1. Spirit Fanfics >
  2. The new life in London >
  3. Waiting for an answer...

História The new life in London - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, eu sei que não foi muita gente que leu minha fic, mais pra uma primeira eu estou bem feliz. Queria agradecer a todos que leram, me sigam porque estou planejando fazer outra fic. Ou até talvez uma segunda temporada nessa, porque se vocês repararem eu deixei no final uma frase que talvez precise de continuação.
Bom é isso, obrigada❤

Capítulo 28 - Waiting for an answer...


Fanfic / Fanfiction The new life in London - Capítulo 28 - Waiting for an answer...

                      Jace POV

Alguns meses depois da festa de Kayla...


Eu havia me esquecido como Londres é fria, e eu vestia dois casacos. 


Era estranho estar em minha cidade novamente, era estranho saber que veria meus amigos novamente, que veria Marcela outra vez, e faria a coisa mais maluca da minha vida. Espero que dê certo afinal. 

                         Melhor amigo(Liam)

Liam, estou na cidade, preciso de ajuda, venha me encontrar o mais rápido que puder. :Jace 23/12/04, 23:00 


Onde você está? :Liam 23:04

Na ponte Tower Bridge. :Jace 23:05


Um dos motivos de Liam ser meu melhor amigo é que ele não fazia muitas perguntas, apenas estava ali pra ajudar e que se foda o porque. Aliás, ele e eu mantemos um contato bem maior do que com Chloe. Soube que os dois se resolveram com Marcela, e continuam sendo melhores amigos, ao contrário de mim.


                         //-//-//-//-//-//-//-//

-Olá melhor amigo, eu poderia ter ido na sua casa ao invés de te fazer sair de casa nesse frio do cacete e ainda subir até a metade de uma ponte em uma moto, que corre pra porra e quase te fez congelar, mas gosto de encontros épicos. -a voz de Liam soou alta, clara e debochada. 


-São meus momentos. -sorri antes de me virar. -Não vai abraçar seu melhor amigo? 


-Seu babaca! -ele grunhiu antes de me afundar em um abraço, Liam sempre foi o grandão. -Senti sua falta. 


-Eu também irmão. 


-Do que precisa e por que aqui? 


-Bom, quero pedir Marcela em casamento. Ela está solteira, não é? 


-Oi? Você enlouqueceu, né? -Liam perguntou pasmo, fazendo-me rir, mas eu não sabia se deveria me assustar. 


-Ela está com alguém? -perguntei com deboche, mas meu coração estava apertado. 


-Não, mas... 


-Estão pronto.


-Jace, o que te faz pensar que ela vai aceitar? Faz um ano! -Liam disse tentando me convencer que era um erro, talvez realmente fosse, mas no fim das contas, eu só fiz escolhas erradas enquanto ela esteve perto de mim, por que não errar mais uma vez? -Me escuta cara, isso é loucura, converse com ela primeiro, resolva as coisas...


-Liam, o não eu já tenho, eu quero me casar com Marcela, apenas. 


                          //-//-//-//-//-//-//-//

Acordei com a décima quinta ligação de Kayla naquela manhã. Garota irritante! Deixei que o celular tocasse até desligar, mais tarde eu ligaria. Liam havia me convidado a passar a noite, mas achei arriscado demais, Chloe ou Marcela poderiam aparecer por lá a qualquer momento e eu definitivamente ainda não estava preparado para explicações. 


A todo momento algo me alertava que talvez eu estivesse agindo equivocadamente, mas a minha linha de pensamento seguia em: Eu a amo, talvez ela ainda me ame, eu já fiquei longe dela por muito, muito tempo, e não estava preparado para passar o resto da minha vida assim, porque no fim, pretendo tê-la ao meu lado durante todos os dias, e isso me leva a uma decisão simples, casamento. 


Isso também me faz pensar que sou um babaca, que a mandou embora e agora está correndo atrás, como se nada tivesse acontecido durante todo esse tempo. Era arriscado. E se Marcela estiver com outro alguém? Seria duro lidar. 


Merda!


Agora entendo o que ela sentiu quando me procurou há um ano atrás, na formatura de Kayla, só espero que ela não me mande embora, como eu fiz, um total estupido. 


-Por que diabos você me liga tanto, Kayla? -resmunguei irritado ao receber a décima sexta ligação de minha irmã. 


Dei fim ao toque do celular -o qual já soava irritante- ao atender-lo. 


-Virou minha babá agora? Agente? Merda, Kay! O que você quer? 


-Bom dia pra você também, irmãozinho! -ela resmungou irônica, fazendo-me revirar os olhos. -Você viaja pra Londres e a única coisa que me diz é que vai pedir Marcela em casamento, não me dá notícias e agora não quer que eu ligue? Seu ingrato!


-Eu avisei os nossos pais! -justifiquei balançando os ombros automaticamente, escutando Kayla resmungar algo do outro lado da linha. -Certo, me desculpe! Só queria saber se eu estava bem? Eu estou. Espero que você esteja também. Só fazem dois dias, não acredito que tenha feito merda em tão pouco tempo. 


-Engraçadinho você, Norman. -ela disse mau-humorada e eu imaginei um de seus sorrisos falsos. -Que ideia maluca é essa de pedir Marcela em casamento? Eu gosto! 


-Estou com medo de ela dizer não, mas percebi que não posso passar mais um dia sem ela. -suspirei. -Droga! Soou tão clichê.


-Depois de um ano você percebeu isso? Nossa, meus parabéns! Quantas vezes eu disse que vocês foram feitos um pro outro? Que ela veio ao mundo pra mudar aquele seu jeito bosta de ser? Eu aposto que ela ainda ama você, mas sabe que ela pode estar com alguém, ou simplesmente dizer não, né?


-Sei, Kay. Não precisa me dizer novamente. -murmurei sentindo o medo me tomar outra vez, eu já conhecia bem a sensação. -Vou ter que pagar pra ver.


-Admiro sua coragem, mesmo. -ela disse de forma doce, desejei poder ver o sorriso dela, sempre confortante. -Estou torcendo por você, Jace! Não me deixe sem notícias, espero ser madrinha em pouco tempo! Eu te amo.


-Amo você também, irmã. Obrigada por isso! 


-Pelas quinze ligações? Quatorze delas ignoradas? Não há de que.


-Dezesseis, Kay, você ligou dezesseis e eu recusei quinze.


-Patético, absolutamente patético.


                        //-//-//-//-//-//-//-//
                           Marcela POV

-Por que diabos você me trouxe no ginásio do colégio, Liam? -revirei os olhos, parando bem na frente do meu melhor amigo com os braços cruzados. -Chloe, você está metida nisso?


-Juro que não! -ela prometeu. -Liam não quer me dizer por nada o que viemos fazer aqui.


-Se acalmem, a surpresa é boa, para as duas. -Liam garantiu ao retirar a touca vermelha da minha cabeça, colocando-a na sua. -Ao menos eu acho! -ele sacudiu os ombros ajeitando meus cabelos, que provavelmente estavam uma tremenda bagunça.


-Liam... estou ficando nervosa! -comentei as beiras da curiosidade, sentindo um frio estranho na barriga, não era medo, talvez fosse ansiedade. -Me diga...


-Acho que... bom, eu acho que não preciso dizer nada! -meu amigo deixou a frase no ar com um meio sorriso nos lábios. Em seguida, Liam abraçou a namorada que tapava a boca com as mãos rosadas, ou melhor namorado, ele e Carlos se assumiram, e eu acho isso lindo. Eu sabia que havia algo atrás de mim, ou alguém, mas eu não sabia se devia me virar, mesmo transbordando curiosidade. -Ande logo, não se acanhe, é só se virar. 


-Só se virar... -uma voz familiar soou distante, atrás de mim. Eu a conhecia, eu conhecia aquela voz rouca e absurdamente sexy.


-Jace... -sussurrei. -Como...


Me virei lentamente e quando terminei a volta senti meus olhos lacrimejarem, Jace estava ali, parado a minha frente em uma distância curta. Eu não consegui reagir, não consegui mover meus lábios para que sequer palavra saísse. Era realmente o grande e único amor da minha vida, que eu não via há um ano, ali, bem no fundo da quadra.


-O que faz aqui? -perguntei com os lábios trêmulos. 


-Estou aqui por você. -ele murmurou sem esboçar nenhuma expressão, e era isso que me fazia reconhecer que era verdade, somente Jace tinha esse dom de expressar sentimentos sem demonstrar feições. -Eu sei que deve estar me odiando por tê-la mandado embora...


-Que bom que reconhece! -respondi, cortando-o.


-Rolly... -ele disse aproximando-se em passos largos e bem lentos.


Uma pontada fez surtir o efeito que causara o nome pelo qual Jace me chamou, há um ano ninguém me chamou assim, nunca. Se tentassem, eu brigava, fazia pirraça e dizia que odiava ser chamada assim, mas no fundo, eu só queria que esse apelido fosse reservado a Jace Norman, e somente a ele. 


Nunca fui conhecida por ser forte, por resistir, aquele momento era uma prova disso. Não me contive, não exitei, corri para os braços do meu ex-quase-namorado que a esse momento já estava perto de mim. O abracei com toda força que havia em mim, talvez com a força que nem existia, meus braços em seu pescoço mostravam até a mim o quanto eu senti a falta do garoto mais babaca do mundo.


Estava sim com raiva de Jace, mas seus olhos sobre mim haviam feito esse sentimento desaparecer por alguns segundos, fazendo-me correr para abraça-lo, sentir seu cheiro maravilhoso do qual eu senti tanta falta.


-Por que me deixou ir? Na verdade... -suspirei, dando um pequena pausa. -Por que me mandou ir?


-Porque eu tinha medo de amar, medo de amar alguém incrível como você, sendo eu um imbecil! -ele respondeu com toda calma que marcava a aflição em sua voz. -Mas eu não consigo mais, eu tentei, mas eu definitivamente não consigo mais viver sem você, sem seus beijos, abraços... seu cheiro. Eu lutei, Rolly, eu tentei fazer passar, seguir a vida, mas é impossível fazer isso imaginando a minha garota, linda como é, aqui, longe de mim, talvez com outro cara... sorrindo pras pessoas, mas não sorrindo para mim. Me perdoa...


Eu chorava silenciosamente, o motivo do meu choro era Jace e o consolo também. Sendo mais baixa que ele, minhas lágrimas escorriam molhando seu casaco cinza, tinha um cheiro maravilhoso, o mesmo cheiro de sempre. Eu queria beija-lo e dizer que tudo estava bem, mas também queria sair correndo dali, gritando o quanto eu o odiava por ter me deixado, me recusado. 


Eu precisava de tempo, ao menos um dia sozinha para refletir.


-Case-se comigo. -ele pediu e rapidamente eu me afastei. Ou Jace estava maluco, ou eu estava escutando muito mal. -Você ouviu direito, não fique confusa. Eu te amo. E eu não consigo mais esconder isso de mim, eu não consigo mais ficar longe de você. Eu sei que é idiota pedir isso assim, do nada, depois de tanto tempo, sem nem uma reconciliação ou algo do tipo, mas eu só quero viver com você pra sempre.


-Eu... eu estou assustada... eu preciso de um tempo, um dia... preciso sair daqui. -murmurei abaixando a cabeça. O lugar só me recordava momentos com Jace até então. -Por que escolheu esse lugar? -perguntei antes de erguer a cabeça.


-Porque foi aqui que eu contei que iria embora, aqui eu resolvi mostrar que estava de volta.


Antes que Jace dissesse qualquer outra coisa que me fizesse chorar ainda mais, eu sai correndo dali, eu precisava falar com uma única pessoa, a qual eu sabia que poderia me ajudar.


                        //-//-//-//-//-//-//-//

Depois de um longo banho e uma boa conversa com Kayla, eu percebi que não podia deixar Jace ir embora outra vez, eu prometi que lutaria por ele e estaria sendo tola ao fazer o contrário por mero orgulho. Ele provavelmente estará na festa esta noite, e eu poderei deixar que ele por fim ajeite as coisas.


                                Jace POV

-Eu estava morrendo de saudades de você. -Chloe disse enquanto me apertava em um abraço.


-Nem me fala, baixinha. -murmurei beijando o topo de sua cabeça.


-Ela vai voltar, só dê um tempo... Que loucura foi essa de casamento? -Chlo perguntou se afastando, Liam logo envolveu sua cintura por trás.


-Eu avisei! -Liam fez questão de dizer.


-Estou avisando que vou te matar, válido? -afirmei a Liam, fazendo sei namorado dar risadas. -Eu posso dormir até que ela volte? Estou tão atormentado que nem sei.


-Marcela com certeza vai, acho que você quer vê-la e quer ver seus amigos também, não é?


-Você é incrível, Liam, genial! -sorri.


Mesmo que de longe, eu poderia vê-la esta noite, linda como ela é.


                         //-//-//-//-//-//-//-//
                                    Kayla♡
Como foi? :Kayla 13:24

Uma bosta! :Jace 13:25


Tenho certeza de que tudo ficará bem, irmão. Se anime, amanhã é natal, aposto que comemorará ao lado dela! Isso não é motivo para estar feliz? :Kayla 13:28

Se você estiver certa, sim, é um puta motivo. Preciso dar uma relaxada. Até mais tarde, amo você! :Jace 13:30


                            //-//-//-//-//-//-//-//

Marcela estava linda, incrivelmente linda. Mesmo com uma roupa simples, normal, dia-a-dia, ela era diferente, mas linda que qualquer outro ser humano. Por um momento pensei em correr e abraça-la, beija-la até o último segundo daquele dia, mas sabia que era uma besteira a se fazer. 


Eu já havia bebido o suficiente por aquela noite e já havia conversado com todos: Liam, Chloe, Carlos, Keny, eu estava com saudades deles.


Estávamos agora em uma troca de olhares incessante, aquilo era patético, eu não aguentava mais.


-Suba, primeiro quarto a direita. -Liam murmurou em meu ouvido, me dando um pequeno susto, confesso. A encarei confuso a espera de uma explicação. -Marcela subirá em alguns minutos, espere-a lá.


Não exitei nem por um segundo antes de subir as escadas correndo.


Ela realmente não demorou a aparecer, alguns segundos e ali estava ela, com seu vestido cor de rosa e seus belos cabelos ondulados descansando sobre o ombro.


-Será natal em menos de uma hora. -ela murmurou, do que estava falando? Eu precisava de uma resposta logo, ou enlouqueceria. -Quero te dar um presente.


-E o que seria? 


-Shiii! -ela pediu baixinho e em seguida apagou as luzes.


A única luz presente naquele quarto agora era a luz da lua, eu não estava entendendo nada, mas assim que a boca de Marcela tocou a minha eu desisti de perguntar. Eu sentia tanta falta do seu corpo junto ao meu, da sua língua movendo-se dentro da minha boca, meu Deus, eu era apaixonado por aquela mulher, por que eu tinha perdido tanto tempo?


Agarrei a cintura da minha garota beijando-a com intensidade, liberando toda a saudade a qual eu sentia. Ela havia feito-me amadurecer, enxergar que a vida não é só curtição, me ensinou a desejar mais do que bocas e corpos vazios em baladas caras e badaladas, ela me ensinou a amar.


Era isso que eu estava prestes a fazer agora, enquanto deslizava o vestido de tecido fino por sua pele macia, amor, eu estava prestes a fazer amor, não sexo, amor.


A deitei com carinho sobre a cama enquanto meus lábios beijavam cada parte de seu corpo, saciando a saudade. Eu não enxergava seu corpo coberto apenas pela lingerie, mesmo desejando, eu não via nada, mas sentia detalhadamente tudo. Removi o restante de suas roupas e ainda beijando partes do corpo de Ma, a penetrei com cuidado, ouvindo a gemer baixinho. Logo suas mãos delicadas -assim como todo o restante de seu corpo- deixaram de agarrar os lençóis e começaram arranhar minhas costas, fazendo-me sentir uma dor prazerosa. 


Após um longo tempo saciando nossos desejos, acabamos enrolados, não em lençóis, mas em nós mesmos. De repente foguetes e mais foguetes foram atirados rumo ao céu, ouvia-se a gritaria vinda lá debaixo, era Natal.


Então, ela quebrou o silêncio.


-Feliz natal, Jace. -ela disse baixinho com seus lábios próximos aos meus, dando-me a oportunidade de sentir seu hálito quente. 


-Feliz natal, baby. 


-Como se sente?


-Ansioso por uma resposta. -desabafei. -Mas, completamente satisfeito, ainda mais apaixonado e... meu Deus, como senti sua falta!


-Sabe agora o que eu senti? -ela perguntou deixando que uma risada nasalada lhe escapasse.


-Sei, e me odeio por ter causado isso a você, mas...


-Eu te amo. -ela disse, repentinamente. -Mas eu não aceito me casar com você.


Meu coração se apertou, uma dor terrível o atingiu, era como se o ar me faltasse. Eu havia realmente a perdido e aquela era minha última vez com Marcela, eu queria chorar feito um bebê agora, era uma dor terrível e só haviam passado-se cinco minutos após sua decisão extremamente decepcionante. Eu não me movi, não saí do seu abraço, apenas me mantive ali, em silêncio.


-Jace... -Marcela sussurrou após algum tempo, mas eu não respondi. -Eu disse que não quero me casar com você... -certo, ela repetiria aquilo até me matar? Porque era uma dor sufocante saber que havia perdido-a de vez. -Isso não quer dizer que eu não queira ficar com você, se estiver tudo bem para você, quero ser sua namorada, quero recomeçar.


-Você o quê? -perguntei sentindo meu coração se encher de alegria outra vez.


-É esse meu presente de natal, um recomeço, Jace Norman.


-Eu te amo, eu te amo e EU TE AMO! -gritei por fim, abraçando-a apertado. -Eu amo você mais do que amo a mim mesmo, e eu prometo nunca mais ficar longe de você. -suspirei brevemente caçando seus olhos em meio a escuridão. -Qual é mesmo a droga do seu problema?


-Você Jace, você é a droga do meu problema!


                           //-//-//-//-//-//-//-//
                              Narrador POV

Os anos se passaram, 2 pra ser mais exato, Jace e Marcela continuaram namorando. Seus amigos se afastaram dela, por conta do seu comportamento, ela não havia brigado com nenhum deles, eles amavam ela, mais achavam que eles faziam tudo por ela. Então separar foi a melhor escolha. Afinal cada um seguiu sua vida. Era o último ano da faculdade.

Carlos e Liam, começaram a atuar juntos. Continuavam como um casal.

Chloe e Keny, também continuavam como um casal, e que casal. Keny continuou com a ideia do teatro, e estava entrando até em contato com agências para fazer filmes, já Chloe gostava da ideia de atuar. Mais apareceu uma oportunidade de modelo, ela aceitou e fez o maior sucesso. 

Kayla e a família Norman continuaram na Califórnia. 

Jace e Marcela, resolveram seguir atuando, o que era bom pra eles. Eles tinham algumas brigas as vezes, mais que casal não tem briga não é?

Jace estava até pensando em te pedir em noivado...Mais só pensando afinal, apesar de se amarem, algumas coisas não estavam saindo como queriam...


*Gente alguns caps dessa fic foram inspirados em outra fiz, por isso podem estar parecidos, mais estão adaptados para essa história*


Notas Finais


Obrigada gente❤
Me sigam, pra vcs lerem minhas próximas fics se eu fizer mais.
Até a próxima❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...