História The New Neighbor - Capítulo 11


Escrita por: e SailorJi

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Kookv, Namjin, Vkook, Yaoi, Yoonmin
Visualizações 111
Palavras 5.492
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie, depois de alguns dias retornamos huehue
Desculpa o sumiços assim pessoal, mas vamos voltar um pouco a normalidade...

Espero que aproveitem o cap. novo e se divirtam (^_^)
Ah, a fanart não é minha, ela tava salva no meu pinterest e como sou a louca das fanart ta ai pra alegra vocês

Capítulo 11 - Revelações ou nem tanto


Fanfic / Fanfiction The New Neighbor - Capítulo 11 - Revelações ou nem tanto

 

 

Jeon Jungkook on

 

Jogamos ainda umas três partidas, uma delas sendo mais longa do que eu esperava, mas no final saímos vitoriosos e nos desconectamos para dormimos. Eu não estava com muito sono, mas fiquei ali deitado com um Taehyung sonolento no meu colo enquanto olhávamos para as estrelas da pequena sacada.

 

− Você parece avoado, tem certeza que está bem? – Escutei a voz do meu namorado me chamar e olhei com um sorriso.

 

‒ Tá sim, eu só estou lembrando do dia do acampamento, nós passamos a noite observando as estrelas também. – Disse feliz ao lembrar daquelas duas noites. – Mas também estou pensando no Hoseok hyung, ele está muito desanimado esses dias pelo que aconteceu na festa da Joy, queria ajuda-lo de alguma forma.

 

‒ Vem aqui, bebê. – Ele puxou minha nuca e beijei-o calmamente, deixei um sorriso escapar durante o ato. – Não se preocupe tanto com isso, o Hobi vai sair dessa.

 

‒ Tube bem. – Fiz sinal para ele levantar e nos despedirmos. – Amanhã vamos com os meninos okay? Não perca a hora de novo, tenha bons sonhos, hyung.

 

‒ Aish, eu vou acordar cedo amanhã seu mandão. – Ele reclamou enquanto pegava meu notebook. –Tem certeza que não quer dormir aqui?

 

‒ Ainda é meio de semana amor, mas amanhã eu juro que dormimos juntos. – Ele fez aquela carinha de cachorro pidão que eu não resistia. – Aigoo, para com essa carinha, hyung... Eu fico.

 

 

(...)

 

 

Eu não consegui falar com o Hobi hyung mais cedo e agora não encontro ele, então eu e Jimin ficamos encarando o vazio daquela sala com cara de nada mesmo, suspiro pesado e olho para ele que não tirava os olhos da lousa.

 

– Temos que fazer algo! – Quebrei o silencio e ele finalmente olhou para mim.

 

– Como vamos fazer isso? Nós temos um tapado de um lado e uma garota apaixonada por outro do outro. – Senti aquela sacarmos na voz dele e tive vontade de rir.

 

– Então vamos para o plano B, querido Jimin. – Repondi com um sorriso falso no rosto e ele me deu uma tapa no ombro. – Algo em mente?

 

– Nada. – Voltamos a encarar o vazio

 

“um”

“dois”

“três”

 

– Já sei. – Me assustei com o grito do Jimin e fuzilei ele com o olhar. – Você lembra da Hyuna? –Assenti e ele sorriu fazendo seus olhos formarem uma linha. –Vamos usar o método do ciúme nela, senão eu apresento alguém legal pro Hobi.

 

– Você e sua lista de contatos... – Brinquei, não acreditava muito naquele plano do Jimin, mas era o único que tínhamos.

 

– Vocês dois, vai ter reunião do projeto de última hora. – Namjoon Nos chamou da porta. – Vai ser no auditório, já guardamos os seus lugares.

 

Seguimos em uma conversa nem tão animada, só tentando lembrar do dia das avaliações que teríamos depois do projeto finalizar. Sentei-me ao lado do meu namorado e demos a mãos, era um carinho que fazíamos em qualquer lugar, até mesmo aqui na escola.

 

– Então, pessoal, eu vi o desempenho de todos durante esses dias e estão de parabéns. – O professor fala, batendo palmas alegremente e fizemos um pouco de algazarra no final. – O tema desse ano teve bastantes ideias, espero que todos possamos desfrutar desse momento, além disso teremos participação especial esse ano. – Os alunos começaram um burburinho dando sugestões do que poderiam ser. – Calma, pessoal, em breve vamos saber quem são, mas só queria avisar sobre o começo da montagem da estrutura do evento. Quero todos os meninos aqui no sábado para montar as coisas no nosso ginásio, as meninas iriam desmontar as coisas no dia seguinte quando terminar o evento!

 

 

Kim Taehyung on

 

 

Era sábado e chegamos cedo à escola. A arrumação do cenário e tudo mais só começaria às 10, mas eu e o meu grupo vinhemos antes para um ensaio geral, e graças a Deus que ocorreu tudo bem.

Depois de colocarmos os instrumentos no lugar, vi Jimin e Hoseok chegando, eles pareciam suados e quando se aproximaram, tive certeza disso.

 

– Ensaio geral? – Pergunto, já sabendo a resposta.

 

– Exatamente. – Jimin falou confiante.

 

– Estou ansioso para ver a apresentação de vocês! – Coloquei as mãos nos bolsos e desci do palco para ficar perto deles nas poltronas.

 

– Não irá se arrepender. – Hoseok fala com um sorriso de lado, mas não parecia animado.

 

Olho em volta e vejo que de onde estávamos, o resto do pessoal não prestaria atenção em nós, então decido conversar com o Hoseok.

 

– Você tá bem, Hobi? – Pergunto. – Sinceramente.

 

– Ainda estão com o que aconteceu com a Joohyun e eu na cabeça? – Ele falou aquilo como se fosse engraçado a gente estar preocupado. – Esqueçam isso, gente! Please! Sim, eu sou apaixonado por ela, mas o que posso fazer se ela não é? Ela me rejeitou bem na minha cara com todas as palavras, é a vida que segue.

 

– Eu notei que vocês não se falam mais...

 

– Eu estou bem triste por causa disso, de verdade. – Ele suspirou. – A gente era bem próximos mesmo, acho que por isso me apaixonei por ela. Só que você não é rejeitado pela pessoa que gosta e depois age como se nada tivesse acontecido. Eu preciso desse tempo afastado dela, só isso. Espero que um dia a amizade volte a ser a mesma, só duvido.

 

Ele tentava demonstrar casualidade, mas eu sei que ele estava bem triste com aquilo, e ver ele assim me deixava triste também. Só que ele só falou a verdade, não sei se isso é pior ou melhor.

 

– Eu te entendo, Hobi. – Jimin falou compreensivo e lhe lançou um sorriso.

 

– Se precisar de alguém pra passar o tempo e tentar te animar, nem vou dizer a estupidez de "pode contar com a gente", porque mesmo que você não queira, vamos tentar te animar. É isso que os amigos fazem! – Digo animador e ele mostra um sorriso um pouco maior agora.

 

– Valeu, Taehyung. Normalmente, quando eu estava triste, eu conversava com a Joohyun, ela sempre me fazia me sentir melhor. Mas o que fazer quando a pessoa a quem pede conselhos é a mesma que está te fazendo sofrer? – Ele ficou em silêncio; nem eu nem Jimin sabíamos o que falar. Logo em seguida, ele mostrou um sorriso animador, como se nada tivesse acontecido. – Eu vou superar. Só parem de falar sobre isso, ok? – Ele se levantou da poltrona em que estava e puxou eu e o ruivo para um abraço amigável e muito alegre. – Agora parem de tentar me fazer sentir melhor, vocês já fazem isso só por serem meus amigos. – Ele olhou para o mais baixo. – E nada de planinhos amorosos, senhor Park Jimin.

 

– Aigoo... Eu só queria ajudar!

 

– Você criou mesmo um plano amoroso pra mim? – Hobi perguntou surpreso.

 

– Claro, meu amor! Nada menos vindo de Park Cupido Jimin! – Ele falou convencido e rimos com a cena.

 

– Talvez eu cogite sua ideia. Mas depois.

 

O professor chegou ao auditório e nos separamos. Ele deu algumas instruções sobre o que deveríamos fazer e começamos o trabalho.

Ia ser um longo dia.

 

 

 

(...)

 

 

 

Vi minha mãe sentada na segunda fileira de poltronas pelo pequeno espaço entre a cortina vermelha e a parede cinza do auditório e não sei se aquilo me tranquilizou ou me deixou mais nervoso. O meu irmão chegou logo depois com alguns lanches. Jin sendo Jin.

 

– Ei, cara! – Alguém bate nas minhas costas e solto um grito alto pelo susto. – Calma, Tae. Sou eu!

 

– Aish! Namjoon! – Coloco a mão no peito instintivamente ao me virar pra ele. – Você quase me matou do coração!

 

– Desculpa, não foi minha a minha intenção. Nervoso?

 

– O que parece?

 

– Que tá uma pilha. Cadê o Jungkook? Ele poderia te acalmar.

 

– Não vi ele ainda. – Voltei a olhar para o auditório, sentindo minha respiração normalizar, mas então Namjoon fica com o corpo dele colado ao meu e reviro os olhos. – Se está procurando o hyung, ele já chegou. Tá ali com a minha mãe.

 

– Ah, vi ele agora. – Namjoon riu brevemente. – Mas juro que a minha principal intenção era ver se meu pai já havia chegado.

 

– É, ele tá ali conversando com a minha mãe e o Jin.

 

Só então notei que ele estava falando a verdade, não tinha prestado atenção no senhor Kim ainda.

 

– Então, pessoal... – eu e Namjoon nos viramos ao ouvir a voz do senhor Kwon e fomos até ele. – Eu vou fazer o discurso de abertura agora. Preparados?

 

Eu olhei para o meu grupo e eles corresponderam, num olhar que era um misto de apreensão e ansiedade.

 

– Relaxem. – O professor continuou quando todos os alunos se aproximaram para a rodinha, foi quando eu vi Jungkook, chegando às pressas. – Vocês já ensaiaram bastante, sabem que vão se sair bem. Respirem. – Ele fecha os olhos e todos respiramos profundamente. – Expirem. – Fazemos o que ele diz e depois mais algumas vezes, me permitindo fechar os olhos numa tentativa de relaxamento. – Ok. – Ele olhou pra todos antes de começar a gritar, todos acompanharam ele; era uma forma de extravasar para deixar a gente menos tenso.

 

No final, eu me senti realmente melhor e mais animado, com um sorriso no rosto, pronto pra começar. Ainda bem, porque eu era o primeiro.

 

 

(...)

 

 

Enquanto o professor Kwon fazia o discurso do outro lado da cortina, eu me posicionava com os meus amigos, foi quando vi Suga hyung entrando no palco.

 

– Oi, galera! – Ele falou animado. – Deixaram eu entrar aqui por estar ajudando vocês. Como se sentem?

 

– Confiante! – Himcham falou animado batendo as baquetas uma vez fortemente.

 

– Nervosa. – Joohyun respondeu num meio sorriso.

 

– Eu de boas. – Namjoon respondeu.

 

– E você, Tae? – Suga hyung perguntou pelo meu silêncio.

 

– Ansioso, eu acho. – Falei num sorriso nervoso colocando a guitarra sobre o meu corpo.

 

– Vai dar tudo certo, pessoal! – Ele falou como um líder.

 

– Obrigado, de verdade, Suga hyung! – Disse. – Se você não tivesse ajudado a gente a fazer essas versões da música, talvez nunca conseguiríamos!

 

– Obrigado, mas vocês que são as estrelas principais aqui!

 

Escutamos quando o professor Kwon falou "aproveitem o espetáculo" e olhei uma última vez para todos.

 

– Boa sorte, galera! – Suga hyung falou com um sorriso doce e saiu correndo de costas do palco.

 

Assenti e olhei para os meus colegas.

 

– É a hora. – Sussurro.

 

Quando as cortinas abriram, Joy entrou animada no palco e fez os cumprimentos, já que ela seria a MC da noite. Após ela sair, eu sabia que era o momento.

Começamos com o toque original de Somewhere Over The Rainbow, mas depois paramos e começamos a versão em rock da música, sem ficar muito pesado, com o vocal da Joohyun. Apesar da especialidade dela ser rapper, ela tinha a voz perfeita para aquilo, não era doce e estridente demais. Foi quando eu entrei cantando, era a minha primeira vez cantando no meio de tanta gente. Achei que ia surtar quando a música parou e passamos rapidamente para a versão de Burning Heart Survivor começar. Essa, não foi muito difícil, já que a original já era nesse estilo, a gente só deixou com uma batida mais agitada.

Seguimos com êxito até então, até pararmos durante um segundo e eu começar em seguida com o toque de Iron Man. Namjoon acompanhou no baixo e em seguida Joohyun entrou com o teclado e Himcham já sabia o que fazer na bateria. Namjoon começou com "I'm Iron Man" e Himcham seguiu com a letra, do jeito que ensaiamos.

 Todos cantaram as suas linhas direitinho, não tinha percebido nenhum erro na apresentação. No final, eu estava orgulhoso de todos e de mim mesmo, realmente estava feliz quando seguimos para os bastidores após Himcham finalizar a apresentação com a clássica batida de bateria e agradecermos ao público.

 

Jeon Jungkook on

 

No dia da montagem do palco eu apareci no horário, mas eu estava tão ocupado que nem passou pela minha cabeça se meu namorado estava ali com os meninos ou não, eu apenas segui com o plano da organização. Enquanto eu descansava conversei com os meninos do treino, parece que tudo estava em ordem por lá, então não demorei para ir pra casa “pintar” meu cabelo para hoje à noite, só espero que a tinta saia logo segundo o rotulo.

Era para retornarmos por volta das sete horas, mas eu tinha avisado para o professor Kwon que iria me atrasar para poder buscar o grupo na academia, apesar deles poderem ir para a minha escola de metrô sozinhos, eu queria estar com eles. Quando vi que meu cabelo já estava pronto corri para me banhar e vestir minha roupa, não esquecendo do meu dobok e do que iria apresentar. No final de tudo o K-tiger iria fazer uma apresentação, no caso seria minha apresentação junto com o grupo. Meus pais iriam ver a apresentação desde o início, então foram mais cedo que eu, era até raro fazerem isso.

 

(...)

 

Cheguei correndo enquanto arrumava o gorro na minha cabeça, o professor falou algo e logo gritamos para trazer boa sorte. Vi de longe meu namorado se arrumando e nem deu tempo de ir desejar boa sorte, mas com toda a certeza ele iria arrasar, sem contar que meu pai estava filmando então viria tudo depois.

 

– Como o grupo está, Jungkook? – Meu professor pergunta ao se aproximar e me dar um pequeno susto.

 

– Eu vou verificar e aproveitar para me arrumar, o senhor deixo as coisas que vamos usar separadas, professor? – Queria verificar que nada iria dar errado naquela hora.

 

– Estão sim, então anda rápido! – Ele correu para perto do palco olhando as apresentações, eu nem estava olhando e sabia que a apresentação dos meninos estava sendo perfeita.

 

Corri para o vestiário trocando minha roupa e colocando a roupa da apresentação por baixo do dobok; deixei o gorro tampando o cabelo agora verde e a corrente que tinha meu pingente para dentro. Eu estava quase morrendo de vergonha pelo que iria acontecer na apresentação, mas espero que o Tae goste e não fique com ciúmes.

 

(...)

 

Finalmente tinha chegado nossa hora, só faltava nossa apresentação e aquilo acabaria. Nós fizemos a formação e o juramento mesmo não estando no nosso local de treino, fizemos só por respeito. Entramos em fila e ficamos de costas para o público, só esperamos o toque de flauta para a introdução, era aquele instrumental típico que fazia qualquer um relaxar. Mas em um momento ele foi ficando mais rápido até ser interrompido por uma risada, era a risada do meu personagem, o coringa.

Tiramos o dobok e coloco um casaco roxo, tirando aquilo eu não tinha mais nenhuma peça cobrindo meu tronco com aquelas tatuagens falsas, eu estava com uma maquiagem um pouco marcante. Os outros usavam roupas pretas, então eu era o destaque ali e fiquei na frente da formação de pirâmide, a música era bastante animada e não deixamos de nos levar com aquele ritmo.

Não sei quantos chutes no ar eu fiz, mas já não estava sentindo meu tornozelo depois de tudo aquele esforço, então finalizamos nossa apresentação e o resto do grupo que ainda estava com o uniforme foi terminar a coreografia com as músicas mais tocadas naqueles dias. Senti-me totalmente aliviado por aquilo ter acabado, quando não escutei mais tocar a música entramos para agradecer pelos aplausos e vi meus pais gritando feito loucos e ri por isso, também vi Jin hyung gritar para mim e sorri mais ainda, então decidi procurar meus amigos depois que eu terminasse de me arrumar. Quando cheguei ao vestuário a primeira coisa que fiz foi passar minha mão pelo pingente de coração, eu tinha tanto cuidado com ele por ser especial de mais para mim. Vesti uma camisa e coloquei aquela touca novamente, apesar de estar legal eu não gostava muito do meu cabelo colorido. Quando ia saindo encontrei com os meninos que estavam me esperando, Jimin arrancou o gorro bagunçando meu cabelo e fiquei meio irritado.

 

– Eita, Taehyung, se eu não tivesse com o Jimin eu pegava esse garoto, que saúde hein, Jungkook. – Suga hyung fala por brincadeira e rimos com isso, mas o Tae ficou emburrado.

 

– Ei Taetae... – o chamo e beijo sua bochecha. – Liga não, você sabe que eu não conseguiria ficar com mais ninguém além de você.

 

 

Kim Taehyung on

 

– Haha, ok. – Falei meio emburrado e cruzei os braços, no final, foi mais por drama, porque eu sabia que aquilo era brincadeira do hyung, ele amava demais o Jimin pra ficar com outra pessoa também.

 

Jungkook fez um biquinho fofo e eu não resisti mordê-lo.

 

– Wow! Que casal lindo! – Hoseok chega animando o local, com um sorriso que já fazia uns dias que eu não via.

 

– Ora ora, se não temos aqui o ser humano que quase chega aos meus pés na arte da dança. – Jimin falou desafiador e Hoseok sorriu de lado.

 

– Continua se iludindo, Park.

 

– Quem diria que veríamos Jeon Jungkook de cabelo colorido. – Namjoon falou do nada e todos olharam para ele e depois para o Jungkook.

 

– É temporário... – o mais novo levou uma mão aos fios por impulso e passou os dedos por eles.

 

– Temporário ou não, ficou lindo assim! – Falei puxando ele para um abraço.

 

– Hey, Taehyung! – Viro-me e vejo meu irmão entrando no local. – A mamãe quer sair pra jantar. Vocês todos tão convidados também!

 

– Desculpa, eu já tinha combinado de ir para o restaurante da minha tia com os pais do Jimin. – Suga hyung falou enquanto colocava as mãos nos bolsos e Jimin abraçou o seu braço.

 

– Tudo bem. – Jin disse simpático e olhou para o Namjoon. – Seu pai vai com a gente também, Nam, então não tem desculpas. – Ele mostrou um sorriso bonito no final e Namjoon o acompanhou, mostrando suas covinhas.

 

– Aah... – Jungkook falou meio incerto. – Eu tenho que falar com os meus pais antes. – Ele se foi em uma reverência.

 

– Okay... – Jin falou olhando para todos, parando em Hoseok. – Hobi?

 

– E ficar lá sobrando? – Ele riu de uma forma gostosa e bateu de leve nas costas de Jin. – Desculpa, mas fora. – Ele acenou para todos. – Até mais, galera!

 

E sem mais, ele saiu correndo.

 

– Me diz que não foi só eu que notei o sorriso animado do Hobi. – Comento sorrindo, ainda acompanhando com o olhar o caminho que ele tomou.

 

– Não, não foi só você. – Jimin falou e mesmo sem olhar pra ele, podia saber que ele estava sorrindo também.

 

Saímos do local ainda para trocar algumas rápidas palavras com o professor Kwon antes de ir embora. O legal é que os pais do Jungkook concordaram em jantarmos todos juntos, inclusive seria no restaurante dos pais dele, matando dois convites com um encontro só.

 

 

(...)

 

 

 

– Amor, tira esse gorro... – eu falei quando cheguei por trás de Jungkook.

 

Estávamos no banheiro grande e bonito do restaurante. Ele tinha pedido licença por um instante e eu o segui pouco tempo depois, estava com saudades de um beijo dele. Foi difícil ver ele o dia todo e não ter um tempo a sós para o mínimo ato de carinho.

 

Ele sorriu baixinho. – Fala de novo isso.

 

– Tira esse gorro? – Falei meio incerto.

 

– Não. – Ele riu soprado e se virou, ficando de frente pra mim. – Antes disso.

 

– Amor? – Ele fez que sim com a cabeça. – Ah... – Sorri, entendendo aonde ele queria chegar. – Você é o meu amor, entende?

 

– Ainda não consegui me acostumar. – Ele sorri e deixa um selinho sobre meus lábios rapidamente.

 

– Jungkook, eu queria te dizer que eu...

 

– Ôu! Casal! – Nos separamos ao ouvir alguém chegar de repente, só podia ser o Namjoon. – Não se peguem no banheiro. – Ele fez uma careta engraçada quando eu e o Kookie o encaramos, pelo menos o meu olhar era fuzilante. – Biscoito, sua mãe está te chamando. Ainda bem que eu que vim te chamar.

 

Ele não disse mais nada e saiu de lá de forma divertida.

 

– O que você ia dizer, hyung? – Jungkook me pergunta e escuto passos, provavelmente outras pessoas entrariam em breve no local.

 

– Deixa pra lá, eu conto depois. – Mostrei um sorriso de lado. – Vamos?

 

 

Jeon Jungkook on

 

 

Agarrei uma das suas mãos entrelaçando nossos dedos, eu sabia que ele deveria estar com saudade das nossas caricias, mesmo que só tenha sido um dia. Voltamos para a mesa e minha mãe falava alegremente com a senhora Kim, enquanto meu pai falava com o do Namjoon. Nos sentamos e esperei até que minha mãe me chamasse para uma parte mais reservada do restaurante, até estranhei já que ela não se importava muito de discutir alguns assuntos na presença dos convidados, então soube logo que seria uma conversa bem importante.

 

– Então, o que a senhora queria conversar? – Pergunto me sentando em um banco pequeno de madeira e ela ao meu lado.

 

– Só queria aproveitar pra saber como está filho, sabe, desde que nos mudamos você fica quase toda semana em casa sozinho ou na casa da senhora Kim. Queria saber como está a escola ou se você está bem de saúde.

 

– Eu estou sim mãe, mas não se preocupe, eu entendo o lado dos dois. Você e o papai ainda estão terminando de se organizar aqui e lá em Busan, então é normal essa correria. – A abracei com carinho e depositei um beijo em sua testa. – Quando chegarmos em casa podemos conversar e agora no fim de semana fazer um churrasco, o que acha?

 

– Até que não é uma má ideia, assim conheço melhor o meu genro querido.

 

– Desde quando você sabe que eu estou com o Tae, posso saber? – Pergunto a vendo em pé para voltar para a mesa.

 

– Uma mãe sabe quando seu filho está apaixonado, ou no caso consegui ver os dois pombinhos se beijando depois de um passeio a noite.

 

– A senhora estava me espiando? – Ela não respondeu e me deixou ali sozinho rindo.

 

Voltei para a mesa vendo que os pedidos já haviam chegado, então peguei meu prato e comecei a comer também.

 

(...)

 

Passamos um bom tempo conversando, eu já estava no segundo prato de bolo quando decidiram ir embora. Por mais que meus pais insistissem que não precisaram pagar a conta, os outros dois adultos insistiram para pagar, nem que fossem metade da conta. Enquanto os mais velhos discutiam sobre isso, eu e os outros fomos para o lado de fora do restaurante, encostados nos carros ali no acostamento. Abracei o Tae por trás o deixando encostado no meu peito, eu deixava alguns beijos no seu pescoço.

 

– Eu te amo, Tae. – Ele me puxou para ficar em pé direito, ficando um de frente para o outro.

 

Diferente de muitos outros homossexuais coreanos, eu não tinha vergonha de demonstrar meu carinho em público, mas também não eram coisas absurdas, eram carinhos calmos e fofos como abraços e beijos/ selares. Como a rua já estava basicamente vazia deixei para beija-lo ali mesmo, nem que fosse um beijo rápido.

 

– Amanhã chame os meninos, meus pais vão fazer um churrasco. Mas voltando ao assunto de mais cedo, o que você ia falar lá no banheiro, amor? – Falo enquanto nossas testas estavam coladas

 

Kim Taehyung on

 

Eu andei pensando nisso nos últimos dias. Desde que o Jungkook entrou na minha vida, me sinto mais feliz, e a cada dia que passava, eu tinha mais certeza dos meus sentimentos. Eu estava pronto para dizer que amava ele, mas acabou não dando certo. Quando ele disse que me amava também, meu coração aqueceu de uma forma que eu não consegui explicar, apenas expressei num sorriso que não cabia no meu rosto ao ouvir aquelas palavras vindas dele.

 

– Eu queria te dizer que... – faço uma pausa enquanto viro-me para ele e sorrio –...eu te amo também.

 

– Ah! – Ele mostrou um sorriso largo e depois me abraçou. – Fico muito feliz em saber disso!

 

– Quer dormir lá em casa hoje?

 

– É o que eu mais quero nesse momento. – Ele beijou levemente o meu pescoço e apertei mais o abraço.

 

Giro com ele no ar naquele abraço e sinto como se não quisesse soltar ele nunca mais, mas como a vida tem dessas, minha mãe surge no local, nos chamando para ir embora. Pela cara dela e pelo sorrisinho da mãe do Jungkook, que vinha logo atrás, eu sei que minha mãe já sabe de tudo.

 

 

(...)

 

 

– Eu juro que minhas intenções com o Taehyung são as melhores possíveis, senhora Kim. – Jungkook falou tentando parecer sério, mas ele não conseguia esconder o seu medo e nervosismo.

 

Minha mãe passou o caminho todo em silêncio, mas ao chegarmos à minha casa, ela exigiu uma conversa séria com o Jungkook. Os pais dele também estavam ali, mas eles não pareciam surpresos nem nada, na verdade, só observavam.

 

– Acho bom. – Minha mãe falou séria. Minha mãe sendo minha mãe.

 

– Filho, vamos? – O pai do Jungkook o chamou. – Já está tarde.

 

Eu e Jungkook nos entreolhamos.

 

– Na verdade, senhor Jeon... – falo tentando parecer firme e não encarar a minha mãe. – Eu e o Jungkook tínhamos combinado de ele dormir aqui hoje...

 

– Como é a história? – Minha mãe se sobressai, surpresa. – No mesmo quarto?

 

– Ah, qual é o problema, Chae? – A mãe do Jungkook perguntou divertida. – Eles são jovens!

 

– Eles são crianças! – Minha mãe respondeu, quase como se estivesse chorando ao invés de brava e eu não pude evitar um riso baixo; olhei para o Jungkook, mas ele continuava estático, encarando o vazio, enquanto suas mãos estavam suando sobre seus joelhos rígidos.

 

– Hey, relaxa... – sussurro no ouvido dele. – É só minha mãe sendo minha mãe.

 

– Tae! – Minha mãe fala alto, chamando a minha atenção e olho num pulo para ela. – Você é um bebê ainda!

 

“Eu não acredito no que eu estou ouvindo.”

 

Eu só tinha vontade de enfiar minha cabeça num buraco. Olhei para Jungkook, e ele continuava parecendo um robô de olhos arregalados para o nada. Enquanto isso, o Namjoon – que estava ali ao lado de Jin de intrometido, ninguém tinha o chamado pra cá, até o pai dele já foi embora – só ria da minha situação. Que vontade de matar ele de novo.

 

– Mãe, calma. Olha a cara do Jungkook. – Jin hyung falou, tentando conter uma risadinha desnecessária.

 

– Aish, tudo bem... – minha mãe colocou as mãos nos quadris. – Pode dormir aqui, querido. – Ela lançou um olhar mais compreensível para o meu namorado. – Sempre será bem vindo. E quanto a você, Taehyung... – ela me olhou séria. – Vai dormir no quarto do seu irmão!

 

– Que? Eu? – Falei mais alto do que pretendia. – E segurar vela pro Namjoon e pro Jin? fora!

 

– Como assim? – Ela arregalou os olhos ao se virar para Namjoon e Jin, que automaticamente ficaram sérios, enquanto Jin me lançou um olhar de “cala essa maldita boca, Taehyung”. Pena que eu não estava nem aí, embora a minha fala anterior tenha saído sem querer. – Você também está namorando, meu bebê?

 

– Se te deixa mais confortável, senhora Kim – Namjoon tomou a frente após um longo minuto de silêncio –, eu e o Jin hyung não estamos sérios.

 

– Não estamos? – Foi a vez de Jin parecer incrédulo e socou o ombro de Namjoon, que reclamou baixinho de dor.

 

– Desculpa, Jin... – Namjoon tentou se desculpar, mas o meu irmão colocou a mão na cara dele e virou seu rosto; eu riria da cena, se não fosse todo o contexto.

 

– Acho melhor você tomar cuidado, senhor Kim Namjoon. – Minha mãe falou ameaçadora. – Vamos ter uma conversinha, agora.

 

Ela foi até onde o meu amigo estava e o puxou pela orelha até à cozinha; como minha mãe cuidou do Namjoon a vida inteira, praticamente, ela o tratava como se fosse filho dela, isso incluía o carinho, mas também as broncas.

Conversamos todos juntos e no final, depois de muitas reclamações da minha mãe por esconder as coisas dela e tudo mais que poderia vir num jantar normal de família, deu tudo certo, graças aos céus. Até que no final da noite, estávamos rindo à toa. Eu não estava com sono, mas os mais velhos alertaram que tínhamos que dormir cedo, principalmente o Jungkook, pois tinha que organizar algumas coisas cedo para o churrasco de amanhã. Acabou que ele foi embora com os pais dele e eu tive que ir tomar banho para ir dormir.

 

Já deitado na minha cama, eu trocava algumas mensagens aleatórias com o Jungkook antes de poder cair no sono. Escuto a minha porta ser batida e tiro a atenção do celular, para ver a minha mãe já usando um pijama rosa de ursinhos – que eu sabia ter sido presente do Jin no dia das mães do ano passado – com uma caneca de chá em mãos.

 

– Oi, mãe! – Digo carinhoso e ela me mostra um sorriso singelo, vindo em minha direção.

 

– Oi, meu amor. – Ela beija a minha testa e senta-se na cama ao meu lado. – Como se sente?

 

– Eu estou bem, mãe, só com um pouquinho de sono.

 

Ela olha para baixo por um segundo, como se pensando no que dizer. – Filho, você e o filho dos Jeon estão sérios mesmo, não é? – Ela pergunta olhando diretamente nos meus olhos.

 

Eu sorrio bobo. – Eu amo ele, mãe.

 

Ela olha para baixo novamente, mas dessa vez, deixando um sorriso cansado escapar. – É difícil encarar que os meus bebês cresceram.

 

– Own, mãe... – a abraço como um ursinho. – Eu sempre vou ser o seu bebê, e a senhora sempre vai ser a minha pessoa preferida no mundo! – Deixo um beijo na bochecha dela e ela ri de forma gostosa.

 

– Eu sinto tanto a sua falta, Taetae... – ela acaricia o meu rosto, prestando atenção em cada parte dele como se estivesse o admirando. – Eu passo tanto tempo fora que mal percebi que você e o seu irmão já estão virando adultos... É tão difícil conviver com isso.

 

– Não se preocupa com isso, mãe... – falei, a confortando. – A senhora nunca deixou faltar nada pra gente, e isso inclui muito carinho!

 

Ela me aperta num abraço de urso. – Você é tão especial, Taetae! O Jungkook tem sorte por ter alguém como você.

 

– Eu que tenho sorte de ter a senhora na minha vida. Eu amo todos vocês. Tenho a melhor mãe do mundo, o melhor irmão e é claro, o melhor namorado. – Sorrio com a frase e ela me acompanha.

 

Ficamos pouco tempo nos olhando, minha mãe estava com os olhos um pouco marejados, mas não tirava um sorriso do rosto. Acho que a ficha tá caindo agora que eu já sou adolescente. Fazia um certo tempo que eu não tinha um momento tão próximo com ela, estava sentindo falta. Ela sempre foi muito presente e carinhosa na minha vida e na do Jin, apesar dos pesares.

Ela decidiu que estava tarde e se levantou para ir embora, não sem antes deixar um beijo de boa noite na minha bochecha.

 

– Até amanhã, meu amor. – Ela falou da porta.

 

– Até amanhã, mamãe. – Devolvi o sorriso para ela.

 

Ela já estava prestes a fechar a porta, mas voltou, como se estivesse acabado de lembrar de alguma coisa.

 

– Ah, só mais uma coisa, Taetae...

 

– Hm?

 

– Vocês estão usando camisinha, não é?

 

Sinto minhas bochechas quentes automaticamente por ter minha mãe me perguntando aquilo.

 

– MÃE!

 

– Tá, tá, desculpa! – Ela mostrou um sorriso mais divertido dessa vez. – Só tenham cuidado!

 

E com isso, ela fechou a porta e eu ri comigo mesmo, não sei direito o porquê. Talvez por que minha vida esteja muito bem e nada possa estragar isso.

Olho novamente para o meu celular, vejo que tinham algumas mensagens do Jungkook que eu não tinha respondido, então vou até à janela e olho para a janela do quarto dele, esta que indicava que tudo estava escuro no local.

 

You: Já está dormindo?

 

Kookie: Não, estava esperando você responder.

 

Kookie: Nem estou com muito sono mesmo.

 

Kookie: Queria ter passado a noite com você, embora eu esteja cansado pelo dia, estou com saudades de... tocar você.

 

You: É só impressão minha ou Jeon Jungkook fica mais safado depois da meia noite?

 

Kookie: Talvez você deva prestar mais atenção nos outros horários do dia, hyung. ~emoticon mostrando a língua

 

Kookie: Eu poderia estar te beijando agora, sabe...

 

You: Não fala isso.

 

You: Você não sabe o quanto eu desejei um beijo seu o dia inteiro e ainda não tive um decente que matasse a minha vontade.

 

Kookie: Sinto muito, vai ter que esperar até outro dia haha

 

Kookie: Está na hora de dormir, baby.

 

You: Como se eu fosse conseguir dormir agora.

 

Estava já digitando a próxima mensagem quando vejo a janela do quarto do Jungkook abrir. Meu celular quase cai da mão quando eu me deparo com a cena dele apenas de boxer olhando para mim. Como o quarto dele não tem varanda, pela janela eu apenas via o começo das penas dele, mas isso não me impediu de ter mais vontade de tocar ele, muito pelo contrário. Mesmo à distância, pude ver um sorrisinho nos lábios dele antes de pegar o celular novamente e digitar alguma coisa. Eu estava tão perdido olhando para ele, que só percebi que tinha chegado mensagem nova quando ele apontou para o próprio celular.

 

Kookie: Por que não vem até aqui, hyung?

 

Olhei novamente para ele e vi ele me chamar com o dedo indicador.

 

“Esse garoto só pode estar de brincadeira comigo.”


Notas Finais


Então pandinhas, o que acharam do capitulo? Ficaram surpresos com o biscoito, ele ta muito assanhadinho, mas gostamos dele assim rsrs

O próximo capitulo ira sair daqui a três dias, então até lá se segurem e preparem a imaginação


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...