História The price of love - Min Yoongi - Capítulo 51


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Min Yoongi, Suga, Yoongi
Visualizações 220
Palavras 1.560
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura! ^^

Capítulo 51 - L- My Hell


Fanfic / Fanfiction The price of love - Min Yoongi - Capítulo 51 - L- My Hell

Yoongi P.O.V’s

     Fui surpreendido no trabalho, vários policiais entrando no escritório, e já me algemaram direto, mesmo que eu não tenha oferecido resistência. Sabia que a qualquer momento aquilo poderia acontecer, Jackson me informou ao checar melhor os contratos que havia pedido. Apesar de todos eles terem sido assinados durante minhas férias, não tinha como provar minha inocência, não sem antes fazer uma investigação minuciosa. Assim que saí, minha secretária já ligou para meu advogado, doutor Im me esperava na delegacia. Fui jogado em uma sala de interrogatório, e enquanto me enchiam de perguntas, um grupo de policiais vasculhava minha casa, em busca de provas completamente inexistentes.

     A primeira conversa que tive com meu advogado, foi repleta de boas esperanças, talvez poderia passar a noite em casa, já que não havia registros de crimes em meu nome. Prestei depoimento durante horas, e finalmente pude receber visitas. Hana passou pela porta, se jogando em meus braços. Não consegui abraçá-la da forma devida, minhas mãos estavam presas a frente de meu corpo. Seus olhos completamente inundados, encararam profundamente os meus, antes de nossos lábios se juntarem em um beijo casto.

    -Amor, o que fizeram com você? –Suas mãos vieram para os pulsos, dedilhando o metal das algemas. –Eu não gosto de te ver assim.

     As lágrimas da mais nova caíram sobre minhas mãos, e naquele instante, nem mesmo eu conseguia segurar as minhas. Queria ser forte por nos dois, mas estava com medo. O que mais precisava naquele instante era de minha casa, minha cama, sentir os braços de minha esposa ao meu redor, e ter a certeza de que estava em mais um de meus pesadelos. Não gosto do fato de ver Hana chorar, mas dependendo de meu futuro, sei exatamente o sacrifício que deverá ser cumprido.

     Estou ciente de que á culpa não é minha, mas sei possivelmente quem deu um jeito de jogá-la sobre minhas costas. Quando meu pai mencionou sobre “Ah, e trate de se livrar dela, ou farei isso eu mesmo.”. Achei que o velho tentaria algo contra minha esposa, e mais uma vez fui surpreendido por seu jogo sujo, jogar o próprio filho na cadeia. Os olhos da garota ainda estavam fixos em minhas mãos, seus dedos estavam trêmulos enquanto tocavam minha pele.

     -Hana, me escuta. –Levei minhas mãos até seu rosto, e com certa dificuldade segurei firmemente. –Se eu não sair daq...

     -Você vai sair daqui, a culpa não é sua. –A mais nova disse com a voz abafada.

     -Eu sei que a culpa não é minha, mas caso não consiga provar, quero que siga sua vida. –As palavras saíram de minha própria boca, mas foi como se milhares de facas perfurassem minha pele. –Eu sempre vou amar você.

     -Vou te esperar, Yoongi. –Suas lágrimas desciam sem pausa. –O tempo que for preciso, a vida toda.

     -Esse é o problema, se eu ficar aqui, não quero que me espere. –Não consegui encará-la, aquilo estava cada vez mais doloroso.

     -Não está falando sério. –Sua cabeça se apoiou em meu peito. –Não pode estar falando sério.

     Ficamos por um tempo abraçados, até um policial vir chamá-la. Minha esposa só poderia retornar no dia seguinte. Como imaginava, passaria a noite ali, naquele instante me sentia sozinho, com frio, com fome, aquela sala era o verdadeiro inferno para minha mente. Doutor Im entrou, estava sentado em uma das cadeiras, e o mais velho sentou na cadeira de frente. Colocou alguns papeis sobre a mesa, e suspirou, antes de começar a falar minha situação.

    Sua explicação foi curta, mas o suficiente para eu entender, que não voltaria para casa. Iriam me transferir no outro dia pela manhã, para a penitenciária, onde aguardaria julgamento, e na melhor das hipóteses pegaria vinte anos de prisão. Corrupção não é um crime aceitável, e em nosso país pode gerar conseqüências bem graves. Meu pai sabia o que estava fazendo, e possivelmente me tirou da jogada, para se livrar de Hana, e ainda ficar com minha empresa.

     Tive uma péssima noite, nem ao menos me levaram para uma cela. Me deixaram naquela sala fria, com as algemas nas mãos, não me deram o que comer, estava mais maltratado que um rato de esgoto, mas é assim que corruptos são tratados, e aos olhos de todos ali, sou culpado até que prove o contrário. Acordei pela manhã, erguendo meu rosto que estava sobre a mesa fria, me deparei com uma figura curiosa a minha frente, e só identifiquei sobre quem se tratava, até quase me sufocar com a fumaça de seu charuto.

     -Eu disse que tomaria minhas providencias. –Sua voz saiu áspera. –Vou lhe dar duas escolhas.

     -Não estou interessado. Por um acaso, me viu chorando, implorando por sua ajuda? –Perguntei de forma rude, mesmo que estivesse ferrado naquele instante. –Não preciso de você.

     -Bom, você pode continuar aqui, desfrutando de uma cela maravilhosa. –Mais uma tragada em seu charuto, e a fumaça veio em minha direção. –Ou se livra da garota, e assim que ela for embora, de preferência para outro país, eu tiro você daqui, e lhe devolvo tudo o que lhe pertence.

     -Qual o seu problema com minha esposa? Por que todo esse ódio agora? –Cerrei os olhos o encarando.

     -Não tenho problema com ela, mas não a quero em minha família. Na verdade, não quero nada que nos envolva aos Park. –Sabia que tinha algo além, mas o velho não iria dizer. –Bom, mencionei sobre a terceira opção?

     -Não, você disse que haviam apenas duas, mesmo sabendo sobre minha resposta. –Ainda mantinha o tom neutro na voz, mas senti meus pelos arrepiarem ao ouvir sua última proposta.

     -Pode recusar as duas primeiras, ficar aqui trancafiado por alguns anos, e sofrer pela morte daquela garota. –Tentei formular algo em minha mente, mas nada vinha em minha boca. –Você quem sabe, irei adorar enfiar uma bala na cabeça dela.

     -Não! –Minha resposta foi direta. –Eu fico com a segunda opção, deixe Hana fora disso.

     -Bom garoto. –Meu pai disse saindo da sala.

     Abaixei a cabeça sobre a mesa, deixando um grito estridente passar por minha garganta. Expressando todo o ódio que me dominava naquele momento, colocando para fora, toda a dor de ter meu coração esmagado. Passei meses amando uma garota, mas foram o suficiente para ter a certeza de que e ela quem eu quero para o resto da vida, mas o destino nunca colaborou conosco. Como tudo que aprendo a amar, mais um pedaço importante de minha vida, se esvaiu por meus dedos.

     Limpei minhas lágrimas ao ouvir a porta abrir, o cheiro doce de seu perfume se espalhou por aquela sala. Seria duro colocar todas as palavras para fora, mas seria algo completamente necessário, afinal, fazemos tudo por amor, somos capazes dos maiores sacrifícios para ver o bem da pessoa em que amamos, mesmo que isso nos machuque profundamente. Hana se aproximou, senti as mãos da mais nova em meus ombros, mas me levantei afastando de seu corpo.

     -Eu soube que irão te transferir. Meu amor, vou procur... –A mais nova se encolheu diante de meu olhar frio. –Yoongi, o que está acontecendo? –Suas mãos vieram para meu rosto, mas o virei, encarando um ponto qualquer na parede.

     -Não volte mais, não quero ver você. –Falei em um tom frio, mas por dentro estava me matando aos poucos.

     -O que está dizendo, meu amor? –Ela estava assustada, e bem confusa para dizer a verdade.

     -O que escutou, Hana. Não quero mais você. –Meu tom continuou na mesma frieza.

     -Está pedindo divórcio? –As palavras começavam a tropeçar em sua garganta.

     -Não tem como divorciar de algo que nunca existiu. –As lágrimas presas em seus olhos, desceram por suas bochechas, tornando aquilo ainda mais doloroso. –Isso mesmo, Park Hana. Isso foi mesmo uma peça de teatro. Bem-Vinda a vida real, isso não é o conto de fada de seus sonhos. Nunca existiu N-Ó-S!

     -Yoongi, o que está dizendo? –Suas mãos vieram para seu rosto, mas desviei novamente. –Meu amor, você está estressado, eu entendo iss...

     -Para! Para! Só saia de minha frente, e pare de chorar. –Desviei de seus toques, me virando de costas.

     -Pode me dizer ao menos o motivo de tudo isso? O por quê de ter me enganado? –Sua voz estava trêmula, senti sua cabeça encostando em minhas costas, e para mim aquilo foi pior que um tiro.

     -Eu tive pena de você, essa é a verdade. –Menti, mas foi à única coisa que consegui dizer, antes que um nó tomasse minha garganta.

     -Yoongi, só me responde uma coisa, e por favor, faça isso olhando em meus olhos. –Suspirei antes de me virar. –Em algum momento, você ao menos gostou de mim? Ao menos foi sincero com suas palavras?

     -Eu nunca amei você, Park Hana. –Vi as lágrimas deixarem seus olhos de forma abundante.

     O impacto de suas mãos em meu rosto, não doeu tanto quanto o impacto de suas lágrimas atingindo o chão. A mais nova se virou, prometendo nunca mais voltar, e assim que a porta se fechou, deixei meus joelhos afundarem no chão gelado. A única coisa que tinha certeza naquele instante, só queria estar morto.

     -Me perdoa, meu amor. Isso é para seu bem. –Minhas mãos espalmaram no chão, e as gotas de sangue caiam de meu pulso, a ferida causada pela algemas. –Eu te amo, Hana. Me desculpe, por transformar sua vida em um inferno.

    

 


Notas Finais


AVISO: Teremos no máximo mais três capítulos neste livro... Mas não se preocupem, terá uma segunda temporada...

Beijos e até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...