1. Spirit Fanfics >
  2. The private secretary >
  3. Passado

História The private secretary - Capítulo 8


Escrita por: Bunny_baek

Notas do Autor


Oi,
Muitas coisas aconteceram nesses últimos tempos, como por exemplo, minha semana de provas, falta de criatividade, desânimo. Então por esses motivos eu não conseguia escrever, mas vim nesse horário pois não ia dormir até conseguir escrever esse capítulo.

Obrigada pelos 70 favs e mil views, vocês são demais ❤️❤️

Espero que gostem e vamos ao capítulo.

Boa leitura!

Capítulo 8 - Passado


Um mês? Isso já havia se passado um mês, desde que Hongjoong foi trabalhar como secretário particular de Seonghwa. O Park admitiria que a dinâmica dos dois era incrível, trabalhavam muito bem juntos, o Kim sabia separar trabalho da vida pessoal e isso era maravilhoso para seu chefe.


Hongjoong já havia começado a faculdade e estava indo muito bem, equilibrava os estudos e o trabalho como ninguém conseguiria fazer. O principal de tudo estava muito feliz, tinha tudo que algum dia havia desejado, e agora tinha dois amigos, Yunho e Seonghwa que o tiram sorrisos lindos, assim como Hongjoong tirava sorrisos de Seonghwa.


Estavam em um dia tranquilo o céu estava muito limpo e era o dia perfeito para um descanso, o que acabou acontecendo, senhor Park deu uma folga para todos da casa, que ficaram aliviados por finalmente poderem descansar, já Hongjoong aproveitou sua folga de manhã para tentar fazer o chefe sair de casa. O que felizmente foi um sucesso, quase não acreditou quando o outro aceitou, agora estavam eles andando - à pedido do Kim  - estavam lado a lado com roupas simples aproveitando do bom vento que batia com uma brisa doce de uma manhã quente e aconchegante, respirava de pulmões abertos aquele ar puro, passavam tanto tempo dentro daquela mansão que sentiam falta de como é fora dela.


Andaram até que Hongjoong avistou uma sorveteria, fazia um bom tempo desde sua última vez em um local como aquele, queria tomar sorvete hoje nesse dia tão quente.


- vamos à sorveteria hyung? Dois de chocolate certo? - perguntou animado o outro que assentiu e o Hong animado foi até o balcão fazendo os pedidos, enquanto isso Seonghwa procurava uma mesa para se sentar - aqui está seu sorvete.


- obrigado. 


Começaram a tomar seus sorvetes, distraídos conversando não perceberam duas pessoas se aproximarem.


- Kim Hongjoong, é bom vê-lo de novo - ao ouvir aquela voz o Kim gelou, não sabia o que responder e esperava não responder - não vai falar nada não?


- com licença, mas quem seriam vocês? - perguntou o Park que olhava a situação sem entender nada.


- que feio, não contou de seus pais para seu amigo, mas o melhor é que você me parece familiar, já nos vimos antes? - continuava alheio naquela conversa, já Hongjoong estava estático. 


- não senhor, mas poderiam se retirar, meu amigo não está confortável com a presença de vocês - assim que o park disse o Hong recobrou seus sentidos e resolveu se levantar.


- vamos embora hyung - não podia mais ficar ali e ter contato com seus pais, eram pessoas horríveis e tudo que ele queria era manter distância.


Acatando o pedido do mais novo, seonghwa se levantou e foram andando de volta para casa, esperando que o outro explicasse o que havia acabado de acontecer e por qual motivo.


- Eu te explico em casa, só vamos em silêncio por favor - pareceria frágil e indefeso como se tivesse desenterrado um de seus maiores medos, e era realmente o que havia acontecido, eles eram seu pior pesadelo. 


Ao chegarem em casa, hongjoong se sentou no sofá cabisbaixo por ter que explicar a situação que ocorreu consigo enquanto morava com os pais.


- quando eu era menor, gostava de brincar, de me divertir e principalmente de ter vários amigos para conversar, era um menino alegre, por isso acabava me distanciando um pouco dos estudos e minhas notas caíam e depois subiam. Eles não gostavam disso e me criticavam, me colocavam de castigo por ter amigos demais. Mas eu dava meu jeito de fugir do castigo e continuar tendo vários amigos, até que meus pais resolveram me tirar da escola e me colocaram para estudar em casa. Como são donos de uma rede de hospitais, forçaram mais meus estudos em ciências no geral, não era o que eu gostava, preferia números e cálculos extensos. Eu era isolado dentro de casa, era apenas eu no meu quarto, nem com os empregados podia falar, só me deixavam comer e estudar. Acabei ficando mais fechado e isolado, quando perceberam que eu já não conseguia mais ser aquele menino extrovertido e que via felicidade em tudo, me colocaram de volta na escola - deixou lágrimas caírem por seu rosto, era doloroso lembrar do seu passado, encarava o chão fixamente enquanto suas mãos apertavam com força o estofado do sofá.


Vendo seu desconforto total, seonghwa se desesperou e nunca achou que fosse ver seu secretário que era tão alegre e gentil, chorar daquele jeito. Chegava a incomodar a si mesmo ver as lágrimas caírem no tapete da sala.


- não continue se não quiser, não precisa se forçar a contar.


- não, eu preciso contar isso para alguém que não seja o yunho, tirando que agora somos amigos certo? - assentiu e deixou com que o mais novo continuasse - era uma criança de apenas treze anos e sofria bullying dos meus colegas de classe por ser muito fechado e por não ter amigos, me fechava mais ainda para o mundo, ficou difícil quando tentei suicídio nos meus quinze anos, foi nesse tempo que meus pais viram o quanto tinham destruído o filho deles. Me colocaram para fazer consultas no psicólogo. A doutora me ajudou muito, era uma melhor amiga para mim, só por ela eu comecei meu ensino médio de novo e depois tentei a faculdade, mas meus pais sempre tentaram controlar a minha vida e me fizeram fazer medicina, acabei fazendo um ano, mas não aguentei e pedi para mudar de faculdade, e comecei a fazer administração. Eles não gostaram nenhum um pouco e me tiraram da faculdade e foi aí que eu já estava na beira, fugi de casa e fui para aquela cidade em que conheci yunho, ele me ajudou bastante e graças ao meu melhor amigo eu estou aqui hoje - terminou mais calmo de quando tinha começado, seonghwa tentava digerir tudo que havia escutado e sem pensar direito apenas o abraçou.


Com aquele calor Hongjoong percebeu que tinha um amigo que podia contar tudo e que lhe consolava, estava feliz pelo apoio do seu chefe.


Por outro lado o park se sentia estranho, como se seu interior estivesse entrando em chamas com apenas um contato, era diferente mas tão bom, começou a suar frio enquanto seu coração acelerava em nervosismo. Antes que surtasse por não saber o que havia acontecido, desfez o abraço um pouco inquieto, mas se acalmou um pouco ao ver o sorriso que lhe foi direcionado. 


- você pode continuar tendo sua folga, daqui a pouco você vai estudar então irei apenas adiantar o trabalho de amanhã, se me der licença - saiu da sala indo direto para seu quarto, quando chegou no local parou atrás da porta suspirando e colocando a mão sob o peito. Por que seu coração havia acelerado tanto apenas por um abraço normal como aquele? E por que seu peito aquecia ao lembrar do singelo sorriso que o secretário o dera? Queria respostas mas para isso deveria esperar. 


Notas Finais


Pelos motivos que citei nas notas iniciais, esse capítulo acabou sendo curto. Não sei quando irei voltar com outro capítulo exatamente por causa da falta de criatividade, mas não vou desistir de vocês ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...