História The One - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez
Visualizações 483
Palavras 2.339
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - A culpa não é minha se você é um idiota.


Fanfic / Fanfiction The One - Capítulo 13 - A culpa não é minha se você é um idiota.

Eu odiava me sentir assim. Vulnerável. Vulnerável ao ponto de eu ter de vir correr até aos braços de Ashley e Michael e chorar no colo de minha amiga, enquanto tenho Michael afagando meus cabelos, dizendo que estava tudo bem.

Não, não estava tudo bem. Meu marido tinha acabado de falar que a mulher que o abandonou, que o privou de ver o nascimento da sua filha e um ano da sua vida e que nunca realmente o amou assim tanto como ele a tinha amado – e ainda ama, é a pessoa que ele mais amou na sua vida.

Como é suposto estar tudo bem depois disto?

— Depois de quinze anos juntos, não sei como ele teve coragem de falar aquilo. Bem ao meu lado. Será que todos estes anos não significam nada para ele? — reclamo. — Eu em cinco anos vi ele apaixonado por minha melhor amiga e ela por ele, enquanto eu tive que esconder o que sentia para a felicidade deles. Por um ano tive de deixar de lado o que sentia para cuidar dele, pois sentia que esse era o meu dever. Tenho-o amando por vinte anos para ele chegar e dizer uma coisa dessas, como se eu não valesse nada. Como se o que eu fiz significasse zero para ele. 

— Eu acho que não é bem assim. Vocês são tão felizes juntos, acredito que tenha saído de boca para fora.

— Estou tão irritada, eu nem quis ouvir o que ele tinha para falar. Eu peguei nas minhas coisas e fui embora, sem ao menos dizer algo a ele! O pior foi ter de dizer a Thylane que ela não podia vir comigo, pois ela não é minha filha. Sabe o quão doloroso foi ter de ir embora depois de falar uma coisa dessas? Ela é minha filha sim. A luz dos meus olhos.

Limpo as lágrimas de meu rosto e solto um longo suspiro, encarando Adrien, que dorme tranquilamente no seu ovo.

— Eu tenho de falar com Thylane, lhe pedir desculpas pelo que falei. Mas não quero ver Justin à minha frente.

— Quer que eu a vá buscar? — Jasmine pergunta, mas eu nego.

— Thylane vai me procurar. Eu conheço-a.


No dia seguinte.
12h50PM.

Suspiro frustrada, ao ver que já tinham passado quinze minutos desde a hora que eu e Thylane combinávamos todas as quartas-feiras para nos encontrar. Apesar de não ser quarta, eu pensava que a mesma vinha ter comigo após o que tinha acontecido.

Afinal, estava enganada.

Arrumo as minhas coisas e me levanto, vestindo meu blazer. Antes que pudesse pegar na minha mala, a porta se abre repentinamente e uns cabelos loiros preenchem o meu campo de visão, até a pequena garota se virar e eu me deparar com os olhos azuis oceânicos.

— Nunca mais diga que você não é minha mãe. Você me criou, me ensinou a falar, andar, me ensinou a andar numa bicicleta, até de patins e nem você mesmo sabia.  No primeiro dia de aulas, eu chorei agarrada na sua perna pois não queria me separar de você. Quando caí e tive de ir ao hospital, eu chorei querendo que você estivesse ao meu lado pois achava que eu ia ser operada, e você esteve lá, do meu lado enquanto o médico fazia pontos na minha cabeça. Se você não é minha mãe, então é o quê? Pois eu não lhe vejo como uma madrasta. Você não é digna desse cargo, por isso, nunca mais volte a repetir o que disse ontem.

Sorrio para ela e abro meus braços, sentindo eles serem preenchidos segundos depois pela garota que me aperta fortemente contra seu corpo. Despejo vários beijos na sua cabeça, não a querendo soltar nunca mais.

— Não quis que aquilo soasse daquela forma. Você é a minha garota, o meu tesouro. Mas não era justo para o seu pai, eu sair e levar você comigo. Eu lhe criei como uma filha, você cresceu me vendo como uma mãe, mas não é como se eu pudesse ter uma discussão com seu pai e pegar em você e ir embora, entende? — ela assente. — Com Adrien... Eu consigo uma certa posse sobre ele, mas não conseguia fazer o mesmo com você, por mais doloroso que foi ter de lhe deixar ali.

— Eu entendo, só não gostei do que falou. — murmuro um desculpa, enquanto a aperto ainda mais contra mim. — Agora, quando é que vai voltar para casa?

— Não assim tão cedo. — lhe garanto. Ela faz uma cara triste e me afasto dela, me sentando em cima da minha mesa. — Thy... O que seu pai falou me magoou, imenso, mesmo que não fosse a intenção dele e a frase tenha saído de uma forma errada. Ele devia ter pensado duas vezes antes de dizer tal coisa e sua atitude naquela noite não foi das melhores. Ele não me terá assim tão fácil.

— Então você... Pretende fazê-lo sofrer, é isso?

— Não, não pretendo fazer seu pai sofrer. — ela me encara desconfiava, e isso me faz soltar uma pequena risada. — Certo, talvez esteja tentando fazer seu pai sofrer, mas não é esse o ponto... Não quero que ele pense que ele pode falar uma coisa dessas, vir até mim com flores, chocolates e palavras mansas e achar que me têm de volta.

— Se é o que você quer, eu não farei nada sobre isso. Mas espero que saiba que enquanto você estiver fora, eu estarei aqui todos os dias à hora de almoço. Não irá se livrar assim tão rápido de mim, mamã.

— Ainda bem, ou então cortaria seu pescoço juntamente com o do seu pai.

Arrumo as minha coisas, e pego na minha mala caminhando até Thylane. Entrelaçamos nossas mãos e saímos juntos do meu escritório, para irmos almoçar juntas.


Thylane Bieber POV.
09h20PM.

Cruzo meus braços, enquanto tenho meu olhar sério para papai, que me faz perguntas sobre mamãe. Eu não iria responder a nenhuma delas, não importa o quanto ele implorasse. Ele podia se colocar de joelhos, eu não teria mercê. Aprendi isso com mamãe, a não ser submissa a nenhum homem, isto, incluindo meu pai.

— Eu faço o que você quiser, Thylane.

— Ah, estou bem assim. — dou de ombros.

— Posso lhe aumentar a sua mesada.

— Está tentando me subornar? — pergunto incrédula, e ele sorri para mim. — Além disso, caso não se lembre, mamãe que me dá a mesada. Você só paga as minhas aulas de ballet.

— Quando é que ela lhe dá de mesada?

— Cinquenta dólares.

— Porquê que eu fico com o que se gasta mais?

— Porque mamãe quem manda nesta casa. — digo.

— Mas sua mãe não está aqui, por isso, eu que mando a partir de agora. — assinto, esperando que ele diga algo. — Certo, então... Hm... Você está de castigo.

Solto uma gargalhada, que acredito que tenha sido ouvida pelos vizinhos enquanto papai me encara confuso. Era engraçado ver ele tentando ter controlo de tudo, normalmente, mamãe que fazia isso tudo. Papai só ficava irritado quando o assunto era garotos, tirando isso, era engraçado ver ele fazendo o papel de patriarca.

— Estou de castigo porquê?

— Pelo facto de que você não me diz o que você e sua mãe falaram hoje. Eu tenho saber dessas coisas, como é que eu a vou ter de volta?

A culpa não é minha se você é um idiota. — posso ver meu pai ficar irritado e arregalo meus olhos, após ter dado conta do que disse. — Me desculpe, esqueci-me que você ainda é meu pai.

— Não abuse da minha falta de poder, Thylane Bieber.

— Se você quer ter mamãe de volta, a melhor coisa que eu posso dizer é para você esperar. — sinto seus ombros relaxarem e ele se deconsta da parede, prestando atenção em mim. — Ela está irritada, mas especialmente, magoada. Eu vi isso nos seus olhos, mesmo que ela me quis garantir que está tudo bem. Não está, ela sente-se uma substituta.

— De Bárbara? — assinto. — Eu nunca quis que ela se sentisse assim.

— Eu sei disso, e lá no fundo, ela sabe disso. Mas espere uns dias, depois apareça e converse apenas. Não faça a típica surpresa com rosas, chocolates ou bijuteria. Mamãe não quer isso. Ela quer uma explicação, um pedido de desculpas.

— Você é tão esperta. — ele diz, beijando minha testa.

— Não tirei isso de você, tenho a certeza.

— Infelizmente, sei disso. Você tirou dela.

— Dela, quem? Bárbara ou Selena?

Ele fica pensativo durante um tempo, pensando na sua resposta. Ele olha para mim e sorri.

— Das duas.

 

Alguns dias depois.

Tento conter meu sorriso enquanto vejo o treino de James, e cada vez que o mesmo encestava ele olhava para mim, me mandando um beijo. Nós estávamos cada vez mais próximos, passávamos mais tempo juntos e sempre que nos afastamos ele se despede de mim com um beijo. Poderia dizer que estamos numa relação, mas ele ainda não me pediu em namoro e isso me deixa com um pé atrás, pois não sei se é isso que ele quer, mesmo depois das coisas amorosas que ele falou sobre mim e sobre o que sente sobre mim a meus pais.

Afinal, podia ser apenas conversa. Apesar de ele não parecer alguém que faz algo desse género.

— Thylane! — dou um pulo devido ao susto que apanhei quando ouço Ameera me chamar e olho para a mesma. — Nós vamos ao shopping, vem connosco ou não?

Fico encarando Ameera e Chloé, antes de voltar meu olhar para James. A verdade é que eu estava passando demasiado tempo com ele, que esquecia que tinha amigas também, e uma vida antes de o conhecer. Acredito que perder um treino dele não o iria deixar chateado,ou algo do género.

— Me deixem apenas despedir de James, vou ter com vocês assim que puder.

Elas assentem e assim que as mesmas vão embora, eu me levanto chamando a atenção do garoto de cabelos ruivos. Ele pede para fazerem uma pequena pausa e vem ter comigo, com o seu sorriso charmoso.

— Já vai embora?

— Vou sair com Ameera e Chloé.

— Pode sair com elas outro dia, ter você aqui comigo no treino me deixa mais motivado e com forças de jogar.

— Um treino sem mim aqui não lhe fará mal. — dou de ombros, indiferente. — Já posso ir?

— E meu beijo?

De braços cruzados, beijo sua bochecha suada e dou meia-volta, indo embora. Me junto às garotas no carro de Ameera e me atiro para o banco de trás, cruzando meus braços irritada.

— Problemas no paraíso, Barbie? — Ameera me encara pelo espelho e solta uma pequena risada. — O que James fez?

— Eu não sei se ele gosta assim tanto de mim como eu pensava.

— E porque diz isso?

— Depois do jantar na casa dos meus pais, eu achei que ele fosse me pedir em namoro, mas até hoje isso não aconteceu e ele continua agindo como se isso não fosse um problema para nós os dois.

— Então peça você, Barbie.

— Eu? Posso fazer isso? — pergunto confusa e Ameera ri de mim.

— Estamos no século 21, você pode fazer tudo. As mulheres estão dominando o mundo. Aliás, eu serei a próxima. Irei criar meu império e pisar no pinto de todos os homens que tentarem se aproveitar disso.

— Você é louca! — digo, entre risos.

Durante o caminho todo até ao shopping, fico pensando no que Ameera disse. Eu podia tomar a iniciativa, mas só de imaginar ser eu a fazê-lo, ficava cheia de medo. E se ele falasse que não? Não sei se seria capaz de aguentar com tamanha decepção.

 

[...]

 

Esfrego meus braços devido ao frio que sinto quando vou para fora de casa, indo ter com James. Meu pai tinha acabado de sair indo ter com tio Ryan, então não havia chances de nós sermos apanhados por ele.

— O que está aqui fazendo?

— Eu notei que está meio estranha comigo. Fiz algo para deixar você assim?

— Não fez nada, James. Se é em relação a isso pode ir embora.

— Está chateada. Algo aconteceu. Fale comigo. É devido aos seus pais?

— Porquê que ainda não me pediu em namoro? — disparo. Ele não demonstra reação nenhuma à minha pergunta. — Se apercebeu que não gosta assim tanto de mim? Ou sou apenas mais uma?

— Mais uma? — ele ri. — Não existe outra, Thylane. Eu gosto de você, você gosta de mim... Achei que não fosse necessário isso, pedir você em namoro.

— Claro que é necessário. Isso me faz achar que não sou assim tão importante para você.

— Nunca foi a minha intenção fazer isso. Me desculpe.

Deposito um beijo na sua bochecha e dou meia-volta, para entrar novamente em casa mas ele agarra meu braço, me virando novamente para a frente dele.

— Quer namorar comigo?

Sorrio, e sem dizer nada digo que sim com minha cabeça e ele se aproxima pouco a pouco de mim, colando seus lábios nos meus por segundos e abraço-o.

Me sinto feliz.


Justin Bieber POV.
20h50PM.

Termino de fazer o pedido e entrego o cardápio para a garçonete, e espero Ryan terminar o seu pedido também, para que pudesse conversar com ele. Cinco dias. Não conversava nem sabia de Selena por cinco dias e acredito que estou ficando louco. Precisava falar com ela, me desculpar pelo que disse. Ela é o amor da minha vida, não posso deixá-la partir assim.

— Como é que ela está? — pergunto.

— Ótima, eu acho. — Ryan responde. — Mas Selena não se abre muito sobre o que se sente, especialmente comigo. Se quer falar sobre ela devia ter chamado Ashley, não a mim.

— Ashley não viria. Eu conheço a sua namorada, achei que o melhor era nem arriscar. — rio fraco.

Quando olho para Ryan, ele tem a sua cara séria enquanto tem o seu olhar fixado num certo ponto. Arqueio minha sobrancelha confuso e lentamente viro meu corpo. Meu corpo todo ferve e sinto que a qualquer momento entro em erupção, especialmente quando vejo o sorriso que ela dá para o homem ao seu lado, enquanto ele tem uma de suas mãos pousada na cintura da mesma, acompanhando-a até a sua mesa.

Eu não acredito no que estou vendo. Minha Selena está com outro homem.


Notas Finais


ALOHA! Acho que vim rápido, em comparação com as outras fanfics KKK. Eu estou com preguiça de escrevê-las, especialmente Tattooed Heart. Eu tinha o epílogo quase pronto quando a luz de casa vai abaixo, e adivinhem? Eu não tinha a bateria ligada no meu note, o que me fez perder tudo. Fiquei desapontada e sem vontade de escrever. Ainda assim, vou trazer o epílogo ainda este mês.
Vamos agora falar sobre The One. Não houve bem Jelena, mas eu amei este capítulo, especialmente, a cena entre Thylane e Justin em que o mesmo tenta ter controlo sobre ela e a mesma não deixa. Hilariante esses dois, amo demais. 💙 A relação que Thylane tem com os seus pais é linda demais, uma família dessas!
Já deu para ver que no próximo capítulo terá barraco, não é? Justin não vai acusar Selena de nada, sabe que a mesma seria incapaz de ser infiel para ele. Será apenas ciúmes por estar cinco dias longe dela e de repente ver ela com outro homem. Ainda não sei quem será o homem com quem Justin viu Selena com. Aceito sugestões nos comentários, mesmo que o cara irá aparecer por um capítulo. 👇

Eu comecei uma fanfic nova, chamada Beyond The Lights. Justin e Selena são famosos no mesmo, o que é um pouco diferente do que costumo escrever começando já por ai. É uma fanfic que sempre quis partilhar aqui no site, mas sempre tive receio que não gostassem assim tanto dela. Irei deixar aqui o link (para aqueles que ainda não leram) e espero que gostem dela assim como eu gosto de escrevê-la. https://spiritfanfics.com/historia/beyond-the-lights-10673753
(Além disso, acredito que estarei vindo com outra fanfic também. Nada me pára, sou a Kim Possible (é assim em português de portugal, não me julguem).
Irei responder agora aos comentários do capítulo anterior, espero que vocês tenham gostado desde capítulo. Um beijo para todos vocês, vos vejo no próximo capítulo. 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...