1. Spirit Fanfics >
  2. The Only Hope For Me Is You >
  3. Friends

História The Only Hope For Me Is You - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Oii babies, tudo bem? Cheguei com o capítulo da semana, espero que gostem!

Boa leitura.

Capítulo 3 - Friends


Friends

(…)

-Me desculpe por isso, eles não se ligam às vezes. Mas então, onde estávamos? - Matt estava cada vez mais próximo, acho que por conta do volume da música. Mas a cara da Cristina dizia o contrário. Ela nos observava de não muito longe e seus olhos insinuavam o que eu mais temia: ela me conhece suficientemente bem para saber que eu estava gostando disso.

-Ah, tudo bem. - Sorri gentil e fui acompanhada por ele. Dio mio, como ele é lindo! - Você dizia que temos muito em comum por sermos amigos do Marco.

-Claro. Mas então, Florence, pelo nome e sotaque você não é daqui, certo? - Apoiou os cotovelos na grade onde estávamos e envolveu o rosto com as duas mãos, olhando-me diretamente com aqueles belos olhos verdes brilhando devido à luz do ambiente.

-Sou da Itália. Milão, mais especificamente.

-Você está parecendo um pouco envergonhada falando comigo. Estou de incomodando? - Levantou uma sobrancelha.

-Não, de jeito nenhum! - Droga, respondi rápido de mais e ele percebeu isso. 

-Depois que o show acabar você aceita ir tomar um suco comigo? - Antes que eu pudesse responder, uma voz meio embreagada sobressaiu atrás de nós, nos assustando um pouco.

-Um suco?! Matthew Charles Sanders, como você ousa chamar nossa coleguinha pra tomar um suco? - Era The Rev que estava inconformadíssimo. - Aprenda com o Mestre: querida, você quer ir tomar umas cervejas e comer uns salgadinhos no barzinho com a gente? - Sorriu para mim, como se fosse um adolescente chamando uma garota para ir ao baile do colégio.

-Jimmy, "com a gente" é muita gente envolvida na história. - Matt olhou para o amigo e disparou sarcástico.

-Então quer dizer que o senhor está querendo levar nossa bela dama pra beber sem a gente?! - Rev colocou a mão direita no peito, como se tivesse se ofendido com tal ato. - Moça, você até pode ir com ele, mas antes, aqui vai um conselho do tio Jimmy: ta vendo esse rapaz? - Apontou com a garrafa para Matt. - Ele não passa de um pistoleiro, pilantra e safado. Se as coisas ficarem estranhas e você sentir a mão boba e imensa dele, é só chamar que nós vamos te socorrer, não é Zacky? - Puxou o amigo que estava quieto até agora para a conversa.

-Ah, claro. É só chamar que nós vamos! - Zacky sorriu. - Mas aqui, deixe-me perguntar só uma coisa: nós vamos pra onde exatamente?

-Nós não vamos pra canto nenhum. - Disse Synyster. - Aliás vamos sim, nós vamos deixar vocês em paz meus queridos. Podem conversar sossegados. Ah, e você Matt, vê se não vai fazer nenhuma besteira! Lembre-se da Val… - Deu dois tapinhas no ombro do amigo e partiu levando os outros dois.

O que será que ele quis dizer com "vê se não vai fazer nenhuma besteira! Lembre-se da Val…"?

Essa conversa durou mais do que imaginei e quando percebi, o show já estava em sua reta final. Pude ouvir um "vamos?" vindo de Matt. Despedi-me de Cristina e a avisei que dalí iria com Matthew para um bar.

Saímos da casa de show e seguimos para uma espécie de pub que havia no final da rua, então nossa caminhada não durou mais do que cinco minutos.

Assim que entramos fomos para o segundo andar do estabelecimento, lá era mais reservado e o som não era tão alto.

-Matthew, posso te fazer uma pergunta? - Estava com um pouco de medo de parecer intrometida, mas o que Syn disse a pouco não sai da minha cabeça.

-Claro linda, o que quer saber? - Sorriu, incentivando-me a falar mais.

-Quem é Val? - Tenho certeza que nesse exato momento eu estava mais corada que o normal.

-Ah, bem… A Val é - Fez uma pausa e suspirou. - minha noiva. - Sorriu.

-Noiva? - Ok, eu esperava que fosse qualquer coisa, menos isso.

-Sim, mas não vamos falar sobre ela. - Deu por encerrado o assunto. - Conte-me mais sobre você…

Por um longo tempo eu não conseguia prestar muita atenção ao que ele me dizia, sempre que Matt abria a boca a única palavra que eu ouvia era "noiva". Eu não entendi o porquê disso, ele pareceu estar interessado em mim assim como eu fiquei por ele, mas esse homem tem uma noiva esperando por ele, enquanto eu estou aqui me iludindo achando que chamei a atenção de um cara como Matthew Sanders. Você não aprende nunca, não é Florence?! Apesar disso a conversa fluiu quase que normalmente, tanto que mais uma vez, não percebemos que já estava ficando tarde.

-Acho que preciso voltar pra casa. - Comentei olhando no relógio de parede que marcavam quase meia noite.

-Tudo bem, eu te levo. - Matt, depois de uma breve discussão sobre quem pagaria a conta, acertou o que devíamos ao bar e então me guiou até o seu carro.

O trajeto não foi muito longo, afinal ele conhecia muito bem a cidade e cortou caminho por algumas vias sem trânsito. Durante o caminho eu fui ouvindo histórias dele com seus amigos de mais cedo. Enfim chegamos ao meu prédio.

-Muito obrigada pela noite e pela carona, Matt. - Agradeci já tirando meu cinto de segurança e me preparando para despedir-me dele.

-Eu que te agradeço, Florence! Adorei te conhecer. Posso te mandar mensagem para conversar mais? 

-Claro. - Anotei meu número em seu celular e salvei-o no aparelho. - Pronto, agora você já tem como me achar. - Rimos juntos.

-Espero te ver de novo. Quero manter uma amizade contigo. 

Amizade?! Ele só pode estar brincando comigo… Em certa parte da noite ele me disse que está com problemas no noivado e que até pensou em se separar de Valary. Agora me vem com essa de "amizade". 

-Também espero te ver mais vezes. - Falei. - Tenha uma boa noite Matt, até mais!

-Até! - Demos um abraço de despedida e eu entrei no prédio. Até que eu passasse pelo hall de entrada Sanders ficou me observando, dando um tchauzinho por fim.

...

-Pode me contando tudo! - Foi a primeira coisa que ouvi quando entrei no meu apartamento.

-Nós fomos ao pub e conversamos. - Respondi não muito animada.

-Só isso?

-Sim, Cri, só isso. - Já estava indo para o meu quarto, mas Cristina bloqueou a passagem.

-Não rolou nem um beijinho? Nada?

-Você sabe que eu não beijo homens comprometidos. Agora deixe-me dormir, sim? 

-Não senhora, volta aqui e me conta direito essa história. - Sentamos no sofá e eu falei tudo pra ela: desde Matt ser vocalista de uma banda de heavy metal chamada Avenged Sevenfold, até o detalhe principal, a futura Sra. Sanders. 

-O pior de tudo é que ele quer que sejamos amigos, nada além de amigos! - Odiei, mas tive que admitir o que vinha sentido desde o momento que nos conhecemos no show do My Chemical Romance. Pelo menos Cristina não me julgaria por esse sentimento novo e repentino.

-Calma, deixe-me ver se eu entendi. O Matthew tem uma noiva chamada Valery e mesmo assim te chamou para sair e demonstrou interesse? - Assenti. - E você está gostando dele, apesar de tudo? - Concordei em silêncio. - É amiga, acho melhor você não vê-lo por algum tempo. Eu te conheço, se você se encontrar com ele novamente vai se apaixonar de verdade e nós sabemos que no fim das contas é a senhorita quem vai sofrer por isso.

Cri tem razão. Ela me conhece como ninguém.

-Se você não se importa amiga, eu vou para o quarto. Estou cansada e preciso dormir… Boa noite, amore mio

-Dorme bem ragazza. - Abraçou-me e em seguida eu fui para a minha cama, tentando entender o que aconteceu hoje.

Eu nunca senti isso antes, o Matt conseguiu mexer comigo em apenas algumas horas.


Notas Finais


E então, meus patinhos, o que acharam? Deixem aqui nos comentários a opinião de vocês sobre o capítulo de hoje e não se esqueçam, qualquer coisa é só me chamar no Instagram ou no Twitter: @itsfer_nanda

Até semana que vem 🖤🦆


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...