História The New Neighbor - Capítulo 15


Escrita por: e SailorJi

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Kookv, Namjin, Vkook, Yaoi, Yoonmin
Visualizações 72
Palavras 3.610
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Então, aqui estamos novamente hahaha (rindo de desespero)
Desculpa a demora pessoal, mas aqui esta mais um capitulo e olha... vou deixar lerem para descobrir.

Tenha uma boa leitura pandinhas (^_^)

Capítulo 15 - Tensões pt.II


Jeon Jungkook on

 

O caminho para casa até que foi tranquilo, mas o silencio às vezes me deixava inquieto e dou graças a Deus por ter chegado logo.

 

– Obrigado pela carona, Jin hyung. – O reverenciei por costume antigo meu.

 

– De nada, Kookie... Mas e ai, como você e o meu irmão estão? Já se resolveram? – Ele encostou-se à lataria e eu fiz o mesmo.

 

– Sim, acho que nós resolvemos da melhor forma! – Sinto meu rosto esquentar um pouco, mas não consegui controlar meu sorriso. – Parece que não foi só eu e ele, deu pra perceber que você e o Nam hyung também se resolveram.

 

– Nós resolvemos também... Aparentemente as coisas estão se resolvendo.

 

– Algumas coisas, mas outras ainda vão demorar um pouco... – Olhei para a casa atrás de mim e o mais velho fez o mesmo, suspirando cansado por aquilo. – Eu encontrei com sua mãe hoje, você e o Tae lembram muito ela.

 

– Você tem a cara do seu pai, mas tem uma boa parte da personalidade da sua mãe. – Ambos rimos e nos abraçamos. – Até amanhã, Kookie, cuide bem do meu saeng amanhã.

 

– Eu sempre vou cuida do Tae, não se preocupe.

 

Nos despedimos e cada um foi pra casa, mal havia entrado e encontrei Cho correndo de forma desajeitada atrás de mim. Se Taehyung estivesse aqui já estava babando nele por causa de sua fofura. Coloquei a comida dele e fui pro meu quarto, joguei minha mochila em algum lugar e me concentrei em copiar a matéria que deixei passar esses dois dias, então respirei fundo antes de ligar o computador.

 

 

(...)

 

 

– Kookie, acorda filho.

 

Abri os olhos com dificuldade pela claridade, quando levantei meu tronco senti um incomodo no pescoço e vi que estava ainda na escrivaninha. Olhei meu celular já carregado, ainda era cedo então não me apressei para organizar meus materiais e tomar meu banho. Fui pra escola de carona com meu pai, sorri assim que vi meu namorado com os meninos conversando com ele e me aproximei para dar bom dia.

 

– Bom dia, bando de desocupados. Bom dia louquinho. – Dei um selinho nele antes de ir deixar meu material na minha cadeira.

 

– Vixe, que bicho mordeu você, Jungkook? – Hoseok perguntou com sua melhor cara de espanto teatral e rimos disso, ou quase todos. Taehyung estava meio quieto, mas era de se esperar, então abracei ele por trás.

 

– Nenhum, mas tem hora que vocês são realmente desocupados. – Dou de ombros e ele faz uma careta. – Você está bem, hyung?

 

– Uhum, e você? – Taehyung virou seu rosto pra mim e não me contive em beijar ele de novo.

 

– Estou bem, nós devemos nos preocupar com você! – Eu iria ficar ao lado dele o máximo que poderia hoje.

 

– Olha casal do meu kokoro... – Namjoon chamou nossa atenção.  –... eu não tomei minha insulina hoje, então vamos moderar nessa doçura hoje.

 

– Besta, deixa eles se amarem. – Jimin bateu no braço do platinado e conversamos algumas coisas enquanto o professor de artes não aparecia.

 

– Ei, quer ir lá pra casa à tarde? – Sussurro só para que Taehyung escutasse e assentisse.

 

– Mas eu vou passar pela casa do Nam pra pegar as coisas e ir deixar lá em casa. – Ele torce o lábio e eu fiquei incomodado por ele ter que voltar em casa.

 

– Eu vou com você e não adianta negar. – Fiz um carinho em seu ombro antes de me afastar para minha cadeira.

 

As aulas até que passaram rápido, então saímos todos juntos para almoçar e depois ir pegar as coisas do Tae para irmos pra minha casa. Depois disso tudo eu o esperei do lado de fora por pedido dele, mesmo hesitante um pouco eu fiquei lá o esperando até que saísse trocado, uni nossas mãos o puxando levemente para o outro lado da rua.

 

– Cho, papai já chegou. – Chamei o pequeno assim que terminei de trancar a porta, não demorou nem um minuto para ele vir correndo de forma atrapalhada. – Estou pensando seriamente em mudar o nome dele para Tae.

 

– Que? Porque vai dar meu nome para um cachorro Jungkook, vamos acabar confundido. – Ele pareceu incrédulo, mas pegou o pequeno no colo e foi para o sofá da sala enquanto eu fui para a cozinha.

 

– Porque vocês dois são fofos, atrapalhados, meio doidos e são pessoas que eu quero ficar pra sempre ao lado. – Fui sincero, mesmo a parte do nome sendo brincadeira. – Sem contar que vou ficar com os cabelos brancos mais cedo por causa de vocês dois.

 

 

Kim Taehyung on

 

– Entendi. – Falei num suspiro baixo.

 

Fiquei fazendo carinho no Cho enquanto pensava em tudo que vem acontecendo. Eu não gosto muito de pensar nisso, mas é impossível às vezes não pensar.

 

– Voltei! – Kookie chama a minha atenção, caindo de vez no sofá ao meu lado; quando olhei para ele, pude ver o pacote de fini na sua mão e ele já comia um dos doces. – Você anda pensativo...

 

– Kookie...

 

– Hm?

 

Eu queria falar com ele sobre várias coisas, pôr pra fora essa minha angústia. Mas por um instante, achei melhor não.

 

– Você pode me ajudar a estudar para o vestibular?

 

– Que pergunta, claro que sim! – Ele mostra seu sorriso típico que lembrava o de um coelho e eu sorri junto com seu entusiasmo. – Já escolheu o curso?

 

– Você sabe que esse não é o meu forte. – Sorrio de lado tentando demonstrar que não me importo e depois vejo Cho saindo do meu colo e correndo pela casa de repente, ele tem dessas. – Você já, não é?

 

– Penso em ser professor. – Ele comeu um outro fini e encarou o vazio, jogando pra mim a embalagem com os outros doces. – De história. – Ele me olha de novo com um sorriso de lado e eu correspondo.

 

– Você gosta mesmo dessa matéria. Lembro de quando nos conhecemos. – Arqueio uma sobrancelha pra ele. – Como esquecer do garoto prodígio que respondeu no meu lugar?

 

– Aigoo, hyung! – Ele bate de leve no meu ombro. – Você não ficou com raiva, não foi?

 

– Hm... – faço uma expressão pensativa e posso ver pela visão periférica seus olhos se arregalarem. – Um pouquinho! – Ri da sua expressão assustada e o puxei para um abraço muito apertado. – Mas não tem problema. Deita aqui.

 

Bati na minha coxa e me ajeitei no sofá para que ele pudesse deitar a cabeça nela. Ele sorriu olhando pra mim já deitado e ergueu um doce pra mim, colocando na minha boca.

 

– Naquele dia o papai queria falar comigo sobre faculdade também. Acho que ele estava meio bêbado mesmo. – Ele falou divertido e eu olhei para ele confuso. – No dia do churrasco, quando o Jin hyung foi me chamar lá na sua casa.

 

– Ah, lembrei.

 

– É, ele começou a falar sobre faculdade e terminou numa história de ficarmos na nossa casa na ilha de Jeju.

 

– Vocês tem uma casa lá? – Pergunto surpreso e ele ri de uma forma gostosa.

 

– Não, por isso acho que ele já tava bem alto. Mas os meus avós paternos moram lá, eu posso ir. Se quiser, eu te levo, eles são muito gente boa.

 

– Quem sabe.

 

– Aaah! Animação, Taetae! – Ele fala divertido e belisca de leve minha bochecha. – Eu quero fazer muitas viagens com você! – Continuo sério e ele parece pensar sobre isso. – Ah, não precisa ser agora, sabe? Pode ser nas férias.

 

– Claro, amor.

 

  Baixo o meu rosto e deixo um selinho em seus lábios.

 

– Teremos tempo. Aqui em Seul tem todos os cursos, podemos fazer faculdade juntos, já que não vamos sair daqui. Não é?

 

Sorrio compreensivo pra ele. – É o que eu quero.

 

 

 

(...)

 

 

 

Aquela deveria ser uma tarde produtiva de estudos, mas não se passou nem uma hora e minha cabeça já estava explodindo. Jungkook foi compreensivo e me deixou ir embora, meu pai já devia estar em casa a essa hora. Eu ainda não me encontrei com ele, já que quando eu fui em casa trocar de roupa, ele não estava. Eu nem sei o que ele faz durante o dia, mas também nem faço questão de descobrir.

Chegando em casa, encontro tudo vazio, então vou para o meu quarto.

Não demora muito e minha mãe aparece à porta, me chamando para jantar.

 

– Ele tá lá embaixo? – Pergunto sem emoção. Ela demora mais de um segundo para responder e balança positivamente a cabeça. – Que ótimo. – Falo um pouco irônico e me levanto da cama, a seguindo.

 

Já no andar de baixo, Jin hyung estava pondo a mesa e eu sentei ao lado da minha mãe. Não demorou muito e o homem mais velho entrou na sala, pegando o lugar da ponta da mesa sem cerimônias.

 

"Como se ele fosse o chefe dessa família. Que piada."

 

– Rapazes não deviam cozinhar, Chaerin. – Ele diz de repente quando Jin hyung senta-se à mesa finalmente para comer. – Estava muito ocupada com seu namorado para cozinhar para seus filhos?

 

– Isso é mesmo necessário? – Minha mãe perguntou com a mesma acidez.

 

– Eu só estou preocupado com os nossos garotos. É normal.

 

Eu mal tinha colocado comida na boca e já estava com vontade de vomitar só por estar ali.

 

– Taehyung, onde você esteve nos últimos dias? – Ele pergunta de repente e sou obrigado a encará-lo.

 

– Na casa de um amigo, senhor.

 

– Amigo, hm? – Ele pergunta com um sorriso esquisito nos lábios.

 

– É, amigo. – Respondo com uma sensação estranha por ele não parar de me encarar com aquele sorriso estranho.

 

– Chaerin, eu tenho que te dizer, eu acho o Taehyung muito solitário. – Ele fala para minha mãe e franzi o cenho para ele. "Onde ele quer chegar com isso?". – Não acha que ele precisa de uma namorada, para melhorar esse mau humor?

 

– Era só o que faltava. – Falo num sussurro irritado e tenho que me controlar muito para não revirar os olhos e sair dali imediatamente.

 

– Taehyung está muito concentrado no vestibular. – Minha mãe fala simplesmente.

 

Olhei para o meu irmão, procurando um olhar amigo. Mas acabei o encontrando tão desolado quando eu, encarando a comida sem ânimo. Essa vai ser uma longa noite.

 

 

Jeon Jungkook on

 

– Ainda preocupado com ele filho? – Escutei meu pai ao meu lado.

 

– Sim... Você sabe como eu sou, certo? – O olhei sem expressão alguma e voltei a encarar o céu.

 

Quando Taehyung saiu daqui ainda fiz algumas coisas em casa, como limpar o quintal e era onde estava agora. O céu até que estava bem estrelado por esses dias, o que me fez lembrar do acampamento e de tudo que aconteceu.

 

– Como se eu não lembrasse de todas as vezes em que você nos fazia perder os cabelos. – Ele deu uma risada e sentou no chão ao meu lado. – Eu me lembro de quando sua avó fez a cirurgia, era de... do que era mesmo?

 

– Do coração, ela tinha que colocar um marca-passo. – Abracei minhas pernas encostando a cabeça nos joelhos. – A cirurgia correu bem, apesar de tudo.

 

– Isso, você realmente tem uma boa memória. Apesar de ela não ter passado tanto tempo conosco, minha mãe foi feliz e meu pai também; você sempre dava atenção pra ela 24 horas, sempre com um sorriso no rosto, mas quando voltava pra casa você começava a chorar. – Ele afagou meu cabelo o bagunçando. – Ela sabia que você fazia isso, foi a primeira a perceber isso em você, Kookie. Então teve o velório e você ficou firme enquanto cuidava de mim, ai passou um ano e você cuidava do seu avô com todo cuidado até ele acabar ir morando com a senhora Min, daí você até hoje cuida dela com todo o carinho que também tinha com sua avó.

 

– Não é todo dia que você tem outra oportunidade de retribuir um amor de vó. – Sorri apesar da aura triste de agora. – Eu só estou com um pressentimento ruim, sei lá... Só estou com medo que o Tae se afaste.

 

Nem meu pai e nem eu falamos mais nada, eram tantas coisas acontecendo que não dava nem pra organizar direito os fatos. Ainda passei um bom tempo deitado na grama, aos poucos o tempo se fechou até ver a última estrela sumir, saindo só quando a chuva/neve começasse a cair.

 

 

(...)

 

 

Olhei para a neve sem muita motivação, por algum motivo as aulas de hoje tinham sido canceladas e talvez amanhã também não tivesse aula, então Namjoon hyung chamou todo mundo para ir ao cybercafé.

 

You: Eu vou demorar um pouco para chegar ai, acabei de acordar.

 

Hope: Nossa, Kookie, apressa o passo que só falta você chegar.

 

You: Só vou tomar banho e já vou hyung

You: Chego ai em 15 minutos

 

Jimin: Meu amigo é dos velozes e furiosos, só toma cuidado que a pista está escorregadia.

 

Revirei os olhos e fui para o banheiro, não demorei nem cinco minutos e já estava trocado com uma roupa de frio pra andar na moto e de coturno. Avisei a minha mãe que iria encontrar os meninos e acariciei o Cho, sai de casa indo para a garagem pegar a moto. De relance olhei para a casa dos Kim agora sem muita alegria, suspirei colocando o capacete e montando na moto, mandei uma última mensagem para os meninos e sai dali.

A neve tinha acumulado em alguns pontos formando montinhos pequenos, as árvores até que tinham um encanto diferente quando estavam cobertas pela massa branca, se não fossem as preocupações ficaria feliz em brincar na neve novamente. Na entrada do shopping me assustei assim que ouvi a sirene de algum carro do socorro que passou ao meu lado, deveria ser outra pessoa que bateu o carro ou caiu por causa da neve. Como eu sou curioso não me controlei em seguir o carro que estava indo para o lado contrário do hospital mais próximo, realmente foi um acidente de carro, então estacionei a moto e fui para mais perto e a cada momento meu coração dizia para não me aproximar, até que eu vi a placa do carro preto.

 

– Pai!

 

 

(...)

 

 

– Idiota, não acredito que por causa de uma audiência ele sofreu uma acidente novamente. – Disse para Suga hyung enquanto andava de um lado para o outro. – Sorte dele que não sofreu nada, depois ele fala pra mim não correr na moto.

 

Eu já estava no cybercafé há alguns minutos depois de sair do hospital, os meninos estavam jogando Dark War que nem notaram minha chegada, e isso incluía Taehyung que estava todo animado enquanto jogava.

 

– Você vai fazer um buraco no chão se não parar, seu pai tá bem e isso é o que importa. – Suga hyung falou. Suspirei e me joguei em uma cadeira ao seu lado no caixa. – Quer que eu faça algo pra você?

 

– Não, eu estou bem. Só estou um pouco cansado de tanta preocupação, escola eu já mandei para o submundo e não quero mais nem saber disso essa semana. – Olhei para o mais velho e ele fez uma careta que nos fez rir. – Que trocar de personalidade comigo, hyung?

 

– Nem morto, deixa minha personalidade pura comigo. – Ele fez uma expressão teatral de inocência.

 

– Puramente safada! – Escutei ser xingado, mas ignorei e fui até os computadores, abracei meu namorado por trás dando um pequeno susto nele. – Hobi, usa a invisibilidade pra atormentar o inimigo e Jimin pega a base facilmente.

 

 

Kim Taehyung on

 

– Aee, deu certo! – Hoseok praticamente gritou ao meu lado.

 

– Vem jogar com a gente, Kookie! – Jimin fala animado do outro lado.

 

– Não estou com muito animo... – o mais novo respondeu.

 

– Aconteceu alguma coisa, amor? – Pergunto e levanto a cabeça para ele.

 

– Algumas... Uma delas é que meu pai sofreu um acidente há pouco tempo...

 

– MEU DEUS, COMO É QUE ELE TÁ? – Pergunto exasperado, vendo que o assustei um pouco.

 

– Calma, ele tá bem agora... – ele falou com um sorriso confortante que não durou muito tempo.

 

– Vocês vão ficar aqui mais tempo? – Hoseok pergunta depois de alguns instantes em silêncio.

 

– Queria, mas tenho que estudar. Aish, esse maldito vestibular! – Namjoon fala emburrado.

 

– Falou um dos garotos mais inteligentes... – Hoseok falou e pegou a mochila, já deslogando do jogo. – Enfim, vou indo também.

 

– Quer ir lá pra casa pra gente estudar juntos?

 

– Não, obrigado. – Hoseok sorriu de lado. – Vou ficar um tempinho a mais aqui no shopping. Até mais!

 

E sem mais, ele se foi, deixando todos confusos. Menos, é claro, o Jimin.

 

– Quem vocês acham que ele vai encontrar? – Ele pergunta aleatoriamente e quando percebe que ninguém sabe responder, revira os olhos e se levanta. – Vocês são tão lentos...

 

Ele vai até o balcão conversar com o Suga hyung e Namjoon decidiu que não ia ficar sobrando ali, então foi embora, me deixando sozinho naquele espaço com o Jungkook.

 

– Você tá bem mesmo? – Pergunto receoso, puxando uma cadeira para mais perto de mim e fazendo sinal para que ele se sente.

 

– Mais ou menos. – Ele fala chateado ao se sentar. – A maior parte é preocupação.

 

– Seu pai vai ficar bem, Kookie, você mesmo disse que não foi nada demais! – Falo baixinho, mas mostrando um sorriso.

 

– Não é só isso, hyung... – ele morde o lábio incerto e depois puxa a minha mão, entrelaçando os nossos dedos. – Eu estou preocupado com você. Você está... Distante. Não nos falamos desde ontem.

 

– Não é nada demais.

 

– Promete?

 

– Prometo. – Sorrio de lado e ele acompanha meu sorriso, só que dessa vez, mais abertamente.

 

– Quer assistir algum filme no cinema?

 

 

 

(...)

 

 

 

 

O dia foi melhor do que eu esperava, depois do cinema eu e o Kookie ficamos de bobeira. A neve não piorou muito, mas segundo a minha mãe, vai cair uma nevasca hoje à noite, então não podia ficar até muito tarde fora.

Quando eu me despedi do Jungkook na porta da minha casa, encontrei minha mãe na mesa da cozinha olhando alguns papéis.

 

– Muito trabalho, mãezinha? – Pergunto carinhoso, indo até ela deixar um beijo em sua testa.

 

– Mais ou menos... – ela respondeu com um sorriso fraco.

 

– Vai esfriar mais. – Olhei de relance pela janela, vendo o tempo lá fora. – Vou fazer um chá para nós dois.

 

Vou até o balcão e começo a preparar a bebida, enquanto minha mãe continua o assunto.

 

– Eu vou conseguir o divórcio. – Ela falou simplesmente.

 

– Conseguiu convencer ele?

 

– Ele terá que me dar por bem ou por mal. Ele estava relutante, mas então consegui reunir documentos que comprovam a pensão atrasada dele. Ou o divórcio, ou a cadeia. Ele escolheu divórcio.

 

– O senhor Kim deve estar feliz com a notícia. – Sorri e olhei para ela. – Me refiro ao pai do Namjoon, a gente já sabe que vocês estavam saindo juntos.

 

– Isso é embaraço de falar com vocês.... – ela falou um pouco envergonhada.

 

– Tá tudo bem, mãe! – Falei animado. – O pai do Namjoon é bem legal, eu gosto dele. Só acho que vão ser estranhas as reuniões de famílias, já que o Namjoon e o Jin hyung namoram e tal...

 

– O Jin não tinha me contado ainda, mas eu já sabia e...

 

– Eu ouvi direito isso? – A voz masculina se fez presente e quando levantei o olhar, vi que era meu pai entrando no cômodo. – O Seokjin... Namora um garoto? Quem é esse Namjoon? – Ele não gritava, mas havia raiva em sua fala. Nenhum de nós responde, então ele eleva a voz. – Por que não me respondem?

 

– Sim, é verdade. – Minha mãe responde ríspida e se levanta para encará-lo. – Qual o problema?

 

– Foi assim que você criou eles, Chaerin? – Ele se aproximou e desferiu uma tapa no rosto da minha mãe, eu teria feito alguma coisa se não estivesse imóvel pelo choque.

 

– Como... Você... Ousa? – Minha mãe levantou o rosto aos poucos e preparou-se para retrucar a tapa, mas foi impedida pela mão pesada do homem mais velho.

 

– Eu não quero ver aquele moleque nunca mais na minha casa. Você vai embora daqui com aquele seu namorado patético e se quiser, leve o Seokjin com você. – Ele cuspia as palavras com tanta brutalidade de uma forma psicótica perto do rosto da minha mãe que eu estava sentindo minhas pernas tremerem de medo. – O Taehyung vai ficar comigo. Ele não pode ficar perto de uma má influência como você ou o seu outro filho.

 

Eu podia ver uma lágrima escorrendo pela bochecha da minha mãe, mas ela mesmo assim sorriu de lado e de reergueu, ficando mais próxima do rosto do outro e cuspindo no mesmo.

 

– Você não presta. – Ela disse de maneira ácida, mas isso só serviu para aumentar a ira dele.

 

Ele a jogou com força contra a parede e se preparou para socar o rosto dela, foi quando meu corpo conseguiu reagir. Sem pensar muito, eu apenas aproveitei que estava com luvas e tirei a chaleira com água fervente do fogão e me aproximei dele, jogando água em seu corpo. Ele gritou de dor e pude ver sua pele vermelha queimando, mas pelo menos ele se afastou dela.

Deixei cair sem mais nem menos a chaleira no chão, derramando a água que ainda havia nela e puxei a minha mãe para fora de casa, correndo sem rumo. O homem ali ainda nos seguiu até a entrada, mas parou por algum motivo, devia ser pelas pessoas que estavam caminhando na vizinhança.

Não dava tempo de raciocinar direito, apenas continuamos correndo até eu pensar em um local. Talvez não fosse a melhor coisa do mundo ir agora para a casa do Namjoon, o pai dele ia ficar possesso, mas era o que dava agora. Eu não queria envolver o Jungkook nisso. Ele não merecia se preocupar com isso.

A neve caía mais forte quando chegamos à casa do Namjoon, que atendeu a porta, preocupado. Ele nos deu passagem para entrar e vi Jin hyung no sofá, que ficou automaticamente preocupado ao nos ver alí.

 

– Você não vai acreditar no que aconteceu. – Falei, só então percebendo a minha voz chorosa e o meu corpo trêmulo pelo medo e pelo frio.


Notas Finais


O que acharam?
Sinceramente eu tive muita raiva desse projeto de homem, além de machista é homofóbico. Acham que ele vai ser preso logo ou ainda vai demorar um pouco?
O pai o Jungkook é meio apressado e olha no que deu -.-
Mas falando em Jungkook, será que ele vai dar a louca com o projeto de homem ou não?

Enfim, até mais gente, no final de semana tem a continuação... Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...