História The Proposal - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani, Shawn Mendes, Zac Efron
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes, Zac Efron
Tags Ally Brooke, Alren, Ariana Grande, Camila Cabello, Camila G!p, Camilag!p, Camren, Camren G!p, Camreng!p, Camriana, Ctops, Demally, Demi Lovato, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Lucy Hale, Normani Kordei, Norminah, Zac Efron
Visualizações 703
Palavras 2.163
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Fluffy, Musical (Songfic), Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vamos lá sentir ranço we Camila?


2/...

Capítulo 27 - Capítulo 24


Lauren Jauregui | Point Of View





Camila me mandou subir e aguardá-la. Foi difícil dar o comando certo para que minhas pernas entendessem que precisávamos andar e meus lábios aceitassem que não poderiam ter os dela, por hora. 




Meu corpo pegava fogo mesmo depois do orgasmo maravilhoso que ela tinha me proporcionado. E o que foi aquilo? Eu me parti em vários pedaços sem me causar dor e tudo porque ela disse abertamente que queria transar comigo. Não. Ela disse que queria me "comer". E foi o suficiente. 




Subi as escadas enquanto ela ia em direção à porta, quando cheguei ao último degrau ouvi a voz de uma mulher. Fiquei curiosa. Quem seria? Parei e sentei para ouvir melhor o que diziam. Camila não deixaria que ninguém se aproximasse da escada, então me senti segura. Apureí os ouvidos e fiquei bem quietinha. 




— Você parece nervosa. – Eu conhecia aquela voz de algum lugar. Ouvi a risada rouca de Camila, ela estava mesmo nervosa. Dava para perceber. 



— Estou um pouco cansada, apenas isso. – Eu podia ímaginá-la passando as mãos nos cabelos nervosamente, dando aquele sorriso falso que ela acreditava que convencia as pessoas. 



— E suada. Estava se exercitando? – Puta merda! Outra risada rouca e nervosa. 



— Um pouco. – Ok! Eu tinha feito ela se exercitar... Em mim. 



— Trouxe um vinho. Já é hora de descansar um pouco, garotona. -Garotona? Segurei o riso. 



— Não acho que seja uma boa ideia, Ariana. – Ariana? Claro! Ariana Grande. A professora da faculdade. Droga! Elas tinham um caso? 



— E o que você quer fazer, Camila? Existem várias formas de relaxar - Silêncio. Ah merda! O que elas estavam fazendo? Droga! Droga! Droga! 



— Tenho muito trabalho hoje, talvez outro dia. – Mais silêncio. Tentei ouvir se havia barulho de lábios se tocando. 



— E esse momento vai demorar a acontecer? – Ela falava de maneira melosa. Desisti de ouvir e levantei. Queria sumir dali. 






Camila Cabello | Point Of View 





Fui abrir a porta tentando me acomodar dentro das roupas. Meu pau latejava desesperadamente tentando ultrapassar a barreira do short. Apesar do susto, ele não cedera nem um pouco. Lauren conseguia me enlouquecer de tesão. 



Assim que abri a porta, dei de cara com Ariana. Oh, droga! O que ela está fazendo? Instintivamente puxei um pouco a camisa para a frente e encurvei os ombros. 




— Oi! – Sua voz melosa pela primeira vez me pareceu enjoativa. Ariana passou por mim entrando sem ser convidada. — Vi seu carro na garagem, estava dormindo? 




Ela percorreu meu corpo com os olhos e sorriu de maneira safada. Em outro momento eu aproveitaria a noite levando-a para a cama e satisfazendo os seus desejos, porém naquele instante... 




Não. Nenhuma chance. 




Fechei a porta imaginando o que Lauren pensaria se soubesse que Ariana estava ali. E o que Ariana pensaria se descobrisse Lauren em minha casa? Se a visse com aquela calcinha mínima e aquele sutiã que deixava seus seios incrivelmente deliciosos. Caralho! Meu pau pulsou com as lembranças. 




— Você parece nervosa. – Excitada, mais precisamente. Só não poderia dizer isso a ela. 



— Apenas um pouco cansada. – Passei as mãos pelos cabelos. Queria que Ariana fosse embora logo, mas, para minha tristeza, nunca poderia verbalizar meus pensamentos. 




Ariana não podia descobrir que Lauren estava em minha casa. O que ela faria com esta informação? Com certeza eu seria desacreditada e o projeto de Lauren reprovado. Não. Isso nunca poderia acontecer. Imediatamente senti meu tesão se esvair. Ela levaria o caso ao conselho, eu seria demitida, Lauren não se formaria com louvor e minha editora passaria por uma crise. 




— E suada, estava se exercitando? – Ri um pouco indecisa sobre o que deveria responder. 




Ariana me olhava com olhos gulosos. Minha única vontade era acabar logo com aquilo tudo. Eu devia estar maluca. Como pude pensar em transar com minha aluna? Como pude permitir que chegássemos àquele ponto? Deus! Eu estava acabando com a vida dela. Que egoísta eu era. 




— Um pouco. 




Não pude evitar que as lembranças do meu "exercício" invadissem minha mente. Eu ainda sentia o sabor da sua pele em minha língua e a deliciosa sensação de tocá-la na ponta dos meus dedos. 




— Trouxe um vinho, é hora de descansar um pouco, garotona! 




Que mania horrível de colocar apelidos ridículos! Respirei fundo tentando focar em nossa conversa e não em Lauren em meu quarto, em minha cama... Esperando por mim. 




— Não acho que seja uma boa ideia, Ariana. – Ela sentiu o impacto da minha recusa. 




Nunca tivemos nada, mas eu a mantinha em banho-maria. Não sabia muito bem o motivo, já que meu interesse nela era próximo de zero. Fazia apenas para tê-la ao alcance das mãos. Talvez Noemani não estivesse com tanta razão assim. Ariana podia servir para aliviar a minha tensão e quem sabe, me ajudar a tirar da cabeça a ideia absurda de ter Lauren. 




— E o que você quer fazer, Dinah? Existem várias maneiras de relaxar. 




Ela se aproximou lentamente e acariciou o meu rosto. Fiquei tensa. O que poderia fazer? Não podia, e nem queria nada com ela. Não naquele momento. 




— Tenho muito trabalho hoje, talvez outro dia. 




Ela me olhou por alguns segundos, a princípio, ultrajada, depois seus olhos brilharam com a promessa. O que eu podia fazer? 




 — E esse momento vai demorar a acontecer? 



— Não, eu te ligo. – Ela sorriu sedutora. Achei estranho meu corpo não reagir àquele sorriso. 



— Vou aguardar, vejo você amanhã? – Fiquei sem entender o que ela dizia. — Na faculdade. 



— Ah, claro! Tenho aula amanhã cedo. 



— Então, até lá. – Ariana se aproximou e me deu um beijo leve nos lábios. Aguardei alguma reação e nada aconteceu. Afastei-me. 



— Até lá. – Droga! Eu queria que ela sumisse da minha frente. 




Ariana saiu para a rua, segurei a porta e a acompanhei, até que ela parou encarando algo no estacionamento de visitantes. 




— Aquele trambolho não é o carro de Lauren? – Quase enfartei. Olhei para ela tendo consciência de que meus olhos estavam arregalados. 



— Ah, não sei... Lauren? –Ela sorriu despreocupada. 



— Sua aluna, Lauren Jauregui, Camila! – Riu. — Ela mora por aqui? 



— Não sei. – Tentei parecer natural. — Nunca vi ninguém da faculdade por aqui. Acho pouco provável. 



— Eu não, ela é rica. É muito provável que o pai dela lhe proporcione uma vida espetacular. – Opa! Uma novidade. Lauren era rica? Como assim? Mas ela morava em um flat! 



— Ah é? – Fiz um esforço enorme para não parecer interessada. 



— Sim, o pai dela é dono de uma rede de hospitais super conceituados na Europa, com algumas filiais espalhadas pelo mundo, inclusive aqui no Brasil. – Ela olhou para o carro com cara de nojo. — Não sei por que a menina insiste em andar tão desarrumada, com aquela carinha de freira e este carro horroroso. Isso é uma ameaça ao meio ambiente. – Sorri sem muita vontade. 



— É. – Fiquei presa aos meus pensamentos. Como assim Lauren era tão rica? 



— Então... Vejo você amanhã. 




Ela tentou me beijar de novo, fui mais rápida e me esquivei. Tinha ficado incomodada com o que Ariana falou sobre Lauren. Rica? Absurdamente rica? 




Fechei a porta sem saber o que fazer. Lauren continuava me esperando, mas eu não tinha mais tanta certeza se deveria mesmo levar meu plano adiante. Subi as escadas sem saber o que dizer a minha aluna. 







Lauren Jauregui | Point Of View 





Entrei no quarto, louca para fugir, infelizmente não poderia descer antes de a minha professora ir embora. Meu projeto também corria risco se fossemos flagradas. Entrei no banheiro e me joguei no chuveiro, querendo eliminar a raiva que me dominava. Assim que tivesse oportunidade iria embora. Eu podia até aceitar o fato de Camila não querer tirar a minha virgindade por achar errado o que estávamos fazendo, mas não que fosse por ter outra pessoa. 




Isso nunca. Jamais. 




Nunca me prestaria a este papel. Nunca seria a amante e não importava se ela fazia meu corpo entrar em erupção, se ela dominava todos os meus pensamentos e sentidos, se conseguia me proporcionar os melhores orgasmos. 



Não importava mais nada. Eu não a queria se tivesse que dividi-la com mais alguém. 




— Lauren? – Estremeci ao ouvi-la me chamando. Ah droga! — Lauren? Está no banho? – Será que ela não conseguia ouvir o barulho do chuveiro? A ignorei completamente. 




Quando sai do banheiro, usando apenas o roupão que encontrei pendurado, dei de cara com Camila, ela andava pelo quarto apreensiva. Fíngi não notar o seu estado e fui direto para closet, onde havia deixado as minhas coisas. Ela me seguiu. 




— Posso trocar de roupa? – Minha professora ficou um pouco surpresa coma minha reação. Depois pareceu envergonhada. 



— Qual o motivo de todo esse mau humor? – Seus dedos correram os cabelos. Minha lembrança imediatamente me levou para o momento em que aqueles dedos me tocaram. Sacudi a cabeça para expulsãlas. 



 — Vou para casa. 



— O quê? – Não quis olhá-la. As lágrimas já ameaçavam cair. Por que eu sempre era tão idiota e chorava? 



— Você ouviu, Camila. – Cerrei os dentes empurrando as lágrimas de volta. 



— Ouvi, só não estou entendendo. Qual é o problema? – Retirei o roupão, ficando mais uma vez nua diante dela e comecei a vestir as minhas roupas. Ela respirou profundamente e desviou o olhar Virando-se para me dar mais privacidade. — Pensei que passariamos a noite juntas, você nem escreveu nada ainda. – Fiquei enfurecida. Peguei o roupão e atirei nela. 



— Por que não convida a professora Ariana? – Camila segurou a peça molhada, me encarando, surpresa com a minha reação. 



— Lauren! 



— Não fale meu nome deste jeito, sua... Sua... Ah, vá à merda, Camila! – Tentei passar por ela, vestindo apenas lingerie, ela me segurou pelo braço. 



— Pare com isso, Lauren! 



— Pare você! – Afastei suas mãos de mim e passei para o quarto. 



— Ariana é só uma amiga. 



— Ah tá! 



— Não estou entendendo. Não somos namoradas, nós... 



— Não somos namoradas, porém você quer exclusividade, não é? Não posso sair para paquerar, nem encontrar alguém para transar, já que nem isso você faz comigo. 




Ela me olhou sem acreditar no que eu dizia. Camila andou pelo quarto sem saber o que responder, aproveitei e voltei para o closet à procura de roupas. Minha professora me alcançou sem que eu esperasse, seus braços me envolveram, me prendendo a ela. 




— Não quero brigar com você. Ariana é apenas uma amiga. 



— Isso não muda nada. 



— Muda tudo, Lauren. Você está criando uma confusão desnecessária. 



— Não muda o fato de ela poder aparecer aqui com um vinho para fazer você relaxar, enquanto eu estou me desdobrando para conseguir convencê-la a transar comigo. – Novamente ficou espantada com a minha sinceridade. 



— O que mais preciso fazer para que você entenda que se as circunstâncias fossem outras eu já teria feito isso com muito prazer? – Ela passou a mão em meus cabelos, tirando-os do rosto. - Lauren, não invente problemas para nós duas. Estávamos bem, vamos passar a noite juntas. Por favor! 




Meu coração começou a se tranquilizar. Camila sabia como me convencer a fazer tudo o que ela queria, e eu desejava loucamente ceder aos seus encantos. Principalmente com ela me segurando daquele jeito, me prendendo com seus olhos chocolates, profundos como uma águia, suplicando como se não suportasse a ideia de ficar longe de mim. 




— Não quero ficar entre você e outra pessoa, Camila. Não quero que você me faça sua amante. –Ela riu carinhosamente. 



— Você quem me colocou nesta história. 



— Mesmo assim. 



— Não tenho nada com ninguém, Lauren. 





Foi impossível não relaxar instantaneamente. Meus ombros cederam e meus olhos ficaram menos raivosos. Eu até precisei segurar o sorriso que insistia em se abrir em meus lábios. 




— Ok. – Ela me soltou e também ficou mais relaxada. 



— Ótimo! 



— Mas, se você beijar outra mulher, vai me dar o mesmo direito. – Camila fechou os olhos com força, juntando as duas mãos, as levou até o rosto, segurando na ponta do nariz. 



— Lauren, nós não somos namoradas. 



— Exatamente. – Consegui me manter firme, apesar de suas palavras terem me atingido de uma forma esquisita. Como se estivesse dizendo que eu não podia ser porque não era boa o suficiente para ser. — Eu não sou sua namorada, Camila . Então, se você pode se divertir por aí, eu também posso. 



— Droga! 



— E se transar com alguma mulher, eu também... 



— Eu já entendi. – Rebateu entre os dentes demonstrando toda a sua frustração. 



— Ótimo! A escolha agora é sua. 



— Já entendi. – E me encarou decidida a encerrar o assunto. 



— Se você acha tão necessário assim transar, por que... 



— Não! 



— Mas... – Levantei a mão para tocá-la. 



— Não, Lauren. – E ela se afastou como se um mínimo toque pudesse fazê-la mudar de ideia. Merda! Maldita Ariana que chegou para atrapalhar os meus planos. 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...