1. Spirit Fanfics >
  2. THE PLAN- Bill e Juliette >
  3. The message

História THE PLAN- Bill e Juliette - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Eu escrevi esse capítulo entre hoje e ontem então me desculpem se ele não ficou tão bom. Eu não sei que rumo ainda tomar para a fanfic e não sei muito bem o que fazer nos próximos capítulos.

Capítulo 2 - The message


Fanfic / Fanfiction THE PLAN- Bill e Juliette - Capítulo 2 - The message

Hoje eu acordei umas sete horas da manhã e coloquei uma blusa amarela e uma calça jeans azul. Fiz minha higiene matinal e arrumei todos os meus materiais para o longo dia de aula. De café da manhã eu tomei suco de laranja e uma panqueca com calda de chocolate.

 

Quando eu vou para a escola, eu sempre pego um táxi com a Sarah já que nenhuma de nós duas sabe dirigir. As oito em ponto o carro chega já com Sarah dentro. O carro anda e chega em nosso destino, a escola. Dividimos a conta como sempre.

 

-Quem está te mandando todas essas mensagens, em Juliette.- Sarah pergunta sobre o apito que vem do meu celular, que significa que alguém está me mandando inúmeras mensagens.- Um crush, uma crush?

 

-Sarah, você sabe que eu não sou desenvolvida para ficar com garotas. Se você tinha esperança elas morreram faz tempo.- O sorriso quase desaparece todo do seu seu rosto, porém ainda existe um resquício de felicidade.

 

-Mas você ainda não respondeu a pergunta, quem te manda todas essas mensagens?

 

-É o namorado da Karol.- falo o nome dela com um certo nojo.- Aquele microbiano, micróbio sei lá o nome menino.

 

-É Arcrebiano o nome dele. Mas pode chamar ele de Bill.- Sarah me responde.- Mas cuidado com ele, ele paquera todas as garotas da escola.

 

-Eu não tenho a mínima intenção de namorar ou ter qualquer romance com ele e não foi um boato de que ele teria namorado a Carla ensinei ficava com a Karol?

 

-Eu não sei nem se foi um boato ou não, só sei que ele é do grupinho deles e coisa boa nunca vem de lá. Fica de olho, viu.

 

-Mas ele tem uma cara de simpático, pelo menos ele não parece tão mal quanto a namorada dele. As vezes as aparências enganam, não podemos julgar um livro pela capa, visse?

 

-Lembra da Viih? Ela não tinha uma cara de boazinha e simpática? Pois é! Ela era a pessoa mais falsa dessa escola, falava mal várias vezes da gente pelas costas. É melhor não dar mole para ele não, nunca se sabe se ele é um filhote de cobra.

 

O sinal da escola toca e nós direcionamos para a sala de aula. Durante o caminho percebo o tal do microbiano me olhando o tempo inteiro. E a Karol nem percebeu, será que ela é uma espécie de gado em uma versão feminina?

 

A primeira aula e dia é ciências, eu adoro ciências. As mensagens continuam a apitar no meu celular e a professora percebe o som. Logo ela vem em minha direção e toma meu celular da bolsa.

 

-Juliette, você sabe que mexer no celular ou receber mensagens é totalmente proibido na sala de aula, não sabe? Então por que insiste em mexer no celular?

 

Ela me olha brava e eu apenas abaixo minha cabeça enquanto todos olham diretamente para mim, parece que só quando eu me dou mal eu viro o holofote da sala de aula.

 

-Para a diretoria!- Ela aponta para a porta sala e eu me levanto. Ouço risadas do grupão da Karol e Lumena, mas antes de eu abrir a porta ouço uma voz pouco familiar.

 

-Professora!- Arcrebiano chama a atenção da nossa professora de ciências.- Fui eu que mandei a mensagem para ela, a Juliette não tava mexendo no celular.

 

-Sendo assim, pode voltar Juliette.- a professora ordena e eu volto para a minha cadeira.

 

-Porque você fez isso? Não era parte do...- Antes que Karol possa completar sua frase ela é cortada por Bill.

 

-É para eu tentar conseguir a confiança dela, talvez esses pequenos gestos façam ela começar a gostar de mim.- Eu não consigo ouvir a frase toda por ter sido sussurrada, mas foi alguma coisa sobre confiança. 

 

Arthur chega perto do ouvindo de Arcrebiano e também sussurra alguma coisa. Que poxa estranho! Só sabe falar sussurrando em vez de falar como gente normal.

 

-Eu sei que não foi por confiança e nem por plano nenhum, Bill.

 

-Talvez, talvez tenha sido pelo plano, mas a maior parte foi porque eu amo ela.

 

Logo se passaram umas duas ou três aulas. Eu segui para os corredores na hora do intervalo junto com Gil e Sarah.

 

-Eu ainda tô passado com aquilo que o Bill fez.- Gil comenta.- Ele é o próprio capacho da Karol, mas arregaça com a pior inimiga dela na escola.

 

-Pior inimiga? Eu nunca nem fiz nada para  aquela kobra e ela vive perturbando a minha vida ao máximo.- digo olhando para trás e vejo a figura que eu mais temia.

 

-Ora,Ora,Ora, não é a mal educada do nordeste? Você deveria aprender a falar, porque do jeito que você é analfabeta.- Fala revirando os olhos.

 

-Ela sabe falar, sabe muito bem. Você que não sabe falar com esse sotaque falso, que nem sua cara.- Sarah revida.

 

-Olha como fala comigo, eu tenho certeza que o meu salário pago a sua renda familiar do ano.- ela fala com deboche.

 

-Que salário? Que eu saiba você não recebe salário nenhum por andar pela escola com essas roupas de feiticeira.- as pessoas que estavam ouvindo a discussão soltam “uau”. A Sarah sempre tem uma resposta na ponta da língua.

 

-Pelo menos eu não sou um estereótipo de prostituta mal amada.- foi só ela falar aquilo que Sarah explodiu. Afetou os cabelos da Karol e a baixaria começou.

 

Sarah puxou o cabelo da Karol e a pressionou no armário. Fazendo a mesma bater a cabeça contra a parede. Sarah fechou o punho e o bateu na face de Karol. A região fica vermelha e Karol recuperou toda sua força para devolver o soco em Sarah.

 

As duas começaram a desferir xingamentos uma a outra. As palavras desferidas de ambas era ridículas e ofendiam brutalmente qualquer pessoa que ouvisse aquilo. 

 

-SUA PUTAAAA!- Karol gritou e jogou ela é Sarah no chão, assustando todas as pessoas presentes no local. Alguns tentavam apartar a briga e outros filmavam com o celular. Mais tapas foram executados no lugar, o que fez com que gritos das duas ecoassem por toda a escola.

 

-SUA COVARDE! IDIOTA! FILHA DA MÃE!- Aquelas palavras traziam memórias ruins para mim. Tive péssimas lembranças sobre brigas na minha infância. Meus pais brigavam comigo o tempo todo e no final sobrava para mim. Mesmo que eu sei que as vezes a raiva fala mais alto e eles descontavam sua raiva em mim. Não me batendo, mas me deixando de castigo e limitando as vezes minhas brincadeiras.

 

Eu senti um aperto no peito quando a briga começou. Eu comecei a tentar respirar e inspirar. Não queria que a briga tomasse um rumo diferente do que eu quero, acho que a violência física não resolve nenhum problema e sim piora a situação totalmente. Tento andar procurando alguma pessoa conhecida e finalmente encontro Gil.

 

-Ei, Gil!- tento chamar sua atenção até que ele percebe e vem até mim.- Por favor, tenta chamar a diretora da escola a briga está ficando feia.

 

-Tá, eu estou indo chamar ela. Toma cuidado, porque se na você vai acabar sendo estapeada mulher.- ele fala e sai de fininho pelo corredor de um jeito que ninguém perceba.

 

Sarah faz carinho na bochecha de Karol e logo disfere um tapa no seu rosto. A mesma retribui com um tapa na sua boca. Sarah da um puxão muito grande no cabelo de Karol e ameaça grita que nem uma gazela.

 

Sarah aproveita e morde o lábio de Karol, fazendo ela gemer de dor. Os barulhos de tapa e socos viraram a trilha sonora daquele corredor de escola. Mas quando eu vejo.....

 

Eu fui acertada em cheio por um tapa da Karol. O meu rosto ficou vermelho e provavelmente saiu um pouco de sangue. A minha bochecha estava ardendo bastante, bem na hora Gil chegou e verificou a minha bochecha. Eu nem ligava mais para a briga ou se elas estavam se matando. Eu só queria chorar em baixo do meu cobertor.

 

Logo a diretora chegou e parece que até ela se meteu na briga. Karol xingou até mesmo a diretora, Sarah tinha mesmo razão ela era realmente uma baita de uma covarde.

 

-Você tá bem?- O Bill aquele que estava me mandando mensagens, veio verificar como eu estava.- você precisa tomar mais cuidado, não pode ficar perto de duas Loucas brigando.- eu sorri pelo carinho que ele estava fazendo na minha bochecha, aquilo fazia carinho e me deixava feliz.

 

-Vamos para enfermaria logo, Ju. Você vem?- Gil pergunto para Bill que aprnas assentiu com cabeça. Estávamos andando pelo corredor até chegar na enfermaria.

 

-Eu entro sozinha.- avisei para Bill e Gil. Eu não gosto de fazer exames com pessoas na mesma sala que eu. Eu fico com vergonha, e acho que privacidade sempre é bom.

BILL

 

Se passaram algumas horas depois da aula, que por culpa de Sarah e Karol foi cancelada. Juliette acabou se machucando naquela discussão que nem eu nem a escola inteira sabíamos o motivo. Mas isso no momento não faz a mínima diferença, o importante é que a Juliette estava bem.

 

Quando eu cheguei em casa comecei a mandar mensagens igual um louco para ela. Estava realmente preocupado e aquilo não era nem parte do plano deles. A Juliette não tinha nada haver com aquela discussão e mesmo assim saio machucada. Tenho certeza que aquilo foi de propósito, afinal, a Karol não suporta a Juliette. 

 

MENSAGEM ON

 

-Você tá bem?[ 14:21]

 

                                         -Eu estou bem, mas porque a pergunta?[14:21{

 

-Porque eu me importo com você?[14:22]

 

                                         -Se você se importasse comigo de verdade não estaria no grupo dela, fazendo aquelas barbaridades com a Sarah, o Gil e eu.[14:23]

 

-Mas eu terminei com ela, mas ainda sou amigo dela. Nós tivemos uma relação forte. Eu gosto dela e da Viih, só por isso mesmo, porque se elas não estivessem no grupo. Eu nem taria lá.[14:24]

 

Eu confesso que menti em dizer que tinha terminado com ela. Mas era aparte do plano, e porque eu não termino? É capaz dela pagar para ferrar com toda a carreira acadêmica minha que eu pretendo ter.

 

Essa ligação que eu tenho com a Karol é mentira também. Por mais que ela ache que seja verdade, eu não me sinto bem com ela e nem amo ela como antigamente. Se é que um dia eu amei ela.

 

                                        -Nem me fale da viih. Aquela falsa.[14:26]

 

Realmente, a Viih era uma falsa com a Juliette. Mas eu vejo uma pequena parcela de arrependimento bem pequena mesma, que nem a banana do Arthur. Por isso a Karol quase  não contou para Viih do plano, medo dela contar para a Juliette.

 

                              -Você e a Karol? Não sabia não. Mas também nunca vi amor em vocês dois.[14:27]

 

Sim Juliette. Não existia amor. Eu sou perdidamente apaixonado por você. Vontade de falar isso para ela não me falta. Mas por causa daquela merda de plano eu tenho que ir com calma. Porque se a viih contar, eles vão perceber uma aproximação repentina. 

 

-A gente não estava mais dando certo.[14:28]

 

                              - É o que eu tenho haver com isso?[14:28]

 

-Eu acho você bonitinha[14:29]

 

Bill sabia perfeitamente que Juliette havia corado naquela hora, já que a mesma sempre deixa suas bochechas vermelhas quando recebe elogios e eu converterá adoro isso.

 

                                       - Tu Acha é?[ 14:39]

 

Do outro lado da tela Juliette senti suas bochechas ficarem vermelhas facilmente. Afinal, não é todo dia que se recebe elogios como aqueles. Mesmo que não seja um elogio como “Gostosa” ou “Linda” Juliette nunca havia recebido aqueles elogios ao não ser de Gil, Sarah, Lucas ou Fiuk. Seu ex namorado.

 

-Eu acho você a pessoa é mulher mais bonita daquela escola inteira. [14:31]

MENSAGEM OFF

Naquele momento Juliette desligou a tela do seu celular e ficou olhando para o teto de seu quarto. Um grande sorriso abriu no rosto da menina. Nunca havia recebido um elogio como aquele, principalmente alguém chamado ela de mulher. Sua mãe ainda a via como uma adolescente. Porém, já havia dando indícios que aquilo estava para mudar.

 

Do outro lado novamente. Bill já estava falando com Arthur ao telefone, sobre como queria Juliette só para si.

 

-Ela é tão linda. Tão inteligente e tão pura. Eu queria ela toda para mim. Ao meu lado, para subir no altar e ter filhos. Ela é mais especial para mim do que qualquer garota que ousou passar na minha vida.

 

-Você fala de um jeito tão bom dela. Sabe Bill, as vezes eu queria ser que nem você. Eu me apaixono uma vez por semana, sempre por uma garota diferente e me desapego facilmente. Você fala dela como se realmente quisesse ela para uma coisa além da vida.

 

-E eu realmente quero. Ela não é como as outras ela é tolamente diferente. Ela quer um rumo na vida. Ela luta para tentar conquistar tudo que deseja e não recebe de mal beijada. A Juliette é simplista incrível.

 

-Você é tão romântico e eu levo tudo para o lado do sexo, devo aprender com você. Devo realmente aprender muito com você.

 

-Mas e aí? Resolveu contar para a Carla sobre teu lance com a Thaís?

 

-Nem pensar! A gente já combinou só revelamos o lance da Thaís quando você revelar o da Juliette. No caso o baile de formatura do ensino médio.

 

-Do fundo do meu coração, eu não queria ter que fazer isso. Mas de um jeito ou de outro eu vou ter que fazer. Não quero ferrar com a vida dela, eu tenho certeza que a Karol seria capaz de esganar ela.

 

-Seria mesmo, eu não duvido de nada vindo dela. Tenho certeza que se eu contar para ela que trai a Carlinha com a Thaís ela até aplaude. 

 

-Sem dúvidas, o jeito que ela odeia a Carla é diferente, bem diferente.- solto uma risada ao lembrar quando ela acusou a Carla de estar dando em cima de mim, só porque a coitada pediu para eu pegar o seu caderno que estava na última prateleira do armário.

 

-Ela odeia tanto a Carla e é só por causa da Lumena que fica colocando baboseira na cabeça dela sobre a Carla. Chamando ela de loira privilegiada.

 

-Se ser privilegiada é ter câncer na infância, eu quero é passar longe de ser uma pessoa privilegiada.

 

Sem sombra de dúvidas o meu passatempo favorito é conversar com o Arthur. Ele é aquele tipo de amigo que ajuda muito a gente, mas não ajuda se próprio. Ele se mete em todo tipo de confusão e anda com pessoas erradas, mesmo sabendo não se afasta, pelo menos tento me afastar dos outros.

 

-Mas, agora eu vou ter que ir. Faltam dez minutos para o meu treino e eu não posso me atrasar. Eu sou o capitão ou seja o melhor jogador de futebol da escola.

 

-É melhor diminuir o seu ego, viu? Eu posso contar tudo para a Carla e ainda faço a Karol te expulsar da escola.- eu ri.-

Brincadeira, mas admite que eu sou melhor que você no futebol.

 

-Eu que sou melhor que você Bill, apenas aceita tá bom.

SARAH

-Nada disso.

 

 

Eu estava arrumando o meu cabelo quando eu vi que recebi uma mensagem do meu celular. Quando eu vi o nome que está escrito na tela, fiz o favor de nem responder.

 

Era a Viih. Eu não iria ver aquilo por nada. Jurava que tinha bloqueado aquela falsa. Depois do que fez com a Juliette, fiz questão de apagar ela da minha praticamente. Imagina a situação a  garota ou garoto que você gosta sofre uma traição de amizade, você vai apagar essa pessoa de tudo não é?

 

Foi isso que aconteceu, a Viih basicamente vendeu informações pessoais para o grupo da Karol. Se isso não é um tipo de traição, imagina a o que será uma traição.

 

Depois do telefone apitar muito. Eu resolvo olhar aquelas mensagens, mas se for uma brincadeira de mal gosto ou juro que acabo com a raça dela que nem eu fiz com a Karol. Nem que eu seja suspensa por mais dias. Quando olho para a tela do celular me surpreendo com a mensagem.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse capítulo, não se esqueçam de favoritar a fanfic e divulgar.
Comentem aqui para que você está torcendo no bbb
Eu sou #TimeJuliette


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...