História The Perfect Babysitter. (Ruggarol) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Karol Sevilla, Luna Valente, Matteo Balsano, Michael Ronda Escobosa, Personagens Originais, Ruggero Pasquarelli, Simón, Valentina Zenere
Tags Amizade, Amor Proibido, Karol Sevilla, Lutteo, Michael Ronda, Michaentina, Micharol, Ruggarol, Ruggentina, Ruggero Pasquarelli, Simbar, Valentina Zenere
Visualizações 66
Palavras 2.824
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei, mas cheguei meu povo... U.u 😌😅
Sorry, pela demora ^-^
Como eu disse no capítulo anterior tô me organizando com o tempo ainda, mas vou conseguir e voltar com a rotina de 2 capítulo por semana. Querem????❣
Falando em querer, eu já quero férias 😅😅. Tá certo que iniciei agora a faculdade, mas eu mereço descanso😂😂😂😂
Ah e outra coisa, hoje escrevi pelo celular então pode ser que tenha alguns errinhos básicos hihihi, mas assim que possível eu vou corrigir :))
Tá bom , já sei que falei demais....
Sem mais delongas vamos para um capítulo que saiu do forninho hehehehe.

Boa Leitura meus bombons ♥

Nos vemos nas notas finais!

Capítulo 7 - Inattentive To The Contract. What The Fuck?


Fanfic / Fanfiction The Perfect Babysitter. (Ruggarol) - Capítulo 7 - Inattentive To The Contract. What The Fuck?

Eu vejo a cena e encho meu coração de alegria, vem um sorriso em mim e é impossível de conter. – Nátaly Seckler.

 

 

Karol Sevilla.

Sou arrastada até a cozinha por Megan que parecia faminta já que nem se quer esperou seus pais para tal refeição. Coloquei-a na cadeira enquanto a empregada lhe servia o almoço, a observei comer por alguns minutos esperando que Valentina e Ruggero comparecessem a mesa, mas não aconteceu. Deixei a pequena ali, e fui até a sala de estar saber o que poderia ter acontecido. Havia apenas Ruggero no cômodo, que conversava tranquilamente por ligação, ele usava uma roupa mais leve deixando claro a sua juventude ainda presente. Sem atrapalhar me viro dando a volta para a sala de jantar, com passos calmos para não ser notada, o que foi praticamente em vão.

- Deseja alguma coisa Karol? - ele diz com seu tom de voz rouco, que me causou um leve arrepio.

- Apenas estranhei a demora para comparecer a mesa, Meg já está almoçando não aguentou esperar. - digo tranquilamente depois de me virar para o observar - Onde está Valentina?

- Ela teve um pequeno contratempo e teve que sair, então seremos apenas nós para o almoço. - ele diz vindo em minha direção - Tudo bem pra você? - ele diz esperando uma resposta e minhas bochechas queimam.

- Oh sim, sem problemas. - sorrio timidamente - Mas vamos, Meg deve estar esperando. - digo sem esperar mais uma resposta, indo ao encontro da pequena.

Durante todo o almoço os olhos de Ruggero estavam sobre mim, isso estava me deixando totalmente desconfortável, pois eu não sabia como agir enquanto alguém me encarava o tempo todo. Será que ele não tem o que fazer não? 

Ajudei Suzi a tirar a mesa mesmo Ruggero dizendo que não era necessário, já que meu trabalho era apenas cuidar da pequena. Mas mesmo assim não gosto de ficar de braços cruzados, então o desobedeci e ajudei-a levar as coisas até a cozinha. Ela tinha por volta de uns 25 a 30 anos, parecia uma pessoa humilde e bem tímida, o que é uma ótima oportunidade para se construir uma bela amizade. Com a louça já lavada e enxugada depois de altas risadas ali, fui em busca da minha pequena responsabilidade.

Ela estava com Ruggero no sofá assistindo um desenho qualquer enquanto o mesmo dava total atenção ao colorido da tela. Era incrível como ele entrava no mundo da pequena já que falava sobre os personagens do desenho. Parei um pouco distante e observei o momento.

- Papai e agora o que eles vão fazer? - ela pergunta apreensiva vendo o bichinho falante encurralado na TV.

- Hmmm deixa eu me lembrar... - ele finge pensar sobre - Ah... - ele sorri para a pequena - Ele vai fazer o mesmo que farei com você agora - ele rapidamente disfarça deixando a pequena confusa.

Segundo depois ele lhe distribui diversas cócegas por todo o corpo da pequena, lhe fazendo soltar aquela risada gostosa que ecoava por todo o ambiente. Os dois se divertiam com o momento e eu acabei rindo também, era uma cena muito fofa não tinha como resistir.

- Tia... Kah... - ela dizia pausadamente tentando recuperar a respiração perdida por causa dos risos.

Rapidamente Ruggero para e coloca seus olhos em mim, ainda com aquele sorriso no rosto. Mesmo com aqueles olhos em mim não desmanchei o sorriso que estavam em meus lábios, já que a pequena também não havia tirado o seu, enquanto olhava em minha direção.

- Sente-se Karol o sofá é enorme. - ele diz batendo no mesmo, e eu rapidamente o fiz.

A pequena se sentou ao meu lado, e momentos depois já estava sobre meu colo mexendo em meus cabelos. Era impressionante como ela gostava de acariciá-los, mas eu entendia que isso era uma demonstração de amor e carinho, então eu não me importava, sinceramente até gostava por me deixar bem tranquila e com um leve soninho.

Percebo que a pequena para com o ato e assim que a vejo ela está adormecida em meus braços, suspirando pelo sono que sentia. Seus olhinhos fechadinhos e suas bochechas vermelhinhas deixavam nítida a criança linda que era, parecia um anjo adormecido. Acariciei seu rosto lhe dando um beijinho na testa seguido com um sorriso.

- É incrível como ela gosta de você. - ele diz e só assim percebo que ainda estava ali - Nunca a vi tão apegada a alguém assim com tanta facilidade, qual é o segredo pra isso? - ele sorri enquanto me encarava.

- Sinceramente? Nem eu sei. - digo rindo voltando os olhos para o pequeno anjo - Quando me vi já estava apaixonada por ela e ela por mim. Acho que o segredo pra tudo isso é o amor e o carinho que ela sempre distribui, e eu correspondo da mesma maneira, pois literalmente é um anjinho. - acaricio seus cabelos enquanto observava ela dormir.

- Fala isso só agora, me diga daqui a alguns dias, talvez você mude essa palavra sobre ser um "anjo". - ele faz as aspas na palavra destacando-a, rindo logo em seguida e acabo acompanhando o riso.

Novamente meus olhos se encontram com os dele sem deixar o sorriso nos lábios. Minhas bochechas com certeza deviam estar rosadas já que ele nem se quer piscava, minhas mãos começavam a suar pelo possível desconforto misturado ao pequeno nervosismo, eu sentia que ele estava prestes a se aproximar ainda mais quando a porta rapidamente se abriu, fazendo meu coração quase saltar pela boca devido ao susto. Seus olhos foram para a TV enquanto eu tive uma leve crise de tosse. Pqp... agora vai dar muito na cara! A pequena se mexeu no meu colo pelo susto da tosse, mas rapidamente a crise passou deixando minha respiração normal novamente. 

"Isso é pra você aprender a não encarar o marido dos outros, a próxima vez você morre." Eu digo em meus pensamentos que já me condenavam.

- Ah vocês estão aí! - Valentina diz adentrando o cômodo vindo em nossa direção - Aaah desculpe... - ela diz diminuindo o tom de voz ao ver a pequena adormecida - Vamos até o quarto dela assim você já aproveita para conhecê-lo. - me levanto cuidadosamente e assim o faço.

O quarto da pequena parecia de boneca, toda a decoração, os móveis e o aroma eram dignos de uma princesa. A tonalidade rosa deixa claro quão perfeito era para qualquer menina ter um quarto como aquele, sem contar que era do tamanho da minha casa do interior, quanto exagero. Deitei a pequena em sua cama e sai acompanhada de Valentina para a sala de estar novamente. Ruggero ainda permanecia ali com a TV ligada, agora em um filme.

Ela parecia um pouco nervosa mesmo tentando esconder a todo momento. Aconteceu alguma coisa certeza!

- Bom agora podemos falar tranquilamente. - diz respirando fundo se sentando no sofá, acabo fazendo o mesmo esperando ela dar a continuidade - Como eu já havia dito aos dois, terei uma viagem para fazer que duraria uns 15 dias. Só que basicamente não li o contrato direito, o que resultou em mais 15 dias, ao todo serão um mês fora de casa. - ela jogou a bomba com pesar, era visível em seus olhos.

O silêncio ali predominou e não seria eu que iria questionar alguma coisa, cheguei ali a poucas horas, vou ficar na minha. Apesar que eu não gostei nenhum um pouco da ideia de ter que ficar sozinha com Ruggero na casa, bom não é exatamente sozinha com ele, tem a Meg e Suzi, mas mesmo assim o clima não vai ficar legal, fora que nem o conheço direito e ele me deixa desconfortável o tempo todo com aquele olhar devorador Christian Grey. Mas já que não tem jeito é suportar, e torcer para que ele não vire uma pulga no meu sapato.

- Não vão dizer nada? - ela pergunta olhando pra mim e em seguida pra Ruggero que pareceu um tanto nervoso.

- Se eu disser alguma coisa vai mudar Valentina? Você sempre faz as coisas pelas minhas costas sem nem ao menos pedir minha opinião. - ele disse enfurecido e naquele momento não entendi o que eu estava fazendo ali - Por mim você nunca faria essas viagens de longa distância, temos uma filha Valentina se esqueceu? Ela é apenas um bebê! Você não pensa em como ela vai ficar triste por saber que você não vai estar aqui no aniversário dela?

- Ruggero, eu... - ela tentava dizer algo, mas ele deixou.

- Já estou me cansando disso, de ser feito gato e sapato. Tudo tem limite. - ele se levanta e vai para o quarto sem ouvir o que ela tinha para dizer.

Valentina colocou as mãos no rosto e chorou, fui em sua direção e a acolhi em uma abraço. Suas lágrimas eram pesadas já que molhava meu ombro. Eu não sei o que acontecia ali, só sei que ela estava triste e sofrendo com tudo aquilo. 

- Ele tem razão Karol. - ela diz em soluços se afastando com o rosto em lágrimas e os olhos avermelhados - Não sou uma boa mãe e menos uma boa esposa, deixo ele e minha filha aqui sempre sozinhos, tudo por ser egoísta demais. - as lágrimas voltam a escorrer.

- Não fala isso Valentina, ele disse isso sem pensar, vai ficar tudo bem. Se acalme depois vocês conversam melhor e ele vai entender. - digo acariciando seu rosto e limpando as lágrimas que insistiam em descer.

Claro que se fosse eu no lugar dela jamais ficaria tanto tempo longe da minha filha, ainda mais pela idade que Meg tem. Mas somos seres humanos diferentes, com pensamentos opostos. E eu entendo o lado de Valentina, ser modelo é o sonho dela, é bem mais que só um trabalho, é a sua felicidade. Estou aqui para apoiá-la em qualquer circunstância, e ajudar no que eu puder.

- Obrigada. - ela me abraça bem apertado - Não sabe como é bom ter a minha melhor amiga de volta e pertinho de mim.

- Eu estarei sempre com você! - digo e ela controla as lágrimas.

- Agora a gente podia ir até a cozinha e se acabar no pote de sorvete? - me espanto com a fala, por ela sempre estar de dieta - Que se foda minha dieta eu preciso me entupir de sorvete pra aliviar o estresse. - ela diz rindo enquanto limpava os resquícios das lágrimas.

- O que cura isso é Rum¹. - digo rindo e ela também faz o mesmo.

- Você não presta Karol. - ela me puxa gargalhando indo para a cozinha. 

Passamos o restante da tarde no sofá assistindo um filme qualquer rindo das lembranças das nossas loucuras na adolescência. E que lembranças meus caros, socorro! 

- Você fala de mim mas não era nenhuma santa. - Valentina diz me beliscando - Acha que eu me esqueci daquele dia que você deu PT na festa da Katja? Você dançou em cima da mesa, quase ficou nua. Os meninos ficaram loucos com você, e quando tirei os olhos um segundo de você, te vi se atracando com dois no meio da pista de dança. - ela zomba - Sem contar que depois você... - interrompo ela. 

- Calada! - coloco uma de minhas mãos na sua boca impedindo que saia mais merdas dali - Tenha amor a sua vida por que se não, você vai ficar sem ela, comece a contar os seus últimos segundos de vida se continuar com essa boca aberta. - digo de maneira nada amigável e ela se acaba de rir ainda mais - Isso é pra ser esquecido, não quero nem me lembrar que tive coragem. 

- A bebida liberta as vontades ocultas e foi inesquecível admite. - ela diz ainda rindo - Te ver naquela situação não teve preço. 

- Acha que seu marido vai gostar de saber que você... - ela me interrompe e eu morro de rir caindo no sofá. 

- Você não está nem louca de dizer a ele, tô falando sério, eu te mato! - ela diz séria e eu me desmancho na risada quase perdendo o fôlego. 

- O que ela não pode me dizer? - paro de rir me levantando e vendo a presença de Ruggero de braços cruzados nos encarando com a cara amarrada, nos fazendo engolir seco, bom falo por mim mesmo, já que minha saliva nem queria descer. Pronto fudeu tudo agora! 

- Nada amor, estávamos relembrando a adolescência. - ela diz tropeçando um pouco nas palavras e eu acabo rindo baixinho da situação que ela se meteu, recebo um beliscão como prêmio pelo riso. 

- Karol? - ele diz arqueando uma das sombracelhas pra mim e eu dei uma leve tossida. 

- Não olha pra mim, só estávamos brincando não precisa se preocupar. - digo calmamente e ele não parecia acreditar. 

Meu celular começa tocar desesperadamente e eu atendo mesmo sendo um número desconhecido, qualquer coisa pra sair daquela situação embaraçosa. 

- Alô? - digo esperando uma resposta. 

- Karol? - a pessoa pergunta do outro lado da linha. 

- Ela mesmo, quem deseja falar? - minha curiosidade é despertada.

- É a Malena tudo bem? - ela diz animada parecia sorrir do outro lado da linha. 

- Não acredito! - digo surpresa e Valentina me encara curiosa. 

- Acredite meu amor sou eu mesma! - ela diz - Estou morrendo de saudades! Desde que me mudei sinto uma imensa falta de você! 

- Ah eu também Mah. - digo sorrindo - Como anda as coisas? 

- Estão bem estou morando com Chiara e Ana em Madrid. - ela diz e eu não acredito na coincidência, estamos tão pertinho não da pra acreditar, é muita emoção. 

- Talvez... Tô dizendo talvez... Eu também esteja sabe, por aqui em Madrid. - ela solta gritos do outro lado da linha, afasto o celular do ouvido, pois vi o momento em que poderia ficar surda com o ato, não há tímpanos que aguente.

- Espera que eu preciso respirar... Você tá aqui mesmo? Não brinca comigo Karol. - ela diz esperando uma resposta. 

- Siim... Tô falando muito sério. - ela surta ainda mais. 

- Chiara e Ana vem aqui... Correeeeeee. - começo a rir da loucura, pareço até ouvir algo cair ao fundo. 

Malena conta as outras meninas sobre eu estar na mesma cidade, resultado: piraram também. Depois querem que eu seja certa, tem como? 

- Ah a gente precisa se ver hoje ainda! - Malena diz emocionada. 

- Não posso comecei a trabalhar hoje. - digo ouvindo xingamentos. 

- Daqui esse celular, você não sabe falar. - ouço um murmúrio - Karol aqui é Chiara, me mande seu endereço e esteja pronta as 20h que vamos te buscar. E não se atreva a dizer que não, olha que eu arranco teu coro. - ela ameaça.

- Mas Chi... - tento explicar e ela não deixa. 

- Cala a boca e arrase no look. - ela diz e eu bufo - Bjinhos! - Ela desliga na minha cara. Na fila da educação Chiara passou longe, não tenho dúvidas! 

Quando levanto os olhos, Ruggero e Valentina me olham tentando entender. 

- Desculpem... Eram umas amigas. - digo tranquila com os olhos de Valentina em mim. 

- Você vai! - ela diz com uma sombracelha arqueada. 

- Não, eu tenho que ficar com Meg. - digo sem interesse para que o assunto se encerrasse.

- Vai ser bom pra você se divertir, talvez você conheça alguém interessante... - ela pisca e eu sinto o olhar de Ruggero queimar em mim, me fazendo engolir seco. - E também vou aproveitar para ter uma noite das Meninas/Mãe e Filha, Meg vai adorar! - ela bate palmas parecendo imaginar o que poderia acontecer nesse programa que ela inventou - Se arrume e arrase depois quero saber tudo com ricos detalhes. Posso te ajudar com o look, maquiagem e cabelo, se você quiser. - ela sorri animada e eu lhe mando um sorriso agradecida pela sua generosidade - Ah e suas coisas o Chofer irá buscar no hotel, fique tranquila. 

Não tive escolha, nem com todas as desculpas consegui me livrar. O que me resta é ir mesmo, me divertir ao máximo com as amigas que eu não encontrava já tinha um tempo

A noite será de muitas loucuras com certeza, por que ninguém do grupo irá bancar de certinha. E não vai ser eu, a chata estraga prazeres. 

Sabe o carretel quando fica sem linha? É desse jeito que vou ficar hoje... HAHAHA HOJE NINGUÉM ME SEGURA! A noite PROMETE, se prepare que meu juízo vou deixar guardado trancado a sete chaves na gaveta.

 

Avisa o DJ e os garotos que Tô na área... AGUARDEM! Que a protagonista da festa ainda vai chegar pra causar!


Notas Finais


[¹]- Bebida alcoólica de características refinadas e aroma suave.


AAAAh como eu tava com sdd de escrever ♥
Espero do fundinho do meu coração que estejam gostando do rumo dá história!
Então peço que não deixem de comentar, pois assim vocês me motivam a voltar logo 😉💗
Se ainda não favoritou sinta-se a vontade, será muito bem vindo aqui tenha certeza!☺


O que será que vai acontecer nessa balada? Imaginem: Karol, Malena, Chiara e Ana Jara... no mesmo lugar... hummmmm... estrago hahahaha.💥
Surpresinha no próximo capítulo não deixem de acompanhar...
Bjokas e até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...