História The Power Of The Soul - Jikook ABO - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Amor, Bts, Drama, Jikook, Jimin, Jungkook, Romance, Shoujo, Suspense, Yaoi
Visualizações 587
Palavras 3.702
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus amores...
Parece que a coisa fluiu aqui agora kkkk
Logo postarei o próximo capitulo que já está escrito pela metade...
Hoje de noite postarei o Capítulo bônus de "Meu Híbrido Rebelde 😇"...
Então fiquem ligadinhos!!!
Desculpem algum erro...
Boa leitura...📖😉

Capítulo 22 - The Brand


Fanfic / Fanfiction The Power Of The Soul - Jikook ABO - Capítulo 22 - The Brand

...Jimin On...

Eu estava sentado em minha cama, terminando de tricotar um casaquinho que eu e minha sogra inventamos de fazer juntas. Ela me ensinou a costurar e agradeço muito a ela, pois nunca imaginei que costurar fosse uma terapia tão grande e relaxante.

- Como anda essas roupinhas? – minha sogra entra em meu quarto me pegando costurando. – Ou já perdeu a paciência? – ela diz brincalhona.

- Que nada, isso tem sido um remédio para amenizar o meu estresse e minhas preocupações. – digo sorrindo para ela. – Além de ser uma boa distração.

- Costurar é uma ótima terapia mesmo. – ela diz concordando comigo.

- Sim, e como é. – afirmo.

- Terapia? – Jungkook pergunta entrando no nosso quarto com um aspecto cansado. – O que é terapia para vocês? – ele diz olhando para nós duas.

- Olá filho, já terminou seu trabalho? – Sra. Jeon pergunta.

- Ainda não, mas estou exausto e preciso de um banho relaxante para me recuperar. – ele suspira cansado se alongando e estralando alguns osso de sua coluna e pescoço.

- Quer que eu prepare o seu banho amor? – digo deixando a roupinha e as agulhas sobre a cama já pronto para me levantar e ir ajuda-lo, mas ele me impede.

- Não amor, não se preocupe, eu me viro, pode deixar. – ele diz, mas sei que ele só não aceitou por querer me poupar de fazer muitos esforços.

- Eu arrumo lá para você filho. – Sra. Jeon diz indo para o banheiro.

- Há, obrigado omma. – ele nem se opôs ao que ela disse, mas não me senti mal por isso, pois, ele está cuidando de mim, e é isso sinal de que ele se preocupa comigo. – E sobre o que vocês estavam falando? – ele pergunta se sentando de frente para mim na cama olhando algumas roupinhas já prontas.

- Sobre costurar, que a costura é uma ótima terapia. – eu disse e ele sorri para mim e com uma de suas grandes mãos alisa delicadamente sobre o meu rosto me fazendo carinho, logo se afasta e faz cara de surpreso pegando um macacãozinho nas mãos.

- Woa, você está fazendo um ótimo trabalho amor, essas roupas estão ficando perfeitas. – ele me elogia todo babão olhando para a roupinha.

- Também não é para tanto né amor, estou aprendendo ainda fazer algumas coisinhas básicas, sua omma é quem tem me ajudado muito. – explico sorridente pelo elogio dele.

- Que nada, você tem feito o maior dos trabalhos, é tudo mérito dele Jungkook. – Sra. Jeon diz saindo do banheiro.

- Está ficando um trabalho realmente lindo, mas amor você precisa descansar, não quer ir tomar um banho quente comigo? – Jungkook pergunta me deixando encabulado, ainda mais dizendo essa coisas perto de sua omma, ela riu e disse.

- Bom eu vou deixa-los sozinhos, se precisarem de mim estarei em meu aposentos. – dias ela se retirando.

- Obrigado omma. – Jungkook dá um sorrisinho sapeca e eu lhe dou um tapa em seu ante braço. – Ai, o que foi que eu fiz? – pergunta Jungkook esfregando seu braço no local atingido.

-Você não precisava ter dito essas coisas na frente de sua omma né? Que constrangedor... – eu disse tampando meu rosto com as mãos totalmente envergonhado.

- Ah qual é amor? Ela sabe o que nós fazemos, isso não lhe é nenhum segredo. – quando ele disse isso, pior eu me senti e arregalei meus olhos, e ele ficou rindo da minha reação. – Hey, não se preocupe, é normal um casal se amar, meus pais também se amavam, os seus também se amam, é algo muito comum e você não tem que se envergonhar por amar o seu Alfa, o amor é a coisa mais bonita e terna que se pode sentir por outra pessoa e eu te amo, nunca vou me envergonhar ou me cansar de te fazer entender isso.

- Eu também te amo amor, mas fico constrangido, você sabe lidar com o amor tão facilmente, fala sobre isso tão abertamente, mas eu não consigo ser da mesma forma, não sinto vergonha de te amar, só não consigo me expressar direito. – digo cabisbaixo brincando com as agulhas sem o encarar, ele levanta meu rosto pelo queixo me fazendo ter visão total de suas orbes negras que tanto me hipnotizam.

- Eu sei, não tem problema, você não precisa me dizer sempre o quanto me ama, você demonstra isso sendo carinhoso e mostrando que precisa de mim, eu sempre vou te amparar, sempre que você precisar, não precisa ter medo de ficar sozinho pois eu nunca vou te deixar e isso é uma promessa. – ele estende seu dedo mindinho para que eu entrelace o meu no seu selando a promessa e assim o fiz e sorri satisfeito e mais apaixonado por ele. – Agora vamos tomar um banho quente e relaxante. – ele disse sorrindo me pegando desprevenido no colo, e com o susto acabei soltando um gritinho e ele riu.

Sua omma havia enchido a banheira e Jungkook jogou alguns sais de banho na água antes da gente entrar. Ele se despiu rapidamente, logo me ajudando a tirar as minhas, pelo tamanho de minha barriga, já me encontrava com dificuldades para me vestir e despir. Jungkook tem me ajudado muito nessa parte.

Ele estrou primeiro para poder me ajudar, todo cuidadoso me de apoio e me segurou firme para eu não acabar escorregando ou caindo no chão. Quando entrei me sentei entre suas pernas e minhas costas se apoiaram em seu peitoral. A água da banheira se agitou com os nossos movimentos, fazendo assim com que um pouco dela escorresse pelas bordas da banheira.

A água realmente estava tão quente, tão gostosa, ainda mais com aroma de pétalas de rosa que tinham os sais que ele havia jogado ali dentro. Estava perfeito! Jungkook começou a alisar meu corpo com suas mãos me causando arrepios por onde ela passava.

- Está gostando amor? – ele pergunta no pé do meu ouvido me causando alguns choques com sua voz forte e grave.

- Uhum. – murmurei me sentindo bem relaxado.

- Que bom. – ele sorri ainda próximo ao meu ouvido e posso sentir sua respiração pesada em meu pescoço.

- Jungkook...? – o chamei manhoso.

- Hum. – ele resmungou apoiado com sua cabeça na banheira e de olhos fechados.

- Podemos ter algum contato a mais? – perguntei sentindo minhas bochechas ferverem. Logo sinto que ele ficou em silêncio, talvez esperando uma posição melhor da minha parte sobre esse assunto.

- O que quer dizer com isso? – ele pergunta em um tom confuso. – Você quer que eu te toque mais intenso é isso? – ele pergunta e eu assenti sem olhar para ele, o meu constrangimento era maior. – Bom, transar nós não podemos, porque eu posso te machucar, mas tem algo que eu posso fazer por você.

- O-O que é? – balbuciei envergonhado.

Jungkook começou a dar leves selos em meu pescoço, alisando suas mãos pelos meus braços, depois passando-os em meu peitoral fazendo o meu corpo se esquentar automaticamente.

Seus beijos foram ficando mais intensos e molhados, ergui meu pescoço deixando o caminho livre para ele fazer o que quisesse, seus beijos, ele descia-os pelo meu maxilar, indo até a minha jugular deixando um chupão ali.

- Hum. – gemi e ele sorriu soprado ainda com seus lábios colados em meu pescoço, senti seu hálito quente estremecer o meu corpo.

Jungkook escorregou uma de suas mãos até o meu membro e o segurou sem algum aviso oi delicadeza me fazendo arfar e gemer pelo susto. Ele estava me entretendo tanto com seus beijos molhados que eu não imaginava que ele fosse fazer isso de imediato.

Jungkook apertou meu falo tirando suspiros arrastados de mim. Sua mão parecia estar mais quente que a água me causando espasmos pelo meu corpo. Sua mão se movimentava ligeiramente em um movimento de sobe e desce. Minha respiração começou a se acelerar, e os compassos do meu coração estavam desregulados.

Minha boca semiaberta e eu respirando por ela, uma respiração pesada, apoiei minhas mãos em suas coxas as apertando fazendo Jungkook gemer em meu ouvido tirando mais um arfar de mim. Sua voz era tão sedutoramente quente, tudo em Jungkook era quente e desejável. Seus movimentos estavam sendo executados com maestria.

- Jung-kook... – gemi ofegante elevando minha cintura de encontro com sua mão fazendo meu membro ter o maior contato possível e acelerando os movimentos, mas ele me segurou parando os movimentos tirando de mim um resmungo de desaprovação, eu não queria que ele parasse e sim que aumenta-se a velocidade.

- Jimin, assim não. – me repreende. – Assim você irá se machucar, só sinta meus movimentos, na hora certa eu irei aumenta-los apenas sinta sem pressa ok? – ele pede e eu assento concordando com ele.

Jungkook novamente segurou meu membro w eu fiz o que ele disse, apenas deixei que ele fizesse o que se dispôs e eu apenas senti, mesmo sendo muito difícil de controlar meus impulsos, ainda mais quando se tem um Alfa tão gostoso como Jungkook a sua disposição.

Ele foi aumentando os movimentos gradativamente me levando a loucura e ao delírio. Meu corpo já estava coberto por uma volúpia gigantesca. Eu precisava de mais, eu precisava que ele me preenchesse para me sentir satisfeito.

Então comecei a rebolar sobre o seu membro o fazendo ele urrar em meu pescoço e com a sua mão livre apertar minha cintura.

- Você está me provocando? – ele pergunta mordendo meu ombro me fazendo gemer manhoso.

- Porque? Está dando certo? – perguntei malandramente e ele riu.

- De certa forma sim, apenas não para o que você deseja que eu faça, eu não vou te penetrar. – quando ele disse isso, admito que me senti um pouco mal, querendo ou não ômegas são muito sensíveis, e sua resposto me soou mais como um tipo de rejeição, mesmo sabendo que não era esse o real motivo por ele ter me dito isso, mas ele percebeu que suas palavras mexeram comigo de forma negativa, mesmo sem a marca ele percebeu, pois, eu fui findando meus movimentos e ficando com o corpo estático e levemente com o semblante entristecido.

- Hey pequeno, o que foi? – ele pergunta preocupado depositando um beijo em meu ombro em cima do local que alguns minutos antes ele havia deixado uma mordida ali.

- Porque você não quer me penetrar? Não quer fazer amor comigo? – perguntei magoado e ele suspirou respondendo imediatamente.

- Amor, é logico que eu quero fazer amor com você e me sentir dentro de você te preenchendo, meu lobo interior clama pelo seu corpo. – ele disse deixando o um lobo satisfeito e mais tranquilo. – Você não sabe a puta força que estou fazendo para não me descontrolar aqui, eu posso te machucar se meu lobo se descontrolar. – ele explica. – Não se sinta mal, porque depois que você tiver as crianças, você não sabe o que te aguarda por me provocar tanto com essa sua bunda grande redonda e por me fazer manter castidade todo esse tempo.

Eu ri do seu comentário e ele me seguiu rindo também. Ele era um Alfa incrível, a cada dia que se passava eu sabia que ele era perfeito para mim em todos os sentidos.

- Tudo bem, eu vou estar aqui esperando. – eu disse e ele sorriu.

- É claro que vai, porque daqui você na sai mais. – ele vira meu rosto para ele e sela meia lábios.

Com um movimento rápido e preciso, Jungkook me vira, me sentando com uma perna de cada lado de sua cintura, me fazendo ficar de frente para ele. Ele foi intensificando seus beijos e os aprofundando mais, tirando suspiros e gemidos de mim.

Ele segurou novamente meu membro e começou a movimentar sua mão sobre a sua extensão que não era tão grande quanto a sua. Então, decidi retribuir o carinho e segurei seu membro também com minha mão fazendo com que ele desse um urro forte fechando seus olhos e travando o seu maxilar.

Quando ele abriu seus olhos novamente vi que estavam bem vermelhos. Até fiquei um pouco assustado, com medo de que ele perdesse o controle. Mas ele se manteve forte, e cada vez mais aumentava os movimentos da sua mão, conforme ele aumentava os movimentos sobre o meu membro, eu aumentava no seu também.

- Ahh... – ele deixou um gemido rouco e arrastado sair do fundo de sua garganta quase como um rugido. – Ahh Jimin.

Eu já estava pingando de suor e Jungkook não estava tão diferente de mim. A água da banheira já estava ficando fria mas a temperatura de nossos corpos estava mais quente do que nunca. Eu já estava próximo do meu orgasmo, percebi que Jungkook também estava, ele abriu seus olhos e me encarou, não consegui desviar meu olhar do seu.

- Você já está quase lá? – ele pergunta e eu assento sem conseguir responde-lo em palavras. – Ok, então vamos gozar juntos. – ele disse e eu já estava absorto pelos seus movimentos, eu só queria que ele acabasse com todo es desejo que me consumiam.

Comecei a gemer e a cada acelerada que ele dava em seus movimentos, eu gemia mais alto, Jungkook começou a me acompanhar e a gemer também. Seus gemidos estavam me excitando muito, eu podia chegar ao meu ápice só por ouvir ele gemendo. “Será que os meus gemidos causavam o mesmo nele?” Pensei comigo.

Meus olhos já estavam pesados de cansaço, arqueei meu tronco para trás sentindo o meu ápice chegando com uma combustão de força, meus gemidos se intensificaram e senti um liquido quente em minhas mãos. Jungkook havia atingido o seu orgasmo também gozando junto comigo.

A sensação de prazer e saciedade foi maravilhosa me apoiei em seu peito para descansar e ele me abraçou apertado. Nossas respirações estavam descompassadas, ficamos uns 15 minutos assim nos recuperando antes que alguém fizesse menção de sair de dentro da água.

- Amor... – Jungkook me chamou.

- Hum... – resmungo, estava tão bom ficarmos assim abraçadinhos.

- É melhor sairmos, a água já está quase gelada, melhor tomarmos um banho quente de chuveiro para você não se resfriar ou fazer mal aos bebês. – ele me alerta.

- Ok. – concordei, mesmo me sentindo mole e exausto.

Jungkook me ajudou a sair de dentro da banheira, tomamos banho de ducha. Jungkook esfregou o meu corpo e depois tomou seu banho sozinho porque eu já não tinha forças para isso. Saímos do banho e ele me secou, estava me sentindo uma criancinha em suas mãos.

Nos trocamos e como estávamos muito cansados, resolvemos dormir um pouco. Deitamos na cama e ficamos de conchinha, Jungkook ficou fazendo cafuné em minha cabeça, mesmo estando muito cansado ele cuidava de mim. Como eu amo esse Alfa!

[...]

...Jeon On...

Depois de passarmos um tempo prazeroso dentro da banheira, nós resolvemos ir dormir afim de recuperarmos as nossas energias. Jimin estava mais cansado do que eu, agora carregando duas criancinhas em seu ventre, estavam tirando toda a sua energia.

Consegui dormir logo depois dele, também estava exausto, mas aquela rapidinha admito que me deixou vibrando e com sede de mais, mas infelizmente não posso me descontrolar, !e odiaria se fizesse algum mal a Jimin ou aos meus filhotes.

Na manhã seguinte, acordei e fiquei um pouco observando Jimin dormir, ele estava muito fofo. Parecia uma criancinha dormindo com as bochechas inchadas, biquinho nos lábios rosados, e os olhinhos que se formavam dois risquinhos. Eu ficava encantado por poder observa-lo.

Infelizmente o dever me chama, e eu não podia me dar ao luxo de ficar até tarde deitado na cama. Mesmo que essa fosse a minha vontade. Levantei, fui para o banheiro, fiz minhas higienes matinais, troquei de roupa e desci. Minha mãe ainda não havia acordado. Tomei meu café preparado por Nina nossa cozinheira.

Depois me tranquei a manhã toda dentro do meu escritório. Eu não admitia, mas estava muito apreensivo e com medo do que aconteceria se Murdoque realmente cumprisse sua promessa de vir até o meu reino para conhecer a mim e ao Jimin. Não posso nem imaginar se ele fizer algo com o meu pequeno.

Tenho certeza de acabarei com ele no mesmo instante que relar um dedo sequer em Jimin. Ninguém toma o que é meu! Fui tirado dos meus pensamentos com batidas não tão leves em minha porta. Era Yoongi. Mandei ele entrar e ele parecia sério.

- Senhor Jeon, perdão por incomoda-lo, mas o senhor tem visita. – ele me avisa.

- De quem se trata Yoongi? – perguntei temendo o pior, que Murdoque já estivesse ali.

- Do vosso sogro, o rei Park está aqui e deseja vê-lo. – ele anuncia.

- Mais essa... – urro internamente frustrado, e Yoongi nota minha irritação ficando cabisbaixo. “O que será que ele quer agora?” Pensei – Diga que já vou lhe atender.

- Sim senhor, com licença. – ele se retirou.

Respirei fundo, e me pus de pé. Bom vejamos o que ele quer agora. Caminhei a passos lentos até a sala principal, meu animo em vê-lo estava a 0,00%. Já não bastava todo mal que causou a mim e principalmente em Jimin, o que ele quer agora?

- Sr. Park. – o cumprimentei estendendo-lhe minha mão e ele a apertou firme retribuindo o cumprimento.

- Jungkook. – disse por sua vez.

- Sente-se – tentei ser o mais cortês possível pelo meu ômega, afinal esse imbecil ainda é seu pai, infelizmente não tivemos culpa pelos pais que tivemos. – Então, em que posso lhe ajudar?

- Jungkook eu estou aqui humildemente para lhe pedir perdão.

Woa...por essa eu realmente não esperava. Onde está aquele ser que tanto me humilhava dizendo que eu não era nada? Que apoiou o seu próprio sobrinho a tentar me matar. Onde está aquele rei imponente e autoritário? Para onde ele foi?

Eu poderia muito bem trata-lo com arrogância, esfregar todas as suas falhas como rei e pai em sua cara. Mas diferente dele, porque eu não sou ele, lhe darei um voto de confiança, afinal, ele será meu sogro após o meu casamento com Jimin que será concretizado dentro de um mês.

- Isso é verdade ou o senhor só está fazendo isso para limpar o seu nome por tudo que fez? – eu disse que lhe daria uma chance, mas não disse que seria fácil.

- Eu não tenho porque mentir Jungkook, sei que o que fiz foi muito errado, eu estava cego esse tempo todo, senti raiva por você ter conquistado o amor e o carinho do meu filho rapidamente não deixando tempo para que o meu sobrinho o fizesse. – ele suspirou e continuou. – Mas é com dor em meu coração que lhe agradeço, você salvou a joia mais rara e mais cara que tenho acima do meu reino, você salvou meu filho. Isso, dinheiro nenhum, riqueza nenhuma paga Jungkook. Ele confiou em você desde o primeiro instante que lhe conheceu e eu devia ter confiado mais em seus instintos.

- Eu nunca fui uma má pessoa Sr. Park, sempre tratei o senhor e sua esposa com muita educação e cordialidade, sei bem que Taehyung usou diversas artimanhas para lhe convencer a me afastar de Jimin, mas havia algo mais forte que o nosso amor que não nos deixava se separar. – disse olhando para o meu pulso e esfregando minha outra mão livre sobre o desenho que ali tinha.

- A marca! – ele disse me encarando. – Eu sei. Não tenho palavras para lhe agradecer por nunca ter desistido do meu filho. – ele diz e percebo sinceridade em seu tom.

- Eu nunca desistiria do que é mais importante para mim Sr. Park. Assim como o senhor disse que ele é a joia mais cara que tem em seu reino, hoje eu lhe digo que ele não é somente uma joia para mim, ele é meu mundo, o meu tudo, nunca permitirem que mais ninguém o machuque ou o fira novamente. – disse sério o encarando e ele assentiu.

- Eu lhe agradeço muito por isso, para mim é o mais importante, que meu filho esteja bem, mesmo que nenhum de vocês dois me perdoe. – ele diz cabisbaixo e me senti na obrigação em dizer.

- Eu não tenho porque lhe perdoar Sr. Park, mesmo vendo que tudo que fizeste foi uma tolice, mas mesmo sendo tolice o senhor acreditou ser o melhor para Jimin, tentou cuidar dele, mesmo sendo da forma errada. – disse e ele assentiu balançando sua cabeça concordando, isso também me surpreendeu, em outra época ele estaria bradando que não estou sendo indulgente e sim insolente. – Então não é para mim que o senhor deve se desculpas, e sim para Jimin, porque para mim não importa se o senhor se arrepende ou não, eu não vou deixar de amar o seu filho por isso e com todas a minhas forças tentarei faze-lo feliz. Isso, é uma divida que somente a ele o senhor deve pagar. – fui mais direto e sincero possível com ele.

- Sim eu compreendo, por isso vim até aqui, para vê-lo, e pedir perdão por todo mal que lhe causei, mesmo sentindo muita vergonha de tudo o que fiz, mas eu preciso ouvir dele que ele me perdoa, só assim ficarei em paz comigo mesmo, sabendo que o meu filhinho não me odeia. – ele diz com lágrimas nos olhos sem perceber que Jimin ouvira tudo o que ele disse e se aproximava, talvez pelo fato da gravidez seu cheiro se misturou ao meu.

- Eu não te odeio appa. – Jimin diz solidário ao sofrimento de seu appa.

- Filho... – Sr. Park se surpreendeu com a presença do Jimin.

- O senhor fez muitas coisas erradas sim e reconhece seus erros. – Jimin diz sincero.

- Me perdoa meu filho, eu nunca devia ter posto sua vida em risco assim, eu fui um tolo em acreditar em seu primo, esse tempo todo ele só me usou... Me perdoa, me perdoa por favor. – Sr. Park se ajoelha nos pés de seu filho chorando muito, acho que agora sim ele aprendeu a lição.

- Appa levante-se. – Jimin o puxou para se levantar. – Não precisa fazer isso, está tudo bem, fico feliz que finalmente o senhor enxergou a verdade.

- Já não era sem tempo. – disse brando e eles sorriram e se abraçaram.

Parecia que as coisas finalmente começariam a entrar nos eixos.

...Continuo?...


Notas Finais


Será que as coisas vão se resolver agora?
Deixem seus comentários...
Bjokass 😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...