História The other side of paradise - Shameron - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Cameron Dallas, Camila Cabello, Carter Reynolds, Lauren Jauregui, Nash Grier, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Personagens Cameron Dallas, Camila Cabello, Carter Reynolds, Lauren Jauregui, Nash Grier, Personagens Originais, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Tags Cameron Dallas, Cash, Nash Grier, Shameron, Shawn Mendes
Visualizações 108
Palavras 1.903
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, LGBT, Romance e Novela, Saga, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem 💙 Leiam o próximo capítulo, aviso importante...

Capítulo 17 - The last day of our lives - Second part


Shawn Mendes

Sexta-feira - Dia do Baile

Eu estava desolado, meu mundo havia ido para os ares quando eu deixei aquele local, quando eu deixei o amor da minha vida nas mãos de uma pessoa que eu acreditava ser meu amigo mas era um inimigo.

- Cadê o Cameron? - Alice perguntou.

- Por que eu deveria saber? - digo irritado.

- Grosso, eu só perguntei - Alice disse frustrada.

- Me desculpa, eu não sei aonde ele está - minto.

- Você tá bem cara? - Carter perguntou.

- Acho que sim - forço um sorriso.

Uma música lenta começou a tocar, todos os casais estavam na pista de dança.

- Vou levar minha garota para dançar - Carter diz sorridente, apertando o meu ombro, eu forço um sorriso.

Vou pegar um ponche, quando me viro para encarar a pista de dança, vi Cameron e Nash dançando juntos.

Meu estômago embrulhou mas eu continuei encarando os dois, o Cameron me olhava com um pesar no olhar e eu sentia que o meu coração ia ser arrancado do meu peito e despedaçado, rasgado.

Eu sai dali, corri o mais rápido que pude até chegar no meu carro, parei ao lado dele e encostei. Estava chorando descontroladamente, o barulho da música abafava uma boa parte dos meus gritos e soluços.

Me controlei, entrei no carro e começei a dirigir, procurei um rumo mas decidi parar em uma praça, me sentei em um banquinho e fiquei encarando as estrelas em um choro silencioso.

- Não são lindas? - ouvi umas voz que masculina que me fez assustar - As estrelas?

Era um garoto, parecia ser um pouco mais novo, tinha olhos castanhos e cabelos pretos e sorria.

- É, são mesmo - confirmei voltando a encarar o céu.

- Posso me sentar? - o garoto perguntou.

- Claro - respondi calmo.

- Você estava chorando, eu sei que não é da minha conta e que você deve me achar um idiota por estar me intrometendo... - o garoto continua - Mas eu gosto de ouvir os problemas dos outros.

- É, com certeza você é um idiota por estar se intrometendo - digo rindo e o garoto também ri.

- Achei ofensivo, mas mesmo assim vou ficar aqui esperando você me contar o motivo de seus olhos estarem vermelhos - o garoto disse, ainda com um sorriso cativante no rosto.

- Você não desiste fácil em, então vamos lá... - digo limpando a garganta - Eu tenho um amigo chamado Nash, ele é bissexual e eu tenho um vizinho chamado Cameron...

Continuei contando a história drástica de um amor que deu errado para aquele garoto desconhecido, que parecia atento e focado em tudo que eu falava, as vezes demonstrando algumas reações de surpresa.

- Não que eu goste de spoilers, mas você deveria ter me falado no começo da história que o Nash não era um bom amigo - o garoto disse incrédulo - Ele parecia tão fofinho, já estava até shippando ele com o Cameron.

Encarei o garoto, fazendo uma careta pela última frase que ele falou.

Mas ele continuou.

- Mas agora eu shippo vocês dois, "shameron" - o garoto pronunciou como se fosse uma propaganda de um produto.

- Mas o quê? - o questionei rindo - Shameron?

- Shawn mais Cameron é igual á shameron - ele disse convicto.

- É, não é ruim - disse sorrindo.

- Você está perdidamente apaixonado por aquele garoto - ele disse quase gritando, tive que censurá-lo.

- Shhhhh - disse fazendo o sinal com a boca.

- Ok, ok - o garoto sorriu mais uma vez - Tenho que ir, amanhã eu vou viajar e acordo cedo, não sinta minha falta, domingo eu volto.

Ele se levantou.

- Espera - digo me levantando também - Como é o seu nome?

- Mateo - Mateo respondeu.

- Ok, tchau - disse o cumprimentando.

Mateo saiu andando mas parou e se virou.

- Me empresta seu celular - ele disse, voltando para onde eu estava.

- Para quê? - pergunto confuso.

- Vai logo! - Mateo diz apressado.

Peguei meu celular e entreguei em suas mãos após desbloquear, ouvi barulhos das teclas de celular e depois ele me entregou.

- Pronto, se quiser conversar é só procurar pelo Mateo Guttierrez e boa sorte com o Cameron - Mateo disse sorrindo.

Eu retribui o sorriso e vi ele se afastar.

Sábado - Um dia após o baile...

Eu tinha que arriscar, não podia perder ele de uma forma tão fácil e para uma pessoa tão manipuladora como o Nash.

Agora eu tenho certeza dos meus sentimentos; eu amo o Cameron, eu amo o jeito tímido e ousado ao mesmo tempo, seu sorriso quando consegue algo e até mesmo seu jeito concentrado nos estudos.

A porta se abre, mas não era ele quem estava lá e sim a Sra. Dallas.

- Oi Sra. Dallas, eu posso... - sou interrompido.

- Não, você não pode entrar, alguem de vocês magoaram o coração do meu menino  - ela disse de forma hostil - Eu não sei quem foi e o que fizeram, mas ele não quer ver ou conversar com ninguém.

- E-Eu... - apenas me virei e sai dali sem completar a frase.

Corri para o meu quarto e me joguei em minha cama, atordoado por esse sentimento, esse sentimento de perda que se apoderou de mim. Me senti um derrotado, estava sem forças para lutar contra esse sentimentos.

Peguei o meu celular e procurei na lista de contatos um número que já sabia que iria encontrar.

Ligação

Mateo: Alô?

Shawn: Mateo? É você?

Mateo: Shawn, não é? Sim sou eu.

Shawn: Eu preciso conversar...

Ficamos conversando quase o dia inteiro, ele me ouviu em cada detalhe, me apoiou e principalmente, deu sua opinião de forma imparcial e que não me magoasse.

Domingo - Dois dias após o baile...

- Que bom que aceitou se encontrar comigo - disse sorrindo.

- O que eu não faço para ouvir seus problemas? - Mateo brincou.

- Que tal ouvir meus problemas comendo um hot-dog? - pergunto.

- Amo ouvir seus problemas - ele diz novamente brincando.

Eu comprei  hot-dog's para nós dois e começamos a caminhar por aquela pequena praça que mais lembrava a um bosque.

- Por que você não tenta esquecê-lo? - Mateo perguntou.

- Eu não consigo e nem devo, eu amo ele e... - sou interrompido por Mateo selando nossos lábios.

Eu empurro um pouco, não tão forte para que o mesmo caia.

- Você está louco? - pergunto.

- Eu pensei que você também queria... - Mateo se explicou.

- Eu acabei de falar do homem que eu amo para você - expliquei um tanto exaltado.

- Pensei que fosse um truque para conseguir algo comigo - Mateo também estava exaltado.

- Mas foi você quem veio falar comigo... - respondi irritado, tentando procurar um sentido para tudo isso.

- Foda-se, finge que nunca nos conheçemos e apaga o meu número - Mateo sai irritado.

- Como você quiser!! - gritei irritado.

Eu fui manipulado, enquanto eu imagina ter um amigo que eu pudesse confiar, ele queria algo a mais e novamente eu perdi uma amizade pelo "amor".

Assim que cheguei em casa encontrei meus pais gritando mais uma vez, mas dessa vez havia algo diferente, um som próximo a mim.

Me aproximei do armário onde colocavamos casacos, blusas de frio, cachecois e alguns tênis; ao abrir vi a pior cena que alguém poderia ver, minha irmãzinha encolhida em um canto, chorando.

Me sentei ao lado dela e a puxei para o meu colo, ela me abraçou e eu até tentei confortá-la e dizer que tudo iria ficar bem, mas não consegui e chorei junto a ela.

Aquele foi o pior final de semana da minha vida, passei o restante do domingo deitado com a minha irmã no meu quarto, vendo desenhos animados e comendo besteira mas os meus pensamentos estavam distantes.

Segunda-feira - Três dias após o baile...

Acordei com a minha mãe me chamando e perguntando se eu ia para a escola, acho que ela percebeu que eu não estava bem, talvez pela cara de choro ou pelas olheiras dos dias mal dormidos desde o baile.

Após confirmar que não estava me sentindo bem, apesar de não ser uma mentira por inteiro, mas fisicamente eu poderia ir para a escola numa boa.

Eu me sentia traído, o Nash, meu irmão e melhor amigo me apunhalou pelas costas; tudo bem que o Cameron e eu não deviamos termos nos beijado antes de falar com ele, mas ele tratou o Cameron como se os dois nunca tivessem tido nada.

Quando o Cameron me falou que ficaria com o Taylor só pela forma como o Nash o tratava, eu fiquei com ciúmes, mas não somente com ciúmes do Taylor. Ele machucaria os sentimentos de outras pessoas por causa daquele babaca, eu queria isso pra mim, eu quero.

Ser gay, bissexual ou seja lá o que eu sou é muito novo para mim; mas não é o que importa, acho que eu tinha que conhecer o Cameron, mesmo se ele fosse uma mulher ou uma borboleta que pousou no meu ombro. Eu não quero um homem, uma mulher ou uma borboleta.

Eu quero o Cameron.

Eu levanto da cama disposto a me arriscar, mas sinto uma tontura e caio no chão, meus olhos vão se fechando aos poucos.

                       ••

Acordo com uma enorme dor de cabeça e quando viro meu olhar para o outro lado do quarto, vejo meu pai e o médico da família me encarando sérios.

- O que houve? - pergunto.

- O que houve? Você foi irresponsável Shawn, não se alimentou direito e desmaiou - meu pai disse irritado - Sorte a sua que eu ouvi o estrondo e vim verificar.

- Calma Sr. Mendes, foi só um mal estar, ele já está bem - disse o Dr. Karev - Agora dê a ele a sopa e ele ficará melhor.

- Obrigado Dr. Karev - meu pai o agradece, os dois saem.

Pego o meu celular e verifico as horas, são 11:50 a.m., daqui a trinta minutos bate o último sinal. Me levanto da cama e vou até o guarda-roupa.

- Aonde pensa que vai? - ouço a voz do meu pai.

- Eu preciso resolver uma coisa importante - respondo vestindo minha jaqueta.

- Não antes de tomar aquela sopa - o encarei incrédulo e ele encostou na porta - Olha filho, eu não sei pelo oque você está passando mas nesse final você se trancou no quarto e quase não saiu, quando saiu voltou ainda mais abalado e ainda não cuida de sí mesmo.

Eu ia falar alguma coisa mas ele me impediu.

- Seja o que estiver acontecendo, espero que saiba que você e a Aaliyah são as coisas mais importantes que eu tenho e que eu não gosto de ver você se destruindo aos poucos, eu te amo meu filho - ele termina.

Nossos olhos já lacrimejavam, eu apenas sorri e fui abraçá-lo.

- Eu também te amo pai - digo ainda sorrindo -Eu vou recuperar minha felicidade.

                          ••

Estaciono em frente a escola, espero um pouco e vejo Nash saindo.

Desço do carro e passei por algumas pessoas que me perguntaram o porquê de eu ter faltado, nem os respondi, não sabia nem quem eram eles.

Assim que parei em frente as escadas, vi a porta se abrir e ele sair.

Minhas mãos pareciam cachoeiras e minhas pernas sem controle, tremiam. Cameron me encarou um pouco assustado e encarou outro lugar, me virei e vi o Nash encostado em sua moto.

Eu estava prestes a tomar a atitude que mudaria tudo, na frente da escola inteira.

Cameron desceu as escadas devagar e parou em minha frente, tentei decifrar o seu olhar mas não consegui, tentei falar alguma coisa mas parece que a minha lingua travou.

Ele se virou e deu as costas para mim, andando e direção a outro, ele não lutou por nós, eu o perdi.


Notas Finais


Gostaram? Favoritem e Comentem!! ❤

Aguardem...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...