História The Price of Fame - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Beliebers, Justin Bieber, Purporse Tour
Visualizações 64
Palavras 3.619
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 34 - Yellow sunflowers


Fanfic / Fanfiction The Price of Fame - Capítulo 34 - Yellow sunflowers

Acordei na manhã seguinte com o corpo destruído, sentindo a garganta rasgar tossi abrindo os olhos, com a cabeça latejando sentei devagar colocando a mão na testa, analisando o ambiente percebi estar na casa da Maia sã e salva, apertada levantei indo pro banheiro.

— Que bom que acordou, já estava ficando preocupada. - ouvi Maia entrar no quarto, terminando de lavar o rosto enxuguei as mãos saindo do banheiro.

— Oi Mit. - arfei sentando na beira da cama. — Que horas são ? -

— Quase 16H. -

— Pelo visto dormi demais. -

— Depois do susto de ontem você precisava descansar, falávamos e você não reagia, foi muito assustador. - me deu um tapa no braço. — Não testa mais meu coração desse jeito. - me abraçou forte nos fazendo deitar pra trás.

— Pensei que fosse morrer. - confessei a apertando.

— O pior já passou amiga. - sentou na cama. — Graças a deus e ao seu salvador, falando nisso ele me mandou um direct no Instagram perguntando como você estava. -

— O rapaz que me ajudou ? - foi tudo tão rápido e confuso que não lembro muito bem do rosto dele.

— Sim, ele ficou preocupado com você, se desculpou pela atitude daquele idiota se bem que só desculpas não resolve nada, a falando nisso o Tommy aquele que te jogou sabe, mandou uma cesta de chocolates com uma caixa dentro, fiquei curiosa e já vou avisando que abri pra ver o que era. -

— E ? - ri fraco.

— É um celular, o mínimo que ele poderia fazer.

— Hmm, realmente é o mínimo depois do que aquele sem noção nojento me fez, mas me fala do menino que me ajudou, quem é ele ? -

— Ah. - piscou me cutucando. — Vai me dizer que não se lembra dele te fazendo boca á boca. - riu me fazendo cocegas.

— O que ? - ri segurando seus braços. — Tá falando sério ? -

— Você tinha parado de respirar, credo não gosto nem de lembrar mas respondendo sua pergunta, foi o Shawn que te ajudou. -

— Mendes ? - arregalei os olhos engolindo a seco.

— Sim, ele tava lá fora com você e com o Tommy quando tudo aconteceu. -

— Que vergonha. - baixei a cabeça corando.

— Relaxa amiga não foi sua culpa e você tava desacordada. -

— Eu sei mais não tem como não ficar sem graça. -

— Antes aquele gato do que o escroto do Tommy. - deu de ombros.

— Isso com certeza. - ri sem jeito. — Enfim se puder agradecer a ele por mim. -

— Por que você mesma não agradece ? Ele deixou o número do celular. -

— Por que não, tá doida ? -

— Você vai ligar sim. -

— Maia é o Shawn Mendes não qualquer cara que eu conheci em um barzinho. -

— Por isso mesmo. -

— Não, nem pensar. -

— Se eu fosse você ligava, ele é um gatinho, canta bem é talentoso e até tem fãs que podem te odiar também. -

— Haha que engraçada, sem comparações Maia por favor. -

— Foi inevitável desculpa, sem falar que se pararmos pra analisar não tem como comparar começando do ponto que o Shawn não é um completo idiota. -

— Maia. - a encarei séria, acho esse tipo de comentário muito desnecessário e tentar ofender o Justin mais ainda, me irrita ver ela falando dele desse jeito, ele pode até ser um idiota mas só eu posso falar isso não as outras pessoas.

— Tá parei. - ergueu os braços em sinal de rendição. - Antes que eu me esqueça, o Jonny tentou ligar pra ele ontem depois do que aconteceu pra contar o que houve mais de tanto que eu insisti ele acabou desistindo. -

— Melhor assim. -

— Uma hora ou outra ele vai acabar contando, eles são muito amigos você sabe. -

— Sei, de qualquer modo não quero pensar nisso agora, minha barriga ta roncando de fome. - ainda estou com muita raiva do Justin e não sei um dia vou esquecer tudo que ele fez mas ao mesmo tempo não posso negar que estou morrendo de saudades, de qualquer jeito ainda não estou preparada pra ver ele de novo.

...

POV SHAWN MENDES

Mesmo estando de férias aceitei o convite de um amigo para tocar no evento que ele estava promovendo, a verdade é que ficar longe dos palcos me deixa angustiado por isso sempre acabo fazendo algo relacionado a música no tempo livre, depois da apresentação fui direto pro camarim tomar um banho ouvindo uma musica alta começar a tocar no andar de cima, em outras ocasiões eu iria pro hotel dormir mas estou afim de beber um pouco e não quero fazer isso sozinho.

O coquetel organizado pela equipe tinha poucas pessoas, um ambiente agradável e boas bebidas, depois de brindar com o pessoal da banda e agradecer a cada um pedi licença e caminhei até a sacada pra observar a lua que por sinal estava linda, Tommy um fotografo renomado que conheço a algum tempo falava alterado no telefone, viu que eu estava ali e desligou vindo conversar comigo cambaleando pros lados, ele falava embolado e contava piadas sem graça me fazendo rir por educação, de rabo de olho vi uma garota passar parando não muito longe da onde estávamos, por um instante se distrai pegando o celular e quando percebi Tommy já estava ao seu lado, visivelmente alterado ele falava alto com ela e aquilo me incomodou, foi quando o vi puxando o braço dela se vendo obrigado a tomar partido, se aproximando pedi pra ele parar e ao invés disso o sem noção a empurrou na piscina, no primeiro instante não tive reação como se não acreditasse no que havia acabado de acontecer diante dos meus olhos, segundos após o transe cai em si tirando as coisas do bolso jogando em qualquer lugar e pulei na agua.

Foi tudo muito rápido, ela estava desacordada gelada e tremendo nos meus braços de um jeito que eu nunca tinha visto antes, desesperado sai da piscina a colocando com cuidado no chão, seus lábios estavam escuros, o rosto branco feito papel e mesmo assim não pude deixar de notar em como ela era linda, inalando todo oxigênio que consegui apertei a ponta de seu nariz inspirando todo ar que consegui e passei pra ela, mais duas tentavas e a garota voltou tossindo e soltando água pra todo lado, respirando fundo agradeci a Deus mentalmente fitando seus olhos que posso afirmar me hipnotizaram por alguns instantes, ela parecia tão assustada e frágil me fazendo sentir uma empatia gratuita.

Maia Mitchell uma atriz que até então eu só havia visto pela televisão se aproximou gritando desesperada, dando alguns passos pra trás pude notar que elas eram amigas, a garota aparentemente se chama Charlotte e logo foi levada pra dentro, Geoff se aproximou perguntando o que tinha acontecido, o problema é que eu estava preocupado demais para responder perguntas naquele momento, quando vi aquele garota parar de respirar na minha frente fiquei muito assustado e com medo de ver uma pessoa morrendo nos meus braços, atordoado passei a mão no cabelo os puxando com força, Tommy vai ter que se redimir pelo que fez nem que eu o obrigue a fazer isso.

— Shawn você precisa ir se trocar antes que fique doente. -

— Antes preciso achar o Tommy, viu ele por ai ? -

— Ele foi embora. -

— Tá brincando ? - ri de nervoso colocando as mãos na cintura.

— Ele é um desequilibrado, não vale a pena se estressar com aquele babaca. -

— A garota quase morreu Geoff isso não pode ficar por isso mesmo. - estou indignado que ninguém impediu aquele retardado de ir embora.

— E não vai, todo mundo viu e algumas pessoas tiraram fotos do estado precário que ele estava, agora chega desse assunto você fez sua parte e já está tudo bem, se não quiser prejudicar sua voz é melhor ir tirar essa roupa molhada agora. -

Bufando baixo entrei voltando pro camarim, depois de se secar e trocar de roupa juntei minhas coisas e voltei pro hotel, era tarde da noite e mesmo assim um grupo de fãs me esperava na calçada, atendi uma por uma e tirei todas as fotos que pediram mesmo cansado, depois de um tempo de conversa se despedi pedindo com que elas voltassem com cuidado pra casa e por fim consegui entrar no hotel, exausto cheguei no guardo se jogando na cama sem ao menos acender a luz e assim eu apaguei.

Acordei as 10H como o de costume, depois de uma ducha demorada e um café da manhã reforçado fui arrumar as malas pra voltar a Toronto, enquanto pegava as coisas no armário vi a sacola com as roupas molhadas da noite anterior, Geoff até disse pra mim esquecer o que aconteceu pois deve tá tudo bem e de fato espero que esteja só que se esquecer não é algo que eu consiga fazer facilmente, sonhei a noite toda com piscina e não consigo evitar de pensar na imagem daquela garota sem respirar na minha frente, esse tipo de cena traumatiza qualquer um.

Depois de guardar tudo em seu devido lugar liguei no restaurante pra pedir o almoço, enquanto esperava entrei no Instagram pra passar o tempo, vi alguns perfis aleatórios até cair no perfil da Maia Mitchell, se fosse em qualquer outro dia jamais teria notado e passaria batido mais foi inevitável não ter curiosidade sobre o que aconteceu, dando de ombros resolvi mandar um direct perguntando se estava tudo bem com a sua amiga, ela tava online pois respondeu logo em seguida dizendo que Charlotte estava melhor e ainda dormia, contou que as duas moravam juntas e que não pregou o olho um minuto durante a madrugada com medo que a amiga passasse mal, perguntei sobre Tommy e ela disse que ele apareceu por lá com cara de tacho com uma cesta na mão, não é possível que ele não tenha percebido que a coisa foi séria e sua inconseqüência quase matou uma pessoa, depois de explicar a ela tudo que aconteceu pedi seu endereço pra mandar um cartão de melhoras pelo menos, por fim Maia se despediu me agradecendo.

Já tinha almoçado a algum tempo, liguei em casa para perguntar se todo mundo estava bem e juntei as malas perto da porta, prestes a sair do quarto meu celular começou a tocar, era Andrew avisando que o voo havia sido adiado devido as situações climáticas, revirando os olhos perguntei se existia chances de ainda conseguirmos decolar e o mesmo afirmou que não, sem alternativa se dei por vencido, troquei de roupa e fui ao quarto do Andrew pedir um favor.

— Aconteceu alguma coisa ? - sorriu abrindo a porta.

— Não, na verdade quero te pedir um favor. -

— E o que seria ? - arqueou a sobrancelha. — Quer entrar ? -

— Não obrigado, quero o carro pra dar uma volta por ai. -

— Tá, o Jake pode te acompanhar. – assentiu indo pegar a chave.

— Não precisa. -

— Vou se sentir mais confortável se vocês forem juntos. -

— É rápido. -

— Shawn ... -

— Não vou conseguir se livrar dele não é ? -

— Odeio parecer o cara chato m... -

— Relaxa Andrew eu entendo. -

— Vou avisar ele pra te esperar lá em baixo. -

— Tá. - agradeci voltando pro quarto, peguei um moletom e celular no carregador e sai trancando tudo ao encontro de Jake no saguão.

Sai do elevador e ele já estava a minha espera, de cabeça baixa caminhei até o carro enquanto conversámos sobre o novo álbum do Drake, o dia estava cinza e gelado deixando as ruas pouco movimentas para aquela hora da tarde, sentado no banco do carona abri o vidro perdendo o olhar na paisagem.

— Aonde vamos ? - perguntou chamando minha atenção.

— Lembra da garota da piscina ontem ? -

— E tem como esquecer ? Aquele Tommy Reynolds não tem nada na cabeça mais o que tem isso ? -

— Sei lá, pensei em ir até a casa dela e levar um cartão ou flores não sei. -

— Gentil da sua parte, isso abala o emocional de qualquer um. -

— Pois é. -

— Mais é só isso ? -

— Como assim ? - franzi o cenho se ajeitando no banco.

— Você que tem me dizer, não poderia simplesmente mandar entregar ? - boa pergunta, não tinha pensado nisso.

— Estava entediante ficar trancado no Hotel. -

— Pensando por esse lado tem razão, sabe de alguma loja especifica ? -

— Não mas com certeza deve ter alguma no caminho.

— Coloca as coordenadas no GPS então. - depois de programar a rota liguei o rádio trocando de assunto.

Já estávamos perto quando Jake apontou uma loja de souvenires, coloquei a touca do moletom, um óculos escuros que estava no porta luva e desci, por sorte a loja estava vazia o que me proporcionou privacidade, vasculhamos o lugar todo e nada parecia interessante, até tinha alguns cartões com fotos turísticas da cidade porém as frases não faziam muito sentido pra situação, já estava quase desistindo quando vi um senhor de idade passar na calçada com um carrinho cheio de flores do campo.

— O que acha ? - cutuquei Jake apontando pro lado de fora da loja. -

— Melhor que um cartão com a frase Los Angeles a cidade das estrelas. - riu recebendo uma fuzilada da dona da loja como repreensão, segurando o riso fui lá pra fora atrás das flores.

— Com licença senhor. - se aproximei observando as flores.

— Diga meu rapaz, em que posso te ajudar? -

— Gostei dessas aqui. - apontei para um pequeno arranjo de girassóis. — Quanto tá ? -

— Vinte dólares. -

— Você me deixou sozinho lá Mendes e fui meio que coagido a comprar o maldito cartão. - Jake me assustou dando um tapinha no ombro.

— Vou levar. - respondi ao senhor olhando pro Jake em seguida. — Por que teve que comprar o cartão ? -

— Quer que enlace com algum fitilho-

— Por favor. - sorri.

— Ela queria por que queria que eu esperasse o expediente acabar, começou me olhar de um jeito estranho enquanto pegava o troco sai de fininho. -

— Só você mesmo cara. - ri pegando a carteira do bolso.

— Aqui está. - paguei pegando o buque em seguida. — Muito obrigada e parabéns pelas flores, tenha um bom serviço. - sorri largo cumprimentando aquele senhor tão simpático.

— Que Deus lhe pague meu jovem. - sorriu apertando minha mão com firmeza.

A casa da Maia ficava a cinco quarteirões dali, em menos de dez minutos já estávamos estacionando, tirei o cinto e desci do carro com Jake logo atrás de mim, encarei a porta sentindo uma tensão leve nos pés, ignorando tal sensação ergui os ombros engolindo a seco e apertei a campainha.

— Shawn acho que vou esperar no carro. -

— Por que ? - o encarei confuso.

— Lembrei que preciso fazer uma ligação importante. -

— Hm. - ouvi a porta sendo destrancada do outro lado. — Não demoro. -

— Tranquilo. - olhando pra trás ouvi a porta sendo aberta, se virando vi uma Maia surpresa com minha presença.

— Oi. - sorriu largo me dando passagem para entrar.

— Com licença. - agradeci.

— E ai tudo bem ? - perguntou fechando a porta atrás de mim.

— Tudo ótimo e com você. -

— Tirando o sono. - bocejou olhando pras flores.

— Espero não estar incomodando. -

— Claro que não imagina. -

— Trouxe apenas essas flores pois o Rudy poderia não gostar.

— Tudo bem. - riu dando de ombros. — Ela tá na cozinha, to tentando fazer ela comer mais aquela ali é muito teimosa, vamos lá. - me puxou pela manga da blusa entrando em um dos corredores. — Charlotte. - entramos na cozinha e ela falava com um pedaço de carne preso no garfo com uma voz estranha e demasiadamente fina, achei graça daquilo. — Char ... -

— Oi. - se assustou quase caindo da banqueta. — Opa. - arregalou os olhos segurando na mesa.

— Olha quem veio ver como você está. - acho que só então ela notou minha presença pois me encarou confusa.

— Hm ... é, oi. -

— Oi. - sorri se aproximando. — Vim checar se está tudo bem e trouxe essas flores, espero que goste. - a entreguei um pouco envergonhado, seu olhar é de certa forma intimidador e parece estar o tempo todo me analisando.

— São lindas. - sorriu largo se levantando. — Aliás obrigada por ter me ajudado, se não tivesse me tirado da água talvez eu não estaria aqui agora. -

— Que bom que nada de ruim aconteceu. -

— Graças a você. - essa mulher tem o dom de me deixar envergonhado.

— A conversa está muito boa e agradável mais tenho que fazer uma ligação importante, fiquem a vontade. - Maia disse rápido se retirando em seguida.

— De uma hora pra outra todo mundo tem alguma ligação importante pra fazer. - comentei franzindo o cenho.

— O que disse ? Desculpe, não entendi. - perguntou enquanto colocava as flores na água.

— Nada. -

— Já almoçou ? -

— Faz um tempo. -

— Quer jantar o meu prato ? Pode ser um segredo. - sussurrou esfregando as mãos.

— Haha, não dá. - respondi no mesmo tom.

— Por que ? - abriu os braços fazendo uma careta engraçada.

— Você tem que se alimentar, a Maia disse que você precisa. -

— Ela é uma mentirosa patológica. -

— Sério ? -

— Uhum. -

— Por que estamos sussurrando ? - perguntei segurando o riso.

— Não sei. -

— Você tá me enrolando pra não comer não é. -

— Temos aqui um Sherlock Holmes. - riu arqueando as sobrancelhas, foi inevitável não dar risada.

— Com mestrado em Hogwarts não se esqueça. -

— Estou impressionada. - riu colocando o prato em cima da pia.

— Vai esfriar. -

— Já tá fria e não estou nem um pouco afim de esquentar outra vez no microondas. -

— Não seja por isso, cade ele ? -

— O microondas ? -

— Sim. -

— Não. -

— Sim, cade ? -

— Tá ali mais já aviso que não vai adiantar. -

— Não te ajudei ontem pra você morrer de fome hoje. -

— Bom argumento. - revirou os olhos.

— Não é ? Foi realmente bom na verdade.

— Hm ... - bufou colocando uma mecha do cabelo atrás da orelha. — Só vou comer por que se não a Maia vai ficar falando até amanhã, mas só um pouco já vou avisando não adianta insistir.

— Melhor que nada. -

Aqueles botões eram confusos demais pra mim, depois de levar uma surra de dez a zero pro microondas ela veio me ensinar como usava, me serviu um chá e enquanto comia fez alguns elogios em relação as minhas músicas, o que me deixou surpreso foi por ela saber coisas sobre a indústria música que a maioria das pessoas desconhecem, provavelmente por ter contato com o Rudy adquiriu tenha tais conhecimentos.

A conversa sobre música estava agradável e mesmo tentando evitar não conseguia deixar de observa-lá, o jeito engraçado, os olhos brilhantes, o sorriso contagiante ou a voz delicada, não sei dizer ao certo oque estava prendendo minha atenção porém arrisco dizer que era um conjunto de tudo.

Me contou sobre a faculdade o trabalho, sobre seu país de origem, problemas socias e belezas naturais, entretido no assunto nem vi o tempo correr até se lembrar que o Jake estava me esperando no carro.

— Acho que vou indo, meu segurança tá me esperando lá fora. -

— Tudo bem, te acompanho até a porta. -

— Se despeça da sua amiga por mim. -

— Pode deixar, ela deve ter ido dormir um pouco.

— Ela é uma boa amiga. -

— Sim tenho muita sorte, antes de ir queria saber se caso eu precise de alguma testemunha pro que aconteceu ontem p..... -

— Contar com a minha ajuda ? Estou a disposição, Maia tem meu número se precisar é só ligar.

— Tá, vou no advogado com a ela segunda feira, ele tem que aprender que toda atitude tem consequência. -

— Certo, até por que pode acontecer com outras pessoas, pelo pouco que sei dele não é primeira vez que importuna alguém. -

— Sério ? Vou pesquisar sobre isso depois, de qualquer forma obrigada pelas flores Shawn, foi muito gentil da sua parte. - sorriu abrindo a porta.

— Ficou feliz que esteja bem e tudo vai dar certo na segunda, tenho certeza. -

— Que assim seja. -

— Tchau. -sorri a cumprimentando.

— Tchau, cuidado com o transito. - ficou na ponta dos pés me dando um beijo na bochecha.

Enquanto voltava pro carro ela me observava da porta, acenando uma última vez entrei no mesmo saindo dali logo em seguida, Jake perguntou como foi e apenas respondi que estava tudo bem e que as flores agradaram sem entrar em detalhes, pensativo voltei o resto do caminho calado.


Notas Finais


E O PARABÉNS PARABÉNS PRA VC NESSA DATA QUERIDA 🎂🎂🎂🎂🎂

FELIZ ANIVERSÁRIO SHAWN ❤

Essa foto do capítulo me mata 🔥🔥🔥

Primeiro POV do nosso Peter que acabou de fazer 20 aninhos na fic e espero de coração não ter decepcionado vocês.
Quero agradecer a galera que vem favoritando a Fic, besu amo vcs.
Tá sei que prometi postar antes mas a história vem me deixando insegura tem um tempo, estou receosa sobre os novos personagens, preciso de vcs interagindo comigo nos comentários, me sinto sozinha aqui :( preciso saber oque estão achando, vou ficar MT feliz.

Tem vários capítulos prontos então pretendo postar amanhã, fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...