História The Proposal - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani, Shawn Mendes, Zac Efron
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes, Zac Efron
Tags Ally Brooke, Alren, Ariana Grande, Camila Cabello, Camila G!p, Camilag!p, Camren, Camren G!p, Camreng!p, Camriana, Ctops, Demally, Demi Lovato, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani Kordei, Norminah, Zac Efron
Visualizações 1.607
Palavras 1.940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Fluffy, Musical (Songfic), Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ladies and gentlemen, welcome to another insane marathon!

Vamos dar início a mais uma maratona insana?


Insana porque a quantidade de capítulos vai depender de vocês!


Então vamos lá!


1/de alguns aí...

Capítulo 26 - Capítulo 23


Lauren Jauregui | Point Of View






Minha professora queria destruir a minha capacidade de raciocínio. Como ela podia acreditar que somente passar sua língua por partes tão sensíveis do meu corpo seria o suficiente? Só podia ser uma brincadeira, parar justo ali? Não! Eu não suportaria mais nem um segundo. Se ela havia despertado todos aqueles sentimentos em mim que aguentasse o trampo. 




Principalmente depois de me deixar tão quente, excitada e entregue as suas vontades, como me deixou na cozinha para depois me mandar subir e escrever. Chega! Estava na hora de ela levar aquelas aulas um pouco mais a sério. Peguei a caneta e, sem esperar por mais nada tracei setas em meu corpo sinalizando onde gostaria que sua língua percorresse. Só não imaginei que minha atitude fosse deiXá-la daquele jeito. 




Camila olhou para mim e depois para as setas que eu tinha distribuído pelo meu corpo. Quando seus olhos voltaram para os meus, tudo que havia neles era desejo. A mulher prudente e cautelosa desapareceu dando lugar ao ser selvagem que me encarava. Lentamente ela passou a língua pelos lábios. Perguntei-me se minha professora tinha consciência dos seus atos ou se até isso tinha sumido. 




Rapidamente me dei conta de que se eu podia vê-la de forma tão crua, como será que ela me via? Senti minha respiração pesar. Eu respirava com dificuldade. Todo o meu corpo, cada órgão, cada tecido, cada célula, trabalhava com uma única fmalidade: prazer. Deus! Em que eu havia me transformado? Por outro lado, era humanamente impossível não me sentir assim tendo uma professora tão competente quanto Camila Cabello. Competente até demais. 




— O que você pretende com isso, Lauren? 




Era lmpressão mmha ou a voz dela tinha assumido um tom mais... Duro? Rouco? Forte? Sensual? Eu poderia ter um orgasmo apenas com aquela voz em meu ouvido. Ah, se eu podia! Eram tantas sensações novas que eu mal conseguia administrá-las. Era possível gozar sem ser tocada? Comecei a acreditar que sim. Pelo menos com Camila esta era uma afirmativa correta. 




— Quero tudo o que você puder me dar, Camila. 




Nem conseguia acreditar nas palavras que saíam de minha boca, se bem que eu tinha consciência de que coisas mais absurdas e muito mais pornográficas poderiam sair dela naquele momento. Minha professora puxou o ar com força e passou as mãos pelo cabelo. Aqueles dedos longos me fizeram imaginar coisas até então inimagináveis. Fechei os olhos sem saber como administrar minhas reações. Tive medo de parecer ridícula demais para ela. 





— Abra os olhos. – Mais uma vez aquela voz carregada fez a minha pele se arrepiar. Obedeci sem pestanejar, ela estava mais feroz do que nunca. — Eu não posso dar a você tudo o que eu gostaria, Lauren. 




Ela me recusou, mas não se afastou nem um centímetro. Não desanimei. Era sempre assim: uma tortura. Camila avançava e recuava. Ia até o seu limite, ou me deixava no meu, e então, arrancando forças não sei de onde, parava quando eu pensava que não conseguiria. 




Por isso apenas o fato de deixar claro que ela gostaria de me dar o que eu tanto desejava, mas não podia, me excitou ainda mais. Eu gostava da ideia de tentá-la. De fazê-la desejar ir além. De enxergar em seus olhos a sua vontade de ultrapassar qualquer limite, qualquer barreira existente entre nós duas. 




— Camila... – Aproximei-me de seus lábios, ela não recuou. — Eu quero você dentro de mim. – Sussurrei envergonhada por admitir minha obsessão. 



— Puta que pariu, Lauren! 




Antes que eu pudesse reagir, ela cobriu minha boca com a dela. Um beijo selvagem, cheio de fome e desejo. Camila me segurou pelos quadris puxando-me com força de encontro a seu corpo. Imediatamente senti sua ereção no meio das minhas pernas. Mesmo através das roupas eu podia sentí-la com bastante intensidade. 



Ela voltou a me deitar sobre a mesa, seu corpo me acompanhando sem deixar que o peso fosse um incômodo. Quando minha cabeça encostou na superfície, ela abandonou meus lábios e desceu com a língua em direção às setas. Respirei fundo infiltrando meus dedos em seus cabelos. Deliciei-me com a sensação dos fios sedosos no momento em que sua língua recolheu a primeira seta por cima do volume dos meus seios. 




Gemi desavergonhadamente. 




Meu corpo queimava e o meio das minhas pernas latejava em contato com seu sexo rígido se movimentando lentamente, causando uma fricção deliciosa. Ela também gemia baixinho, cada gemido fazia meu sangue circular com mais velocidade, queimando minhas veias. 




Quando Camila conseguiu eliminar as setas que envolviam meu seio direito, sua mão substituiu a língua, em carícias, ora fortes e possessivas, ora gentis e suaves, enquanto recomeçava todo o processo em meu seio esquerdo. 



Arfei levantando-me de encontro a seus lábios. Ah, Deus! Eu estava sedenta, o prazer borbulhando por todos os lados, e ainda queria mais, muito mais. Queria e ainda queria mais, muito mais. Queria ir muito além, queria muito mais daquela sensação. 






Camila Cabello | Point Of View 





Perdi o restante da minha capacidade de conter o efeito de Lauren sobre mim. Não dava para ser tão certinha, tão fiel aos meus princípios, quando ela me falava daquele jeito. Merda! Eu era sua professora, era mais velha e ainda por cima a responsável pelo seu projeto final. Onde estava com a cabeça? 




Bem... No momento minha cabeça, assim como o resto do meu corpo, se concentrava em um único ponto: Lauren. 



Enquanto ela gemia sob o efeito da minha língua em seus seios, isso sem que eu nem mesmo os tivesse tomado para mim do jeito que tanto desejava fazer, permiti que meu corpo sentisse um pouco mais do dela. Eu podia sentir todo aquele fogo no meio das suas pernas queimando nossas roupas e implorando por mais. Fiquei louca. 



Sem pensar duas vezes, minha mão ultrapassou a barreira do sutiã que minha aluna escolheu a dedo para me tentar, e toquei o bico do seu seio. Estava endurecido. Caralho! Lauren me deixava fora de controle com suas reações. 



Foi mais forte do que eu. Segurei com força e depois aliviei a pressão com medo de machucá-la, deixei que meus dedos brincassem naquela região almejando que minha língua pudesse fazer o mesmo. Ela gemeu dengosa. 




Puta que pariu! Eu queria comê-la de todas as formas possíveis. Merda! Eu queria tanto! 




Desci meus lábios pelo seu corpo. O sabor da sua pele misturado ao da caneta mágica era inebriante. Lauren gemia agarrada aos meus cabelos. Sabia exatamente o que ela queria e posso garantir que eu também queria o mesmo. 



Quando minha língua tocou a região interna da sua coxa, me deixando próxima do local mais desejado por mim no momento, pensei que não seria capaz de me segurar por muito mais tempo. Minha aluna estava pronta para mim e eu desesperada para dar mais aquele passo com ela. 




Normani estava com a razão. 




Meu corpo assumiu as rédeas da situação, antes que pudesse processar a informação, ele agiu sem que eu pudesse evitar. Eu não tinha mais controle de nada. Meus dedos invadiram o limite de sua calcinha tocando-a intimamente. Puta que pariu! 




Lauren arqueou o corpo, enlouquecida de prazer. Ela estava tão molhada que me deixou com água na boca. E tão quente que meu pau quase explodiu dentro do short. 




— Camila! – Gemeu expressando a mais pura luxúria. Seus dedos de fecharam com mais força em meus cabelos. 




Subi pela sua barriga mordiscando e lambendo toda a região. Ela se agitou fazendo com que seus quadris forçassem o movimento de meus dedos em seu sexo. Passei o polegar levemente pelo ponto frágil e ela gemeu mais alto. 




— Oh, Deus! Camila... – Puxou o ar com força tirando toda a minha capacidade de resistência. 




Afastei o seu sutiã e abocanhei seus seios. Lauren apertou ainda mais seus dedos em meus cabelos me puxando firme, como se tivesse medo de que eu desistisse de tomá-la. Como se eu fosse capaz de desistir de qualquer coisa naquele momento. 



Eu estava tão sedenta que se ela me pedisse para latir, eu latiria sem a menor vergonha. 



Meu polegar brincava com seu clitóris sem fazer muita pressão. Ela explodiria a qualquer momento. Eu explodiria a qualquer momento. Meu pau estava tão inchado e latejava de maneira tão absurda que não me permitia pensar em nada que não fosse "alívio". 



Suguei seus seios, ora um, ora outro, passando minha língua no bico rosado. Era uma linda imagem. Extremamente excitante. Lauren era linda e sexy, de uma maneira tão perfeita! Existia nela uma mistura totalmente equilibrada que me fazia desejá-la cada vez mais. 



Aquilo jamais aconteceu antes. Não que eu nunca tenha ficado com mulheres lindas e sensuais. É claro que já fiquei, mas a forma como estes dois adjetivos se apresentavam em minha aluna era diferente. Eu não havia encontrado em mais ninguém. 



Ela se remexia em meus dedos. Puta merda, menina! Não me obrigue a fazer isso. Não me tente. Eu... 




— Camila! – Gemeu com mais força. — Por favor! Eu... 



— Não gema assim, Lauren. – Adverti ciente do meu desespero, do meu pavor de ceder. 



— Por quê? – Seus olhos, que pareciam o céu no verão, a mistura exata de verde e fogo, se abriram me encarando. Céus! Ela era pura luxúria. 



— Porque se você continuar gemendo desta forma... Eu vou comer você, menina! 




Puta que pariu um milhão de vezes. Bastou eu dizer estas palavras, olhando em seus olhos suplicantes, para assistila se contorcer em meus dedos se entregando a um orgasmo absurdamente delicioso. Oh, merda! 



Ela fechou os olhos, se entregue ao prazer enquanto seu corpo convulsionava diante de mim. Se Lauren tivesse esperado mais dois segundos... Não. Eu já tinha ido longe demais. Já havia dado a ela o que tanto necessitava. 



Mas era o bastante. Mesmo que meu pau não concordasse comigo, que minha boca continuasse sedenta pelos seios dela e meus dedos continuassem acariciando o meio de suas pernas. Merda, mil vezes merda! 




Fui forçando meu corpo a voltar à consciência enquanto Lauren se recuperava, deitada sobre a minha mesa com a respiração acelerada e ainda se mexendo levemente. 




Quando ela abriu os olhos e me encarou, vi nitidamente neles que aquilo não seria o suficiente para a minha aluna e muito menos para mim. O fogo continuava lá. Encaramo-nos por um tempo que me pareceu uma eternidade até que não resistimos mais. 



Lauren levantou-se a uma velocidade improvável para um ser humano, e eu acredito que também me movimentei ao seu encontro. Quando, finalmente nos encontramos, o mundo parecia ter desaparecido. Ela se agarrou a mim, se esfregando ensandecida mente, enquanto eu & recebia com a mesma intensidade. Minhas mãos famintas passearam pelo seu corpo sem deixar qualquer parte livre delas. Nossos lábios se devoravam. 




E então... A campainha tocou. 



Lauren não cedeu nem um centímetro. Ela parecia não ter percebido nada. Sem separar nossas bocas e, principalmente, sem tirar minhas mãos dos seus quadris forçando meu sexo contra o dela, resolvi ignorar quem quer que fosse. Eu precisava da minha aluna e nada mais me importava naquele momento. 




Infelizmente, quem estava lá fora não desistiu e a campainha tocou mais uma, duas, três vezes, até que a pessoa começou a bater na porta. Travei completamente. 




Afastando Lauren e me forçando a ignorar seu gemido de protesto, decidi descobrir quem era o desesperado que estava lá fora. Só então ela se deu conta do que acontecia e me olhou sem saber o que fazer. 




— Vá para o meu quarto, eu a encontrarei lá em alguns minutos. – Beijei seus lábios doces e quentes para deixar claro que continuariamos de onde havíamos parado. 



Notas Finais


Quem foi o infeliz ou a infeliz que atrapalhou os joguinhos Camren?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...