História The powerful Big boss - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Boss, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Nanjoom, Taehyung, Yoongi
Visualizações 9
Palavras 1.657
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente primeiro cap espero que gostem

Capítulo 1 - Your Name


P.O.V - Narradora.

Flashback On.
     
— Câmbio. Aqui é o Bambam! Os rebeldes norte-coreanos balearam o Gucci, senhor! Precisamos da equipe alfa aqui, agora! ...Força e união. Câmbio. - Pedia ao major, que os salvasse daquele lugar com lágrimas nos olhos, e pressionou o ferimento à bala que seu amigo acabara de levar em seu ombro direito. 

— Câmbio. Aqui é o Suga! Equipe alfa a caminho... Ninguém sai do esconderijo, até eles chegarem! Me ouviram?! Força e união...Câmbio. - Já o major estava aflito. Sabia que se algo acontecesse com esses meninos, a culpa seria jogada para cima de si, e por isso, sua única opção era chamar a equipe alfa. 

— Câmbio. Big boss? É hora de agir! Equipe alfa, salvem a pátria e voltem vivos. Isso é uma ordem, e não um pedido! Câmbio. - O major já não precisava se preocupar tanto com o problema com os nortes-coreanos, já que a equipe que confiava tanto, estava a caminho do local. 

  P.O.V - Capitão Jeon Jungkook. 

  Tirei a identificação do pescoço, e a coloquei em minha velha arma, já aposentada e quebrada. 

   Essa era a típica missão que não podiam descobrir nossas identidades, em hipótese nenhuma! Nem mortos, nem vivos.

  — Big boss? - Hope me chama. - O Gucci esta ferido, mas ainda sim, estável! E precisamos entrar lá dentro! - Aponta o dedo indicador para uma pequena casa abandonada, feita de madeira velha.

— Já sei o que nós vamos fazer! - Coloquei a mão no meu cinto de equipamentos, que continha um bolso do lado direito para o auquitok, e do lado esquerdo, outro bolso maior e mais estreito, que ficava a minha faca. É claro, havia mais bolsos no cinto mais eu não guardava nada lá.

Peguei o auquitok, já o ligando. 

— Câmbio. Aqui é o Big boss! Tio patinhas, venha aqui! Vamos nos render, apenas nós dois. Câmbio.

•••••

    — VOCÊ SÓ PODE TER FICADO MALUCO! - gritava comigo como se eu fosse doido, talvez eu fosse um pouco, mas só um pouquinho. - Você quer que nos entregamos a eles, sem proteção nenhuma, e nenhuma arma além da faca? - Jimin me olhava com um olhar mortal.

  — Sim! - Sorri. - Esse é o meu plano, e é por isso, que eu escolhi você Jimin! Porque se for para eu morrer, quero morrer com você! - É claro que era uma brincadeira. Mas, eu adorava estressar o meu melhor amigo.

  — VOCÊ ENDOIDOU DE VEZ! É UMA MISSÃO SUICIDA! - Eu assenti. E ele me olhou, logo juntando as mãos, fazendo um beicinho, e piscando os olhinhos várias vezes, como se dissesse, "por favor". - SE NÓS MORRERMOS, EU VOLTO SÓ PARA TE MATAR! TÁ ME OUVINDO?

    — ISSO! - Minha felicidade era grande. Comecei a tirar o colete à prova de balas, e entregando as minhas armas para os outros soldados que estavam ao meu redor, junto com o auquitok, e deixando apenas a faca. - Pronto! Vamos nos render. 

    — Tomem cuidado! Se um de vocês se ferir, nós iremos entrar! Vocês também, capitão e primeiro sargento, tomem cuidado! - Colocou a mão direita na cabeça, em forma de referência. - Força e união. - Namjoon era um ótimo soldado e um ótimo amigo, mas se preocupava muito com tudo. 

       Continuamos andado pela mata escura, em direção aquela casa de madeira velha. E a cada vez, eu ouvia uma reclamação do Jimin, era mais legal estar lá com ele, a cada xingamento vinha uma risada minha. 

     — Seu viciado em adrenalina! Quando chegarmos na Coreia de novo, vou te mandar para um psicólogo tratar isso! - Dizia baixo, por estarmos bem perto da casa abandonada que estava movimentada por inimigos.

     — Tá, tá. Mas agora fique quietinho, Pato donalds, porque estamos perto da casa! - Errei de propósito o codinome dele, pois é sempre legal irritar o baixinho.

  — Tio patinhas! - Ele já estava bravo, isso era o ponto alto do meu dia. Irritá-lo era muito divertido para mim.

      — Eu sei, errei de propósito! - Sorri para ele. - Agora, levanta as mãos, e faz cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança. - Fomos puxados para dentro da casa. Lá, haviam dois norte- coreanos, e os nossos sul-coreanos de reféns, amarrados em um canto do chalé. 

      — O que dois soldados de alta categoria fazem aqui, e ainda desarmados? - Pergunta o rebelde do Norte, ele tinha uma cicatriz acima da sobrancelha até a parte central da bochecha, o cara era realmente muito feio! 

      — Viemos buscar, o que vocês roubaram de nós! E os levaremos para casa, nem que isso precise que lutemos. Se precisar, vamos ter uma luta justa! Sem armas de fogo do meu lado e ao seu. - Ele tira as balas de sua arma, e as deixa em cima de uma estante junto com ela. Assim, faz o mesmo com a do seu companheiro, e pega a sua faca. 

      — Só vou avisando, eu luto muito bem. - Pego a minha faca na mão direita, e avanço já o golpeando, assim seguiu uma luta normal, até que ele acaba ferindo minha mão direita, me forçando a trocar a faca de mão.

   — Você luta bem com a mão direita, mas como será que luta com a esquerda? - Voltamos a lutar, e dessa vez eu estava perdendo. Ele já tinha me encurralado na mesa, na parede, e até no chão. Aquilo estava um caos e chegou a minha vez de vencer essa briga.

     O empurrei para fora do chalé, continuando a luta, e o encurralei. Mas não, sem antes, ele me cortar perto do osso do ílio. Gemi de dor, e por instinto coloquei a faca em seu pescoço. Com a mão direita machucada, segurei a sua mão com a faca. 

  — Saia daqui agora correndo, e viva a sua vida enquanto pode, porque eu vou te matar, com as minhas próprias mãos, ouviu? - Eu não podia matá-lo agora, por mais que eu quisesse, ele não era a minha missão.

     — E por quê, não mata agora, capitão? - Sussurra em meu ouvido. - Eu não sou sua missão, e nem você a minha, então até a próxima, capitão.

     Flashback Off.

  — Ei, ainda está pensando que devia ter matado aquele cara? - Jimin me desperta dos pensamentos que eram exatamente esses, mas eu não podia pensar em trabalho nos dias de folga. Essa, era a regra número 2 da nossa lista de regras de amizade, a primeira era que em hipótese nenhuma, nós podíamos ficar com Choi Haru, coisa que eu nem queria na verdade.

— Não. Só pensando em como eu posso te vencer em uma corrida daqui até o parque de diversões. - Sai correndo em sua frente, e logo sendo seguido por Jimin. 

— ISSO NÃO VALE! VOCÊ SAIU CORRENDO PRIMEIRO! - E reclamando de novo. Sempre reclamando. 

Começamos a correr por uma escada enorme, e teríamos ido bem, se não fosse pelo Jimin ter me passado, só não correndo, e sim, rolando escada a baixo. Na hora, eu parei. Quando foi, que ele caiu? Ah, isso não importa agora! 

Tentei acompanhar a garça desengonçada, que deu conta de cair da escada. Isso era um pouco difícil, pois o garoto ia rápido demais. Só consegui o alcançar, quando chegamos no último degrau da escada, e foi aí que o Park parou de rolar.

— Você está bem? Se machucou? - Quero muito rir e fazer piada com isso, mas no momento, precisava ver se ele estava bem.

— Eu pareço bem? EU ACABEI DE CAIR DE UMA ESCADA! E AINDA, TORCI O PÉ! EU NÃO TO BEM! VOU MORRER, ME CHAMA UMA AMBULÂNCIA. - Fazia drama, enquanto apertava a minha coxa. - Já posso ver até estrelinhas. - Tossiu falsamente.

— Jimin, eu não vou chamar uma ambulância! Isso que você está fazendo, é drama. - Cruzo os braços. 

— Ah, é? Saiba que se eu morrer, a culpa é sua! Vai viver com a culpa de ter matado seu melhor amigo! - Gritou para mim. - E outra, quero que fique com isso. - Tirou seu colar de identificação, e me deu. - Você pode ter matado o seu melhor amigo, mas eu ainda te amo cara. - Fingiu morrer.

— Tá! Eu te levo para o hospital, garça rodopiante. - O ajudo a chegar até o carro, que felizmente não estava longe. - Pronto, agora fique aí parado, para não sair rolando de novo. 

— SÓ ME LEVA PARA O HOSPITAL! seu narigudo. - Ele diz emburrado. Eu amava o meu amigo, mas quando ele fazia esse drama, ou me chamava de narigudo, dava vontade de matá-lo. 

— Eu não tenho o nariz tão grande assim! - Esse era o jeito de me deixar bravo, me chamar assim, era o único de me irritar ao ponto de matar alguém! 

••••

— Chegamos, garça rolante. - Coloquei seu braço em volta do meu ombro, e o ajudei a sair da minha Lamborghini azul marinho. - Cara. Quando foi que você engordou? - Rimos. - Ei, não fecha os olhos, ouviu? Isso é uma ordem, como seu capitão! - Médicos e enfermeiros trouxeram uma maca para o deitar.

— Senhor? O que aconteceu? - Uma médica que pela aparência física, não era coreana, me pergunta. Fiquei vidrado em sua beleza, era como um anjo de cabelos castanhos e olhos negros. Sua pele nem tão branca, dava um ar de saúde a ela, e sua roupa branca demonstrava que ela não era enfermeira. Seus sapatos de nem tanta qualidade, demonstravam que também não era rica. Sua pele lisinha mostrava-me que estava sem maquiagem alguma. Será que estava mesmo na presença de um anjo? Ou, era eu que tinha saído rolando escada a baixo, morrido. E, essa beleza toda, era só a dona morte tentando me enganar para me levar mais rápido? - Senhor? você é o responsável pelo paciente? 

— Sim, eu sou. O melhor amigo. - Ela já ia saindo, mas segurei o seu pulso fortemente. - Com licença...Mas, qual é o seu nome?


Notas Finais


Comentem e favoritem
Bjs bebês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...