História The President - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Sasuke Uchiha
Tags Chefe, Drama, Ficção, Híbrido, Hinasasu, Hinata, Humana, Mistério, Possessivo, Revolução Sasuhina, Romance, Sasuhina, Sasuhina1forever, Sasuke, Sasuke X Hinata, Secretária, Suspense, Vampiro
Visualizações 621
Palavras 3.500
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


gente eu voltei!
obrigado pelos comentários e favoritos boa leitura.
NOTAS FINAIS! NOTAS FINAIS!

Capítulo 15 - Blood XV


Fanfic / Fanfiction The President - Capítulo 15 - Blood XV

Blood XV.

Aliados.

Unido por um pacto, um tratado de aliança. Apaniguado, sequaz, cúmplice, comparsa.

A sala está quente.

O clima se encontra frio, o inverno está a fazer com que grossos casacos sejam tirados do guarda roupa, essa é a estação preferida de Sasuke.

Apesar do ar condicionado se encontra ligado, suor está a escorrer pelo meu rosto à medida que sinto os dedos de Sasuke percorrerem toda a região do meu corpo, apalpando e apertando o meu corpo suado.

Estou ficando ofegante, ele nem ao menos parece cansado enquanto eu sinto que não irei aguentar o segundo round que de acordo com ele será mais épico que o primeiro, ele me morde enquanto eu sinto as minhas pernas fraquejarem, novamente eu estou a ter aquela indescritível sensação de prazer.

Ele me corrompeu.

Me transformou em uma pessoa sedenta por ele, somente por ele. Não consigo ficar perto de outro homem sem me lembrar do que acontece sempre que ficamos sozinhos, não tenho mais a capacidade de fugir de seus flertes e de negar o que eu sinto. Fico corada com tanta facilidade ao seu lado que chega a assustar.

Algo está a escorrer pela minha intimidade, o sorriso de Sasuke é a prova de que novamente ele o fez sem usar preservativo, ele diz que está morto por isso não pode ter e nem fazer filhos. Apesar do irmão ter conseguido engravidar uma humana há alguns bons séculos atrás.

Ele sai de dentro de mim, fico um tempo deitada olhando para o teto enquanto o mesmo vai até o banheiro, sempre assim. A gente transa ele vai para o banheiro trocar de roupa, enquanto eu tento me recompor, recuperar a minha postura de secretaria.

Com os óculos perfeitamente ajustados no rosto e com um coque forte. A saia batendo na altura de meus joelhos e todos os botões da minha blusa social e blazer fechados.

Será que ele se esqueceu de que eu sou humana? Que quando ele é bruto demais às vezes dói e incomoda? Mas ele continua sendo Uchiha Sasuke, o fato de estamos namorando não mudou muita coisa, somente que agora ele vive de uísque e de sangue sintético, que agora o limite de bolsas de sangue que ele consome diminui de forma um tanto drástica.

O inverno está a obrigá-lo a comer menos.

Ele trouxe o caixão de volta para a mansão, sua cama foi retirada do quarto durante o tempo em que ele passou dormindo, uma semana indo lá todas as noites para ver se ele ainda estava vivo. Se ele não tinha secado por completo.

Já têm três meses desde que voltamos de viagem, três semanas desde que ele acordou e uma que tentaram me matar. Não foi nada muito sério, mas isso acabou por deixá-lo apreensivo, com um mau humor dos infernos e com uma cara estranha; não é estranha ele somente fica sussurrando com Naruto pelos cantos, até mesmo Sakura está sendo colocada no meio disso tudo.

Eu somente tomei meio copo de suco e quase morri, mas o médico disse que não foi nada sério e que de certa forma eu estou bem, sem nenhuma sequela ou resquício do veneno usado no meu organismo. Já que o veneno era pra ter me matado, já que apesar de não ter tomando bastante ele é considerado nocivo e bem letal.

De acordo com ele eu deveria ter morrido no momento em que consumi a bebida, todavia eu consegui ser levada para o hospital e ainda fui socorrida pelos atendentes.

Termino de me ajeitar, estou cansada e com sono, enquanto o vampiro que dormiu por uma semana encontra com uma energia fora do comum, ele quer tanto provar que a profecia está errada que está acabando comigo em todos os sentidos possíveis! Ele me acorda no meio da noite, antes da gente vir trabalhar e durante o trabalho, em todo o lugar ele me que!

A peste é insaciável, enquanto eu luto para seguir nem que seja metade do ritmo do mesmo.

Saio da sala antes que o mesmo aparece, o meu turno já acabou, irei passar no apartamento de TenTen, já que ela me avisou que ainda nesse fim de semana o meu pai e a minha madrasta irão vir me ver.

Se eu pedir Sasuke irá dizer não, por isso estou a ir escondido. Um bilhete fofo indicando a minha localização foi deixado em cima da mesa, preciso ficar longe dele um pouco e respirar novos ares. Nem que seja somente por algumas horas.

Cansei de transar no banco de trás do carro, com Iruka nos vendo.

***

– Seu primo é muito chato! – ela pega a pipoca em cima da mesa. – Não me deu paz um minuto sequer, aonde eu ia estava atrás! Que merda, se ia ter festa nem devia ter me convidado, ele sabe que eu gosto de curti... – ela está brava. – Mas enfim como estão as coisas com o Sasuke.

– Bem, pelo menos eu acho. TenTen ele está muito grudento, não me dá paz e nem sai de perto, toda hora fica querendo e isso está acabando comigo.

– Normal amiga, ele passou muito tempo na mão. – bufo.

– Isso não justifica nada, daqui a pouco ele bate aqui e me joga nos ombros. – ela me questiona o porquê. – Mandei uma mensagem pra ele dizendo que ia dormir aqui, meu pai chega amanhã e eu não estou a fim de falar que eu estou morando com o meu chefe e que nos tempos livres a gente fica junto. – nem sei da onde está saindo tamanha coragem para falar disso de forma aberta, mas depois que eu quase morri comecei a valorizar mais os momentos com TenTen.

– Amiga... – ela me abraça, nem ao menos percebo que estou a chorar. – vai ficar tudo bem.

– Tenho medo.

– De que minha flor?

– De me apegar a Sasuke e depois quebrar a cara, acabar sozinha e sem ninguém pra cuidar de mim.

A campainha toca no momento em que o meu choro se intensifica, sabe eu quero sumir, me levanto e vou até a cozinha com a desculpa de pegar mais pipoca enquanto TenTen atende a porta.

Me sinto estranha, quase como se um vento frio passa por mim, a casa se encontra fechada, apesar de estarmos somente no inverno, com as primeiras neves para cair. Um estrondo é escutado, vozes e um exclamo de dor, TenTen me aparece com alguém lhe segurando o braço, eu conheço o homem... foi aquele que ameaçou Sasuke.

Sinto uma dor, um dos homens me empurra e sobe em cima de mim, vi estrelas no momento em que ele começou a levantar minha blusa e tocar na região do vale dos meus seios, rapidamente se dirigindo até a lateral de meu corpo. Um vento gélido passa por mim, fazendo com que os pelos de meu corpo se arrepiar e aquele estranho desconforto piore.

É quase como se alguém estivesse a me abrir, a me rasgar pelo meio. Parece que estou perdendo alguém, apesar de não saber ao certo quem seja.

Sasuke. Penso ao sentir a marca em minha mão arder, quando aquela angustiante sensação aumenta e faz com que eu sinta uma breve falta de ar. Prendo o fôlego enquanto eu tento entender o que está a se passar.

TenTen se encontra apagada, o líder do clã dos lobos está a fazer algo comigo, mas estou desorientada e zonza demais para reagir e protestar qualquer coisa nesse momento.

Um grito é escutado, alguém acabou de entrar, vejo um vulto negro... não são mais de um, todavia um tem o cabelo amarelo e o outro preto. A marca em minha mão parou de queimar, que estranho acho que estou perdendo a consciência.

***

Alguém está a gritar, a dizer coisas que eu não entendo. Uma parte do meu corpo dói, meu estômago parece ter sido revirado e a minha cabeça que está me matando aos poucos.

Tento me por sentada, todavia, alguém me empurra para trás fazendo com que eu sente novamente. Olho para Naruto que está a me encarar, solto um meio sorriso e um reclamo de dor.

– Onde está doendo?

– Sendo sincera? – ele faz que sim. – O corpo todo, parece que alguém me espancou, mas nada supera a dor que eu sinto aqui – pousou a mão sobre o meu estômago. – parece que alguém o revirou e isso não é algo gostoso.

– Somente aí dói mais? – faço que sim. – Droga! – ele se levanta apressado.

O chamo, mas ele me ignora, quero saber o que aconteceu e o motivo do clã dos lobos ter ido atrás de mim. Sei que eles querem o sangue de Sasuke, mas eu sou humana e nunca nem ao menos bebi o sangue do moreno; sem contar que há três meses eles me avaliaram, tentaram de toda forma constatar que eu ainda era humana.

Que eu não tinha mudado, por isso não há motivo para que eles viessem atrás de mim. Sasuke mesmo disse que iria demorar em que eles tentassem algo novamente, para que eles viessem atrás de mim.

Aquilo que aconteceu meses atrás já se repetiu, contudo, ele sofreu menos. Sua fome e pranto foi menos intenso, tanto que bastou somente Itachi para segurá-lo.

Me levanto, andando em linha reta e me apoiando nas paredes da casa desconhecida eu tento encontrar a cozinha. Estou com fome, apesar da dor que está a fazer com que cada movimento meu se torne algo doloroso.

Paro quando chego aos degraus, minha vista embaça. A dor ficou mais forte, limpo os olhos de forma rápida e tento voltar para trás; mas ao pé da escada o Uchiha se encontra parado, me encarando e dizendo palavras que eu não consigo entender.

Usando a força e velocidade pertencente a sua classe ele sobe a escada de forma rápida, somente com um braço ele me carrega e me leva para a direção oposta a do meu quarto.

– Sasuke, isso dói! – digo entre soluços.

– Já vou passar, eu vou fazer passar. – ele beija o topo da minha cabeça. – Você somente não vai gostar do que eu vou precisar fazer, mas eu te juro que é para o seu bem! Eu juro Hinata, não queria que isso te acontecesse, só que se não o faço será você irá sofrer mais e isso eu não posso suportar, por isso me perdoa princesa.

– O-onde estamos indo? – minha voz vacila.

– Eu tenho um caixão só para você meu amor. – ele sorri fraco. Mais para que eu preciso de um caixão? – Ele será a sua terra, o seu descanso, você vai ficar melhor se permanecer nele por um tempo...

–... Sasuke eu.

– Não meu amor, não é por causa de você, a minha princesa ainda é humana, suas bochechas continuaram a corar e o seu coração a bater acelerado.

– Então por quê? – digo já chorando, a cara que ele está a fazer e as suas respostas vagas estão a me deixar apreensiva.

– Só saiba que eu te amo. – suas lágrimas rubras estão a cair sobre o meu rosto. – É que estou fazendo isso para te proteger, para que você fique bem... princesa você é a minha rosa hebraica.

Ele para no momento em que chegamos a um quarto. Ele é completamente escuro, em seu meio dois caixões se fazem presente, um contém o nome de Sasuke e o outro sem identificação.

– Desculpa. – ele chora quando me coloca dentro da caixa fúnebre.

Sasuke morde o próprio pulso fazendo com que o sangue começasse a sair colocando um pouco em sua boca ele me beija, me forçando a beber o líquido viscoso. Algo dentro de mim se aquece, a dor aos poucos vai me deixando, ficando mais fraca, assim como o meu corpo.

– Amor... – o chamo, ele fica do meu lado, tocando em meus cabelos e cantando para mim enquanto eu sorrio para ele.

– Hinata a dor vai passar, mas você precisa ficar deitada aqui, onde nada e nem ninguém pode te tocar, vocês irão ficar seguros aqui, agora eu só preciso que você durma. Que descanse e se recupere. – ele toca no meu cabelo, seguro sua mão com força – eu prometo voltar e esperar você acordar.

– Hum. – não consigo entender o que ele está a falar, a única coisa que sei é a fome que eu estava a sentir passou.

***

Não sei quanto tempo eu dormi, mas assim que acordei a dor no meu corpo sumiu. O quarto se encontra deserto, sem sinal de Sasuke ou de Naruto, abro a cortina. O sol se encontra algo, suspiro, toco na marca em minha mão.

Suspiro estou com duvidas cruéis e mortais. Irei perguntar e questionar Sasuke sobre tudo o que me aconteceu e o porquê de ele me colocar para dormir em uma caixa fúnebre, sem contar que o mesmo ainda me deu o seu sangue, sendo que ele mesmo disse que era perigoso demais me dar nem que seja uma única dose.

Pois eu teria que ficar vinte e quatro horas sendo vigiada, não poderia morrer e nem me ferir gravemente durante esse período. Já que ao morrer eu voltaria, mas não seria mais humana, sem contar que ainda tinha uma pequena chance de que eu morresse ao tentar tomar sangue humano ou pior que tentasse tomar o sangue do meu criador e morrer.

Sangue de vampiro é como um veneno para a própria espécie, exceto se a pessoa for humana, aí ele teria a mesma propriedade que a saliva do mesmo.

Começo a andar em direção as escadas, tento me lembrar do caminho que fiz com o meu namorado. Quantas horas se passaram desde que eu dormi? Como será que TenTen está? Droga esqueci-me de perguntar a Sasuke quando eu o vi.

Escuto vozes no andar de baixo, uma voz masculina e outra feminina estão a discutir. Desço as escadas com certa lentidão, algo dentro de mim manda que eu tome cuidado.

Ao chegar a enorme sala eu me deparo com a minha melhor amiga e o homem que me deu o próprio sangue a discutirem um com o outro.

– Sasuke, TenTen? – os chamo.

– Hina! – TenTen exclama surpresa ao meu ver, Sasuke suspira aliviado. – Que bom que acordou! – ela corre e me abraça.

– Eu só tirei um cochilo. – digo sem graça.

– Amiga você dormiu por três dias. – ela se afasta de mim, em minha boca um “o” perfeito se encontra formado. Sasuke nada diz, somente encara toda a cena sem entender nada.

– C-como eu senti que fora somente algumas horas, que nem dormi muito. – digo sem entender o que está a se passar. – Sasuke o que está acontecendo.

– Quer o resumo ou a versão longa?

– A resumida. – ele suspira.

– Bem agora o clã dos lobos te querem. – isso eu já sabia. – Se bem que antes eles já te queriam, mas agora tem um motivo a mais para te desejar e cobiça, pois a merda da anciã deles estava certa. Odeio de coração aquela velha diabólica.

– Como assim? Sasuke, por favor, seja direto.

– Bem seremos pais e agora eu sou sua bolsa de sangue ambulante. – ele sorri falsamente.

– N-não é possível. – me sento no sofá próximo a mim.

– Sem contar que a sua amiga aí não é mais humana. – eu me sinto confusa.

– Droga, por que ela não é mais humana.

– Um lobo idiota fez merda e pra salvar ela eu fiz dela minha recém-criada, com direito a elo e uma fome louca. – Sasuke acende um cigarro e se senta um pouco distante de mim, TenTen se mantém próxima a mim, abaixada eu tento sentir o calor corporal da minha amiga, calor que não há habita mais. – O caixão ao lado do seu e o dela, não podia deixar morrer então a pus para dormir na minha última terra, por isso ele estava do seu lado.

– Amiga isso é v-verdade? – a questiono.

– Hinata quando eu tentei te ajudar acabei me machucando e o seu namorado me ajudou – ela solta um meio sorriso. –, mas eu já estou me adaptando, só não te recomendo é horrível ter que dormir naquela coisa...

– Ei nada de reclamar da minha terra! Aquilo é tão importante quanto a minha empresa. – ele bufa. – Sinta-se agraciada por ter dito o privilégio de ter sobrevivo à transformação e por ter dormindo na minha terra.

– Aquilo fede a velho! – ela exclama.

– Tá achando ruim compra um pra você.

Eles ficam discutindo enquanto eu tento absorver aquilo que aconteceu nos últimos cinco minutos.

– Acordei depois de três dias.

– Os lobos me querem morta, apesar de desejaram o sangue de Sasuke.

– Minha amiga é uma recém-criada, que está ligada a Sasuke.

– Vou ser mãe... pera mãe?

Não estou entendendo mais nada, não estou a compreender nenhum décimo das coisa que estão a se passar e muito menos o que Sasuke quis dizer com que ser a minha bolsa de sangue ambulante.

Droga, minha cabeça dói. Não posso estar grávida, sei que engordei um pouco nos últimos tempos e que ando um pouco inchada, mas o período veio nos... merda! Não veio, mas às vezes atrasa um pouco, então nem me importei, sem contar que empresa anda uma loucura e o meu relacionamento com Sasuke estava a sugar todo o meu tempo livre.

Me descuidei! Disse a ela que ia tomar remédio, mas nunca nem mesmo os comprei. Então isso é meio que minha culpa, agora o meu bebê e um alvo sobrenatural e eu sou uma mãe em pleno surto mental.

– S-sasuke o que você quer dizer com seremos pais?

– Ora, princesa você está grávida, por isso estava sentindo dor. – ele sorri amarelo. – Mas não se preocupe eu vou cuidar de vocês, vai ficar tudo bem, essa casa é segura. Ninguém vai achar você aqui, pelo menos até que os meus parentes cheguem com a bruxa que me fará uns feitiços.

– Que tipo de feitiço?

– Proteção e para saber se está tudo bem. Médicos normais não vou poder ver o bebê com clareza, ele é um híbrido, então provavelmente vai herdar os genes que não despertaram em você e isso só piora tudo.

– Como piora?

– Não sei o que dar de comida pra você ou pra ele, eu só sei que ele precisa de sangue, agora eu não sei mais o que dar a ele, por isso pedi para Kakashi vir cuidar de você por um tempo.

– Por que eu sinto que você ainda me esconde algo? – ele suspira e vem até mim, TenTen se afasta ela está nervosa e apreensiva.

– Seu pai chegou a duas noites. – oh droga. – Ele sabe que eu sou vampiro. – não pode piorar, pode? – Foi ele quem disse para o Danzou onde você estava e pelo que vejo está a odiar o fato de que será avô.

É não podia piorar, antes estava ruim, mas agora eu nem qual nome dar para a falta de sorte que nos atingiu. Meu pai sabe sobre o meu namorado e ainda mandou me sequestrarem, sem contar que ele odiou o fato de eu estar grávida.

Isso é tudo culpa minha e de Sasuke!

Apesar de uma parte minha gritar que é tudo culpa somente do Uchiha que eu sou inocente e vítima disso tudo, mas não é. Ele está tão preocupado que está me dando o próprio sangue, me ama tanto que salvou a minha melhor amiga e está fazendo o melhor dele para que eu fique segura.

Quero muito dar na cara dele, mas a minha vontade de beijá-lo e falar obrigado é maior.

– Quando a sua família chega?

– Hoje à noite, assim que eles chegarem vou pedir para a Sakura vim.

– A assistente do senhor Uzumaki?

– Não disse que eles irão vir junto com a bruxa. – ele para um pouco. – Eu nunca disse que ela era uma? – nego. – Oh, eu esqueci, ela é uma bruxa, dá pra acreditar que ela tem mais de duzentos anos? – arregalo os olhos.

– M-mentira, ela parece ter a mesma idade que eu!

– Só parece, mas a Sakura é nem mais velha que você. – ele joga o cigarro fora. – Ela é uma das minhas principais aliadas, ela e toda a família dela. Irei pedir para que ela dê um jeito para que andemos a luz do dia e para que você ganhe um feitiço de proteção. As coisas irão ficar sérias e não posso mais me dar ao luxo de te manter presa aqui e nem longe de mim, TenTen? – ele se vira para a acastanhada que está a escutar tudo com atenção.

– Fala vampiro idiota!

– O idiota aqui te impediu de sangrar até a morte, assim que tudo se resolver eu vou quebrar o nosso elo. – ela sorri. – Mas até lá vai fazer o seu melhor para manter a Hinata e o nosso filho bem, se falhar eu arranco a sua cabeça sem nem ao menos excitar – ele diz frio.

– Como se eu fosse deixar algo acontecer com ela e o meu sobrinho.

– Por isso até essa merda acabar... seremos aliados.

Iremos proteger um ao outro, iremos manter um ao outro vivo.

Nossos inimigos estão a se mover, sua segurança é minha prioridade. Minha maior preocupação.

 

Eiji.


Notas Finais


pessoas o motivo de eu estar aqui é para explicar algumas coisas. Bem primeiramente, o pai da Hinata. a Hinata puxou os genes do pai e a Hanabi os herdou, o motivo de ambos não gostaram da mãe da Hinata e nem dela é por causa disso; elas era humanas e não era como eles.
Danzou é um vagabundo.
terceiro, a TenTen morreu, mas voltou e a recém-criada do Sasuke. Como funciona o elo: ela é presa a ele por um laço de sangue, sendo forçada assim a obedecer e a morrer por ele; todavia. para que o vampiro sobreviva a transformação e necessário que ele se deite sobre a terra do criador dele, por isso ela dormiu no caixão de Sasuke.
Quarto a Hinata dormiu em um para que ninguém a rastreasse, o caixão sem identificação e o reserva do Sasuke (prevenido ele neh). O menino é ninja.
Duvidas? Só comentar que eu respondo.
mas o que acharam do capítulo?
Tá rapido mais eu tenho um bom motivo. Caso alguém tenha brisado eles já estão em dezembro, pertinho e não tão distante do natal.
Outra coisa! A TenTen não gosta do Sasuke!
gente comentem e favoritem caso tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...