar uma alavanca, concentrando toda a energia da torre na bateria.

Uma luz começou a ser emitida do homem-robô, seu olho vermelho ligou, assim como seus braços e pernas que começavam a se mexer, como os de alguém que desperta após um longa noite de sono. O olho de íris escura encara o teto, depois para seu corpo robótico, e, por último, para os ex-companheiros ali presentes, sua expressão era confusa, de incompreensão sobre o que estava acontecendo ali.

—Victor? —Chama Garfield receoso, esperando a reação do amigo.

—O que está acontecendo? —Questiona atordoado. 

O homem-robô senta-se na maca, encarando fixamente o ex-líder, Richard engoliu seco, sabia que o moreno ainda guardava certo rancor de si, e não podia culpá-lo.

—Vic, sentimos sua falta. —Diz o esverdeado emocionado, quase não conseguindo conter as lágrimas ao revê-lo. Abraçou com força o corpo grandioso do amigo, o qual logo retribuiu o gesto.

—Quanto tempo se passou? —Pergunta após se separar do metamorfo.

—Mais de dez anos. —Responde Tim.

Victor abre a boca, porém nenhum som é emitido, ele estava plasmo, procurando tentar não recordar de suas memórias mais recentes.

—Todos nós perdemos alguém, Vic. -Diz o mais novo de forma terna, apoiando a mão no ombro do amigo. —E também fizemos coisas que nos arrependemos. Você não tem culpa de nada, e nem ninguém.

O homem respira fundo. Sabia que havia errado, e muito, com o melhor amigo e líder, eles eram um time, eram os Titãs, Karen jamais gostaria que ele brigasse com os amigos.

—Sinto muito Dick. —Lamenta Victor de pé, frente a frente ao homem de olhos azuis. —Eu errei com você, o culpei pela morte de Karen.

—Vic... —Richard parte para um abraço, também sentiu falta do amigo e odiou o fato dele partir com eles ainda brigados. —Tanta coisa aconteceu quando você esteve fora. —Comenta melancólico.

—O que houve? —Pergunta Victor. Garfield e Dick viram a cara, o que fez o moreno suspeitar ainda mais da situação - os dois não gostavam de tocar no assunto das heroínas.

—Muita coisa, Victor. —Responde Tim cabisbaixo. —Mas precisamos da sua ajuda. Mar'i desapareceu. —O homem-robô não sabia nem o que dizer, estava literalmente boquiaberto. Tinha realmente muito o que ele não sabia.

—Mar'i… O que aconteceu com ela? —Fazia tanto tempo que Cyborg não via a pequena mestiça, era tão bela e corajosa quanto Koriand’r e também teimosa como Richard - ele e Karen adoravam a pequena.

—Não sabemos. —Diz Garfield ao seu lado, com um tom de derrota. —Por isso precisamos da sua ajuda, Vic. Precisamos que encontre a Mar'i.

—Primeiro preciso saber tudo o que aconteceu enquanto estive fora. —Diz o moreno cruzando os braços, esperando por uma resposta - não obtida. —Onde está Kori? E Rae?

—Isso é mais complicado do que parece. —Comenta Dick coçando a nuca. Aquela situação era extremamente desconfortável para ele, porém era Garfield que estava mais inquieto.

—O que são todos esses papéis de jornal? —Questiona Tim apanhando um pedaço de jornal velho e desgastado. Ele encara Victor curioso.

—Antes que eu desistisse de tudo, decidi me dedicar a uma nova investigação, para que eu conseguisse esquecer a perda da minha abelha. —Dick lembrou-se de como o casal era meloso, e os apelidos que um dava para o outro eram péssimos. —Eu descobri algo sobre… Rose Wilson.

—A filha do Slade!? —Indaga o primeiro Robin, quase engasgando. Ela havia desaparecido a muito tempo, assim como seu pai - nenhuma notícia, rastros, nada. Dick sentiu que sua antiga paranoia pelo Exterminador estava voltando - “Será que ele tinha algo haver com tudo o que estava acontecendo?”_Pensou consigo mesmo.

—Isso não é possível, é? Depois de tanto tempo. —Tim não podia acreditar. Ele e Rose… Não se davam bem, de forma alguma.

—Sim. E por incrível que pareça ela está possivelmente envolvida com a Corte das Corujas.

—Impossível! —Exclama Dick incrédulo. —O que a Corte iria querer com a Devastadora?

—Talvez que ela fizesse o trabalho sujo. —Conclui Cyborg dando de ombros. Dick patenas fica pensativo.

—Parece que eles estão precisando dos heróis de volta. —Diz o esverdeado com um pequeno sorriso no rosto - sentia saudades de ser um herói.

Dick continuava pensativo. Ele não queria voltar a ser um herói, voltar a ser Nightwing, ele queria apenas sua filha de volta, mas se fosse preciso ter que assumir o velho manto, ele estaria disposto.

 

Gotham City…

O desespero e a atração formidável existente entre os dois falou mais alto que a consciência. E lá estavam eles, no quarto da jovem Mar'i, Damian sobre o corpo semi nu da garota, enquanto eles se beijavam loucamente. O calor entre aqueles corpos era incalculável, e o vigilante adorava sentir o cheiro doce e a pele quente da mestiça - talvez eles estivessem apaixonando-se um pelo o outro.

Mar'i distribui beijos por todo o corpo sarado do vigilante, à medida que esfregava-se nele, sentindo algo ficar rígido. Sem delongas, o casal já estavam suando e apertando os lençóis, ambos loucos de prazer, com os gemidos altos. Damian sabia e sentia que com Mar'i as coisas eram diferentes - Jason já lhe dissera uma vez “nunca durma com a mesma mulher mais de uma vez” - parecia que não ligava mais para que o velho irmão disse, Todd nunca lhe foi um bom exemplo.

Damian se joga na cama ofegante, ao mesmo passo que percebe aqueles olhos verdes grandes e brilhantes encarando-o e com um belo sorriso de orelha a orelha.

—Você gostou? —Pergunta dando um selinho.

—Você poderia ser mais fácil. —Foi o que Mar'i respondeu, arrancando uma risada do homem de olhos verde-folha. —Não tem graça, viu! —Dada um tapa fraco no braço dele.

—Você é hilária, Mar'i. —Comenta segurando a risada enquanto a garra o corpo nu da jovem por baixo das cobertas. —Eu sou Damian Wayne, isso nunca vai mudar.

—E eu te odeio por isso. —Quando a cabeleira negra parte para um beijo romântico com o amante, barulhos são ouvidos no andar de baixo.

Ambos se encaram com os olhos arregalados, Damian se levanta rapidamente vestindo sua calça. Um novo barulho é ouvido - alguém estava tentando arrombar a porta da mansão.

—Fique aqui. —Ordena Damian saindo às pressas do quarto e apanhando uma velha catana que ficava naquele corredor.

Mar'i revira os olhos, até parece que ela iria ficar ali como uma dama indefesa, apanhou uma roupa qualquer e a vestiu o mais rápido possível. Desceu às pressas, da forma mais silenciosa possível, tinha seus punhos serrados - prontos para ativar seus Starbolts se necessário.

Mais nenhum trabalho foi ouvido, o que fez Mar'i estranhar o silêncio. Passou seus olhos pelo hall de entrada, sem sinal de arrombamento, de intrusos ou mesmo de Damian. Pensou em chamá-lo, mas mantém-se quieta. Caminha lentamente até a cozinha quando uma bomba de gás passou bem próxima dela, um gás verde-esbranquiçado começou a intoxicar toda a cozinha da mansão.

—Mar'i, não respire isso! —Ordena Damian com a mão na boca, porém segundos depois ele cai rendido.

O desespero começou a tomar conta da mestiça que não sabia o que fazer. O gás demorou para fazer efeito em seu corpo, porém quando seus olhos estavam com a visão turva, ela pode ver um homem mascarado e com um traje de morcego se aproximar dela, com um rosto bem familiar. Sem aguentar mais, acaba rendendo-se para o gás sonífero.


Notas Finais


Então é isso! Sim, Damian e Mar'i caíram e os reencontros prometem altas tretas (como muitos gostam). O que Dick vai achar quando descobrir o envolvimento amoroso de #Damary E Bruce descobrir que o filho está vivo depois de 15 anos é muito tempo.
Espero que tenham gostado e não se esqueçam de comentar. Continuo o mais rápido possível *promises* E eu também estou com uma fanfic nova, mais foca em #Bbrae Se gostarem do tema (bem mais romântico do que com ação) entra no ícone abaixo. *kissus loves*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...